Quentin Tarantino: violência e humor | Maurício Dias | Digestivo Cultural

busca | avançada
39185 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Drummond: o mundo como provocação
>>> Cigarro, apenas um substituto da masturbação?
>>> De volta às férias I
>>> Redes e protestos: paradoxos e incertezas
>>> 2005: Diário de bordo
>>> Alfa Romeo e os bloggers
>>> Defesa dos Rótulos
>>> O Jovem Bruxo
>>> Sua Excelência, o Ballet de Londrina
>>> O diabo veste Prada
Mais Recentes
>>> Organize-se num Minuto de Donna Smallin pela Gente (2005)
>>> Assassinato no Expresso do Oriente de Agatha Christie pela Nova Fronteira (2011)
>>> Quatrocentos Contra Um - Uma História do Comando Vermelho de William da Silva Lima pela Vozes (1991)
>>> Confronto pedagógico: Paulo Freire e Mobral de Gilberta Martina Jannuzi pela Cortez & Moraes (1979)
>>> Escravidão, Homossexualidade e Demonologia de Luiz Mott pela Icone (1988)
>>> Socialismo Síntese das origens e doutrinas de Edgar Rodrigues pela Porta Aberta (2003)
>>> Sentença: Padres e Posseiros do Araguaia de Rivaldo Chinem pela Paz E terra (2019)
>>> Pancho Villa O revolucionário Mexicano de Earl Shorris pela Francisco Alves (1983)
>>> México em Transe de Igor Fuser pela Scritta (1996)
>>> Sociologia Política da Guerra camponesa de Canudos - Da destruição do Belo Monte ao aparecimento do MST de Clóvis Moura pela Expressão Popular (2000)
>>> Exclusão Escolar Racializada - Implicações do Racismo na Trajetória de Educandos da EJA de Tayná Victória de Lima Mesquita pela Paco Editorial (2019)
>>> Crítica da Razão Negra de Achille Mbembe pela N-1 Edições (2018)
>>> Esferas da Insurreição - Notas para uma vida não cafetinada de Suely Rolnik pela N-1 Edições (2013)
>>> Arqueofeminismo - Mulheres filósofas e filósofos feministas – Séculos XVII-XVIII de Maxime Rovere (Org.) pela N-1 Edições (2019)
>>> A Doutrina Anarquista ao Alcance de Todos de José de Oiticica pela A Batalha (1976)
>>> Helena de Machado de Assis pela Ática (1994)
>>> A 3° Visão de T. Lobsang Rampa pela Record (1981)
>>> A História Da Indústria Têxtil Paulista de Francisco Teixeira pela Artemeios (2007)
>>> Ciência tecnologia e gênero abordagens Iberoamericanas de Marília Gomes de Carvalho (org.) pela utfPR (2011)
>>> A Jornada de Erin. E. Moulton pela Nova Conceito (2011)
>>> A Melodia Feroz de Victoria Schwab pela Seguinte (2016)
>>> Despertar ao Amanhecer de C.C. Hunter pela Jangada (2012)
>>> Sussurro - Coleção Hush Hush de Becca Fitzpatrick pela Intrínseca (2009)
>>> Holocausto Nunca mais de Augusto Cury pela Planeta
>>> Lusíada (Nº 1): Revista Ilustrada de Cultura.- Arte.- Literatura.- História.- Crítica de Martins Costa/ Portinari/ Texeira Pascoaes (obras de) pela Simão Guimarães & Filhos./ Porto (1952)
>>> Fábulas que Ajudam a Crescer de Vanderlei Danielski pela Ave Maria (1998)
>>> Ninguém é igual a ninguém de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> Você Pode Escolher de Regina Rennó pela Do Brasil (1999)
>>> Apelido não tem cola de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (2019)
>>> Coração que bate, sente de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> A galinha que criava um ratinho de Ana Maria Machado pela Ática (1995)
>>> Pinote, o fracote e Janjão, o fortão de Fernanda Lopes de Almeida pela Ática (2000)
>>> A lenda da noite de Guido Heleno pela José Olympio (1997)
>>> A História de uma Folha de Leo Buscaglia pela Record (1999)
>>> Chapeuzinho Amarelo de Chico Buarque pela José Olympio (1999)
>>> O último judeu: uma história de terror na Inquisição de Noah Gordon pela Racco (2000)
>>> Confissões de um Torcedor: Quatro copas e uma Paixão de Nelson Motta pela Objetiva (1998)
>>> Controle de Infecções e a Prática Odontológica em Tempos de Aids de Vários pela Brasília (2000)
>>> A Roda do Mundo de Edimilson de Almeida Pereira e Ricardo Aleixo pela Mazza/ Belo Horizonte (1996)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> A Propagação do Amor: Sobre o Plantio e a Colheita do Bem de Betty J. Eadie pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Auto- Estima: Amar a Si Mesmo para Conviver Melhor Com os Outros de Christophe André - Françoise Lelord pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Os Lusíadas: Reprodução Paralela das duas Edições de 1572 / Ed. Ltd. de Luis de Camões pela Impr. Nac. Casa da Moeda/ Lis (1982)
>>> Administração de Marketing: Desvendando os segredos de: Vendas. Promoç de Stephen Morse pela McGraw Hill (1988)
>>> Obras Completas de Álvares de Azevedo - 02 Tomos ) de Álvares de Azevedo/ Org. Notas: Homero Pires pela Companhia Ed. Nacional (1942)
>>> Obras Completas (Poesia, Prosa e Gramática) de Laurindo José da Silva Rabelo/ Org: O. de M. Braga pela Companhia Ed. Nacional (1946)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
COLUNAS

Terça-feira, 29/7/2003
Quentin Tarantino: violência e humor
Maurício Dias

+ de 8100 Acessos

“What happened like when you start out acting, you gotta have a résumé. And uh, if you ain't done nothin. It's like the thing is, you can't write nothin. Allright, because people aren't gonna pay attention to that. So you gotta lie. Allright. And uh, I had a better look at it then most, because I kinda knew a lot about movies. I was a fan of the Jean-Luc Godard, and he just had a movie come out from Cannon back in the 80's or something called King Lear. Woody Allen is in it for like a moment, and Molly Ringwald's in it. And I saw it, and it's like there is no way in HELL anyone is ever gonna see this movie. So I wrote down, you know, under film or motion pictures. I wrote motion pictures on my résumé(...)”

[O que acontece é que: quando você está começando a trabalhar como ator, você tem que ter um currículo. E se você ainda não fez nada? É aquela coisa: você não vai lá e escreve “não fiz nada”. Então você tem que mentir. Digamos que eu tinha uma bagagem melhor do que a da maioria, porque sabia muita coisa sobre filmes. Eu era fã de Jean-Luc Godard, e me lembro que ele havia feito um filme para a produtora Cannon, nos anos 80, chamado Rei Lear. Woody Allen tem uma participação pequena nele, e Molly Ringwald também trabalha. Como eu o havia visto, e como não havia ninguém para verificar a informação, resolvi incluí-lo no meu currículo.]

Quentin Tarantino em entrevista a Jay Leno

Quentin Tarantino (n. 1963) dirigiu apenas três filmes de longa metragem e um episódio de dez minutos - a única coisa que se salvava - no pavoroso "Grande Hotel". Seria um pouco cedo, portanto, para incluí-lo numa coluna que deveria ser sobre “Grandes Cineastas”. Com certeza, há muita gente mais gabaritada, cujos nomes mereceriam aparecer antes do dele. Mas seus filmes têm uma tal coerência temática e estrutural (ainda que careçam de profundidade) que podemos desde já considerá-lo um inovador da linguagem cinematográfica.

Tanto "Cães de Aluguel" quanto "Pulp Fiction" mostram a fragmentação da unidade temporal: as histórias não são contadas de forma clássica (começo, meio e fim), mas através de idas e vindas no tempo. Um recurso já existente, o qual Tarantino utilizou de forma engenhosa – e que gerou imitações por vezes exaustivas.

