O Trovador, romance de Rodrigo Garcia Lopes | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
21254 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Orquestra Sinfônica de Jerusalém apresenta-se em São Paulo
>>> Mostra Primeiros Passos
>>> José Patrício inaugura exposição inédita em Brasília
>>> Livro mostra a ambiguidade entre amor e desamor
>>> Red Bull Station estreia exposições de letrista e de coletivo feminino em julho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> A luz da alma - Haifa Israel
>>> Tempo & Espaço
>>> Mão única
>>> A passos de peregrinos ll
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES IV
>>> Shomin-Geki, vidas comuns no cinema japonês
>>> Con(fusões)
>>> A passos de peregrinos l
>>> Ocaso
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES I
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A música clássica ensurdece a democracia caótica
>>> Dê-me liberdade e dê-me morte
>>> Telemarketing, o anti-marketing dos idiotas
>>> Memórias da revista Senhor
>>> É o Fim Do Caminho.
>>> Ao Abrigo, poemas de Ronald Polito
>>> O massacre da primavera
>>> Raio-X do imperialismo
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> O Brasil que eu quero
Mais Recentes
>>> Luxury Houses Toscana
>>> Luxury Houses Toscana
>>> O Mestre
>>> Os marxismos depois de Marx
>>> Poética
>>> Locke
>>> Músicos Em Ordem de Batalha
>>> O valete de espadas
>>> A Festa da Língua
>>> Alimento Diário Profetas menores- Ageu e Malaquias
>>> A Salvação Orgânica- Edificação
>>> A Essência do Eneagrama
>>> A aventura é sua - Labirinto de jogos
>>> The Mysteries of Isis - Her Worship and Magick
>>> Araquém Alcântara - Fotografias
>>> O Observador in Natura
>>> Cómo Mirar un Cuadro
>>> Dicas Para um Primeiro Encontro com Final Feliz
>>> A Essência da Maturidade
>>> Biomusica
>>> Liberte-se do Passado
>>> Benjamim
>>> Diário
>>> La Hechicería - Técnica de los maleficios
>>> Maiden, Mother, Crone - The Myth & Reality of the Triple Goddess
>>> Técnicas de Alta Magia - Manual de Autoiniciación - Em Espanhol
>>> Curso de Filosofia Grega + Do século VI a.C. ao século III d.C.
>>> Manual do candidato às eleições & Carta do bom administrador público + Pensamentos políticos selecionados
>>> Platão
>>> Guia Prático da Wicca - A Magia do bem explicada passo a passo
>>> História & Religião VIII Encontro Regional de História RJ
>>> Magia Cigana - Encantamentos, Ervas Mágicas e Adivinhação
>>> Para conhecer o pensamento de Hegel
>>> Ética para executivos
>>> Coffee break produtivo
>>> O Secular Livro da Bruxa
>>> Direito Médico
>>> Audiovisual Español estructural
>>> Tomás de Aquino
>>> Minha limpeza corporal - Le grand Ménage
>>> Max Weber e a política alemã
>>> Isaiah Berlin
>>> La Magia en Acción
>>> Introdução à epistemologia
>>> As causas da grandeza do romanos e da sua decadência
>>> Hannah Arendt
>>> Paixão por vencer. A bíblia do sucesso
>>> O Livro Completo de Bruxaria do Buckland
>>> O Escaravelho do Diabo
>>> Llora Herraiz
COLUNAS

Terça-feira, 11/11/2014
O Trovador, romance de Rodrigo Garcia Lopes
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 3100 Acessos

Agraciado pela Bolsa Funarte de Criação Literária, o poeta, tradutor, músico e ensaísta Rodrigo Garcia Lopes acaba de publicar pela Editora Record o seu primeiro romance: O Trovador.

Trata-se de um romance policial, que tem como centro da narrativa o desvendamento de uma série de assassinatos, crimes e trambiques comerciais envolvendo empresas, autoridades públicas e membros da corte inglesa. A partir das pistas contidas em um poema provençal, e da busca, dentro deste poema, pelo significado da palavra Noigandres, Adam Blake (personagem chave do livro, espécie de detetive-tradutor) envolve-se numa trama perigosíssima que tem como objetivo desvendar os crimes a partir do próprio entendimento do poema e das pistas ali escondidas.

Para a criação de O Trovador o autor partiu da ideia da semelhança entre a tarefa do tradutor e a do detetive: "Comecei a enxergar algo de detetive no poeta e no tradutor. Como o tradutor, o detetive tem que reconstruir um texto, decifrar o que o autor quis dizer, discernir pistas verdadeiras das falsas, recuperar o momento da criação do poema", diz Rodrigo Garcia Lopes, em entrevista a Manoela Sawitzki.

Outra ideia que serve como base para a construção da narrativa de O Trovador é a do "assassinato como uma das belas artes" (referência ao escritor inglês Thomas De Quincey). No romance, os crimes e a constituição engenhosa das pistas deixadas pelo assassino se transformam em verdadeira obra a ser decifrada pelo detetive, que assim se faz também intérprete-tradutor.

Mas muito além de sua intrincada trama policial, o romance reconstitui a história da colonização da cidade de Londrina nos anos 1930, momento em que se dava nas terras paranaenses a exploração comercial do café e da madeira pela empresa inglesa Paraná Plantation Limited.

Não querendo destruir o prazer do leitor, deixaremos de comentar detalhes do enredo do livro. Interessa-nos mais aqui falar sobre a estrutura do romance.

Historiadores em geral não sabem narrar. O passado que reconstroem é, além de frio, dominado por uma suposta "verdade objetiva" que os documentos prometem revelar. O caso do escritor é diferente. A história que ele recupera se inscreve numa outra forma de apreensão do tempo, do espaço e da vida. É o que Rodrigo Garcia Lopes faz em seu romance, elaborando através da ficção, que funciona quase como uma cápsula do tempo, o encontro vivo e radiante entre fatos históricos (colonialismo), situação geográfica (Londrina nos anos 1930), tensões existenciais (amor, desejo, poder), natureza e cultura (a busca pelo eldorado).

Para compor as 400 páginas de seu romance, fica evidente a grande pesquisa que o autor fez, selecionando materiais de várias áreas: de documentos empresariais e fotografias de época aos estudos sobre as preocupações e tensões político-econômicas do período. Tudo tão bem amarrado que o leitor, ao mesmo tempo em que sente a presença da história, percebe-se dentro da dinâmica da natureza humana no momento da construção de sua própria existência como agente dos fatos.

A questão lapidar é que o autor consegue dar vida à história, imprimindo-a no próprio corpo dos personagens, nas suas angústias diárias (como, por exemplo, a tensão que os emigrantes judeus sentem com o avanço do Nazismo na Europa). Isso faz de Rodrigo Garcia Lopes um grande escritor, que imprime no cerne da própria narrativa as reflexões que pretende expor. Não teoriza sobre os acontecimentos, mas inscreve-os na dinâmica interna de cada personagem, nas suas ações dentro de cada desdobramento do romance.

Para jogar o leitor dentro da trama, com se ele tivesse voltado no tempo, Rodrigo lança mão de descrições minuciosas do espaço físico e da presença humana em relação com esse espaço, reproduzindo a sensação causada pelo cheiro da terra, pelo calor, pelas chuvas, pelo odor das bebidas, cigarro e perfume das mulheres, pela imagem da rusticidade das matas virgens, pelo vento e pela cor do solo. Mas esses elementos jamais se estruturam apenas como simples pano de fundo para os personagens terem chão ou como material enfadonho e descartável. Ao contrário, interagem com as sensações vividas pelos personagens, seu estado de alma, seu dinamismo na trama.

Rodrigo Garcia Lopes realiza de forma impressionante aquilo que desejou ao buscar as características que P. D. James elenca como essenciais para a criação de um bom romance policial: "Trama bem construída e interessante, cenário original, personagens multidimensionais, pistas inteligentes, detetive cativante e vilões memoráveis".

Mas buscou mais do que isso, como disse na entrevista citada acima: "Com O Trovador eu quis mostrar que o gênero permite levantar reflexões históricas e questões sociais, morais e de identidade, temas como corrupção, relações internacionais, colonialismo, propondo, ao mesmo tempo, uma reescrita da história. O desafio era conseguir fundir a história de mistério com a colonização de Londrina ao mesmo tempo."

Para essa tarefa, conta o autor, "li biografias, livros de história dos anos 30, da região norte do Paraná, teses de doutorado, no Brasil e no exterior. Assisti documentários, entrevistei pilotos, peritos, historiadores, consultei jornais da época como o The Times, de Londres, o Paraná-Norte e O Cometa, de Londrina. Vi muitos filmes e trabalhei com fotografias para a composição de algumas cenas e cenários."

Toda essa pesquisa, evidentemente, nas mãos de um autor fajuto jamais se tornaria o que O Trovador se tornou. Rodrigo tem uma história ligada à produção poética, tradução e crítica que lhe dá ferramentas para amalgamar documentos, imagens, relatos, impressões como só um poeta pode fazer. O resultado do livro, pela impressão que causa nos leitores, fazendo-os voltar no tempo, penetrarem nas entranhas dos personagens e na trama da História, é o exemplo cabal de que uma força poética direciona sua narrativa.

Criando uma espécie de sertão-babel, o romance faz transitar figuras inesquecíveis, de nacionalidades que vão dos europeus aos asiáticos, todos presos a uma rede de intrigas, meias-verdades, onde crimes se sucedem ao sabor de tramas comerciais escusas que partem do império colonial inglês e deságuam na terra vermelha do Paraná.

Chamando atenção para uma parte de nossa história, a colonização do Norte do Paraná, humaniza a prática da história, nos aproximando do cheiro dos aventureiros, seus sonhos do Eldorado, suas angústias na vida no novo mundo, seu trabalho e a existência no contexto da colonização e da história internacional que antecede a segunda grande Guerra e que teve consequências negativas para várias etnias que emigraram para nosso país.

Também nos obriga a reler a História do Brasil, com lentes mais agudas para o Norte do Paraná, naquele momento em que aportaram na região migrantes que formaram uma sociedade composta por militares, médicos, juristas, artistas, cientistas, aventureiros e trabalhadores vindos de várias regiões da Europa e do Brasil.

Mas para além da história, o autor nos devolve o prazer de ler. Como disse Daniel Pennac "um romance deve ser lido como um romance: saciando primeiro nossa ânsia por narrativas". Isso porque, toda grande obra literária nos ensina: "O tempo para ler, como o tempo para amar, dilata o tempo para viver".

O Trovador, no seu primor narrativo, nos devolve a felicidade de sermos leitores, porque ele representa essa qualidade demoníaca da linguagem que consiste em abrir em expansão o mundo para provar que dentro da literatura a história é mais surpreendente do que se pensava.

Nota sobre o autor:

Rodrigo Garcia Lopes é tradutor, poeta, músico e ensaísta. Traduziu Sylvia Plath, Rimbaud e Whitman. É um dos editores da revista literária Coyote. Publicou os seguintes livros de poesia: Solarium, Visibilia, Polivox, Nônada e Estúdio Realidade. Lançou o CD Canções do Estúdio Realidade em 2013.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 11/11/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros de Elisa Andrade Buzzo
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico de Heloisa Pait
03. O que te move? de Fabio Gomes
04. Senhor Amadeu de Ana Elisa Ribeiro
05. Aquarius, quebrando as expectativas de Guilherme Carvalhal


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2014
01. Simone de Beauvoir: da velhice e da morte - 29/7/2014
02. O assassinato de Herzog na arte - 30/9/2014
03. As deliciosas mulheres de Gustave Courbet - 3/6/2014
04. A Puta, um romance bom prá cacete - 2/12/2014
05. Narciso revisitado na obra de Fabricius Nery - 11/3/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




GINA
MARIA JOSE DUPRÉ
ÁTICA
(1978)
R$ 8,99



GESTÃO DE NEGÓCIOS EM ALIMENTAÇÃO
JUNE PAYNE-PALACIO
MANOLE
(2016)
R$ 120,00



BABINE, O PARVO - LEÃO TOLSTOI (LITERATURA INFANTIL)
LEÃO TOLSTOI
CONTEXTO (LISBOA)
(2018)
R$ 25,00



MATEMÁTICA - 2º GRAU - 1ª SÉRIE
BENEDITO CASTRUCCI E OUTROS
FTD
(1977)
R$ 9,00



UM GENERAL NA BIBLIOTECA
ITALO CALVINO
COMPANHIA DE BOLSO
(2010)
R$ 20,00



TAVARES BASTOS (AURELIANO CÂNDIDO 1839-1875)
CARLOS PONTES
NACIONAL
(1975)
R$ 13,00



VACLAV E LENA
HALEY TANNER
INTRISECA
(2012)
R$ 9,90



OS HERÓIS DO OLIMPO O FILHO DE NETUNO
RICK RIORDAN
INTRÍNSECA
(2012)
R$ 12,00



TÓPICOS ESPECIAIS NO ENSINO DA MATEMÁTICA: TECNOLOGIAS E TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO - 2ª ED.
DOLORES FOLLADOR
IBPEX
(2011)
R$ 13,00



MUDAR JUNTOS
LUIZ CARLOS OSÓRIO
SER MAIS
R$ 14,95
+ frete grátis





busca | avançada
21254 visitas/dia
1,1 milhão/mês