Nós, os afogados, de Carsten Jensen | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
87666 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
>>> MAB FAAP seleciona artista para exposição de 2022
>>> MIRADAS AGROECOLÓGICAS - COMIDA MANIFESTO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Carma & darma
>>> Sultão & Bonifácio, parte II
>>> Ensaio autobiográfico, de Jorge Luis Borges
>>> O código dos gênios
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
>>> Para você estar passando adiante
>>> Blogs roubam audiência
>>> O enigma da 21ª letra
>>> Crise dos 40
>>> Marcelotas
Mais Recentes
>>> Livro A Maldição do Titã de Rick Riordan pela Intrínseca (2014)
>>> Livro Se Eu Ficar de Gayle Forman pela Novo Conceito (2019)
>>> Querido John de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2013)
>>> Saudável aos 100 Anos de John Robbins pela Fontanar (2009)
>>> Chico Buarque Letra e Música - 2 Volumes de Chico Buarque de Hollanda pela Companhia das Letras (1989)
>>> Songbook Caetano Veloso - Vol. 2 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Songbook Bossa Nova - Vol. 1 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Médio Dicionário Aurélio de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira pela Nova Fronteira (1980)
>>> Dicionário Etimológico Nova Fronteira da Língua Portuguesa de Antônio Geraldo da Cunha pela Nova Fronteira (1982)
>>> Dolce Casa - Manuale Di Sopravvivenza Domestica de Grazia Dominici pela La Spiga (1984)
>>> Meu Mundo Caiu. a Bossa e a Fossa de Maysa. a Bossa e a Fossa de Maysa de Eduardo Logullo pela Novo Século (2007)
>>> Haroldo Costa de Vários Autores pela Rio (2003)
>>> Cancioneiro Popular Português e Brasileiro de Nuno Ctharino Cardoso pela Portugal-brasil Ltda (1921)
>>> Retratos - Dadá Cardoso de Dada Cardoso pela Avatar (1999)
>>> A Informação no Rádio de Gisela Swetlana Ortriwano pela Summus Editorial (1985)
>>> Yes, nos Temos Bananas - História e Receitas de Heloisa de Freitas Valle; Márcia Masca pela Senac São Paulo (2003)
>>> Manual de Modelismo de Albert Jackson; David Day pela Hermann Blume (1981)
>>> Madeira-mamoré. Patrimônio da Humanidade de Hércules Góes pela Ecoturismo (2005)
>>> Uma História de Agendas de João Rothschild pela Ernesto Rothschild (1990)
>>> Estética. La Cuestion del Arte de Elena Oliveras pela Aemecé (2007)
>>> Conheça o Pantanal de Nicia Wendel de Magalhães pela Terragraph (1992)
>>> Corpo de Baile de João Guimarães Rosa pela José Olympio (1956)
>>> Línguas de Fogo. Ensaio Sobre Clarice Lispector de Claire Varin pela Limiar (2002)
>>> Pedagogia Diferemciada : das Intenções à Ação de Philippe Perrenoud pela Artmed (2000)
>>> Um General na Biblioteca de Italo Calvino pela Companhia das Letras (2007)
COLUNAS

Segunda-feira, 19/10/2015
Nós, os afogados, de Carsten Jensen
Ricardo de Mattos

+ de 3100 Acessos



"O mar é habilidoso desenhador de ausências"(Mia Couto)

Senhoras e senhores, excelente livro!

Apesar de nunca especialmente atraídos por livros nos quais o mar fosse o cenário, diante de Nós, os afogados, do jornalista e escritor dinamarquês Carsten Jensen, sentimos o mesmo impulso notado outras vezes diante de obras desconhecidas. Será o chamado do mar tão intenso a ponto de contaminar um livro e torna-lo irresistível? Podemos comparar o avanço da leitura com a exploração do mar a partir da praia: molha-se o pé, sentindo-se a sensação agradável da água. Logo mergulhamos até a cintura e não dá vontade de sair. Mais um pouco e temos apenas a cabeça fora d'água. Encerrada a leitura, incita-nos a ideia de que testemunhamos a chegada de um clássico, de que podemos compreender melhor a experiência do leitor de outrora ao terminar livros como Crime e castigo, ou Dom Casmurro. "Este fica"!

Jensen foi sábio. Iniciou seu épico com a face histriônica de Laurids Madsen, "que, para começo de conversa, nunca tivera muito respeito por nada". Bem-aventurados os que conta-gotejam humor nos dias atuais. Por arte de Laurids, um falso alarma de guerra é dado e desenvolve-se uma comédia. Tomando parte nos preparativos para a batalha decorrente de seu "serviço", vai para casa armar-se devidamente: "Onde você guarda a frigideira grande?", pergunta à esposa. "Nem chegue perto dela", ela responde. Revelado o engano e afastado o perigo, uma moradora de Marstal questiona: "Fico imaginando quem de vocês fez gente decente sair da cama no meio da noite para ir à guerra".

Neste ponto já estávamos fisgados e cremos que não seremos os únicos. As quase setecentas páginas do romance sucedem-se rápidas. As divisões do texto foram feitas de tal forma que pequenas cenas encadeiam-se, formam um mosaico maior e sempre é possível "ler mais um pouco" antes de dormir ou de trabalhar.

E tal como avançar dentro do mar, a profundidade também aumenta. Laurids Madsen sai de cena. O olhar recai sobre a cidade dinamarquesa de Marstal, seus personagens e a diversidade de suas relações. O mar é a presença constante, que a todos chamará, mas poucos devolverá. Há guerras durante as quais é necessário fazer o frete. Há disputas entre os componentes da tripulação. Há calmaria. Nós, os afogados parece uma tela de Brueghel narrada cena a cena. Por quem narrada? Isto parece evidente desde o título: pelos próprios afogados. Por aqueles cujos esforços trouxeram as riquezas do mundo à pequena Marstal e facultaram-lhe o crescimento. Por aqueles que ficaram e com a própria vida acrescentaram algo ao grande painel. A História compõe-se dos que partiram e dos que ficaram - em todas as conotações -, dos que prejudicaram e dos que favoreceram, dos que amaram e dos que odiaram. Dos que se afogaram ao sair para o mar e dos que se afogaram ao permanecer inertes no turbilhão da vida - quiçá o pior afogamento. Jensen demonstra que estamos inseridos em contextos onde forças conflitantes podem coexistir. E, por vezes, as presenças insuportáveis serão justamente as garantidoras da sobrevivência diante de um mal comum e maior, como no caso do personagem Hermann Fradsen. Jensen lembra que a exclusão de um, ou de alguns, conferirá aos restantes uma incômoda falta. As muitas vozes reais e fictícias justificam a constante mudança da narração, como um Oratório em que se revezam solistas e coro.


Albert Madsen

Viktor Frankl disse que o ser humano é aquele que construiu a câmara de gás, mas também é aquele que entrou nesta mesma câmara recitando o Shemá ou o Pai Nosso. Cada indivíduo traz em si estas duas possibilidades, cabendo-lhe escolher entre construir a câmara de gás ou destruí-la, assumindo toda responsabilidade decorrente da escolha. Na parte mais profunda da obra, Jensen consegue mostrar este trânsito entre luz e sombra. Hermann Fradsen é apresentado como vilão desde seu surgimento. Todavia, não fosse por ele, o navio capitaneado pelo personagem Knud Erick seria vítima de um torpedo. Este último, por mais que se considerasse justificado em sua repulsa, ao menos resigna-se e admite-o na tripulação. Fradsen tem seu passado revelado, mas é aceito pelos demais membros da tripulação do navio de Erick. Há um inimigo maior em relação ao qual unir forças. O menino apelidado "Dente Azul" diverte-se com aquele que aprendeu a conhecer como "Velho Engraçado" e ninguém se preocupa em protege-lo do agente tornado inócuo.

Nós, os afogados trata da orfandade sanguínea e da filiação social ou espiritual, como queira o leitor. A orfandade sanguínea decorre da busca de sustento no mar, seja como pescador seja como marujo de navio mercante ou de guerra. Muitos partem e, após certo tempo sem notícias, seus familiares começam a desconfiar da resposta mais plausível. E as viúvas acabam por terminar de criar filhos que seguirão os passos paternos. Parece natural que entre Albert Madsen - filho de Laurids -, Knud Erick e o menino apelidado "Dente Azul" estabeleça-se este parentesco. Como si este elo artificial, mais intenso que o sanguíneo, viesse completar as questões sobre a origem e o destino de cada um. "Tinha se tornado um desconhecido ... Precisava encontra-lo para poder me despedir", reflete Albert a respeito da busca pelo pai, cujo desfecho o leitor poderá conferir, bem como sobre qual objeto o velho Madsen depositou sua atenção.

Necessário acrescentar o papel marcante a violência no romance de Jensen. Há violência na guerra verdadeira travada por Laurids, que lhe tolheu o ânimo brincalhão. Há violência na escola de Albert, comandada pelo professor Isager: do professor para com os alunos, na reação destes para com o professor e entre eles mesmos. A violência escolar revela-se um preparativo para a violência que a vida adulta os espera. No seu primeiro navio, Albert lembra-se do professor primário. Reconhece na vida a bordo os ensinamentos práticos fornecidos por Isager. Práticos, mas incompletos: "Foram dez meses no inferno. Eu já havia estado lá. Mas encontrar a saída foi algo que o desgraçado do Isager nunca nos ensinou". Há violência nas duas guerras mundiais que couberam no período histórico selecionado por Jensen. A atitude de personagens como Albert Madsen e Knud Erick mostra que, si o sofrimento e a violência fazem parte da existência, conferem-nos o desafio de não permitir que neles converta-se a própria existência.


Ricardo de Mattos
Taubaté, 19/10/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo de Jardel Dias Cavalcanti
02. Contra a breguice no Facebook de Marta Barcellos
03. É Tabu, Ninguém Quer Saber de Marilia Mota Silva
04. Brasil em novo tempo de cinema de Humberto Pereira da Silva
05. Ninfomaníaca: um ensaio sob forma de cinema de Wellington Machado


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2015
01. Sobre caramujos e Omolu - 20/4/2015
02. Alcorão - 26/1/2015
03. Espírito e Cura - 20/7/2015
04. Carmela morreu. - 23/11/2015
05. Silêncio - 17/8/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Quimica na Abordagem do Cotidiano Volume 2 Modernaplus
Tito/canto
Modernaplus
(2010)



Na Pele de um Dalit
Marc Boulet
Bertrand Brasil
(2009)



Cidade dos Karianthos
Valdir Oliveira
Escrituras
(2016)



Carmichael Psicologia da Criança 1 Bases Biológicas do Desenvolvimento
P. H. Mussen
Epu
(1975)



O Mais Completo Guia Sobre Microsoft Office X
Joe Kraynak
Berkeley
(2001)



Geopolítica
Fabio Webel Lima
Pensieri
(1994)



Destin de La Planification Soviétique
Philippe J. Bernard
Ouvrieres (paris)
(1963)



Controle do Uso do Solo Urbano
Serfhau
Min Interior; Serfhau
(1974)



As Crianças Descobrem a Bíblia
Vários Autores
Cpad
(2000)



Física para a Universidade - Física 2 - Volume 1
Pierre Lucie
Conselho Nacional de Pesquisa
(1971)





busca | avançada
87666 visitas/dia
2,7 milhões/mês