Os melhores do cinema brasileiro em 2003 | Lucas Rodrigues Pires | Digestivo Cultural

busca | avançada
23612 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Comédia dirigida por Darson Ribeiro, Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Alfredo Mesquita
>>> Companhia de Danças de Diadema leva projeto de dança a crianças de escolas públicas da cidade
>>> Cia. de Teatro Heliópolis encerra temporada da montagem (IN)JUSTIÇA no dia 19 de maio
>>> Um passeio imersivo pelos sebos, livrarias e cafés históricos do Rio de Janeiro
>>> Gaitista Jefferson Gonçalves se apresenta em quinteto de blues no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A cidade e o que se espera dela
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
Últimos Posts
>>> Diagnóstico falho
>>> Manuscrito
>>> Expectativas
>>> Poros do devir
>>> Quites
>>> Pós-graduação
>>> Virtuosismo
>>> Evanescência
>>> Um Certo Olhar de Cinema
>>> PROCURA-SE
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Um jantar levantino
>>> Se eu fosse você 2
>>> Sou diabético
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> O Barril
>>> Como escrever bem — parte 1
>>> Quatro Mitos sobre Internet - parte 1
>>> Da capo
>>> Elesbão: escravo, enforcado, esquartejado
>>> 5ª MUMIA em BH
Mais Recentes
>>> Ciências Naturais - Aprendendo o Cotidiano 6 de Eduardo Leite do Canto pela Moderna (2009)
>>> Matemática 6 - Projeto Araribá de Juliana Matsubara Barroso pela Moderna (2007)
>>> A Cidade Inteira Dorme e Outros Contos de Ray Bradbury pela Biblioteca Azul (2019)
>>> Contos Universais - Para Gostar de Ler 11 de Vários pela Ática (2003)
>>> Agatha Christie O Incidente da Bola do Cachorro de John Curran pela Leya (2010)
>>> The 39 Clues - Uma Nota Errada de Gordon Korman pela Ática (2010)
>>> David Copperfield de Charles Dickens pela Macmilan Readers (2008)
>>> Hamlet Adaptado Série Reencontro de William Shakespeare, Leonardo Chianca pela Scipione (2001)
>>> Os Miseráveis adaptado por Walcyr Carrasco de Victor Hugo, Walcyr Carrasco pela FTD (2002)
>>> O Corcunda de Notre-Dame adaptação Série Reencontro de Victor Hugo, Jiro Takahashi pela Scipione (1997)
>>> Romeu e Julieta Adaptado Reencontro de William Shakespeare, Leonardo Chianca pela Scipione (2001)
>>> La Nausée de Jean Paul Sartre pela Éditions Gallimard, (1972)
>>> La Guerra de Guerrillas de Ernesto Che Guevara pela Ocean Sur (2006)
>>> La Emancipación de la Mujer en la URSS de Solomín pela Ediciones Europa-América, (1936)
>>> Juca Mulato de Menotti Del Pcchia pela Cprculo do Livro (1976)
>>> Inferno de Dan Brown pela Doubledays Books (2013)
>>> I Am a Strange Loop de Douglas Hoftstadter pela Basic Books, (2008)
>>> Iaiá Garcia de Machado de Assis pela Ática (1996)
>>> História do Rei Degolado nas Caatingas do Sertão Ao Sol da Onça Caetana de Ariano Suassuna pela José Olympio (1977)
>>> Grundrisse Manuscritos econômicos de 1857-1858 - esboços da crítica da economia política de Karl Marx pela Boitempo (2011)
>>> Great Expectations de Charles Dickens pela BBC Books (2011)
>>> 1808 de Laurentino gomes pela Planeta (2007)
>>> Coisas da Casa de Zélia Maria Guerra Simões pela Karmim (1990)
>>> A Marca De Uma Lágrima de Pero Bandeira pela Moderna (1994)
>>> Teoria Z Como as Empresas podem enfrentar o desafio Japonês de William Ouchi pela Fundo Educativo Brasileiro (1982)
>>> Hesse Obstinação de Hermann Hesse pela Record (1971)
>>> Bilionários Por Acaso de Ben Mezrich pela Intríseca (2009)
>>> Melhores Filhos Melhores Pais de Pe. Zezinho, scj pela Universo dos Livros (2012)
>>> O Amor Humilde de Pe. Zezinho, scj pela Paulinas (2003)
>>> Pais e filhos Companheiros de viagem de Roberto Shinyashiki pela Gente (1992)
>>> Reiniciados de Teri Terry pela Farol literário (2019)
>>> A Era do Capital de Eric Hobsbawm pela Paz e Terra (2002)
>>> A Era das Revoluções de Eric Hobsbawm pela Paz e Terra (2001)
>>> Medo, Reverência, Terror - Quatro ensaios de iconografia política de Carlo Ginzburg pela Companhia das letras (2014)
>>> Cinema de Garganta de Ericson Pires pela Azougue (2002)
>>> Criando Meninas de Gisela Preuschoff pela Fundamento (2006)
>>> A Revolução Russa de 1917 de Marc Ferro pela Perspectiva (1980)
>>> A Revolução Russa de 1917 de Marc Ferro pela Perspectiva (1980)
>>> Os Últimos Anos de Bukharin de Roy Medvedev pela Civilização Brasileira (1980)
>>> Os Últimos Anos de Bukharin de Roy Medvedev pela Civilização Brasileira (1980)
>>> A Primeira Reportagem (Vaga- lume) de Sylvio Pereira pela Ática/ SP. (1991)
>>> A Primeira Reportagem (Vaga- lume) de Sylvio Pereira pela Ática/ SP. (1984)
>>> A Primeira Reportagem (Vaga- lume) de Sylvio Pereira pela Ática/ SP. (1984)
>>> A Primeira Reportagem (Vaga- lume) de Sylvio Pereira pela Ática/ SP. (1995)
>>> Lógica da Lógica de Paulo Roberto Melo Volker (org.) pela Fafich/ Fumec (1983)
>>> Diccionario de Psicología (Encadernado) de Howard C. Warren (Compilador) pela Fondo de Cultura/ México (1991)
>>> Nietzsche para Estressados (99 Doses de Filosofia para Despertar a Mente e Combater as Preocupações de Allan Percy pela Sextante (2001)
>>> Nietzsche para Estressados (99 Doses de Filosofia para Despertar a Mente e Combater as Preocupações de Allan Percy pela Sextante (2001)
>>> Os Melhores contos de Natal de Charles Dickens-Jack London- Nathaniel Hawthorne- O. Henry pela Circulo do Livro/ SP. (1990)
>>> Sete Vozes Falam (Sem uso) de Catharose de Petri pela Rosa Cruz Áurea/ Sp. (1982)
COLUNAS

