Jornalismo literário: a arte do fato? | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
41871 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> O que há de errado
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Bate-papo com Odir Cunha
>>> Entrevista com Sérgio Rodrigues
>>> Leblon
>>> Uma entrevista literária
>>> A ilusão da alma, de Eduardo Giannetti
>>> Salinger, de David Shields e Shane Salerno
>>> O Coronel, o Lobisomem e o Vestibular
>>> O delfim, de José Cardoso Pires
>>> Apresentação autobiográfica muito solene
>>> #ImpeachemnetPapaFrancisco
Mais Recentes
>>> Chico Xavier Nº 1 Vida e Obra de Vários Autores pela Escala
>>> Terra meus primeiros 4,54 Bilhões de Anos 379 de Stacy McAnulty pela Melhoramentos (2022)
>>> O Ressurgimento de Fátima de Trigueirinho pela Pensamento (1992)
>>> O Patinho Matemático 379 de Jean-Claude Alphen pela Melhoramentos (2017)
>>> Te Quero Verde (ótimo estado) de Ieda Martins De Oliveira pela Cpb (1999)
>>> Roteiro - Pocket de Francisco Cândido Xavier pela Federação Espírita Brasileira (1994)
>>> Com Vacina tudo em Cima 379 de Carme Dolz pela Melhoramentos (2022)
>>> A História do Lobo Solitário 379 de Lúcia Brandão pela Melhoramentos (2022)
>>> A Política do Precariado do Populismo à Hegemonia Lulista de Ruy Braga pela Boitempo (2012)
>>> Nosso corpo é Demais 379 de Tyler Feder pela Melhoramentos (2022)
>>> A Menina e o Vestido de Sonhos 379 de Alexandre Rampazo pela Melhoramentos (2022)
>>> Cosmogênese de Dr. Jorge Adoum pela Feeu (1977)
>>> Araxá - Põe a Mesa - Vol. 2 de Fernando Braga de Araújo pela O Lutador
>>> Os Fundamentos Da Fisica 1- Mecanica - 7ª Ed (muito bom) de Toledo Ramalho, Nicolau pela Moderna (2000)
>>> O Trabalho no Mundo Contemporâneo: fundamentos e desafios para a saúde de Ialê Falleiros Braga, Muza Clara Chaves Velasques e outros (Orgs.) pela Fiocruz (2016)
>>> A Garota que não se Calou de Daré pela Tag (2021)
>>> "Eu Sou" o "Eu Sou" de Ponte Para a Liberdade pela Feeu (1979)
>>> Escravidão Volume 1 de Laurentino Gomes pela Globo Livros (2019)
>>> O Novo Livro de Massagem de Lucy Lidell / Sara Thomas pela Manole (2000)
>>> Ultimate Guide to Link Building de Eric Ward pela Entrepreneur (2013)
>>> Herdeiras do Mar de Mary Lynn Bracht pela Paralele (2020)
>>> A serra do rola-moça de Martinho da Vila pela Zfm (2009)
>>> Sexo, Amor e Sedução (como novo) de Fatima Moura pela Harbra (2006)
>>> Dom Quixote vol. 1 de Miguel de Cervantes pela Abril Cultural (1981)
>>> Potestade de Gleides Giorgio Affonso (Org) pela Átomo (1999)
COLUNAS

Quarta-feira, 20/10/2010
Jornalismo literário: a arte do fato?
Luiz Rebinski Junior
+ de 6600 Acessos
+ 3 Comentário(s)

O termo jornalismo literário é tão evasivo quanto são fascinantes os livros que costumam povoar esse hipotético gênero literário. O termo é altamente contestável, mas quase tudo que é publicado sob essa etiqueta costuma ser bom. Isso porque, no fundo, apesar de toda a discussão que permeia a origem desse tipo de escrita, o jornalismo literário não é outra coisa senão literatura. Um tipo de literatura específica, mas essencialmente literatura. Feita, sobretudo, por escritores que se iniciaram no jornalismo.

