Arte e liberdade | Diogo Salles | Digestivo Cultural

busca | avançada
74271 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Inspirado nas Living Dolls, espetáculo de Dan Nakagawa tem Helena Ignez como atriz convidada
>>> As Caracutás apresentam temporada online de Tecendo Diálogos com bate-papo e oficina
>>> Obra de referência em nutrição de plantas ganha segunda edição revista e ampliada
>>> FAAP promove bate-papo com as atrizes Djin Sganzerla, Zezita Matos e com o diretor Allan Deberton
>>> Elísio Lopes Jr comanda oficina gratuita de dramaturgia nesta sexta-feira (27)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
Colunistas
Últimos Posts
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Show him what he is like
>>> Machado polímata
>>> In the Line of Fire
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> A polêmica dos quadrinhos
>>> Ad Usum Juventutis
>>> Schopenhauer sobre o ofício de escritor
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Últimos Dias, de Gus Van Sant
>>> Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques
Mais Recentes
>>> Passagens – Crises Previsíveis da Vida Adulta de Gail Sheehy pela Francisco Alves (1980)
>>> A Chave da Longevidade de Dr. Hugues Destrem pela Europa-América (1979)
>>> A Força da Saúde de Victor Hugo Belardinelli pela Movimento (2013)
>>> O Envelhecimento de Luiz Eugênio Garcez Leme pela Contexto (1997)
>>> Velhice - Culpada ou Inocente? de Carlos Eduardo Accioly Durgante pela Doravante (2008)
>>> Envelhecimento Bem-Sucedido de Newton Luiz Terra e Beatriz Dornelles (Orgs.) pela Edipucrs (2003)
>>> Naturalmente Mais Jovem de Roxy Dillon pela Sextante (2016)
>>> Direito Administrativo Descomplicado de Marcelo Alexandrino e Vicente Paulo pela Método (2019)
>>> Tópicos de Matemática Aplicada de Luiz Roberto Dias de Macedo, Nelson Pereira Castanheira e Alex Rocha pela Intersaberes (2018)
>>> Gestão de Custos de Carlos Ubiratan da Costa Schier pela Ibpex (2011)
>>> Ética Empresarial na Prática de Mario Sergio Cunha Alencastro pela Intersaberes (2016)
>>> Gestão Socioambiental no Brasil de Rodrigo Berté pela Intersaberes Dialógica (2013)
>>> Ferramentas Para a Moderna Gestão Empresarial - Teoria, Implementação e Prática de Maria Inês Caserta Scatena pela Intersaberes Dialógica (2012)
>>> O rio do tempo de Hernani Donato pela Círculo do livro (1976)
>>> O menino de areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1986)
>>> Breton/ Trotski - Por uma arte revolucionária independente de Valentim Facioli pela Paz e Terra (1985)
>>> Dize-me com quem andas de Mary McCarthy pela Civilização Brasileira (1967)
>>> Uma vida encantada de Mary McCarthy pela Civilização Brasileira (1967)
>>> Quem vai fazer a chuva parar? de Robert Stone pela Companhia das letras (1988)
>>> Meus amigos de Emmanuel Bove pela Companhia das letras (1987)
>>> Rastro do fogo que se afasta de Luis Goytisolo pela Companhia das letras (1988)
>>> Vista do amanhecer no Trópico de G. Cabrera Infante pela Companhia das letras (1988)
>>> Tebas do meu coração de Nélida Piñon pela José Olympio (1974)
>>> A república dos sonhos de Nélida Piñon pela Francisco Alves (1984)
>>> O caso Morel de Ruben Fonseca pela Artenova (1973)
>>> E do meio do mundo prostituto só amores guardei do meu charuto/História de amor (Box) de Ruben Fonseca pela Companhia das letras (1997)
>>> A marcha Húngara de Henri Coulonges pela Difel (1994)
>>> A mais que branca de José Geraldo Vieira pela Melhoramentos (1975)
>>> Sobras completas de Nelson Motta pela Nova fronteira (1984)
>>> O Amor é a Melhor Estratégia de Tim Sanders pela Sextante (2003)
>>> Seria trágico... se não fosse cômico: Humor e Psicanálise de Abrão Slavutzky; Daniel Kupermann pela Civilização Brasileira (2005)
>>> Dez Coisas que Eu Amo em Você - Trilogia Bevelstoke Livro 3 de Julia Quinn pela Arqueiro (2020)
>>> S.O.S. Dinâmica de Grupo de Albigenor & Rose Militão pela QualityMark (2001)
>>> Constelação Familiar de Divaldo Franco pela Livraria Espírita Alvorada (2009)
>>> Outlander: A Viajante do Tempo - Livro 1 de Diana Gabaldon pela Saída de Emergência (2014)
>>> Investimentos Inteligentes (Para Conquistar e Multiplicar o Seu Primeiro Milhão) de Gustavo Cerbasi pela Thomas Nelson Brasil (2008)
>>> El Cuaderno de Maya de Isabel Allende pela Sudamericana (2011)
>>> A Cama na Varanda: Arejando Nossas Idéias a Respeito de Amor e Sexo de Regina Navarro Lins pela Rocco (2000)
>>> A Vida é Bela no Trabalho de Dominique Glocheux pela Sextante
>>> Eugène Delacroix 1798-1863: O Príncipe do Romantismo de Gilles Néret pela Taschen (2001)
>>> Agora Aqui Ninguém Precisa de Si de Arnaldo Antunes pela Companhia das Letras (2015)
>>> Nu de Botas de Antonio Prata pela Companhia das Letras (2013)
>>> Trilogia Suja de Havana de Pedro Juan Gutiérrez pela Companhia das Letras (1999)
>>> As Religiões no Rio de João do Rio pela Jose Olympio (2015)
>>> A Teoria da Causa Madura no Processo do Trabalho de Ben-hur Silveira Claus pela Ltr (2019)
>>> Pimentas de Raul Lody pela Nacional (2018)
>>> Zen a a Arte de Manutenção de Motocicletas de Robert M. Pirsig pela Paz e Terra (1984)
>>> Monobloco - uma Biografia de Leo Morel pela Azougue (2015)
>>> Lei Antiterror Anotada - Lei 13. 260 de Acácio Miranda Silva Filho, Alex Wilson Ferreira pela Foco (2018)
>>> Marketing de Nichos de Alexandre Luzzi las Casas pela Atlas (2015)
COLUNAS

