Memórias de ex-professoras | Carla Ceres | Digestivo Cultural

busca | avançada
77579 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Clássico de Charles Dickens retrata as misérias sociais da industrialização inglesa
>>> Clube latino-americano de Jazz por streaming terá transmissão gratuita no Brasil
>>> Fora da Casinha realizará apresentações circenses virtuais voltadas para toda família
>>> As Clês narram as vozes femininas do mundo
>>> Programa DIVERSAS estreia na Rádio USP dia 11 de março
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Tiro ao alvo
>>> A TETRALOGIA BUARQUEANA
>>> Bom de bico
>>> Diário oxigenado
>>> Canção corações separados
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Brazil, por Django Reinhardt
>>> A crítica musical
>>> A melhor versão shakespeariana de Kurosawa
>>> Cultura às moscas
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Sobre A Produção Contemporânea
>>> Ingmar Bergman, cada um tem o seu
>>> Entrevista com GermanoCWB
>>> A palavra silenciosa
>>> O menino e o Homem Aranha
Mais Recentes
>>> Pra que serve Matemática ? Geometria de Imenes- Jakubo - Lellis pela Atual
>>> Mário Pedrosa, Retratos do Exílio de Carlos Eduardo de Senna Figueiredo pela Antares (1982)
>>> Pra Que Serve Matemática ? Semelhança de Imenes- Jakubo - Lellis pela Atual
>>> Pra Que Serve Matemática ? Equação do 2º Grau de Imenes- Jakubo - Lellis pela Atual
>>> Pra Que Serve Matemática ? Álgebra de Imenes- Jakubo - Lellis pela Atual
>>> A Viagem de Uma Alma de Peter Richelieu pela Pensamento (1972)
>>> Harry Potter e a Ordem da Fênix de J. K. Rowling pela Rocco (2003)
>>> O Sorriso do Lagarto de João Ubaldo Ribeiro pela Nova Fronteira (1989)
>>> As 10 Mulheres Que Você Vai Ser Até os 35 de Alison James pela Best Seller (2009)
>>> Histórias Extraordinárias de Edgar Allan Poe pela Martin Claret (2001)
>>> Cascata de Luz de Irene Pacheco Machado pela Recanto
>>> O Amanhã a Deus Pertence de Zibia Gasparetto pela Vida & Consciência (2006)
>>> A Insustentável Leveza do Ser de Milan Kundera pela Rio Gráfica
>>> Sheila Levine Está Morta e Vivendo Em Nova York de Gail Parent pela Bertrand Brasil (2007)
>>> Espelho Meu de Edgar J. Hyde pela Ciranda Cultural (2010)
>>> A 2ª Morte de R a Ranieri pela Edifrater (1997)
>>> O Melhor de Mim de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2014)
>>> Cem Melhoramentos Crônicas (que, na Verdade, São 129) de Mario Prata pela Planeta (2007)
>>> Pare de Sofrer de Zibia Gasparetto pela Vida e Consciência (1997)
>>> Harmonização de Francisco Cândido Xavier pela Geem
>>> Mulheres Alteradas 1 de Maitena pela Rocco
>>> Vernon God Little de Dbc Pierre pela Record (2004)
>>> Seja Líder de Si Mesmo de Augusto Cury pela Sextante (2004)
>>> Crônicas para Gostar de Ler Volume 5 de Carlos Drummond de Andrade pela Atica
>>> As Ilusões Perdidas de Honor é de Balzac pela Victor Civita
COLUNAS

Quinta-feira, 8/3/2012
Memórias de ex-professoras
Carla Ceres

+ de 4100 Acessos

Eu também já fui professora, ocupação tradicional em minha família, há quatro gerações. Troquei as aulas de português e inglês pelo comércio de componentes eletrônicos. Minha mãe deixou de lecionar para trabalhar em banco. Minha avó, depois de viúva, trabalhou como funcionária pública no período da manhã, lecionou em um curso noturno e abriu uma escola de datilografia em casa, no período da tarde. Tudo isso, ao mesmo tempo, até aposentar-se.

Ao que parece, nós mulheres temos uma facilidade natural para ensinar, mas nosso verdadeiro talento é sobreviver da melhor maneira possível. Minha tia-bisavó foi convidada para ser diretora da escola suíça onde se formou. Bem que ela quis aceitar, mas seu pai proibiu. O convite lhe pareceu uma ofensa mortal. Onde já se viu uma jovem educada trabalhar de verdade? O melhor era voltar pro Brasil e ser professora, o que não era trabalho, só distração.

Lecionar por desfastio, ocupação de moças finas e cultas, que não precisavam de dinheiro, pois eram bem-nascidas e, em breve, seriam bem casadas. Essas mulheres tinham tempo de sobra para ler, estudar, preparar aulas interessantes e cuidar dos filhos com a ajuda indispensável de empregadas domésticas, profissionais raras e caras hoje em dia. Na época em que mulheres estudiosas só podiam escolher entre ser donas de casa ou lecionar, as professoras eram valorizadas e vistas com respeito. A famosa palmatória, embora doesse bastante, funcionava mais porque o aluno se envergonhava de merecer um castigo físico. A expulsão de um colégio não significava mudar-se para outro, levando uma gloriosa fama de encrenqueiro.

