Caricaturas ao vivo | Diogo Salles | Digestivo Cultural

busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Residência Artística FAAP São Paulo realiza Open Studio neste sábado
>>> CONHEÇA OS VENCEDORES DO PRÊMIO IMPACTOS POSITIVOS 2022
>>> Espetáculo 'Figural', direçãod e Antonio Nóbrega | Sesc Bom Retiro
>>> Escritas de SI(DA) - o HIV/Aids na literatura brasileira
>>> Com Rincon Sapiência, Samanta Luz prepara quiche vegana no Sabor & Luz
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> As mulheres e o futebol
>>> São Luiz do Paraitinga
>>> Discurso de William Faulkner
>>> Road Warrior
>>> O crime da torta de morango
>>> PT saudações
>>> Oscar Wilde, dândi imortal
>>> 30 de Novembro #digestivo10anos
>>> Uma história do Jazz
>>> Quando morre uma paixão
Mais Recentes
>>> Assassins creed renegado de Oliver Bowden pela Record (2012)
>>> Assassins creed unity de Oliver Bowden pela Record (2015)
>>> Confesso Que Vivi - memórias de Pablo Neruda pela Difel (1974)
>>> A rosa da meia-noite de Lucinda Riley pela Novo Conceito (2014)
>>> O Poder da Visualização Criativa: Conheça a técnica que mudou a vida de milhares de pessoas em todo o mundo de Elizabeth Mednicoff pela Universo dos Livros (2007)
>>> Simplesmente morto de Peter James pela Novo Seculo (2012)
>>> Crepusculo de Stephenie Meyer pela Intrinseca (2009)
>>> Kenobi Star Wars de John Jackson Miller pela Aleph (2015)
>>> Guia pratico do poquer de Trevor Sippets pela Livros Escala (2010)
>>> O Hobbit uma jornada inesperada guia ilustrado de Jude Fisher pela Martins Fontes (2012)
>>> Lobo Solitário 5 de Kazuo Koike e Goseki Kojima pela Panini
>>> Os adoraveis de Sarra Manning pela Novo Conceito (2013)
>>> O menino do pijama listrado de John Boyne pela Companhia Das Letras (2010)
>>> Assassinatos na rua Morgue e outras historias de Edgar Allan Poe pela Saraiva (2008)
>>> Vidas secas de Graciliano Ramos pela Record (2011)
>>> Os contos de Beedle o Bardo de J K Rowling pela Rocco (2008)
>>> Cavaleiros do Zodíaco volume 43 de Masami Kurumada pela Conrad
>>> Cavaleiros do Zodíaco volume 44 de Masami Kurumada pela Conrad
>>> Cavaleiros do Zodíaco volume 47 de Masami Kurumada pela Conrad
>>> Cavaleiros do Zodíaco volume 48 de Masami Kurumada pela Conrad
>>> Cavaleiros do Zodíaco volume 45 de Masami Kurumada pela Conrad
>>> Cavaleiros do Zodíaco volume 4 de Masami Kurumada pela Conrad
>>> Cavaleiros do Zodíaco volume 46 de Masami Kurumada pela Conrad
>>> Cavaleiros do Zodíaco volume 22 de Masami Kurumada pela Conrad
>>> Notas sobre a pandemia de Yuval Noah Harari pela Companhia Das Letras (2020)
COLUNAS

Terça-feira, 8/7/2008
Caricaturas ao vivo
Diogo Salles

+ de 12800 Acessos
+ 1 Comentário(s)

"O que faz um cartunista?". "Dá pra ganhar a vida assim?". "Existe curso de caricatura?". Esse é o questionário básico que aprendi a responder ao longo de anos trabalhando como caricaturista em eventos. E antes que entremos nesse mundo, deixe-me respondê-lo para que nenhum traço fique fora do papel. Bom, ser cartunista é trabalhar o cartum em suas diversas formas: charge, caricatura, ilustração, tiras ou quadrinhos. Sim, dá pra ganhar a vida, desde que você não abdique da prática incansável, da leitura diária e da observação acurada. Enfim, desde que você se dedique (não, desenhar não é só diversão). Sim, existe curso de caricatura, que pode ser uma boa escola para o aperfeiçoamento, mas ninguém se torna um profissional sem talento e certa dose de teimosia.

Comecei a dibujar como profissional praticamente na mesma época em que as comportas da internet eram liberadas aqui no Brasil. De lá pra cá, vários segmentos foram ampliados e outros tantos foram descobertos. Um segmento que se popularizou de maneira considerável e permitiu que vários artistas pudessem viver exclusivamente de sua arte (entre eles, este colunista que aqui escreve) foi a caricatura ao vivo. Em festas particulares, em festas de empresas, aniversários, congressos, feiras, stands, casamentos, enfim, todo e qualquer tipo de evento, minha missão era divertir as pessoas.

