A alegria da música - Ella Fitzgerald | Maurício Dias | Digestivo Cultural

busca | avançada
64948 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Rodolpho Parigi participa de live da FAAP
>>> Para fugir de ex-companheiro brasileira dá volta ao mundo com pouco dinheiro
>>> Zé Guilherme encerra série EntreMeios com participação da cantora Vania Abreu
>>> Bricksave oferece vistos em troca de investimentos em Portugal
>>> Projeto ‘Benzedeiras, tradição milenar de cura pela fé’ é lançado em multiplataformas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Breve História do Cinismo Ingênuo
>>> Minha cartomante não curte o Facebook
>>> Geza Vermes, biógrafo de Jesus Cristo
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Os olhos brancos de Deus
>>> Alívios diamantinos
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Ser intelectual dói
>>> Simone de Beauvoir: da velhice e da morte
>>> Alice in Chains, Rainier Fog (2018)
Mais Recentes
>>> Cachaça artesanal. Do alambique à mesa de Atenéia Feijó & Engels Maciel pela Senac Nacional (2001)
>>> Pirâmides E Soberanos Do Egito de Sérgio Pereira Couto pela Escala (2015)
>>> O Velho Monge do Castelo de Lauro Trevisan pela Mente (2010)
>>> Dinâmica do Desejo de Frei Carmelo Surian pela Vozes (1982)
>>> Testemunho Sem Medo Como Partilhar sua Fé com Segurança de Bill Bright pela Candeia (1988)
>>> Cachaça. The Authentic Brazilian Drink de Diversos Autores pela Abrabe (2010)
>>> Natal a Humanidade e a Jovialidade de Nosso Deus de Leonardo Boff pela Vozes (2000)
>>> Blitzkrieg 1940 de Ward Rutherford pela Bison (1985)
>>> Cantores do Rádio. A trajetória de Nora Ney e Jorge Goulart e o meio artístico de seu tempo de Alcir Lenharo pela Unicamp (1995)
>>> Titeres y marionetas en alemania de Hans R. Purshke pela Neue Darmstädter Verlagsanstalt Darmstadt (1957)
>>> Aritmética da Emília de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Caçadas de Pedrinho de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Histórias Diversas de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Emilia no País da Gramática de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Histórias de tia Nastácia de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> O Saci de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> O Picapau amarelo de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Os 13 Porquês de Jay Asher pela Ática (2009)
>>> Só o Amor é Real de Brian Weiss pela Sextante (2012)
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis pela Ciranda Cultural (2017)
>>> O clamor do Mundo de Oswaldo Smith pela Vida (2009)
>>> DVD Coleção Mazzaropi Tristeza do Jeca vol. 3 de Direção, Amácio Mazzaropi / Milton Amaral pela Pam filmes (1961)
>>> A Cinco Passos de Você de Rachael Lippincott pela Alt (2019)
>>> O Poço do Visconde de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Peter Pan de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Memórias da Emília de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> O Minotauro de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> História do Mundo para Crianças de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Dom Quixote das Crianças de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> As Aventuras de Hans Staden de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> A chave do Tamanho de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> viagem ao Céu de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Serões de dona Benta de Monteiro Lobato pela Ciranda cultural (2019)
>>> Go Down Together The true Untold story of Bonnie and Clyde de Jeff Guinn pela Simon & Schuster (2009)
>>> Fbi--43--o grande golpe--105--41--67 de Monterrey pela Monterrey
>>> Hh--epopeias de guerra--375--furia e odio--6--160--146--153--158-- 23--141 de Peter kapra pela Monterrey
>>> Rpg--29--anjos e demonios--58--temporada de caça. de Trama pela Trama
>>> Egw--100--call of duty--black ops de Tambor pela Tambor
>>> A Saga dos Cristãos Novos de Joseph Eskenazi Pernidji pela Imago (2005)
>>> Uma Técnica de Viver de Leonard A. Bullen pela Pensamento (1988)
>>> Avaliação de Programas - Concepções e Práticas de Blaine R. Worthen, James R. Sanders e Jody L. Fitzpatrick pela Gente (2004)
>>> Concentração de Mouni Sadhu pela Pensamento (1984)
>>> O Melhor Livro Sobre Nada de Jerry Seinfeld pela Frente (2000)
>>> A República de Platão pela Nova Cultural (2000)
>>> Condenados da Terra de Frantz Fanon pela Edição Popular (1961)
>>> Com Olhos de Criança de Francesco Tonucci pela Instituto Piaget (1988)
>>> Revista Neuro Educação – Nº 4 – Dormir Bem Para Aprender Melhor de Vários Autores pela Segmento (2015)
>>> de Jorge Carvalho do Nascimento pela Criação (2018)
>>> Revista Ciência & Vida Psique – Ano 1 – Nº 2 – Psicopedagogia Pra Que? de Vários Autores pela Escala
>>> Revista Crescer em Família – Ano 7 – Nº 74 - Primeiro Ano do Bebê de Vários Autores pela Globo (2000)
COLUNAS

