Na calada do texto, Bentinho amava Escobar | Carla Ceres | Digestivo Cultural

busca | avançada
29939 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Até você se recompor
>>> Lobão e Olavo de Carvalho
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Crítica à arte contemporânea
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
Mais Recentes
>>> Aí vem o sonhador de Ronald S. Wallace pela Vida (2014)
>>> Cantando ao Senhor de D. Martyn lloyd- Jones pela Pes (2013)
>>> A vida crucificada de A.w. tozer pela Vida (2013)
>>> Relógio de Pandora de John J. Nance pela Record
>>> A Vinha do Desejo de Sylvio Back pela Geração Editorial (1993)
>>> Mana Silvéria de Canto e Melo pela Civilização Brasileira (1961)
>>> O Ladrão de Palavras de Marco Túlio Costa pela Record (1983)
>>> Belle Époque de Max Gallo pela Globo/ RJ. (1989)
>>> Sonetos (livro de Bolso) de Antero de Quental pela Edições Cultura/ SP.
>>> O Imprecador de René-Victor Pilhes pela Círculo do Livro
>>> Escola de Mulheres (Capa dura) de Molière (Tradução): Millôr Fernandes pela Circulo do Livro (1990)
>>> Vida Incondicional de Deepak Chopra pela Best Seller (1991)
>>> Poesias Escolhidas de Sá de Miranda pela Itatiaia (1960)
>>> Prosas Históricas de Gomes Eanes De Zurara pela Itatiaia (1960)
>>> Historiadores Quinhentistas de Rodrigues Lapa (Seleção pela Itatiais (1960)
>>> Os Oceanos de Vênus de Isaac Asimov pela Hemus (1980)
>>> O Vigilante de Isaac Asimov pela Hemus (1976)
>>> Today and Tomorrow And... de Isaac Asimov pela Doubleday & Company (1973)
>>> Como Fazer Televisão de William Bluem pela Letras e Artes (1965)
>>> Clipper Em Rede - 5. 01 de Gorki da Costa Oliveira pela Érica (1999)
>>> Para Gostar de Ler - Volume 7 - Crônicas de Carlos Eduardo Novaes e outros pela Ática (1994)
>>> londres - American Express de Michael jackson pela Globo (1992)
>>> Programando em Turbo Pascal 5.5 inclui apêndice da versão 6.0 de Jeremy G. Soybel pela Makron Books (1992)
>>> Lisa- Biblioteca do Ensino Médio -vol. 7 - Ciências - Minerais e sua pesquisa de Aurélio Bolsanelo pela Livros Irradiantes (1973)
>>> Ciências - Corpo Humano de Francisco Andreolli pela Do Brasil (1988)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1976)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1977)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1977)
>>> A World on Film de Stanley Kauffmann pela Harper & Row (1966)
>>> American Wilderness de Charles Jones pela Goushã (1973)
>>> Brazil on the Move de John dos Passos pela Company (1963)
>>> A Idade Verdadeira ( Sinta-se mais Jovem cada dia) de Michael R. Roizen M.D. pela Campus (2007)
>>> The Experience of America de Louis Decimus Rubin pela Macmillan Company (1969)
>>> Regions of the United States de H. Roy Merrens pela Nally & Company (1969)
>>> The Making of Jazz de James Lincoln Collier pela Company (1978)
>>> The Borzoi College Reader de Charles Muscatine pela Alfred. A. Knopf
>>> Architecture in a Revolutionary Era de Julian Eugene Kulski pela Auropa (1971)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> Talento para ser Feliz de Leila Navarro pela Thomas Nelson Brasil (2009)
>>> Trappers of the West de Fred Reinfeld pela Crowell Company (1957)
>>> Familiar Animals of America de Will Barker pela Alastair (1956)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> O Outro Lado do Céu de Arthur C. Clarke pela Nova Fronteira (1984)
>>> international human rights litigation in U. S. courts de Beth stephens pela Martiuns (2008)
>>> the round dance book de Lloyd shaw pela Caxton printers (1949)
>>> Fonte de Fogo de Anne Fraisse pela Maud (1998)
>>> The Story of Baseball de John Durant pela Hastings House (1947)
>>> Dicionário de Clínica Médica - 4 volumes de Humberto de Oliveira Garboggini pela Formar
>>> Modern artists na art de robert L. Hebert pela A spectrum book (1964)
>>> A Treasury of American Folklore de Benjamin Albert Botkin pela Crown (1947)
COLUNAS

Quinta-feira, 8/11/2012
Na calada do texto, Bentinho amava Escobar
Carla Ceres

+ de 9600 Acessos

"Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades", assim começava o soneto de um senhor poeta outrora mui estudado por estas plagas, um tal de Luís Vaz de Camões. Quer ler? Clique aqui. Não conhece e não quer ler? Não tem importância. O sujeito era machista e preferia salvar a nado um poema quilométrico em vez de livrar sua musa da morte por afogamento. Bem, isso é o que dizem. E tem mais: era um bajulador da monarquia, portanto seus poemas, embora bem escritos, estão impregnados de valores antidemocráticos e ideologia colonialista. Imagine o perigo de ler um sujeito desses.

Agora um spoiler. Cuidado que vou contar o fim do soneto! O autor termina dizendo "Que não se muda já como soía". Traduzindo esse verso antiquado de quem viveu bem no meio do século XVI: o gajo quer dizer que não se muda mais como se costumava mudar. Nisso ele acertou. Mudamos mais rápido, por causa da tecnologia. Como leitores, sofremos influência da TV, da internet, dos inúmeros aparelhos que permitem a troca de mensagens escritas e acesso a redes sociais.

