Pastelão | Eduardo Mineo | Digestivo Cultural

busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Residência Artística FAAP São Paulo realiza Open Studio neste sábado
>>> CONHEÇA OS VENCEDORES DO PRÊMIO IMPACTOS POSITIVOS 2022
>>> Espetáculo 'Figural', direçãod e Antonio Nóbrega | Sesc Bom Retiro
>>> Escritas de SI(DA) - o HIV/Aids na literatura brasileira
>>> Com Rincon Sapiência, Samanta Luz prepara quiche vegana no Sabor & Luz
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Discurso de William Faulkner
>>> Road Warrior
>>> O crime da torta de morango
>>> PT saudações
>>> Oscar Wilde, dândi imortal
>>> 30 de Novembro #digestivo10anos
>>> Uma história do Jazz
>>> Quando morre uma paixão
>>> Debate Democrata na CNN
>>> Blogo, logo existo
Mais Recentes
>>> Bhagavad Gita de Krishna pela Martin Claret (2005)
>>> Cyrano de Bergerac (capa dura) de Edmond Rostand pela Nova Cultural (2002)
>>> A arte de amar de Ovídio pela L&PM Pocket (2010)
>>> A Única Coisa de Gary Keller; Jay Papasan pela Novo Século (2014)
>>> Prestígio e Personalidade de Lewis Victor pela Ediouro
>>> Maze Runner: Ordem de Extermínio de James Dashner pela V&R (2013)
>>> A Semente da Vitória de Nuno Cobra pela Senac (2002)
>>> Maze Runner: A Cura Mortal de James Dashner pela V&R (2012)
>>> Maze Runner: Prova de Fogo de James Dashner pela V&R (2011)
>>> Perto do Coração Selvagem de Clarice Lispector pela Folha de S.Paulo (2017)
>>> Maze Runner: Correr ou Morrer de James Dashner pela V&R (2010)
>>> O Livro dos 5 Anéis de Miyamoto Musashi pela Madras (2005)
>>> A Resposta do Mar de Rubens Paulo Gonçalves pela Alegro (2000)
>>> Como Planejar Sua Vida! de Dernizo Pagnoncelli pela Publit (2014)
>>> Fantasmas de Antonio Carlos Neves pela Saraiva (2006)
>>> Mal-Entendido em Moscou de Simone de Beauvoir pela Folha de S.Paulo (2017)
>>> 40 Dias de Amor - Princípios de Relacionamento de Jesus de Tom Holladay pela Vida (2017)
>>> A Caçadora de Bruxos - Magia. Traição. Sacrifício. de Virginia Boecker pela Record (2016)
>>> Noite de Érico Veríssimo pela Círculo do Livro (1986)
>>> Maldosas - Pretty Little Liars de Sara Shepard pela Rocco (2010)
>>> Exercícios de Matemática - Revisão do Ensino Fundamental - Volume 1 de Álvaro Zimmermann Aranha; Manoel Benedito Rodrigues pela Policarpo (1994)
>>> Anjos Caidos e as Origens do Mal de Elizabethe Prophet pela Nova Era (2002)
>>> Ozônio: Aliado e Inimigo de Vera Lucia Duarte de Novais pela Scipione (2006)
>>> A Ultima Carta de Amor de Jojo Moyes pela Intrínseca (2016)
>>> O Novo Mapa do Mundo de Demétrio Magnoli pela Moderna (1993)
COLUNAS

Segunda-feira, 20/8/2007
Pastelão
Eduardo Mineo

+ de 6000 Acessos
+ 7 Comentário(s)

Acho que nunca recriminei o futebol dizendo se tratar de vinte e dois (vinte e dois, né?) homens correndo atrás de uma bola porque gosto de assistir coisas bem mais tontas que isto. Não é tão constrangedor quanto parece porque sei que gente mais culta que eu também se diverte assistindo Os irmãos Id e Ota ao ponto de um ataque de riso subjugá-lo no chão por causa de uma cena ridícula de gases. Gosto de Hitchcock e de ouvir Beethoven, mas existe algo que me fascina vergonhosamente quando Leslie Nielsen estoura o champanhe e mata um papagaio que cai numa sopa e espirra em alguém de smoking. Não tenho nem explicação para isto; é simplesmente mais forte do que eu.

O que me constrange de verdade é que este tipo de comédia só foi possível por causa da mesma tolerância que permitiu o surgimento das colunas da Folha e do programa da Cicarelli. Sendo eu uma fonte inesgotável de bons costumes, me dói fazer a concessão absurda de que gosto de algo cuja existência esteja ligada ao aparecimento de revistas sobre como melhorar sua vida sexual. O que me conforta, entretanto, é que por mais apelativa que uma comédia pastelão seja, por mais gente pelada que nela apareça, tudo é tratado através do ridículo e do humor, o que pelo menos suaviza a coisa toda. A pior cena de Porky's é menos indecente do que um jornalista tentando nos convencer de que a parada gay é algo respeitável.

