A vida subterrânea que mora em frente | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
>>> O Valhalla em São Paulo
>>> Por dentro do Joost: o suco da internet com a TV
Mais Recentes
>>> Direito Romano - Vol. II de José Carlos Moreira Alves pela Forense (2003)
>>> Divinas Desventuras: Outras Histórias da Mitologia Grega de Heloisa Prieto pela Companhia das Letrinhas (2011)
>>> Le Nouveau Sans Frontières 1 - Méthode de Français de Philippe Dominique e Jacky Girardet e Michele Verdelhan e Michel Verdelhan pela Clé International (1988)
>>> Sobrevivência de Gordon Korman pela Arx Jovem (2001)
>>> Ética Geral e Profissional de José Renato Nalini pela Revista dos Tribunais (2001)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Abril (1982)
>>> O Menino no Espelho de Fernando Sabino pela Record (2016)
>>> Labirintos do Incesto: O Relato de uma Sobrevivente de Fabiana Peereira de Andrade pela Escrituras-Lacri (2004)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Círculo do Livro (1975)
>>> Ponte para Terabítia de Katherine Patersin pela Salamandra (2006)
>>> O Desafio da Nova Era de José M. Vegas pela Ave-Maria (1997)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1970)
>>> Trabalho a Serviço da Humanidade de Escola Internacional da Rosa Cruz Áurea pela Rosacruz (2000)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ensinando a Cuidar da Criança de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Ensinando a Cuidar da Mulher, do Homem e do Recém-nascido de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Luxúria Encadernado de Judith Krantz pela Círculo do Livro (1978)
>>> Fundamentos, Conceitos, Situações e Exercícios de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Personality: How to Unleash your Hidden Strengths de Dr. Rob Yeung pela Pearson (2009)
>>> Um Mês Só de Domingos de John Updike pela Record (1975)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Caravanas de James Michener pela Record (1976)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> Deus Protege os Que Amam de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1977)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> O Quarto das Senhoras de Jeanne Bourin pela Difel (1980)
>>> Beco sem Saída de John Wainwright pela José Olympio (1984)
>>> Casais Trocados de John Updike pela Abril (1982)
>>> O Hotel New Hampshire Encadernado de John Irving pela Círculo do Livro (1981)
>>> As Moças de Azul de Janet Dailey pela Record (1985)
>>> Amante Indócil Encadernado de Janet Dailey pela Círculo do Livro (1987)
>>> A Rebelde Apaixonada de Frank G. Slaughter pela Nova Cultural (1986)
>>> Escândalo de Médicos de Charles Knickerbocker pela Record (1970)
>>> A Turma do Meet de Annie Piagetti Muller pela Target Preview (2005)
>>> O Roteiro da Morte de Marc Avril pela Abril (1973)
>>> Luz de Esperança de Lloyd Douglas pela José Olympio (1956)
>>> Confissões de Duas Garotas de Aluguel de Linda Tracey e Julie Nelson pela Golfinho (1973)
>>> Propósitos do Acaso de Ronaldo Wrobel pela Nova Fronteira (1998)
>>> Olho Vermelho de Richard Aellen pela Record (1988)
>>> A Comédia da Paixão de Jerzy Kosinski pela Nova Fronteira (1983)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Böll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> O Caminho das Estrêlas de Christian Signol pela Círculo do Livro (1987)
>>> Longo Amanhecer de Joe Gores pela Best-seller (1988)
>>> As Damas do Crime de B. M. Gill pela Círculo do Livro (1986)
>>> Os Melhores Contos de Alexandre Herculano de Alexandre Herculano pela Círculo do Livro (1982)
COLUNAS

Quinta-feira, 8/7/2010
A vida subterrânea que mora em frente
Elisa Andrade Buzzo

+ de 3400 Acessos
+ 1 Comentário(s)