O assunto é tão fascinante que nem mesmo especialistas entram em consenso sobre a definição do que seja jornalismo literário. Situação que se agrava quando a pergunta feita é sobre a origem do gênero. Por mérito ou simples capricho da História, sempre que se toca no assunto, quem aparece como tutor do gênero é o gordinho efeminado Truman Capote, autor do monumental A sangue frio. O livro realmente é uma obra-prima, mas não é a obra inaugural que o marqueteiro Capote nos fez acreditar que era.

Em dois minutos de pesquisa, nomes como os de Charles Dickens e Balzac vêm à tona e nos mostram que o buraco é bem mais embaixo. É no século XIX, e não a metade do século XX, que o barato de misturar ficção com fato noticioso surgiu.

Mas agora, com alguns anos de atraso, nos chega um livro que tenta colocar a casa em ordem em relação à geração mais festejada do gênero. A turma que não escrevia direito (Record, 2010, 392 págs.), de Marc Weingarten, não esmiúça a história do gênero; pelo contrário, passa raspando por uma investigação mais profunda, mas avisa logo de cara que seu objetivo é outro: falar sobre um período específico do jornalismo literário americano, o qual ficou conhecido como "novo jornalismo" e que, segundo Weingarten, teve uma trajetória curta, mas intensa. É sobre a turma de Talese, Hunter Thompson e Tom Wolfe que trata o livro.

"Na Nova York do início dos anos 1960, com toda a discussão sobre a 'morte do romance', o homem das letras parecia estar emergindo novamente. Havia uma discussão considerável sobre criar uma 'elite cultural', baseada no que os literatos locais acreditavam que existia em Londres. É claro que essas esperanças foram frustradas pelo surgimento repentino de uma horda de visigodos, os Novos Jornalistas", diz uma citação de Wolfe no livro de Weingarten.

O "novo jornalismo", portanto, surge no vácuo de um período de crise da ficção americana. Ou, conforme o jornalista e professor Sergio Vilas Boas definiu para mim em uma entrevista, "Truman Capote atirou no que viu (renovar a literatura de ficção com a não-ficção) e acertou no que não viu (o jornalismo)". Fato corroborado pela própria trajetória de Capote. Apesar de ter conseguido um emprego chinfrim ainda garoto na revista The New Yorker, que ficaria famosa pelo estilo literário de seus textos e colaboradores, Capote já era conhecido como um promissor escritor de ficção antes de escrever A Sangue frio. Com apenas 24 anos já havia conquistado a crítica com seu livro Other voices, other rooms. O exemplo de Capote não é regra, mas dá uma boa noção do perfil dos "novos jornalistas".

Admitindo, de saída, os precursores do estilo, Weingarten se concentra em alguns nomes da cena americana dos anos 1960 que se utilizaram do jornalismo para produzir literatura. E aqui surge outra encrenca conceitual. Não dá para chamar de "movimento" ou "corrente literária" o "novo jornalismo" americano. Isso porque não foi algo planejado e não nasceu de um conluio de três ou quatro cabeças que pensavam de forma parecida. Pelo contrário, os membros desse clubinho imaginário não poderiam ser tão distintos. Os novos jornalistas tinham de um lado o dândi Tom Wolfe, com seu impecável terno branco, e de outro o maluco-mor Hunter Thompson, que em 2005 se matou com um tiro na cabeça.

"O problema de Wolfe é que ele é rabugento demais para participar de suas histórias. As pessoas com as quais ele se sente confortável são chatas como bosta de cachorro, e as pessoas que parecem fasciná-lo como escritor são tão estranhas que o deixam nervoso. A única coisa nova e incomum no jornalismo de Wolfe é que ele é um repórter extraordinariamente bom", escreveu Thompson em um ensaio que tinha como objetivo distinguir sua abordagem agressiva daquela de seu rival mais próximo, Tom Wolfe.

Outro contraste, que reforça o caráter antigrupo do "novo jornalismo" americano, se dá entre o próprio Wolfe e Jimmy Breslin, um jornalista nova-iorquino que ficou famoso por retratar a plebe de sua cidade, assim como fez George Orwell em Na pior em Paris e Londres, outro clássico do gênero. Breslin, que teve o seu livro O Traidor, sobre a máfia americana, publicado por aqui, tem uma de suas reportagens mais famosas esmiuçada por Weingarten. Quando os Estados Unidos choravam a morte de Kennedy, Breslin virou seu bloquinho para outro personagem: o coveiro que enterrou o homem mais importante do país.