Sexta-feira, 23/7/2010
Arte e liberdade
Diogo Salles

+ de 7700 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Certa vez, aqui mesmo, no Digestivo, falei sobre o trabalho social do qual faço parte. Expliquei qual é o conceito de solidariedade em pessoas que acreditam, movidas pelo desejo verdadeiro de ajudar outras pessoas. E fico feliz de ter feito parte dos anos iniciais dessa ação, onde o orçamento era sempre apertado e tínhamos de renunciar a muita coisa para estar lá. É impressionante quanta coisa boa se pode fazer pelas pessoas, navegando totalmente à margem dos rios de dinheiro que os governos despejam em ONGs de fachada.

Antes de participar ativamente das ações, trabalhei nos bastidores, atualizando os diários de bordo e produzindo ilustrações para a Expedição 2000, do projeto Trilhabrasil, o marco zero das diversas ações sociais hoje produzidas pelo Instituto Brasil Solidário. Nos dois anos seguintes, continuei atualizando os diários de bordo, seguindo o rastro do Trilhabrasil no Rally dos Sertões. Em 2003, era hora de colocar a mão na massa. Distribuição de cestas básicas, kits escolares, kits de escovação, bibliotecas... Era a primeira Ação Social oficial do Rally dos Sertões. A partir de 2004, chegaram as oficinas, que foram se multiplicando ao longo dos anos. "Aprenda com o olhar deles", foi o que me disse o Maia (o meu mestre), quando lhe contei que eu estava criando uma Oficina de Desenho. Mais tarde a oficina se desmembrou e criei um curso livre para jovens promissores do traço, trabalho que durou até 2006. Quando a grande oportunidade da minha vida profissional finalmente chegou, fui correr atrás do meu sonho e tive de deixar o trabalho social para trás. São escolhas ― e fiz a minha, com dor no coração. A vida seguiu e, três anos depois, em 2009, recebi uma intimação para comparecer urgentemente a Cabaceiras (PB)...

