God save the newspapers! | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
87666 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
>>> MAB FAAP seleciona artista para exposição de 2022
>>> MIRADAS AGROECOLÓGICAS - COMIDA MANIFESTO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Carma & darma
>>> Sultão & Bonifácio, parte II
>>> Ensaio autobiográfico, de Jorge Luis Borges
>>> O código dos gênios
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
>>> Para você estar passando adiante
>>> Blogs roubam audiência
>>> O enigma da 21ª letra
>>> Crise dos 40
>>> Marcelotas
Mais Recentes
>>> Livro A Maldição do Titã de Rick Riordan pela Intrínseca (2014)
>>> Livro Se Eu Ficar de Gayle Forman pela Novo Conceito (2019)
>>> Querido John de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2013)
>>> Saudável aos 100 Anos de John Robbins pela Fontanar (2009)
>>> Chico Buarque Letra e Música - 2 Volumes de Chico Buarque de Hollanda pela Companhia das Letras (1989)
>>> Songbook Caetano Veloso - Vol. 2 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Songbook Bossa Nova - Vol. 1 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Médio Dicionário Aurélio de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira pela Nova Fronteira (1980)
>>> Dicionário Etimológico Nova Fronteira da Língua Portuguesa de Antônio Geraldo da Cunha pela Nova Fronteira (1982)
>>> Dolce Casa - Manuale Di Sopravvivenza Domestica de Grazia Dominici pela La Spiga (1984)
>>> Meu Mundo Caiu. a Bossa e a Fossa de Maysa. a Bossa e a Fossa de Maysa de Eduardo Logullo pela Novo Século (2007)
>>> Haroldo Costa de Vários Autores pela Rio (2003)
>>> Cancioneiro Popular Português e Brasileiro de Nuno Ctharino Cardoso pela Portugal-brasil Ltda (1921)
>>> Retratos - Dadá Cardoso de Dada Cardoso pela Avatar (1999)
>>> A Informação no Rádio de Gisela Swetlana Ortriwano pela Summus Editorial (1985)
>>> Yes, nos Temos Bananas - História e Receitas de Heloisa de Freitas Valle; Márcia Masca pela Senac São Paulo (2003)
>>> Manual de Modelismo de Albert Jackson; David Day pela Hermann Blume (1981)
>>> Madeira-mamoré. Patrimônio da Humanidade de Hércules Góes pela Ecoturismo (2005)
>>> Uma História de Agendas de João Rothschild pela Ernesto Rothschild (1990)
>>> Estética. La Cuestion del Arte de Elena Oliveras pela Aemecé (2007)
>>> Conheça o Pantanal de Nicia Wendel de Magalhães pela Terragraph (1992)
>>> Corpo de Baile de João Guimarães Rosa pela José Olympio (1956)
>>> Línguas de Fogo. Ensaio Sobre Clarice Lispector de Claire Varin pela Limiar (2002)
>>> Pedagogia Diferemciada : das Intenções à Ação de Philippe Perrenoud pela Artmed (2000)
>>> Um General na Biblioteca de Italo Calvino pela Companhia das Letras (2007)
COLUNAS >>> Especial O fim dos jornais

Terça-feira, 26/5/2009
God save the newspapers!
Rafael Rodrigues

+ de 5000 Acessos

O fim dos jornais impressos não vai apenas deixar jornalistas mais pobres, blogueiros mais ricos e a população mais burra. Vai também causar um efeito devastador na indústria do cinema e também no meio ambiente, porque haverá um aumento na procura por rolos de papel filme. E papel filme, como vocês sabem, é plástico. E o plástico demora de se decompor, fica anos e anos por aí, zanzando de um esgoto para outro, acumulando em bueiros e provocando enchentes.

Explico. Primeiro, a indústria do cinema. Vocês já assistiram a algum Beethoven (descobri agora que vai do 1 até o 5; eu tinha parado de contar no terceiro)? Salvo engano, em todos eles há uma cena que é quase o símbolo do filme. Mais ainda que o são bernardo que dá título à "pentalogia". É aquela cena em que o pai dos garotinhos que criam o Beethoven vai lá fora pegar o jornal, que ainda não foi entregue. Ele então fica esperando um pouco, enquanto toma sua xícara de café, porque logo, logo o rapazinho que faz as entregas passará por lá de bicicleta e jogará o jornal na entrada de sua casa. Mas Beethoven é uma comédia, e é óbvio que o rapazinho vai acertar em cheio a caneca do pai dos garotinhos, que ficará com o roupão (ou o terno) todo sujo de café.

Até aí, tudo bem. O fim dos jornais ― e, consequentemente, dos entregadores deles ― evitaria que um Beethoven 6 trouxesse pela milionésima vez esta cena (porque outros filmes de comédia estilo Sessão da Tarde a usam constantemente).

Mas há algo mais grave: o caso do papel filme, que seria utilizado para embrulhar peixes que hoje são embrulhados em jornais. Certamente Al Gore tentaria impedir isso, propondo a criação de gráficas que produzissem rolos de papel jornal, em vez de papel filme. Mas depois do trauma do fim e do desmonte das redações, quem se arriscaria a abrir uma gráfica que fosse gerar, justamente, papel jornal? Muito provável que uma aura de maldição recaia sobre as máquinas que hoje cospem as notícias que estão nas bancas algumas horas depois ― capaz até de, no futuro, existirem fogueiras santas para queimarem as máquinas!

Com o fim dos jornais, as novelas da Globo e os filmes brasileiros "de família" também precisarão ser reformulados. Aquela cena do patriarca sentando à mesa para tomar seu café da manhã, abrindo ostensivamente o O Globo para que o nome do jornal seja bem enquadrado pela câmera? Já era. No máximo um coroa tirado a moderninho portando um notebook anão e dizendo "Vem ver essa notícia no G1, filhão".

Bom, o futuro certamente não será tão ridículo quanto os parágrafos acima, mas parece que realmente não há saída para os jornais impressos: eles estão mesmo fadados à extinção. E isto acontecendo será uma grande perda para todos nós, porque notícias irresponsáveis e jornalistas sem escrúpulos há aos borbotões, mas as organizações que colocam seus jornais impressos nas bancas todos os dias ao menos filtram os profissionais que trabalham em suas redações. Nelas não há blogueiros idiotas que publicam qualquer coisa sem checar informações ou apenas reproduzem posts de outros blogueiros sem dar o devido crédito.

O ideal, mesmo, seria as plataformas virtuais e impressas conviverem pacificamente, sem isso de uma matar a outra. Mas, além de a morte dos jornais impressos parecer mesmo inevitável, por uma simples questão de evolução das coisas, há ainda a questão de pessoas, aparentemente sanguinárias e masoquistas, anunciarem, todo santo dia, que os jornais estão morrendo. É como se quisessem enterrar alguém que ainda está vivo, mas respirando por aparelhos. Por elas, esses aparelhos já teriam sido desligados, e o paciente estaria morto, a sete palmos do chão.

Mas se engana quem pensa que o problema se restringe a uma "briga" de plataformas, de meios. A questão do declínio dos jornais é bem maior que isso. Ler um jornal, hoje, significa "perder tempo". Vivemos a época do urgente, do dinamismo exacerbado, do tudo-ao-mesmo-tempo-agora. Nunca antes na história deste mundo a frase "tempo é dinheiro" teve tanta representatividade e efeito ― ainda mais em tempos de crise. Nunca disputamos de maneira tão ferrenha os minutos nossos de cada dia. Tudo o que fazemos é religiosamente cronometrado, agendado, organizado e apertado nas 24 horas que temos por dia. Cada um de nós precisa salvar seu próprio mundo, como se fôssemos o Jack Bauer. Por conta disso, as pessoas simplesmente não querem parar para ler um jornal impresso, porque fica a impressão de que estamos "perdendo" tempo. Ora, imagine, ler um jornal impresso... Abrir suas páginas, ler notícia por notícia ― ou, vá lá, as mais importantes, porque realmente não dá pra ler tudo e nem todas são relevantes ―, descansar um pouco, lavar as mãos sujas de tinta e, finalmente, ir para o trabalho ― no caso de quem lê pela manhã ―, ou ir dormir ― no caso de quem lê à noite. Para fazer isso são necessários, no mínimo, 15 minutos, sem contar as eventuais interrupções. E quem tem quinze minutos hoje? Aliás, o que você está fazendo lendo este texto até agora? Não tem nenhum encontro marcado? Não precisa estudar? E o livro que você está lendo? E aquele filme que você alugou? Ah, tem também aquele vídeo engraçadinho no YouTube que uma amiga te passou pra assistir.

Essa "perda de tempo", na internet, não existe ― ou melhor: ela não é percebida. Justamente porque enquanto você lê uma notícia, a página do e-mail está carregando, o Twitter está abrindo, você pode falar com alguém no telefone ou pelo Skype, alguém te passa um link engraçado e lá vai você ver do que se trata, e tudo isso com várias janelas do MSN abertas, porque você não pode perder o contato com aquele amigo seu que mora no interior do Acre e que você nunca viu ― nem vai ver... A internet dá mesmo a sensação de dinamismo, mas, na verdade, perde-se mais tempo aqui justamente por conta das tantas atividades que alguns têm ou das tantas coisas que alguns acompanham. Conheço pessoas que têm 500 mil links para ler no Google Reader, por exemplo. Essas pessoas nunca vão ler todos eles, mas insistem em amealhar mais e mais.

Em Portugal um grupo de pessoas criou o MFJEP, Movimento a Favor do Jornalismo Escrito Pago. A intenção deles é fazer com que cada cidadão português compre ao menos um jornal por dia. É uma ação interessante e, acima de tudo, barata. (Porque jornal é barato, você sabia?) Antes mesmo de tomar conhecimento desta notícia, tive uma ideia semelhante. O problema é que propor isso, aqui no Brasil, além de soar ridículo ― porque é ridículo ser romântico e ter um ideal, no Brasil ―, não daria certo, afinal, o brasileiro não se preocupa ou sequer se incomoda com as fanfarronices dos políticos em Brasília, quiçá com o destino dos jornais impressos.

Admito que tenho, sim, fetiche pelo papel, e não consigo imaginar um mundo sem livros, jornais e revistas impressos, o que me faz ser uma das pessoas menos indicadas para escrever de maneira sóbria e imparcial sobre o fim dos jornais de papel e a consequente ascensão e domínio dos veículos virtuais. Mas isso não me impede de afirmar e defender a tese de que, sem as redações tradicionais e sem os veículos impressos, o mundo da informação vai mudar ― e pra pior. Muito pior.


Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 26/5/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Agora eu era cronista de Marcelo Spalding
02. Os pontos de um crochê de Pilar Fazito
03. Incêndio pleno: amor, pirraça, veneno e cachaça de Waldemar Pavan
04. Lucas Procópio, de Autran Dourado de Ricardo de Mattos
05. Hipermediocridade de Evandro Ferreira


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2009
01. Meus melhores livros de 2008 - 6/1/2009
02. Sociedade dos Poetas Mortos - 10/11/2009
03. Indignação, de Philip Roth - 27/10/2009
04. A resistência, de Ernesto Sabato - 15/9/2009
05. No line on the horizon, do U2 - 24/2/2009


Mais Especial O fim dos jornais
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Cachorros Encrenqueiros Se Divertem Mais
John Grogan
Ediouro
(2008)



O Sétimo Protetor
Zozer Santana
Escrituras
(2017)



Economia Em Testes Objetivos
G. F. Stanlake
Forum
(1973)



Regarde de Tous Tes Yeux, Regarde! Jules Verne
Jean Yves Tadié
Gallimard
(2005)



Justicia - Colección Andanzas
Friedrich Durrenmatt
Tusquets Editores
(1985)



Pavão por um Dia
Regina Lucia Pires Nemer - Vitor Costa
Ao Livro Técnico
(2009)



O Novo Recurso de Revista na Justica do Trabalho
Antonio Alvares da Silva
Ltr
(1999)



A História de Despereaux
Kate Di Camillo
Martins Fontes
(2009)



Turismo: uma Indústria Abrangente para uma Cidade de Serviços
J. G. Machado
Imprinta (rj)
(1987)



Brasil Showcase de Competência Em E-business
Richard Lowenthal ( Org. )
M. Books
(2005)





busca | avançada
87666 visitas/dia
2,7 milhões/mês