Weingarten descreve assim as diferenças entre os dois escritores:

"Se Jimmy Breslin era o principal cronista dos despossuídos e esquecidos no Herald Tribune, Tom Wolfe era o escritor brilhante da classe de status que surgia naquela década, da nova cultura jovem dos anos 1960 e de seus costumes. Breslin e Wolfe trabalharam em extremos opostos do espectro socioeconômico, mas compartilhavam o mesmo talento excepcional para personagens e cenários".

Mas talvez seja exatamente pela falta de explicações razoáveis para o seu surgimento que o chamado "novo jornalismo" americano tenha se tornado algo curioso e extraordinário. Em comum, Wolfe, Thompson, Talese e outros caras de talento que estavam cheios de energia criativa na metade dos anos 1960 tinham o desdém pelas regras básicas do jornalismo americano. A tal pirâmide invertida não servia para as suas histórias.

É famosa a frase de Gay Talese que diz que "a humanidade só será feliz no dia em que o último editor for enforcado nas tripas do penúltimo". A tirada pode ser espirituosa, mas foi graças à figura castradora do editor que a maior parte das obras-primas do jornalismo americano veio ao mundo.

Não é nem preciso dizer que jornalismo de qualidade custa caro. E também não é preciso dizer que não há um editor gente boa, disposto a financiar e avalizar pretensas obras-primas, em cada esquina. Então editores de grandes revistas, como Esquire e The New Yorker, foram essenciais para que grandes trabalhos viessem à tona.

Ao todo, sete escritores fazem parte d'A turma que não escrevia direito. Além dos figurões conhecidos do público brasileiro (Tom Wolfe, Hunter S. Thompson e Gay Talese), Weingarten fala de autores como Joan Didion, John Sack, Jimmy Breslin e Michael Herr.

Em uma espécie de reportagem da reportagem, Weingarten reconstitui os passos dos escritores retratados no livro em busca de suas histórias. Quase todos os livros comentados por Weingarten, foram pensados inicialmente como grandes reportagens. Mas todos, sem exceção, foram escritos por grandes escritores, ainda que, quando da feitura dos trabalhos, não passassem de... jornalistas. Ótimos jornalistas. Assim, o livro O teste do ácido do refresco elétrico, de Tom Wolfe, surgiu de uma reportagem para a revista New York. Wolfe encontrou o tema em junho de 1966, quando recebeu uma caixa de cartas enviada anonimamente. Endereçadas ao romancista Larry McMurtry, as cartas haviam sido escritas pelo escritor Ken Kesey, que havia sido preso por porte de maconha em janeiro de 1966 e fugido da liberdade sob fiança, indo para um exílio no México. Wolfe vai atrás do autor de Um estranho no ninho e tenta desvendar o mistério que o cerca. Depois de escrever seu best-seller, Kesey virou uma espécie de guru de um grupo que se tornaria conhecido como Marry Pranksters e que via no LSD o caminho para a salvação. O livro de Wolfe, além de ser uma investigação minuciosa sobre um personagem interessante, trazia várias invencionices literárias (onomatopéias, parágrafos escritos em formato de poemas, etc.), que à época deram uma boa chacoalhada na literatura de ficção americana.

Livros como os de Wolfe e Hunter Thompson, que no mesmo período escreveu Hell's Angels: medo e delírio sobre duas rodas, iam além do meramente factual. Os escritores se permitiam entrar na história e interferir no resultado daquilo que estavam contando.

Foi o que fez o repórter freelance Michael Herr no Vietnã. Herr era um talentoso jornalista que não gostava de redações e que convenceu o editor da revista Esquire a mandá-lo para a guerra com o objetivo de contar boas histórias de maneira pouco convencional. Herr entrevistou mais de duzentos soldados enquanto esteve no Vietnã. A partir dessas conversas, "seguiu seus impulsos literários, o que significava inventar soldados cujas personalidades eram costuradas a partir do que observava durante as muitas altas horas da noite que passava em conversas regadas a uísque, maconha e rock psicodélico de Jefferson Airplane e Grateful Dead". Bem, este resumo do modus operandi de Herr poderia facilmente definir o jornalismo literário.

