Solidariedade é ação social | Diogo Salles | Digestivo Cultural

busca | avançada
34641 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Rosangela Lyra lança canal sobre política no YouTube
>>> Andrea e Bia Jabor fazem a Festa da Árvore neste domingo!
>>> Alfabetização visual comemora 10 anos com mostra de fotografias feitas por pessoas com deficiência
>>> Musical jovem AVESSO reestreia em janeiro e traz fortes emoções no conflito de gerações
>>> Leandro Sapucahy comanda Reveillon 2019 no Jockey Club/RJ
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
>>> Goeldi, o Brasil sombrio
>>> Do canto ao silêncio das sereias
>>> Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela
>>> A barata na cozinha
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
Colunistas
Últimos Posts
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
Últimos Posts
>>> Canções de amor
>>> A verdade? É isso, meme!
>>> Ser pai, sendo filho - poema
>>> A massa não entende
>>> ARCHITECTURA
>>> Os Efeitos Colaterais do Ano no Mundo
>>> A Claustrofobia em Edgar Allan Poe - Parte I
>>> Casa de couro V
>>> Heróis improváveis telefonam...
>>> Um lance de escadas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Um repórter a mil calorias por dia*
>>> Bill Evans Trio on Jazz 625
>>> Poesia, Crônica, Conto e Charge
>>> Os Vingadores versus... Collin Powell
>>> Um Coração Simples, de Flaubert, por Milton Hatoum
>>> A Virada, de Stephen Greenblatt
>>> A Virada, de Stephen Greenblatt
>>> Goeldi, o Brasil sombrio
>>> Por que a beleza importa
>>> A difícil arte de viver em sociedade
Mais Recentes
>>> As Aventuras de Popeye de E. C. Segar pela Presença (1973)
>>> Paulette de Wolinski e G. Pichard pela Grilo (1973)
>>> As Férias de Iznogud de Goscinny e Tabary pela Rge (1968)
>>> A vida literária no Brasil durante o Romantismo de Ubiratã Machado pela Eduerj (2001)
>>> As Aventuras do Califa Harrum Al Mofadah o Grão-vizir Iznogud de Goscinny e Tabary pela Record (1987)
>>> O Amigo da Onça - A Obra Imortal de Péricles pela Busca Vida (1987)
>>> A Vida do Super Homem: de Krypton à Terra, a Espetacular Saga do Maior de DC Comics pela Ebal (1983)
>>> Dr. Macarra: um Playboy na Feb de Carlos Estêvão pela Record (1981)
>>> Help! - Sistema de Consulta Interativa - História do Brasil de Laura Tetti (coord.) pela O Estado de S. Paulo (1997)
>>> Amantes e Cartomantes de Paulo Centenaro pela Editado pelo Autor (2001)
>>> Minha Vida - Uma Vida com Desafios Vale a Pena Ser Vivida de Marcus Nogueira pela O Lutador (2018)
>>> Ratobúrguer de David Walliams pela Intrínseca (2013)
>>> Superação de Hermógenes pela Record (1982)
>>> Terapia do Conto - Para Curar o Coração de Paula Furtado pela Girassol (2012)
>>> Novos Roteiros em Educação de Krishnamurti pela Cultrix (1980)
>>> Histórias Bilíngues - Cinderela de Marcela Grez pela Girassol Brasil Edições (2013)
>>> Haja luz de Ponte para a liberdade pela Ponte para a liberdade (2005)
>>> Disney Frozen Magical Story de Disney Enterprises pela Parragon Books (2015)
>>> Pai Patrao & Recanto - Romance Italiano impecável! de Gavino Ledda pela Berlendis & Vertecchia (2004)
>>> Sonhos Em Amarelo - O garoto que não esqueceu Van Gogh de Luiz Antonio Aguiar pela Melhoramentos (2007)
>>> O Pequeno Assassino de Bradbury pela L&PM (1991)
>>> O olho do furacão de Murillo Nunes de Azevedo pela Civilização brasileira (1973)
>>> O Estranho Mundo de Zé do Caixão de José Mojica Marins / R. F. Lucchetti / Nico Rosso pela L&PM (1987)
>>> Roma Antiga de Martin César Feijó pela Ática (1994)
>>> Serm Asas ao Amanhecer de Luciana Scotti pela Melhoramentos (2003)
>>> Poesia Africana de Lingua Portuguesa de Livia Apa, Maria Daskalos pela Lacerda (2003)
>>> El plano astral y el plano mental de C. W. Leadbeater pela Teorema (1986)
>>> Memoria, politica y pedagogia de Graciela Rubio Soto pela Lom (2013)
>>> Mulheres Apaixonadas de D. H. Lawrence pela Abril Cultural (1979)
>>> Histoire de Ma Vie de George Sand pela Stock (1949)
>>> Lolita de Vladimir Nabokov pela O Globo (2003)
>>> Cuentos de la Alhambra de Whashington Irving pela Padre Suarez (1967)
>>> Libro de Manuel de Julio Cortázar pela Bruguera (1981)
>>> A Incrível e Triste História de Cândida Eréndira e sua Avó Desalmada de Gabriel garcia Márquez pela Círculo do Livro (1975)
>>> Le Communisme Utopique, Le Mouvement de Mai 1968 de Alain Touraine pela Seuil (1972)
>>> Dicionário Ediouro Espanhol - Português Português - Espanhol de Éverton Florenzano pela Ediouro
>>> Les Structures du Hasard de Jean-Louis Boursin pela Du Seuil
>>> Amor É Prosa Sexo É Poesia de Arnaldo Jabor pela Objetiva (2009)
>>> As relações Perigosas de Choderlos de Laclos pela Globo (1987)
>>> O Idiota de Fiodór Dostoiévski pela Martin Claret (2005)
>>> 201 Mensagens para o Amor da Minha Vida de Diana Lerner pela Vergara & Riba (2007)
>>> Tragédia Grega, Estudo Literário II Volume de H. D. F. Kitto pela Arménio amado (1972)
>>> Hegel de Roland Corbisier pela Civilização Brasileira (1981)
>>> O Anarquismo e a Democracia Burguesa de Malatesta, Bakunin, Engels e outros pela Global (1980)
>>> Teoria da História de Maria Beatriz Nizza da Silva (Org.) pela Cultrix (1976)
>>> Sobre la Esencia de la Libertad Humana de Federico Schelling pela Juarez (1969)
>>> Alrededor del Cuanto de L Ponomariov pela Editorial Mir (1974)
>>> Teeteto de Platão pela Inqérito
>>> Griegos y Persas, El Mundo Mediterráneo en la Edad Antigua I de Hermann Bengtson pela Siglo Veintuno (1972)
>>> A Importância do Ato de Ler de Paulo Freire pela Cortez (1986)
COLUNAS

