A semente da impunidade | Diogo Salles | Digestivo Cultural

busca | avançada
44089 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 10/6/2008
A semente da impunidade
Diogo Salles

+ de 5500 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Se existe uma questão tratada como prioritária pela sociedade, mas que é sempre negligenciada nas urnas, esta questão é a impunidade. Se a corrupção não é exclusividade nossa, a impunidade que a sucede nos permite autografá-la como "brasileira" e distingui-la das rapinagens que acontecem além da fronteira. É reproduzindo a tinta dessa peculiar caligrafia que Daniel Rodrigues Aurélio, ex-colunista do Digestivo, lança A trágica impunidade política no Brasil (Brasport, 2008, 132 págs.).

Formado em Sociologia e Política e pós-graduado em Globalização, é seu segundo livro na área de Ciências Sociais. Segundo ele próprio define, o livro aborda a corrupção e os vícios da política à brasileira, enfocando a dificuldade de distinção entre "público" e "privado", patrimonialismo, clientelismo e outras mazelas. O estilo do texto é ágil, solto, quase descompromissado, e Daniel vai desmontando nossos clichês mais viciosos com sucessivas metáforas.

Ao visitar os intestinos de nosso sistema político, o autor reconduz o leitor a lembranças pouco agradáveis, mas necessárias. O impeachment de Collor, o escândalo dos anões do orçamento e as piruetas fisiológicas e reeleitoreiras de FHC já seriam matéria suficiente para retratar os escaninhos jurídicos de nossa política. Mas naquela época ainda existia o PT, a alternativa ética. Em 2002 o Brasil resolveu "pagar pra ver"... E aqui estamos. Assim, o escândalo Waldomiro Diniz é o pontapé inicial para a ruína ética do PT e, posteriormente, a banalização da corrupção, com o mensalão.

Com citações a Gilberto Freyre, Sérgio Buarque de Holanda e Caio Prado Jr., o livro traz interpretações históricas e sociológicas que nos levam de volta à Colônia, ao Império e à República Velha. A Constituição Federal de 1988 também serve de suporte para entendermos como as leis são constantemente subvertidas em favor de conveniências e leniências. Encontramos também pequenos quadros explicativos em forma de infográficos, contendo as listas negras de nomes e fatos que tanto nos envergonham. Tudo isso traz um tom professoral ao livro, mas de uma maneira menos esquemática que o usual no meio acadêmico. Dessa forma, os delitos de hoje são explicados pelo ontem, onde houve uma acomodação em relação à corrupção, que se tornou cotidiana. "A persistência da impunidade, a 'trágica normalidade', são assegurados por uma certa costura política do Estado com elites patrimonialistas", ratifica o autor.

Fruto de nossa trajetória de formação sociopolítica, a impunidade incrustou-se na política nacional através de dispositivos que impedem qualquer tentativa de moralidade. A cultura da malandragem, a "Lei de Gérson" e nossa carapaça de povo "alegre, matreiro e cordial" explicam tanta elasticidade ética. A imunidade parlamentar e o foro privilegiado provam essa permissividade e explicam como não houve ruptura, mas, sim, uma adaptação até que se chegasse ao modelo atual, de barganha e cooptação.

Somado a isso, temos as novas tecnologias que permitiram à sociedade uma maior participação no debate político através de blogs, e-mails, vídeos e fóruns em sites de relacionamento. O anfiteatro do mensalão transmitiu seus horrores ao vivo, via internet, e proporcionou essa nova gama de debates em rede. Porém, não evitou que velhos maniqueísmos e ranços ideológicos ressurgissem, devolvendo a questão primordial ― a impunidade ― ao obscurantismo. Bom para os políticos e partidos, que perceberam a aridez de novas idéias e passaram a usar a Web para atrair novas militâncias, empobrecendo debates e emburrecendo leitores. E eleitores, bem entendido.

É visando recuperar neurônios para este debate que Daniel se pautou. O tragicômico enredo possui furos, óbvio, e fica impossível seguir uma linha contínua. Dadas as inúmeras e tortuosas vertentes de nossa política, só é possível encontrar o ponto culminante quando os corruptos contam o dinheiro na lavanderia ao mesmo tempo em que a pizza esquenta no forno.

É visível que o autor mistura acidez e sublevação à linguagem. E esse dedo em riste poderia arruinar suas pretensões iniciais e transformar o livro numa passeata literária. Mas ele reverte a caminhada a seu favor, pois seu texto possui uma qualidade cada vez mais escassa nos dias de hoje: o apartidarismo. Num mundo onde as ideologias se pulverizaram, é "moderno" se dizer apartidário, mas poucos o são, de fato. A verdade é que, ainda hoje, sobra pouca gente que passa pelo velho mata-burro da Guerra Fria, mostrando como nosso debate político ainda não chegou ao século XXI. Não se consegue esconder visões enviesadas, tanto à esquerda, quanto à direita, onde sempre haverá dois pesos e duas medidas para tudo.

Sem cair na guerra ideológica de petistas e tucanos, Daniel escapou das bravatas e politicagens rasteiras do "quem faz mais" e do "quem rouba menos", em voga na nossa blogosfera política. Ao contrário, ele mostra como dois partidos de origens tão parecidas disputam fatias de poder, trocam acusações e se entopem em prevaricações, tudo em detrimento do país. Assim o Brasil caminha numa socialdemocracia torpe, enquanto a sociedade vacila entre a subserviência e o golpismo.

