Memórias de ex-professoras | Carla Ceres | Digestivo Cultural

busca | avançada
33925 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Informação, Redes Sociais e a Revolução
>>> Raul Gil e sua usina de cantores
>>> Os Rolling Stones deveriam ser tombados
>>> Manual prático do ódio
>>> Por que Faraco é a favor da mudança ortográfica
>>> Modernismo e Modernidade
>>> A favor do voto obrigatório
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
>>> Sobre o Ronaldo gordo
>>> A nova escola
Mais Recentes
>>> Oposição Complementar - Opposition Complementaire de Vários Autores pela Os Museus (1996)
>>> Austria In Colour de Kurt Peter Karfeld pela Osterreichische Staatsdruckerei, vienna (1957)
>>> Azincourt de Bernard Cornwell pela Record (2009)
>>> Internet Art - Digital Culture de Ricardo Barreto & Paula Perissinoto pela Imprensa Oficial (2002)
>>> Tempo de Gangorra de Saïd Farhat pela Tag (2023)
>>> Guerra dos Tronos: as Cronicas de Gelo e Fogo - Livro 1 de George R. R. Martin pela Leya (2010)
>>> Inteligência Artificial de Kai-fu Lee pela Globo (2019)
>>> Budismo: Psicologia do Autoconhecimento de Dr. Georges da Silva & Rita Homenko pela Pensamento (1999)
>>> Aços e Ferros Fundidos 6ª Ed de Vicente Chiaverini pela Associação Brasileira de Metal (1990)
>>> Historias Disparatadas de Vic Parker pela Silver Dolphim (2021)
>>> O Monge e o Filosofo: o Budismo Hoje de Jean-françois Revel e Matthieu Ricard pela Mandarim (1998)
>>> Kaplan GMAT 800, 2005-2006 de Vários Autores pela Kaplan Publishing (2005)
>>> Crónica de la Colonia Galesa de la Patagonia de Abraham Matthews pela El Regional (1975)
>>> Le New York de Paul Auster de Gérard de Cortanze , James Rudnick pela Du Chêne (1993)
>>> Effective horsemanship de Noel Jackson pela Arco Publishing (1967)
>>> Livro - Guias de campo- O ceu de Guias de campo pela Escala educacional
>>> Eclipse de Stephenie Meyer pela Intrinseca (2008)
>>> Famílias Terrivelmente Felizes de Marçal Aquino pela Cosac Naify (2003)
>>> Crepusculo de Stephenie Meyer pela Intrinseca (2008)
>>> O Olho Mais Azul de Toni Morrison pela Companhia das Letras (2019)
>>> The White Face de Carl Ruthven Offord pela Robert M. McBride Company (2023)
>>> Belas Maldições de Neil Gaiman Terry Pratchett pela Bertrand do Brasil (2017)
>>> Um dia minha alma se abriu por inteiro de Iyanla Vazant pela Sextante (2000)
>>> Marley e eu de John Grogan pela Prestigio (2006)
>>> Na Companhia de Soldados - o Dia-a-dia da Guerra do Iraque de Rick Atkinson pela Bertrand Brasil
COLUNAS

Quinta-feira, 8/3/2012
Memórias de ex-professoras
Carla Ceres
+ de 4600 Acessos

Eu também já fui professora, ocupação tradicional em minha família, há quatro gerações. Troquei as aulas de português e inglês pelo comércio de componentes eletrônicos. Minha mãe deixou de lecionar para trabalhar em banco. Minha avó, depois de viúva, trabalhou como funcionária pública no período da manhã, lecionou em um curso noturno e abriu uma escola de datilografia em casa, no período da tarde. Tudo isso, ao mesmo tempo, até aposentar-se.

Ao que parece, nós mulheres temos uma facilidade natural para ensinar, mas nosso verdadeiro talento é sobreviver da melhor maneira possível. Minha tia-bisavó foi convidada para ser diretora da escola suíça onde se formou. Bem que ela quis aceitar, mas seu pai proibiu. O convite lhe pareceu uma ofensa mortal. Onde já se viu uma jovem educada trabalhar de verdade? O melhor era voltar pro Brasil e ser professora, o que não era trabalho, só distração.

Lecionar por desfastio, ocupação de moças finas e cultas, que não precisavam de dinheiro, pois eram bem-nascidas e, em breve, seriam bem casadas. Essas mulheres tinham tempo de sobra para ler, estudar, preparar aulas interessantes e cuidar dos filhos com a ajuda indispensável de empregadas domésticas, profissionais raras e caras hoje em dia. Na época em que mulheres estudiosas só podiam escolher entre ser donas de casa ou lecionar, as professoras eram valorizadas e vistas com respeito. A famosa palmatória, embora doesse bastante, funcionava mais porque o aluno se envergonhava de merecer um castigo físico. A expulsão de um colégio não significava mudar-se para outro, levando uma gloriosa fama de encrenqueiro.

