A obra-prima de Raymond Chandler | Maurício Dias | Digestivo Cultural

busca | avançada
89721 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Castelo realiza piqueniques com contemplação do pôr do sol ao ar livre
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Escafandro e a Borboleta, com Mathieu Amalric
>>> A literatura contra o sistema
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Uma vida para James Joyce
>>> As Classes e as Redes Sociais
>>> Crônica de um jantar em São Paulo
>>> Defesa eloqüente do Twitter
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Margarita Paksa: Percepção e Política
>>> A primeira ofensa recebida sobre algo que escrevi
Mais Recentes
>>> Ecce Homo de Friedrich Nietzsche pela L&PM (2003)
>>> No Mundo Maior de Francisco Cândido Xavier - André Luiz pela Feb (2013)
>>> Quase Verdade de Jennifer Kaufman - Karen Mack pela Leya Casa Da Palavra (2011)
>>> A Arte de Cultivar Líderes Como Se Tornar um Mestre de Ram Charan e Bill Conaty pela Campus (2011)
>>> The Secret - o Segredo de Rhonda Byrne pela Ediouro (2007)
>>> Ramses o Filho da Luz de Christian Jacq pela Bertrand Brasill (2000)
>>> Portugal e a Revolução Global de Martin Page pela Nova Fronteira (2011)
>>> O Código da Vinci Roteiro Ilustrado de Akiva Goldsman pela Sextante (2006)
>>> Os Estudantes de Medicina e o Ato Médico de Conselho Federal de Medicina pela Cfm (2004)
>>> Lábios Que Beijei - o Romance da Lapa de Aguinaldo Silva pela Siciliano (1992)
>>> O Novo Mundo Digital Você já Está Nele de Ricardo Neves pela Refume Dumara (2007)
>>> Comunicação Tecnoestética Nas Mídias Audiovisuais de Denise Azevedo Duarte Guimarães pela Sulina (2007)
>>> A Filha mais Velha - Uma Imagem de Família de Selma Carvalho Souza pela Catavento (2005)
>>> Livro da Sorte e do Destino de J. Della Monica pela Madras (2000)
>>> Vencedor de Varios Autores pela New Live
>>> O Livro do Bem de F. Ramon pela Espaço e Tempo (1994)
>>> Pequeno Livro da Sorte de Heloisa Galves pela AlemdaLenda (2016)
>>> Ânimo de Lourival Lopes pela Otimismo (2007)
>>> Minuto Mediúnico de Vitor Ronaldo Costa pela Seda
>>> Memorização - Aumente em até 10 vezes a Capacidade da Memorização de Varios Autores pela Sintec
>>> Sexo e Felicidade de L. Silveira pela Saúde Brasil (1992)
>>> O Evangelho Segundo o Espiritismo de Allan Kardec pela Feesp (1991)
>>> Reiki, Guia de Referência Livro 3 de 3 de Joel Cardoso pela Escala (2000)
>>> Uma Viagem Entre o Céu e o Inferno de Luiz H. Leite Lopes - Maria Ziravello pela Planeta (2007)
>>> O Testamento de São João de J.J. Benítez pela Mercuryo (2006)
COLUNAS

Terça-feira, 21/1/2003
A obra-prima de Raymond Chandler
Maurício Dias

+ de 11700 Acessos

Se você gosta dos filmes noir de Billy Wilder e John Huston; se gosta de Tarantino e seu séqüito de imitadores; ou de filmes tão dispares quanto Blade Runner ou Los Angeles, Cidade Proibida, é melhor tratar de conhecer logo o pai da matéria, o homem que influenciou todos eles: o escritor americano Raymond Chandler (1888-1959), alguém capaz de agradar a nomes tão diversos quanto o crítico literário e escritor Edmund Wilson ou o roqueiro Lou Reed.