Escândalos estão servidos à fartura no buffet da corrupção. O caso Renan Calheiros, que paralisou o congresso em 2007, ganha destaque, assim como a máfia dos sanguessugas. O valerioduto também recebe menção "honrosa", desde sua origem com o PSDB em Minas Gerais até chegar ao PT, e tomar proporções nacionais (até rimou).

O único "escorregão", se assim podemos definir, é ter sido algo complacente com uma certa Ângela Guadagnin (aquela). Porém, esta é apenas uma passagem do livro, não alterando o produto final. A deputada é mera coadjuvante entre tantos canastrões premiados com o Oscar de maquiagem. E todos os royalties da patusca bailarina não deixaram de ser devidamente creditados.

O último tema debatido é a farra dos cartões corporativos. Um tema que poderia até ter sido evitado, já que o livro foi escrito antes que o cadáver estivesse devidamente exposto. Mas, como estamos no Brasil, dossiês podem ser rebatizados de "banco de dados" e muitas verdades nunca verão a luz do dia. E quem quiser saber como acabou o escambo de dossiês e tapiocas, não precisa ir muito longe. Basta dar uma rápida olhada na capa do livro. Ali, no formo à lenha das pizzas em série, jaz mais uma CPI...

Ao final da obra, encontramos uma espécie de sumário político-policialesco, com lições (ou mandamentos) sobre crises, um curioso minidicionário contendo os principais jargões de nosso cotidiano tragicômico, seguido de uma bibliografia básica que pode ajudar a entender tanta agonia. Para fechar, uma breve lista de blogs e sites sobre política que cobrem o ciberespaço de forma bastante plural, enfocando todos os ângulos (nunca pensei que Diogo Mainardi e Mino Carta pudessem dividir o mesmo espaço, mas aí está).

Mesmo não conseguindo explicar o porquê das não-punições (há explicação?) nem fechar todas as lacunas, o livro é muito bem recomendado aos mais indignados com o nosso modus operandi político. Não, não me refiro àqueles que ficam "revoltados" ao ver o Jornal Nacional enquanto esperam pela novela, mas, sim, a quem realmente se importa com aquilo em que nos transformamos... A estes, o livro pode servir como um manual básico para quem não sabe por onde (e nem como) começar a reivindicar justiça no deserto da ética.

Se, ao final da leitura, você desconfiar da máxima que diz "se criticar o PT, é porque é tucano; e, se criticar o PSDB, é porque é petista", diga adeus às polarizações anacrônicas e seja bem-vindo a um novo patamar do debate político.

Por ora, ainda é doloroso reconhecer, mas só mesmo num país como o nosso é que A trágica impunidade política no Brasil consegue ser classificado como livro de "não-ficção"...

Para ir além
Conheça o blog do autor.






Diogo Salles
São Paulo, 10/6/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Dilúvio, de Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba de Heloisa Pait
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. 12. Rumo ao Planalto de Heloisa Pait
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 11. A Quatro Braçadas de Heloisa Pait
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 10. O Gerador de Luz de Heloisa Pait


Mais Diogo Salles
Mais Acessadas de Diogo Salles em 2008
01. Solidariedade é ação social - 2/12/2008
02. Preconceitos - 8/1/2008
03. Caricaturas ao vivo - 8/7/2008
04. Voto obrigatório, voto útil... voto nulo - 12/8/2008
05. 1998 ― 2008: Dez anos de charges - 23/12/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/6/2008
23h24min
Sem comentário. Retrato do Brasil. Retrato sem retoque, impossível de melhorar.
[Leia outros Comentários de Franklin Netto]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BRINQUEMOS COM O CORPO E A IMAGINAÇÃO
LIDIA VAZQUEZ
PAULUS
(2000)
R$ 8,28



LEIS 8.112/90 E 8.666/93 COLEÇÃO CONCURSOS PÚBLICOS O PASSO DECISIVO PARA SUA APROVAÇÃO
ISABEL MORAES (COORD)
GOLD
(2008)
R$ 10,00



A FERA NA SELVA
HENRY JAMES
ROCCO
(1985)
R$ 18,00



REALISTIC ILLUSTRATIONS IN JAPAN 2
G. SHA
BOOKS NIPPAN
(1987)
R$ 85,00



UM CASAMENTO SEM AMOR
DORIS LESSING
RECORD
(1964)
R$ 7,00
+ frete grátis



DA RECONVENÇÃO NO DIREITO DO TRABALHO
OSÍRIS ROCHA
REVISTA DOS TRIBUNAIS (SP)
(1965)
R$ 19,28



OS DOZE MANDAMENTOS
SIDNEY SHELDON
RECORD
(2011)
R$ 3,00



ISRAEL DO SONHO À REALIDADE
CHAIM WEIZMANN
IBRASA
(1969)
R$ 5,00



THE ADVENTURES OF HUCKLEBERRY FINN - COM CD
MARK TWAIN
PEARSON
R$ 25,00



SEXO E DESTINO
FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER & WALDO VIEIRA
FEB
(1972)
R$ 20,00





busca | avançada
44089 visitas/dia
1,2 milhão/mês