Quinta-feira, 22/1/2004
Os melhores do cinema brasileiro em 2003
Lucas Rodrigues Pires

+ de 8100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Por incrível que pareça, foi só em dezembro último que se realizou o Prêmio Brasil do cinema brasileiro, quando a Academia elegeu os melhores de 2002 do cinema. E o melhor filme só podia ter sido mesmo Cidade de Deus. Em artigo aqui mesmo no Digestivo, coloquei O Invasor como o melhor, mas os membros da Academia são os homens de cinema no Brasil, os mesmos que querem e se esforçam por uma indústria de cinema tupiniquim. Portanto, nenhuma surpresa em ser Cidade de Deus (3,3 milhões de espectadores) o melhor de 2002. Alguém tem dúvida que Carandiru (4,7 milhões de espectadores) será eleito (não se sabe quando) o melhor de 2003? Os critérios de avaliação, muitas vezes, passam pelas cifras atingidas pelo filme.

Em 2003, foram 31 novos filmes estreando em circuito comercial (estão excluídos nesses números aqueles que foram apenas exibidos em mostras, festivais ou eventos paralelos). Foi o ano em que a TV Globo mergulhou de cabeça no cinema, colocando nas telas subprodutos de seu staff televisivo e também mostrando toda sua força no marketing de diversas obras.

No ano passado, o cinema brasileiro bateu diversos recordes, sendo responsável por mais de 20% dos ingressos vendidos (aproximadamente 22 milhões de ingressos num total de 102 milhões) no país. Isto quer dizer que de cada 5 pessoas que foram ao cinema, uma comprava ingresso para um filme brasileiro. Foi o ano também que se viu surgiu um novo fenômeno - Carandiru, que levou quase de 4,7 milhões de pessoas aos cinemas. Esse número é maior do que a bilheteria de O Senhor dos Anéis - As Duas Torres, Matrix Revolutions, X-Men 2 e O Exterminador do Futuro 3, para citar alguns grandes lançamentos do ano passado. Carandiru fechou o ano em terceiro lugar no ranking dos filmes mais vistos no país, um feito impressionante que não se via há cerca de 15 anos.