Terça-feira, 2/12/2008
Solidariedade é ação social
Diogo Salles

+ de 16400 Acessos
+ 3 Comentário(s)

O que é solidariedade? Todo mundo se considera solidário. Eu mesmo me considerava um, imagine você. O rótulo de povo "sorridente e hospitaleiro" parece mesmo vir colado em todos os brasileiros. Mas o que é solidariedade, afinal? Vejamos primeiro pela definição do dicionário: "reciprocidade de interesses e obrigações". Ih, agora complicou... Se temos nossos próprios interesses e sabemos de nossas obrigações ― embora deixemos de cumprir várias delas ―, todos os sorrisos e hospitalidades do mundo serão insuficientes para garantir a tal reciprocidade. Por isso, acho que vale a pena gastar mais algumas linhas para refletir sobre isso.

Solidariedade é uma coisa árdua, plantada e regada todos os dias e que, até não muito tempo atrás, era tarefa de uns poucos abnegados. Sim, solidariedade é mudar a vida das pessoas, ainda que seja de um pequeno grupo. Mas ela se configura através de ações, e não de olhares condescendentes. Por exemplo, quem dá esmola no semáforo não é solidário (apenas acha que é). E quem entrega cestas básicas? Aí, sim, pode ser considerado solidário, mas o contexto pode ser ― e é ― muito maior do que isso. Não estou falando de capoeira, circo ou dança. Falo de educação, saúde, meio ambiente, cultura, inclusão digital. Para definirmos a questão: solidariedade é ação social. É um conceito diretamente ligado à cidadania e à democracia. Se a democracia convoca todos a participar, não há melhor maneira de exercer (e levar) cidadania do que uma ação social. Não é algo simples, que se resolve em um final de semana. É um processo demorado, no qual só enxergamos as transformações desejadas no futuro. Quando comecei a participar de ações sociais, descobri em mim mesmo um lado solidário que eu até então desconhecia. Meu próprio conceito de solidariedade expandiu, enxerguei muito além daquela acanhada tela de TV.