"Cães de Aluguel" tem muito de sua ambientação inspirada nos filmes barra-pesada de Martin Scorsese – "Taxi Driver", "Caminhos Perigosos" e "Os Bons Companheiros". Embora estes filmes se passem sempre em Nova York, e os de Tarantino em Los Angeles, os personagens guardam semelhanças entre si: estão imersos em ambientes sórdidos, boçalidade e numa violência que, de tão constante, se torna banal. Só o que têm é a “sabedoria das ruas” para ganhar dinheiro da forma que der e voltar pra casa em segurança. O próprio Tarantino paga tributo a Scorsese ao se utilizar de atores que brilharam com o diretor nova-yorkino (Harvey Keitel ou Robert de Niro).

Os diálogos de Tarantino repetem bem o vazio existencial e intelectual dos personagens encontrados em Scorsese, só que fazem isso de forma muito mais bem-humorada. O célebre diálogo sobre hambúrgueres entre Travolta e Samuel L. Jackson no início de "Pulp Fiction" é uma hilária sátira à jequice americana. Um caminho que também tem paralelo nos irmãos Coen - os quais, em Fargo, já mostram que, como nove entre dez diretores de Hollywood, absorveram algo de Tarantino. E esta influência não se faz sentir só em Hollywood. Os primeiros trabalhos dos ingleses Danny Boyle e Guy Ritchie (o Sr. Madonna Ciccone) têm nitidamente o estilo de Tarantino. O paulista Beto Brant também bebeu nesta fonte em seus longas, ainda que mais moderadamente. E o personagem “Zé Pequeno” de "Cidade de Deus" lembra muito, até no penteado, o Samuel L. Jackson de "Pulp Fiction".

Este vazio existencial que, se formos olhar bem, já existia no cinema marginal brasileiro. Filmes como o ótimo (e mucho loco) "O Bandido da Luz Vermelha" (Rogério Sganzerla, 1968) já têm esta preocupação de desglamourizar os personagens, mostrando-os como boçais vazios e ignorantes. Excluindo-se as comédias, em quase todos os filmes até a década de 60, quando havia um vilão, este era um gênio do mal – exceção feita a “A Marca da Maldade” (1958), de Orson Welles, onde o vilão interpretado por Akim Tamiroff é totalmente patético. E o próprio Welles, o vilão-mor do filme, tem que ouvir de Marlene Dietrich uma zombaria sobre seu excesso de peso.

Ou seja, esta lição sobre o lado banal do mal (Hannah Arendt transposta para a tela?) já estava dada há muito tempo, mas com Quentin Tarantino ela chegou ao mainstream do cinema americano, sendo reproduzida por astros de contracheques de sete dígitos.

Há algo que possa ser chamado de "arte" nestes filmes? Isto depende do conceito do que seja arte. Mas que são muito divertidos, e bem realizados dentro do que se propõe, não há dúvida. E Tarantino mostra em seus filmes também a interação das pessoas banais com a cultura de massas. Na trilha sonora, rock e soul da pesada; nas imagens e diálogos, referências ao cinema e aos quadrinhos. Em "Cães de Aluguel", o personagem de Tim Roth tem um poster do Surfista Prateado em seu quarto, e ao descrever a um amigo o chefe dos vilões, afirma ser ele fisicamente semelhante ao “Coisa”, do Quarteto Fantástico. Em "Pulp Fiction", o personagem de Travolta é viciado (entre outras coisas) em quadrinhos de Modesty Blaise. Há também a hilária lanchonete temática onde toda a ambientação é ligada a astros de rock ou do cinema. E tome John Travolta dançando de novo, como nos anos 70. Em "Jackie Brown", temos uma personagem secundária, uma prostituta negra, que imita as divas da era da disco. E no papel-título, o diretor resgata do limbo a estrela dos filmes feitos para o público negro americano nos anos 70, Pam Grier. Mais cult impossível.

Antes de poder dirigir seus filmes, Tarantino trabalhou numa vídeo-locadora, onde pôde adquirir uma certa "cultura cinematográfica" (sic) – deve ter sido nesta época que ele viu o filme chinês que “inspirou” Cães de Aluguel.

Mas, aliado a este gosto pelo lado mais “bronco” da vida, o diretor mostra uma capacidade para desenvolver fina ironia. A passagem em flashback onde Tim Roth vai aos poucos construindo seu personagem de falso bandido em Cães de Aluguel é uma tremenda paródia a um ator construindo um personagem. O seriado que a personagem de Bridget Fonda assiste continuamente em Jackie Brown, onde garotas de biquíni atiram com metralhadoras, é definitivamente patético. E Samuel L. Jackson (que interpreta um traficante de armas) comenta: - Estas armas que elas estão usando são uma merda, travam toda hora. Mas é só botar numa porra de um filme que todo traficante quer uma igual.

O diretor denuncia a propaganda veiculada neste gênero de filmes, ao mesmo tempo em que satiriza nesta fala toda a mística de Hollywood, o poder de manipulação e propaganda da fábrica de sonhos: a farsa é tão boa que engana até os criminosos. O que nos faz lembrar que, nos anos 30, gangsters da vida real copiavam os gestos feitos por George Raft e Edward G. Robinson na tela.

Um dos principais defeitos de Tarantino é não saber escolher parceiros e se misturar com gente de terceira classe, como o vazio Tony Scott ou o demagogo Oliver Stone.

A brutalidade despudorada de "Pulp Fiction" praticamente enterrou os filmes dos Stallones e dos Van Dammes da vida. A cena em que Bruce Willis vai procurando objetos mais e mais contundentes para agredir os dois maníacos é sintomática de como se passou uma década inteira tentando levar mais e mais violência ao espectador. Depois do martelo, o taco de baseball, e então a moto-serra... como levar a violência a sério depois de tudo isso?

Agora ficamos todos esperando pelo próximo trabalho do diretor, "Kill Bill", uma “aventura de artes marciais”, e que talvez acabe sendo dividido em dois filmes.


Maurício Dias
Rio de Janeiro, 29/7/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meta-universo de Adriana Carvalho
02. Para gostar de ler de Ana Elisa Ribeiro
03. Apresentação de Adriana Baggio


Mais Maurício Dias
Mais Acessadas de Maurício Dias em 2003
01. A obra-prima de Raymond Chandler - 21/1/2003
02. Picasso e Matisse: documentos - 10/6/2003
03. Uma teoria equivocada - 14/10/2003
04. Quentin Tarantino: violência e humor - 29/7/2003
05. Por onde anda a MPB atualmente? - 20/5/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A SANTA NO POLEIRO
NANI
ZIT (RJ)
(2008)
R$ 21,82



PÉROLAS DE UM POVO
EGON E FRIEDA WOLFF
DO AUTOR
(1987)
R$ 5,07



A CASA DA MADRINHA
LYGIA BOJUNGA
CASA LYGIA BOJUNGA
(2013)
R$ 25,00



A CATÁSTROFE DO PLANETA EBULIDOR
JOÃO CARLOS MARINHO
ED. GLOBAL
(1998)
R$ 9,99



EMAGREÇA COMENDO BATATA SEM CULPA
ADEMIR CARVALHO LEITE
ABRATHER
(2004)
R$ 10,80



A IGREJA PÓS CONCILIAR: DISCURSOS AO POVO DE DEUS
PAULO VI
EDIÇÕES PAULISTAS
(1968)
R$ 16,82



A TURMA DA MÃO PRETA O TESOURO DO LAGO DA BRISA E UM ROUBO ZOOLÓGICO
HANS JURGEN PRESS
ÁTICA
(2002)
R$ 4,00



MANUAL PRÁTICO DE DIREITO DO TRABALHO - PARA CONCURSOS
EDUARDO A. V. FERNANDEZ
BH
(2005)
R$ 32,82



A JUVENTUDE E A VIDA SEXUAL
E. THENN DE BARROS
LIVRARIA LIBERDADE
R$ 7,00



THE HEIST: A NOVEL
JANET EVANOVICH E LEE GOLDBERG
BANTAM BOOKS
(2014)
R$ 19,82





busca | avançada
39185 visitas/dia
1,1 milhão/mês