Este segmento em especial foi importante para aproximar a arte da caricatura (e o humor gráfico de modo geral) do grande público. Se antes a caricatura era restrita às publicações em jornais, livros e exposições ― e uns poucos abnegados se arriscavam a ganhar a vida como artista de rua ―, a internet veio a derrubar mais esta barreira. Ao caricaturista que queria se aventurar nessa seara, bastava divulgar seus serviços através de um site pessoal e deixar que o Google fizesse as devidas apresentações.

Este é um trabalho que exige grande habilidade e fluência no traço do artista. Uma arte extremamente sofisticada que não se resume a ressaltar os "defeitos" da pessoa, como muitos acreditam, mas sim de traduzir em traços suas características mais marcantes. O exagero neste traço é a interpretação do artista para aquele rosto. E é preciso ter cuidado, pois existe uma linha bastante tênue entre o humor e a ofensa. Nosso trabalho é encontrar o humor no desenho e saber captar todas as pistas que seu caricaturado lhe dá. Uns têm maior senso de humor e querem ser chacoteados. Outros, nem tanto.

Não é regra, mas pode-se zombar mais de homens, enquanto que, nas mulheres, os traços são usados com maior parcimônia. As mulheres têm uma maneira bem peculiar de encarar a caricatura. Umas arrumam o cabelo, outras procuram fazer uma pose onde eu não poderei encontrar "defeitos". Nada disso fará diferença. Elas podem tentar dificultar nosso trabalho, mas o resultado final será sempre uma caricatura, ainda que disfarçada de retrato estilizado. Uma coisa importante é que, nunca, jamais, sob qualquer circunstância, deve-se exagerar as rugas numa mulher, qualquer que seja a sua idade. Se fizer isso, o caricaturista poderá até colocar em risco sua integridade física. A saída aí é ele próprio fazer algumas aplicações de Botox manualmente. Ser mais condescendente com eventuais rugas não impede o caricaturista de ser honesto, sabendo preservar as características da pessoa. O toque de mestre é realçar os acessórios: brincos, colares, roupas ou penteados (que passam em branco aos olhos dos maridos) fazem a alegria de esposas e namoradas presentes. Elas adoram. Mas não os culpo... Provavelmente eu também faça isso com a minha namorada, vai saber...

Nesses eventos, encontro diversos tipos de pessoas, dos mais difíceis aos mais fáceis de caricaturar. As reações também são bastante variadas. Da mesma maneira que uns fazem fila pra ter sua caricatura, outros têm verdadeira fobia ao se imaginarem ridicularizados em traços. Estes nos olham com desconfiança, como se representássemos uma ameaça ao seu bem estar social. Outro tipo curioso (e bastante comum) é aquele que, a princípio, não quer a caricatura e só fica rodeando a área, como um urubu vacilante. Mas depois de algumas (ou várias) doses, chega lá de peito estufado e brada o grande clichê caricaturístico dos eventos: "Me deixa bonito, hein!". Esses são os melhores de "carregar" bastante no traço. Não há risco de não gostarem. O nível de álcool em seu sangue lhe garantirá boas risadas.

Além de pagar bem, este é um trabalho que dá muito prazer ao profissional. Mas também tem os seus percalços. Certa vez, eu fazia caricaturas num desses camarotes cheios de "vips". Como meu contratante era uma marca de bebida alcoólica, a idéia era caricaturar celebridades numa campanha que pregava o consumo responsável. Uma das ordens era vetar, sob qualquer hipótese, as caricaturas para menores de idade. Em determinado momento, surgiu um homem querendo que eu desenhasse seu filho de 10 anos. A coordenadora do projeto estava por ali e logo os dois começaram a discutir de modo exaltado. O homem, que trabalhava num famoso programa de auditório, estava mesmo determinado a ter a caricatura de seu filho. Dinheiro parecia não ser o seu problema. Ao contrário, era a solução. Na primeira oportunidade em que a coordenadora se afastou de lá, ele se aproximou e colocou uma nota de 100 reais no bolso do meu macacão (sim, eu estava "a caráter"). Eu sempre tinha ouvido falar que artista tinha fama de vadio, maldito, que vive sempre à margem da sociedade. Mas foi neste momento que senti o que era ser um artista prostituto, no sentido mais literal (e vulgar) da palavra, como uma espécie de stripper do traço. Só que, em vez de "rebole para mim", a frase era "desenhe o meu filho". Antes que minha mão começasse a "rebolar" no papel, esta situação precisava ser contornada. Sem melindres, devolvi o dinheiro e arrumei um papel diferente (sem o logotipo da empresa) para fazer a caricatura. Assim, o desenho não estaria vinculado à campanha nem à marca.

Muita gente ainda não aprendeu a entender e interpretar a caricatura. Pedem para eu fazer sua "charge" (incrível como até hoje confundem as duas coisas!). Uns chegam até a pedir sua "foto". Uma vez, um menino se aproximou enquanto eu desenhava e perguntou se eu fazia "retrato falado" para a polícia. Percebi que aquilo era totalmente novo para ele e, pacientemente, me dispus a explicar a caricatura. Diante da nova lição, ele profetizou: "Entendi. É um retrato mal-falado".

Mesmo com algumas idiossincrasias e situações engraçadas (ou esdrúxulas), essa deliciosa arte de distorcer os traços da pessoa e vê-las rirem de si mesmas é uma das coisas que mais satisfazem qualquer artista. A caricatura ao vivo é um grande atrativo para todas as idades, tanto que já trabalhei com todos os públicos, do infantil ao de terceira idade. O sucesso é imediato a partir da primeira caricatura que você faz. Nesse momento, a fila já começa a andar e você só vai parar dali a uns 40 ou 50 desenhos. O processo todo é tanto cansativo quanto gratificante. É durante esses trabalhos em eventos que ouço com mais freqüência as perguntas que descrevi no primeiro parágrafo. Curiosos e observadores ficam ao redor, contemplando. É como se as pessoas quisessem ser você naquele momento. Ficam admiradas com a nossa rapidez em fazer uma caricatura em tão pouco tempo (quatro ou cinco minutos). Na verdade, somos obrigados a ter essa fluência para poder atender a toda a demanda. Isso faz com que o processo seja muito natural pra nós, dando até a impressão de que é fácil, escondendo o longo processo de aprendizado ao qual nos submetemos para chegar a esse resultado.

Eu, caricatura
Sempre tem aquele insatisfeito que gostaria de ver seu "algoz" caricaturado da mesma maneira, como um sentimento de vingança. Quando me lançam o desafio, aceito na hora, pois não encaro a caricatura como depreciação e, sim, como a apreciação da pessoa através do humor e do traço. Eis que eu estava em um desses salões de humor, onde sempre encontro vários amigos e colegas de profissão. Logo após a exposição, conforme manda a tradição, parte da trupe se reuniu em uma lanchonete para confraternizar e fui alvejado quase que simultaneamente pela arte de dois grandes amigos.

No desenho maior, Spacca usou seu traço estiloso e seu humor refinado para sugerir uma reconciliação entre eu e o presidente. Você pode ver pela minha expressão de constrangimento no desenho que isso dificilmente acontecerá. No desenho menor (feito em um guardanapo), Humberto Pessoa seguiu pela mesma via, mas de uma maneira bem mais direta e algo violenta. Uma espécie de rito vodu/vampiresco. Curioso foi que Spacca e Humberto estavam em mesas diferentes e resolveram me "chargear" ao mesmo tempo, cada um à sua maneira. Não pude conter o riso, pela incrível coincidência de temáticas tão parecidas. Percebe-se que ambos faziam clara referência ao meu livro, onde ofereci uma visão não muito amigável sobre o primeiro mandato do governo Lula.

De qualquer maneira, esse exemplo serve para derrubar o mito de que um caricaturista vive exclusivamente de fazer troça da vida alheia. Ao contrário, guardo todas as caricaturas que fazem de mim em uma coleção. Sinto-me honrado em ver gente "exagerando meus defeitos".


Diogo Salles
São Paulo, 8/7/2008


Mais Diogo Salles
Mais Acessadas de Diogo Salles em 2008
01. Solidariedade é ação social - 2/12/2008
02. 1998 ― 2008: Dez anos de charges - 23/12/2008
03. Caricaturas ao vivo - 8/7/2008
04. Preconceitos - 8/1/2008
05. Voto obrigatório, voto útil... voto nulo - 12/8/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/8/2008
14h59min
Este é um assunto que sempre tive curiosidade de saber e, casualmente, encontro: de uma forma elegante, informativa e até mesmo divertida... Este artigo é um bom exemplo da diferença entre cultura/informação e inutilidade...
[Leia outros Comentários de Leninha]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Trotskismo na América Latina - Tudo É História
Osvaldo Coggiola
Brasiliense
(1984)



Psicologia e Percepção
R. H. Day
Jose Olympio
(1974)



Dispneia
Med Writers
Med Writers
(2012)



Andy Warhol - o Gênio do Pop
Tony Scherman e David Dalton
Globo



O Jogo da Estratégia
Craig R. Hickman
Makron Books
(1996)



Organizações Inovadoras do Setor Financeiro: Teoria e Casos de Sucesso
José Carlos Barbieri/josé Carlos Barbieri
José Carlos Barbieri
(2009)



Juju no Hospital
Priscila Castello Branco
Viva e Deixe Viver
(2017)



Madre Teresa Col. Personagens Que Mudaram o Mundo (1993)
Charlotte Gray
Globo
(1993)



Existir!
Nathalie Hense
Sm
(2014)



Soja Nutrição e Saude
Conceição Trucom
Alaúde
(2009)





busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês