Liberdade | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
47877 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
>>> Curso de Formação de Agentes Culturais rola dias 8 e 9 de graça e online
>>> Ciclo de leitura online e gratuito debate renomados escritores
>>> Nano Art Market lança rede social de nicho, focada em arte e cultura
>>> Eric Martin, vocalista do Mr. Big, faz show em Porto Alegre dia 13 de abril
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entrevista com Noga Sklar
>>> Tempo vida poesia 2/5
>>> The Social Network ou A Rede Social, o filme
>>> Só notícia boa
>>> Made in China
>>> Para ler o Pato Donald
>>> Prossiga
>>> Mozart 11 com Barenboim
>>> Para amar Agostinho
>>> Discos de MPB essenciais
Mais Recentes
>>> Livro -Exercicios de matematica volume 2 funçoes e logaritmos de Manoel Benedito Rodrigues pela Policarpo
>>> Revista Trip 207 de Herson Capri; Pedrinho Aguinaga; Rebeca Nunes; Anderson Silva pela Trip (2012)
>>> Livro - Um corpo na biblioteca de Agatha Christie pela Nova fronteira (1942)
>>> Aprendizado do Coração de Clara Rennó pela Associadas
>>> Exercite Sua Mente de Reader`s Digest pela Seleções
>>> Doce Rosas para Rosa de Dolores Soler-Espiauba pela Rama (1989)
>>> Sublime Missão: Resgatando Vidas no Mundo das Drogas de Assis Azevedo; João Maria pela O Clarim (2004)
>>> Gravidez Saudável de Cynthia Howlett; Suppa (ilustr.) pela Réptil (2007)
>>> Auto Liderança: Manual para Treinadores e Consultores de Projetos Pessoais de Suryavan Solar; Cóndor Blanco pela Gran Sol (2010)
>>> Estrada da Guerra: Novos Autores: Juiz de Fora de Vítor Ribeiro Halfeld pela Funalfa (2014)
>>> Um Coração Saudável de Dr. Roque Marcos Savioli pela Canção Nova (2006)
>>> Amor Ilimitado de Festo Kivengere; Dorothy Smoker; MyrianTalitha Lins pela Bethania (1979)
>>> Geração Perdida: Jovens na Contramão de Naor Pedroza pela Vinha (2013)
>>> Revista Arte e Estilo: Ano 2 de Beatriz Milhazes; Anderson Thives; Katia Politzer; Dulce Nascimento; Teresa de Oliveira Santos pela Arte e Estilo Design (2013)
>>> Metalurgia e Desenvolvimento: A Corrida dos Metais no Brasil de Indústria Metalúrgica pela Associação Brasileira de Metais (1989)
>>> O Vinho na Cozinha de Eduardo Viotti pela Moderna; Folha de S. Paulo (2010)
>>> Filosofia: Por Uma Inteligência da Complexidade de Celito Meier pela Pax (2010)
>>> O Almanaque do Futebol Brasileiro de Marco Aurélio Klein; Sergio Alfredo Audinino pela Escala (1996)
>>> O Teatro Norte-Americano Hoje de Alan S. Downer (org.); José Paulo Paes (trad.); Edward Albee; Richard Barr; Esther M. Jackson pela Cultrix (1969)
>>> Coleção de Receitas de Knorr pela Knorr
>>> A Tragédia: Estrutura e História de Lígia Militz da Costa; Maria Luiza Ritzel Remédios pela Ática (1988)
>>> História da Inconfidência de Minas Gerais de Augusto de Lima Junior pela Itatiaia (1968)
>>> Deus Pode: Gospel de Silas Malafaia pela Central Gospel (2014)
>>> Sonhos Sem Fim: John Lennon; Michael Jackson; Ayrton Senna de Jucelino Nóbrega da Luz pela Ibrasa (2011)
>>> Compêndio de Teoria Elementar da Música de Osvaldo Lacerda pela Ricordi (1966)
COLUNAS

Segunda-feira, 18/5/2015
Liberdade
Ricardo de Mattos
+ de 3100 Acessos

"Ser-se livre não é fazermos aquilo que queremos, mas querer-se aquilo que se pode" (Jean Paul Sartre)


Foi com satisfação que encerramos a leitura do texto intitulado O fardo e a bênção da mortalidade, escrito pelo filósofo alemão Hans Jonas (1903/1993). Com argumentos muito bem sequenciados, Jonas restringe-se ao homem encarnado, mas lança questões que não podem ser resolvidas pelo homem encarnado. Há vários pontos que nos chamaram a atenção neste texto, alguns dos quais mencionaremos suscintamente para logo chegarmos ao tema de nossa coluna.

