Odiou-se minuciosamente | Vicente Escudero | Digestivo Cultural

busca | avançada
49568 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 9/4/2009
Odiou-se minuciosamente
Vicente Escudero

+ de 2300 Acessos



"O Sul", conto de Jorge Luis Borges, trata do duplo, projeção autônoma da personalidade, dividindo o protagonista em dois pólos contrastantes: a vida de um pacato bibliotecário, que durante o agonizante tratamento de uma doença em um sanatório desdobra-se no irreal, nos delírios do protagonista sonhando a própria morte em um duelo de facas num ambiente idealizado, numa representação do gauchismo permeada de um "sentimento profundamente argentino".

O enredo é autobiográfico. Borges, no prólogo da edição de Artifícios, coletânea de contos lançada em 1944, avisa ao leitor que a história pode ser lida superficialmente, como uma narração direta de fatos novelescos ou numa segunda camada, secreta, em que os acontecimentos na vida do protagonista tornam-se fantásticos e revelam a fuga do tratamento degradante pela representação da morte, dignificada no enfrentamento do perigo. Nas duas leituras, a vida de João Dahlmann é permeada por fatos ocorridos na vida de Borges. O protagonista também é bibliotecário. A septicemia causada pelo choque com o batente de uma janela, que na vida real do autor custou-lhe uma cirurgia, tratamento penoso e dez dias de repouso, na história desencadeia a doença do protagonista e seu isolamento no sanatório durante a terapia.

Interpretada como uma novela realista, seu deslinde passa pela cura do protagonista e acaba no duelo com um dos gaúchos presentes na venda; uma homenagem simples ao homem das planícies e seu caráter firme, resoluto. Compreendida nas entrelinhas, com as referências feitas pelo próprio autor, no prólogo, a Bernard Shaw, De Quincey, Stevenson, Mauthner, Chesterton, Léon Bloy e Schopenhauer, a transformação de João Dahlmann não é cura, mas loucura. Ao ser internado na clínica da Rua Equador, metáfora do espaço limítrofe, o protagonista passa a habitar a zona gris entre a sanidade e a loucura, no mesmo exercício do duplo presente em O Médico e o Monstro, de Stevenson. Lutando meticulosamente para suportar a dor, Dahlmann entra em um estado de delírio no qual as lembranças e as expectativas para o futuro fundem-se numa projeção negativa da situação real e criam uma saída honrosa contra a realidade abjeta da falta de sono, a presença ininterrupta, incansável, da realidade. Dahlmann divide-se e o crioulismo, seu sentimento de nativo do Sul, argentino e gauchesco, em contraposição ao urbano do Norte, começa a comandar as ações enquanto o outro enfraquece.

Durante o início do tratamento, enfraquecido pela dor, o protagonista odiou-se minuciosamente; odiou sua identidade, suas necessidades corporais, sua humilhação, a barba que lhe eriçava o rosto. E é neste exercício de negação de suas condições que Dahlmann dá espaço para o surgimento do outro. Esta é a chave do enredo, seu turning point: o momento em que ele dá vazão a sua força vital (Shaw) e supera o medo.

A partir desse domínio pelo outro, Dahlmann alivia a dor através da arte, da representação de uma breve trama épica em que seu destino é irreversível: lutar uma batalha heróica, sacrificar-se. Aqui, a influência do pensamento de Schopenhauer surge com a supressão da dor, proveniente da vontade de curar-se, através da contemplação da história de sua morte em circunstâncias mais dignas que no sanatório.

Nesse labirinto de referências, não espanta que Borges tenha omitido a presença de Ambrose Bierce. O exercício de relativização do tempo dos fatos, a extensão de um instante na consciência a partir de uma experiência limítrofe, foi tratado por este autor no conto "Incidente na ponte de Owl Creek", em que o americano Peyton Farquhar, sulista tradicional e entusiasta dos confederados, acaba sendo enforcado durante a Guerra de Secessão, após ser enganado por um agente disfarçado do exército da União e tentar destruir uma ponte utilizada pelo exército do Norte. A ação começa já no instante do enforcamento e desenrola-se com a fuga do protagonista a partir do rompimento da corda e sua queda no rio sob a ponte, título do conto. A fuga ocorre em meio a uma chuva de tiros, enquanto Peyton tenta se esconder sob a água, nadar para a borda e fugir através da floresta. O êxito da fuga termina na porta de sua casa, onde ele corre para os braços da esposa. A narrativa, então, é interrompida bruscamente; ele sente uma pancada na nuca, um brilho branco ofusca-lhe a visão e a descrição de seu corpo morto, movendo-se como um pêndulo sob as vigas da ponte, surge encerrando o instante fantástico. Os segundos que precedem o enforcamento do protagonista transformam-se em um delírio de minutos, causado pelo terror da morte iminente.

