Cem anos de música do cinema | Fabio Silvestre Cardoso | Digestivo Cultural

busca | avançada
49036 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Quilombaque acolhe 'Ensaios Perversos' de fevereiro
>>> Espetáculo com Zora Santos traz a comida como arte e a arte como alimento no Sesc Avenida Paulista
>>> Kura retoma Grand Bazaar em curta temporada
>>> Dan Stulbach recebe Pedro Doria abrindo o Projeto Diálogos 2024 da CIP
>>> Brotas apresenta 2º Festival de Música Cristã
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
Últimos Posts
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Capitu, a melhor do ano
>>> Vontade de abraçar todo mundo
>>> Italo Calvino: descobridor do fantástico no real
>>> Notícias do Brasil
>>> Making it new
>>> Nick Carr sobre The Shallows
>>> O bom e velho formato site
>>> Escrever não é trabalho, é ofício
>>> A metade da vida
>>> A última discoteca básica
Mais Recentes
>>> Gramática de Hoje - Curso Ilustrado para 5º a 8º Série de Ernani e Nicola pela Scipione (1995)
>>> Guia do Brigadeiro de Sem Autor pela Alto astral (2012)
>>> Dinâmicas de Grupo: Redescobrindo Valores de Giovanna Leal Borges pela Vozes (2002)
>>> A Chave dos Lusíadas 11ª edição. de Luís de Camões (prefacio e notas de José Agostinho pela Figueirinhas Porto
>>> Guia Arte e Artesanato Bonecas de Pano de Varios Autores pela Casadois (2014)
>>> Guia de Ouro: Patch Apliquê - 290 Ideias de Moldes de Guia de Ouro pela Alto Astral (2013)
>>> Páginas Preferidas (versos) primeiro volume de Armando Gonçalves pela Autor (1964)
>>> Guia Arte e Artesanato Applique 52 Modelos Passo a Passo de Janaina Medeiros pela Artesanato (2013)
>>> Market Leader Upper Intermediate Business English Practice File de John Rogers pela Pearson Longman (2006)
>>> Os Temperamentos - a Face Revela o Homem- II de Norbert Glas pela Antroposofica (2011)
>>> Noções fundamentais da língua latina de Napoleão Mendes de Almeida pela Saraiva (1957)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis (14) pela Folha (2008)
>>> Uma Historia de Sabedoria e Riqueza de Mark Fisher pela Ediouro (1997)
>>> Five-minute Activities: a Resource Book of Short Activities de Penny Ur e Andrew Wright pela Cambridge University Press (1992)
>>> Sexo e Sexualidade Adolescência: Feliz... Idade de TodoLivro pela Todolivro
>>> Quem mexeu na minha bagunça ? de Celi Piernikarz pela Cortez
>>> Viagem ao Centro da Terra Em Quadrinhos de Júlio Verne pela Farol Hq (2010)
>>> Crianca Aos 9 Anos, A de Hermann Koepke pela Antroposofica (2014)
>>> Dom Quixote. O Cavaleiro Da Triste Figura - Coleção Reencontro Literatura de Miguel De Cervantes pela Scipione (paradidaticos) (2007)
>>> Quando os Lobos Uivam de Aquino Ribeiro pela Livraria Bertrand (1958)
>>> Amargo Despertar de Sardou Victorien pela O Clarim (1978)
>>> Querida Mamãe: Obrigado Por Tudo de Bradley Trevor Greive pela Sextante (2001)
>>> Os Mais Relevantes Projetos de Conclusão dos Cursos - Mbas 2014 de Strong Educacional pela Fgv (2015)
>>> Mobimento: Educação e Comunicação Mobile de Wagner Merije pela Peirópolis (2012)
>>> Go beyond students book pack 2 workbook de Nina Lauder, Ingrid Wisniewska pela Macmillan Education (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 8/6/2004
Cem anos de música do cinema
Fabio Silvestre Cardoso
+ de 10800 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Para muita gente, o sucesso das trilhas sonoras é um fenômeno recente. Tal raciocínio não deixa de fazer sentido quando se percebe a quantidade crescente desse filão à venda. E, com efeito, hoje em dia é quase inconcebível uma grande produção que não tenha sua trilha nas lojas quase ao mesmo tempo em que o filme é lançado. No entanto, não é de agora que a música é importante para a indústria cinematográfica; em verdade, a história do cinema às vezes se confunde com a história da música para o cinema. É o que mostra o jornalista João Máximo com os dois volumes de A Música do Cinema - os 100 primeiros anos (Ed. Rocco), em que tece uma análise descritiva sobre os primeiros cem anos da profícua produção musical para o cinema.