Chandler é quase que unanimemente tido como o maior autor da literatura policial. Na verdade, ele é bem mais que isso. Recentemente estive relendo O Longo Adeus (1953), seu melhor livro. A densidade, o humor e a ironia da obra me fizeram confirmar algo que há muito já desconfiava: com a possível exceção de William Faulkner, Chandler é o maior autor de romances americano do século XX. Com certeza é muito melhor que Hemingway, apesar de ter sido de certa forma influenciado pelos diálogos secos do autor de Os Assassinos e O Velho e o Mar.

O fato é que O Longo Adeus, mais ainda do que os demais livros de Chandler, não é bem um livro policial, mas um apanhado de observações sobre a sociedade americana entremeado por uma trama policialesca para agradar ao grande público. E especialmente neste livro, a trama policial funciona como uma argumentação a favor da lealdade, de sua grandeza moral, da necessidade dela como cimento da vida em sociedade. O personagem principal de todos os romances de Raymond Chandler, o detetive particular Philip Marlowe é um sir Galahad, que percorre desde a high society até os becos mais imundos com uma fé inabalável no seu dever de agir corretamente, ainda que sabendo que neste mundo tem-se que jogar duro. Este confronto de sua noção do que é certo contra sua acurada visão de mundo - pois Marlowe não é um imbecil, ele sabe onde vive - é a força motriz das suas muitas observações, recheadas quase sempre de uma certa amargura.

Magnífica é a descrição que o criador Chandler faz da criatura Marlowe em um ensaio que aqui foi publicado ao final da edição de A Simples Arte de Matar (L&PM Editores), coletânea de contos onde já se delineava algo do personagem Marlowe, embora ele ainda não fosse assim chamado: " ... nas ruas sórdidas da cidade grande precisa andar um homem que não é sórdido, que não se deixou abater e não tem medo. Neste tipo de história o detetive deve ser este homem. Ele é o herói; ele é tudo. (...) Não me interessa sua vida particular; ele não é nem um eunuco nem um sátiro; penso que ele poderia seduzir uma duquesa e tenho certeza de que não se aproveitaria de uma virgem; se é um homem honrado em uma coisa, é um homem honrado em todas as coisas".

E voltando a O Longo Adeus, a trama é complexa: tudo começa casualmente quando Philip Marlowe socorre Terry Lennox, um bêbado caído no estacionamento de uma boate. Inicia-se uma amizade, que será abruptamente terminada quando Lennox se envolve em problemas e Marlowe o ajuda a fugir para o México. Após o desfecho destra trama, aparentemente o livro recomeça do zero, e Marlowe vai trabalhar para um escritor alcoólatra. Mas as histórias acabam se interligando ao final, e mais que isso não posso contar.

A história, apesar de bem construída, não é o principal. A qualidade do texto em si é que impressiona. E como já disse no texto Escrita e Artes Visuais (publicado aqui no Digestivo), prefiro me calar diante da perfeição, deixar que ela fale por si mesma. Seguem trechos dos ótimos diálogos de O Longo Adeus, extraídos da edição - de bolso - que ainda pode ser encontrada nas livrarias, a da L&PM Pocket, com bela tradução de Flávio Moreira da Costa:

Dito por um multimilionário sexagenário:

"- ... Nós vivemos no que se chama de democracia, regida pela maioria do povo. Uma idéia ótima se chegasse a funcionar. O povo elege, mas são as máquinas partidárias que nomeiam, e as máquinas partidárias, para serem eficientes, precisam de muito dinheiro. Alguém precisa dar este dinheiro a eles e este alguém, seja um indivíduo, um grupo financeiro, um sindicato ou o que você quiser, espera alguma coisa em troca." (...; pág. 252)

O mesmo multimilionário:

