1998 ― 2008: Dez anos de charges | Diogo Salles | Digestivo Cultural

busca | avançada
70300 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Samir Yazbek e Marici Salomão estão à frente do ciclo on-line “Pensando a dramaturgia hoje”
>>> Chá das Cinco com Literatura recebe Luís Fernando Amâncio
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> La Guerra del Fin del Mundo
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Alfredo Bosi e a dignidade da crítica
>>> Pi, o [fi]lme, e o infinito no alfa
>>> Sábia, rubra, gorda (e gentil)
>>> Sol sem luz
>>> Letícia Sabatella #EuMaior
>>> Réquiem reloaded
Mais Recentes
>>> Quase Tudo Em Cinco Envelopes de Lucio Pessoa pela Giostri (2016)
>>> O Romance da Besta Fubana de Luiz Berto pela Bagaço (1995)
>>> Odisséia- Adap. Roberto Lacerda de Homero pela Scipione (1997)
>>> Perdidos na Lua de André Laurie pela Nacional (1984)
>>> Onde Fica o Ateneu? - Com Suplemento de Luiz Gê; Ivan Jaf pela Atica (2008)
>>> Faz de Conta de Mirna Pinsky pela Moderna (1984)
>>> Ioga e Meditação de Swami Tilak pela Didatica e Cientifica Ltda (1991)
>>> Madman Vol. 1 de Mike Allred pela Dark Horse Comics (2006)
>>> O Estudante de Adelaide Carraro pela Global (1987)
>>> Seleções Março de 1975 de Vários pela Readers Digest (1975)
>>> Gotham City Contra o Crime - Vol. II de Greg Rucka pela Panini (2005)
>>> Shocking Pink de Erica Spindler pela Mira Books (1998)
>>> Seleções -março de 1973 de Varios pela Readers Digest (1973)
>>> E Agora? de Odettte de Barros Mott pela Brasiliense (1978)
>>> Texhistórica Nº41 de Da Editora pela Globo (2000)
>>> Todas as Coisas sem Nome de Walther Moreira Santos pela Cepe (2017)
>>> A Dama das Camélias de Alexandre Dumas pela America do Sul (1988)
>>> A Testemunha Ocular do Crime de Agatha Christie pela Circulo do Livro
>>> Um Passe de Magica de Agatha Christie pela Record
>>> Assassinato no Campo de Golfe de Agatha Christie pela Adameri (1974)
>>> O Caso dos Dez Negrinhos de Agatha Christie pela Abril Cultural (1981)
>>> Por Que Ele Não Ligou? de Matt Titus - Tamsen Fadal pela Sem Fronteiras (2021)
>>> Granite man de Elizabeth Lowell pela Mira Books (1991)
>>> Cipreste Triste de Agatha Christie pela Nova Fronteira (1975)
>>> Mistério no Caribe de Agatha Christie pela Nova Cultural (1987)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2008

Terça-feira, 23/12/2008
1998 ― 2008: Dez anos de charges
Diogo Salles

+ de 10100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

A charge acima foi feita há dez anos, mas, nos dias de hoje, voltou a ficar atualíssima. Mesmo que o Digestivo não fale de futebol, esse foi o meu gancho para entrar nesse Especial Melhores de 2008. Quando foi anunciado, fiquei pensando sobre quais leituras, filmes ou discos eu poderia escrever. Certamente seriam muitos, mas lembrei-me de uma coisa que foi mais especial para mim: Dois mil e oito. Ao fazer o tradicional balanço anual, percebi que foi um ano fantástico. A exemplo do Julio, também fiz dez anos como profissional este ano. Porém, meu universo é outro. Sou cartunista e, como tal, gosto de tudo relacionado a desenho. Cartum, caricatura, ilustração, quadrinhos... Mas a minha paixão sempre foi a charge. E só agora consegui me estabelecer como um profissional que se sustenta essencialmente dela. Gosto de estar em contato diário com a notícia e com a sátira política.

