Babenco traz sua visão do país Carandiru | Lucas Rodrigues Pires | Digestivo Cultural

busca | avançada
64744 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Evento de reinauguração da Praça do Centro de Convenções da Unicamp
>>> Oficina Som Entre Fronteiras está com inscrições abertas
>>> Projeto “Curtas de Animação” com estudantes da zona rural de Valinhos/SP
>>> Novos projetos do Festival de Dança de Joinville promovem atividades culturais para 120 alunos
>>> Toca do Morcego anuncia agenda primavera/verão 2022/2023
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
Colunistas
Últimos Posts
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
Últimos Posts
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
>>> Conforme o combinado
>>> Primavera, teremos flores
>>> Além dos olhos
>>> Marocas e Hermengardas
>>> Que porcaria
>>> Singela flor
>>> O cerne sob a casca
>>> Assim é a vida
>>> Criança, minha melhor idade
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nuvem Negra*
>>> Discurso de William Faulkner
>>> Os Incríveis
>>> Erik Satie
>>> Ronnie James Dio em 1983
>>> O Leão e o Unicórnio
>>> O outro Carpeaux
>>> Something that grows
>>> Façam suas apostas
>>> Tempo de aspargos
Mais Recentes
>>> Gestão Em Enfermagem : Ferramenta para Prática Segura de Vários pela Yendis (2011)
>>> Clt Universitária - 24ª Ed de Sergio Pinto Martins pela Saraiva (2018)
>>> Seres Proibidos de Marcélio Ávila pela Do Autor
>>> Crenças, Religiões, Igrejas e Seitas: Quem São? de Estevão Tavares Bettencourt pela Nc (1995)
>>> O Manuscrito de Missolonghi de Frederic Priokosch pela Siciliano (1995)
>>> A Ciência Médica de House de Andrew Holtz pela Best Seller (2007)
>>> Pedagogia: Reprodução Ou Transformação de Lauro de Oliveira Lima pela Brasiliense
>>> Introdução ao Mercado de Ações de Comissão Nacional de Bolsas de Valores pela Introdução ao Mercado de Ações (1986)
>>> Reféns no Paraíso de Giselda Laporta Nicolelis pela Quinteto Editorial (1999)
>>> Estrutura e Funcionamento do Ensino de 1ª Grau de Nelson Piletti pela Atica (1989)
>>> Qualidade e Segurança Em Anestesiologia de Fabiane Cardia e Luiz Antonio e Outros pela Sba (2012)
>>> A Viagem de uma Alma de Peter Richelieu pela Pensamento (1972)
>>> Chico Buarque de Regina Zappa pela Relume Dumará (1999)
>>> Como Prevenir e Tratar o Câncer Com Medicina Natural de Varios pela Best Seller (2005)
>>> Música Brasileira para Sopros (vol. 1) de Irmãos Vitale pela Irmãos Vitale (2002)
>>> Legislaçao Previdenciaria de Anfip pela Anfip (2000)
>>> Viva Você sem Peixes no Muro de Davi Urias Vidigal pela Nova Letra (2006)
>>> Os Meninos Que Viraram Estrelas de Sávia Dumont pela Companhia das Letrinhas (2011)
>>> Controle de Estímulos e Comportamento Operante - uma Introdução de Vários pela Educ (2002)
>>> Orações de Proteção de Carlos Magno Maia Dias pela Madras (2002)
>>> Matemática para o 2º Grau: Curso Completo de Antonio Nicolau Youssef e Outras pela Scipione (1998)
>>> Feng Shui - para Quem Mora Em Apartamento de Richard Webster pela Pensamento (1998)
>>> Renascendo da Dor Aids Principio Ou Fim de Sonia Tozzi Henriques Rodrigues pela Panorama
>>> Só para Gigantes de Gabí Martínez pela Rocco (2013)
>>> Mulher e Família: Diversos Dizeres de Maria Cristina Lopes de Almeida (org) e Outros pela Oficina do Livro (2006)
COLUNAS

Quinta-feira, 17/4/2003
Babenco traz sua visão do país Carandiru
Lucas Rodrigues Pires

+ de 19200 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Mesmo depois de mais de 30 anos morando e filmando no Brasil, Hector Babenco não perdeu o sotaque de quem nasceu e viveu infância e adolescência na Argentina. Sua fala mansa e ponderada nada tem a ver com a força e a contundência das imagens registradas em quase duas horas e meia de sua adaptação ao livro de Drauzio Varella, Carandiru. A figura humana e tranqüila do cineasta contrasta com a crueza das cenas que Carandiru carrega, muitas delas próximas do mesmo impacto causado por Cidade de Deus, outro filme que traz a bandidagem como protagonista.

Recentemente, Babenco esteve no MAM de São Paulo exibindo o making of do filme e respondendo a perguntas das mais de 80 pessoas que lá estiveram. Entre os presentes, dois ex-presidiários (um deles morador do Carandiru por mais de dois anos) que tiveram a coragem de se expor e acrescentar algo à discussão. "O mais importante do livro do Drauzio é que ele mostra que a cadeia não é um inferno, tal qual a idéia geral difundida na sociedade. Aqueles homens são seres humanos, com sentimentos e dramas pessoais", afirmou um ex-detento que ficou por sete anos preso em Porto Alegre. Mesmo sem ver o filme, ele conseguiu compreender a visão do cineasta para o livro de Varella.

Assim como em Estação Carandiru, o filme assume declaradamente a visão dos presos. "No livro, o Drauzio conta que só ouviu os presos. Adotei o mesmo ponto de vista do médico-narrador", afirma o diretor. Mesmo assim, não deixa de frisar que seu filme, ou qualquer outro que venha a ser feito, impõe uma verdade que no fundo é um discurso, ou seja, está imbuído de parcialidade. "O filme emana da leitura do livro, não de páginas deles. Eu trago imagens do que é a minha visão daquelas palavras. Qual a versão verdadeira? Todas. Amanhã pode vir alguém e fazer algo dizendo o contrário", explica Babenco.

Carandiru foca o cotidiano de mais de sete mil presos no até então maior presídio da América Latina (o complexo foi desativado e demolido ano passado). A experiência de Drauzio Varella em buscar conscientizar a população carcerária do perigo da Aids, doença que se tornara uma epidemia no complexo penitenciário, começou em 1989. Foi durante esse trabalho que o médico escutou relatos, confissões mesmo ouvidas na enfermaria, localizada no primeiro andar do Pavihão 5. Esses retalhos de vidas, por incentivo de Babenco, começaram a ganhar forma de texto, no que resultou o livro que já vendeu mais de 350 mil exemplares e agora no filme que promete atrair milhares aos cinemas e reaquecer o debate levantado por Cidade de Deus no ano passado.

Muitos críticos vêm afirmando que Carandiru é uma revisita do diretor a sua mais conhecida produção, Pixote - A Lei do Mais Fraco. Babenco já declarou que só foi relacionar os dois mundos quando da montagem do filme, mas relembra que cada um tem história própria e Carandiru não foi realizado com espírito de continuação, apesar de concordar que "os Pixotes de ontem estão no Carandiru de hoje". No fundo, ambos tratam do mesmo espectro social - os marginalizados a quem a sociedade finge que dá chances de recuperação, mas acaba apenas por reforçar o estigma de malfeitor.

O cinema brasileiro contemporâneo tem-se voltado muito à temática social. Seu maior exemplo talvez esteja no ótimo documentário Ônibus 174, de José Padilha. Aqui, o episódio célebre do seqüestro de um ônibus e a conseqüente morte de uma refém e do bandido Sandro do Nascimento, ocorrido em junho de 2000, outra chaga exposta da violência nacional, é o detonador para uma pesquisa sobre os "invisíveis da sociedade" (nas palavras do secretário de segurança do RJ Luiz Eduardo Soares), os excluídos sociais que a classe média alta insiste em ignorar e a segregar em guetos, sem perceber que há muito tempo esses guetos já invadiram seu mundo.