Entrei para a escola aos quatro anos de idade, quando as palmatórias já estavam no esquecimento. Minha mãe me entregou à professora e avisou: "Ela já sabe ler e escrever. Não costuma dar trabalho, mas, se for desobediente, pode bater nela." A professora, que, segundo o costume da época, chamava-se "tia" Zezé, ficou sem jeito, disse que as "tias" eram amigas das crianças, podiam, no máximo, deixar de castigo. Minha mãe insistiu: "Mesmo assim, pode bater." Ela estava falando sério e eu sabia.

O número de moças bem formadas foi insuficiente para abastecer as novas escolas surgidas com a falsa democratização do ensino. Em geral, as melhores professoras iam para estabelecimentos que ofereciam vantagens em termos de salário, localização e clientela. Até aí, nada de novo. A boa educação continuava privilégio de poucos enquanto o restante da população recebia um ensino menos exigente.

As novas professoras, para indignação dos governantes, não trabalhavam por esporte. Lecionavam nos três períodos, não tinham tempo de ilustrar-se, atualizar-se ou preparar aulas. Viviam estressadas, faziam greve. Não queriam mais ser tias postiças, mas profissionais de respeito. Como resposta a essas senhoras, celebrizou-se uma frase atribuída a Paulo Maluf, então governador de São Paulo: "Professora não é mal paga, é mal casada."

Maluf negou a autoria da pérola, mas a frase era sintomática do crescente desrespeito aos professores em geral, tanto às mulheres mercenárias, quanto aos homens que faziam aquele trabalho de mulher.

Quando voltei da Inglaterra, para concluir o curso de Letras, estagiei e peguei aulas como substituta em uma escola estadual. Os alunos primeiro tentaram me amedrontar, fazendo pose de traficantes perigosos (o que, provavelmente, alguns eram), depois uma dupla começou a conversar em um inglês sofrível de quem lavou pratos no exterior. Assustaram-se ao perceber que eu os compreendia: "Você fala inglês, dona? Que que tá fazendo aqui, em vez de ir dar aula numa escola decente?"

Era uma boa pergunta, mais ou menos a mesma que muitas professoras vinham se fazendo: "Por que mulheres inteligentes optariam pelo ensino se podiam escolher outra profissão?"

De acordo com Steven D. Levitt e Stephen J. Dubner, no livro Superfreakonomics, a qualidade do ensino nos Estados Unidos vem baixando porque as mulheres mais inteligentes agora podem optar por profissões de prestígio e alta remuneração em áreas como medicina, direito, economia. Segundo eles, "o exército de professoras do ensino fundamental começou a sofrer drenagem de cérebros."

Atualmente, o estado de São Paulo sofre com a falta de professores de primeiro e segundo graus. Alunos dos primeiros anos de graduação em Letras, por exemplo, já estão trabalhando como professores não apenas de português ou língua estrangeira, mas também de matemática, biologia... Quem quiser voltar a ser professor tem trabalho garantido.

Nota do Editor
Carla Ceres mantém o blog Algo além dos Livros. http://carlaceres.blogspot.com/


Carla Ceres
Piracicaba, 8/3/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meus melhores livros de 2009 de Rafael Rodrigues
02. Matrix, Reloaded e Revolutions de André Pires


Mais Carla Ceres
Mais Acessadas de Carla Ceres em 2012
01. Na calada do texto, Bentinho amava Escobar - 8/11/2012
02. Liberdade de crença e descrença - 4/10/2012
03. Memórias de ex-professoras - 8/3/2012
04. O céu tornou-se legível - 3/5/2012
05. Dono do próprio país - 31/5/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Padrão Estrural do Sistema de Ensino no Brasil
Rejane de Medeiros Cervi
Ibpex
(2005)
R$ 15,00



Le Principe Responsabilite
Hans Jonas
Les Éditions Du Cerf
(1990)
R$ 57,50



Veneno Digital
Walcyr Carrasco
Ática
(2013)
R$ 40,00



Sociologia Guia Alfabético
Jean Duvignaud
Forense Universitária
(1974)
R$ 12,00



Joaquim & Carolina - Uma história de liberdade
Celso Macedo
Brasileiro
(2000)
R$ 12,00



100 Vezes Ique no Estadão
Ique
Estadão
(1997)
R$ 5,00



Guia da Inflação - Inflação para o Povo 7ºedição
Paul Singer
Vozes
(1982)
R$ 7,00



Esboços/Sketches (Artes Plásticas Contemporânea)
Raul Córdula
Funcultura
(2015)
R$ 50,00



Mais Jovem a Cada Dia: um Programa Completo de Vitalidade
Sônia Corazza
Prestígio
(2005)
R$ 5,00



Procedimentos Hormonais 4a edição
Renato Di Dio Jose Carlos Barbério
Padila
(1997)
R$ 12,87





busca | avançada
77579 visitas/dia
2,1 milhões/mês