Ilustra: Tartaruga Feliz

Daqui do meu apartamento tenho uma nesga de sol devido ao sobrado em frente que resiste à passagem do tempo. Ele ainda se mantém erguido diante dos prédios e das mãos mecânicas que demolem as estruturas mais obstinadas. O cachorro da casa, que ficava com o focinho comprido pra fora da grade já morreu, parece que envenenado, já não me lembro mais. Foi a maior tristeza a morte do Foxy, era como eu o chamava. Ele tinha pelagem áspera e oleosa, as mãos saíam empapuzadas depois de alisar sua cabecinha dura e compacta. Toda a vez que esperava o ônibus ou olhava pela janela lá estava Foxy, imperturbável sentado na muretinha, os olhos voltados para o movimento contínuo da rua. Aparentemente lá estaria ele por toda a eternidade, para sempre policiando, guardando silenciosamente o bairro (agora me recordo de que nunca ouvira um único latido seu).

O velho da casa também sempre estava por lá, batendo um papo com quem passava, varrendo a rua. Eu mesma já havia conversado algo com ele, uma conversa curiosa e frouxa, cujo teor perpassa pelas amenidades de vizinhos separados pelas circunstâncias. Estava no bairro há 15 anos, ele então, decerto há uns 60 ou mais. A irmã que morava com ele, e decerto lhe proporcionava uma alimentação mais substancial e uma vida mais completa, morrera. Do alto da minha janela, entrando pelo portão ainda não pichado, ela era uma outra cabecinha, também castanha, embora tingida, visivelmente calva no cocuruto. As duas janelas do sobrado não foram vistas por mim sequer uma vez abertas, nem aquela envidraçada da sala. O máximo que conseguia vislumbrar era a luz débil do lustre tarde da noite. Foxy se retirava para os fundos.

Nenhuma lembrança posso ter do interior daquela casa, apenas, e talvez este pouco, que é nada, seja mais intenso do que seria conhecê-la inteiramente, ou ter entrado para uma visita de compadres. Não é mais época para tanto. Caso pudesse adentrar no desconhecido, tivesse a permissão desejada de em minhas mãos estreitar este mundo extinto ― a porta, boca que se abre convidativa ―, quem sabe não mais haveria o ardor das grandes paixões dificultosas, desvaneceria-se em miragem a imagem inventada de seu interior ricamente adornado, a escada de madeira sólida, este último exemplar de construção enamorado da mansão alguns quarteirões acima.

Agora contemplo as cortinas da sala por onde até há poucos dias se podia ver seu rosto aparecendo como o sol da manhã por entre as nuvens afastadas pelas mãos. Foram os últimos momentos de sua presença na casa. A renda branca decorada com motivo de flores deve ter tido seus dias de glória, e hoje se pode constatar mesmo da rua que uma película amarelenta toma conta de suas fibras. Do pequeno jardim da frente restaram umas ervas crescendo aleatoriamente; ao fundo, no vasto quintal se antevê uma confusão de madeiras e entulho acumulado. A fechadura improvisada da porta é boca que cala.

Nas noites das expectativas infundadas, em que o sonho resvala na realidade, até que aquele se destaca como uma bolha de voo suicida, subo a rua e, mais uma vez, lá está ela, a casa, silenciosa, um pouco assustadora em suas sombras desenhadas pela iluminação dos postes. O velho e Foxy, a boca semiaberta formando um sorriso gentil, também sobem a ladeira. O tom de azul desfalecido das paredes havia sido recoberto por uma única demão amarela. Alguns pontos ficaram na cor antiga, imprimindo uma decrepitude à sua imagem esmorecida pelo iminente abandono.

Da garagem arrancaram um calhambeque já sem teto, a cor azul quase marrom de sujeira dos anos guardados. Foi um coração resfolegante puxado por guinchos, tamanha sua fraqueza e insistência em ali permanecer como um monumento derradeiro. As coisas, afinal, não podem acabar assim sem um grito agudo, uma encenação de comoção intensa. Ainda que futuramente o estouro da bolha seja apenas um eco surdo, há de causar um pequeno tumulto a ocasião do estrondo. Por isso a rua parou para acompanhar a remoção do auto, ficamos da janela aguardando o emergir e o desfecho daquela vida subterrânea que morava em frente. Depois, largaram ao pé da casa caixas de papelão com panos, bugigangas, o odor de mofo penetrante, que ficaram dipostas no chão sujeitas ao olhar público, que, quase como se envergonhasse de tal demonstração descuidada da intimidade alheia, desviava os olhos. Só alguns mendigos e bêbados é que se comprazeram, logo vendo que nada havia de valioso.