Existe, claro, uma motivação por trás desse gesto. Para muita gente, a maior delas é a gratidão. É fazer parte de algo realmente importante para a sociedade. É saber que, para aquelas pessoas, ali, você fez toda a diferença. São motivações genuínas e compactuo de todas elas, mas não vou ficar aqui bancando a Madre Tereza. Entrei nessa porque me pareceu, na época, uma coisa relevante a se fazer. Eu quis estar lá, in loco, e ver a realidade, em vez de continuar apenas lendo sobre ela. Considerei que eu precisava retribuir de alguma forma toda a sorte que tive na vida. Depois da primeira ação, meus conceitos mudaram e a motivação principal, para mim, se tornou política. Se o voto nulo é inócuo como protesto, julguei que o trabalho social pode ser uma maneira metafórica de manifestar meu menosprezo pelo que os políticos fizeram da atividade política. Duvido que outras pessoas tenham essa mesma motivação, mas só o fato de existirem tantas instituições que recusam dinheiro de governos, já mostra a desconfiança para com o poder público. Tudo bem, um dia eu também já acreditei que o estado seria capaz de exercer esse papel.

Esta tem sido uma percepção constante das pessoas em relação à política. Certa vez, nossa ação foi recebida de maneira nada amistosa: "Não sei que governo ou partido vocês representam, mas aqui as coisas são diferentes". Quando explicamos que não estávamos representando governo ou partido algum, os dedos em riste e as sobrancelhas arqueadas se transformaram em sorrisos calorosos e sucessivos pedidos de desculpas pelo mal-entendido. É assim que as pessoas reagem quando sentem o cheiro da politicagem no ar. Não as culpo. Ao contrário. Concordo.

Aos poucos o brasileiro começa a perceber como a política se tornou uma mera disputa por poder, dinheiro e regalias que se concentram (e se revezam) na mão de uns poucos grupos políticos. Está cada vez mais difícil negar a falência das ideologias e o descrédito das instituições. Percebemos que não há salvadores da pátria nem balas de prata que nos salvarão com um único disparo. Acabou. Hoje, quem quer ver a mudança, sabe que precisa fazer parte dela, e não ficar sentado, de pijama, esperando a mamãe "estado" ou o papai "mercado" vir socorrer. Vejo muitos brasileiros se movimentando nessa direção, tomando suas próprias iniciativas. Uma espécie de plano de governo pessoal, se preferir. Não importa se ele vai ajudar dezenas, centenas ou milhares de pessoas. Ou uma só, que seja. Ele ajuda, doa um pouco de si. Roupas, comida... Na interminável discussão "dar o peixe ou ensinar a pescar", acredito que qualquer ajuda é bem vinda. A meu ver, qualquer assistencialismo é válido, desde que não venham de governos ― caso contrário, poderão ser cálculo político-eleitoral travestido de filantropia.

Com essa explosão do terceiro setor observamos um grande crescimento do número de ONGs e OSCIPs no Brasil. Em 2002 existiam aproximadamente 26 mil ONGs por aqui. Hoje, calcula-se que sejam por volta de 300 mil, sendo que apenas cerca de 4.500 entidades estão legalmente registradas no Ministério da Justiça. Claro que teve muita gente que viu nisso uma oportunidade de ganhar dinheiro fácil e, com isso, atrapalhar o trabalho de pessoas e entidades sérias. Como separar o joio do trigo? Bom, comece perguntando quais ONGs recebem dinheiro público. Só aí já se pode filtrar muita coisa. Claro que a conta não é exata, mas grande parte dos ongueiros larápios tem um governo ou partido político por trás de suas ancas. E cuidado, pois, por trás daquela fachada bonitinha e bem cuidada, pode ter uma lavanderia funcionando a todo vapor...

