A vida subterrânea que mora em frente | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
51542 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
>>> PAULUS Editora promove a 6º edição do Simpósio de Catequese
>>> Victor Arruda, Marcus Lontra, Daniela Bousso e Francisco Hurtz em conversa na BELIZARIO Galeria
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> teu filho, teu brilho
>>> O Medium e o retorno do conteúdo
>>> A Poli... - 10 anos (e algumas reflexões) depois
>>> Web-based Finance Application
>>> Pensando sozinho
>>> Aventuras pelo discurso de Foucault
>>> Chega de Escola
>>> Hipermediocridade
>>> A luta mais vã
>>> História da leitura (I): as tábuas da lei e o rolo
Mais Recentes
>>> 12 Meses para Enriquecer - o Plano da Virada de Marcos Silvestre pela Lua de Papel (2010)
>>> A Filha do Restaurador de Ossos de Amy Tan pela Rocco (2002)
>>> Outsiders: Vidas sem Rumo de Susan E. Hinton pela Brasiliense (1985)
>>> Repensando uma Cultura de Paz e Liberdade de Carlos Góes / Acácio Alvarenga / Átila da Veiga pela Unb (2010)
>>> Míni Aurélio de Marina Baird Ferreira pela Positivo (2006)
>>> Vaticano de Edizioni Musei Vatican pela Portoghese
>>> Konig de Ana Rita Petraroli pela Scortecci (2012)
>>> Comentários ao Código Tributário Nacional, Vol. II de Hugo de Brito Machado pela Atlas (2004)
>>> Chic Homen: Manual de Moda e Estilo de Gloria Kalil pela Senac (2004)
>>> O Ciclo das Aguas de Moacyr Scliar pela L&pm (2010)
>>> Contos de Lugares Distantes de Shaun Tan pela Cosac Naify (2008)
>>> B is For Burglar: Intermediate (macmillan Readers) de Sue Grafton pela Macmillan Education (2005)
>>> Sucessão: Charges no Jornal do Brasil de Barcímio Amaral e Outros pela Jornal do Brasil (1983)
>>> Os cientistas e seus experimento de arromba de Dr. Mike Goldsmith pela Seguinte (2007)
>>> Ninguém Pode Saber de Karin Slaughter pela Harper Collins (2019)
>>> Aqui e Agora de Saul Bellow pela Bloch (1967)
>>> Innovation - the Attackers Advantage de Richard Foster pela vSummit Books (1986)
>>> Tudo o Que Você Precisa Saber Sobre Filosofia de Paul Kleinman pela Gente (2014)
>>> Ana Terra de Erico Verissimo pela Globo (1979)
>>> Quando é Preciso Ser Forte Autobriografia de De Rose pela Egrégora (2012)
>>> The Bat Scientists de Mary Kay Carson pela Desconhecida
>>> Poesia Completa de Alberto Caeiro (de Bolso) de Fernando Pessoa pela Companhia das Letras (2005)
>>> Estrelas Fritas com Açúcar de Leticia Wierzchowski pela Planeta (2020)
>>> Derivatives in Financial Markets With Stochastic Volatility de Jean-pierre Fouque; George Papanicolaou pela Cambridge University Press (2000)
>>> Contos de Voltaire pela Abril (1972)
COLUNAS

Quinta-feira, 8/7/2010
A vida subterrânea que mora em frente
Elisa Andrade Buzzo

+ de 4200 Acessos
+ 1 Comentário(s)


Ilustra: Tartaruga Feliz

Daqui do meu apartamento tenho uma nesga de sol devido ao sobrado em frente que resiste à passagem do tempo. Ele ainda se mantém erguido diante dos prédios e das mãos mecânicas que demolem as estruturas mais obstinadas. O cachorro da casa, que ficava com o focinho comprido pra fora da grade já morreu, parece que envenenado, já não me lembro mais. Foi a maior tristeza a morte do Foxy, era como eu o chamava. Ele tinha pelagem áspera e oleosa, as mãos saíam empapuzadas depois de alisar sua cabecinha dura e compacta. Toda a vez que esperava o ônibus ou olhava pela janela lá estava Foxy, imperturbável sentado na muretinha, os olhos voltados para o movimento contínuo da rua. Aparentemente lá estaria ele por toda a eternidade, para sempre policiando, guardando silenciosamente o bairro (agora me recordo de que nunca ouvira um único latido seu).

O velho da casa também sempre estava por lá, batendo um papo com quem passava, varrendo a rua. Eu mesma já havia conversado algo com ele, uma conversa curiosa e frouxa, cujo teor perpassa pelas amenidades de vizinhos separados pelas circunstâncias. Estava no bairro há 15 anos, ele então, decerto há uns 60 ou mais. A irmã que morava com ele, e decerto lhe proporcionava uma alimentação mais substancial e uma vida mais completa, morrera. Do alto da minha janela, entrando pelo portão ainda não pichado, ela era uma outra cabecinha, também castanha, embora tingida, visivelmente calva no cocuruto. As duas janelas do sobrado não foram vistas por mim sequer uma vez abertas, nem aquela envidraçada da sala. O máximo que conseguia vislumbrar era a luz débil do lustre tarde da noite. Foxy se retirava para os fundos.