"- ... Não se pode esperar qualidade de pessoas cujas vidas são uma sujeição à falta de qualidade. Não se pode ter qualidade com produção em massa. Não se deseja isso porque demoraria muito a chegar. Portanto, para substituir isso há o estilo. Que é um logro comercial com a intenção de produzir coisas obsoletas e artificiais. A produção de massa não poderia vender seus produtos no ano que vem a não ser que faça o que vendeu este ano ficar fora de moda. Temos as cozinhas mais brancas e os banheiros mais brilhantes do mundo. Mas na adorável cozinha branca a dona-de-casa americana média não consegue cozinhar uma refeição boa de se comer, e o adorável banheiro brilhante é sobretudo um receptáculo para desodorantes, laxativos, soníferos e produtos desta quadrilha de vigaristas que se chama indústria de cosméticos. Nós fazemos as embalagens mais bonitas do mundo, Sr. Marlowe. O que está lá dentro é, na maior parte, lixo." (pág. 253)

Dito por um escritor de romances históricos best sellers:

"- ... Uma vez tive um secretário homem. Despedi-o. Me incomodava ficando sentado por aí esperando eu criar alguma coisa. Cometi um erro. Devia tê-lo deixado ficar. Iam começar a dizer por aí que eu era homossexual. Os garotos inteligentes que escrevem resenhas de livros, porque não conseguem escrever mais nada, iam se encarregar de espalhar a notícia e minha carreira estaria feita. É preciso cuidar da carreira da gente, você sabe. São todos uns veados, todos eles. A bicha é o juiz artístico da nossa era, meu chapa. O pervertido é que está por cima agora." (pág. 270)

Diálogo entre o mesmo escritor e Marlowe:

"- Sabe de uma coisa? Não passo de um mentiroso. Meus personagens têm quase dois metros de altura e minhas heroínas têm calos no bumbum de tanto deitar na cama com os joelhos pra cima. Laços e fitas, espadas e carruagens, elegância e gentileza, duelos e mortes galantes. Tudo mentira. Usavam perfume em vez de sabonete, os dentes delas apodreciam porque nunca os escovavam, as unhas eram negras da sujeira dos estábulos. A nobreza francesa mijava nas paredes dos corredores de mármores de Versalhes, e quando finalmente se conseguia tirar as várias roupas de baixo da adorável marquesa, a primeira coisa que a gente notava era que ela precisava tomar um banho. Deveria escrever assim.

- E por que não?

- Claro; e iria morar numa casa de cinco cômodos em Compton....se tivesse sorte." (pág. 271)

Em que outro livro policial se encontraria comentários deste tipo?


Maurício Dias
Rio de Janeiro, 21/1/2003


Mais Maurício Dias
Mais Acessadas de Maurício Dias em 2003
01. A obra-prima de Raymond Chandler - 21/1/2003
02. Picasso e Matisse: documentos - 10/6/2003
03. Uma teoria equivocada - 14/10/2003
04. Quentin Tarantino: violência e humor - 29/7/2003
05. Por onde anda a MPB atualmente? - 20/5/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Raizes da Modernidade Em Minas Gerais (colecao Historial)
Joao Antonio de Paula
Autentica
(2000)



Execução no Processo do Trabalho
Manoel Antonio Teixeira Filho
Ltr
(2005)



Antologia do Teatro Anarquista
Maria Thereza Vargas
Martins Fontes
(2009)



Temas de Medicina do Sono
rubens reimão
Lemos
(2000)



Flagrantes: Con Dios Me Acuesto
Leila Rentroia Iannone
Do Brasil
(1985)



Romances e Novelas
Joaquim Norberto de Souza Silva
Landy
(2002)



O Capitalismo
Ari Herculano de Souza
Do Brasil
(1989)



Entidades Sindicais: Legislação Jurisprudência Prática
Adriano Campanhole e Outros (4ª Edição)
Atlas (sp)
(1984)



Paranóia: a Síndrome do Medo
Stella Carr
Ftd
(1992)



Amanhecer
Stephenie Meyer
Intrínseca
(2009)





busca | avançada
89721 visitas/dia
2,7 milhões/mês