2003 também foi o ano em que ficou nítida a equação que identifica o cinema na atualidade. Mais do que qualquer coisa, hoje em dia o que vale é marketing. E marketing é parte integrante da indústria. E indústria é no que querem transformar o cinema brasileiro. O ano que passou esteve tão competitivo em termos de exibição que poderia ser taxado de "o ano comercial do cinema brasileiro", pois quase não houve filmes "autorais" significativos, apesar de o Festival de Brasília premiar os autores do cinema marginal e fortalecer os laços com o cinema independente numa decisão muito polêmica do júri).

Meus melhores de 2003:

Filme: Separações e O Homem do Ano

É difícil ficar com um único filme como o melhor, por isso elegi logo dois deles. O Separações de Domingos Oliveira é uma comédia típica carioca daquelas com traição, trocas de casais, angústia, reconciliação e amor, mas ela exerce um poder fascinante (todo mérito do diretor, também roteirista da fita) através de seus diálogos fantásticos. As palavras de Domingos Oliveira têm um encanto único, e nesse filme em especial ele se superou. Para constatar o que falo, basta assistir ao recente Sexo, Amor & Traição, de Jorge Fernando, e depois ver Separações. Sai-se da água para o melhor dos vinhos, sem exagero. Até as risadas deste são mais gostosas.

O Homem do Ano foi um dos filmes mais injustiçados que passou. Crítica e público o receberam friamente, o que deixou o filme ser substituído por outros rapidamente nas salas de exibição. Sobre ele, escrevi um artigo aqui no Digestivo.

Diretor: Hector Babenco

Apesar de Carandiru não ter sido tudo aquilo que se esperava (é um filme grandioso, mas que perdeu muito de sua força quando se debateu seu conteúdo, ao contrário de Cidade de Deus, protagonista de um debate fervoroso que elevou o status do filme), é notável a presença das mãos de Babenco nessa superprodução. Depois dos problemas médicos que enfrentou e quase ter morrido, o cineasta mostrou seu talento como diretor ao conseguir comandar perfeitamente dezenas de atores e equipe técnica. Carandiru não é o melhor dos filmes, longe de ser perfeito, mas o trabalho de Babenco é monumental e vê-se claramente isso nas telas.

Ator: Wagner Moura

O que dizer do cara que apareceu e tomou conta do espaço dos atores do pedaço, tanto em cinema quanto televisão? Simplesmente Wagner Moura é a alma do filme de Cacá Diegues ao compor seu Taoca com a malandragem tida como brasileira. Taoca é o jeitinho brasileiro encarnado, que até Deus ele tenta faturar. No seriado Sexo Frágil, da Globo, ele reforça seu talento. Nasceu ator esse menino, e dos melhores.

Outro destaque como ator que poderia ser citado foi Matheus Nachtergaele, em Amarelo Manga.

Atriz: Débora Falabella

Quem olha pra ela não dá nada. De tão pequena quase não aparece. Mas o seu tamanho foi fundamental para fazer com que ela fosse o centro do filme de José Joffily, antagonizando a força física de Roberto Bomtempo com sua força psicológica e manipulativa nos personagens Tonho e Paco. Aqui, os papéis tradicionais de homem duro e forte e mulher frágil e sensível estão invertidos, e Falabella domina a cena com segurança e feminilidade.

Roteiro: Separações e O Homem que Copiava

O melhor desses dois diretores/roteiristas é a capacidade de fazer do humor algo inteligente. Ambos os filmes apresentam isso, seja nos diálogos, seja no enredo. E inteligência é característica fundamental num roteiro.

Outro roteiro que chamou a atenção foi Carandiru, pela boa amarração de histórias de vidas tendo como elo o presídio paulistano.

Fotografia: O Homem do Ano

Taxada de publicitária, a fotografia no recente cinema brasileiro é dos pontos de maior discussão em tempos do antagonismo cosmética versus estética da fome. O Homem do Ano tem seus maneirismos e sua fonte é claramente a publicidade, mas isso não quer dizer que seja ruim ou viciada. O fotógrafo Breno Silveira imprimiu uma atmosfera suja e poluída, impondo ainda certa afetação da imagem por tomadas às vezes muito próximas dos personagens. O que resulta é uma imagem sombria, pós-moderna e inteiramente subjetiva, o que facilita a entrada no mundo interior do matador Máiquel.

