A arqueologia secreta das coisas | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
71602 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> 7ª edição do Fest Rio Judaico acontece no domingo (16 de junho)
>>> Instituto SYN realiza 4ª edição da campanha de arrecadação de agasalhos no RJ
>>> O futuro da inteligência artificial: romance do escritor paranaense Roger Dörl, radicado em Brasília
>>> Cursos de férias: São Paulo Escola De Dança abre inscrições para extensão cultural
>>> Doc 'Sin Embargo, uma Utopia' maestro Kleber Mazziero em Cuba
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Google em crise de meia-idade
>>> Meu cinema em 2010 ― 1/2
>>> Paulo Francis não morreu
>>> Levy Fidelix sobre o LGBT
>>> Adaptação: direito ou dever da criança?
>>> Bienal 2006: fracasso da anti-arte engajada
>>> Monteiro Lobato, a eugenia e o preconceito
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> A quem interessa uma sociedade alienada?
Mais Recentes
>>> Revista da Biblioteca Mário de Andrade de Boris Schnaiderman pela Imprensa Oficial (2012)
>>> Minidicionário Saraiva Informatica de Maria Cristina Gennari pela Saraiva (2001)
>>> Baia Da Esperanca de Jojo Moyes pela Bertrand (2015)
>>> Manual de Organização do Lactário de Maria Antônia Ribeiro Gobbo / Janete Maculevicius pela Atheneu (1985)
>>> Brinquedos da Noite: manual do primeiro livro 12ª edição. de Ieda Dias da Silva pela Vigília (1990)
>>> Pró-Posições de Vários Autores Unicamp pela Unicamp (2008)
>>> De Crianças e Juvenis Ensinando a Verdade de Modo Criativi de Márcia Silva pela Videira (2012)
>>> O Cinema Vai Mesa de Rubens Ewald Filho / Nilu Lebert pela Melhoramentos (2007)
>>> Guia das Bibliotecas Públicas do Brasil de Vários Autores pela Fundação Biblioteca Nacional 1994/95 (1994)
>>> Puxa, Que Bruxa! - O Sumiço - Livro 2 de Sibéal Pounder pela Ciranda Cultural (2019)
>>> IV 4D Artes Computacional Interativa de Centro Cultural Banco do Brasil pela Centro Cultural Banco do Brasil (2004)
>>> Psicologia da Educação - Revista do Programa de Estudos pós-graduados PUC-Sp de Vários Autores pela Puc-sp (2006)
>>> Cavalgando o Arco-Iris de Pedro Bandeira pela Moderna (1999)
>>> Mordidas que Podem ser Beijos 1ª edição. de Walcyr Carrasco pela Moderna (1997)
>>> Eu e Você, vamos Brincar? de Vários Autores pela Poliedro (2019)
>>> Convite à filosofia de Marilena Chauí pela Ática (1999)
>>> Pippi Meialonga. de Astrid Lindgren pela Companhia Das Letrinhas (2019)
>>> O Direito de Aprender - Potencializar avanços e reduzir desigualdades de Unicef pela Unicef (2009)
>>> O Fantástico Mistério de Feiurinha 4ª edição. de Pedro Bandeira pela Ftd (1989)
>>> Pedagogia Cidadã UNESP de Vários Autores pela Unesp (2006)
>>> Estranho, mas Verdadeiro - Perguntas e Respostas de Michele Gerlack / Marschalek Nascimento pela TodoLivre
>>> Que História É Essa? de Flávio de Souza pela Companhia Das Letrinhas (2008)
>>> Um Certo Capitão Rodrigo - edibolso Ler e Viver de Erico Veríssimo pela Edibolso (1975)
>>> Gabriel E A Copa Do Mundo De 2014 de Ilan Brebman pela Brinque-book (2013)
>>> Bento Vai a Escola de Fernanda de Oliveira pela Cultural (2020)
COLUNAS

Quinta-feira, 4/2/2010
A arqueologia secreta das coisas
Elisa Andrade Buzzo
+ de 5100 Acessos
+ 1 Comentário(s)


foto: Sissy Eiko

Quem passa pela feira de antiguidades desfila com a superioridade do tempo presente ― eu estou no aqui e no agora, este é o momento mais importante, evoluído e moderno que poderia existir ―, mas se inclina reverencioso diante da arqueologia de cada objeto mínimo. Não é um crime de lesa-majestade expor à luz do sol a vida íntima das casas, as coleções raras já sem dono ou sem interesse por parte de seus descendentes? Espero revelações de uma feira de antiguidades para aclarar as minhas ― nem tão velhas assim ―, mas os objetos todos viram o rosto e reluzem muito em um sol impossível na Foire aux jambons em Quinconces, esta que dizem ser a maior praça da Europa.

Aqui e ali a poeira é um luxo conquistado em meses, anos, séculos de sótão ou porão. Mas também se pode supor que a passagem dos carros dos expositores faça subir o cascalho e a fina areia branca do solo da praça, e recubra com mais uma camada de partículas os tampos das mesas, os armários, os rádios, os carrilhões, a vidraria, os inúmeros bibelôs de porcelana repousados de forma displicente em caixas, as revistas seriadas com desenhos de mulheres em vestidos longos de babados... Que encanto objetos de antiguidade exercem nestes passantes, que observam, mas não compram? É o que diz em voz alta um dos antiquários: só há quem passeie pelos estandes, nada de clientes. Talvez a beleza da (aparente) inutilidade destes objetos sele encontros inusitados para muitos. O charme dos sobreviventes rejeitados traga sentimentos nobres, como a compaixão. Testemunhas silenciosas, eles resistiram ao tempo. Ao menos até aquele momento.