Jonas parte da obviedade de que o organismo só morre porque está vivo. Decorre que, num primeiro momento, viver é evitar a morte. Se fosse apenas isto, para que serviria ao indivíduo travar sua batalha diária pelo direito de permanecer sobre o solo em que pisa? Esta pode ser a realidade de populações inteiras, porém mesmo o indivíduo em situações das mais vulneráveis ocasionadas por guerras civis, epidemias ou governos incompetentes reluta em manter sua vida para apenas por exercício biológico. "Até mesmo o mais doente dentre nós, se deseja de algum modo continuar a viver, deseja o fazer pensando e sentindo, e não apenas digerindo", afirma o filósofo. Chega o momento em que a pessoa não apenas quer afastar a morte e manter-se vivo, como também decide afirmar-se como ser ao menos diante do trecho de mundo no qual reside. "Apenas no confronto com o sempre possível não-ser, o ser poderia vir a sentir-se, afirmar-se, tornar-se seu próprio fim. Através da negação do não-ser, 'ser' transforma-se em uma constante escolha de si mesmo", ele arremata.

Daí Jonas dizer que a mortalidade orgânica, biológica, ser ao mesmo tempo um fardo e uma bênção. Fardo, pois em meio à mencionada pugna pela sobrevivência, e a despeito de seus esforços, o indivíduo pode sucumbir. Bênção, pois o indivíduo não se encontra estruturado para a imortalidade orgânica, em que pese o sonho de muitos neste sentido. Reportando-se inclusive ao escritor irlandês Jonathan Swift, Jonas especula se a imortalidade biológica não traria a cada pessoa um de dois transtornos: ou o passado seria esquecido para que se pudessem armazenar informações mais recentes, ou as informações seriam arquivadas no limite do cérebro, chegando o momento que a pessoa viveria no passado, sem conexão com o presente.

Segundo Jonas, o indivíduo não está organicamente adequado à vida eterna no corpo. Há de perder seu envoltório mais grosseiro e é uma lei natural que assim ocorra. À mortalidade antepõe-se a natalidade: "o começo sempre renovado, que só pode acontecer ao preço de um fim sempre repetido, é a proteção da humanidade contra a queda no tédio e na rotina, sua chance de conservar a espontaneidade da vida". Aproximando esta leitura de reflexões que nos ocupavam o espírito, formou-se a questão: e para a Liberdade, estará o homem adaptado? De que Liberdade ele gozará, mesmo que consideremos apenas o tempo entre o primeiro choro e o último suspiro?

Liberdade é algo já por si difícil de definir. Seria fazer o que queremos? Mas si nosso próprio querer pode estar sujeito a pulsões ou a amarras das quais nós mesmos não temos consciência... Ou até notamos um rabicho de consciência, não gostamos e esforçarmo-nos por escondê-lo.

Certo pensamento ao nosso ver reducionista afirma que a Lei decide o que é Liberdade. Nossa Constituição não a define, mas apresenta casos em que ela se manifesta: liberdade de ir, vir, ficar, de expressão, de associar-se e manter-se ou não associado. Liberdade de consciência, relacionada com a liberdade de adotar a religião que se quiser, ou não adotar alguma. Livre iniciativa no plano dos negócios. Liberdade de convicção política. Entretanto, entendemos a Liberdade como algo inerente ao humano tão somente porque humano. Não será este ou aquele Estado quem decidirá o que é ser livre. Este ou aquele Estado apenas reconhecerá um espectro maior ou menor de Liberdade às pessoas que habitam dentro de suas fronteiras geográficas.