Documentário: Nelson Freire

Num ano em que se viu poucos documentários exibidos (se comparado aos números do ano passado), essa empreitada de Salles pelo mundo misterioso do pianista Nelson Freire torna-se mágica. Salles faz música para nossos olhos, revelando a alma de um ser humano que, acima de tudo, é um ser humano.

Ator coadjuvante: Pedro Cardoso

Pedro Cardoso é um ator carismático. Não é o tipo bonitão nem atlético, mas conquista pelo humor e pela interpretação próxima do farsesco. Seu Agostinho de A Grande Família é assim. Em O Homem que Copiava, mais uma parceria com seu velho companheiro Jorge Furtado, ele é o contraponto do protagonista André, ou seja, responsável pelas melhores piadas e situações cômicas do filme. Não tem como não rir de sua cara quando ele briga com André por ter feito uma nota falsa e, logo em seguida, pergunta se tem outras. Pedro Cardoso sabe ser o tipo malandro desajeitado, sabe fazer humor como poucos, e mostrou isso em O Homem que Copiava, roubando a cena do também ótimo Lázaro Ramos.

Atriz coadjuvante: Etty Fraser

Durval Discos sofre por não se adaptar a nenhum gênero cinematográfico. Não se sabe se é comédia, suspense ou drama. Envereda pelos três sem avisar o espectador. Mas dentro dessa confusão surge a interpretação de Etty Fraser, mãe dominadora de Durval, um quarentão dono de uma loja de vinil. Quando uma criança é deixada em sua casa e logo depois têm de devolvê-la, ela entra num processo de enlouquecimento que passa de um ingênuo cozinhar à matar.

Trilha Sonora: Paulinho da Viola - Meu Tempo é Hoje

O documentário de Izabel Jaguaribe traz parcerias do compositor e cantor carioca, como a com Marisa Monte, seu pai (César Faria) e a Velha Guarda da Portela. O Sol Nascerá, com Elton Medeiros, está um primor. São as canções do filme que estão na trilha.

Canção: Você Não me Ensinou a Te Esquecer

O filme de Guel Arraes, apesar de parecer uma repetição de O Auto da Compadecida (mesmos personagens, mesmos atores, mesmas locações, mesmas piadas e, principalmente, mesma montagem), conquistou diversos fãs (mais de 3 milhões) e popularizou essa canção interpretada por Caetano Veloso. A música foi responsável também pela bela vendagem do CD do filme. Vale mesmo.

Surpresa positiva: Os Normais - O Filme

A história desse casal "normal" já estava cansando na televisão. E a idéia de fazer um filme para mostrar como Vani e Rui se conheceram foi uma das mais interessantes do ano. Os Normais - O Filme tem graça, simpatia, boa direção e muito humor, o que fez do filme a grande surpresa do ano do cinema, até porque levou quase 3 milhões de pessoas aos cinemas.

Pior filme: Acquária

Pode haver pior coisa do que torrar R$ 10 milhões em dinheiro público, fazer um filme que não arrecadou R$ 4 milhões e, ainda por cima, ser uma bomba imensa de tão ruim? O pecado de Sandy & Júnior nesse filme foi enveredar para o filme dito sério, de enredo e trama não banais, como nos de seus colegas Xuxa e Renato Aragão. O resultado foi um roteiro desconexo (um Waterworld às avessas), ritmo de entediar os amantes de cinema europeu clássico, efeitos especiais gratuitos cujo único objetivo eram descaradamente esfregar na cara dos espectadores algo do tipo "Yes, nós temos cinema com efeitos especiais!". Não à toa que a primeira coisa que os releases de lançamento do filme informavam era o fato de ser o filme nacional com maior número de efeitos especiais já realizado. Além de tudo isso, Acquária apresenta sofríveis interpretações dos irmãos cantores e a falta total de química entre Sandy e seu suposto par romântico, algo como água e azeite. A única coisa que se salva é o pequeno Igor Rudoff, responsável pelos exíguos momentos interessantes do filme.

Revelação: Vicente Amorim

O filho do ministro estreou no longa-metragem com o documentário 2000 Nordestes, mas seu cartão de visita apareceu só agora. O Caminho da Nuvens é outro filme injustiçado. Comparado a Vidas Secas, de Nelson Pereira dos Santos, só que sobre duas rodas, não é apenas uma história da migração de uma família nordestina para o Rio de Janeiro. Ela é, acima de tudo, uma história de conflito entre pai e filho, acentuada pela interpretação contida e fria de Wagner Moura (como o pai) e de Ravi Ramos Lacerda (o garoto de Abril Despedaçado, já adolescente), seu oposto. Amorim tem domínio de câmera, sabe como filmar seus personagens.

Abacaxi do ano: Moacyr Góes

Quer maior abacaxi diante de seus colegas diretores e da crítica do que dirigir um filme da Xuxa? E o que dizer de alguém que dirige o filme da Xuxa (Xuxa Abracadabra), o do padre Marcelo Rossi (Maria, Mãe do Filho de Deus), adapta sem nenhuma ousadia um clássico de Dom Casmurro (Dom) e, ainda por cima, está para lançar um filme da Angélica e Luciano Huck (Um Show de Verão)? Pois é, Moacyr Góes, homem de teatro, conseguiu a proeza de fazer tudo isso em 2003, abrindo novamente a discussão do diretor de aluguel, aquele que não tem poder autoral sobre o filme em questão. Diante de tantas pérolas, só podia ser ele mesmo o campeão. Ele não deve se levar a sério como cineasta.

Filme estrangeiro

As Horas, de Stephen Daldry, Tiros em Columbine, de Michael Moore, Adaptação, de Spike Jonze, e, como não poderia deixar de ser, O Senhor dos Anéis - O Retorno do Rei. Infelizmente, em 2003 não tivemos filmes mexicanos e argentinos tão bons quanto em 2002 (pelo menos do que vi), muito menos europeus.


Lucas Rodrigues Pires
São Paulo, 22/1/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon de Jardel Dias Cavalcanti
02. As palmeiras da Politécnica de Elisa Andrade Buzzo
03. Inferno em digestão de Renato Alessandro dos Santos
04. Alice in Chains, Rainier Fog (2018) de Luís Fernando Amâncio
05. O Brasil que eu quero de Luís Fernando Amâncio


Mais Lucas Rodrigues Pires
Mais Acessadas de Lucas Rodrigues Pires em 2004
01. Olga e a história que não deve ser esquecida - 30/8/2004
02. Os narradores de Eliane Caffé - 5/2/2004
03. Quem tem medo de Glauber Rocha? - 19/7/2004
04. As garotas do Carlão - 13/9/2004
05. Cazuza e o retrato do artista quando jovem - 5/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/1/2004
21h09min
Em primeiro lugar gostaria de agradecer, como fã inquestionavel que sou, pelo elogio que você teceu ao grande ator Wagner Moura. Ele é um ator de primeira mesmo. Só o fato de ter conseguido se destacar através do cinema em um país onde quem impera são os galãzinhos da Malhação já faz dele uma pessoa especial. Talento faz diferença sim!
[Leia outros Comentários de Cinthia Molina]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LA GÉNESIS DE LOS DEPORTES (4979)
JEAN LE FLOCHMOAN
LABOR
R$ 16,00



DEMONIOS FAMILIARES A REALIDADE DO MUNDO ESPIRITUAL E AS ARMAS PARA A
S V MILTON
AD SANTOS
R$ 18,90



VESTIDO EM CHAMAS
OCIMAR VERSOLATO
ALEPH
(2018)
R$ 20,00



DOM CASMURRO
MACHADO DE ASSIS
L&PM
(2014)
R$ 15,00



WISH CASA MAIO
LUCIANO RIBEIRO (EDITORIAL)
WISH CASA
(2013)
R$ 8,00



PLANTAS MEDICINAIS
FRANÇÕIS BALMÉ
HEMUS
(1978)
R$ 35,00



DICIONÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS NA ENFERMAGEM 2005/2006
OBRA COLETIVA (4489)
EPUB
(2004)
R$ 20,00



BIOLOGIA 2
ARMÊNIO UZUNIAN E ERNESTO BIRNER
HARBRA
(2002)
R$ 8,00



JUDY MOODY SALVA O MUNDO!
MEGAN MACDONALD
SALAMANDRA
(2005)
R$ 15,00



MAR TERRITORIAL
CELSO DE ALBUQUERQUE MELLO
LIVRARIA FREITAS BASTOS
(1965)
R$ 19,28





busca | avançada
23612 visitas/dia
922 mil/mês