Espírito e Cura | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entre a crise e o espectro do humor a favor
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Tiros, Pedras e Ocupação na USP
>>> Oficina de conto na AIC
>>> Crônica em sustenido
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> O julgamento do mensalão à sombra do caso Dreyfus
>>> Retomada do crescimento
>>> Drummond: o mundo como provocação
>>> Cigarro, apenas um substituto da masturbação?
Mais Recentes
>>> Manual de Boas Práticas em Ensaios Clínicos de Conceição Accetturi, David Salomão Lewi e Greyce Balthazar Lousana pela Usp (1997)
>>> Filho do Sol de Savitri Devi pela Renes (1981)
>>> Encontros com o Insólito de Raymond Bernard, F. R. C. pela Renes (1970)
>>> Introdução à Filosofia da Rosacruz Áurea de J. van Rijckenborgh pela Escola Espiritual da Rosacruz Áurea (1982)
>>> Biografias de Personalidades Célebres de Prof. Carolina Rennó Ribeiro de Oliveira pela do Mestre (1970)
>>> As Últimas Horas de Gibran de Kahlil Gibran pela Nova época (1980)
>>> El Misterio De Los Templarios de Louis Charpentier pela Bruguera (1970)
>>> Valongo Arte e Devoção de Ana Maria C. Silva De Biasi, Elias Jorge Tambur e Maria Rabello da Motta pela A Tribuna (1995)
>>> Eu, Detetive O Caso do Sumiço de Stella Carr e Laís Carr Ribeiro pela Moderna (2003)
>>> Dinheiro Público e Cidadania de Silvia Cintra Franco pela Moderna (1998)
>>> Quando o espiritual domina de Simone de Beauvoir pela Nova Fronteira (1980)
>>> Coração de Vidro de José Mauro de Vasconcelos pela Melhoramentos (1972)
>>> Transformadores de Alfonso Martignoni pela Globo (1981)
>>> Guia Técnico do Alumínio - Extrusão de Associação Brasileira do Alumínio pela Tecnica (1990)
>>> História da Literatura em Santo André de Tarso M. de Melo pela Fundo de cultura de santo andré (2000)
>>> Cinco Minutos - A Viuvinha de José de Alencar pela Ática (2001)
>>> O Mochileiro das Galáxias - Volume 4 de Douglas Adams pela Arqueiro (2010)
>>> Amo Poesia de J. Dellova pela Do escritor (1989)
>>> Folhas aos Ventos Maçônicos de Breno Trautwein pela A Trolha (2000)
>>> Os Segredos dos Construtores de Maurice Vieux pela Difel (1977)
>>> Antigos Manifestos Rosacruzes de Joel Disher pela Amorc (1982)
>>> Breve História da Maçonaria de Rubens Barbosa de Mattos pela A Trolha (1997)
>>> Por Mares há Muito Navegados de Álvaro Cardoso Gomes pela Ática (2002)
>>> Isso Ninguém me Tira de Ana Maria Machado pela Ática (1996)
>>> Um Dono para Buscapé de Giselda Laporta Nicolelis pela Moderna (1996)
>>> Encontro com os Deuses de Jaime Guedes pela Mandála (1978)
>>> E se? de Super Interessante pela Abril
>>> Eu não consigo emagrecer de Dr. Pierre Dukan pela Best Seller
>>> Linha D'agua de Amyr Klink pela Companhia das Letras
>>> Sal, Açúcar, Gordura de Michael Moss pela Intrínseca (2019)
>>> O mundo contemporâneo de Demétrio Magnoli pela Moderna
>>> 1001 Provérbios de Oswaldo Herrera pela A Gazeta Maçônica (1981)
>>> Contato de Carl Sagan pela Companhia das Letras
>>> E foram felizes para sempre de Dr. Gary e Barbara Rosberg pela Não sei
>>> Radicalize de Alex e Brett Harris pela Graça editorial
>>> A guerras da memória de Frederick Crews pela Mãe Terra
>>> Uma morte muito suave de Simone de Beauvoir pela Nova Fronteira (1984)
>>> Guia de Leitura Rápida de William Douglas pela Campus
>>> A dieta do tipo sanguíneo de Peter J. D'adamo pela Campus
>>> Para Ler e Guardar de Hermann Hesse pela Record (1975)
>>> Nutrição no esporte de Patrícia Postilione Appolinário pela Martinari (2019)
>>> Coleção Para Ler Freud de Diversos pela Não sei (2019)
>>> Einstein O Enigma do Universo de Huberto Rodhen pela Martin Claret (2019)
>>> Como Um Mistico Amarra os Seus Sapatos (O Segredo das Coisas Simples) de Lorenz Marti pela Vozes (2008)
>>> Sagas de Heróis e Cavaleiros - Vol 2 de Martin Beheim-Scwarzbach pela Paz e Terra (1997)
>>> O Aprendiz de Assassino de Robin Hobb pela Leya (2019)
>>> Atlas Ilustrado: Fichas Interativas (capa 3d/ pags duplas) de Andrea Pinnington e Marie Greenwood pela Ediouro (2002)
>>> Retrato do Brasil (vol. Ii): da Monarquia ao Estado Militar de Mino Carta: Diretor de Redação pela Política Edit./ Sp. (1984)
>>> Marterworks of Man & Nature: Preserving Our World Heritage de Mark Swadling: Diretor Management pela Globe Press/ Australia (1992)
>>> Tania Castelliano e J. Cabral de Entenda Seus Conflitos e Livre-se Deles pela Record (2002)
COLUNAS