A Liberdade é biológica? Seria temerário afirmar que sim. A princípio, somos livres para viver no meio ambiente ao qual este corpo físico está adaptado. Somos livres para decidir pela vida frugal no meio do deserto do Saara. Podemos mudar-nos para lá e levar esta extravagância até suas últimas consequências. Ou sua última consequência: a morte física. Esperamos que deste exemplo extremo o leitor perceba que não foi do organismo biológico que partiu a decisão de mudança tão drástica. A homeostase, a necessidade instintiva de restaurar o equilíbrio orgânico tende a encaminhar o ser para onde ele possa satisfazer suas necessidades mais básicas. Diante da necessidade de hidratação, o homem tende a estabelecer-se onde a água é garantida, não onde ele conhece de antemão sua ausência ou escassez. Pode ocorrer um esforço adaptativo, de forma que o homem saído de região úmida possa de fato ser reconhecido como modelo de perseverança. Contudo, que dizer desta vida de privação auto-imposta e gratuita? Que se deseja provar com isto? "Quero provar que eu sou livre"! Sim, mas e daí?

A Liberdade é psíquica? Eis um terreno em que se trilha com maior cuidado. Nosso eremita que se submeteu a privações no deserto pode ter motivação que o leve a tal façanha. Esteja de acordo com alguma crença, poderá entender que as privações garantir-lhe-ão a vida futura. O que ele fará de uma vida futura, se não dá conta da que possui hoje? Ele pode basear-se em conclusões pessoais, é certo, mas poderá apenas referendar com a própria vida as conclusões alheias, ou pode simplesmente almejar a superação para afirmar que é melhor que os outros, ou que muitos, nesta ou naquela façanha. Fora as conclusões pessoais, percebemos aqui dois grilhões: ou o eremita está vinculado ao que outros disseram e ele não se mostrou forte o suficiente para superá-los; ou ele está preso a uma pequena vaidade de querer superar as demais pessoas seja no que for. No mundo moderno, este desejo de superação atinge o ridículo. Basta consultar o Guines Book para conferir do que se é capaz para ser "mais" ou "melhor" que os outros em coisas que não valem sequer nossa atenção, quanto mais nossa dedicação. Contudo, como estamos falando do humano e não de tecnologia, estamos falando também do livre-arbítrio, o que permite encaminhar nossos estudos no sentido de que o homem é tão mais livre de condicionamentos quanto mais adquira consciência de si como ser biopsíquico e espiritual. Apesar dos entraves, afirmamos haver um núcleo que, como diria Kipling, "não se rende e comanda: resistir!".

A visão estreita a respeito do ser humano leva-o a concentrar-se nos aspectos de sua liberdade compreendidos pela biologia. Infelizmente, olhamos em torno e percebemos que, si para alguém é uma ofensa a privação forçada de seus passos, é-lhe irrelevante a proibição de assistir um filme ou ler determinado livro. O Código Penal e as leis penais vigentes punem condutas que restrinjam a liberdade de ir e vir, mas não lembramos de alguma que puna as restrições à liberdade de informação. Passamos pela vida vendo pessoas que não leem um livro "porque o professor não gosta"; "porque fulano não gosta do escritor"; "porque beltrano falou que não presta". O fato de alguém criticar um livro é-nos suficiente para desejar ao menos folheá-lo. Uma professora de Direito Comercial criticava veementemente determinado autor e recomendava clássicos que pouco deviam dizer já a seu tempo de formação. Fomos conferir e descobrimos que a matéria dada por ela, na sequência dada por ela, estava inteira nas obras condenadas.

Focamo-nos tanto em nosso corpo e em nossos condicionamentos que esquecemos do quão livre pode ser nosso espírito. Tivemos oportunidade de conversar com um grupo de hóspedes do sistema penitenciário estatal e comentamos com eles a respeito do formidável livro O faz-tudo, de Bernard Malamud. Contamos que o prisioneiro não apenas é mantido indefinidamente em estreita cela solitária, como também a certa altura é acorrentado dentro dela, tendo ainda mais cerceada sua movimentação. Este estado dura tempo suficiente para ele recordar com nostalgia os meses em que podia varrer a cela e ler páginas avulsas do Antigo Testamento. Tal comentário provocou murmúrios entre pessoas que, apesar da evidente limitação à liberdade de ir e vir, bem ou mal possuem à disposição algum curso profissionalizante, uma biblioteca e acesso a reuniões de cunho religioso.

O homem não nasce livre: adquire Liberdade. Esta Liberdade é assegurada pela Responsabilidade, que é a capacidade do ser para dar respostas às questões da vida, incluídos desde os aspectos últimos de sua existência até os fatos de seu cotidiano. Não apenas dar respostas, mas de não as dar e mesmo de rever aquelas dadas diante de outros valores. Arriscamos mesmo a dizer que a Responsabilidade é que define o homem como um ser livre. Diante do fato da vida ele poderá escolher a atitude que melhor expressará determinado valor.

A Liberdade começa a definir-se como um sentimento e como preceito social. A pessoa quer gozar do sentimento de Liberdade mesmo que se envolva em situações estapafúrdias. Como preceito social, a Liberdade do indivíduo é verificável em contraposição ao seu papel na sociedade. Kardec registrou que, por viver em sociedade, ao homem já não é dado usufruir de liberdade absoluta. De fato, para virmos ao mundo já precisamos de duas pessoas. Os primeiros anos requerem ao menos uma ao nosso lado. Com o desenvolvimento pessoal, adquirimos maior ou menor autonomia ou independência. A menos que confeccionemos nossas roupas coletemos nossos alimentos e contemos nossas próprias histórias, já não podemos falar em Liberdade total. Ainda segundo as anotações de Kardec, a liberdade absoluta do homem só pode ser usufruída no pensamento: eis o reino em que cada um pode ser seu próprio Louis XIV. "Estar condenado à Liberdade", portanto, assemelha-se-nos a um exercício de retórica.

Mantendo nossa visão teísta, passamos a perceber que somente esta inteligência ilimitada, que tudo criou sozinho, pode gozar de uma Liberdade absoluta. Tão absoluta que supera a questão da Liberdade x Não Liberdade. Como tudo criou, criou também o bípede implume que se esforça em encontrar algo que restrinja Sua Liberdade. Aquele que É não está adstrito a conceitos humanos. Apenas por escrevermos "Aquele que É" abriu-se como que um rasgo em nossa temporalidade e paramos por momentos tentando entender o que seria este supremo ser.

Mesmo em passagem de aparente cerceamento do indivíduo, Cristo assegurou a cada um de nós a liberdade de decisão. Referimo-nos ao trecho em que afirmou: "Se alguém quiser vir após mim, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz, dia após dia, e siga-me" (Lucas, 9, 23). A cada um é conferida a decisão: "Se alguém quiser vir...". Revela-se que aderir ao seu ministério ultrapassa questões de autoridade ou tradição. Quem de forma madura decidir-se por segui-lo deve ter entendido que há ampla tarefa a ser cumprida e que de nada adianta impor os limites da própria personalidade em aspectos desta tarefa dos quais o neófito sequer ainda tem consciência de existirem. Ao leitor mais familiarizado com processos seletivos para vagas de emprego, perguntamos: é o candidato quem determina o que a empresa deve fazer para que ele se digne a trabalhar para ela, ou ele é quem mui humildemente apresenta-se diante de uma estrutura prévia?


Ricardo de Mattos
Taubaté, 18/5/2015

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Esse povo pobre de Urariano Mota


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2015
01. Sobre caramujos e Omolu - 20/4/2015
02. Alcorão - 26/1/2015
03. Espírito e Cura - 20/7/2015
04. Carmela morreu. - 23/11/2015
05. Silêncio - 17/8/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Crimes Falimentares
Arthur Migliari Júnior
Lex
(2002)



Treinamento Prático Em Dreamweaver (2006)
Sandra R. B, Pinto
Universo dos Livros
(2006)



O Coiso Estranho (2014)
Blandina Franco, Jose Carlos Lollo
Companhia das Letrinhas
(2014)



Novos Estudos Cebrap 88
Varios
Edições Cebrap
(2010)



Triste Fim de Policarpo Quaresma
Lima Barreto
Ciranda Cultural
(2007)



Chico Buarque
Wagner Homem
Leya
(2009)



O Que Suas Roupas Dizem Sobre Você
Trinny Woodall, Susanna Constantine
Globo
(2010)



Monolito e Demais
Elvira Lindo
Martins Fontes
(2002)



Normas Técnicas para o Trabalho Cientifico (nova Abnt)
Pedro Augusto Forasté
Paulo Augusto Forasté
(2004)



Reencontro.... Almas Em Harmonia
Iara Cristina Leopardi Pinheiro
Panorama
(1999)





busca | avançada
47877 visitas/dia
1,6 milhão/mês