God save the newspapers! | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
39219 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial O fim dos jornais

Terça-feira, 26/5/2009
God save the newspapers!
Rafael Rodrigues

+ de 2800 Acessos

O fim dos jornais impressos não vai apenas deixar jornalistas mais pobres, blogueiros mais ricos e a população mais burra. Vai também causar um efeito devastador na indústria do cinema e também no meio ambiente, porque haverá um aumento na procura por rolos de papel filme. E papel filme, como vocês sabem, é plástico. E o plástico demora de se decompor, fica anos e anos por aí, zanzando de um esgoto para outro, acumulando em bueiros e provocando enchentes.

Explico. Primeiro, a indústria do cinema. Vocês já assistiram a algum Beethoven (descobri agora que vai do 1 até o 5; eu tinha parado de contar no terceiro)? Salvo engano, em todos eles há uma cena que é quase o símbolo do filme. Mais ainda que o são bernardo que dá título à "pentalogia". É aquela cena em que o pai dos garotinhos que criam o Beethoven vai lá fora pegar o jornal, que ainda não foi entregue. Ele então fica esperando um pouco, enquanto toma sua xícara de café, porque logo, logo o rapazinho que faz as entregas passará por lá de bicicleta e jogará o jornal na entrada de sua casa. Mas Beethoven é uma comédia, e é óbvio que o rapazinho vai acertar em cheio a caneca do pai dos garotinhos, que ficará com o roupão (ou o terno) todo sujo de café.

Até aí, tudo bem. O fim dos jornais ― e, consequentemente, dos entregadores deles ― evitaria que um Beethoven 6 trouxesse pela milionésima vez esta cena (porque outros filmes de comédia estilo Sessão da Tarde a usam constantemente).

Mas há algo mais grave: o caso do papel filme, que seria utilizado para embrulhar peixes que hoje são embrulhados em jornais. Certamente Al Gore tentaria impedir isso, propondo a criação de gráficas que produzissem rolos de papel jornal, em vez de papel filme. Mas depois do trauma do fim e do desmonte das redações, quem se arriscaria a abrir uma gráfica que fosse gerar, justamente, papel jornal? Muito provável que uma aura de maldição recaia sobre as máquinas que hoje cospem as notícias que estão nas bancas algumas horas depois ― capaz até de, no futuro, existirem fogueiras santas para queimarem as máquinas!

Com o fim dos jornais, as novelas da Globo e os filmes brasileiros "de família" também precisarão ser reformulados. Aquela cena do patriarca sentando à mesa para tomar seu café da manhã, abrindo ostensivamente o O Globo para que o nome do jornal seja bem enquadrado pela câmera? Já era. No máximo um coroa tirado a moderninho portando um notebook anão e dizendo "Vem ver essa notícia no G1, filhão".

Bom, o futuro certamente não será tão ridículo quanto os parágrafos acima, mas parece que realmente não há saída para os jornais impressos: eles estão mesmo fadados à extinção. E isto acontecendo será uma grande perda para todos nós, porque notícias irresponsáveis e jornalistas sem escrúpulos há aos borbotões, mas as organizações que colocam seus jornais impressos nas bancas todos os dias ao menos filtram os profissionais que trabalham em suas redações. Nelas não há blogueiros idiotas que publicam qualquer coisa sem checar informações ou apenas reproduzem posts de outros blogueiros sem dar o devido crédito.

O ideal, mesmo, seria as plataformas virtuais e impressas conviverem pacificamente, sem isso de uma matar a outra. Mas, além de a morte dos jornais impressos parecer mesmo inevitável, por uma simples questão de evolução das coisas, há ainda a questão de pessoas, aparentemente sanguinárias e masoquistas, anunciarem, todo santo dia, que os jornais estão morrendo. É como se quisessem enterrar alguém que ainda está vivo, mas respirando por aparelhos. Por elas, esses aparelhos já teriam sido desligados, e o paciente estaria morto, a sete palmos do chão.

Mas se engana quem pensa que o problema se restringe a uma "briga" de plataformas, de meios. A questão do declínio dos jornais é bem maior que isso. Ler um jornal, hoje, significa "perder tempo". Vivemos a época do urgente, do dinamismo exacerbado, do tudo-ao-mesmo-tempo-agora. Nunca antes na história deste mundo a frase "tempo é dinheiro" teve tanta representatividade e efeito ― ainda mais em tempos de crise. Nunca disputamos de maneira tão ferrenha os minutos nossos de cada dia. Tudo o que fazemos é religiosamente cronometrado, agendado, organizado e apertado nas 24 horas que temos por dia. Cada um de nós precisa salvar seu próprio mundo, como se fôssemos o Jack Bauer. Por conta disso, as pessoas simplesmente não querem parar para ler um jornal impresso, porque fica a impressão de que estamos "perdendo" tempo. Ora, imagine, ler um jornal impresso... Abrir suas páginas, ler notícia por notícia ― ou, vá lá, as mais importantes, porque realmente não dá pra ler tudo e nem todas são relevantes ―, descansar um pouco, lavar as mãos sujas de tinta e, finalmente, ir para o trabalho ― no caso de quem lê pela manhã ―, ou ir dormir ― no caso de quem lê à noite. Para fazer isso são necessários, no mínimo, 15 minutos, sem contar as eventuais interrupções. E quem tem quinze minutos hoje? Aliás, o que você está fazendo lendo este texto até agora? Não tem nenhum encontro marcado? Não precisa estudar? E o livro que você está lendo? E aquele filme que você alugou? Ah, tem também aquele vídeo engraçadinho no YouTube que uma amiga te passou pra assistir.