Baseado nesse estilo, Herr compôs Despachos do front, um dos livros sobre guerra mais influentes ainda hoje. Ainda assim, apesar de o novo jornalismo ter originado tantas obras-primas, seu método sempre despertou críticas. Afinal, como pode, por exemplo, um jornalista/escritor saber o que seu personagem estava pensando quando descreve um monólogo interior? Isso é jornalismo ou pura ficção? Perguntas difíceis de responder e que continuam fazendo do jornalismo literário um enigma delicioso.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 20/10/2010

Quem leu este, também leu esse(s):
01. O pai tá on: um ano de paternidade de Luís Fernando Amâncio
02. Entrevista com Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti
03. Notas confessionais de um angustiado (VII) de Cassionei Niches Petry
04. A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto de Jardel Dias Cavalcanti
05. Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela de Renato Alessandro dos Santos


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2010
01. A morte anunciada dos Titãs - 3/3/2010
02. O pior Rubem Fonseca é sempre um bom livro - 20/1/2010
03. Os diários de Jack Kerouac - 8/9/2010
04. Dalton Trevisan ou Vampiro de Curitiba? - 14/4/2010
05. Strange days: a improvável trajetória dos Doors - 18/8/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/10/2010
21h48min
Carinhas... meu profundo respeito e admiração pelo site, mas gostaria de fazer uma ressalva. João do Rio já fazia "jornalismo literário" no começo do século passado. Contou toda a transformação do Rio de Janeiro sem deixar nada a desejar aos medalhões norte americanos. Não é uma crítica ao texto, é só uma contribuição. Abraços.
[Leia outros Comentários de Ricardo Machado]
12/11/2010
15h37min
Excelente artigo. Vi este livro ontem no aeroporto de Congonhas, durante minha conexão. Interessantíssimo. Só não comprei porque minha lista de leituras pendentes já esta muito grande.
[Leia outros Comentários de Diângeli Soares]
26/11/2010
21h47min
A discussão sobre o novo jornalismo é complexa e, claro, vai muito além do que está exposto no artigo do Luiz Rebinski Júnior. O novo jornalismo pertence a um período histórico específico e, diante disso, é meramente desastrado tentar colocar na mesma panela Charles Dickens, Balzac e os jornalistas americanos dos anos 1960. Para começar, pergunto: qual era o conceito de reportagem no século XIX na Inglaterra e na França? O romance, como literatura, poderia cumprir esse papel? Perceba-se ainda que o conceito de reportagem de revista difere, e muito, do conceito de reportagem de jornal. O novo jornalismo foi praticado (e ainda é) principalmente nas revistas, que, por sua vez, trabalham com a experimentação da linguagem. Para encerrar, concordo com a observação de Sérgio Vilas Boas: em "A sangue frio", Capote estava preocupado em fazer literatura utilizando a técnica da reportagem. Isso é outra coisa também.
[Leia outros Comentários de Márcio Calafiori]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Elefante Xadrez - Série Arca de Noé
Alvaro Cardoso Gomes
Ftd
(2000)



Mulheres Pintadas
Dóris Fleury
Celebris
(2003)



De Volta ao Ventre
Eduardo Rodrigues
Ftd
(1992)



Construtivismo e Mudança 29/ 10ªed / Confira!!
Sanny S da Rosa
Cortez
(1994)



Livro - O Aniversário do Dinossauro// Coleção de Aniversários (volume 1)
Índigo
Dedo de Prosa
(2012)



Louco por Viver
Roberto Shinyashiki
Gente
(2013)



O Manual da Garota Geek
Sam Maggs
Única
(2015)



O Espião Que Saiu do Frio
John Le Carre
Abril Cultural
(1980)



No Tempo da Abolição (1994)
Julieta de Godoy Ladeira
Moderna
(1994)



Rough Guide South Africa 7ªed (2012) (ingês)
Rough Guide
Rough Guides
(2012)





busca | avançada
41871 visitas/dia
1,4 milhão/mês