Cabaceiras, que nome pitoresco. A primeira vez que ouvi falar, estranhei. Quando soube que ali era uma espécie de templo de jovens artistas que despontavam no sertão paraibano, me senti curioso e desafiado. E lá estava eu de volta às oficinas, levando técnicas de desenho a essa molecada que gosta de fazer arte. Antes de seguir viagem, me lembrei da profética frase do Maia (sobre o "olhar"). Em minha palestra, fiz uma longa apresentação em datashow de trabalhos de artistas dos mais variados matizes para aguçar a curiosidade de meus dez alunos. Mostrei um pouco de tudo relacionado à arte gráfica: HQs, heróis, caricatura, tira de humor, charge, cartum... Sempre contextualizando com citações históricas, traçando um perfil do autor e exemplificando os aspectos técnicos do desenho, como luz e sombra, volume, arte final, etc. Enquanto eu falava, reparei bem na expressão de cada um dos meus alunos, que pareciam borbulhar de tanta curiosidade, pareciam buscar respostas para todas as suas inquietações. Eram os tais "olhares". E eu estava ali, vendo tudo de fora, como se olhasse em retrospecto para mim mesmo. Era como olhar para aquele garoto tímido e avoado que fui, sempre imaginando histórias "fantásticas"... E desenhando-as.

Logo que comecei a oficina, uma coisa me incomodava. Percebi que meus alunos enxergavam os livros da mesma maneira que eu lá atrás: uma coisa chata, para fins meramente didáticos. Sempre penso o que teria acontecido se os livros tivessem chegado a mim de uma forma mais agradável (teria mudado minha percepção sobre muitas coisas). Felizmente, os tempos são outros e, buscando desconstruir essa visão, levei-os para uma longa e acurada pesquisa na novíssima biblioteca doada pelo IBS. Pesquisamos os mais variados tipos de livros, com atenção especial aos ilustrados e explicando como funcionava o mercado editorial. É nos livros que os artistas iniciantes sempre encontram as primeiras inspirações. Tomei o cuidado para não transformar aquilo numa imposição (ou numa "coisa chata"). A intenção era instigá-los, pois eu sempre soube que, nessa idade, a cópia é uma coisa natural. O resultado foi imediato: cada um vai pesquisar sozinho os assuntos e livros de seu interesse. No fim, todos voltaram da biblioteca com pelos menos um livro debaixo do braço e já começaram suas "cópias". Descobriram que, além da leitura, existia o trabalho de observação, que define o estilo de um artista. Também fiz as minhas cópias lá no início e sei o quanto essas referências são importantes. É através dessa observação que o artista coloca sua visão no papel. Bem vindos ao mundo da linguagem visual e da arte gráfica.

Outra ideia fixa que detectei era um estranho senso de competição entre eles. Não que a competição seja ruim, mas ali era exagerada. Os gêmeos Fabio Moon e Gabriel Bá, em entrevista ao Roda Viva, explicaram como era a competição entre eles, sempre com um desafiando o outro a melhorar. Esse é o exemplo de competição saudável, mas não era o que acontecia em Cabaceiras. Não havia ali o desejo de desenhar melhor, mas sim o de apenas vencer os concursos que eram feitos periodicamente. Acontece que uma obra de arte é autoral e não cabe em comparações com outras. Nos Salões de Humor, por exemplo, existe uma separação por categorias, com charge, cartum, quadrinhos e caricatura. Nos concursos da escola em Cabaceiras tudo era colocado numa categoria só. Como comparar uma HQ de mangá com uma natureza morta? O resultado era que os meninos eram jogados à sorte de conceitos totalmente subjetivos e das idiossincrasias da comissão julgadora, desvirtuando o conceito de "vitória" ― ou, pior ainda, de "derrota".

A competição pode ser importante em outras áreas, mas na arte ela tem outro sentido, bem menos importante. Uma eventual premiação deve surgir como consequência, e não como objetivo principal. Baseado na minha própria experiência, resolvi transformar esse senso de competição em senso de colaboração ― porque é assim que acontece com os ilustradores que trabalham comigo lá na redação do Estadão. Trocar informações, opiniões, livros e materiais é essencial para que o artista não se feche em seu próprio mundinho. É importante ter uma visão mais arejada e expandir seus próprios conceitos. Ao contrário do que muita gente pensa, opiniões variadas (e divergentes) são extremamente saudáveis numa sociedade. Mais importante ainda é ouvir críticas e saber aceitá-las. E se essas críticas vierem de algum profissional da área ou de alguém credenciado a fazê-las, guarde-as com chave de ouro, pois o caminho que você está procurando pode estar exatamente ali.

Alguns podem achar que esta é uma visão meio romântica (ou purista) da coisa toda, mas, para mim, a arte só atinge as pessoas se ela conseguir transmitir sentimentos verdadeiros. Arte tem de ser livre... Livre de preconceitos, livre de ideias pré-moldadas e ultrapassadas, livre de regras impostas pela sociedade, livre de dogmas religiosos, livre de ideologias políticas. Pelo menos foi isso que vi em todos os grandes artistas que admiro e que me serviram de inspiração lá no início. Todos eles, sem exceção, traziam a contestação em seu trabalho ― por mais diferentes que fossem. Gênios que, cada um à sua maneira, encontraram sua própria linguagem e souberam transportar sua visão de mundo para o papel. É disso que é feito o grande artista. Claro que alguns são mais reconhecidos, outros conseguem aplicar um "valor de mercado" em sua arte, mas, no fim, cada um tem o seu valor. A arte está dentro de cada um ― só que é preciso ir buscá-la, onde quer que esteja. E, antes de entregar para cada aluno quinze itens ― entre HQs, livros e gibis ― que comprei (ou retirei de minha coleção), a lição final: a única competição deles, a partir daquele dia, seria com eles mesmos.

Junior: um talento a ser lapidado
Um dos principais motivos da minha viagem à Paraíba tinha um nome: Edinaldo Laurentino Junior. Quando me disseram do que esse moleque era capaz com um papel e lápis nas mãos, não duvidei, pois sempre tive a consciência de que o talento nato existe. E era o caso do Junior ― como ele gosta de ser chamado. Quadrinhos, ilustração, heróis, cartum, ele transitava com desenvoltura por diversas linguagens. Sabendo das dificuldades de se encontrar o material adequado no meio do sertão paraibano, procurei ir munido de canetas especiais, blocos, lápis de cor, etc. Junior já era um artista formado. Ideias criativas, traços confiantes, cores vivas, grande noção de luz e sombra, volume e perspectiva.

Mas meu trabalho se mostraria um pouco mais complexo do que uma mera aula técnica. O problema dele era outro: a rebeldia. Já demonstrando o ar blasé, meio preguiçoso e "bon vivant" dos artistas mais boêmios, ele demonstrava displicência e pouca obstinação. Os desenhos, quase todos eles, eram deixados pela metade, permanecendo inacabados. Junior se desapegava deles muito antes da arte final. Nas histórias em quadrinhos, suas tramas esbarravam em uma linguagem hermética e com erros primários de português. Não havia outra coisa a fazer. Eu precisava tirá-lo de sua zona de conforto: "como você quer escrever um roteiro de HQ se você nem ao menos sabe escrever uma redação?". Aos 15 anos, com quatro repetências na escola e ainda cursando a sexta série do ensino fundamental, procurei passar a ele o valor do estudo e do esforço intelectual para a carreira de um artista. Expliquei a ele que existem centenas de artistas talentosos por aí, mas só alguns estão nos grandes circuitos internacionais, recebendo prêmios e tendo seus trabalhos reconhecidos. Procurei não soar moralista, mas sabia que alguém, algum dia, teria de confrontá-lo com essa realidade, por mais inconveniente que fosse.

O talento ele sempre teve e o material ele agora tinha. O que faltava era aquela teimosia, típica de artista, de querer viver exclusivamente de sua arte. Isso é uma decisão pessoal de cada um, e não poderia forçá-lo a nada. Mas espero que eu o tenha influenciado de alguma forma. Se ele aparecer como um dos grandes nomes da HQ no futuro, para mim, não será surpresa. A lição final da oficina valeu especialmente para ele: agora a competição do Júnior é contra ele mesmo.