Entrei para a escola aos quatro anos de idade, quando as palmatórias já estavam no esquecimento. Minha mãe me entregou à professora e avisou: "Ela já sabe ler e escrever. Não costuma dar trabalho, mas, se for desobediente, pode bater nela." A professora, que, segundo o costume da época, chamava-se "tia" Zezé, ficou sem jeito, disse que as "tias" eram amigas das crianças, podiam, no máximo, deixar de castigo. Minha mãe insistiu: "Mesmo assim, pode bater." Ela estava falando sério e eu sabia.

O número de moças bem formadas foi insuficiente para abastecer as novas escolas surgidas com a falsa democratização do ensino. Em geral, as melhores professoras iam para estabelecimentos que ofereciam vantagens em termos de salário, localização e clientela. Até aí, nada de novo. A boa educação continuava privilégio de poucos enquanto o restante da população recebia um ensino menos exigente.

As novas professoras, para indignação dos governantes, não trabalhavam por esporte. Lecionavam nos três períodos, não tinham tempo de ilustrar-se, atualizar-se ou preparar aulas. Viviam estressadas, faziam greve. Não queriam mais ser tias postiças, mas profissionais de respeito. Como resposta a essas senhoras, celebrizou-se uma frase atribuída a Paulo Maluf, então governador de São Paulo: "Professora não é mal paga, é mal casada."

Maluf negou a autoria da pérola, mas a frase era sintomática do crescente desrespeito aos professores em geral, tanto às mulheres mercenárias, quanto aos homens que faziam aquele trabalho de mulher.

Quando voltei da Inglaterra, para concluir o curso de Letras, estagiei e peguei aulas como substituta em uma escola estadual. Os alunos primeiro tentaram me amedrontar, fazendo pose de traficantes perigosos (o que, provavelmente, alguns eram), depois uma dupla começou a conversar em um inglês sofrível de quem lavou pratos no exterior. Assustaram-se ao perceber que eu os compreendia: "Você fala inglês, dona? Que que tá fazendo aqui, em vez de ir dar aula numa escola decente?"

Era uma boa pergunta, mais ou menos a mesma que muitas professoras vinham se fazendo: "Por que mulheres inteligentes optariam pelo ensino se podiam escolher outra profissão?"

De acordo com Steven D. Levitt e Stephen J. Dubner, no livro Superfreakonomics, a qualidade do ensino nos Estados Unidos vem baixando porque as mulheres mais inteligentes agora podem optar por profissões de prestígio e alta remuneração em áreas como medicina, direito, economia. Segundo eles, "o exército de professoras do ensino fundamental começou a sofrer drenagem de cérebros."

Atualmente, o estado de São Paulo sofre com a falta de professores de primeiro e segundo graus. Alunos dos primeiros anos de graduação em Letras, por exemplo, já estão trabalhando como professores não apenas de português ou língua estrangeira, mas também de matemática, biologia... Quem quiser voltar a ser professor tem trabalho garantido.

Nota do Editor
Carla Ceres mantém o blog Algo além dos Livros. http://carlaceres.blogspot.com/


Carla Ceres
Piracicaba, 8/3/2012

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Proposta Decente? de Marilia Mota Silva
02. Getúlio Vargas e sua nova biografia de Eugenia Zerbini
03. A derrota do Marketing Político de Fabio Silvestre Cardoso
04. Não há vagas? Então viva a informalidade! de Diogo Salles


Mais Carla Ceres
Mais Acessadas de Carla Ceres em 2012
01. Na calada do texto, Bentinho amava Escobar - 8/11/2012
02. Liberdade de crença e descrença - 4/10/2012
03. Memórias de ex-professoras - 8/3/2012
04. O céu tornou-se legível - 3/5/2012
05. Dono do próprio país - 31/5/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Pássaro Que Não Queria Voar
Cláudia Felício
Cetip
(2010)



50 Anos Depois
Vários
Mndh
(2001)



A Espada e a Balança
Jason Tércio
Jorge Zahar
(2002)



Brás, Bexiga e Barra Funda: Notícias Paulistas
Antonio de Alcantara Machado
Nova Alexandria
(1995)



Nossa Senhora do Pilar um Culto Emboaba: Nova História de Minas Gerais
José Efigênio Pinto Coelho
Ufop
(1991)



Literatura Comentada: José Louzeiro
José Louzeiro
Abril
(1982)



Miroca e Suas Botinas
Juciara Rodrigues
Formato
(2010)



Dez Motivos para Amar os Livros / 5ª Ed - Confira !!!
Jonas Ribeiro; Lucia; Tati Toledo
Elementar
(2018)



Winnie At the Seaside -
Valerie Thomas and Korky
Oxford University Press
(2005)



Cartas de Lejos
V. I. Lenin
Anteo
(1957)





busca | avançada
33925 visitas/dia
1,4 milhão/mês