A vida subterrânea que mora em frente | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
31 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
>>> Dave Brubeck Quartet 1964
Últimos Posts
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Pedaço da Pizza: novidades depois de uma década
>>> Felipe Neto no Roda Viva
>>> Fabio Gomes
>>> O Menino que Morre, ou: Joe, o Bárbaro
>>> Sou da capital, sou sem-educação
>>> Uma vida bem sucedida?
>>> A morte da Capricho
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Bienal do Livro Bahia
>>> A primeira hq de aventura
Mais Recentes
>>> A interpretação do assassinato de Jed Rubenfeld pela Companhia das Letras (2007)
>>> Os Mistérios da Rosa-cruz de Christopher Mcintosh pela Ibrasa (1987)
>>> Las Glandulas Nuestros Guardianes Invisibles de M. W. Kapp pela Amorc (1958)
>>> Experiências Práticas de Ocultismo para Principiantes de J. H. Brennan pela Ediouro (1986)
>>> As Doutrinas Secretas de Jesus de H. Spencer Lewis pela Amorc (1988)
>>> Amigos Secretos de Anamaria Machado pela Ática (2021)
>>> A Vós Confio de Charles Vega Parucker pela Amorc (1990)
>>> O Segredo das Centúrias de Nostradamus pela Três (1973)
>>> Para Passar em Concursos Jurídicos - Questões Objetivas com Gabarito de Elpídio Donizetti pela Lumem Juris (2009)
>>> Dicionário espanhol + Bônus: vocabulário prático de viagem de Melhoramentos pela Melbooks (2007)
>>> Memorias De Um Sargento De Milicias de Manuel Antônio de Almeida pela Ática (2010)
>>> Turma da Mônica Jovem: Escolha Profissional de Maurício de souza pela Melhoramentos (2012)
>>> Xógum Volume 1 e 2 de James Clavell pela Círculo do Livro
>>> Viva à Sua Própria Maneira de Osho pela Academia
>>> Virtudes - Excelência Em Qualidade na Vida de Paulo Gilberto P. Costa pela Aliança
>>> Vida sem Meu Filho Querido de Vitor Henrique pela Vitor Henrique
>>> Vida Nossa Vida de Francisco Cândido Xavier pela Geem
>>> Vida Depois da Vida de Dr. Raymond e Moody Jr pela Circulo do Livro
>>> Vícios do Produto e do Serviço por Qualidade, Quantidade e Insegurança de Paulo Jorge Scartezzini Guimarães pela Revista dos Tribunais
>>> Viagem na Irrealidade Cotidiana de Umberto Eco pela Nova Fronteira
>>> Uma Só Vez na Vida de Danielle Steel pela Record (1982)
>>> Uma Família Feliz de Durval Ciamponi pela Feesp
>>> Um Roqueiro no Além de Nelson Moraes pela Speedart
>>> Um Relato para a História - Brasil: Nunca Mais de Prefácio de D. Paulo Evaristo pela Vozes
>>> Um Longo Amor de Pearl S Buck pela Circulo do Livro
COLUNAS

Quinta-feira, 8/7/2010
A vida subterrânea que mora em frente
Elisa Andrade Buzzo

+ de 4000 Acessos
+ 1 Comentário(s)


Ilustra: Tartaruga Feliz

Daqui do meu apartamento tenho uma nesga de sol devido ao sobrado em frente que resiste à passagem do tempo. Ele ainda se mantém erguido diante dos prédios e das mãos mecânicas que demolem as estruturas mais obstinadas. O cachorro da casa, que ficava com o focinho comprido pra fora da grade já morreu, parece que envenenado, já não me lembro mais. Foi a maior tristeza a morte do Foxy, era como eu o chamava. Ele tinha pelagem áspera e oleosa, as mãos saíam empapuzadas depois de alisar sua cabecinha dura e compacta. Toda a vez que esperava o ônibus ou olhava pela janela lá estava Foxy, imperturbável sentado na muretinha, os olhos voltados para o movimento contínuo da rua. Aparentemente lá estaria ele por toda a eternidade, para sempre policiando, guardando silenciosamente o bairro (agora me recordo de que nunca ouvira um único latido seu).

O velho da casa também sempre estava por lá, batendo um papo com quem passava, varrendo a rua. Eu mesma já havia conversado algo com ele, uma conversa curiosa e frouxa, cujo teor perpassa pelas amenidades de vizinhos separados pelas circunstâncias. Estava no bairro há 15 anos, ele então, decerto há uns 60 ou mais. A irmã que morava com ele, e decerto lhe proporcionava uma alimentação mais substancial e uma vida mais completa, morrera. Do alto da minha janela, entrando pelo portão ainda não pichado, ela era uma outra cabecinha, também castanha, embora tingida, visivelmente calva no cocuruto. As duas janelas do sobrado não foram vistas por mim sequer uma vez abertas, nem aquela envidraçada da sala. O máximo que conseguia vislumbrar era a luz débil do lustre tarde da noite. Foxy se retirava para os fundos.