No conto de Borges, a técnica é a mesma. A partir da tomada do controle pelo outro, a estadia do protagonista no sanatório é interrompida pela breve trama épica. Borges dá indícios da duplicidade, como a semelhança do funcionário da venda com o do sanatório, a ausência de detalhes específicos na viagem, que é cercada por lembranças genéricas ― como um borrão da memória do personagem. A clara indiferença do protagonista aos detalhes da viagem, sua incapacidade em questionar a estranha parada do trem antes da estação final, demonstram a irreversibilidade dos fatos, sua falta de controle sobre o destino, como num sonho. Esta jornada ao âmago tem início na internação e se encerra nela, quando Dahlmann, no final, imagina que a morte no duelo seria uma libertação para ele, na primeira noite na clínica, quando lhe cravaram a agulha. Borges é mais sutil que Bierce: o final de sua história é aberto, a morte do protagonista não é apresentada e todos os elementos que indicariam o duplo são apenas indícios, tornando qualquer interpretação, transitória.

Qual a importância de "O Sul"? Para Borges, este talvez tenha sido seu melhor conto, opinião compartilhada por Harold Bloom. Sua estrutura é aberta, comporta as mais diversas interpretações (o leitor pode constatar isso através de uma simples busca no Google), além de identificar as características mais importantes da literatura do autor, como a presença constante de reflexões filosóficas, a construção minuciosa de camadas e subtextos, tudo revelando um gênio preocupado com o tratamento universal dos temas e a necessidade da criatividade suplantar as frivolidades realistas.

É no mínimo estranho constatar que um autor deste porte, como Machado de Assis, tenha sido acusado de trair sua cultura, sua pátria, por supostamente fugir das tradições locais. Seu melhor conto é autobiográfico e representa o gaúcho tradicional da Argentina, numa perspectiva digna, coberta de heroísmo, afinal, mesmo não sabendo manejar uma adaga, Dahlmann não desiste do duelo.

Uma história com tantas qualidades deixa viva a seguinte indagação: É possível uma nação renegar a nacionalidade a um homem que representou a própria morte numa peleja, como um dos seus?


Vicente Escudero
São Paulo, 9/4/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Inferno em digestão de Renato Alessandro dos Santos
02. A maldade humana de Gian Danton
03. Um gadget de veludo de Vicente Escudero
04. O Conflito do Oriente Médio de Heitor De Paola
05. Do Caos, Dalí e os idiotas de Paulo Polzonoff Jr


Mais Vicente Escudero
Mais Acessadas de Vicente Escudero em 2009
01. Amor aos pedaços - 7/5/2009
02. E a lei cedeu diante dos costumes - 11/6/2009
03. O naufrágio é do escritor - 12/3/2009
04. 2008, o ano de Chigurh - 2/1/2009
05. Amantes, tranquila inconsciência - 8/10/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O TRONCO DO IPÊ
JOSÉ DE ALENCAR
SARAIVA
R$ 4,00



CLASH ROYALE
GUILHERME ATHAIDE
PANDA BOOKS
(2016)
R$ 15,00



EDUCAÇÃO E TRANSIÇÃO DEMOCRÁTICA
GUIOMAR N. MELLO
CORTEZ
R$ 5,00



O CAVALO VERDE - CAUSOS GAÚCHOS E RELATOS INTERIORANOS
LUIZ CORONEL
MECENAS
(2002)
R$ 24,00



O PENSAMENTO ANTIGO (2 VOLUMES) RODOLFO MANDOLFO (FILOSOFIA)
RODOLFO MANDOLFO
MESTRE JOU
(1964)
R$ 30,00



SELEÇÃO E COLOCAÇÃO DE PESSOAL
MARVIN D. DUNNETTE
ATLAS
(1973)
R$ 10,00



CARLOS VERGARA: PINTURAS
PAULO SERGIO DUARTE
AUTOMÁTICA
(2011)
R$ 60,00



THAT WAS THAT! CONSONANT DIGRAPHS TH
SUZANNE BARCHERS
LEAP FROG
(2010)
R$ 20,28



ANTOLOGIA POÉTICA
MAIACOVSKI
MAX LIMONAD
(1984)
R$ 35,00



ESTA MENINA ESTÁ FICANDO IGREJA
PE. ZEZINHO
PAULINAS
(1984)
R$ 4,84





busca | avançada
49568 visitas/dia
1,2 milhão/mês