Nota do editor
Trechos dessa coluna estão no livro Caminhos de um Brasil solidário.

Leia também
"Coque, o violeiro de uma mão só"
"Solidariedade é ação social"

Para ir além






Diogo Salles
São Paulo, 23/7/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Mas se não é um coração vivo essa linha de Elisa Andrade Buzzo
02. estar onde eu não estou de Luís Fernando Amâncio
03. Entre livros e Moleskines de Marta Barcellos
04. Letras de Pilar Fazito
05. O primeiro Show do Milhão a gente nunca esquece de Daniela Sandler


Mais Diogo Salles
Mais Acessadas de Diogo Salles em 2010
01. Eric Clapton ― envelhecendo como um bluesman - 9/2/2010
02. Arte e liberdade - 23/7/2010
03. O filme do Lula e os dois lados da arquibancada - 19/1/2010
04. Shows da década (parte 1) - 16/3/2010
05. Shows da década (parte 2) - 20/4/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/7/2010
23h19min
Parabéns por essa profunda descrição, é de atitude que se fundamenta uma história. E graças aos nossos mestres a gente conhece bem essa tal de atitude.
[Leia outros Comentários de Wander ]
24/7/2010
00h36min
Viajei neste Rally pela trilha dos caminhos e um Brasil descabaçado dos ditadores das artes, para contemplar o "olhar" de beleza e maestria, no conceito do que é de fato a Solidariedade, a competência e a integração de um grande artista com a comunidade desejosa de participar. Quisera tantos outros projetos viajassem por este nosso imenso Brasil, seara aberta para tantos gênios do futuro, que poderiam estar sendo despertados hoje. Parabéns! Ass.: Celito Medeiros (Artista Plástico)
[Leia outros Comentários de Celito Medeiros]
24/7/2010
19h36min
Adorei esse artigo. Falou tudo que me habita e em que acredito também. Tenho muita vontade de trabalhar com o social como jornalista e artista. Que delícia ler sua experiência e suas reflexões. Grata! Paula Ribas
[Leia outros Comentários de Paula Ribas]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMUNICAÇÃO COM OS ANJOS E OS DEVAS - 1ª EDIÇÃO
DOROTHY MACLEAN
PENSAMENTO
(2001)
R$ 25,95



A GAROTA INGLESA
DANIEL SILVA
ARQUEIRO
(2015)
R$ 130,00



O EXAME DE LATIM (EDIÇÃO B - SEM PONTOS)
NICOLAU FIRMINO
SIMÕES LOPES E OUTRAS
(1941)
R$ 32,28



THE VITAMINS - CHEMISTRY, PHYSIOLOGY, PATHOLOGY VOL III
W. H. SEBRELL JR ROBERT S. HARRIS
ACADEMIC PRESS
(1954)
R$ 31,98



DENUNCIAÇÃO DA LIDE NO DIREITO PROCESSUAL CIVIL BRASILEIRO
SYDNEY SANCHES
REVISTA DOS TRIBUNAIS (SP)
(1984)
R$ 31,28



FILOSOFAR PELO FOGO ANTOLOGIA DE TEXTO ALQUÍMICOS
FRANÇOISE BONARDEL
MADRAS
(2012)
R$ 68,61



NOVÍSSIMO CURSO VESTIBULAR NOVA CULTURAL HISTÓRIA DO BRASIL 1 E 2
CLARENCE JOSÉ DE MATOS
NOVA CULTURAL
(1991)
R$ 20,00



SOCIEDADES POR QUOTAS
AGOSTINHO ANTONIO F. CADETE
ELCLA (PORTO)
(1992)
R$ 26,82



SEXO DEFINITIVO-TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE SEXO SENSUALIDADE
JUDY BASTYRA
MADRAS
(2013)
R$ 99,00



TABLEAUX SYNOPTIQUES D EXPLORATION CHIRURGICALE DES ORGANES
DOCTEUR CHAMPEAUX
J-B BAILLIÈRE ET FILS
(1901)
R$ 75,87





busca | avançada
74271 visitas/dia
2,0 milhões/mês