Nenhuma lembrança posso ter do interior daquela casa, apenas, e talvez este pouco, que é nada, seja mais intenso do que seria conhecê-la inteiramente, ou ter entrado para uma visita de compadres. Não é mais época para tanto. Caso pudesse adentrar no desconhecido, tivesse a permissão desejada de em minhas mãos estreitar este mundo extinto ― a porta, boca que se abre convidativa ―, quem sabe não mais haveria o ardor das grandes paixões dificultosas, desvaneceria-se em miragem a imagem inventada de seu interior ricamente adornado, a escada de madeira sólida, este último exemplar de construção enamorado da mansão alguns quarteirões acima.

Agora contemplo as cortinas da sala por onde até há poucos dias se podia ver seu rosto aparecendo como o sol da manhã por entre as nuvens afastadas pelas mãos. Foram os últimos momentos de sua presença na casa. A renda branca decorada com motivo de flores deve ter tido seus dias de glória, e hoje se pode constatar mesmo da rua que uma película amarelenta toma conta de suas fibras. Do pequeno jardim da frente restaram umas ervas crescendo aleatoriamente; ao fundo, no vasto quintal se antevê uma confusão de madeiras e entulho acumulado. A fechadura improvisada da porta é boca que cala.

Nas noites das expectativas infundadas, em que o sonho resvala na realidade, até que aquele se destaca como uma bolha de voo suicida, subo a rua e, mais uma vez, lá está ela, a casa, silenciosa, um pouco assustadora em suas sombras desenhadas pela iluminação dos postes. O velho e Foxy, a boca semiaberta formando um sorriso gentil, também sobem a ladeira. O tom de azul desfalecido das paredes havia sido recoberto por uma única demão amarela. Alguns pontos ficaram na cor antiga, imprimindo uma decrepitude à sua imagem esmorecida pelo iminente abandono.

Da garagem arrancaram um calhambeque já sem teto, a cor azul quase marrom de sujeira dos anos guardados. Foi um coração resfolegante puxado por guinchos, tamanha sua fraqueza e insistência em ali permanecer como um monumento derradeiro. As coisas, afinal, não podem acabar assim sem um grito agudo, uma encenação de comoção intensa. Ainda que futuramente o estouro da bolha seja apenas um eco surdo, há de causar um pequeno tumulto a ocasião do estrondo. Por isso a rua parou para acompanhar a remoção do auto, ficamos da janela aguardando o emergir e o desfecho daquela vida subterrânea que morava em frente. Depois, largaram ao pé da casa caixas de papelão com panos, bugigangas, o odor de mofo penetrante, que ficaram dipostas no chão sujeitas ao olhar público, que, quase como se envergonhasse de tal demonstração descuidada da intimidade alheia, desviava os olhos. Só alguns mendigos e bêbados é que se comprazeram, logo vendo que nada havia de valioso.

Agora, os restos mortais do velho estão lá: cabo de guarda-chuva, caixa de creme de barbear Bozzano, um sapato preto e um suéter marrom dispersos, alcançando a sarjeta e o olho da rua, como que boiando no fundo de um mar ressequido. A família parece não ligar em expor a vida do velho a esse ponto, mas como fazer a limpeza senão extirpando os órgãos, maltratando seu corpo até dizer "não dá mais" e colocando tudo, enfim, à luz do dia? Pouco tempo depois, os objetos se evadiram misteriosamente da calçada. Sabe-se lá quem deu conta de lançar ao vento as últimas cinzas, não restando mais nada como traço de crime sem importância. A não ser a própria casa, estendida em sua vacuidade. Também tem um bêbado, que se apossou de sua fachada e do ponto de ônibus ao lado como seu palco de variedades, e hoje é ele quem se apresenta nas tardes folgazãs de outono.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 8/7/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e... de Renato Alessandro dos Santos
02. Lisboa obscura de Elisa Andrade Buzzo
03. Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte II) de Jardel Dias Cavalcanti
04. It's evolution, baby de Luís Fernando Amâncio
05. O africano e o taubateano de Ricardo de Mattos


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2010
01. Tempo vida poesia 2/5 - 19/8/2010
02. A arqueologia secreta das coisas - 4/2/2010
03. Sobre jabutis, o amor, a entrega - 2/12/2010
04. Como se enfim flutuasse - 3/6/2010
05. A vida subterrânea que mora em frente - 8/7/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/7/2010
05h13min
Tenho uma ligação afetiva com os textos de Elisa Andrade Buzzo. Tenho hábito de, da janela do meu apartamento, imaginar histórias dos vizinhos, que nem conheço, das outras janelas, da praça, da rua. E haja solidão, na rua e nas janelas.
[Leia outros Comentários de Liliane]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Escutando Sentimentos - 1ª Edição
Wanderley Oliveira & Ermance Dufaux
Dufaux
(2006)



Ricardo iii
William Shakespeare; Luiz Antônio Aguiar
L&pm Editores
(2007)



Pecados Sagrados
Nora Roberts
Bertrand Brasil
(2009)



A Horripilante História da Morte
Clive Gifford
Matrix
(2013)



Prólogos - Com um Prólogo dos Prólogos
Jorge Luis Borges
Rocco
(1985)



79 Park Avenue
Harold Robbins
Record
(1955)



Ainda Existe Esperança. a Solução para os Problemas da Vida
Enrique Chaij
Casa
(2010)



Sistema Gastroenterologico
Guia Didatico
Peprazol



Manual de Fisica
Dcl
Dcl
(2007)



Reparando Erros de Vidas Passadas
Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho
Petit
(2004)





busca | avançada
31 visitas/dia
2,2 milhões/mês