Segunda-feira, 20/7/2015
Espírito e Cura
Ricardo de Mattos

+ de 3700 Acessos

"Cada indivíduo é a síntese de toda a Humanidade" (Rabi Shalammo Ben Yeoshua).

Desde o começo o homem é matéria e espírito. Para atuar no mundo precisava da matéria e para justificar sua atuação precisava ser espírito. O que há no Universo, há neste ser birrento que se arrasta sobre a superfície do planeta e agita-se contra os elementos. A matéria é o instrumento de atuação e, por conseguinte, foi dotada de maleabilidade e impermanência. O espírito não é perfeito, mas é aperfeiçoável, submetido à tensão entre o ser e o dever-ser. O que é bom, pois não nos suportaríamos si perpétuo nosso humor de determinados dias.

Melhor representação: "Deus plasmou o homem, pó da terra, insuflou em suas narinas um sopro de vida, e o homem se tornou um ser vivo" (Gen. 2,7). O sopro vindo diretamente de Deus revela que o homem é dotado nada mais - porque não há mais - nada menos - que mais ele pode querer!? - de genética divina. Filho direto do Amor, da Justiça, da Sabedoria, do Poder, etc., não poderia lidar desde cedo com tão grande herança. Alguém assenta uma criança de cinco anos diante do volante de um automóvel e espera que ela dirija? Há de fato quem o faça, mas esperamos que tenha aprendido com a própria experiência. A Sabedoria, contudo, justifica-se como tal e aos filhos concede o desenvolvimento gradual dos talentos com os quais os dotou. Por isso há exercícios esquisitos de justiça e de amor, de busca pelo conhecimento e pela liberdade. Amputar a mão de quem rouba é a justiça exercida num grau que hoje repugna-nos a razão e que gostaríamos de ver superado na humanidade como um todo. As águas do rio de Heráclito correm devagar.

Plotino é dos mais antigos a reconhecer que, mergulhado na matéria, o homem esqueceu-se de sua origem espiritual. Além do esquecimento decorrente do envolvimento com as preocupações do mundo, ainda havia - e há - quem grite: "só lidaremos com o que podemos ver, tocar e medir com nossa fita métrica". Estes balidos influenciaram - e influenciam - parte da humanidade. Em contrapartida, não há canto do planeta onde não se verifique alguma forma de busca de contato com o sagrado. A dificuldade encontra-se na contrapartida. Quem mede, deveria medir olhando para cima. Quem cultua, deveria procurar o sagrado também ao lado e abaixo.

Veio o Mestre de Nazaré e insistiu: "sois deuses". Ele identificou a quem se dirigia? Ele selecionou alguma parcela de ouvintes para afirmar isso? Ele estabeleceu condições? "Caso façais ou tenhais, sois deuses"? Ao contrário: quando identificava pessoas e chamava-lhes "hipócrita", "raposa", "raça de víbora", ou quando estalou a corda no lombo dos vendilhões, é porque alguma coisa estavam aprontando. Até a estes, contudo, a lembrança da origem divina. O que acentua a lembrança ao atrelá-la a uma advertência: "si sois deuses, por que vos dedicais a isto ou aquilo, que não está à altura de vossa divindade"?