Foi lá, no longínquo e lúgubre 1998, que eu tomei a decisão que mudaria a minha vida (e não importava o que eu teria de enfrentar para conseguir): queria ser chargista e trabalhar em jornal. Foi um ano crucial e, ao mesmo tempo, um ano de trevas ― um dos piores de que consigo me recordar. Eu sabia que o caminho era longo e cheguei a pensar que não conseguiria. Até agosto de 2007, eu fazia charges apenas quando encontrava tempo, entre um trabalho e outro. Procurava fazer pelo menos uma por semana, para não perder o ritmo. Às vezes eu ficava meses sem fazer charges, seja por necessidade ou por mera desilusão. Mas de um jeito ou de outro, eu sempre voltava a fazê-las. E fazia por gosto, por paixão (por dinheiro é que não era). Hoje faço, no mínimo, uma charge por dia. Muitas vezes faço duas; de vez em quando, três (teve um dia que cheguei a fazer cinco). Finalmente posso respirar charge todos os dias. É a minha prioridade. Os outros "frilas" podem esperar.

Há dez anos, naquele longo e tenebroso inverno que se anunciava, além do desenho, encontrei abrigo primeiro na leitura, mais tarde no humor e, finalmente, na escrita. As coisas foram se somando até que resultassem nesse subproduto que você vê (e lê) agora. Um Frankenstein desses remendos de vida, moldado em ceticismo, talhado em cinismo. O completo vazio do "ensino superior" foi o estopim de tudo. A falta de direção na vida piorou ainda mais as coisas. Os primeiros efeitos colaterais começavam a se manifestar. Mas foi o desemprego que deixou sua marca em mim, com ferro em brasa. E logo se tornaria no meu calcanhar de Aquiles. O DESEMPREGO. Doíam-me os meus tímpanos só de ouvir essa palavra. Ter um emprego era como ultrapassar uma linha divisória, que eu via sempre muito distante de mim. Sem emprego, sem estágio, sem oportunidade... Devia ter algo de errado comigo, meu "deus" (aliás, deve ter sido aí que deixei de acreditar nele também). A solução era o mercado informal. Por anos, fiz parte desse gado que sempre povoou as estatísticas de desemprego do tal do IBGE (Instituto Bajulador de Governos Exploradores). E não me iludo. A qualquer momento posso voltar ao pasto e fazer parte do gado novamente. Só espero que demore um pouco mais.

Minha trajetória rumo ao anonimato foi bastante tortuosa. Não foi uma escada corporativa, onde se sobem os degraus (cargos) até chegar aos andares mais altos da escala hierárquica. Meu caminho foi errático, elíptico, acidentado, não seguiu um padrão nem roteiro definido. Além de buscar seu próprio traço e linguagem, o chargista precisa encontrar sua própria forma de fazer humor. Para isso, ele precisa mergulhar dentro de si e encontrar seu lado mais sádico, cruel e mordaz. Certamente essas características são das mais deletérias para qualquer profissional em qualquer área (para os politicamente corretos, então, é o apocalipse). Para um chargista, porém, tornam-se qualidades, se ele souber usar essas características a seu favor, ou seja, desde que ele não as deixe ir além dos limites do papel onde ele desenha. O primeiro passo (o desemprego) já tinha sido dado, mas aonde mais eu poderia ir para encarar de frente o meu lado mais sombrio? Sim, o caminho estava na política...

Não, não me candidatei a deputado, nem vereador, nada disso. Embora a idéia de receber salário, empregar parentes e ainda não trabalhar parecesse tentadora, preferi não buscar essa vida. A política me salvou de outra forma. Foi através dela que entendi a minha existência no mundo, que entrei em contato com o lado mais vil do ser humano. Os políticos são o reflexo da sociedade ― e vice-versa, já que nós os escolhemos para nos governar. E foi ela, a política, que me fez olhar no espelho e me odiar, ter vergonha, ter raiva de mim mesmo.

Meu irmão mais novo vivia dizendo que a única coisa que eu sabia fazer direito era provocar as pessoas (ele, leia-se). Podia até ser mania de perseguição dele ― e era (irmãos mais novos são sempre "vítimas"). Mas numa coisa ele tinha razão: sou um provocador. Eu só não sabia escolher meus alvos direito. Levou algum tempo, mas consegui. Depois que comecei a votar, a ler e conhecer mais sobre política, tudo se resolveu. Ele nunca mais reclamou de mim...

Nada nesse mundo desperta tanto meus desejos cartunísticos quanto as ideologias. Sempre olhei de longe e vi muita hipocrisia e mentira em todos aqueles olhos esbugalhados e dedos em riste. Toda vez que vejo um "reaça" ou um "comuna" distribuindo panfletos, o sarcasmo começa a me latejar por todo o corpo. Sinto um desejo incontrolável de caricaturar ambos: ideologia e ideólogo (não necessariamente nessa ordem). Rasgar as cartilhas e desmantelar as unanimidades burras vendidas a granel nas quitandas ideológicas é quase uma obsessão para mim. Ah, tem também as ditaduras, que me dão asco. Sou tão contra as ditaduras que, mesmo se fosse eu o ditador, eu não me apoiaria. Credo. Só de me imaginar usando esses uniformes militares ridículos e baixando um AI-5 já dá vontade de fazer uma charge (daquelas, bem agressivas) sobre isso...

É verdade que o trabalho de um chargista iniciante é sempre mais virulento do que o normal. É incontrolável. Fúria e paixão estão ali, em traços raivosos e mensagens cortantes, sem meios-tons. Vê-se a evolução de um chargista quando ele consegue transformar toda essa agressividade em ironia. Com o tempo, a raiva se desfaz em desprezo. É inerente ao jovem artista querer mostrar todas as suas armas de destruição em massa de uma só vez. Comigo também foi assim ― ainda está sendo, pois é um processo longo. Como já são dez anos, acredito que a parte mais furiosa da força já tenha passado... Ou não. Cabe a você julgar.

Porém, como um escriba ainda incipiente, percebo que meus textos sobre política ainda causam repugnância em muita gente. É compreensível. Em ano de eleições isso fica latente, pois as crenças políticas ficam mais escancaradas nas pessoas (não incluo aqui os ideólogos ― esses precisam aumentar a dosagem de seus remedinhos). Em época de eleições, todo mundo quer acreditar em alguma coisa, as esperanças precisam se renovar. É como agora, nessa época de Natal e Ano Novo, onde todos fazem votos, promessas e projeções para um futuro melhor (mesmo que, no fim, tudo fique na mesma). A política é assim também: movidas a sonhos e esperanças. Os candidatos, lógico, tiram o máximo proveito disso. Meu trabalho é fazer o contraponto a todo o aparato midiático-publicitário e destruir a aura messiânica construída em torno de cada candidato. E essas críticas precisam ter conteúdo. Minha obrigação é questionar os números, os dados, os "feitos" e as verdades absolutas que eles vendem. Com isso, incomodo muita gente ― dos dois lados (ou mais, se existirem).

Num país onde ainda se acredita em salvadores da pátria, é preciso questionar. Pergunte a si mesmo: o que mudou na política de dez ou vinte anos para cá? A única diferença que vejo é que antes trocávamos seis por meia dúzia ― agora, com o inchamento da máquina estatal, trocamos doze por uma dúzia... O engraçado é que, em todas as rodas políticas de que participei, as reações ao meu voto nulo variavam entre a estranheza e a indignação.

Sou "do contra", dizem. Nada mais natural para um cartunista, acredito eu (estranho seria se todo mundo concordasse com tudo o que faço). Nunca gostei de desenhos bonitinhos e engraçadinhos. Até já tentei fazer uma ou outra charge "a favor". Odiei o resultado. Odiei tanto que fiquei contra mim mesmo. Percebi ali, na hora, o quão pernicioso pode ser o "humor a favor". Não é questão de ser contra tudo e contra todos. É apenas a inclinação para a contestação de valores supostamente estabelecidos e crenças pretensamente inalienáveis. Eis aí o segredo de todo bom chargista: buscar o contraditório ― sempre. A polêmica deve ser encarada apenas como conseqüência. Não se pode buscá-la gratuitamente. O próprio Julio, sempre que nos encontramos, me saúda com um sonoro "E aí, polêmico?!". Ele deve ter razão, vai saber (o LEM concordou com ele). Melhor não questionar, pois não seria muito inteligente da minha parte criar polêmica logo com o editor do site...

Christopher Hitchens, em seu livro Cartas a um jovem contestador, começa tergiversando por todos os rótulos possíveis para alguém imerso em polêmicas, como "dissidente", "iconoclasta", "rebelde" até outros menos garbosos como "radical", "revoltado" ou "metralhadora giratória". Mas a melhor definição (para mim, ao menos) está no próprio título. Prefiro me ver apenas como um contestador.

Outro dia, Eduardo Carvalho me perguntou como é passar o dia pensando em piadas para as charges. Na verdade ― respondi a ele ―, o chargista não pára tudo, senta e começa a pensar em piadas. Não é um mecanismo em que apertamos o "power" e as piadas começam a pipocar. Elas estão por toda a parte. É a maneira de se enxergar o mundo, sempre olhando pelo ângulo do escárnio, do deboche. Para explicar melhor, eu devia ter usado o exemplo do próprio Hitchens (que ele leu): "É algo que você é, e não algo que você faz". Acredite em mim: qualquer coisa pode virar charge.

Estes foram os meus primeiros dez anos (sinto como se fosse essa a minha idade biológica) e tenho grandes aspirações para os próximos dez. Não será voluntário (nem pessoal) da minha parte, mas sei que ainda vou incomodar muita gente. Principalmente políticos, ideólogos, "intelequituais", militantes e politicamente corretos de plantão. Se você não se encaixar em nenhum desses exemplos e for adepto do pensamento próprio (sem cartilhas), vai se divertir bastante. Muitas vezes irá discordar de mim. Tudo bem. Discordar é bom. É a partir daí que se começa a explicar uma democracia. E sua crítica não só será muito bem vinda, como, desde já, a considero absolutamente necessária.


Diogo Salles
São Paulo, 23/12/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A pandemia de Albert Camus de Wellington Machado
02. Meu Sagarana de Renato Alessandro dos Santos
03. De volta à antiga roda rosa de Elisa Andrade Buzzo
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 3. Um Jogo de Poker de Heloisa Pait
05. O dia que nada prometia de Luís Fernando Amâncio


Mais Diogo Salles
Mais Acessadas de Diogo Salles em 2008
01. Solidariedade é ação social - 2/12/2008
02. Caricaturas ao vivo - 8/7/2008
03. Preconceitos - 8/1/2008
04. Voto obrigatório, voto útil... voto nulo - 12/8/2008
05. 1998 ― 2008: Dez anos de charges - 23/12/2008


Mais Especial Melhores de 2008
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/12/2008
10h52min
É isso aí, Diogo. Como diz aquela inscrição no barco Judéia do conto "Juventude: uma narrativa" de Conrad: Do or die.
[Leia outros Comentários de Vicente Escudero]
21/1/2009
20h58min
Diogão, mais uma vez o sentimento de testemunha ocular me vem à cabeça. A charge sobre o Vasco que ilustra sua coluna foi publicada na seção de cartas do "Lance", lembra? Abraços! PS: Para mim, a década 1998-2008 também é muito significativa.
[Leia outros Comentários de Luiz Augusto Lima]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Mba pra Que? as 10 Maiores Lições da Escola da Vida
Wayne Brown
Gente
(2009)



Circuitos de Ginástica Escolar
Hans Dassel e Herbert Haag
Viver
(1977)



Jesus a Porta Aberta
Kenneth e Hagin
Graça
(1996)



Servicios & Beneficios
Luis Maria Huete
Deusto
(1997)



Español Esencial Volume Único Com Cd
Lívia Rádis Baptista ( Org. )
Santillana
(2011)



Emergências Pediátricas
Eduardo Jorge da Fonseca Lima
Medbook
(2011)



World Link Combo Split Book 1b
Susan Stempleski
Thomson
(2005)



Prática do Processo Trabalhista 30º Edição
Christovão Piragibe Tostes Malta
Ltr (sp)
(2000)



Manual da Homoafetividade (autografado)
Paulo Roberto Iotti Vecchiatti
Método
(2008)



A Horripilante História da Morte
Clive Gifford
Matrix
(2013)





busca | avançada
70300 visitas/dia
2,6 milhões/mês