No campo da ficção, Carandiru chegou para somar ao debate levantado por Cidade de Deus, o filme de Fernando Meirelles que narra a ascensão do tráfico e da violência numa favela carioca. Após ver a obra de Babenco, não há como não enxergar paralelo entre eles. Carandiru começa onde Cidade de Deus acaba...

O filme de Meirelles traz o mundo dos bandidos nas ruas, nas favelas. Mostra a evolução do tráfico, as normas de conduta e sobrevivência da malandragem na Cidade de Deus. Termina com a morte do então líder Zé Pequeno, a prisão de outros e a substituição na hierarquia do tráfico. Carandiru desemboca nessa extensão, quando o criminoso chega ao presídio e deve se acostumar com a "nova" vida, ser útil ao grupo para sobreviver. Sobreviver no meio da guerra entre facções criminosas em favelas como a Cidade de Deus descrita por Meirelles é tão difícil ou até mais do que sobreviver dentro do Carandiru. "O grau de marginalidade dentro da prisão é o mesmo de um bairro como Capão Redondo, por exemplo", afirma Babenco, que antes da desativação do presídio acompanhou Varella numa visita, conheceu algumas normas e leis que há entre os presos e até bebeu uma limonada com eles. Conta ele esta experiência: "Um dos detentos me chamou à cela para tomar uma limonada. Tudo limpíssimo! Nem na minha casa teria aquela limpeza, talvez na casa da minha mãe. Aí um deles estava me encarando e eu tremendo de medo. Sabia que não devia demonstrar isso e acabei por perguntar se tinha algum problema. No que ele me respondeu: 'O senhor se importa de eu estar sem camisa?'".

As regras sociais na prisão formam um complexo a mais na exploração da vida na cadeia. O respeito às visitas, às mulheres, à dívida assumida e, principalmente, ao código de silêncio, de não delatar nenhum companheiro, deve ser seguido à risca, sob pena de morrer na ponta de uma faca durante a madrugada. "Eles criaram um código de convivência que no fundo é um modelo de sobrevivência para quem não quer sair dali morto", afirma o diretor. Essa nova sociedade hierarquizada que se vê na Casa de Detenção, assim como na Cidade de Deus, reflete o próprio país, num espaço geográfico em menor escala. Enquanto vemos pela televisão presidente, ministros, executivos, políticos e jornalistas, não temos a oportunidade de ver como funciona a mesma hierarquia no microcosmo desses guetos sociais. São traficantes, faxineiros, enfermeiros, cozinheiros, laranjas pra assumir o crime de outrem e muitas outras "funções" que se amontoam dentro daquele espaço limitado.

Temática corrente nos dois filmes é a exclusão social. Ambos tratam de marginalizados, de "outsiders" da sociedade atual, em que apenas aqueles que têm poder aquisitivo são considerados cidadãos. Nesse sentido, não há diferença entre o bandido Bené de Cidade de Deus e Ezequiel de Carandiru. Enquanto um está preso, endividado e marcado pra morrer, o outro é um dos "donos do pedaço" na favela, mas não tem a liberdade para ir onde quer e nem comprar o que quer. "Olha o grau de exclusão a que chegamos. O cara tem dinheiro pra comprar um shopping inteiro, mas tem de pedir a outro pra comprar umas roupas, pois nunca tinha entrado num shopping. Falta ao Brasil vergonha na cara. Ele se resume a pessoas que freqüentam shopping e assistem TV a cabo", desabafa o cineasta, lembrando que deu emprego a 14 mil pessoas durante quatro meses com a produção de Carandiru.

Na miríade de personagens descritos por Drauzio Varella em Estação Carandiru, Babenco e os roteiristas tiveram o mesmo trabalho que Meirelles e sua equipe enfrentaram para condensar as centenas de páginas e vidas descritas por Paulo Lins em Cidade de Deus. Enquanto um é o retrato da marginalidade em campo aberto, Carandiru limita o espaço físico e remonta as vidas e ramificações daqueles que foram presos.

