Quentin Tarantino: violência e humor | Maurício Dias | Digestivo Cultural

busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Anjos e Demônios, o filme, com Tom Hanks
>>> Quem tem boca vai a Roma
>>> Pergunte ao Polvo #worldcup
>>> O escandaloso blog de poesia de Maria Bethânia
>>> PosBIZZ com Ricardo Alexandre
>>> A era e o poder do Twitter
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> É Julio mesmo, sem acento
Mais Recentes
>>> Bernardo Pereira de Vasconcelos (Português) Capa comum de José Murilo de Carvalho pela 34
>>> Balmaceda - Coleção Prosa do Observatório (Português) Capa comum de Joaquim Nabuco pela Cosacnaify (2020)
>>> Autobiografia de Visconde de Mauá (Irineu Evangelista de Sousa) pela Senado (2020)
>>> Revista Tempo Brasileiro 25 - A Crise do Pensamento Moderno 3 de Vários pela Tempo Brasileiro (1970)
>>> Teatro Moderno = A Moratória de Jorge Andrade pela Agir (1996)
>>> Teatro na Igreja com criatividade de Maria José Resende pela Exodus (1997)
>>> O Furo . . .Que é um Furo que não é um Furo de Everton Capri Freire pela Parma (1981)
>>> A Retornada de Donatella Di Pietrantonio pela Faro Editorial (2019)
>>> O Teatro de Nelson Rodrigues: Uma Realidade em Agonia de Ronaldo Lima Lins pela Francisco Alves (1979)
>>> 525 Linhas de Marcelo Paiva pela Brasiliense (1989)
>>> Sonho interrompido por guilhotina de Joca Reiners Terron pela Casa da Palavra (2006)
>>> Mortos - Vivos = Vivos - Mortos de Walter José Faé pela Burity (1983)
>>> Ana do Maranhão de Lenita de Sá pela Folha Carioca (1982)
>>> Teatro e Paixão de Maria Lombros Comninos/Marta Morais da Costa pela Secretaria de Estado da Cultura e do Esporte (1982)
>>> Teatro de Marionetes de Heinrich Von Kleist pela Ministério da Educação e Saúde (1952)
>>> Teatro - Realidade Mágica de Santa Rosa pela Departamento de Imp. Nacional (1953)
>>> Sonetos em Curitiba de Nylzamira Cunha Bejes pela Planeta (2002)
>>> A Represa / Suburbana de Maria Helena Khuner/Celso Antonio da Fonseca pela Funarte (1933)
>>> Teatro da Vida 2 = Projeto Andarilhus de Eduardo Bolina pela Pallotti (2009)
>>> O Palácio dos Urubus de Ricardo Meireles Vieira pela Funarte (1975)
>>> Helicópteros e Lepidópteros de Eno Teodoro Wanke pela Plaquete (1979)
>>> Darwin e Kardec Um Diálogo Possivel de Hebe Laghi de Souza pela Centro Espírita Allan Kardec (2002)
>>> Macacos me Mordam ! de Eno Teodoro Wanke pela Plaquete (1987)
>>> Darwin e Kardec Um Diálogo Possivel de Hebe Laghi de Souza pela Centro Espírita Allan Kardec (2002)
>>> Os Infortúnios da Virtude de Marquês de Sade pela Iluminuras (2013)
>>> Joaquim - Minicontos - livrote n. 15 de Eno Teodoro Wanke pela Plaquete (1990)
>>> Administração Aplicada à enfermagem de Sérgio Ribeiro dos Santos pela Ideia (2002)
>>> Antologia de Jeorling J.Cordeiro Cleve pela Artes & Textos (2009)
>>> The Golden Bough: Volume 12 de James Frazer pela Cambridge University Press (2012)
>>> Teatrinho Infantil de Figueiredo Pimentel pela Livraria Quaresma (1958)
>>> Reiki Harmonia Universal de Joel Cardoso pela Tipo (2001)
>>> Saúde de Cães de A a Z de Pedro Zarur Almeida pela Madras (2005)
>>> Pré-Natal de Marcelo Zugaib e Rosa Ruocco pela Atheneu (2005)
>>> Gasparetto Responde! de Luiz Gasparetto pela Vida e Consciência (2015)
>>> O Quarto em Chamas de Michael Connelly pela Suma (2018)
>>> Southernmost - Rumo ao Sul de Silas House pela Faro Editorial (2018)
>>> Vigilância e Controle das Doenças Transmissíveis de Zenaide Neto Aguiar pela Martinari (2009)
>>> 21 dias de jejum pela edificação da casa de Deus de Aluízio A. Silva pela Vinha (2012)
>>> Aspectos do Design - Volume II de Vários Autores pela Senai-SP (2012)
>>> Escrevendo no escuro de Patrícia Melo pela Rocco (2011)
>>> Deus e Israel construindo a história de Equipe de produção Itebra pela Itebra (2001)
>>> Virtuosismo e Revolução de Paolo Virno pela Civilização Brasileira (2008)
>>> Simão Pedro de Georges Chevrot pela Quadrante (1990)
>>> Enfermagem em Obstetrícia de Geraldo Mota de Carvalho pela Epu (2002)
>>> Enfermagem e Nutrição de Geraldo Mota de Carvalho e Adriana Ramos pela Epu (2005)
>>> As Ideias de Popper de Bryan Magee pela Cultrix-Usp (1974)
>>> Les damnés de la terre de Frantz Fanon pela La Découverte (2016)
>>> História de Portugal de Rui Ramos (Coordenador), Bernardo Vasconcelos e Sousa, Nuno Gonçalo Monteiro pela A esfera dos livros (2019)
>>> A Corte na Aldeia de Francisco Rodrigues Lobo pela Biblioteca Ulisseia (2005)
>>> Veja 45 anos. Edição Especial. Ano 46 - 2013 de Vários pela Abril (2013)
COLUNAS