Por exemplo, não seria possível um filme como Loucademia de polícia na época de W.C.Fields e dos irmãos Marx. Eles fizeram comédias fantásticas - O diabo a quatro dos irmãos Marx é coisa de gênio -, mas ainda assim a época exigia abordagens mais delicadas e estou falando de algo tipo Apertem os cintos que o piloto sumiu, um troço agressivo pra burro. Já pensou? O mundo ainda não estava preparado para ver Lloyd Bridges deixar cair sua dentadura numa taça de vinho.

Em princípio, o formato, digamos, circense d'O gordo e o magro, d'Os três patetas e até dos irmãos Marx enjoou porque cambalhotas são chatíssimas perto do potencial cômico de uma disenteria. Nas décadas de trinta e quarenta, os filmes já tinham um senso de humor mais forte, como nas comédias de Cary Grant e Katherine Hepburn. Não que houvesse disenteria nos filmes de Cary Grant e Katherine Hepburn, eu estava só brincando, droga, esqueça.

Mas até os filmes cômicos de John Wayne e suas brigas de bar na modalidade todo mundo contra todo mundo valem para ilustrar as mudanças no cinema de comédia para o início do pastelão. Provavelmente, o último passo foi Monty Phyton. Desafio qualquer ser humano, qualquer pessoa com um mínimo de vida, a manter a sua integridade solene de oficial de cartório assistindo um filme da turma do Monty Phyton. Impossível.

Férias frustradas, com Chevy Chase - ave, Chevy Chase! - talvez tenha definido o formato pastelão. E é um filme que faz parte da vida de pelo menos duas gerações. O absurdo e o ridículo tornam esta comédia maravilhosa porque tudo é muito engraçado e não porque, ó, vejam como estão satirizando o idiota-médio-americano. Ninguém é mais idiota do que um idiota dizendo idiota-médio-americano. Tendo as melhores piadas do mundo pra rir, o cara resolve fazer uma maldita análise sociológica. Acontece o mesmo com The Simpsons. Toda vez que alguém fala que o Homer é uma sátira ao idiota-médio-americano, uma fada morre em algum lugar, de tanta amargura que sai da cabeça desse sujeito.

Geralmente são fãs de cinema francês também. Às vezes, vejo fãs de cinema francês, gente muito intelectual, muito sabida, torcendo seus bigodes fininhos imaginários para filmes de comédia pastelão e minha indignação é tanta que, se eu estivesse num filme do Godard, ficaria pelado e sairia matando gente e roubando, mas como sou molto gentile - e tímido, é verdade -, prefiro me manter vestido e assistir O Balconista que, pelo menos, me deixa feliz.

Tudo bem, Jean-Marie Poiré também me deixou feliz com seus dois Les visiteurs e por isto seria uma injustiça falar assim do cinema da França. Teve uma adaptação para o cinema norte-americano, Just Visiting, que é mais, hum, suave e mais bonito - só a beleza da Christina Applegate já confere ao filme mais autoridade que toda a obra de Ingmar Bergman junta. Mas a versão francesa é melhor, certamente. E Ingmar Bergman também, claro, eu estava brincando de novo, não liguem.

Mas comédia pastelão é necessária, poxa vida. Não é algo que exatamente engrandece o espírito, porém o deixa mais leve, acho. Tudo me parece mais suave depois de um filme com Charlie Sheen imitando o Rambo, etc. Ou, pelo menos, mais divertido. Sei o valor que os dramas têm, que os filmes intelectuais têm e tudo; mas que sem graça uma vida só de citações inteligentes e sentimentos complexos. Todos aqui somos pessoas bem comportadas, mas não precisam fazer esta cara de choque sempre que Jim Carrey tenta matar uma vaca - porque isto é realmente engraçado. Fiquem tranqüilos e riam. Se eu digo que é engraçado, é engraçado. Acreditem.


Eduardo Mineo
São Paulo, 20/8/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas de Cassionei Niches Petry
02. A situação atual da poesia e seu possível futuro de Luis Dolhnikoff
03. Filmes de guerra, de outro jeito de Ana Elisa Ribeiro
04. Ao pai do meu amigo de Julio Daio Borges
05. Domingão, domingueira de Ana Elisa Ribeiro