Há quem diga que não tem dinheiro para ajudar aos outros. E quem disse que precisa? Já ajudei muita gente sem colocar a mão no bolso (até porque ele estava vazio). Uma ação social requer algum dinheiro (via patrocínio), claro; mas ela se faz, principalmente, com pessoas, com voluntários. Vejo muita gente dizendo que "quer fazer" algum trabalho social. Nesse momento abre-se a cratera entre o "querer" e o "fazer". Quem optou pelo "fazer" já está se mexendo, enquanto que o pessoal do "querer", você encontrará dali a um ano (ou mais) ainda "querendo". Não há mistério: a melhor maneira de encontrar a sua atividade no terceiro setor é relacioná-la com a sua profissão. Assim, um engenheiro ensina a construir casas populares; um médico atende pacientes necessitados e dá palestras de prevenção em sua especialidade; um economista desenvolve um projeto de microcrédito etc. Citei exemplos de forma muito rudimentar, mas qualquer mente mais aguçada pode criar seu próprio projeto e procurar instituições sérias, que estejam dispostas a bancá-lo.

No meu caso, comecei como "apoio geral", ajudando na parte operacional, carregando caixas, montando e desmontando nossa infra-estrutura, auxiliando o trabalho logístico. Depois, desenvolvemos alguns projetos de oficinas. A primeira delas era a de reciclagem. Por que não fazer uma oficina de desenho, então? A idéia não era das mais originais, mas funcionou muito bem. Nos primeiros anos eu tirava férias do trabalho para fazer essas oficinas. Depois que me tornei um "autônomo", a grana ficou curta e a atitude mais sensata seria esperar a situação melhorar, para poder voltar a participar de ações sociais. Fiz exatamente o contrário. Expandi o trabalho na oficina, promovendo exposições e criando uma espécie de "curso relâmpago", com distribuição de material para desenho profissional. Comecei a garimpar talentos ainda incipientes. Minha missão era fazê-los brotar. Ali eu não só ensinava técnicas de desenho, mas também falava sobre o desenho como profissão (não como "hobby"). Num momento de questionamentos profissionais e conflitos internos como aquele, eu ― antes de convencer aos meus alunos ― precisava convencer a mim mesmo.

Sou constantemente criticado pelas minhas posições políticas, por anular o voto e por enxergar nos políticos e partidos apenas a disposição em se (re)eleger. Também sou contestado por nunca oferecer uma solução ― como se eu fosse possuidor de um antídoto contra a doença. "Qual a saída, senão a política?", me perguntam. Faltou perguntar: é nessa política que devemos nos envolver? Imagine quantas pessoas poderiam contribuir de alguma forma, mas preferem se afastar, pois jamais conseguiriam se locupletar, costurar alianças e jogar o jogo da "governabilidade". Política, da forma como é feita hoje, é isso. Primeiro são negociações e concessões, que, mais tarde, se tornam negociatas e corrupções. O sistema é esse e só permanece dentro dele quem estiver disposto a abrir mão das concepções mais básicas de bom senso e caráter. "Ah, mas é preciso entrar na política para tentar inverter o processo"... Claro. Talvez eu peça isso ao Papai Noel neste Natal.

Realmente não sei qual é a saída para o mundo, nem tenho a pretensão de saber. Mas sei que não é na política partidária que eu encontrarei as respostas, mas sim no trabalho social. Tudo aconteceu numa época muito estranha da minha vida. Quando eu já sucumbia diante da apatia e me afogava no maremoto da mediocridade, apareceu a oportunidade de fazer parte de algo realmente importante. Minha saúde financeira lá, definhando, e eu me aventurando em caprichos altruístas. Foi tudo muito paradoxal e caótico, mas foi assim que aconteceu. Naqueles dias confusos, eu simplesmente não conseguia enxergar que aquilo que eu fazia era exatamente o que me salvava, me libertava e, principalmente, me redimia.

Muitos questionarão que minha contribuição foi mínima, que alcançou um público muito pequeno e restrito. Outros poderão rir de minha ingenuidade ao achar que isso tudo não passa de um devaneio juvenil. Nem tenho como contestar isso. E pode até ser verdade, se analisarmos a questão por um conceito "micro". Mas, se olharmos pelo contexto "macro" e somarmos todos os "ingênuos" com quem trabalhei, muitas coisas importantes foram feitas... Opa, aí está. Um novo horizonte se abriu agora. Encontramos a lente que nos faz enxergar o quadro todo. Se você enxergou o mesmo que eu, seu conceito de solidariedade já mudou. E se você optar por ir além e pegar a estrada da ação social, só tome cuidado para não se deixar seduzir pelas benesses do financiamento público. No trabalho social, só existe duas opções: se manter alheio às questões partidárias ou ser um fantoche de grupos políticos. Entre as duas alternativas, fique com a primeira. Não deixe que usem sua filantropia, seu trabalho e esforço como trampolim eleitoral. Porque, ao final de tudo, se você acreditar que eles não são capazes disso, aí, sim, você será um ingênuo de fato.

Nota do editor
Trechos dessa coluna estão no livro Caminhos de um Brasil solidário.

Leia também
"Arte e liberdade"
"Coque, o violeiro de uma mão só"

Para ir além






Diogo Salles
São Paulo, 2/12/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Vendedor de Passados de Marilia Mota Silva
02. Notas confessionais de um angustiado (II) de Cassionei Niches Petry
03. Gerald Thomas: Cidadão do Mundo (parte III) de Jardel Dias Cavalcanti
04. Lendo Virgílio, ou: tentando ler os clássicos de Julio Daio Borges
05. Como detectar MAVs (e bloquear) de Julio Daio Borges


Mais Diogo Salles
Mais Acessadas de Diogo Salles em 2008
01. Solidariedade é ação social - 2/12/2008
02. Preconceitos - 8/1/2008
03. Caricaturas ao vivo - 8/7/2008
04. Voto obrigatório, voto útil... voto nulo - 12/8/2008
05. 1998 ― 2008: Dez anos de charges - 23/12/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/11/2008
18h24min
Parabéns pelo trabalho, Diogo, e pelo texto, que está ótimo. Vamos conversar mais sobre isso. Abçs - Edu
[Leia outros Comentários de Eduardo]
2/12/2008
13h59min
Bela matéria, Diogo. Fazer o bem, não importando a quem!
[Leia outros Comentários de Simon]
8/12/2008
16h04min
Parabéns por se dedicar a um trabalho que engrandece, que alcança outras pessoas, que estende e multiplica oportunidades. Esse é o sentido da vida, não?
[Leia outros Comentários de Roberta Resende]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O IMPERIALISMO: FASE SUPERIOR DO CAPITALISMO
LENIN
V. I. LENINE
(2002)
R$ 30,00
+ frete grátis



TREZE CONTOS DIABÓLICOS E UM ANGÉLICO
FREI BETTO
PLANETA
(2018)
R$ 45,00



CINQUENTA TONS NA PRATICA
DEBRA MACLEOD
SINGULAR
R$ 12,00



EVA PERÓN - A MADONA DOS DESCAMISADOS
ALICIA DUJOVNE ORTIZ
RECORD
(1997)
R$ 12,00



LA ACROPOLIS Y SU MUSEO
JEORGE DONTAS
CLIO
(1987)
R$ 4,00



CURSO DE MIDIOLOGIA GERAL
RÉGIS DEBRAY
VOZES
(1993)
R$ 29,00



TATUADO
CAREY HART
H.F. ULLMANN
(2010)
R$ 50,00



MAIGRET E O LADRÃO PREGUIÇOSO
GEORGES SIMENON
L&PM
(2009)
R$ 12,00



ONDE ENCONTRAR A SABEDORIA?
HAROLD BLOOM
OBJETIVA
(2005)
R$ 11,99



HYPERBOREANS - ESSAYS IN GREEK AND LATIN POETRY, PHILOSOPHY, RHETORIC
PAULA CUNHA E OUTROS (ORGS.)
HUMANITAS
(2012)
R$ 40,00
+ frete grátis





busca | avançada
34641 visitas/dia
1,1 milhão/mês