Terça-feira, 29/7/2003
Quentin Tarantino: violência e humor
Maurício Dias

+ de 8400 Acessos

“What happened like when you start out acting, you gotta have a résumé. And uh, if you ain't done nothin. It's like the thing is, you can't write nothin. Allright, because people aren't gonna pay attention to that. So you gotta lie. Allright. And uh, I had a better look at it then most, because I kinda knew a lot about movies. I was a fan of the Jean-Luc Godard, and he just had a movie come out from Cannon back in the 80's or something called King Lear. Woody Allen is in it for like a moment, and Molly Ringwald's in it. And I saw it, and it's like there is no way in HELL anyone is ever gonna see this movie. So I wrote down, you know, under film or motion pictures. I wrote motion pictures on my résumé(...)”

[O que acontece é que: quando você está começando a trabalhar como ator, você tem que ter um currículo. E se você ainda não fez nada? É aquela coisa: você não vai lá e escreve “não fiz nada”. Então você tem que mentir. Digamos que eu tinha uma bagagem melhor do que a da maioria, porque sabia muita coisa sobre filmes. Eu era fã de Jean-Luc Godard, e me lembro que ele havia feito um filme para a produtora Cannon, nos anos 80, chamado Rei Lear. Woody Allen tem uma participação pequena nele, e Molly Ringwald também trabalha. Como eu o havia visto, e como não havia ninguém para verificar a informação, resolvi incluí-lo no meu currículo.]

Quentin Tarantino em entrevista a Jay Leno

Quentin Tarantino (n. 1963) dirigiu apenas três filmes de longa metragem e um episódio de dez minutos - a única coisa que se salvava - no pavoroso "Grande Hotel". Seria um pouco cedo, portanto, para incluí-lo numa coluna que deveria ser sobre “Grandes Cineastas”. Com certeza, há muita gente mais gabaritada, cujos nomes mereceriam aparecer antes do dele. Mas seus filmes têm uma tal coerência temática e estrutural (ainda que careçam de profundidade) que podemos desde já considerá-lo um inovador da linguagem cinematográfica.

Tanto "Cães de Aluguel" quanto "Pulp Fiction" mostram a fragmentação da unidade temporal: as histórias não são contadas de forma clássica (começo, meio e fim), mas através de idas e vindas no tempo. Um recurso já existente, o qual Tarantino utilizou de forma engenhosa – e que gerou imitações por vezes exaustivas.

