Não presta, mas vá ver | Carla Ceres | Digestivo Cultural

busca | avançada
74889 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Festival Halleluya em São Paulo realizará ação solidária para auxiliar as famílias no RS
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Vida Virtual? Quase 10 anos de Digestivo
>>> Florbela Espanca, poeta
>>> Mamãe falhei
>>> À procura de barranco
>>> As armas e os barões
>>> 11 de Setembro e a Era do Terror
>>> Sobre as ilusões perdidas
>>> Mistérios Literários
>>> Vendem-se explicações do Planeta dos Macacos
>>> Caminho para a Saúde
Mais Recentes
>>> O Herói Perdido de Rick Riordan pela IntrÍnseca (2011)
>>> Sem Folego de Brian Selznick pela Sm (2012)
>>> Manual De Metodos E Tecnicas De Pesquisa Cientifica de Izequias Estevam Dos Santos pela Impetus (2016)
>>> A Droga Da Obediência de Pedro Bandeira pela Moderna (2014)
>>> Compliance: Como Implementar de Marcos Assi pela Trevisan (2018)
>>> Nate Está Na Área de Lincoln Peirce pela Sextante (2014)
>>> Nós de Mauricio Negro pela Companhia Das Letrinhas (2019)
>>> Análise Técnica Clássica de Flávio Lemos, Celso Cardoso pela Saraiva (2010)
>>> Zumbizito: Descubra Seu Segredo de Kevin Bolger pela Novo Século (2012)
>>> Entrevista de Clarice Lispector pela Rocco (2007)
>>> Drogas: sua Liberdade Por um Fio de Denise Ortega pela Nova (2008)
>>> A Droga Do Amor de Pedro Bandeira pela Moderna (2014)
>>> O pulo da Carpa! de André Gravatá pela Sm (2022)
>>> Desmontando A Arara de Renata Bueno pela Ftd (2010)
>>> É Possível Superar A Violência Na Escola? de Luciene Regina Paulino Tognetta pela Do Brasil (2012)
>>> Sentidos De Milicia: Entre A Lei E O Crime de Greciely Cristina Da Costa pela Unicamp (2014)
>>> Odisseia Em Quadrinhos de Silvana Salerno pela Ftd (2022)
>>> Passaro Amarelo de Olga de Dios pela Boitatá (2016)
>>> Implantação De Inovações Curriculares Na Escola: A Perspectiva Da Gestão de Esther Carvalho pela Cla (2019)
>>> Metodologia OPEE: 20 Anos Inspirando Projetos de Vida de Leo Fraiman pela Ftd (2023)
>>> A Mala Maluca de Donaldo Buchweitz pela Ciranda Cultural (2021)
>>> O Sangue Do Olimpo: Os Herois Do Olimpo de Rick Riordan pela Intrínseca (2014)
>>> O Sonho Transdisciplinar E As Razões Da Filosofia de Hilton Japiassu pela Imago (2006)
>>> A Importância De Ser Prudente, Um Marido Ideal E Outras Peças de Oscar Wilde pela Veríssimo (2024)
>>> O Sucesso Jamais Será Perdoado - A Autobiografia Do Barão De Mauá de Irineu Evangelista De Souza pela Avis Rara (2024)
COLUNAS

Quinta-feira, 26/4/2012
Não presta, mas vá ver
Carla Ceres
+ de 3800 Acessos

Dizem que, um dia, os computadores ocuparão o lugar dos críticos e comentaristas de arte. Se esse momento chegar, perderei uma de minhas grandes diversões: ler uma porção de comentários discordantes sobre filmes ou livros e tentar adivinhar o que os provocou.

Somente leitores muito ingênuos acreditam em críticas imparciais. Quem acompanha o jornalismo cultural já sabe que comentaristas escrevem de acordo com suas preferências e não devem atrapalhar os interesses das firmas para as quais trabalham. Quando procuramos a opinião de um jornalista a quem costumamos acompanhar, temos em mente seus gostos e damos um desconto para seus exageros tendenciosos.

O problema é que poucas pessoas têm tempo para descobrir que fulano é elitista, beltrano é adorador de Woody Allen e sicrano é um vendido. Assim alguns sites de comentários sobre filmes e livros tornam-se mais fidedignos do que jornais e revistas de grande circulação. Isso acontece porque a maioria desses sites diz claramente a que veio, interessa-se pela opinião dos visitantes e tira dúvidas. Um comentarista sério, na internet ou na mídia impressa, assume suas preferências, não faz propaganda como se fosse crítica e resiste às tentações de falar mal para causar polêmica, ou elogiar para agradar fã-clubes.

Na internet, polêmicas e fãs fazem o contador de visitas disparar, portanto, num primeiro momento, favorecem o site. É comum um filme receber críticas favoráveis no início e, logo depois, pelo bem da controvérsia, ser reduzido a pó. O oposto raramente acontece, não apenas porque elogios geram menos page views do que um comentário arrasador, mas pelo simples motivo de que é preciso coragem para tentar resgatar uma obra da lata de lixo onde crítica e público a jogaram.

O filme A casa dos sonhos (Dream house), um thriller psicológico de 2011, por exemplo, obteve boas críticas iniciais, mas depois levou dezenas de tomates podres por motivos que nada tinham a ver com a obra em si. Certo, a produção teve muitos problemas a ponto de o próprio diretor, Jim Sheridan, pedir que retirassem seu nome dos créditos. Pedido indeferido.

A pá de cal veio com um trailer desastroso que contava quase toda a história e deixava a impressão de que se tratava de um filme de terror. Críticos e público não perdoaram. Tacharam A casa dos sonhos de "previsível", "arrastado" e "pouco assustador". Ao mesmo tempo, afirmaram sentir-se enganados porque não era o que o trailer os levara a esperar.

Há muita incoerência aí. Como um filme previsível, cuja história sabíamos de antemão, consegue frustrar nossas expectativas? Podemos considerar um thriller psicológico ruim porque ele não é um filme de terror? O simples fato de conhecermos parte do enredo antecipadamente desqualifica uma obra de ficção? Se desqualifica, deveríamos proibir trailers e banir os clássicos como Romeu e Julieta?

Considero A casa dos sonhos um bom filme dentro de seu gênero, mas vítima de um trailer infeliz e da má vontade dos críticos, que, por sua vez, influenciaram o público. Exatamente o oposto de A mulher de preto (The woman in Black), terror gótico de 2012, pretensiosamente anunciado como "a mais arrepiante história de fantasma do nosso tempo".

A presença do ator Daniel Radcliffe no papel principal atraiu aos cinemas muitos dos fãs que acompanharam, por anos, suas atuações como o jovem bruxo Harry Potter. A mulher de preto recebeu elogios generosos, embora seja lento, previsível e tenha um roteiro ideal para um ator fraco. Daniel precisou apenas manter uma expressão de tédio angustiado enquanto o cenário e a atmosfera faziam o resto.

Histórias de fantasmas e casas mal assombradas existem há séculos e vêm evoluindo. No início, eram vistas como pertencentes ao domínio do sobrenatural. Aos poucos, ganharam uma interpretação psicológica. Parte do charme das histórias de terror atuais está em tentar determinar a fonte do mal - sobrenatural ou psicológica - porque, dependendo da origem, mudam as forma de combate. Um autor eficiente procurará manter a dúvida até o fim, criando uma narrativa coerente sob ambas as abordagens.

A mulher de preto ignora toda a evolução do gênero. Desde o trailer, opta pelo sobrenatural moroso. Se até os filmes de Frankenstein evoluem e ganham novas leituras, nada impediria A mulher de preto de ser menos antiquado. Alguns críticos até admitiram que o filme não era lá grande coisa, mas concluíram que deveria ser visto para conferir a atuação de Radcliffe em seu primeiro longa pós-Potter. Isso equivale a dizer "Não presta, mas vá ver".

Nota do Editor
Carla Ceres mantém o blog Algo além dos Livros. http://carlaceres.blogspot.com/


Carla Ceres
Piracicaba, 26/4/2012

Mais Carla Ceres
Mais Acessadas de Carla Ceres em 2012
01. Na calada do texto, Bentinho amava Escobar - 8/11/2012
02. Liberdade de crença e descrença - 4/10/2012
03. Memórias de ex-professoras - 8/3/2012
04. O céu tornou-se legível - 3/5/2012
05. Dono do próprio país - 31/5/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Taça Escarlate
Luciane Monteiro
Inverso
(2019)



Livro Infantil Guilherme Augusto Araújo Fernandes
Mem Fox
Brinque Book
(2009)



Crianças Sem Problemas
Eduardo Goldenstein
Clinch
(1992)



Livro Religião Evangelho Eterno e Orações Prodigiosas
Osvaldo Polidoro
Assahi
(2006)



Exames de Oab: Testes e Comentarios 4º Edição
Varios Autores
Premier Maxima
(2007)



Anasquistas Graças a Deus
Zélia Gattai
Circulo do Livro
(1987)



Desorientais Hai-kais
Alice Ruiz S
Iluminuras
(2006)



Conhecendo Argamassa
Fernando Antonio Piazza Recena
Edipucrs
(2007)



Desembarcando o colesterol
Fernando Lucchese
Sesi
(2010)



Uma Ponte Para a Sociedade Sustentável
Henrique Rattner
Senac
(2012)





busca | avançada
74889 visitas/dia
2,4 milhões/mês