Mais Eduardo Mineo
Mais Acessadas de Eduardo Mineo em 2007
01. O físico que era médico - 23/4/2007
02. A comédia de um solteiro - 3/12/2007
03. A propósito de Chapolin e Chaves - 24/9/2007
04. Eduardo Mineo, muito prazer - 9/4/2007
05. Um plano - 2/7/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/8/2007
21h57min
Tem também Norbit e todos os filmes em que o Eddie Murphy faz uns três papéis.
[Leia outros Comentários de Gustavo]
20/8/2007
10h54min
Concordo com vc. Às vezes, a gente acha culturamente incorreto gostar dessas coisas bobas, mas a gente gosta. Vale lembrar Mel Brooks, "Apertem o cinto... o piloto sumiu", "Corra que a polícia vem aí, etc, etc." Bom o seu texto, nos relembra que podemos rir... sem nos preocupar com o conteúdo. Abraço. Adriana
[Leia outros Comentários de Adriana]
20/8/2007
13h59min
Gostei da sua ousadia, Mineo, por isso vou acreditar. Esqueça, na verdade já acreditava; posso assumir, sem pôr a culpa em você, que às vezes também gosto de bobagens, pra aliviar o peso da vida quando ela se torna muito dura, seca, vazia. Talvez o problema seja a pessoa ficar só no pastelão, não conhecer outras coisas, não ter referências diversas para comparar. Uma vida só de citações inteligentes e sentimentos complexos deve ser sem graça mesmo, assim como uma só de pastelão também deve ser, até porque as citações se tornam inteligentes e os sentimentos complexos porque existem outros tipos de citações e de sentimentos. Então, o bom é ser tolerante, aprender a ser conhecendo o que é diferente do que já sabemos que gostamos e reconhecendo que nem as pessoas mais inteligentes e complexas conseguem ser sempre assim. Só discordo de você numa coisa, pra mim o que torna o espírito mais leve também o engrandece, pois deixa-o mais agradável; um engrandecimento questionável? Não, pode crer!
[Leia outros Comentários de Cristina Sampaio]
20/8/2007
22h58min
Ei, pera lá - há ainda os que não cansaram do Gordo e o Magro, ô.
[Leia outros Comentários de mauro]
21/8/2007
20h19min
Edu, a sua afirmação sobre o potencial cômico da disenteria ficará para todo o sempre em minhas lembranças...Desde já, um marco. Parabéns pelo texto, as garras estão cada vez mais afiadas...
[Leia outros Comentários de Luciana Bernardo]
16/9/2007
10h20min
Por que será tão difícil assumirmos que gostamos de algo tão bobo? Todo mundo ri em comédias pastelão, até o cara que só gosta de filme francês ri em alguma cena. Óbvio que nem todas, mas ele já quis imitar aquela cena de "Apertem os cintos..." em que todo mundo dá um tapa na cara da mulher histérica ou aquela contagem do número de mortos em Top Gang. Um dos meus pastelões preferidos é a Família Buscapé, choro de rir com aquela vó que cozinha esquilos.
[Leia outros Comentários de Bia Cardoso]
17/9/2007
10h06min
O legal do humor, nos filmes, é que ele não tem que ser inteligente, nem grosseiro: tem que ser engraçado e é só. O que já é muito. Uma das melhores tomadas, segundo Kurt Vonnegut Jr., o escritor, é aquela em que uma mulher entra furiosa numa sala e diz umas "verdades" bem na cara de umas pessoas que estavam lá e, depois, faz uma saída triunfal pra dentro de um guarda roupa. Chega a fechar a porta atrás de si. Depois, é claro, tem que sair de lá, cheia de cabides pendurados nela. O tempo em que ela fica lá dentro, tomando coragem para sair, é toda a genialidade da cena. Impagável. Fico pensando se cenas como essa, afinal, não seriam a melhor coisa que o cinema pode oferecer. Os próprios franceses, cheios de caraminholas na cabeça, foram os primeiros a reconhecer Jerry Lewis como genial. Bergman me perdoe, mas eu vejo profundidade também em Beavis e Butt-Head. Eles são extremamente "reais". É só andar por aí. Ótimo texto.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Roland Barthes por Roland Barthes
Roland Barthes
estação liberdade
(2003)



Bumba-meu-boi
Fernando Vilela e Stela Barbieri
Wmf Martins Fontes
(2014)



Os Músicos de Bremen
Wilhelm Karl Grimm
Martins Fontes - Selo Martins
(2000)



A força da vida
James Van Praagh
sextante
(2001)



Em busca da Fraternidade
Mario leal Bacelar
Mandarino



Sucupira - Ame-a Ou Deixe-a
Dias Gomes
Civilização Brasileira
(1983)



A Linguagem Falada Culta na Cidade de São Paulo V. 1:elocuçoes Formais
Ataliba Teixeira de Castilho, Dino Preti-org
Taq
(1986)



Viagem Mística Como Alcançar a Elevação Espiritual
Sylvia Browne
prumo
(2009)



Triple - Pocketbook
Ken Follett
Signet Book
(1980)



Deus é justo
Grigore Valeriu
idéia e ação
(2009)





busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês