Pastelão | Eduardo Mineo | Digestivo Cultural

busca | avançada
41334 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A mulher madura
>>> Regras da Morte
>>> Simone de Beauvoir: da velhice e da morte
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> El sueño de la razón
>>> Machado de Assis dos folhetins ao Orkut
>>> Super Campeões, trocas culturais de Brasil e Japão
>>> Daumier, um caricaturista contra o poder
>>> Daumier, um caricaturista contra o poder
>>> Curtas e Grossas
Mais Recentes
>>> Fale-me de amor de Michel Quoist pela Paulus (1988)
>>> Maravilhas do Mundo de Elvira de Oliveira pela Klick (2001)
>>> A História Crítica da Nação Brasileira de Renato Mocellin pela Do Brasil (1987)
>>> Direito Municipal na Constituição de Petrônio Braz pela Led (2001)
>>> Direitos Reais de Cristiano Chaves de Farias e Nelson Rosenvald pela Lumen Juris (2006)
>>> Linguagem de Sinais de Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados pela Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados (1992)
>>> Curva de rio de Juarez de Oliveira pela Caminhos da Literatura (1987)
>>> O Anjo da Morte de Ricardo Reis de Jose Sarmago pela Caminho (1984)
>>> O livro da música de Keith Spence pela Zahar (1981)
>>> Os Abutres de Taylor Caldwell pela Record
>>> Água Viva: Uma Gênese do Desenvolvimento de Eloi Fernández y Fernández pela Nova Fronteira/ RJ. (2003)
>>> A Casa Grande de Taylos Caldwell pela Record
>>> Legislação ambiental de José Geraldo Brito Filomeno. Organização pela Imprensa Oficial do Estado SP (2000)
>>> A Mulher Secreta de Victoria Holt pela Círculo do Livro
>>> Execução civil e cumprimento de sentença. Vol. 3 de Sérgio Shimura & Gilberto Gomes Bruschi pela Método (2009)
>>> Direito Processual do Trabalho de Wagner D. Giglio pela Saraiva (2005)
>>> Comentários à Constituição Brasileira de 1988. Vol. 1. Arts. 1 ao 43 de Manoel Gonçalves Ferreira Filho pela Saraiva (1990)
>>> Resumo de Direito Penal (Parte Geral) C oleção Resumos 5 de Maximilianus Cláudio Américo Fuhrer et alii pela Malheiros (2004)
>>> À Margem da lagoa Prateada 5 de Laura Ingalls Wilder pela Record (1967)
>>> Resumo de Direito Comercial (Empresarial) Coleção Resumos 1 de Maximilianus Cláudio Américo Fuhrer pela Malheiros (2005)
>>> Blue Bloods - Vampiros em Manhattan de Melissa De La Cruz pela Moderna (2010)
>>> Responsabilidade civil e sua interpretação jurisprudencial de Rui Stoco pela Revista dos Tribunais (1994)
>>> A Menina que Roubava Livros de Markus Zusak pela Íntriseca (2013)
>>> O anjo do Adeus de Ignacio de Loyola Brandão pela Global (1995)
>>> Iniciação ao Direito do Trabalho de Amauri Mascaro Nascimento pela LTr (2005)
>>> O verde Violentou o Muro de Ignacio de Loyola Brandão pela Global (1984)
>>> o Dia em Que Comeram o Ministro de Fausto Wolff pela Codecri/ RJ. (1982)
>>> o Dia em Que Comeram o Ministro de Fausto Wolff pela Codecri/ RJ. (1984)
>>> Nancy Maria Mendes de Apesar do Tempo... pela Scriptum/ Belo Horiznte
>>> Recados da Lua - Amor e Romantismo de Helena Jobim pela Record/ RJ. (2001)
>>> Inovação -A Arte de Steve Jobs de Carmine Gallo pela Lua de Papel (2010)
>>> Machado de Assis de Augusto Meyer pela Globo/ Porto Alegre (1935)
>>> Os Putos de Altino Total pela Livr. Sá daCosta/ Lisboa (1980)
>>> Vinte E Quatro Horas na Vida de uma Mulher e outras Novelas de Stefan Zweig pela Record/ RJ. (1999)
>>> Empresas de ComércioInternacional: Organização e Operacionalidade de Dalton Daemon pela Edit. da FURBE (1993)
>>> Princípios e procedimentos notariais de Odelmir Bilhalva Teixeira pela Russell (2009)
>>> Elogio da Loucura de Erasmo de Roterdam pela Ediouro/ RJ.
>>> Os Possessos 2 Volumes de Dostoiewsky pela Livraria Progredior Porto
>>> Em Busca da Arca de Noé de Dave Balsiger Charles E. Sellier Jr pela Record (1976)
>>> Noite de Erico Verissimo pela Globo (1954)
>>> O Discípulo de Paulo Bourget pela Irmãos Pongetti (1944)
>>> O mito da neutralidade científica de Hilton japiassu pela Imago (1975)
>>> Curso de direito civil brasileiro 7 volume responsabilidade civil de Maria helena diniz pela Saraiva (2001)
>>> Patrícia Bins de Janela do Sonho pela Nova Fronteira/ RJ. (1986)
>>> Introdução ao estudo do direito de Tercio sampaio ferraz jr pela Atlas (1994)
>>> Themen 2- Lehrwerk Für Deustsch als Fremdsprache - Kursbuch de Hartmut Auderstrabe/ Heikop Bock/ Helmut Müller pela Max Huber/ EPU (1993)
>>> Organon da arte de curar de Samuel hahnemann pela Ihfl (1995)
>>> Noite na taverna de Alvares de azevedo pela Klick
>>> Mini) Reforma Tributária: Reflexões Sobre a Lei N. 10. 637/2002 (... de Fábio Junqueira de Carvalho (...) Coord. pela Mandamentos (2003)
>>> Vademecum do direito de família e sucessões de Márcia Cristina Ananias Neves pela Jurídica brasileira (2006)
COLUNAS

Segunda-feira, 20/8/2007
Pastelão
Eduardo Mineo

+ de 4900 Acessos
+ 7 Comentário(s)

Acho que nunca recriminei o futebol dizendo se tratar de vinte e dois (vinte e dois, né?) homens correndo atrás de uma bola porque gosto de assistir coisas bem mais tontas que isto. Não é tão constrangedor quanto parece porque sei que gente mais culta que eu também se diverte assistindo Os irmãos Id e Ota ao ponto de um ataque de riso subjugá-lo no chão por causa de uma cena ridícula de gases. Gosto de Hitchcock e de ouvir Beethoven, mas existe algo que me fascina vergonhosamente quando Leslie Nielsen estoura o champanhe e mata um papagaio que cai numa sopa e espirra em alguém de smoking. Não tenho nem explicação para isto; é simplesmente mais forte do que eu.

O que me constrange de verdade é que este tipo de comédia só foi possível por causa da mesma tolerância que permitiu o surgimento das colunas da Folha e do programa da Cicarelli. Sendo eu uma fonte inesgotável de bons costumes, me dói fazer a concessão absurda de que gosto de algo cuja existência esteja ligada ao aparecimento de revistas sobre como melhorar sua vida sexual. O que me conforta, entretanto, é que por mais apelativa que uma comédia pastelão seja, por mais gente pelada que nela apareça, tudo é tratado através do ridículo e do humor, o que pelo menos suaviza a coisa toda. A pior cena de Porky's é menos indecente do que um jornalista tentando nos convencer de que a parada gay é algo respeitável.

Por exemplo, não seria possível um filme como Loucademia de polícia na época de W.C.Fields e dos irmãos Marx. Eles fizeram comédias fantásticas - O diabo a quatro dos irmãos Marx é coisa de gênio -, mas ainda assim a época exigia abordagens mais delicadas e estou falando de algo tipo Apertem os cintos que o piloto sumiu, um troço agressivo pra burro. Já pensou? O mundo ainda não estava preparado para ver Lloyd Bridges deixar cair sua dentadura numa taça de vinho.

Em princípio, o formato, digamos, circense d'O gordo e o magro, d'Os três patetas e até dos irmãos Marx enjoou porque cambalhotas são chatíssimas perto do potencial cômico de uma disenteria. Nas décadas de trinta e quarenta, os filmes já tinham um senso de humor mais forte, como nas comédias de Cary Grant e Katherine Hepburn. Não que houvesse disenteria nos filmes de Cary Grant e Katherine Hepburn, eu estava só brincando, droga, esqueça.

Mas até os filmes cômicos de John Wayne e suas brigas de bar na modalidade todo mundo contra todo mundo valem para ilustrar as mudanças no cinema de comédia para o início do pastelão. Provavelmente, o último passo foi Monty Phyton. Desafio qualquer ser humano, qualquer pessoa com um mínimo de vida, a manter a sua integridade solene de oficial de cartório assistindo um filme da turma do Monty Phyton. Impossível.

Férias frustradas, com Chevy Chase - ave, Chevy Chase! - talvez tenha definido o formato pastelão. E é um filme que faz parte da vida de pelo menos duas gerações. O absurdo e o ridículo tornam esta comédia maravilhosa porque tudo é muito engraçado e não porque, ó, vejam como estão satirizando o idiota-médio-americano. Ninguém é mais idiota do que um idiota dizendo idiota-médio-americano. Tendo as melhores piadas do mundo pra rir, o cara resolve fazer uma maldita análise sociológica. Acontece o mesmo com The Simpsons. Toda vez que alguém fala que o Homer é uma sátira ao idiota-médio-americano, uma fada morre em algum lugar, de tanta amargura que sai da cabeça desse sujeito.

Geralmente são fãs de cinema francês também. Às vezes, vejo fãs de cinema francês, gente muito intelectual, muito sabida, torcendo seus bigodes fininhos imaginários para filmes de comédia pastelão e minha indignação é tanta que, se eu estivesse num filme do Godard, ficaria pelado e sairia matando gente e roubando, mas como sou molto gentile - e tímido, é verdade -, prefiro me manter vestido e assistir O Balconista que, pelo menos, me deixa feliz.

Tudo bem, Jean-Marie Poiré também me deixou feliz com seus dois Les visiteurs e por isto seria uma injustiça falar assim do cinema da França. Teve uma adaptação para o cinema norte-americano, Just Visiting, que é mais, hum, suave e mais bonito - só a beleza da Christina Applegate já confere ao filme mais autoridade que toda a obra de Ingmar Bergman junta. Mas a versão francesa é melhor, certamente. E Ingmar Bergman também, claro, eu estava brincando de novo, não liguem.

Mas comédia pastelão é necessária, poxa vida. Não é algo que exatamente engrandece o espírito, porém o deixa mais leve, acho. Tudo me parece mais suave depois de um filme com Charlie Sheen imitando o Rambo, etc. Ou, pelo menos, mais divertido. Sei o valor que os dramas têm, que os filmes intelectuais têm e tudo; mas que sem graça uma vida só de citações inteligentes e sentimentos complexos. Todos aqui somos pessoas bem comportadas, mas não precisam fazer esta cara de choque sempre que Jim Carrey tenta matar uma vaca - porque isto é realmente engraçado. Fiquem tranqüilos e riam. Se eu digo que é engraçado, é engraçado. Acreditem.


Eduardo Mineo
São Paulo, 20/8/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Viagem a 1968: Tropeços e Desventuras (3) de Marilia Mota Silva
02. Um mês depois de Julio Daio Borges
03. Em Tempos de Eleição de Marilia Mota Silva
04. 150 anos de Miguel de Unamuno de Celso A. Uequed Pitol
05. Esse Caro Objeto do Desejo de Adriane Pasa


Mais Eduardo Mineo
Mais Acessadas de Eduardo Mineo em 2007
01. O físico que era médico - 23/4/2007
02. A comédia de um solteiro - 3/12/2007
03. A propósito de Chapolin e Chaves - 24/9/2007
04. Eduardo Mineo, muito prazer - 9/4/2007
05. My fair opinion - 30/4/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/8/2007
21h57min
Tem também Norbit e todos os filmes em que o Eddie Murphy faz uns três papéis.
[Leia outros Comentários de Gustavo]
20/8/2007
10h54min
Concordo com vc. Às vezes, a gente acha culturamente incorreto gostar dessas coisas bobas, mas a gente gosta. Vale lembrar Mel Brooks, "Apertem o cinto... o piloto sumiu", "Corra que a polícia vem aí, etc, etc." Bom o seu texto, nos relembra que podemos rir... sem nos preocupar com o conteúdo. Abraço. Adriana
[Leia outros Comentários de Adriana]
20/8/2007
13h59min
Gostei da sua ousadia, Mineo, por isso vou acreditar. Esqueça, na verdade já acreditava; posso assumir, sem pôr a culpa em você, que às vezes também gosto de bobagens, pra aliviar o peso da vida quando ela se torna muito dura, seca, vazia. Talvez o problema seja a pessoa ficar só no pastelão, não conhecer outras coisas, não ter referências diversas para comparar. Uma vida só de citações inteligentes e sentimentos complexos deve ser sem graça mesmo, assim como uma só de pastelão também deve ser, até porque as citações se tornam inteligentes e os sentimentos complexos porque existem outros tipos de citações e de sentimentos. Então, o bom é ser tolerante, aprender a ser conhecendo o que é diferente do que já sabemos que gostamos e reconhecendo que nem as pessoas mais inteligentes e complexas conseguem ser sempre assim. Só discordo de você numa coisa, pra mim o que torna o espírito mais leve também o engrandece, pois deixa-o mais agradável; um engrandecimento questionável? Não, pode crer!
[Leia outros Comentários de Cristina Sampaio]
20/8/2007
22h58min
Ei, pera lá - há ainda os que não cansaram do Gordo e o Magro, ô.
[Leia outros Comentários de mauro]
21/8/2007
20h19min
Edu, a sua afirmação sobre o potencial cômico da disenteria ficará para todo o sempre em minhas lembranças...Desde já, um marco. Parabéns pelo texto, as garras estão cada vez mais afiadas...
[Leia outros Comentários de Luciana Bernardo]
16/9/2007
10h20min
Por que será tão difícil assumirmos que gostamos de algo tão bobo? Todo mundo ri em comédias pastelão, até o cara que só gosta de filme francês ri em alguma cena. Óbvio que nem todas, mas ele já quis imitar aquela cena de "Apertem os cintos..." em que todo mundo dá um tapa na cara da mulher histérica ou aquela contagem do número de mortos em Top Gang. Um dos meus pastelões preferidos é a Família Buscapé, choro de rir com aquela vó que cozinha esquilos.
[Leia outros Comentários de Bia Cardoso]
17/9/2007
10h06min
O legal do humor, nos filmes, é que ele não tem que ser inteligente, nem grosseiro: tem que ser engraçado e é só. O que já é muito. Uma das melhores tomadas, segundo Kurt Vonnegut Jr., o escritor, é aquela em que uma mulher entra furiosa numa sala e diz umas "verdades" bem na cara de umas pessoas que estavam lá e, depois, faz uma saída triunfal pra dentro de um guarda roupa. Chega a fechar a porta atrás de si. Depois, é claro, tem que sair de lá, cheia de cabides pendurados nela. O tempo em que ela fica lá dentro, tomando coragem para sair, é toda a genialidade da cena. Impagável. Fico pensando se cenas como essa, afinal, não seriam a melhor coisa que o cinema pode oferecer. Os próprios franceses, cheios de caraminholas na cabeça, foram os primeiros a reconhecer Jerry Lewis como genial. Bergman me perdoe, mas eu vejo profundidade também em Beavis e Butt-Head. Eles são extremamente "reais". É só andar por aí. Ótimo texto.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A ACEITAÇÃO IRÔNICA DO SAGRADO
MARCOS PAULO NOGUEIRA DA SILVA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



CARTAS PERSAS
MONTESQUIEU
WMF MARTINS FONTES
(2009)
R$ 35,00



HISTÓRIAS E FRASES DE EFEITO (PARA APRESENTAÇÃO EM PÚBLICO) - 9660
ACÁCIO MORAES GARCIA (AUTOGRAFADO)
DO AUTOR
(2010)
R$ 10,00



PEQUENOS CONTOS DE ENREDO INDETERMINADO
ALBERTO MOGHARABI
SEFER
(2001)
R$ 5,00



SOB AS SOMBRAS DAS PALMEIRAS IMPERIAIS
JOSÉ MORAES DOS SANTOS NETO
PONTES
(2008)
R$ 46,00



THE STORY OF JUDAISM
BERNARD J. BAMBERGER
SCHOCKEN
(1967)
R$ 75,00
+ frete grátis



LINGUAGEM, INCLUSÃO E DIVERSIDADE
JUNOT CORNELIO MATOS, LUIZ C SOUZA E OUTROS
CALIBAN
(2009)
R$ 13,82



CHE UMA BIOGRAFIA
KIM YONG HWE
CONRAD
(2006)
R$ 25,00
+ frete grátis



O ALQUIMISTA
PAULO COELHO
ROCCO
(1990)
R$ 39,90
+ frete grátis



DIÁRIO DE UM ZUMBI DO MINECRAFT PARCEIROS E RIVAIS
HEROBRINE BOOKS
SEXTANTE
(2016)
R$ 12,00





busca | avançada
41334 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Cannot connect to POP3 server