Terça-feira, 1/4/2003
A alegria da música - Ella Fitzgerald
Maurício Dias

+ de 4200 Acessos

"When she sings hot, you can't be solemn
It sends the shivers up and down your spinal
column."

George & Ira Gershwin, em My Cousin in Milwaukee

Vivemos numa era de mediocridade. Boa parte dela invade nossos lares, via antenas ou cabos. Em inglês mediocrity e media (mídia) tem o mesmo radical fonético, o que me parece bem apropriado. Em português devíamos falar em "mídiocridade".

Nunca se viu um desprezo tão grande pela cultura e seus benefícios. As pessoas param mortificadas para assistir a um bando de garotas e garotos de programa - vamos botar a bola no chão, é disso que se trata - reunidos numa casa, andando sempre em trajes de banho e desfilando sua sabedoria.

A massa não sabe apreciar uma odalisca de Matisse; John Coltrane e seu grupo tocando "My Favorite Things" ou "A Love Supreme"; "Meu Tio o Iauaretê" de Guimarães Rosa. Isso pra citar só contemporâneos, que foram vanguarda ou modernistas no século que terminou. Rubens, Mozart, Gil Vicente, então, aí já é pedir demais.

Acho que é obrigação dos pais se prepararem e agirem para garantir a sanidade mental dos filhos num mundo recheado com Ratos e Gugus, éguas e cachorras, Pokemons e Digimons - há imbecialidade para todas as idades. É preciso transformar os lares em bunkers, impermeáveis a esta onda avassaladora de mediocridade - já que na rua, inevitavelmente, estamos todos expostos à falta de educação alheia, a carros com alto-falantes tocando a todo volume obscenidades estacionados na nossa esquina.

Outro dia, almoçando num restaurante de um Shopping, o grupo de jovens na mesa ao lado conversava animadamente sobre quem devia ou não ir para o paredão do Big Brother. Opiniões antagônicas eram defendidas acirradamente, e eu, bestificado com aquele envolvimento todo. Dava vontade de falar: "- Falem de algo menos nauseante, estou tentando comer!"

Veja bem: não eram empregadas domésticas e porteiros conversando num trem de subúrbio, eram jovens de classe média num Shopping da zona sul do Rio de Janeiro. Talvez eu mereça mesmo ouvir tais asneiras, quem manda almoçar em Shopping?

O conceito de arte popular se perdeu. Se ouvimos a música popular dos anos 40, brasileira ou americana, e as compararmos com a música atual, dá vontade de chorar. Não tem mais letra, nem harmonia, e os timbres dos "cantores" soam como o de camelôs apregoando seus produtos.