É certo que muitos entusiasmaram-se. Da herança divina escolheram o Poder e, não contentes em serem filhos de Deus, arrogaram-se seus representantes e consultores. Estabeleceram hierarquias, instituíram tribunais, elaboraram catecismos para entender este carnaval todo, e o máximo que conseguiram foi obnubilar a mente daqueles cuja culpa foi esperar de seus semelhantes aquilo que eles não estavam em condições de dar. Contudo, a "raça de víboras" que frequentou o templo de Salomão também estagiou em Roma e territórios alemães, e hoje dedica-se a distinguir o que é doutrinário e o que não é; o que é de Deus e o que não é; quem é de Jesus e quem não é. Deixemo-los.

Eis que um matemático, geômetra e - a seu modo - anatomista reconhece o homem como composto de substância extensa e substância inteligente, substâncias estas unidas por meio da glândula pineal - ou pituitária. Houve quem gostasse da distinção e a levasse longe o suficiente para concluir que a inteligente é secretada pela extensa assim como a urina é secretada pelos rins - a figura não é nossa. Há quem já tenha partido deste mundo e tornado a ele carregando consigo esta convicção. O mesmo senhor afirmou algo como "si eu existo, só pode ser porque existe algo mais perfeito do que eu", mas este trecho costuma ser pulado pelos leitores de seu discurso. Quando o leem.

O espírito insiste. Poucos séculos passaram-se até um professor intrigar-se com algo que seus contemporâneos resolveram lidar. Crianças, tais como as de hoje, brincando com diamantes, bem o percebemos. De qualquer forma, o professor cumpriu seu papel conduzindo-nos à praia da realidade maior do espírito humano e da Natureza. Ao mesmo tempo, muitos já estavam robustos o suficiente, nutridos de informações que lhes permitissem concatenar-se às novas. Caro leitor, gostaríamos de revelar que as disputas entre espiritualistas em geral - e espíritas em especial - de um lado e os representantes da Academia do outro não foi um mero incidente. O fato de Freud mencioná-los em O futuro de uma ilusão e mesmo Viktor Frankl ter sua parcela de má-criação ao referir-se à "pseudo-metafísica dos espiritistas", é relance de movimento maior. E, si hoje profissionais com diversas visões do humano e ligados a diversas áreas da saúde, detêm-se em estudar as relações entre higidez e religiosidade ou espiritualidade, é porque há algo que não se rende e exige atenção.

A jornada - gostamos desta palavra - é evidentemente acidentada. Não acreditamos que o ser humano adoeça em seu núcleo espiritual ou noético, pois não acreditamos que algo patológico possa ter origem divina. A esfinge parece ceder quando verificamos que a expressão daquilo que o ser encontrou no mundo dos valores é deficitária, inadequada, imprópria. Todos nos movemos no sentido de realizar valores. De alguma forma, buscamos a Justiça, o Conhecimento, o Amor. A realização no mundo é que pode ser problemática por deparar-se com limites psicobiológicos. Para realizar a Justiça, tornamo-nos justiceiros; nossos ciúmes demonstram uma percepção deficitária do Amor - por si e pelo outro. Almejamos tanto a Sabedoria que, quando conseguimos compreender algo a respeito de um assunto, defendemos este fragmento de conhecimento contra todos. Em certos instantes a voz interior acusa-nos com tal veemência que resta ao ser duas possibilidades: voltar e reajustar seus passos ou seguir em frente e insistir naquilo que o perturba e apesar da perturbação. Não acreditamos que Adolf Hitler, para citar exemplo mais extremo, sentisse-se seguro em tempo integral. Podemos especular si muitas de suas decisões não foram tomadas diante da tomada de consciência do malfeito aliada à insistência em não voltar atrás e à expectativa das coisas resolverem-se mais adiante.

E que a impropriedade na realização de valores captados de forma imatura no mundo do espírito e traduzidos de forma imprópria no mundo das relações possa afetar a saúde psicobiológica do indivíduo, isto parece-nos correto. Todavia, estamos longe de defender a realização causal taxativa. Kardec registrou que enfermidades que afetam o indivíduo na encarnação em curso podem perfeitamente ter origem nesta mesma fase do caminho, sem remontar a vidas pretéritas. Alguém que derreteu o próprio fígado e afetou a própria psique por força de tanto embriagar-se encontrará no período de alguns anos a causa de suas aflições. Outra coisa é tentar determinar porque a pessoa confundiu seu vazio existencial com um copo e tentou preenche-lo de forma tão malograda.

