Silêncio | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
59182 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Exuberância - Moisés Patrício
>>> Missão à China
>>> Universidade do Livro desvenda os caminhos da preparação e revisão de texto
>>> Mississippi Delta Blues Festival será On-line
>>> Tykhe realiza encontro com Mauro Mendes Dias sobre O Discurso da Estupidez
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Exército de Pedro
>>> Doida pra escrever
>>> Alguns momentos com Daniel Piza
>>> Desonra, por J.M. Coetzee
>>> Cisne Negro
>>> Burguesinha, burguesinha, burguesinha, burguesinha
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Micronarrativa e pornografia
Mais Recentes
>>> Dicionário Inglês Português / Português Inglês de Amanda Marques & David Draper pela Ática (1988)
>>> Francês Para Viagem e Dicionário de Vários Autores pela Berlitz (1991)
>>> No Giro do Mundo os Periódicos do Real Gabinete Português de Leitura 1 de Eduardo da Cruz ( Org. ) pela Real Gabinete Português de Leitura (2014)
>>> Dicionário Espanhol Português / Português Espanhol de Vários Autores pela Dcl
>>> RL - Uma Autobiografia de Rita Lee pela Globo Livros (2016)
>>> Minidicionário Ruth Rocha de Ruth Rocha & Hindenburg da Silva Pires pela Scipione (2001)
>>> Mecânica Vetorial para Engenheiros - Estática de Ferdinand P. Beer e E. Russell Johnston Jr pela McGraw-Hill (1994)
>>> Dicionário Júnior da Língua Portuguesa de Geraldo Mattos pela Ftd (1996)
>>> Bá, Tchê! – Dicionário Temático de Luis Augusto Fischer pela Artes e Ofícios (2001)
>>> Mecânica Vetorial para Engenheiros 1 - Estática de Ferdinand P. Beer e E. Russell Johnston Jr pela McGraw-Hill (1977)
>>> Dicionário de Porto-Alegrês de Luís Augusto Fischer pela Artes e Ofícios (1999)
>>> Resistência dos Materiais de Ferdinand P. Beer e E. Russell Johnston Jr pela McGraw-Hill (1982)
>>> O Constitucionalismo democrático latino-americano em debate de Leonardo Avritzer/Lilian Cristina Bernardo Gomes (Org) pela Autêntica (2017)
>>> Reiki - Medicina Energética de Libby Barnett e Magie Chambers pela Nova Era (1999)
>>> Revista do Livro Ano V Número 20 Dezembro de 1960 de Lêdo Ivo, Mário de Andrade, Heitor Lyra e outros pela Instituto Nacional do Livro (1960)
>>> The Argumentative Indian - Writings on Indian History, Culture de Amartya Sen pela Picador (2005)
>>> O Encanto da Montanha & Caminho ao Lar de Linda Howard pela Harlequin Books (2010)
>>> Afrodiáspora 6 e 7 - Revista de estudos do mundo negro de Vários Autores pela Ipeafro (1985)
>>> Aventura Ardente de Diana Palmer pela Harlequin Books (2013)
>>> Indiscreta de Candace Camp pela Harlequin Books (2005)
>>> Meu Anjo de Sherryl Woods pela Harlequin Books (2005)
>>> Pido la Paz y la Palabra de Blas de Otero pela Cantalapiedra (1955)
>>> Steve Jobs de Walter Isaacson pela Companhia das Letras (2011)
>>> Sem Perdão de Frederick Forsyth pela Abril Cultural (1985)
>>> Comunidades imaginadas de Benedict Anderson pela Companhia Das Letras (2019)
>>> A Segunda Vitória de Morris West pela Abril Cultural (1985)
>>> Os Insaciáveis de Harold Robbins pela Rio Gráfica (1985)
>>> O Fã Clube de Irving Wallace pela Abril Cultural (1985)
>>> Palavra Desordem de Arnaldo Antunes pela Iluminuras (2002)
>>> A Filha Pródiga de Jeffrey Archer pela Nova Cultural (1986)
>>> Escritos Sobre o Racismo, Igualdade e Direitos de André Costa pela Inst. Afirmação de Direitos (2009)
>>> A Origem da Família, Da Propriedade Privada e do Estado de Friedrich Engels pela Boitempo (2019)
>>> Romântico, sedutor e anarquista -Como e por que ler Jorge Amado de Ana Maria Machado pela Companhia Das Letras (2014)
>>> Easy English - Book One - 6a Edição de Nelsi M. de Jesus pela Eden
>>> Dieta das 8 horas de David Zinczenko - Peter Moore pela Sextante (2014)
>>> Law And Ecology The Rise of The Ecosystem Regime de Richard O. Broks/Ross Jones/Ross A.Virgínia pela Asgate Publishing (2002)
>>> Perguntas Perfeitas, Respostas Perfeitas de A. C. Bhaktivedanta Swami Prabhupãda e Bob Cohen pela Bbt (1999)
>>> The Book Thief de Markus Zusak pela Knopf (2007)
>>> O processo civilizador 2: formação do estado e civilização de Norbert Elias pela Zahar (2019)
>>> O Livro das Coisas Perdidas de John Connolly pela Bertrand Brasil (2006)
>>> O Avesso e o Direito de Albert Camus pela Record (1996)
>>> A Encantadora de Bebês de Tracy Hogg; Melinda Brau pela Manole (2006)
>>> A Semiologia de Pierre Guiraud pela Editorial Presença (1973)
>>> Os Segredos de Uma Encantado de Bebês de Tracy Hogg; Melinda Brau pela Manole (2020)
>>> Alta Fidelidade de Nick Hornby pela Rocco (1995)
>>> Fonte Viva de Francisco Cândido Xavier pela Feb (2003)
>>> Cozinha de Estar - Receitas Práticas para Receber de Rita Lobo pela Paralela (2012)
>>> Uma janela em Copacabana de Luiz Alfredo Garcia-Roza pela Companhia das letras (2001)
>>> O ateneu de Raul Pompéia pela Estadão (1999)
>>> Deserto de Luis S. Krausz pela Benvirá (2013)
COLUNAS