À primeira vista, os dois volumes podem parecer por demais extensos ao leitor desavisado. De fato, são obras de fôlego, em que o autor busca as bases dos primeiros acompanhamentos dos filmes para depois enveredar por campos pelos filmes e trilhas mais célebres. Desse modo, logo nas primeiras páginas, João Máximo informa como contará essa história da música na sétima arte: "Serão estudados todos os tempos e lugares da música dos filmes, do anônimo piano que se ouviu na primeira projeção dos irmãos Lumière à nova geração atuante no ano em que se comemorou oficialmente o primeiro século do cinema". Ainda nesse trailer explicativo, conforme a própria denominação do livro, o autor afirma: "Não se tentará aqui demolir os três clichês habitualmente usados pelos opositores da arte [a saber:] 1. A melhor música de cinema é aquela que não é notada; 2.a música dos filmes só funciona nos filmes; 3. Uma boa música pode ocultar os defeitos de um mau filme, assim como uma música ruim pode destruir uma obra-prima". Vale a pena ressaltar, ainda, que, para abordar tantos temas, o jornalista alia a descrição cronológica à divisão dos capítulos por temas, como "A herança européia"; "Uma herança norte-americana"; "A Hollywood pós-guerra"; e assim por diante.

O leitor, então, passa a acompanhar a evolução da música do cinema à medida que é contada a própria história da sétima arte. Assim, fica-se sabendo que desde o cinema mudo já havia tentativas, não muito bem sucedidas, de musicar uma passagem, a fim de aguçar ainda mais os sentidos. É interessante notar como isso pode parecer óbvio, hoje, com mais de 100 anos de cinema. Não era assim com Charles Chaplin, reticente e resistente acerca dessa novidade, conforme escreve o autor: "É curioso que outro gênio do cinema, Charles Chaplin - amigo de Griffith e sócio dele, Mary Pickford e Douglas Fairbanks na fundação da United Artists - não tivesse o mesmo entusiasmo pelo emprego da música nos filmes. Não no início". Nos capítulos seguintes, Máximo conta como Chaplin passou de resistente à categoria de "intuitivo criador de temas", como a belíssima balada "Smile".

No primeiro volume, João Máximo estabelece, como princípio de análise, os pioneiros na arte de composição para cinema, muito embora a maioria desses criadores não visse nessa atividade algo de muito valor simbólico. Segundo o autor, isso se deve ao fato de os compositores trabalharem em Hollywood por acaso. "Eram músicos que sonhavam com o mundo da grande ópera, da sala de concertos, da regência. (...) E acabaram, por circunstâncias várias, convertendo-se nos gênios efêmeros de uma arte nova, contestada, mas extremamente popular e, em razão disso, por eles mesmos minimizada, a ponto de não se orgulharem de seu ofício." Essa relação delicada entre "criador e criatura" não impediu, contudo, que as músicas feitas para os filmes se tornassem parte integrante dos filmes, não sendo possível, muitas vezes, desassociar uma arte da outra. Exemplo disso é a canção-tema do filme Casablanca, "As time goes by". Nesse caso, aliás, há um detalhe curioso, pois o responsável pela composição da trilha do filme não se sentia à vontade com "As time goes by". Tentou, inclusive, tirar a música do filme, mas não obteve êxito. E como é sabido: "'As time goes by', hoje um Standard, entrou para a História como a música de Casablanca, e Casablanca, entre outras referências, como o filme de 'As time goes by'". Em outros casos, a trilha sonora ajudaria até mesmo a salvar o destino de um estúdio de cinema, ou mudaria o "destino" de alguns filmes, como ocorreu com King Kong. Conforme a análise de João Máximo: "King Kong foi um sucesso. A música de Steiner, mais por sua funcionalidade do que pelas melodias bonitas, mostrou que qualquer tipo de filme, mesmo aquele em que o personagem principal é um gigantesco monstro apaixonado por delicada heroína, pode inspirar música". Além desses, muitos outros casos são apresentados ao leitor de forma envolvente, sem enciclopedismo, assemelhando-se, até, àquelas obras de cinema em que é preciso ficar atento, sob pena de perder detalhes valiosíssimos.

