Elke Coelho e a estética glacial-conceitual | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
78548 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Conto outubro - Sesc Carmo - literatura infantojuvenil
>>> Projeto seleciona as melhores imagens de natureza produzida por fotógrafos de Norte a Sul do país
>>> Infantil com a Companhia de Danças de Diadema tem sessão presencial em Ilhabela e Caraguatatuba
>>> Teatro do Incêndio realiza roda de conversa na Rua 13 de Maio sobre carnaval e identidade do Bixiga
>>> Mauro Mendes Dias lança Entre Baratas e Rinocerontes no encerramento da Semana da Estupidez
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O legado de Graciliano Ramos
>>> Extraordinary Times
>>> Ensaio sobre a surdez
>>> The Search, John Battelle e a história do Google
>>> As ligações perigosas
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Consulta
>>> Dia do Sabino
>>> De Siegfried a São Jorge
>>> So much that was good but is gone
Mais Recentes
>>> LEVIATÃ, ou Matéria, Forma e Poder de um Estado Eclesiástico e Civil de Thomas Hobbes (1588-1679) pela Martin Claret (2014)
>>> O Inverno Chegou de Cynthia Freeman pela Nova Cultural (1987)
>>> Parábolas de Jesus: texto e contexto de Haroldo Dutra Dias pela Federação Espírita do Paraná (2011)
>>> Nunca Houve um Castelo de Martha Batalha pela Companhia das Letras (2018)
>>> O segredo de fátima de Irmã lúcia pela Loyola (1991)
>>> Iniciação À Arte De Curar Pelo Magnetismo Humano de Paul-Clément Jagot pela Pensamento
>>> Venda mais - DEUS na empresa. A espiritualidade ajuda a vender? Ano 9 - Nº108 de Vários pela Quantum (2003)
>>> Meu Recife de Outrora: Crônicas do Recife Antigo de Fernando Pio pela Departamento de Cultura (1969)
>>> Aparência Rio de Janeiro - 60 Notícia Histórica Descritiva da Cidade de Gastão Cruls pela José Olympio (1949)
>>> Experiências Psíquicas Além da Cortina de Ferro de Sheila Ostrander e Outro pela Cultrix (1970)
>>> Aprender a pensar de Edward de Bono pela Plaza e Janés (1987)
>>> Nem cosme nem damião de Joaquim vaz de carvalho pela Giz (1993)
>>> A Tormenta de Espadas. As Crônicas de Gelo e Fogo - Volume 3 de George R R Martin pela Leya (2012)
>>> A Guerra dos Tronos. As Crônicas de Gelo e Fogo - Volume 1 de George R R Martin pela Leya (2012)
>>> A Dança Dos Dragões - Coleção As Crônicas De Gelo E Fogo. Volume 5 de George R R Martin pela Leya (2012)
>>> A Furia dos Reis: As Cronicas de Gelo e Fogo, Vol. 2 de George R R Martin pela Leya (2011)
>>> O Festim Dos Corvos - Coleção As Crônicas de Gelo e Fogo de George R R Martin pela Leya (2012)
>>> A Menina Submersa: Memórias: Um caso de amor para toda vida de Caitlin R. Kiernan pela Darkside (2015)
>>> D.Gray-Man, Volume 15 de Katsura Hoshino pela Panini Comics (2009)
>>> D.Gray-Man, Volume 14 de Katsura Hoshino pela Panini Comics (2009)
>>> D.Gray-Man, Volume 13 de Katsura Hoshino pela Panini Comics (2009)
>>> D Gray Man Vol. 12 de Katsura Hoshino pela Panini Comics (2010)
>>> D. Gray-man Volume 11 de Katsura Hoshino pela Panini Comics (2010)
>>> Manuel Bandeira- Análise e Interpretação Literária de Emanuel de Moraes pela José Olympio (1962)
>>> O Fantasma de Jo Nesbo pela Record (2017)
COLUNAS

Terça-feira, 16/7/2013
Elke Coelho e a estética glacial-conceitual
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 6900 Acessos

A Divisão de Artes Plásticas da Casa de Cultura da UEL, sob a direção do artista Danillo Villa, tem representado para a cidade de Londrina um acontecimento exemplar, tornando-se o único espaço realmente vivo na cidade onde a arte contemporânea tem sido exibida, através da apresentação de uma grande variedade de artistas e de suas propostas, criando uma conjunção extremamente rica entre exposição, debates (com os artistas, críticos e público) e uso educativo do espaço pela comunidade. Além disso, mantendo um edital anual aberto a artistas de todo o país. (visitem o blog)

É dentro dessa política que foi inaugurada este mês a instigante exposição "Quando os objetos se tornam abismos", da artista plástica Elke Coelho. São dois andares da Casa de Cultura ocupados por uma grande variedade de objetos criados pela artista, reunidos a partir de uma proposta conceitual com forte teor introspectivo.

