Na calada do texto, Bentinho amava Escobar | Carla Ceres | Digestivo Cultural

busca | avançada
72073 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> OSC Usina da Imaginação, de SC, apresenta obras de crianças e jovens produzidas na pandemia
>>> Poeta paulista lança “O que habita inabitáveis lugares” abordando as relações humanas durante a pand
>>> Biografias e Microrroteiros do Parque
>>> MONUMENTOS NA ARTE: O OBJETO ESCULTÓRICO E A CRISE ESTÉTICA DA REPRESENTAÇÃO
>>> Cia Triptal faz ensaios abertos para Pedreira das Almas, de Jorge Andrade
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O lado A e o lado B de Durval Discos
>>> Stabat Mater, de Giovanni Battista Pergolesi
>>> Açaí com jabá - curta-metragem
>>> End User: We read the manuals
>>> Vivo
>>> Águas de Março
>>> Quando o virtual cai na real
>>> Um Amor Anarquista
>>> ego shots fazem bem à saúde
>>> Curso de Criação Literária
Mais Recentes
>>> Tex Nº 247 de G. L. Bonelli pela Globo (1990)
>>> Os gansos selvagens de Bassan de Anne Hébert pela Guanabara (1986)
>>> Tex Nº 244 de G. L. Bonelli pela Globo (1990)
>>> Deixemos falar o vento de Juan Carlos Onetti pela Francisco Alves (1981)
>>> Tex Coleção Nº 125 de G. L. Bonelli pela Globo (1997)
>>> Tex Nº 303 de G. L. Bonelli pela Globo (1994)
>>> Tex Coleção Nº 33 de G. L. Bonelli pela Globo (1989)
>>> A Sutil Arte de Ligar o Foda-se de Mark Manson pela Intrinseca (2017)
>>> Desenho Mecânico de José Oliveira, Luiz Fiorani, Luiz Junior e Luiz Bonasi pela Tetra
>>> Desenho Técnico de José Oliveira, Luiz Fiorani, Luiz Junior e Luiz Bonasi pela Tetra
>>> História da gastronomia paulista de História da gastronomia paulista pela Sem
>>> Resgate de um cão de Patricia Highsmith pela Brasiliense (1989)
>>> O resgate do tigre de Colleen Houck pela Arqueiro (2012)
>>> Small G de Patricia Highsmith pela Mandarim (1996)
>>> As Brumas de Avalon - A Grande Rainha - livro 2 de Marion Zimmer Bradley pela Imago (1989)
>>> O amor não tem limites de Amadeu Ribeiro pela Vida & Consciência (2013)
>>> Fabulosos X-Men: Revolução de Brian Michael Bendis pela Panini Comics (2015)
>>> As Brumas de Avalon - A Senhora da Magia - livro 1 de Marion Zimmer Bradley pela Imago (1989)
>>> O diário de Edith de Patricia Highsmith pela Brasiliense (1989)
>>> Desperta ao amanhecer de C.C. Hunter pela Jangada (2012)
>>> O grito da coruja de Patricia Highsmith pela Brasiliense (1988)
>>> A maldição do tigre de Colleen Houck pela Arqueiro (2011)
>>> Cela de vidro de Patricia Highsmith pela Brasiliense (1990)
>>> Thor: Em Nome do Pai de J. Michael Straczynski pela Panini Comics (2012)
>>> O manual do bruxo de Allan Zola Kronzek pela Sextante (2003)
COLUNAS

Quinta-feira, 8/11/2012
Na calada do texto, Bentinho amava Escobar
Carla Ceres

+ de 11000 Acessos

"Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades", assim começava o soneto de um senhor poeta outrora mui estudado por estas plagas, um tal de Luís Vaz de Camões. Quer ler? Clique aqui. Não conhece e não quer ler? Não tem importância. O sujeito era machista e preferia salvar a nado um poema quilométrico em vez de livrar sua musa da morte por afogamento. Bem, isso é o que dizem. E tem mais: era um bajulador da monarquia, portanto seus poemas, embora bem escritos, estão impregnados de valores antidemocráticos e ideologia colonialista. Imagine o perigo de ler um sujeito desses.

Agora um spoiler. Cuidado que vou contar o fim do soneto! O autor termina dizendo "Que não se muda já como soía". Traduzindo esse verso antiquado de quem viveu bem no meio do século XVI: o gajo quer dizer que não se muda mais como se costumava mudar. Nisso ele acertou. Mudamos mais rápido, por causa da tecnologia. Como leitores, sofremos influência da TV, da internet, dos inúmeros aparelhos que permitem a troca de mensagens escritas e acesso a redes sociais.

O Brasileiro, em especial, é sociável e noveleiro. Antes de entrar pra escola, já começou sua alfabetização audiovisual e, daí pra frente, continua pensando o mundo como teledramaturgia. Raciocina em termos de vilões e mocinhos, procura uma justiça maniqueísta, fecha-se em grupos homogêneos para combater outros grupos ou até indivíduos de opinião contrária. Temos grandes problemas em perceber tons de cinza. Pudera! Utilizamos personagens de telenovela como parâmetro para compreender os motivos e intenções de quem nos cerca. Falta-nos o acesso à complexidade emocional que só a boa literatura tem condições de oferecer.

Acontece que o raciocínio simplista abomina a complexidade. Procura valores absolutos. Por isso lida mal com a arte e os artistas. Quando endeusa um autor, recusa-se a ver qualquer aspecto questionável em sua obra. Mas se, de repente, descobre-lhe alguma falha, sente-se traído e adere à primeira campanha para mutilar seus trabalhos ou bani-los da face da Terra.

A alfabetização audiovisual do brasileiro médio não chega a completar-se. Identificamos conflitos em tramas ficcionais, mas quantos de nós percebem as técnicas de manipulação e sedução presentes nos comerciais e na propaganda política? E quanto à propaganda fora dos intervalos comerciais? Detectamos merchandisings tão rápido quanto percebemos um triângulo amoroso se formando? Quantos estão conscientes de que os telejornais, supostamente neutros, servem aos interesses de seus proprietários? Sim, muita gente já ouviu dizer que a televisão pode manipular os fatos. Somente uns poucos se dão conta quando isso acontece diante de seus olhos.

Ainda assim, estamos melhor preparados para interpretar narrativas audiovisuais do que textos cheios de letrinhas. Isso não se deve apenas ao fato de 38% de nossos universitários serem analfabetos funcionais. Sim, isso é vergonhoso, mas a tecnologia e o consumismo vão ajudar a resolver o problema. Graças aos celulares, muitos analfabetos e semianalfabetos estão voltando a estudar com o objetivo de mandar mensagens de texto aos parentes e amigos. Acontece que mesmo algumas pessoas letradas sofrem para acompanhar textos literários e só se aproximam deles com uma reverência quase paralisante.

Temos pouca intimidade com a literatura. Ao nos aproximarmos de Dom Casmurro, por exemplo, já sabemos o que procurar na obra e qual é a leitura aceita pelos professores que corrigirão as provas do vestibular. Nossa reverência permite, no máximo, que discutamos se Capitu traiu ou não traiu Bentinho. Ora, mudam-se os tempos e os leitores não mudam? Pois bem, se Dom Casmurro fosse uma novela comum, sem o peso das opiniões dos especialistas a seu respeito, muitos leitores modernos aventariam a hipótese de que Bentinho fosse, na verdade, apaixonado por Escobar, hipótese bastante plausível e já levantada pela crítica moderna. O romance se enriquece bastante quando abordado também por esse ângulo, mas por que precisamos esperar que os doutores em literatura levantassem a lebre? Como não vimos isso antes? Estamos, por acaso, presos à ideia de que a bissexualidade não existia no século XIX?

Cada época tem um modo próprio de abordar questões antigas. Machado não podia nem pretendeu ser mais explícito do que foi. Seu romance era realista, mas não era telenovela. Não tinha por objetivo saber quem dormiu com quem. Um leitor menos reverente poderia apreciar outros aspectos importantes da obra, como a ironia e a "sinceridade" de um narrador que talvez não admitisse nem para si mesmo quais eram seus verdadeiros sentimentos e motivações.

Nota do Editor
Carla Ceres mantém o blog Algo além dos Livros. http://carlaceres.blogspot.com/


Carla Ceres
Piracicaba, 8/11/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cinco Sugestões a Autores de Ficção Científica de Duanne Ribeiro
02. Balanço geral de 2008 de Débora Costa e Silva
03. Querido, eu me rendo de Adriana Baggio


Mais Carla Ceres
Mais Acessadas de Carla Ceres em 2012
01. Na calada do texto, Bentinho amava Escobar - 8/11/2012
02. Liberdade de crença e descrença - 4/10/2012
03. Memórias de ex-professoras - 8/3/2012
04. O céu tornou-se legível - 3/5/2012
05. Dono do próprio país - 31/5/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Teoria e Prática da Ação Possessória
Christiano Almeida do Valle
Aide
(1985)



Dicionário de Pintores Brasileiros 2 Vol.
Vários
Spala Bozano Simonsen
(1986)



Francisco candido xavier
Fonte viva pelo espirito emmanuel
Feb
(1972)



Desenho para o Curso Colegial
Sennem Bandeira
Aurora
(1957)



Sexo x Afeto - o Grande Desafio
Sheiva Cherman
Sathya



As Max Saw It
Louis Begley
Knopf
(1994)



Ultrapassando limites
Annie Bryant
Fundamento
(2010)



No Inferno
George P. Pelecanos
Companhia das Letras
(2008)



A Odisseia - Coleção Mitologia Helênica
Homero; Tradução: Menelaos Stephanides
Odysseus
(2011)



As melhores histórias da mitologia
A.S. Franchini
L&Pm
(2012)





busca | avançada
72073 visitas/dia
1,8 milhão/mês