Essa memória renitente das coisas que passaram já se torna risível para mim, sendo que nem mesmo posso recitar com fidedigna clareza um único diálogo de minha infância, qual o último sabor de sorvete que comi. Qual foi o último plano de Hiroshima, meu amor, e onde exatamente me sentei para assisti-lo no teatro? Mesmo que haja um vigor momentâneo nos objetos e nos acontecimentos, eles estão condenados a essa inexatidão que o tempo se encarrega de recobri-los? E assim sua natureza está fadada a ser diversa daquela que a originou. Assim como a cadeira que um segundo dono irá lixar será outra, o som do carrilhão em outra sala entoará de outra forma, ainda que a matéria inicial esteja lá, concreta, até o momento em que for estilhaçada em pequenos pedaços aleatórios de entulho.

Aliás, é nas caçambas que se vê o desapego pelo que era estima, necessidade premente, puro consumismo, talvez. Basta uma estacionada na calçada para se deparar no decorrer dos dias com as quinquilharias relegadas. Transbordando. E dos objetos pessoais que ainda mantemos, por vontade ou sem refletir, que será deles quando não estivermos mais aqui? Algo vai resistir, que significado eles terão ou deixarão de ter?

Imersa em um pó acinzentado, os dedos sujos, tenho vontade de jogar tudo para o alto. Não importa mais que algo relevante se vá, o que quero é me livrar deste mofo, desta desorganização e falta de espaço para o novo que se avizinha. As lembranças adormecidas aguardam o dia do despejo sem reclamar, até que um desejo brutal aparece, e surge a vontade de arrumá-las. O desespero dura pouco. Volto à estaca zero. Cuidadosamente vou avaliando cada caixa e seu conteúdo de papéis, averiguo a usabilidade de cada objeto. É um dia em que estou resoluta a encher os tonéis de reciclagem do Pão de Açúcar.

Dúvidas perpassam este tipo de arrumação em que são devassadas estantes e gavetas fechadas há anos. Se eu não joguei fora isso até hoje, por que fazê-lo agora? Eu posso precisar disso amanhã e irei me lamentar muito por ter jogado fora. São lembranças que se eu não guardar, quem mais irá fazê-lo, exceto eu mesma? Não vai adiantar nada guardar estas coisas, se eu nem lembrava delas é porque não fazem falta, não servem para nada. Portanto, caso eu as tivesse guardado e precisasse delas, de nada adiantaria, porque ou elas sequer existiriam para procurá-las, ou, se lembrasse delas, eu não me lembraria onde elas estariam.

À medida em que vou encontrando raridades como lápis de cor antigos, cadernos de desenhos, brincos autocolantes, papéis de carta etc., vou me regozijando por ter guardado estas coisas, e também me envergonhando sem saber o porquê. Quem sabe, por que eu fazia/tinha estas coisas? Se eu não tivesse feito certas coisas, eu seria assim? Que porcentagem do que sou há nestas peças esparsas? O que em mim há disto? O sentimento vai se invertendo ao passo em que avisto manchas amareladas, cheiro de há muito guardado que não haverá modo de sair. São as marcas inalienáveis do tempo. Irritada com a quantidade de miudezas que se acumula, para as quais tento colocar uma ordem, me coloco diante de mais alternativas. Jogar fora resolverá? Não será passar o problema adiante? Desfazer-me? Refazer-me?

Digo que daqui pra frente só quero ter o essencial, como um monge numa montanha, dizer o que vou me lembrar, que mais nenhuma palavra seja inútil e mal pronunciada... Quero mudar de casa, trocar de pele e de camisa, ser esquecida, mas estes objetos fazem o favor de submergir esporadicamente. Lembranças do que foi, rastros que não se apagam, juras malsucedidas. Não os vendo, dou e jogo ao vento. Até me esquecer e fazer novas promessas, eleger outros relicários.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 4/2/2010

Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2010
01. Tempo vida poesia 4/5 - 23/9/2010
02. Tempo vida poesia 2/5 - 19/8/2010
03. A arqueologia secreta das coisas - 4/2/2010
04. Como se enfim flutuasse - 3/6/2010
05. Tempo vida poesia 1/5 - 5/8/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/2/2010
22h41min
Tenho mania de guardar coisas simples, lembranças de escola, cartão postal, uma foto ou outra. Mas a melhor lembrança são coisas sentimentais, pensamentos, beijos, abraços, que ainda permanecem no calor do meu corpo, na distância de um tempo em que brinquei de amor, e senti que fui feliz...
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro Gibis Os Heróis mais Poderosos da Marvel Surfista Prateado Volume 51
Stan Lee
Salvat
(2015)



Liderança Caminho para a Prosperidade
Ali Mazioum
Célebre
(2006)



Prisão Cautelar
Fábio Ramazzini Bechara
Malheiros
(2005)



That´s All About Fame - Book 03
Sérgio Barreto
WiseUp
(2006)



Livro Literatura Estrangeira O Chá-de-bebê de Becky Bloom Becky Bloom está de volta... e com o maior barrigão!
Sophie Kinsella, Alves Calado
Record
(2008)



Aritmética Comercial e Financeira
Carlos de Carvalho
Istituto de Contadores Fiscais
(1948)



Livro Mon Ombre Siamoise
Guy de Rothschild
Grasset
(1993)



Reflexão Sobre as Políticas Nacionais de Comunicação
Daniel Castro
Ipea
(2009)



Viagem em Tôrno a Machado de Assis
Agrippino Grieco
Martins
(1969)



Purificação de Produtos Biotecnológicos
Adalberto Pessoa Jr; Beatriz Vahan Kilikian
Manole
(2005)





busca | avançada
71602 visitas/dia
2,3 milhões/mês