Agora, os restos mortais do velho estão lá: cabo de guarda-chuva, caixa de creme de barbear Bozzano, um sapato preto e um suéter marrom dispersos, alcançando a sarjeta e o olho da rua, como que boiando no fundo de um mar ressequido. A família parece não ligar em expor a vida do velho a esse ponto, mas como fazer a limpeza senão extirpando os órgãos, maltratando seu corpo até dizer "não dá mais" e colocando tudo, enfim, à luz do dia? Pouco tempo depois, os objetos se evadiram misteriosamente da calçada. Sabe-se lá quem deu conta de lançar ao vento as últimas cinzas, não restando mais nada como traço de crime sem importância. A não ser a própria casa, estendida em sua vacuidade. Também tem um bêbado, que se apossou de sua fachada e do ponto de ônibus ao lado como seu palco de variedades, e hoje é ele quem se apresenta nas tardes folgazãs de outono.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 8/7/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Aula de Português I: texto X gramática de Marcelo Spalding
02. Entrando para ganhar de Celso A. Uequed Pitol
03. Ainda volto ao Museu (com 'menas' pressa) de Ana Elisa Ribeiro
04. Quanto vale blogar? de Rafael Fernandes
05. Poeirópolis (como no início do século XX) de Ana Elisa Ribeiro


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2010
01. Tempo vida poesia 2/5 - 19/8/2010
02. A arqueologia secreta das coisas - 4/2/2010
03. Como se enfim flutuasse - 3/6/2010
04. Sobre jabutis, o amor, a entrega - 2/12/2010
05. A natureza se reveste de ti - 25/2/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/7/2010
05h13min
Tenho uma ligação afetiva com os textos de Elisa Andrade Buzzo. Tenho hábito de, da janela do meu apartamento, imaginar histórias dos vizinhos, que nem conheço, das outras janelas, da praça, da rua. E haja solidão, na rua e nas janelas.
[Leia outros Comentários de Liliane]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




UFO VISITATION: PREPARING FOR THE TWENTY-FIRST CENTURY
ALAN WATTS
BLANDFORD PR
(1996)
R$ 50,00



NOVA CHANCE PARA A VIDA
FRANCISCO ROBERTO DE CARVALHO
BOA NOVA
(2015)
R$ 10,00



A FLECHA DE DEUS
CHINUA ACHEBE
COMPANHIA DAS LETRAS
(2011)
R$ 48,50
+ frete grátis



A PAIXÃO DO PODER
ARELO SEDERBERG
RECORD
(1980)
R$ 8,00



VEJA CONTRATADO
VÁRIOS AUTORES
ABRIL
R$ 7,00



OS MENINOS DA NAVE FAZDECONTA
MERY WEISS
MODERNA
(1982)
R$ 8,00



100 DICAS INFALÍVEIS PARA EMAGRECER E SE MANTER EM FORMA
FRED A. STUTMAN
SEXTANTE
(2010)
R$ 10,00



O FACEBOOK COMO AMBIENTE DE APRENDIZAGEM
ADRIANA ALVES NOVAIS SOUZA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 293,00



100 PETITES EXPÉRIENCES EN PSYCHOLOGIE DU CONSOMMATEUR : POUR MIEUX CO
NICOLAS GUÉGUEN
DUNOD
(2005)
R$ 30,00



VOCABULÁRIO NOTURNO (1942-1945)
JACQUES DO PRADO BRANDÃO
IMPRENSA OFICIAL
(1947)
R$ 200,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês