Arte e liberdade | Diogo Salles | Digestivo Cultural

busca | avançada
75949 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
>>> Arte do Granja
>>> Prorrogadas as inscrições para 20ª Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis
>>> Projeto Trovadores Urbanos 30 anos, live cinco, “Serenata para Silvio Caldas”, segunda dia 19 de abr
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O que querem os homens? Do Sertão a Hollywood
>>> 8 de Junho #digestivo10anos
>>> Voltar com ex e café requentado
>>> Vinicius de Moraes Reeditado pela Companhia das Letras
>>> Deep Purple Made in Japan
>>> The Newspaper of the Future
>>> Se eu fosse você 2
>>> Lady Gaga, uma aula do pastiche
>>> Comunicado importante: TV mata!
>>> A bolha da blogosfera
Mais Recentes
>>> É Hora! É Hora! de Anna Claudia Ramos pela Nova Fronteira (2005)
>>> Tempo de Voo de Bartolomeu Campos de Queirós pela SM Paradidático (2009)
>>> Brasília: de cerrado a capital da república de Jô Oliveira pela Cortez (2008)
>>> Sujo, eu? de David Roberts pela Companhia Nacional (2006)
>>> Corpo humano de Charline Zeitoun pela Companhia Nacional (2006)
>>> As cores do arco-íris de Jennifer Moore Mallinos pela Companhia Nacional (2008)
>>> O Dom de Sabedoria na mente ,vida e obra de Plinio Correa De Oliveira - 3 Vol - Ver Descrição de Mons. João Scognamiglio Cla Dias , Ep pela Vaticana (2016)
>>> Ana E O Gato de Gusmao Marta^Gusmao Tania pela Franco (2011)
>>> Uma história do mundo de David Coimbra pela L&Pm (2012)
>>> Figura na sombra de Luiz Antonio De Assis Brasil pela L&Pm (2012)
>>> O bem de Cristina Von pela Callis (2011)
>>> Drogas de Leslie Iversen pela L&Pm (2012)
>>> Peanuts: ninguém gosta de mim de Charles M. Schulz pela L&Pm (2013)
>>> Teatro Para A Juventude de Tatiana Belinky pela Companhia Nacional (2005)
>>> Pré-história de Cris Gosden pela L&Pm (2012)
>>> Razão e sentimento: de Jane Austen pela L&Pm (2012)
>>> A interpretação dos sonhos - volume 2 de Sigmund Freud pela L&Pm (2012)
>>> A interpretação dos sonhos - volume 1 de Sigmund Freud pela L&Pm (2012)
>>> Veja--2654--ia dar um tiro nele e me suicidar de Abril pela Abril (2019)
>>> O cão da morte de Agatha Christie pela L&Pm (2012)
>>> Viagem ao centro da terra de Julio Verne pela L&Pm (2012)
>>> Cleo E Daniel de Roberto Freire pela L&Pm (2012)
>>> Platão de Julia Annas pela L&Pm (2012)
>>> Veja--2601--especial--1960 a 2010. de Abril pela Abril (2018)
>>> Fábulas Chinesas de Sérgio Capparelli pela L&Pm (2012)
COLUNAS

Sexta-feira, 23/7/2010
Arte e liberdade
Diogo Salles

+ de 7800 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Certa vez, aqui mesmo, no Digestivo, falei sobre o trabalho social do qual faço parte. Expliquei qual é o conceito de solidariedade em pessoas que acreditam, movidas pelo desejo verdadeiro de ajudar outras pessoas. E fico feliz de ter feito parte dos anos iniciais dessa ação, onde o orçamento era sempre apertado e tínhamos de renunciar a muita coisa para estar lá. É impressionante quanta coisa boa se pode fazer pelas pessoas, navegando totalmente à margem dos rios de dinheiro que os governos despejam em ONGs de fachada.

Antes de participar ativamente das ações, trabalhei nos bastidores, atualizando os diários de bordo e produzindo ilustrações para a Expedição 2000, do projeto Trilhabrasil, o marco zero das diversas ações sociais hoje produzidas pelo Instituto Brasil Solidário. Nos dois anos seguintes, continuei atualizando os diários de bordo, seguindo o rastro do Trilhabrasil no Rally dos Sertões. Em 2003, era hora de colocar a mão na massa. Distribuição de cestas básicas, kits escolares, kits de escovação, bibliotecas... Era a primeira Ação Social oficial do Rally dos Sertões. A partir de 2004, chegaram as oficinas, que foram se multiplicando ao longo dos anos. "Aprenda com o olhar deles", foi o que me disse o Maia (o meu mestre), quando lhe contei que eu estava criando uma Oficina de Desenho. Mais tarde a oficina se desmembrou e criei um curso livre para jovens promissores do traço, trabalho que durou até 2006. Quando a grande oportunidade da minha vida profissional finalmente chegou, fui correr atrás do meu sonho e tive de deixar o trabalho social para trás. São escolhas ― e fiz a minha, com dor no coração. A vida seguiu e, três anos depois, em 2009, recebi uma intimação para comparecer urgentemente a Cabaceiras (PB)...

Cabaceiras, que nome pitoresco. A primeira vez que ouvi falar, estranhei. Quando soube que ali era uma espécie de templo de jovens artistas que despontavam no sertão paraibano, me senti curioso e desafiado. E lá estava eu de volta às oficinas, levando técnicas de desenho a essa molecada que gosta de fazer arte. Antes de seguir viagem, me lembrei da profética frase do Maia (sobre o "olhar"). Em minha palestra, fiz uma longa apresentação em datashow de trabalhos de artistas dos mais variados matizes para aguçar a curiosidade de meus dez alunos. Mostrei um pouco de tudo relacionado à arte gráfica: HQs, heróis, caricatura, tira de humor, charge, cartum... Sempre contextualizando com citações históricas, traçando um perfil do autor e exemplificando os aspectos técnicos do desenho, como luz e sombra, volume, arte final, etc. Enquanto eu falava, reparei bem na expressão de cada um dos meus alunos, que pareciam borbulhar de tanta curiosidade, pareciam buscar respostas para todas as suas inquietações. Eram os tais "olhares". E eu estava ali, vendo tudo de fora, como se olhasse em retrospecto para mim mesmo. Era como olhar para aquele garoto tímido e avoado que fui, sempre imaginando histórias "fantásticas"... E desenhando-as.

Logo que comecei a oficina, uma coisa me incomodava. Percebi que meus alunos enxergavam os livros da mesma maneira que eu lá atrás: uma coisa chata, para fins meramente didáticos. Sempre penso o que teria acontecido se os livros tivessem chegado a mim de uma forma mais agradável (teria mudado minha percepção sobre muitas coisas). Felizmente, os tempos são outros e, buscando desconstruir essa visão, levei-os para uma longa e acurada pesquisa na novíssima biblioteca doada pelo IBS. Pesquisamos os mais variados tipos de livros, com atenção especial aos ilustrados e explicando como funcionava o mercado editorial. É nos livros que os artistas iniciantes sempre encontram as primeiras inspirações. Tomei o cuidado para não transformar aquilo numa imposição (ou numa "coisa chata"). A intenção era instigá-los, pois eu sempre soube que, nessa idade, a cópia é uma coisa natural. O resultado foi imediato: cada um vai pesquisar sozinho os assuntos e livros de seu interesse. No fim, todos voltaram da biblioteca com pelos menos um livro debaixo do braço e já começaram suas "cópias". Descobriram que, além da leitura, existia o trabalho de observação, que define o estilo de um artista. Também fiz as minhas cópias lá no início e sei o quanto essas referências são importantes. É através dessa observação que o artista coloca sua visão no papel. Bem vindos ao mundo da linguagem visual e da arte gráfica.

Outra ideia fixa que detectei era um estranho senso de competição entre eles. Não que a competição seja ruim, mas ali era exagerada. Os gêmeos Fabio Moon e Gabriel Bá, em entrevista ao Roda Viva, explicaram como era a competição entre eles, sempre com um desafiando o outro a melhorar. Esse é o exemplo de competição saudável, mas não era o que acontecia em Cabaceiras. Não havia ali o desejo de desenhar melhor, mas sim o de apenas vencer os concursos que eram feitos periodicamente. Acontece que uma obra de arte é autoral e não cabe em comparações com outras. Nos Salões de Humor, por exemplo, existe uma separação por categorias, com charge, cartum, quadrinhos e caricatura. Nos concursos da escola em Cabaceiras tudo era colocado numa categoria só. Como comparar uma HQ de mangá com uma natureza morta? O resultado era que os meninos eram jogados à sorte de conceitos totalmente subjetivos e das idiossincrasias da comissão julgadora, desvirtuando o conceito de "vitória" ― ou, pior ainda, de "derrota".

A competição pode ser importante em outras áreas, mas na arte ela tem outro sentido, bem menos importante. Uma eventual premiação deve surgir como consequência, e não como objetivo principal. Baseado na minha própria experiência, resolvi transformar esse senso de competição em senso de colaboração ― porque é assim que acontece com os ilustradores que trabalham comigo lá na redação do Estadão. Trocar informações, opiniões, livros e materiais é essencial para que o artista não se feche em seu próprio mundinho. É importante ter uma visão mais arejada e expandir seus próprios conceitos. Ao contrário do que muita gente pensa, opiniões variadas (e divergentes) são extremamente saudáveis numa sociedade. Mais importante ainda é ouvir críticas e saber aceitá-las. E se essas críticas vierem de algum profissional da área ou de alguém credenciado a fazê-las, guarde-as com chave de ouro, pois o caminho que você está procurando pode estar exatamente ali.

Alguns podem achar que esta é uma visão meio romântica (ou purista) da coisa toda, mas, para mim, a arte só atinge as pessoas se ela conseguir transmitir sentimentos verdadeiros. Arte tem de ser livre... Livre de preconceitos, livre de ideias pré-moldadas e ultrapassadas, livre de regras impostas pela sociedade, livre de dogmas religiosos, livre de ideologias políticas. Pelo menos foi isso que vi em todos os grandes artistas que admiro e que me serviram de inspiração lá no início. Todos eles, sem exceção, traziam a contestação em seu trabalho ― por mais diferentes que fossem. Gênios que, cada um à sua maneira, encontraram sua própria linguagem e souberam transportar sua visão de mundo para o papel. É disso que é feito o grande artista. Claro que alguns são mais reconhecidos, outros conseguem aplicar um "valor de mercado" em sua arte, mas, no fim, cada um tem o seu valor. A arte está dentro de cada um ― só que é preciso ir buscá-la, onde quer que esteja. E, antes de entregar para cada aluno quinze itens ― entre HQs, livros e gibis ― que comprei (ou retirei de minha coleção), a lição final: a única competição deles, a partir daquele dia, seria com eles mesmos.

Junior: um talento a ser lapidado
Um dos principais motivos da minha viagem à Paraíba tinha um nome: Edinaldo Laurentino Junior. Quando me disseram do que esse moleque era capaz com um papel e lápis nas mãos, não duvidei, pois sempre tive a consciência de que o talento nato existe. E era o caso do Junior ― como ele gosta de ser chamado. Quadrinhos, ilustração, heróis, cartum, ele transitava com desenvoltura por diversas linguagens. Sabendo das dificuldades de se encontrar o material adequado no meio do sertão paraibano, procurei ir munido de canetas especiais, blocos, lápis de cor, etc. Junior já era um artista formado. Ideias criativas, traços confiantes, cores vivas, grande noção de luz e sombra, volume e perspectiva.

Mas meu trabalho se mostraria um pouco mais complexo do que uma mera aula técnica. O problema dele era outro: a rebeldia. Já demonstrando o ar blasé, meio preguiçoso e "bon vivant" dos artistas mais boêmios, ele demonstrava displicência e pouca obstinação. Os desenhos, quase todos eles, eram deixados pela metade, permanecendo inacabados. Junior se desapegava deles muito antes da arte final. Nas histórias em quadrinhos, suas tramas esbarravam em uma linguagem hermética e com erros primários de português. Não havia outra coisa a fazer. Eu precisava tirá-lo de sua zona de conforto: "como você quer escrever um roteiro de HQ se você nem ao menos sabe escrever uma redação?". Aos 15 anos, com quatro repetências na escola e ainda cursando a sexta série do ensino fundamental, procurei passar a ele o valor do estudo e do esforço intelectual para a carreira de um artista. Expliquei a ele que existem centenas de artistas talentosos por aí, mas só alguns estão nos grandes circuitos internacionais, recebendo prêmios e tendo seus trabalhos reconhecidos. Procurei não soar moralista, mas sabia que alguém, algum dia, teria de confrontá-lo com essa realidade, por mais inconveniente que fosse.

O talento ele sempre teve e o material ele agora tinha. O que faltava era aquela teimosia, típica de artista, de querer viver exclusivamente de sua arte. Isso é uma decisão pessoal de cada um, e não poderia forçá-lo a nada. Mas espero que eu o tenha influenciado de alguma forma. Se ele aparecer como um dos grandes nomes da HQ no futuro, para mim, não será surpresa. A lição final da oficina valeu especialmente para ele: agora a competição do Júnior é contra ele mesmo.

Nota do editor
Trechos dessa coluna estão no livro Caminhos de um Brasil solidário.

Leia também
"Coque, o violeiro de uma mão só"
"Solidariedade é ação social"

Para ir além






Diogo Salles
São Paulo, 23/7/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Crônica à la Caio Fernando Abreu de Elisa Andrade Buzzo
02. O jornalismo cultural na era das mídias sociais de Fabio Gomes
03. Malcolm, jornalismo em quadrinhos de Luís Fernando Amâncio
04. Aqui sempre alguém morou de Elisa Andrade Buzzo
05. Uma livrada na cara de Guilherme Carvalhal


Mais Diogo Salles
Mais Acessadas de Diogo Salles em 2010
01. Eric Clapton ― envelhecendo como um bluesman - 9/2/2010
02. Arte e liberdade - 23/7/2010
03. O filme do Lula e os dois lados da arquibancada - 19/1/2010
04. Shows da década (parte 1) - 16/3/2010
05. Shows da década (parte 2) - 20/4/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/7/2010
23h19min
Parabéns por essa profunda descrição, é de atitude que se fundamenta uma história. E graças aos nossos mestres a gente conhece bem essa tal de atitude.
[Leia outros Comentários de Wander ]
24/7/2010
00h36min
Viajei neste Rally pela trilha dos caminhos e um Brasil descabaçado dos ditadores das artes, para contemplar o "olhar" de beleza e maestria, no conceito do que é de fato a Solidariedade, a competência e a integração de um grande artista com a comunidade desejosa de participar. Quisera tantos outros projetos viajassem por este nosso imenso Brasil, seara aberta para tantos gênios do futuro, que poderiam estar sendo despertados hoje. Parabéns! Ass.: Celito Medeiros (Artista Plástico)
[Leia outros Comentários de Celito Medeiros]
24/7/2010
19h36min
Adorei esse artigo. Falou tudo que me habita e em que acredito também. Tenho muita vontade de trabalhar com o social como jornalista e artista. Que delícia ler sua experiência e suas reflexões. Grata! Paula Ribas
[Leia outros Comentários de Paula Ribas]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Comunicação-mundo: Historia das Ideias e das Estratégias
Armand Mattelart (2ª Edição)
Vozes
(1996)



Le Marquis de Cuevas
Gérard Mannoni
Lattès
(2003)



Espronceda y Lord Byron
Esteban Pujals
Consejo Superior Investigacion
(1972)



A Nova Justiça: Como e por Que o Rio de Janeiro Saiu na Frente
Joel Rufino dos Santos (org)
Forense
(2005)



Os Dois Tatus e o Berimbau
Antonieta Dias de Moraes
Scipione
(2010)



A Rã Que Não Sabia Que Estava Cozida e Outras Lições
Olivier Clerc
Bertrand Brasil
(2008)



Pulsar Revista de Educação 1
Antonio Ozaí da Silva e Outros
Pulsar
(2005)



O Coruja
Aluísio Azevedo
Global
(2008)



Longman Mini English Dictionary
Smith Jeremy
Longman
(2002)



Principles of Critical Care
Jesse B. Hall, Gregory Schmidt e Lawrence Wood
Mcgraw Hill (new York)
(1991)





busca | avançada
75949 visitas/dia
2,6 milhões/mês