"Cães de Aluguel" tem muito de sua ambientação inspirada nos filmes barra-pesada de Martin Scorsese – "Taxi Driver", "Caminhos Perigosos" e "Os Bons Companheiros". Embora estes filmes se passem sempre em Nova York, e os de Tarantino em Los Angeles, os personagens guardam semelhanças entre si: estão imersos em ambientes sórdidos, boçalidade e numa violência que, de tão constante, se torna banal. Só o que têm é a “sabedoria das ruas” para ganhar dinheiro da forma que der e voltar pra casa em segurança. O próprio Tarantino paga tributo a Scorsese ao se utilizar de atores que brilharam com o diretor nova-yorkino (Harvey Keitel ou Robert de Niro).

Os diálogos de Tarantino repetem bem o vazio existencial e intelectual dos personagens encontrados em Scorsese, só que fazem isso de forma muito mais bem-humorada. O célebre diálogo sobre hambúrgueres entre Travolta e Samuel L. Jackson no início de "Pulp Fiction" é uma hilária sátira à jequice americana. Um caminho que também tem paralelo nos irmãos Coen - os quais, em Fargo, já mostram que, como nove entre dez diretores de Hollywood, absorveram algo de Tarantino. E esta influência não se faz sentir só em Hollywood. Os primeiros trabalhos dos ingleses Danny Boyle e Guy Ritchie (o Sr. Madonna Ciccone) têm nitidamente o estilo de Tarantino. O paulista Beto Brant também bebeu nesta fonte em seus longas, ainda que mais moderadamente. E o personagem “Zé Pequeno” de "Cidade de Deus" lembra muito, até no penteado, o Samuel L. Jackson de "Pulp Fiction".

Este vazio existencial que, se formos olhar bem, já existia no cinema marginal brasileiro. Filmes como o ótimo (e mucho loco) "O Bandido da Luz Vermelha" (Rogério Sganzerla, 1968) já têm esta preocupação de desglamourizar os personagens, mostrando-os como boçais vazios e ignorantes. Excluindo-se as comédias, em quase todos os filmes até a década de 60, quando havia um vilão, este era um gênio do mal – exceção feita a “A Marca da Maldade” (1958), de Orson Welles, onde o vilão interpretado por Akim Tamiroff é totalmente patético. E o próprio Welles, o vilão-mor do filme, tem que ouvir de Marlene Dietrich uma zombaria sobre seu excesso de peso.

Ou seja, esta lição sobre o lado banal do mal (Hannah Arendt transposta para a tela?) já estava dada há muito tempo, mas com Quentin Tarantino ela chegou ao mainstream do cinema americano, sendo reproduzida por astros de contracheques de sete dígitos.

Há algo que possa ser chamado de "arte" nestes filmes? Isto depende do conceito do que seja arte. Mas que são muito divertidos, e bem realizados dentro do que se propõe, não há dúvida. E Tarantino mostra em seus filmes também a interação das pessoas banais com a cultura de massas. Na trilha sonora, rock e soul da pesada; nas imagens e diálogos, referências ao cinema e aos quadrinhos. Em "Cães de Aluguel", o personagem de Tim Roth tem um poster do Surfista Prateado em seu quarto, e ao descrever a um amigo o chefe dos vilões, afirma ser ele fisicamente semelhante ao “Coisa”, do Quarteto Fantástico. Em "Pulp Fiction", o personagem de Travolta é viciado (entre outras coisas) em quadrinhos de Modesty Blaise. Há também a hilária lanchonete temática onde toda a ambientação é ligada a astros de rock ou do cinema. E tome John Travolta dançando de novo, como nos anos 70. Em "Jackie Brown", temos uma personagem secundária, uma prostituta negra, que imita as divas da era da disco. E no papel-título, o diretor resgata do limbo a estrela dos filmes feitos para o público negro americano nos anos 70, Pam Grier. Mais cult impossível.

Antes de poder dirigir seus filmes, Tarantino trabalhou numa vídeo-locadora, onde pôde adquirir uma certa "cultura cinematográfica" (sic) – deve ter sido nesta época que ele viu o filme chinês que “inspirou” Cães de Aluguel.