Paralelamente, o autor explica as técnicas utilizadas por cada compositor para compor as trilhas. O já citado Max Steiner utilizava não só o recurso do leitmotiv (um tema para cada personagem, casal, clima, situação) como também o mickeymousing (quando o som procura descrever o que a imagem já mostra). Em virtude dessa versatilidade, e dos ótimos "resultados" obtidos, João Máximo classifica Steiner como o grande mestre da composição musical cinematográfica: "Prêmios significam pouco para artistas de sua estatura. Os três que Steiner levaria para casa em 36 anos de carreira são gotas d'água no mar de sua biografia".

Já no segundo volume, o jornalista realiza uma análise mais densa, dividida em quatro capítulos. No entanto, é preciso não confundir qualidade com quantidade: o autor explora ao máximo os temas escolhidos, como no segmento "Clássicos, discos, canções, TV, rock'n roll, big bands e todo aquele jazz". Nesse capítulo, inclusive, há uma mostra de como o trabalho do jornalista foi coerente, apesar de sua paixão pela música e pelo cinema ficar nítida ao longo do livro. A passagem em questão é quando o autor versa sobre as escolhas de Stanley Kubrick: "Laranja Mecânica é um bom filme, mas a idéia do produtor-diretor [Kubrick] de utilizar música rearranjada de Beethoven e Rossini, mais 'Singing in the rain', para ilustrar o sexo e a violência na moderna e decadente sociedade descrita por Anthony Burgess em seu livro, é no mínimo discutível".

Em sua análise sobre a música do cinema, João Máximo consegue fazer uma explicativa distinção entre aquilo que é trilha sonora original - composta especialmente para o filme - e o que é trilha adaptada, ou seja, músicas e canções escolhidas aqui e ali para compor o soundtrack de um filme. Afora isso, é o próprio autor quem avisa que, muitas vezes, "muito da música do cinema hoje visa ao mercado paralelo do disco". Ainda assim, a leitura dos dois volumes de A música do cinema é não apenas fundamental para os críticos de cinema, como também será muito proveitosa para os cinéfilos e leitores interessados (que podem se municiar, inclusive, do índice onomástico e da discografia). Afinal, como disse o cineasta David W. Griffith: "A música dá o clima para o que seus olhos vêem, guia suas emoções, é a moldura emocional para o que as imagens mostram".

Para ir além









Fabio Silvestre Cardoso
São Paulo, 8/6/2004

Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Mulher Invisível ou a literatura como salvação de Elisa Andrade Buzzo
02. Caricaturas ao vivo de Diogo Salles
03. A Poli... - 10 anos (e algumas reflexões) depois de Julio Daio Borges


Mais Fabio Silvestre Cardoso
Mais Acessadas de Fabio Silvestre Cardoso em 2004
01. Desonra, por J.M. Coetzee - 21/12/2004
02. Eleições Americanas – fatos e versões - 9/11/2004
03. Cem anos de música do cinema - 8/6/2004
04. Teoria da Conspiração - 10/2/2004
05. Música instrumental brasileira - 12/10/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/6/2004
13h39min
A trilha de Laranja Mecânica é antológica. A cena do ménage à trois sincronizada com a música é, no mínimo, original e inesquecível. O mesmo ocorre com "2001: uma odisséia...", com "thus spoke zaratrusta" e danúbio azul.
[Leia outros Comentários de Pablo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro Literatura Estrangeira The Queens and the Hive
Jack Matthew
Macmillan
(1962)



/Os Homens que não Amavam as Mulheres
Stieg Larsson
Companhia das Letras
(2008)



Livro História do Brasil Campanhas Jornalísticas Volume 3 Obras Seletas de Rui Barbosa VIII
Rui Barbosa
Record
(1998)



Álbum-Lembraça da Exposição Iconográfica e Bibliográfica Bahiana
Desconhecido
Prefeitura Municipal do Salvador
(1951)



Livro Literatura Estrangeira This Charming Man
Marian Keyes
Penguin Books
(2008)



Livro Literatura Brasileira As Pupilas do Senhor Reitor Biblioteca Folha 11
Júlio Dinis
Ediouro
(1997)



A Obra do Artista ( uma Visão Holística do Universo)
Frei Betto
Ática
(1995)



Em busca da paz
Fernando Carraro
Elementar
(2009)



Reperessão Sexual: Essa Nossa Desconhecida
Marilena Chaui
Brasiliense
(1984)



Livro Gibis Armeiro Ninjak
Kindt Matt
Jambô
(2017)





busca | avançada
49036 visitas/dia
1,8 milhão/mês