Há o que se cure e há o não se cure. Doença e saúde são condições muitas vezes coexistentes na mesma pessoa. Cura-se a pneumonia, mas não o diabetes. As formas de câncer podem ser tratáveis e a remissão ocorrer ou não. Alguém pode ser portador do vírus HIV e ter mais qualidade de vida que muitos não portadores. Transtornos mentais podem ser controlados ou não. Aprender a conviver com o que não tem cura é um índice de saúde.

***

Nossas reflexões foram desencadeadas pelo evento promovido pelo centro espírita ao qual nos vinculamos. O dia 23 de maio último foi inteiro dedicado ao atendimento espiritual, receituário e a cirurgias espirituais. Quer o leitor aceite ou não a possibilidade de tão profunda parceria entre as dimensões, nós aceitamos e lá estivemos. Mesmo que não aceitássemos, a profissão abraçada compelir-nos-ia a testemunhar esta parcela da fenomenologia humana.

Estamos convencidos de que não caberá à Psicologia, à Medicina, nem ao próprio Espiritismo comprovar os mecanismos envolvidos na atuação interdimensional. O Espiritismo anunciou: "Eles prosseguem!". Como isto é observável e mesmo comprovável? É observável e comprovável, principalmente, mediante o comportamento de pessoas que passam por experiências interdimensionais, experiências estas que, registradas e reunidas a outras, acabam formando um corpus consistente. De que forma isto se dá? Neste ponto reconhecemos nosso limite.

Tomamos o exemplo da médium Edelarzil Munhoz Cardoso, da cidade de Votuporanga, Estado de São Paulo. Há décadas esta senhora extrai do meio do algodão desfiado uma infinidade de objetos que dão o que pensar às pessoas que a procuram. Não se trata de atendimentos ocasionais, mas de atenção dispensada a centenas de pessoas que a procuraram semanalmente no curso dos anos. Seu trabalho já foi investigado por investigadores de diversas disciplinas, que reviraram as instalações de sua propriedade em busca de fraude. O próprio padre Quevedo, por mais que tenha sido impertinente em suas investigações, não conseguiu apresentar resposta conclusiva. No entanto, a senhora Edelarzil continuou recebendo pessoas em sua chácara e continuou realizando seu trabalho - devido à idade e desgaste físico da médium, hoje ignoramos si ele ainda ocorre. Queremos dizer que é muito trabalho, é a reiteração de milhares de experiências para simplesmente afirmar-se que não ocorram, ou que sejam fraudes. Recorrer a explicações materiais puras acaba por remeter a um materialismo promissório que nada resolve. Mesmo não esclarecidos a respeito dos detalhes dos mecanismos envolvidos, ousamos, no devido contexto, reiterar a heresia de Anaxágoras de Clazômenas: o Sol é maior que o Peloponeso!

De volta a Taubaté-Sobre-o-Paraíba. Recebemos em nossa casa espírita um grupo oriundo do município de Ribeirão Pires, grupo este formado em torno do médium Edson Barbosa. O médium atua regularmente num local denominado "Recanto de Luz Irmã Scheilla", na referida cidade, mas aceita realizar atendimentos em casas que se abram a este tipo de atividade, ainda que ocasionalmente. A simples junção das palavras "cura", "cirurgia" e "espiritual" numa sentença fez com que nosso centro exercitasse sua hospitalidade como nunca antes. Dezenas de telefonemas chegaram ao Centro e à Livraria de sua propriedade, em busca de informações. Outras tantas pessoas procuraram-nos pessoalmente para preencher ficha. No dia do trabalho de cura, centenas de pessoas foram recebidas, ouvidas, alimentadas e saciadas em sua sede física. Houve uma cantina de apoio e houve a venda de garrafas de água para quem, apesar de avisado, não levou a sua própria. Fora isso, absolutamente nada foi cobrado.

No que diz respeito às pessoas que acorreram, verificamos os mais diversos caracteres que nos permitiram identificar a ausência de linearidade e de pensamento causalista. Encontramos, sim, pessoas que por serem espiritas ou espiritualistas, procuraram a cura espiritual e saíram de lá sentindo-se de alguma forma curadas ou aliviadas. Mas houve espíritas que sequer passaram perto do Centro neste dia, devido ao entendimento de que a pessoa de alguma forma afetada em sua saúde deve suportar o incômodo indefinida e resignadamente, o que seria bom para purgar os erros das encarnações anteriores - entendimento vigente apesar do Espiritismo pregar, textualmente, o alívio e a atenuação. Outros recorreram ao atendimento espiritual, porém alegaram um ceticismo de salão: "eu venho, mas é para ver como é, si funciona mesmo". Muitas vezes a pior propaganda de um movimento vem de seu próprio seio. A estes casos, antepomos pessoas que vieram à casa arrastando um galão de oxigênio num carrinho; pessoas com sinais da quimioterapia em curso; pessoas, enfim, que precisaram reunir vestígios de força para experimentar esta alternativa. Indivíduos, enfim, que procuraram a intervenção espiritual e deixaram as salas de atendimento sorridentes ou em lágrimas, percebendo no próprio corpo físico um alívio que não obtiveram por outros meios. Alívio este que se sobrepõe aos discursos de quem "não viu e não acredita". Si houve cura efetiva, porém não sabemos dizer, pois não fizemos o acompanhamento posterior.

Das pessoas conhecidas que passaram pelo atendimento espiritual e com as quais tivemos um dedo de prosa, levantamos relatos de conteúdo aproximado a respeito do que vivenciaram. Não houve corte tal como ocorria, nas primeiras intervenções espirituais que foram divulgadas, através de médiuns como José Arigó. O médium Edson Barbosa, durante o transe, pouco ou nada tocava o corpo físico diante de si, e nada segurava em suas mãos. Pudemos presenciar um atendimento e vimos que ele realizava seu gestuário próximo ao local onde a pessoa indicava alguma dor. Não obstante, foram comuns as afirmações de tontura e de dor em grau variável. Alguns sentiram por alguns dias um desconforto no que entenderam por referir-se como "o local da cirurgia". Alguns foram liberados no mesmo dia. Outros foram encaminhados para a continuidade do atendimento um mês depois no município de Ribeirão Pires. No que se refere à infraestrutura de nosso Centro, ou à organização da viagem para o primeiro retorno - lotamos três ônibus -, sempre há quem tenha alguma objeção a fazer. No que diz respeito ao atendimento espiritual em si, ao contato da pessoa doente com a pessoa mediante a qual ocorreu o contato interdimensional, não ficamos sabendo de reclamação alguma, sequer daqueles que não perceberam em si algum resultado


Ricardo de Mattos
Taubaté, 20/7/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sobre mais duas novelas de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry
02. Minha Terra Tem Palmeiras de Marilia Mota Silva
03. Noites azuis de Elisa Andrade Buzzo
04. O armário que me pariu de Lisandro Gaertner
05. A fada do dente sou eu de Ana Elisa Ribeiro


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2015
01. Sobre caramujos e Omolu - 20/4/2015
02. Alcorão - 26/1/2015
03. Espírito e Cura - 20/7/2015
04. Carmela morreu. - 23/11/2015
05. Silêncio - 17/8/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ESQUERDA ARMADA: A LUTA CONTINUA
LUZIMAR NOGUEIRA DINIZ
EDIÇÕES DO LEITOR
(1979)
R$ 60,00



A SAGA DE PENEDO: A HISTÓRIA DA COLÔNIA FINLANDESA NO BRASIL
EVA HILDÉN
FOTOGRAFIA BRASILEIRA
(1989)
R$ 29,00



SELEÇÕES DO READERS DIGEST DE FEVEREIRO DE 1969
TITO LEITE (REDATOR RESPONSÁVEL)
YPIRANGA
(1969)
R$ 7,00



STUPID WHITE MEN - UMA NAÇÃO DE IDIOTAS
MICHAEL MOORE
FRANCIS
(2001)
R$ 29,90



ANUÁRIO DO MUSEU IMPERIAL PETRÓPOLIS RJ VOLUME 33
MUSEU IMPERIAL
MUSEU IMPERIAL
(1974)
R$ 46,18



LIVRO ATLAS DO CORPO HUMANO BARSA
VIGUÉ-MARTÍN
BARSA PLANETA
(2010)
R$ 205,00



O MUNDO DE SOFIA
JOISTEIN GAARDER
CIA DAS LETRAS
(1995)
R$ 18,00



INCLUSÃO ESCOLAR: NÃO ACONTECE COMO VOCÊ IMAGINA
LEONARDO CONCEIÇÃO GUIMARÃES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



FÉ & COMPROMISSO
FREI BATTISTINI
DO AUTOR
(1984)
R$ 5,46



NAPOLÉON
HENRI CALVET
PUF (PARIS)
(1956)
R$ 22,82





busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês