Pastelão | Eduardo Mineo | Digestivo Cultural

busca | avançada
44941 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 20/8/2007
Pastelão
Eduardo Mineo

+ de 5100 Acessos
+ 7 Comentário(s)

Acho que nunca recriminei o futebol dizendo se tratar de vinte e dois (vinte e dois, né?) homens correndo atrás de uma bola porque gosto de assistir coisas bem mais tontas que isto. Não é tão constrangedor quanto parece porque sei que gente mais culta que eu também se diverte assistindo Os irmãos Id e Ota ao ponto de um ataque de riso subjugá-lo no chão por causa de uma cena ridícula de gases. Gosto de Hitchcock e de ouvir Beethoven, mas existe algo que me fascina vergonhosamente quando Leslie Nielsen estoura o champanhe e mata um papagaio que cai numa sopa e espirra em alguém de smoking. Não tenho nem explicação para isto; é simplesmente mais forte do que eu.

O que me constrange de verdade é que este tipo de comédia só foi possível por causa da mesma tolerância que permitiu o surgimento das colunas da Folha e do programa da Cicarelli. Sendo eu uma fonte inesgotável de bons costumes, me dói fazer a concessão absurda de que gosto de algo cuja existência esteja ligada ao aparecimento de revistas sobre como melhorar sua vida sexual. O que me conforta, entretanto, é que por mais apelativa que uma comédia pastelão seja, por mais gente pelada que nela apareça, tudo é tratado através do ridículo e do humor, o que pelo menos suaviza a coisa toda. A pior cena de Porky's é menos indecente do que um jornalista tentando nos convencer de que a parada gay é algo respeitável.

Por exemplo, não seria possível um filme como Loucademia de polícia na época de W.C.Fields e dos irmãos Marx. Eles fizeram comédias fantásticas - O diabo a quatro dos irmãos Marx é coisa de gênio -, mas ainda assim a época exigia abordagens mais delicadas e estou falando de algo tipo Apertem os cintos que o piloto sumiu, um troço agressivo pra burro. Já pensou? O mundo ainda não estava preparado para ver Lloyd Bridges deixar cair sua dentadura numa taça de vinho.

Em princípio, o formato, digamos, circense d'O gordo e o magro, d'Os três patetas e até dos irmãos Marx enjoou porque cambalhotas são chatíssimas perto do potencial cômico de uma disenteria. Nas décadas de trinta e quarenta, os filmes já tinham um senso de humor mais forte, como nas comédias de Cary Grant e Katherine Hepburn. Não que houvesse disenteria nos filmes de Cary Grant e Katherine Hepburn, eu estava só brincando, droga, esqueça.

Mas até os filmes cômicos de John Wayne e suas brigas de bar na modalidade todo mundo contra todo mundo valem para ilustrar as mudanças no cinema de comédia para o início do pastelão. Provavelmente, o último passo foi Monty Phyton. Desafio qualquer ser humano, qualquer pessoa com um mínimo de vida, a manter a sua integridade solene de oficial de cartório assistindo um filme da turma do Monty Phyton. Impossível.

Férias frustradas, com Chevy Chase - ave, Chevy Chase! - talvez tenha definido o formato pastelão. E é um filme que faz parte da vida de pelo menos duas gerações. O absurdo e o ridículo tornam esta comédia maravilhosa porque tudo é muito engraçado e não porque, ó, vejam como estão satirizando o idiota-médio-americano. Ninguém é mais idiota do que um idiota dizendo idiota-médio-americano. Tendo as melhores piadas do mundo pra rir, o cara resolve fazer uma maldita análise sociológica. Acontece o mesmo com The Simpsons. Toda vez que alguém fala que o Homer é uma sátira ao idiota-médio-americano, uma fada morre em algum lugar, de tanta amargura que sai da cabeça desse sujeito.

Geralmente são fãs de cinema francês também. Às vezes, vejo fãs de cinema francês, gente muito intelectual, muito sabida, torcendo seus bigodes fininhos imaginários para filmes de comédia pastelão e minha indignação é tanta que, se eu estivesse num filme do Godard, ficaria pelado e sairia matando gente e roubando, mas como sou molto gentile - e tímido, é verdade -, prefiro me manter vestido e assistir O Balconista que, pelo menos, me deixa feliz.

Tudo bem, Jean-Marie Poiré também me deixou feliz com seus dois Les visiteurs e por isto seria uma injustiça falar assim do cinema da França. Teve uma adaptação para o cinema norte-americano, Just Visiting, que é mais, hum, suave e mais bonito - só a beleza da Christina Applegate já confere ao filme mais autoridade que toda a obra de Ingmar Bergman junta. Mas a versão francesa é melhor, certamente. E Ingmar Bergman também, claro, eu estava brincando de novo, não liguem.

Mas comédia pastelão é necessária, poxa vida. Não é algo que exatamente engrandece o espírito, porém o deixa mais leve, acho. Tudo me parece mais suave depois de um filme com Charlie Sheen imitando o Rambo, etc. Ou, pelo menos, mais divertido. Sei o valor que os dramas têm, que os filmes intelectuais têm e tudo; mas que sem graça uma vida só de citações inteligentes e sentimentos complexos. Todos aqui somos pessoas bem comportadas, mas não precisam fazer esta cara de choque sempre que Jim Carrey tenta matar uma vaca - porque isto é realmente engraçado. Fiquem tranqüilos e riam. Se eu digo que é engraçado, é engraçado. Acreditem.


Eduardo Mineo
São Paulo, 20/8/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin de Jardel Dias Cavalcanti
02. Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba de Renato Alessandro dos Santos
03. O massacre da primavera de Renato Alessandro dos Santos
04. A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros de Elisa Andrade Buzzo
05. Raio-X do imperialismo de Celso A. Uequed Pitol


Mais Eduardo Mineo
Mais Acessadas de Eduardo Mineo em 2007
01. O físico que era médico - 23/4/2007
02. A comédia de um solteiro - 3/12/2007
03. A propósito de Chapolin e Chaves - 24/9/2007
04. Eduardo Mineo, muito prazer - 9/4/2007
05. My fair opinion - 30/4/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/8/2007
21h57min
Tem também Norbit e todos os filmes em que o Eddie Murphy faz uns três papéis.
[Leia outros Comentários de Gustavo]
20/8/2007
10h54min
Concordo com vc. Às vezes, a gente acha culturamente incorreto gostar dessas coisas bobas, mas a gente gosta. Vale lembrar Mel Brooks, "Apertem o cinto... o piloto sumiu", "Corra que a polícia vem aí, etc, etc." Bom o seu texto, nos relembra que podemos rir... sem nos preocupar com o conteúdo. Abraço. Adriana
[Leia outros Comentários de Adriana]
20/8/2007
13h59min
Gostei da sua ousadia, Mineo, por isso vou acreditar. Esqueça, na verdade já acreditava; posso assumir, sem pôr a culpa em você, que às vezes também gosto de bobagens, pra aliviar o peso da vida quando ela se torna muito dura, seca, vazia. Talvez o problema seja a pessoa ficar só no pastelão, não conhecer outras coisas, não ter referências diversas para comparar. Uma vida só de citações inteligentes e sentimentos complexos deve ser sem graça mesmo, assim como uma só de pastelão também deve ser, até porque as citações se tornam inteligentes e os sentimentos complexos porque existem outros tipos de citações e de sentimentos. Então, o bom é ser tolerante, aprender a ser conhecendo o que é diferente do que já sabemos que gostamos e reconhecendo que nem as pessoas mais inteligentes e complexas conseguem ser sempre assim. Só discordo de você numa coisa, pra mim o que torna o espírito mais leve também o engrandece, pois deixa-o mais agradável; um engrandecimento questionável? Não, pode crer!
[Leia outros Comentários de Cristina Sampaio]
20/8/2007
22h58min
Ei, pera lá - há ainda os que não cansaram do Gordo e o Magro, ô.
[Leia outros Comentários de mauro]
21/8/2007
20h19min
Edu, a sua afirmação sobre o potencial cômico da disenteria ficará para todo o sempre em minhas lembranças...Desde já, um marco. Parabéns pelo texto, as garras estão cada vez mais afiadas...
[Leia outros Comentários de Luciana Bernardo]
16/9/2007
10h20min
Por que será tão difícil assumirmos que gostamos de algo tão bobo? Todo mundo ri em comédias pastelão, até o cara que só gosta de filme francês ri em alguma cena. Óbvio que nem todas, mas ele já quis imitar aquela cena de "Apertem os cintos..." em que todo mundo dá um tapa na cara da mulher histérica ou aquela contagem do número de mortos em Top Gang. Um dos meus pastelões preferidos é a Família Buscapé, choro de rir com aquela vó que cozinha esquilos.
[Leia outros Comentários de Bia Cardoso]
17/9/2007
10h06min
O legal do humor, nos filmes, é que ele não tem que ser inteligente, nem grosseiro: tem que ser engraçado e é só. O que já é muito. Uma das melhores tomadas, segundo Kurt Vonnegut Jr., o escritor, é aquela em que uma mulher entra furiosa numa sala e diz umas "verdades" bem na cara de umas pessoas que estavam lá e, depois, faz uma saída triunfal pra dentro de um guarda roupa. Chega a fechar a porta atrás de si. Depois, é claro, tem que sair de lá, cheia de cabides pendurados nela. O tempo em que ela fica lá dentro, tomando coragem para sair, é toda a genialidade da cena. Impagável. Fico pensando se cenas como essa, afinal, não seriam a melhor coisa que o cinema pode oferecer. Os próprios franceses, cheios de caraminholas na cabeça, foram os primeiros a reconhecer Jerry Lewis como genial. Bergman me perdoe, mas eu vejo profundidade também em Beavis e Butt-Head. Eles são extremamente "reais". É só andar por aí. Ótimo texto.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O PROFISSIONAUTA
SIMON FRANCO
FUTURA
(2001)
R$ 10,00



TARSILA DO AMARAL - COLEÇÃO FOLHA GRANDES PINTORES BRASILEIROS VOL. 3
FOLHA DE S. PAULO
FOLHA DE S.PAULO
(2013)
R$ 35,00



NOVO MANUAL NOVA CULTURAL - BIOLOGIA
HÉLVIO N. MOISÉS E THAIS H. F. SANTOS
NOVA CULTURA
(1993)
R$ 10,00



HOMEM - ARANHA Nº 17
ROBERT CIVITA
ABRIL
(2001)
R$ 30,00



DEFESA DO CONSUMIDOR
IRACEMA A. VALVERDE, CARLOS SAMPAIO, CLAUDIO
ADCOAS; ESPLANADA
(2001)
R$ 41,28



PSICOLOGIA DA GRAVIDEZ: PARTO E PUERPÉRIO 17ª ED
MARIA TEREZA MALDONADO
SARAIVA
(2005)
R$ 29,00



INFÂNCIA E CULTURA DIGITAL - DIÁLOGO COM GERAÇÕES
JACKSON BENTES
APPRIS
(2016)
R$ 27,00



O DIÁRIO DE ANNE FRANK - 75ª EDIÇÃO ( EDIÇÃO DEFINITIVA / EDIÇÃO INTEGRAL)
OTTO H. FRANK & MIRJAM PRESSLER
RECORD
(2015)
R$ 44,95



AI, QUE ABSURDO!
NARCIZA TAMBORINDEGUY
MATRIX
(2010)
R$ 34,00



DESIGN FOR SAFETY
DAVID B. THURSTON
MCGRAW-HILL
(1980)
R$ 30,00





busca | avançada
44941 visitas/dia
1,3 milhão/mês