Caricaturas ao vivo | Diogo Salles | Digestivo Cultural

busca | avançada
74383 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
>>> Vera Athayde é convidada do projeto Terreiros Nômades em ação na EMEF Ana Maria Benetti sobre Cavalo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Jobim: maestro ou compositor?
>>> 7 de Outubro #digestivo10anos
>>> A insignificância perfeita de Leonardo Fróes
>>> Soco no saco
>>> De Siegfried a São Jorge
>>> O Paulinho da Viola de Meu Tempo é Hoje
>>> Pelas curvas brasileiras
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
>>> A Flip como Ela é... I
>>> Convivendo com a Gazeta e o Fim de Semana
Mais Recentes
>>> O Administrador do Rei - coleção aqui e agora de Aristides Fraga Lima pela Scipione (1991)
>>> Memória do Cinema de Henrique Alves Costa pela Afrontamento (2024)
>>> Os Filhos do Mundo - a face oculta da menoridade (1964-1979) de Gutemberg Alexandrino Rodrigues pela Ibccrim (2001)
>>> Arranca-me a Vida de Angeles Mastretta pela Siciliano (1992)
>>> Globalizacão, Fragmentacão E Reforma Urbana: O Futuro Das Cidades Brasileiras Na Crise de Luiz Cezar de Queiroz Ribeiro; Orlando Alves dos Santos Junior pela Civilização Brasileira (1997)
>>> Movimento dos Trabalhadores e a Nova Ordem Mundial de Clat pela Clat (1993)
>>> Falso Amanhecer: Os Equívocos Do Capitalismo Global de John Gray pela Record (1999)
>>> Os Colegas de Lygia Bojunga pela Casa Lygia Bojunga (1986)
>>> Amazonas um Rio Conta Historias de Sergio D. T. Macedo pela Record (1962)
>>> A História de Editora Sextante pela Sextante (2012)
>>> Villegagnon, Paixaƒo E Guerra Na Guanabara: Romance de Assis Brasil pela Rio Fundo (1991)
>>> A Política de Aristóteles pela Ediouro
>>> A Morte no Paraíso a tragédia de Stefan Zweig de Alberto Dines pela Nova Fronteira (1981)
>>> Rin Tin Tin a vida e a lenda de Susan Orlean pela Valentina (2013)
>>> Estudos Brasileiros de População de Castro Barretto pela Do Autor (1947)
>>> A Origem do Dinheiro de Josef Robert pela Global (1989)
>>> Arquitetos De Sonhos de Ademar Bogo pela Expressão Popular (2024)
>>> Desafio no Pacífico de Robert Leckie pela Globo (1970)
>>> O Menino do DedoVerde de Maurice Druon pela José Olympio (1983)
>>> A Ciencia Da Propaganda de Claude Hopkins pela Cultrix (2005)
>>> Da Matriz Ao Beco E Depois de Flavio Carneiro pela Rocco (1994)
>>> Testemunho de Darcy Ribeiro pela Edições Siciliano (1990)
>>> Tarzan e o Leão de Ouro de Edgar Rice Burroughs pela Record (1982)
>>> Viagem de Graciliano Ramos pela Record (1984)
>>> O Saber e História de Nilo Odália pela Brasiliense (1994)
COLUNAS

Terça-feira, 8/7/2008
Caricaturas ao vivo
Diogo Salles
+ de 13700 Acessos
+ 1 Comentário(s)

"O que faz um cartunista?". "Dá pra ganhar a vida assim?". "Existe curso de caricatura?". Esse é o questionário básico que aprendi a responder ao longo de anos trabalhando como caricaturista em eventos. E antes que entremos nesse mundo, deixe-me respondê-lo para que nenhum traço fique fora do papel. Bom, ser cartunista é trabalhar o cartum em suas diversas formas: charge, caricatura, ilustração, tiras ou quadrinhos. Sim, dá pra ganhar a vida, desde que você não abdique da prática incansável, da leitura diária e da observação acurada. Enfim, desde que você se dedique (não, desenhar não é só diversão). Sim, existe curso de caricatura, que pode ser uma boa escola para o aperfeiçoamento, mas ninguém se torna um profissional sem talento e certa dose de teimosia.

Comecei a dibujar como profissional praticamente na mesma época em que as comportas da internet eram liberadas aqui no Brasil. De lá pra cá, vários segmentos foram ampliados e outros tantos foram descobertos. Um segmento que se popularizou de maneira considerável e permitiu que vários artistas pudessem viver exclusivamente de sua arte (entre eles, este colunista que aqui escreve) foi a caricatura ao vivo. Em festas particulares, em festas de empresas, aniversários, congressos, feiras, stands, casamentos, enfim, todo e qualquer tipo de evento, minha missão era divertir as pessoas.

Este segmento em especial foi importante para aproximar a arte da caricatura (e o humor gráfico de modo geral) do grande público. Se antes a caricatura era restrita às publicações em jornais, livros e exposições ― e uns poucos abnegados se arriscavam a ganhar a vida como artista de rua ―, a internet veio a derrubar mais esta barreira. Ao caricaturista que queria se aventurar nessa seara, bastava divulgar seus serviços através de um site pessoal e deixar que o Google fizesse as devidas apresentações.

Este é um trabalho que exige grande habilidade e fluência no traço do artista. Uma arte extremamente sofisticada que não se resume a ressaltar os "defeitos" da pessoa, como muitos acreditam, mas sim de traduzir em traços suas características mais marcantes. O exagero neste traço é a interpretação do artista para aquele rosto. E é preciso ter cuidado, pois existe uma linha bastante tênue entre o humor e a ofensa. Nosso trabalho é encontrar o humor no desenho e saber captar todas as pistas que seu caricaturado lhe dá. Uns têm maior senso de humor e querem ser chacoteados. Outros, nem tanto.

Não é regra, mas pode-se zombar mais de homens, enquanto que, nas mulheres, os traços são usados com maior parcimônia. As mulheres têm uma maneira bem peculiar de encarar a caricatura. Umas arrumam o cabelo, outras procuram fazer uma pose onde eu não poderei encontrar "defeitos". Nada disso fará diferença. Elas podem tentar dificultar nosso trabalho, mas o resultado final será sempre uma caricatura, ainda que disfarçada de retrato estilizado. Uma coisa importante é que, nunca, jamais, sob qualquer circunstância, deve-se exagerar as rugas numa mulher, qualquer que seja a sua idade. Se fizer isso, o caricaturista poderá até colocar em risco sua integridade física. A saída aí é ele próprio fazer algumas aplicações de Botox manualmente. Ser mais condescendente com eventuais rugas não impede o caricaturista de ser honesto, sabendo preservar as características da pessoa. O toque de mestre é realçar os acessórios: brincos, colares, roupas ou penteados (que passam em branco aos olhos dos maridos) fazem a alegria de esposas e namoradas presentes. Elas adoram. Mas não os culpo... Provavelmente eu também faça isso com a minha namorada, vai saber...

Nesses eventos, encontro diversos tipos de pessoas, dos mais difíceis aos mais fáceis de caricaturar. As reações também são bastante variadas. Da mesma maneira que uns fazem fila pra ter sua caricatura, outros têm verdadeira fobia ao se imaginarem ridicularizados em traços. Estes nos olham com desconfiança, como se representássemos uma ameaça ao seu bem estar social. Outro tipo curioso (e bastante comum) é aquele que, a princípio, não quer a caricatura e só fica rodeando a área, como um urubu vacilante. Mas depois de algumas (ou várias) doses, chega lá de peito estufado e brada o grande clichê caricaturístico dos eventos: "Me deixa bonito, hein!". Esses são os melhores de "carregar" bastante no traço. Não há risco de não gostarem. O nível de álcool em seu sangue lhe garantirá boas risadas.

Além de pagar bem, este é um trabalho que dá muito prazer ao profissional. Mas também tem os seus percalços. Certa vez, eu fazia caricaturas num desses camarotes cheios de "vips". Como meu contratante era uma marca de bebida alcoólica, a idéia era caricaturar celebridades numa campanha que pregava o consumo responsável. Uma das ordens era vetar, sob qualquer hipótese, as caricaturas para menores de idade. Em determinado momento, surgiu um homem querendo que eu desenhasse seu filho de 10 anos. A coordenadora do projeto estava por ali e logo os dois começaram a discutir de modo exaltado. O homem, que trabalhava num famoso programa de auditório, estava mesmo determinado a ter a caricatura de seu filho. Dinheiro parecia não ser o seu problema. Ao contrário, era a solução. Na primeira oportunidade em que a coordenadora se afastou de lá, ele se aproximou e colocou uma nota de 100 reais no bolso do meu macacão (sim, eu estava "a caráter"). Eu sempre tinha ouvido falar que artista tinha fama de vadio, maldito, que vive sempre à margem da sociedade. Mas foi neste momento que senti o que era ser um artista prostituto, no sentido mais literal (e vulgar) da palavra, como uma espécie de stripper do traço. Só que, em vez de "rebole para mim", a frase era "desenhe o meu filho". Antes que minha mão começasse a "rebolar" no papel, esta situação precisava ser contornada. Sem melindres, devolvi o dinheiro e arrumei um papel diferente (sem o logotipo da empresa) para fazer a caricatura. Assim, o desenho não estaria vinculado à campanha nem à marca.

Muita gente ainda não aprendeu a entender e interpretar a caricatura. Pedem para eu fazer sua "charge" (incrível como até hoje confundem as duas coisas!). Uns chegam até a pedir sua "foto". Uma vez, um menino se aproximou enquanto eu desenhava e perguntou se eu fazia "retrato falado" para a polícia. Percebi que aquilo era totalmente novo para ele e, pacientemente, me dispus a explicar a caricatura. Diante da nova lição, ele profetizou: "Entendi. É um retrato mal-falado".

Mesmo com algumas idiossincrasias e situações engraçadas (ou esdrúxulas), essa deliciosa arte de distorcer os traços da pessoa e vê-las rirem de si mesmas é uma das coisas que mais satisfazem qualquer artista. A caricatura ao vivo é um grande atrativo para todas as idades, tanto que já trabalhei com todos os públicos, do infantil ao de terceira idade. O sucesso é imediato a partir da primeira caricatura que você faz. Nesse momento, a fila já começa a andar e você só vai parar dali a uns 40 ou 50 desenhos. O processo todo é tanto cansativo quanto gratificante. É durante esses trabalhos em eventos que ouço com mais freqüência as perguntas que descrevi no primeiro parágrafo. Curiosos e observadores ficam ao redor, contemplando. É como se as pessoas quisessem ser você naquele momento. Ficam admiradas com a nossa rapidez em fazer uma caricatura em tão pouco tempo (quatro ou cinco minutos). Na verdade, somos obrigados a ter essa fluência para poder atender a toda a demanda. Isso faz com que o processo seja muito natural pra nós, dando até a impressão de que é fácil, escondendo o longo processo de aprendizado ao qual nos submetemos para chegar a esse resultado.

Eu, caricatura
Sempre tem aquele insatisfeito que gostaria de ver seu "algoz" caricaturado da mesma maneira, como um sentimento de vingança. Quando me lançam o desafio, aceito na hora, pois não encaro a caricatura como depreciação e, sim, como a apreciação da pessoa através do humor e do traço. Eis que eu estava em um desses salões de humor, onde sempre encontro vários amigos e colegas de profissão. Logo após a exposição, conforme manda a tradição, parte da trupe se reuniu em uma lanchonete para confraternizar e fui alvejado quase que simultaneamente pela arte de dois grandes amigos.

No desenho maior, Spacca usou seu traço estiloso e seu humor refinado para sugerir uma reconciliação entre eu e o presidente. Você pode ver pela minha expressão de constrangimento no desenho que isso dificilmente acontecerá. No desenho menor (feito em um guardanapo), Humberto Pessoa seguiu pela mesma via, mas de uma maneira bem mais direta e algo violenta. Uma espécie de rito vodu/vampiresco. Curioso foi que Spacca e Humberto estavam em mesas diferentes e resolveram me "chargear" ao mesmo tempo, cada um à sua maneira. Não pude conter o riso, pela incrível coincidência de temáticas tão parecidas. Percebe-se que ambos faziam clara referência ao meu livro, onde ofereci uma visão não muito amigável sobre o primeiro mandato do governo Lula.

De qualquer maneira, esse exemplo serve para derrubar o mito de que um caricaturista vive exclusivamente de fazer troça da vida alheia. Ao contrário, guardo todas as caricaturas que fazem de mim em uma coleção. Sinto-me honrado em ver gente "exagerando meus defeitos".


Diogo Salles
São Paulo, 8/7/2008

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Jogando com Cortázar de Cassionei Niches Petry
02. Nosso Lar de Gian Danton


Mais Diogo Salles
Mais Acessadas de Diogo Salles em 2008
01. Solidariedade é ação social - 2/12/2008
02. 1998 ― 2008: Dez anos de charges - 23/12/2008
03. Caricaturas ao vivo - 8/7/2008
04. Preconceitos - 8/1/2008
05. Voto obrigatório, voto útil... voto nulo - 12/8/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/8/2008
14h59min
Este é um assunto que sempre tive curiosidade de saber e, casualmente, encontro: de uma forma elegante, informativa e até mesmo divertida... Este artigo é um bom exemplo da diferença entre cultura/informação e inutilidade...
[Leia outros Comentários de Leninha]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A História a um Clique
Débora Araújo Leal
Clube de Autores
(2018)



Diario Do Futuro: Mirai Nikki - Vol.7
Sakae Esuno
Jbc
(2013)



Manual do Sexo Virtual
José Custódio Rosa Filho
Nova Alexandria
(2000)



Livro Literatura Brasileira O Conde de Monte Cristo
Alexandre Dumas
Ediouro
(2002)



A Revolução do Pouquinho
Eduardo Zugaib
Dvs
(2014)



A Bíblia da Menopausa
Dr Wladmir Taborda e Dr Mariano Tamura
CMS
(2006)



O Anão no Televisor - Contos
Moacyr Scliar
Globo
(1979)



Livro Psicologia Saúde Mental Na Escola O Que Os Educadores Devem Saber
Gustavo M. Estanislau
Artmed
(2014)



Til
José de Alencar
Melhoramentos
(2012)



Hyper Link Volume Único 2 Cds Livro do Aluno
Vinicius Nobre e Albina Escobar
Pearson
(2011)





busca | avançada
74383 visitas/dia
2,4 milhões/mês