Segunda-feira, 17/8/2015
Silêncio
Ricardo de Mattos

+ de 3100 Acessos

"Aqui não se teme mais nada, senão a si mesmo" (Simenon).

Caro leitor. Caso deseje fazer uma experiência macabra envolvendo o autor destas humildes linhas, os passos são os seguintes. Primeiro, espere-nos entrar num estado de profunda introspecção, estado que atingimos ao tentar descrever a nós mesmos uma determinada pessoa, coisa ou situação e desta descrição fazer o estudo que nos compete. Segundo, tire-nos abrupta e ruidosamente deste estado: bata com força uma porta, chame o rapaz da companhia de luz para que ele esqueça seu dedo na campainha, grite, provoque o cachorro ou escolha algo pesado para derrubar. Ou faça como o pai que, de onde quer que esteja na casa, localiza-nos por meio de gritos e só para quando estamos ao seu lado ou gritamos por nossa vez. Uma versão interativa desta experiência envolve freadas bruscas de veículos na avenida diante de casa, acompanhadas de palavrões em enxurradas. O resultado é a alteração de zero a cem de nosso humor, uma irritação aguda acompanhada do aumento da frequência cardíaca e de um estado de abobamento no qual parecemos viver simultaneamente em duas dimensões: em uma, tentando preservar a meada de nosso trabalho; em outra, tentando situar-nos de novo no mundo. A precisa sensação é a seguinte: parece que somos fortemente sugados de volta para o corpo. Não se trata de alteração do estado de consciência nem de cochilos imperceptíveis: estávamos muito bem acordados e com a atenção concentrada num assunto.

Ansiamos pelo silêncio como satisfação de necessidade básica. Não o silêncio do mutismo imposto. Fulano exige o mutismo alheio porque sabe que não suportaria o confronto. Sabe que não possui fundamentos ou argumentos suficientes para sustento da vontade que quer fazer prevalecer sobre outras. Sicrano impõe seu próprio mutismo como gesto de revolta. Observa coisas acontecendo, com maior ou menor grau de prejuízo, apenas para afirmar, em triunfo, "que já sabia, mas que não adiantava falar". Isto não é silêncio, é estupidez.

Silêncio não significa ausência de sons. Ao contrário, quando podemos escutar determinados sons é que nos certificamos do silêncio. No preciso momento em que escrevemos, uma corruíra chia perto de uma janela e os carros deslizam civilizadamente no asfalto - ao contrário da motocicleta que, ao longe, identifica sua presença. Aqui e ali os pássaros conversam educadamente, sem chiadeiras que denotem rixa. Mesmo o bem-te-vi está desarmado. A arara da vizinhança está quieta - ao menos por enquanto - e as cadelas esparramam-se pelo rancho devido ao calor.

Melhor que isso, as manhãs. Seis horas o despertador toca. Após nossas abluções, protegemo-nos para sair à garagem em busca do jornal. Mesmo que o bem-te-vi esteja fazendo alguma demonstração bélica por meio do canto específico e de danças frenéticas, basta-nos assoviar imitando seu canto que ele para um momento para identificar o intrometido. Preparar o café da manhã tornou-se um ritual para propiciar a tranquilidade que queremos para nosso espírito no decorrer do dia. Em torno das sete horas o mundo externo começa a impor-se ao mundo interno, mas na maioria das vezes já estamos fortalecidos.

O mundo começa a impor-se pelo aumento da intensidade do tráfego. Ou mesmo que os carros ainda sejam poucos, já aconteceu de, antes das sete horas, passar em frente de casa um veículo tocando "no último" uma dessas músicas cuja letra reduzia as mulheres a um buraco copulável. Por outro lado, quando é a Natureza quem se apresenta, fá-lo agradando a alma com suas surpresas. Na última semana, ouvimos do quarto barulho semelhante a uma porta pesada rangendo. Ninguém mais acordado e o ruído repetia-se, revelava-se próximo: um "toc-toc-toc-toc" forte e rápido. Afastando a cortina, descobrimos o autor: um pica-pau deliciava-se no madeirame do telhado vizinho.

Silêncio não é ausência de diálogo. Por vezes diálogos intensos travam-se no silêncio entre pessoas que se conhecem profundamente. Um levantar de sobrancelhas revela reações e estados de alma. No livro O cachorro amarelo, Simenon observa que um jovem investigador não soube perceber certa reação de Maigret diante de um evento. Esta reação, relata o autor, era perceptível por meio da forma como o comissário dava baforadas ao fumar seu cachimbo. "Eu não acho", afirmou Maigret diante de interlocutores ansiosos. "Achar" é admitir que ruídos da alma escapem e afetem a condução de determinada questão.

Nossos diálogos serão mais produtivos justamente quando aprendermos a compô-los tal como são compostas as obras musicais. Tão relevantes quanto as notas são as pausas e a harmonia resulta quando ambas são posicionadas com expertise. Piaget observou que crianças de determinada idade, quando reunidas, não estabelecem diálogos, mas reúnem monólogos. Algumas pessoas não alcançaram este amadurecimento. Uma cliente dirigiu-se à companheira de nossos dias solicitando informação. Cada vez que ela abria a boca para responder, a cliente interrompia ampliando a pergunta ou antecipando respostas. Depois da terceira vez, interviemos: "é isto que ela está tentando explicar para a senhora". Silêncio para escutar; silêncio para refletir; silêncio ao emitir uma resposta e segurar as demais.

Ainda que seja necessário um regular isolamento, a busca pelo silêncio não implica em solidão. A solidão pode preencher-se de variadas cores, da patologia à revolta, da timidez à autopreservação. Rejeita-se a sociedade ou define-se a própria incapacidade de lidar com ela. O isolamento silencioso permite revigorar-se internamente para conduzir-se diante dos reclamos sociais. Auxilia o homem em sua tarefa de autoconhecimento para que possa dar respostas cada vez mais pessoais no meio social, definindo quem é o eu e quem é o outro, de forma que não se torne um encarnado médium de encarnado. Um poeta local escreveu certa vez: "ouço meu pai dizer ao meu filho, pela minha boca, as mesmas coisas que direi ao meu neto pela boca de meu filho".

No seu livro mais conhecido, Em busca de sentido, Viktor Frankl relata que em determinado campo de concentração da Baviera ele conseguiu identificar um local onde pôde isolar-se alguns momentos por vez. Embora o local fosse um recanto delimitado pela cerca elétrica e contíguo à barraca onde se empilhavam cadáveres para serem recolhidos, Frankl reunia ali as forças para continuar: "Aninhado ali eu contemplava - por entre a vinheta obrigatória do arame farpado - os vastos campos verdejantes e floridos, as distantes colinas azuis da paisagem bávara". Repara, leitor: apesar da tragicidade do meio e da época, ele ainda consegue falar em "aninhar-se". O pai da Logoterapia viria depois praticar a escalada esportiva. E é nas montanhas que outros filósofos retiravam-se para refinar seus pensamentos. Um deles, nosso querido León Denis, relata no livro O grande enigma: "A montanha é o meu Templo! Ali nos sentimos mais longe das vulgaridades deste mundo, mais próximo do céu, mais perto de Deus!". O outro, foi Nietzsche, que, a despeito do declarado ateísmo, afigura-se-nos como um dos melhores expulsadores de vendilhões do Templo que já encontramos.

Sei Shônagon, dama de companhia japonesa autora do gracioso Livro de cabeceira - ao qual assim nos referiremos apesar da tradução brasileira ter optado por O livro do travesseiro - arrola coisas que são detestáveis de ouvir: "pessoas de vozes desagradáveis que falam e riem sem reserva. Leitura de palavras encantatórias do dharani com voz sonolenta. Alguém a falar enquanto tinge seus dentes de preto. Pessoas sem nada de especial que falam enquanto comem. O aprendiz tocando a flauta hichiriki". Segundo as notas de rodapé, a tal flauta já teria, por si, um barulho desagradável à dama da corte; quanto mais, sujeita à imperícia do aprendiz. Fotos de mulheres com os dentes pintados de preto não nos despertaram atração alguma. Contudo, é um ritual, assim como o da comida, e falar durante estes rituais pode ser desrespeitoso.

O que nos chamou a atenção foram os dois primeiros itens deste pequeno trecho de Shônagon. Pessoas que, além de terem vozes desagradáveis, ainda falam sem reservas, "sem pudor", como se diria antigamente. Ou "sem noção", como se diz hoje em dia. Portanto, a despeito da voz do indivíduo ser desagradável, esta característica é contornável quando ele trata de um assunto com bom senso. Em seguida, seria detestável ouvir a declamação descuidada das preces do livro esotérico. Ou seja, é detestável tratar levianamente o que tange o sagrado.

Caro leitor, é no silêncio que nos deparamos com nossa porção divina. Mais que o silêncio externo, quando alcançamos o silêncio interno é que nosso espírito amplia a possibilidade de contato com seu mais nobre conteúdo e torna possível que este conteúdo emerja e fale sobre seus dias. Peregrinos neste mundo áspero, é comum não ficarmos muito à vontade quando uma voz alcança-nos os ouvidos e sentencia a respeito de algo que fizemos, omitimos, pensamos, falamos ou ainda planejamos. Falas breves, pois aprendemos a não lhe dar muito espaço, mas peremptórias e irrecorríveis. Tornando a Simenon, é o conteúdo com o qual o personagem Frank, do livro A neve estava suja tem contato quando consuma pesado golpe contra sua vizinha Sissy. Relata o escritor: "Não há mais nada, salvo um vazio que sobe, uma angústia que faz o suor jorrar em suas têmporas e que o obriga a levar a mão ao lado esquerdo do peito (...) Alguma coisa se quebra nele". Porém, esta mesma voz ensurdece-nos quando encontramos o sentido de nossa existência, exultando o ocorrido e prontificando a auxiliar-nos no necessário.

À guisa de conclusão

As três palavras mais estranhas

Quando pronuncio a palavra Futuro,
a primeira sílaba já se perde no passado.

Quando pronuncio a palavra Silêncio,
suprimi-o.

crio algo que não cabe em nenhum não ser.

(Wislawa Szymborska, poetisa polonesa)


Ricardo de Mattos
Taubaté, 17/8/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A redoma de vidro de Sylvia Plath de Renato Alessandro dos Santos
02. Domingão, domingueira de Ana Elisa Ribeiro
03. Ossos, mulheres e lobos de Eugenia Zerbini
04. O Bigode de Carina Destempero
05. Era uma vez de Carina Destempero


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2015
01. Sobre caramujos e Omolu - 20/4/2015
02. Alcorão - 26/1/2015
03. Espírito e Cura - 20/7/2015
04. Carmela morreu. - 23/11/2015
05. Silêncio - 17/8/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CRIANÇA E MISÉRIA - VIDA OU MORTE? - COLEÇÃO POLÊMICA
JOHN DREXEL E LEILA RENTROIA IANNONE
MODERNA
(1993)
R$ 5,00



O CASTELO BRANCO
ORHAN PAMUK; SERGIO FLAKSMAN
COMPANHIA DAS LETRAS
(2007)
R$ 24,90



THE ORDEAL OF TOTAL WAR 1939 - 1945
GORDON WRIGHT
HARPER
R$ 27,60



O PAPEL DA JURISPRUDÊNCIA NO STJ
ISABEL GALLOTTI
REVISTA DOS TRIBUNAIS
(2014)
R$ 110,00



SATIUSFAÇÃO DO CLIENTE - A OUTRA PARTE DO SEU TRABALHO
DRU SCOTT , PHD
QUALITYMARK
(2000)
R$ 12,00



IDEIAS DE LACAN - 2ª EDIÇÃO
OSCAR CESAROTTO ( ORGANIZADOR )
ILUMINURAS
(2016)
R$ 40,95



A AVENTURA DA REPORTAGEM
GILBERTO DIMENSTEIN/ RICARDO KOTSCHO
SUNMUS EDITORIAL
(1990)
R$ 9,98



AMEI, PERDI, FIZ ESPAGUETE
GIULIA MELUCCI
RECORD
(2010)
R$ 40,00



VIDA COM ESPERANÇA
MARK FINLEY; PETER LANDLEES
DO AUTOR
(2014)
R$ 5,00



O REI DA MADISON AVENUE
KENNETH ROMAN
CULTRIX
(2011)
R$ 30,00





busca | avançada
59182 visitas/dia
2,1 milhões/mês