A arte conceitual abriu um espaço, a partir dos anos 60 e 70, para que artistas pudessem criar obras de forma extremamente livre, a partir de uma infinidade de objetos apropriados do universo industrial ou natural, e no qual a ideia fosse mais importante que a fatura do próprio objeto. A (re)construção de significados a partir do encontro de objetos recortados e agrupados de forma inusitada advinha das experiências das vanguardas, principalmente dadaísta e surrealista, que tomaram, a partir da segunda metade do século XX, um caminho bastante profícuo em proposições artísticas. Artistas como Kosuth, Manzoni, Morris, Sol Lewitt, Buren, Cildo Meireles, Eva Hesse, Gober, dentre tantos outros, abriram espaço para experiências artísticas onde forma, ideologia, identidades, gêneros, política, subjetividades, história apareciam discutidas nesse entrecruzar de objetos redefinidos a partir do interesse particular de cada artista.

No caso específico da artista Elke Coelho, essa tendência conceitual se dá pela apropriação de objetos industriais como cotonetes, giletes, vidros, alfinetes, palitos de fósforo, palitos de dente, algodão, caixas de acrílico, espuma, rolhas, pregos, canecas, esferas peroladas, etc, e pela apropriação de objetos naturais como plantas e frutas (cactos, flor sempre-viva e maçãs).

Ao se percorrer a exposição da artista, a primeira coisa que salta aos olhos é o predomínio da cor branca dos objetos por ela criados (ou apropriados). Na obra "Deserto", por exemplo, Elke organiza uma espécie de campo desértico, através de um fileira de "telas", construídas por um ajuntamento de centenas de cotonetes, sustentados por estruturas acrílicas. O branco que se estende pela ampla parede que o recebe indica e reforça, sem sombra de dúvida, a imagem do deserto ou de um amplo vazio.

Apesar da ideia de deserto não ser atraente, pois significa uma possibilidade de ausência de vida, de solidão, os cotonetes, em sua fatura algodoada, nos transmitem uma sensação de aconchego, de conforto dentro desse deserto.

Embora o efeito imediato do branco na obra seja sensorial, vale atentar para o seu sentido simbólico. Segundo Kandinski, em seu livro Do espiritual na arte, "o branco, considerado muitas vezes como uma não-cor, é como o símbolo de um universo onde todas as cores, enquanto propriedades de substâncias materiais, se desvanecem. Este universo é de tal forma elevado, que dele não chega qualquer som. Apenas um grande silêncio se estende até ao infinito, como uma fria muralha, impenetrável e indestrutível. Na nossa alma, o branco atua como o silêncio absoluto. Interiormente, ressoa como ausência de som, que na música equivale ao silêncio, esse silêncio que apenas interrompe o desenvolvimento de uma frase, sem constituir remate definitivo. Este silêncio não está morto, antes transborda de possibilidades vivas. O branco soa como um silêncio que de súbito pudesse ser entendido. É um quase "nada" pleno de alegria juvenil, ou melhor, um nada anterior ao nascimento, a qualquer começo. Talvez a Terra, na sua época glacial, soasse assim, branca e fria."

Este branco tem consequências simbólicas fortes em todas as obras de Elke Coelho. Outra obra em que é visível essa ideia de "fria muralha impenetrável" (ou que não se deixa penetrar), como o branco sugere, é "Coágulos", na qual uma grande quantidade de pequenas caixas de acrílico contendo bolinhas brancas são coladas sobre a parede branca, que funciona como uma duplicação da sua opacidade. O coágulo, que deveria ser vermelho, aqui é exposto numa brancura irremediável.

Segundo Kandinski, "o calor da cor tende a aproximar o espectador, enquanto o frio o afasta". Essa sobreposição de brancos e transparências criado pela artista, nesse sentido, impede que o espectador se detenha diante da obra, sendo chamado por qualquer referência calorosa; ao contrário, causa-lhe a sensação de ausência de vida. Na parede branca quase se anula o valor que sobre ela é adicionado pela obra.

No caso da obra "Proposta (situação outra)", duas maçãs aparecem lado a lado, uma delas com esferas peroladas e a outra totalmente espetada por alfinetes. A maçã, que deveria nos aproximar por sua cor vermelha (que segundo Kandinski evoca a força, a energia, a decisão, a alegria e o triunfo e, ao contrário do branco, soa como uma fanfarra em que predomina o som forte, obstinado e importuno do clarim), se torna, depois da inserção de um grande agrupamento de alfinetes espetados na fruta, semelhante ao cacto, esta planta simpática que, apesar de formosa, impede qualquer aproximação. A sensação que temos diante das duas maçãs é de que a primeira nos chama ao contato, já que as esferas peroladas a torna atraente, mas a segunda seria a resposta à aproximação: o seu impedimento espinhoso. Simbolicamente também sabemos que a maçã é o sedutor fruto do pecado ao qual não se resiste e pelo qual se pode perder o paraíso. Então, essa particularidade da forma com que a artista apresenta as duas frutas pode significar o tensionamento entre o desejo e sua impossibilidade (ou proibição) de realização.

É interessante como o procedimento se repete em "Sobre as aparências e os desejos", quando duas canecas são colocadas lado a lado, uma branca e outra vermelha, ambas com uma bola branca por dentro, mas justamente na caneca vermelha, que nos atrairia por sua cor, a bola encontra-se espetada por uma espécie de prego que sugere um impedimento à nossa aproximação.

Essa indisposição entre materiais que se contrapõem também pode ser vista na obra "Casulo II", onde uma sucessão de giletes (lâminas de barbear), colocadas dentro de caixas como "telas", são acondicionadas junto a pequenos pedaços de algodão. À delicadeza do algodão, contrapõe-se o perigo do corte pela lâmina de aço.

O que se percebe no conjunto das obras desta exposição é uma dinâmica do perigo (alfinetes, giletes, pregos, fósforos) aliada à cor fria, distante, opaca do branco. Quando não, como, por exemplo, na série com palitos de fósforo, é a sensação de perigo, ou a criação de áreas de perigo, que impedem também qualquer tentativa de aproximação. Coexistências como áreas de risco, como diz o título do trabalho e diz tudo.

A obra "Castelos" também nos faz pensar nessa barreira estabelecida entre espectador e obra. Os vasos brancos recebem de forma serial seus cactos, estes denominados pela artista com o nome de "castelos", impossíveis de se penetrar dada a possibilidade de ferimento que os espinhos insinuam a quem se aproximar. O mesmo procedimento das maçãs, ao criar a barreira de alfinetes que nos afasta do objeto.

A artista opta por materiais delicados, singelos, mas cortantes e/ou perigosos. A sua organização metódica desses materiais denota uma paciência de monge zen budista, um autocontrole férreo, uma disposição minimalista pela repetição.

A exposição é, aparentemente, à primeira vista, leve, serena, elaborada com cuidado e delicadeza, mas sob a menor aproximação começa-se a perceber o engano, através das armadilhas que vão se estabelecendo para o espectador a cada obra que se apresenta. Se se chegar muito perto, os pequenos objetos se tornam abismos.


Na foto acima, a artista conversa com o público sobre seu processo de criação.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 16/7/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Existe na cidade alguém, assim como você... de Elisa Andrade Buzzo
02. Viagem aos baixos do Viaduto do Chá de Elisa Andrade Buzzo
03. Miguel de Unamuno e Portugal de Celso A. Uequed Pitol
04. Gustavo Rezende: uno... duplo... de Humberto Pereira da Silva
05. Bibliotecas públicas, escolares e particulares de Ana Elisa Ribeiro


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2013
01. A Última Ceia de Leonardo da Vinci - 12/2/2013
02. Mondrian: a aventura espiritual da pintura - 22/1/2013
03. Gerald Thomas: arranhando a superfície do fundo - 26/2/2013
04. Cinquenta tons de cinza no mundo real - 3/9/2013
05. O corpo-reconstrução de Fernanda Magalhães - 18/6/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Extraterritorial - A literatura e a revolução da linguagem
George Steiner
Companhia das letras
(1989)



Dieta Antiinflamatória
Dr. Alexandre Luiz Gomes de Azevedo
Qualynute
(2008)



O Peregrino Maldito
Neimar de Barros
O Recado
(1979)



Oscar Niemeyer: Traço, Palavra, Forma
Oscar Niemeyer e Outros
Santa Clara
(2004)



Rousseau os Pensadores
Jean-jacques Rousseau
Abril Cultural
(1978)



Melancia
Marian Keyes
Bertrand
(2007)



Lendas de Sangue. o Vampiro na História e no Mito
Flavia Idriceanu
Madras
(2011)



A Revolução dos Bichos - 2016
George Orwell
Companhia das Letras
(2016)



Revista Studia Kantiana volume 9
Christian Hamm ed.
Universidade Federal de Santa Maria
(2009)



Os Tijolos Nas Paredes das Casas
Kate Tempest
Casa da Palavra
(2016)





busca | avançada
78548 visitas/dia
1,8 milhão/mês