Não que não houvesse antes erotização na música. As marchinhas de carnaval sempre foram maliciosas e sacanas. Mas a escrotidão - não há outra expressão adequada - que é empurrada ao povo hoje em dia é abjeta. O fruto de almas ressentidas, cheias de negatividade e recalques, que se acham no direito impô-los aos demais. E o rebanho vai atrás.

Um tônico balsâmico contra todo este lixo vem dos anos 1950: ELLA FITZGERALD SINGS THE GEORGE AND IRA GERSHWIN SONGBOOK.

Lançado pelo selo Verve, são três Cds ao todo, mais de cinqüenta faixas, e pode ser comprado pela internet, na amazon ou na cdnow - Não é barato, mas vale cada centavo.

A leveza e dicção perfeitas da grande diva, os arranjos magistrais de Nelson Riddle - o arranjador dos discos de Sinatra na fase da gravadora Capitol, o auge do Blue Eyes -, as melodias do maior compositor popular do século XX, e por último, mas não menos importante, as letras de Ira Gershwin.


Aliás, sobre as letras, recomendo o livro The Complete Lyrics of Ira Gershwin (Da Capo Press, NY) para se ver um senso de humor, métrica e beleza que só tem paralelo em Cole Porter. Uma aula de música popular sofisticada, adulta, por vezes irônica, por vezes lírica e extremamente romântica. Para encontrá-lo, tente a amazon.

Na caixa de CDs, as obras-primas se sucedem. Você já as deve ter ouvido na voz de outros cantores, um bom número delas faz parte do repertório de qualquer bom crooner do século passado: But not for me; Nice work if You can get it; The man I love; Someone to watch over me; A Foggy day e muitas outras. Mas o melhor para mim são as metalingüísticas The Real american folk song e By Strauss, ambas homenagens às avessas ao musical americano: uma diz que a música americana é "uma bebedeira mental" e a outra a compara pejorativamente às valsas. Mas ainda assim são homenagens. No filme "Um americano em Paris", By Strauss é cantada por Oscar Levant e Gene Kelly.

Maravilhoso é o fato que nestes CDs as músicas venham sempre com o prólogo (todos em versos), que muitas vezes eram cortados das versões que se costuma ouvir nos discos de outros grandes nomes da época.

Além dos clássicos, as que eu ainda não conhecia proporcionaram uma deliciosa descoberta: a paródia ao ritmos latinos e sua conotação romântica em Just Another Rhumba - com direito a um solo de bongô sensacional e versos hilários como "Ah,ah! At first it was divine-ah / But it turned out a Cuban Frankenstein-ah." (Não, não há nenhuma conotação política aqui, a faixa é do musical "The Goldwyn Follies", de 1935, mais de vinte anos pré-revolução cubana.) A celebração da juventude na persona de uma inconseqüente e namoradeira interiorana em My Cousin in Milwaukee - uma das letras mais graciosas que eu já vi: "Once I visited my cousin / In Milwaukee, U.S.A. / She got boyfriends by the dozen / When she sang in a low-down way.". Em uma estrofe Ira usa os termos squawky (que significa "semelhante a um grasnado, estridente"), e gawky ("tolo, palerma" - O MEC informa: ler o digestivocultural.com também é cultura). Não creio que sejam palavras muito utilizadas pelos americanos, mas onde mais o letrista ia arranjar rimas para "Milwaukee"?

E há a idealização do velho oeste em Sam and Delilah: "It's always that way with passion/ So, cowboy, learn to behave/ Or else you're li'ble to cash in/ With no tombstone on your grave. "

Além da qualidade, estes CDs são um tributo à integração racial; uma mulher negra, dois irmãos judeus, um maestro anglo-saxão: para o talento não há barreiras de nenhum tipo. Rap de protesto não é música negra, é baticum de quem não estudou teoria musical.

Aliás, se Ella estivesse começando nos dias de hoje, provavelmente enfrentaria mais preconceito do que na época em que começou. Não que ela não tenha sofrido: mesmo já célebre, suas excursões ao sul dos EUA com o JATP (Jazz At The Philharmonic), grupo all-star formado por Norman Granz - o homem por trás da gravadora Verve - foram recheadas de mesquinharias por parte dos donos de hotéis e restaurantes locais, que não recebiam bem os negros.