Essa "perda de tempo", na internet, não existe ― ou melhor: ela não é percebida. Justamente porque enquanto você lê uma notícia, a página do e-mail está carregando, o Twitter está abrindo, você pode falar com alguém no telefone ou pelo Skype, alguém te passa um link engraçado e lá vai você ver do que se trata, e tudo isso com várias janelas do MSN abertas, porque você não pode perder o contato com aquele amigo seu que mora no interior do Acre e que você nunca viu ― nem vai ver... A internet dá mesmo a sensação de dinamismo, mas, na verdade, perde-se mais tempo aqui justamente por conta das tantas atividades que alguns têm ou das tantas coisas que alguns acompanham. Conheço pessoas que têm 500 mil links para ler no Google Reader, por exemplo. Essas pessoas nunca vão ler todos eles, mas insistem em amealhar mais e mais.

Em Portugal um grupo de pessoas criou o MFJEP, Movimento a Favor do Jornalismo Escrito Pago. A intenção deles é fazer com que cada cidadão português compre ao menos um jornal por dia. É uma ação interessante e, acima de tudo, barata. (Porque jornal é barato, você sabia?) Antes mesmo de tomar conhecimento desta notícia, tive uma ideia semelhante. O problema é que propor isso, aqui no Brasil, além de soar ridículo ― porque é ridículo ser romântico e ter um ideal, no Brasil ―, não daria certo, afinal, o brasileiro não se preocupa ou sequer se incomoda com as fanfarronices dos políticos em Brasília, quiçá com o destino dos jornais impressos.

Admito que tenho, sim, fetiche pelo papel, e não consigo imaginar um mundo sem livros, jornais e revistas impressos, o que me faz ser uma das pessoas menos indicadas para escrever de maneira sóbria e imparcial sobre o fim dos jornais de papel e a consequente ascensão e domínio dos veículos virtuais. Mas isso não me impede de afirmar e defender a tese de que, sem as redações tradicionais e sem os veículos impressos, o mundo da informação vai mudar ― e pra pior. Muito pior.


Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 26/5/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Geração Coca Zero de Marcelo Spalding


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2009
01. Meus melhores livros de 2008 - 6/1/2009
02. Sociedade dos Poetas Mortos - 10/11/2009
03. Indignação, de Philip Roth - 27/10/2009
04. No line on the horizon, do U2 - 24/2/2009
05. A resistência, de Ernesto Sabato - 15/9/2009


Mais Especial O fim dos jornais
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FISIOTERAPIA NEUROLÓGICA
DARCY ANN UMPHRED
MANOLE
(1994)
R$ 50,00



IGREJA NO BRASIL - DIRETÓRIO LITÚRGICO - 1996
CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL
CNBB
(1996)
R$ 7,00



NOVELA DAS SETE: 1986, O ANO QUE DEVERIA DAR CERTO
LINDINOR SÁ LARANGEIRAS
LITTERIS
(1986)
R$ 26,28



WHERED YOU GO, BERNADETTE: A NOVEL
MARIA SEMPLE
LITTLE BROWN AND COMPANY
(2012)
R$ 30,00



A IGREJA DOS TEMPOS CLÁSSICOS (I)
DANIEL ROPS
QUADRANTE
(2000)
R$ 75,00



ENGAGE LEVEL 2 STUDENT BOOK AND WORKBOOK
ALICIA ARTUSI; GREGORY J. MANIN
OXFORD DO BRASIL
(2011)
R$ 20,00



POR UM NASCIMENTO CONSCIENTE
HAROLDO E FLÁVIA DE FARIA CASTRO
GROUND
(1977)
R$ 10,00



ATLÂNTIDA O OITAVO CONTINENTE
CHARLES BERLITZ
CIRCULO DO LIVRO
R$ 16,80



CORAGEM. O PRAZER DE VIVER PERIGOSAMENTE
OSHO
CULTRIX
(1999)
R$ 20,00



EDUCAÇÃO - UM NOVO OLHAR
ROSANA ANDRÉIA
FOCO
(2019)
R$ 40,00





busca | avançada
39219 visitas/dia
1,2 milhão/mês