Mas, aliado a este gosto pelo lado mais “bronco” da vida, o diretor mostra uma capacidade para desenvolver fina ironia. A passagem em flashback onde Tim Roth vai aos poucos construindo seu personagem de falso bandido em Cães de Aluguel é uma tremenda paródia a um ator construindo um personagem. O seriado que a personagem de Bridget Fonda assiste continuamente em Jackie Brown, onde garotas de biquíni atiram com metralhadoras, é definitivamente patético. E Samuel L. Jackson (que interpreta um traficante de armas) comenta: - Estas armas que elas estão usando são uma merda, travam toda hora. Mas é só botar numa porra de um filme que todo traficante quer uma igual.

O diretor denuncia a propaganda veiculada neste gênero de filmes, ao mesmo tempo em que satiriza nesta fala toda a mística de Hollywood, o poder de manipulação e propaganda da fábrica de sonhos: a farsa é tão boa que engana até os criminosos. O que nos faz lembrar que, nos anos 30, gangsters da vida real copiavam os gestos feitos por George Raft e Edward G. Robinson na tela.

Um dos principais defeitos de Tarantino é não saber escolher parceiros e se misturar com gente de terceira classe, como o vazio Tony Scott ou o demagogo Oliver Stone.

A brutalidade despudorada de "Pulp Fiction" praticamente enterrou os filmes dos Stallones e dos Van Dammes da vida. A cena em que Bruce Willis vai procurando objetos mais e mais contundentes para agredir os dois maníacos é sintomática de como se passou uma década inteira tentando levar mais e mais violência ao espectador. Depois do martelo, o taco de baseball, e então a moto-serra... como levar a violência a sério depois de tudo isso?

Agora ficamos todos esperando pelo próximo trabalho do diretor, "Kill Bill", uma “aventura de artes marciais”, e que talvez acabe sendo dividido em dois filmes.


Maurício Dias
Rio de Janeiro, 29/7/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O pior cego de Luís Fernando Amâncio
02. Um curso para editores de Ana Elisa Ribeiro
03. Mulheres à beira de um ataque de nervos de Adriana Baggio


Mais Maurício Dias
Mais Acessadas de Maurício Dias em 2003
01. A obra-prima de Raymond Chandler - 21/1/2003
02. Picasso e Matisse: documentos - 10/6/2003
03. Uma teoria equivocada - 14/10/2003
04. Quentin Tarantino: violência e humor - 29/7/2003
05. Por onde anda a MPB atualmente? - 20/5/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




HEIDEGGERS POLEMOS - FROM BEING TO POLITICS
GREGORY FRIED
YALE
(2000)
R$ 53,50



DA GUERRA FRIA À DETENTE
DEMÉTRIO MAGNOLI
PAPIRUS
(1988)
R$ 23,82



TECNICA EN EL QUIROFANO MANUAL PARA PERSONAL DE SALA DE OPERACIONES
MARY ELLEN YEAGER
INTERAMERICANA
(1971)
R$ 118,45



REVISTA BRASILEIRA DE OFTALMOLOGIA VOL 25 N° 4
ADERBAL DE ALBUQUERQUE ALVES
NÃO INFORMADO
(1966)
R$ 16,75



O BRASIL E A HARMONIZAÇÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL
ELIONOR FARAH JREIGE WEFFORT
ATLAS
(2005)
R$ 17,28



REALLY LEARN 100 PHRASAL VERBS
DILYS PARKINSON
OXFOR
(2007)
R$ 7,00



A ROTA SANGRENTA
SVEN HASSEL
RECORD
(1977)
R$ 47,00



MEDIÇÃO E SERVIÇO SOCIAL - 8ª EDIÇÃO - OBRA REVISTA E AMPLIADA
REINALDO NOBRE PONTES
CORTEZ
(2016)
R$ 46,95



O ANEL DE AMETISTE
ANATOLE FRANCE
CIVILIZAÇAO BR
(1978)
R$ 5,00



FLOWER CROSS STITCH DESIGNS FOR TOWELS
SAM HAWKINS
AMERICAN SCHOOL N
(1991)
R$ 46,00





busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês