Fabio Weintraub, poesia em queda livre | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
62333 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 9/8/2011
Fabio Weintraub, poesia em queda livre
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 4000 Acessos

O poeta Fabio Weintraub resolveu descer aos infernos. Seu livro Baque, editado pela Editora 34 letras em 2007, mergulha o leitor num conjunto de poemas que, no mínimo, desfiguram ou tratam da desfiguração da vida humana. Antes dele, Baudelaire já exigia dos poetas que deixassem sua auréola de criadores do sublime na lama. Não é sem sentido, portanto, a existência de um poema como "Carniça" do mestre francês. Rimbaud e Verlaine também ousaram criar juntos um soneto em louvor à baixeza, decifrando as entranhas físicas do olho do cu de cada um.

Weintraub, embora não partilhe do gosto romântico pelo dejeto, não faz outra coisa que transplantar para dentro de seus poemas a queda, esse baque que a vida sofre em várias situações, irreversíveis, muitas delas, e que revelam estragos nauseantes. Da descrição de um quisto maligno a impregnar um rosto carcomido pela destruição pútrida, que faz "moscas brotar do ar", ao golpe desfigurador que atinge um velho: "dois ou três golpes/ no cofre do crânio (...) Seu pensamento agora vaza/ entram barulhos,/ a brisa/ e toda sorte de insetos", sua poesia está tão dura quanto o peso de uma vida que se destrói em queda livre.

A poesia de Weintraub não se furta da dureza necessária ao entendimento do mundo "aqui perto". Porque a vida está dura, como no baque que a vida impõe a cada queda, sua poesia também despenca dura. Ela abraça o inusitado, sem reticências, e parece fria, cortante, como o bisturi a tentar expurgar doenças ou agulhas a remendar rostos atingidos "por canivetes ou tiro", nessa vida que "num átimo" vai deixar marcas indesejáveis: "meu rosto será desfigurado (...) talvez fique cego".

O mundo ao redor do poeta não cheira bem, e se é de pólvora e sangue que nossas narinas se alimentam, a poesia deverá transplantar para dentro de si os miasmas que vazam de gangrenas físicas e desfigurações sociais.

Mas Baque não é um livro de poesia social, não faz uso de um discurso raso de denúncia da "realidade". Ele não deixa, no entanto, de guardar no seu próprio vocabulário o desconforto quase tétrico dos baques, mas sem "nenhuma concessão sentimental" ao leitor, como disse Maria Rita Kehl na orelha do livro. Sem apelos chorosos humanistas, o poeta aproxima sua lente num terrível zoom sobre feridas, da alma e do corpo, numa sucessão de desamparos atordoantes colocados à nossa vista.

Quando a vida está por um fio, a poesia não pode e nem deve estar por menos. Weintraub assume que quer entrar na sombra. Onde qualquer olho rejeitaria olhar, ele olha. Da exaustão ao abatimento fatal, só os poetas mergulham sem medo nessas zonas de breu. Não como sociólogo ou psicanalista, pois a poesia não quer interpretar. O poeta vislumbra como imagem o que, ali mesmo, no cheiro da carne que se decompõe, deve ser o lugar da possibilidade da matéria sobre a qual sua arte se compõe.

Podemos pressentir na própria ordem dos poemas um andamento que vai do mal ao pior. Da violenta "paixão do alicate/ pelos mamilos da gorda", passando pela "dor aguda" que "piora com o calor/ a luz e os movimentos", atingindo uma atmosfera desoladora onde "tudo acabará/ num mero ricto grotesco-/ remendo horrendo/ para fundilhos".

As duas epígrafes do livro, uma de Beckett e a outra um provérbio grego, dão a pista para o andamento, como no segundo caso, que diz que "a pior parte é a maior".

Atravessar os poemas numa leitura direta e sem descanso nos deixa atônitos, pois nossos sentidos se atordoam numa viagem vocabular extremada e em sua conclusão fatal e básica: a vida está imprestável no tanto que a corrompe. O poema que dá título ao livro "Baque" resume em si mesmo o sentido de todo o livro: estes poemas são "um buquê de seqüelas/ em fratura imposta". Um poema que exemplifica a dureza das imagens desse livro é "Um balanço" que deixo ao leitor como antegozo (é justa essa palavra aqui?) para o resto do livro:

UM BALANÇO

do qual só restasse a trave
sem assentos
suspensos por corrente
sem crianças oscilando
de pernas abertas
em meio a risos e gritos
nem adultos
atrás empurrando
para frente
para o alto
cada vez mais
longe
mais forte
até o
crânio aberto entre cascalhos e bem-te-vis

Maria Rita Kehl chama atenção para o fato de que neste livro Weintraub abandona as paisagens interiores, comuns em outras de suas obras, para se encontrar com o outro, exterior ao poeta, mas partícipe do seu mundo, buscando, assim, "outra intimidade, inesperada, com o que restou de espírito aos homens e mulheres desprotegidos, expostos às vicissitudes das ruas, das doenças, da loucura".

Ao abandonar um certo subjetivismo, Weintraub abraça as formas do mundo como matéria e dor. Ao espectador a dor é palpável, pois esta poesia crava em nós o verbo como "cicatriz que se alastra". Se a vida só faz o pior, a poesia de Weintraub "não faz por menos". Vida in extremis, poesia in extremis.

Para ir além






Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 9/8/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Bruta manutenção urbana de Elisa Andrade Buzzo
02. Vocês, que não os verei mais de Elisa Andrade Buzzo
03. Carmela morreu. de Ricardo de Mattos
04. Faxina na Arca de Noé de Daniel Bushatsky
05. Relendo clássicos de Luiz Rebinski Junior


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2011
01. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I) - 20/12/2011
02. A arapuca da poesia de Ana Marques - 22/11/2011
03. Wagner, Tristão e Isolda, Nietzsche - 13/9/2011
04. Vantagens da vida de solteiro - 23/8/2011
05. Discos de Jazz essenciais - 28/6/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A JANELA DO TEMPO
IRAN IBRAHIM JACOB
NOVA ERA
(1996)
R$ 5,00



PISTOLAS SEMI-AUTOMÁTICAS - COLEÇÃO GUIAS DE ARMAS DE GUERRA
NOVA CULTURAL
NOVA CULTURAL
(1986)
R$ 9,90



UM ESTRANHO NO ESPELHO
SIDNEY SHELDON
NOVA CULTURAL
(1986)
R$ 9,00



MESTRES DA PINTURA: RENOIR
ABRIL CULTURAL
ABRIL CULTURAL
(1977)
R$ 6,90



OS AUTOS DAS BARCAS
GIL VICENTE
PUBLICAÇÕES EUROPA AMÉRICA
(1987)
R$ 5,00



AQUI ENTRE NÓS
MARINA COLASANTI
ROCCO
(1988)
R$ 6,99



COMO SE REALIZAM AS MUDANÇAS EM EDUCAÇÃO
A. M. HUBERMAN
CULTRIX
(1973)
R$ 5,90



A FALTA QUE ELA ME FAZ
FERNANDO SABINO
RECORD
(1980)
R$ 5,00



PRÊMIO CENTENÁRIO DE FERNANDO PESSOA, FERNANDO PERSONA
JOÃO DE CARVALHO
CASA DE PORTUGAL
(1993)
R$ 27,91



O CANDIDATO
FLETCHER KNEBEL
CIRCULO DO LIVRO
(1972)
R$ 5,00





busca | avançada
62333 visitas/dia
2,6 milhões/mês