Nenhuma lembrança posso ter do interior daquela casa, apenas, e talvez este pouco, que é nada, seja mais intenso do que seria conhecê-la inteiramente, ou ter entrado para uma visita de compadres. Não é mais época para tanto. Caso pudesse adentrar no desconhecido, tivesse a permissão desejada de em minhas mãos estreitar este mundo extinto ― a porta, boca que se abre convidativa ―, quem sabe não mais haveria o ardor das grandes paixões dificultosas, desvaneceria-se em miragem a imagem inventada de seu interior ricamente adornado, a escada de madeira sólida, este último exemplar de construção enamorado da mansão alguns quarteirões acima.

Agora contemplo as cortinas da sala por onde até há poucos dias se podia ver seu rosto aparecendo como o sol da manhã por entre as nuvens afastadas pelas mãos. Foram os últimos momentos de sua presença na casa. A renda branca decorada com motivo de flores deve ter tido seus dias de glória, e hoje se pode constatar mesmo da rua que uma película amarelenta toma conta de suas fibras. Do pequeno jardim da frente restaram umas ervas crescendo aleatoriamente; ao fundo, no vasto quintal se antevê uma confusão de madeiras e entulho acumulado. A fechadura improvisada da porta é boca que cala.

Nas noites das expectativas infundadas, em que o sonho resvala na realidade, até que aquele se destaca como uma bolha de voo suicida, subo a rua e, mais uma vez, lá está ela, a casa, silenciosa, um pouco assustadora em suas sombras desenhadas pela iluminação dos postes. O velho e Foxy, a boca semiaberta formando um sorriso gentil, também sobem a ladeira. O tom de azul desfalecido das paredes havia sido recoberto por uma única demão amarela. Alguns pontos ficaram na cor antiga, imprimindo uma decrepitude à sua imagem esmorecida pelo iminente abandono.

Da garagem arrancaram um calhambeque já sem teto, a cor azul quase marrom de sujeira dos anos guardados. Foi um coração resfolegante puxado por guinchos, tamanha sua fraqueza e insistência em ali permanecer como um monumento derradeiro. As coisas, afinal, não podem acabar assim sem um grito agudo, uma encenação de comoção intensa. Ainda que futuramente o estouro da bolha seja apenas um eco surdo, há de causar um pequeno tumulto a ocasião do estrondo. Por isso a rua parou para acompanhar a remoção do auto, ficamos da janela aguardando o emergir e o desfecho daquela vida subterrânea que morava em frente. Depois, largaram ao pé da casa caixas de papelão com panos, bugigangas, o odor de mofo penetrante, que ficaram dipostas no chão sujeitas ao olhar público, que, quase como se envergonhasse de tal demonstração descuidada da intimidade alheia, desviava os olhos. Só alguns mendigos e bêbados é que se comprazeram, logo vendo que nada havia de valioso.

Agora, os restos mortais do velho estão lá: cabo de guarda-chuva, caixa de creme de barbear Bozzano, um sapato preto e um suéter marrom dispersos, alcançando a sarjeta e o olho da rua, como que boiando no fundo de um mar ressequido. A família parece não ligar em expor a vida do velho a esse ponto, mas como fazer a limpeza senão extirpando os órgãos, maltratando seu corpo até dizer "não dá mais" e colocando tudo, enfim, à luz do dia? Pouco tempo depois, os objetos se evadiram misteriosamente da calçada. Sabe-se lá quem deu conta de lançar ao vento as últimas cinzas, não restando mais nada como traço de crime sem importância. A não ser a própria casa, estendida em sua vacuidade. Também tem um bêbado, que se apossou de sua fachada e do ponto de ônibus ao lado como seu palco de variedades, e hoje é ele quem se apresenta nas tardes folgazãs de outono.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 8/7/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. 2021, o ano da inveja de Luís Fernando Amâncio
02. Sobreviver à quarentena de Luís Fernando Amâncio
03. A pandemia de Albert Camus de Wellington Machado
04. Domingão, domingueira de Ana Elisa Ribeiro
05. A Fera na Selva, filme de Paulo Betti de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2010
01. Tempo vida poesia 2/5 - 19/8/2010
02. Tempo vida poesia 4/5 - 23/9/2010
03. A arqueologia secreta das coisas - 4/2/2010
04. Sobre jabutis, o amor, a entrega - 2/12/2010
05. Como se enfim flutuasse - 3/6/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/7/2010
05h13min
Tenho uma ligação afetiva com os textos de Elisa Andrade Buzzo. Tenho hábito de, da janela do meu apartamento, imaginar histórias dos vizinhos, que nem conheço, das outras janelas, da praça, da rua. E haja solidão, na rua e nas janelas.
[Leia outros Comentários de Liliane]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Escravidão no Brasil: Trabalho e Resistência
Júlio Quevedo
Ftd
(1996)



Estude e Viva
Chico Xavier
Federação Espírita Brasileira
(2008)



Tudo Pode Dar Certo
Paulo Henrique Durci
Intelítera
(2013)



L'arte Des Origines A Nos Jours Tomo 1 - Leon Deshairs
Leon Deshairs
Larousse
(1932)



Seu Horóscopo Chines para 2014
Neil Somerville
Best Seller
(2013)



The Last Sherlock Holmes Story
Michael Dibdin
Oxford BookWorms
(2003)



Marcel and the White Star
Stephen Rabley
Penguin Readers
(1999)



À Prova de Fogo
Consuelo de Castro
Hucitec
(1977)



7 de Setembro Independência Até Onde Se Chegou?
Alfredo Boulos Júnior
Ftd
(1997)



Ria da Minha Vida Antes Que Eu Ria da Sua
Evandro Augusto Daolio
Arx
(2006)





busca | avançada
51542 visitas/dia
1,8 milhão/mês