O Brasileiro, em especial, é sociável e noveleiro. Antes de entrar pra escola, já começou sua alfabetização audiovisual e, daí pra frente, continua pensando o mundo como teledramaturgia. Raciocina em termos de vilões e mocinhos, procura uma justiça maniqueísta, fecha-se em grupos homogêneos para combater outros grupos ou até indivíduos de opinião contrária. Temos grandes problemas em perceber tons de cinza. Pudera! Utilizamos personagens de telenovela como parâmetro para compreender os motivos e intenções de quem nos cerca. Falta-nos o acesso à complexidade emocional que só a boa literatura tem condições de oferecer.

Acontece que o raciocínio simplista abomina a complexidade. Procura valores absolutos. Por isso lida mal com a arte e os artistas. Quando endeusa um autor, recusa-se a ver qualquer aspecto questionável em sua obra. Mas se, de repente, descobre-lhe alguma falha, sente-se traído e adere à primeira campanha para mutilar seus trabalhos ou bani-los da face da Terra.

A alfabetização audiovisual do brasileiro médio não chega a completar-se. Identificamos conflitos em tramas ficcionais, mas quantos de nós percebem as técnicas de manipulação e sedução presentes nos comerciais e na propaganda política? E quanto à propaganda fora dos intervalos comerciais? Detectamos merchandisings tão rápido quanto percebemos um triângulo amoroso se formando? Quantos estão conscientes de que os telejornais, supostamente neutros, servem aos interesses de seus proprietários? Sim, muita gente já ouviu dizer que a televisão pode manipular os fatos. Somente uns poucos se dão conta quando isso acontece diante de seus olhos.

Ainda assim, estamos melhor preparados para interpretar narrativas audiovisuais do que textos cheios de letrinhas. Isso não se deve apenas ao fato de 38% de nossos universitários serem analfabetos funcionais. Sim, isso é vergonhoso, mas a tecnologia e o consumismo vão ajudar a resolver o problema. Graças aos celulares, muitos analfabetos e semianalfabetos estão voltando a estudar com o objetivo de mandar mensagens de texto aos parentes e amigos. Acontece que mesmo algumas pessoas letradas sofrem para acompanhar textos literários e só se aproximam deles com uma reverência quase paralisante.

Temos pouca intimidade com a literatura. Ao nos aproximarmos de Dom Casmurro, por exemplo, já sabemos o que procurar na obra e qual é a leitura aceita pelos professores que corrigirão as provas do vestibular. Nossa reverência permite, no máximo, que discutamos se Capitu traiu ou não traiu Bentinho. Ora, mudam-se os tempos e os leitores não mudam? Pois bem, se Dom Casmurro fosse uma novela comum, sem o peso das opiniões dos especialistas a seu respeito, muitos leitores modernos aventariam a hipótese de que Bentinho fosse, na verdade, apaixonado por Escobar, hipótese bastante plausível e já levantada pela crítica moderna. O romance se enriquece bastante quando abordado também por esse ângulo, mas por que precisamos esperar que os doutores em literatura levantassem a lebre? Como não vimos isso antes? Estamos, por acaso, presos à ideia de que a bissexualidade não existia no século XIX?

Cada época tem um modo próprio de abordar questões antigas. Machado não podia nem pretendeu ser mais explícito do que foi. Seu romance era realista, mas não era telenovela. Não tinha por objetivo saber quem dormiu com quem. Um leitor menos reverente poderia apreciar outros aspectos importantes da obra, como a ironia e a "sinceridade" de um narrador que talvez não admitisse nem para si mesmo quais eram seus verdadeiros sentimentos e motivações.

Nota do Editor
Carla Ceres mantém o blog Algo além dos Livros. http://carlaceres.blogspot.com/


Carla Ceres
Piracicaba, 8/11/2012


Mais Carla Ceres
Mais Acessadas de Carla Ceres em 2012
01. Na calada do texto, Bentinho amava Escobar - 8/11/2012
02. Liberdade de crença e descrença - 4/10/2012
03. Memórias de ex-professoras - 8/3/2012
04. O céu tornou-se legível - 3/5/2012
05. Dono do próprio país - 31/5/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BARBIE, A PEQUENA ESTILISTA - 1ª ED.
CIRANDA CULTURAL
CIRANDA CULTURAL
(2013)
R$ 9,89



UM DIA DAQUELES - UMA LIÇAO DE VIDA PARA LEVANTAR SEU ASTRAL
BRADLE TREVOR GREIVE
SEXTANTE
(2001)
R$ 4,00



SOMBRAS DE JULHO
CARLOS HERCULANO LOPES
ATUAL
(1994)
R$ 7,00



LA VIOLENCIA, EL SEXO Y EL AMOR
GILBERT TORDJMAN
GEDISA
(1981)
R$ 19,82



A REFORMA DA LEI S. A. - ATRAVÉS DA LEI Nº10. 303
THEMISTOCLES PINHO E ÁLVARO PEIXOTO
FREITAS BASTOS
(2002)
R$ 24,28



A ESCOLA E A AGRESSAO DO MEIO AMBIENTE
DEBESSE/ARVISET
DIFEL
(1974)
R$ 6,00



100 PRAIAS QUE VALEM A VIAGEM
RICARDO FREIRE
GLOBO
(2008)
R$ 15,00



OS AVENTUREIROS NA GRUTA DO TESOURO VOL 3
ISABEL RICARDO AMARAT
MULTINOVA
(1999)
R$ 39,60



NAVIO FANTASMA Á VISTA OS MEUS MONSTROS
THOMAS BREZINA
MELHORAMENTOS
(2005)
R$ 4,00



CIÊNCIA DA ADMINISTRAÇÃO
ÁLVARO PÔRTO MOITINHO
ATLAS S. A.
(1963)
R$ 11,00





busca | avançada
29939 visitas/dia
1,1 milhão/mês