O preconceito racial diminuiu em nossos dias, mas Ella sofreria outro tipo de discriminação: por ser gorda, algo inaceitável para as cantoras nesta era do videoclip, quando a imagem é muito mais importante que a voz.

Se para alguns pesar no bolso comprar a caixa dos Gershwin, pode se consolar com outro disco de Ella, The Harold Arlen Songbook, com arranjos de Billy May, outro parceiro de Sinatra, para quem fez os arranjos de discos como o ótimo Come swing with me!

Voltando ao Gershwin Songbook, o único senão é que a clássica Summertime de Porgy and Bess não consta nem da caixa de CDs nem do livro (não era uma composição só dos Gershwin Brothers, nela entrou também DuBose Heyward, autor do romance que originou tudo). Curiosamente, no livro há uma outra canção, homônima, originalmente composta para o musical Two Little Girls in Blue, mas depois sacada do projeto.

Mas tudo bem, Summertime consta do disco Porgy and Bess que Ella gravou com Louis Armstrong (pela mesma gravadora Verve), e a letra segue abaixo, com seus erros de ortografia satirizando o inglês rústico dos camponeses.

Summertime
Summertime
And de livin is easy
Fish are jumpin
an de cotton is high
oh yo daddy's rich
an yo ma's good lookin
so hush little baby don't you cry

One of dese mournins
You goin to rise up singin
Den you'll spread yo wings
An you'll take the sky
But till that mournin
Deres a nothin can harm you
With daddy an mommy standin by.


Maurício Dias
Rio de Janeiro, 1/4/2003


Mais Maurício Dias
Mais Acessadas de Maurício Dias em 2003
01. A obra-prima de Raymond Chandler - 21/1/2003
02. Picasso e Matisse: documentos - 10/6/2003
03. Uma teoria equivocada - 14/10/2003
04. Quentin Tarantino: violência e humor - 29/7/2003
05. Por onde anda a MPB atualmente? - 20/5/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A CONSTRUÇÃO DA ESTRUTURA CONCEITUAL DA FÍSICA CLÁSSICA
POLITO, ANTONY M. M.
LIVRARIA DA FÍSICA
(2016)
R$ 50,00



PENSAMENTO ATLÂNTICO, ESTUDOS E ENSAIOS DE PENSAMENTO LUSO-BRASILEIRO
PAULO A. E. BORGES
IMPRENSA NACIONAL
(2002)
R$ 81,58



ARARIBÁ PLUS HISTÓRIA 9º ANO
MARIA RAQUEL APOLINARIO
MODERNA
(2017)
R$ 9,00



AS PARÁBOLAS
IVETE RIBEIRO
VOZES
(1974)
R$ 10,00



CAUSAÇÃO EM PSIQUIATRIA: O ENDOGENO
MARCO AURÉLIO BAGGIO
FOGLIO
(2000)
R$ 5,00



O MAPA DO TESOURO
WALMIR AYALA
FDT
(1988)
R$ 10,00



INTERFACES: LITERATURA, MITO, INCONSCIENTE, COGNIÇÃO
MARIA LUIZA RAMOS
UFMG
(2000)
R$ 33,28



SLANG AND EUPHEMISM: OATHS - CURSES - INSULTS - RACIAL SLURS - SE
RICHARD A. SPEARS
SIGNET
(1981)
R$ 32,28



GUIDE DU MUSÉE RODIN: A L'HÔTEL BIRON
MONIQUE LAURENT
HAZAN
(1992)
R$ 14,00



A ANÁLISE E O ARQUIVO
ELISABETH ROUDINESCO
JORGE ZAHAR
(2006)
R$ 33,00





busca | avançada
64948 visitas/dia
2,1 milhões/mês