Babenco elegeu alguns personagens e foi com eles até o final. Entre principais e secundários, são quase 150 atores que desfilam nas telas. A rostos desconhecidos juntam-se famosos, mas sem que estes tenham papel de maior destaque ou importância. Assim, vemos Rodrigo Santoro, Milton Gonçalves, Antonio Grassi e Caio Blat contracenando com uma nova geração de atores que (re)surgiu com a Retomada do cinema brasileiro (Wagner Moura, Sabrina Greve, Lázaro Ramos, Robson Nunes e Gero Camilo) e com rostos inéditos ao público (Aílton Graça, Milhem Cortez, Julia Ianina, Dionísio Neto). Babenco faz questão de lembrar que foi Rodrigo Santoro que se ofereceu a viver o personagem Lady Di ("uma flor brotada no asfalto", diz o diretor), um travesti que teve mais de 2 mil parceiros sexuais e milagrosamente não se infectou com o vírus HIV.

Enquanto no livro a presença subjetiva do médico é sentida a cada linha lida, no filme houve a opção de incluí-lo como mero observador dos fatos, o que é mais fácil de ser absorvido por imagens do que por palavras. Com isso, o Carandiru ganha vida própria, sem a intermediação de uma voz que nos apresente o local (apesar de duas ou três intervenções em off do personagem do médico) e as pessoas. Assim, Babenco buscou escapar de qualquer forma de glorificação ao amigo que lhe salvou a vida quando teve um câncer linfático. "Filmar o livro fazia com que corresse o risco de transformar o Drauzio numa Madre Tereza de Calcutá. Esse afastamento dele no filme foi uma opção de linguagem, narrativa. Sua presença tinha de ser discreta, passiva, mas com a impressão de que ele esteve em todo o filme", confessa o cineasta.

No mosaico de "short cuts" que se tornou Carandiru, o fio condutor da trama parece ser mesmo o próprio espaço físico - o presídio. Seus corredores, suas celas escuras onde se espremiam dezenas de presos, o pátio onde recebiam as visitas, a enfermaria suja e pestilenta, o campo de futebol de barro... Por este espaço, ao mesmo tempo opressivo e libertador, seus personagens desfilam dilemas, escolhas, dramas, sentimentos, arrependimentos, saudades, lembranças. Por dar vazão ao ser humano que existe em cada um dos criminosos, uma opção clara à proposta de Varella em ver os presos como seres humanos e não como bandidos assassinos ("estava ali para ajudá-los e não para julgá-los", escreveu o médico), Babenco traz no gene do filme sua postura diante da crise penitenciária e da violência imposta a todos atualmente. Essa crítica, acentuada pelo tom seco e cru (que muitos identificam com certo tom documental) da fotografia de Walter Carvalho, está longe do denuncismo panfletário barato e atingirá seu ápice no final da fita, com a seqüência da rebelião no Pavilhão 9 e conseqüente invasão e massacre por parte da tropa de choque da PM, fato ocorrido em 2 de outubro de 1992.

Babenco acredita numa verdade - a sua - e, mesmo que transmitida via ficção, vai às últimas conseqüências, colocando claramente que houve um massacre contra a população desarmada e sem chances de defesa (numa cena, um policial invade uma cela, metralha vários e deixa um vivo e diz: "Você fica pra contar a história". Sai da cela, o preso sorri aliviado, mas o mesmo policial volta, dá um sorriso cínico, diz que mudou de idéia e o fuzila a queima-roupa). Mesmo que sejam questionáveis fatos que o filme retratam, como a chuva de facas e paus que se segue após o diretor do presídio pedir aos presos que se acalmassem e voltassem a suas celas, Babenco ousa dizer o que muitos têm medo. "Os personagens do filme não existem naquela totalidade. Todos os nomes são fictícios, a personalidades. Os únicos que coloco e deixo claro são o governador, o secretário de segurança e coronel que deu a ordem de invasão". Ainda indignado, confessa: "Quantos foram mortos não importa! Se 111, 14 ou 184, isso não tem a menor importância!!".

Uma cena em Carandiru talvez sintetize bem a visão do diretor para o fato: entre os cadáveres ao chão ensangüentado jogados no corredor do pavilhão, um cão pastor caminha farejando algo. Ele encontra um gato e, com delicadeza e receio, se aproxima dele, quase a lhe tocar focinho. Um não ataca o outro. Eis talvez a maior mensagem de Carandiru...

Post Scriptum
Para quem gosta do tema, no Festival de documentários É Tudo Verdade está sendo exibido o filme O Prisioneiro da Grade de Ferro, dirigido por Paulo Sacramento. Nasceu de um projeto junto a presos do Carandiru em 2001, quando a equipe de Sacramento entregou aos próprios presos câmeras digitais para eles próprios filmarem o que quisessem. Daí o subtítulo de auto-retratos dado ao filme. Carandiru é película em forma de ficção; O Prisioneiro da Grade de Ferro tem praticamente o mesmo conteúdo, as mesmas abordagens temáticas daquele, com a vantagem de ser um documentário filmado pelos próprios protagonistas...


Lucas Rodrigues Pires
São Paulo, 17/4/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Fechado para balanço, a poesia de André Luiz Pinto de Jardel Dias Cavalcanti
02. Silêncio e grito de Ana Elisa Ribeiro
03. Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte I) de Jardel Dias Cavalcanti
04. A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura de Jardel Dias Cavalcanti
05. 12 tipos de cliente do revisor de textos de Ana Elisa Ribeiro


Mais Lucas Rodrigues Pires
Mais Acessadas de Lucas Rodrigues Pires em 2003
01. Babenco traz sua visão do país Carandiru - 17/4/2003
02. O cinema brasileiro em 2002 - 16/1/2003
03. A normalidade sedutora d'Os Normais - 3/12/2003
04. Top 10 da literatura - 16/10/2003
05. O lado A e o lado B de Durval Discos - 3/4/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/5/2003
16h54min
O autor fez uma bela resenha do filme
[Leia outros Comentários de Piero Floripa]
6/4/2005
11h12min
Bela matéria, estou elaborando um documentário sobre o assunto e o conteúdo foi muito útil, principalmente na indicação de outros filmes que ajudaram a enriquecer as informações do trabalho. Parabéns!!!
[Leia outros Comentários de Jaqueline]
20/6/2007
07h35min
Mesmo depois de mais de 30 anos morando e filmando no Brasil, Hector Babenco não perdeu o sotaque de quem nasceu e viveu infância e adolescência na Argentina. Sua fala mansa e ponderada nada tem a ver com a força e a contundência das imagens registradas em quase duas horas e meia de sua adaptação ao livro de Drauzio Varella, Carandiru. A figura humana e tranqüila do cineasta contrasta com a crueza das cenas que Carandiru carrega, muitas delas próximas do mesmo impacto causado por Cidade de Deus, outro filme que traz a bandidagem como protagonista. Recentemente, Babenco esteve no MAM de São Paulo exibindo o making of do filme e respondendo a perguntas das mais de 80 pessoas que lá estiveram. Entre os presentes, dois ex-presidiários (um deles morador do Carandiru por mais de dois anos) que tiveram a coragem de se expor e acrescentar algo à discussão. "O mais importante do livro do Drauzio é que ele mostra que a cadeia não é um inferno, tal qual a idéia geral difundida na sociedade.
[Leia outros Comentários de diego graça da silva]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Ursinha e as Borboletas
Susan Quinn, Caroline Pedler
Ciranda Cultural
(2013)



Just in Time! All-new - 30 Minute Meals...
Rachael Ray
Crow Publishers
(2007)



Segredos de Família -
Lisa Wingate
Globo Livros
(2018)



Sabor de Sonho
Claudio Feldman, Claudia Scatamacchia
Moderna
(1994)



Alice no País das Maravilhas
Não Consta
Dcl
(1980)



Sentinelas da Alma
Francisco Cândido Xavier
ideal
(1982)



Centro de Estudos da Antiguidade Greco-romana Ceag - Hypnos Vol 6
Palas Athena
Triom e Educ
(2000)



O Que e Sociologia
Carlos Benedito Martins
Brasiliense
(1994)



Dom Casmurro - Série Bom Livro
Machado de Assis
Atica
(2012)



Qual é a Tua Obra?
Mario Sergio Cortella
Vozes
(2012)





busca | avançada
64744 visitas/dia
1,7 milhão/mês