A arqueologia secreta das coisas | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Anjos e Demônios, o filme, com Tom Hanks
>>> Quem tem boca vai a Roma
>>> Pergunte ao Polvo #worldcup
>>> O escandaloso blog de poesia de Maria Bethânia
>>> PosBIZZ com Ricardo Alexandre
>>> A era e o poder do Twitter
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> É Julio mesmo, sem acento
Mais Recentes
>>> Bernardo Pereira de Vasconcelos (Português) Capa comum de José Murilo de Carvalho pela 34
>>> Balmaceda - Coleção Prosa do Observatório (Português) Capa comum de Joaquim Nabuco pela Cosacnaify (2020)
>>> Autobiografia de Visconde de Mauá (Irineu Evangelista de Sousa) pela Senado (2020)
>>> Revista Tempo Brasileiro 25 - A Crise do Pensamento Moderno 3 de Vários pela Tempo Brasileiro (1970)
>>> Teatro Moderno = A Moratória de Jorge Andrade pela Agir (1996)
>>> Teatro na Igreja com criatividade de Maria José Resende pela Exodus (1997)
>>> O Furo . . .Que é um Furo que não é um Furo de Everton Capri Freire pela Parma (1981)
>>> A Retornada de Donatella Di Pietrantonio pela Faro Editorial (2019)
>>> O Teatro de Nelson Rodrigues: Uma Realidade em Agonia de Ronaldo Lima Lins pela Francisco Alves (1979)
>>> 525 Linhas de Marcelo Paiva pela Brasiliense (1989)
>>> Sonho interrompido por guilhotina de Joca Reiners Terron pela Casa da Palavra (2006)
>>> Mortos - Vivos = Vivos - Mortos de Walter José Faé pela Burity (1983)
>>> Ana do Maranhão de Lenita de Sá pela Folha Carioca (1982)
>>> Teatro e Paixão de Maria Lombros Comninos/Marta Morais da Costa pela Secretaria de Estado da Cultura e do Esporte (1982)
>>> Teatro de Marionetes de Heinrich Von Kleist pela Ministério da Educação e Saúde (1952)
>>> Teatro - Realidade Mágica de Santa Rosa pela Departamento de Imp. Nacional (1953)
>>> Sonetos em Curitiba de Nylzamira Cunha Bejes pela Planeta (2002)
>>> A Represa / Suburbana de Maria Helena Khuner/Celso Antonio da Fonseca pela Funarte (1933)
>>> Teatro da Vida 2 = Projeto Andarilhus de Eduardo Bolina pela Pallotti (2009)
>>> O Palácio dos Urubus de Ricardo Meireles Vieira pela Funarte (1975)
>>> Helicópteros e Lepidópteros de Eno Teodoro Wanke pela Plaquete (1979)
>>> Darwin e Kardec Um Diálogo Possivel de Hebe Laghi de Souza pela Centro Espírita Allan Kardec (2002)
>>> Macacos me Mordam ! de Eno Teodoro Wanke pela Plaquete (1987)
>>> Darwin e Kardec Um Diálogo Possivel de Hebe Laghi de Souza pela Centro Espírita Allan Kardec (2002)
>>> Os Infortúnios da Virtude de Marquês de Sade pela Iluminuras (2013)
>>> Joaquim - Minicontos - livrote n. 15 de Eno Teodoro Wanke pela Plaquete (1990)
>>> Administração Aplicada à enfermagem de Sérgio Ribeiro dos Santos pela Ideia (2002)
>>> Antologia de Jeorling J.Cordeiro Cleve pela Artes & Textos (2009)
>>> The Golden Bough: Volume 12 de James Frazer pela Cambridge University Press (2012)
>>> Teatrinho Infantil de Figueiredo Pimentel pela Livraria Quaresma (1958)
>>> Reiki Harmonia Universal de Joel Cardoso pela Tipo (2001)
>>> Saúde de Cães de A a Z de Pedro Zarur Almeida pela Madras (2005)
>>> Pré-Natal de Marcelo Zugaib e Rosa Ruocco pela Atheneu (2005)
>>> Gasparetto Responde! de Luiz Gasparetto pela Vida e Consciência (2015)
>>> O Quarto em Chamas de Michael Connelly pela Suma (2018)
>>> Southernmost - Rumo ao Sul de Silas House pela Faro Editorial (2018)
>>> Vigilância e Controle das Doenças Transmissíveis de Zenaide Neto Aguiar pela Martinari (2009)
>>> 21 dias de jejum pela edificação da casa de Deus de Aluízio A. Silva pela Vinha (2012)
>>> Aspectos do Design - Volume II de Vários Autores pela Senai-SP (2012)
>>> Escrevendo no escuro de Patrícia Melo pela Rocco (2011)
>>> Deus e Israel construindo a história de Equipe de produção Itebra pela Itebra (2001)
>>> Virtuosismo e Revolução de Paolo Virno pela Civilização Brasileira (2008)
>>> Simão Pedro de Georges Chevrot pela Quadrante (1990)
>>> Enfermagem em Obstetrícia de Geraldo Mota de Carvalho pela Epu (2002)
>>> Enfermagem e Nutrição de Geraldo Mota de Carvalho e Adriana Ramos pela Epu (2005)
>>> As Ideias de Popper de Bryan Magee pela Cultrix-Usp (1974)
>>> Les damnés de la terre de Frantz Fanon pela La Découverte (2016)
>>> História de Portugal de Rui Ramos (Coordenador), Bernardo Vasconcelos e Sousa, Nuno Gonçalo Monteiro pela A esfera dos livros (2019)
>>> A Corte na Aldeia de Francisco Rodrigues Lobo pela Biblioteca Ulisseia (2005)
>>> Veja 45 anos. Edição Especial. Ano 46 - 2013 de Vários pela Abril (2013)
COLUNAS

Quinta-feira, 4/2/2010
A arqueologia secreta das coisas
Elisa Andrade Buzzo

+ de 4100 Acessos
+ 1 Comentário(s)


foto: Sissy Eiko

Quem passa pela feira de antiguidades desfila com a superioridade do tempo presente ― eu estou no aqui e no agora, este é o momento mais importante, evoluído e moderno que poderia existir ―, mas se inclina reverencioso diante da arqueologia de cada objeto mínimo. Não é um crime de lesa-majestade expor à luz do sol a vida íntima das casas, as coleções raras já sem dono ou sem interesse por parte de seus descendentes? Espero revelações de uma feira de antiguidades para aclarar as minhas ― nem tão velhas assim ―, mas os objetos todos viram o rosto e reluzem muito em um sol impossível na Foire aux jambons em Quinconces, esta que dizem ser a maior praça da Europa.

Aqui e ali a poeira é um luxo conquistado em meses, anos, séculos de sótão ou porão. Mas também se pode supor que a passagem dos carros dos expositores faça subir o cascalho e a fina areia branca do solo da praça, e recubra com mais uma camada de partículas os tampos das mesas, os armários, os rádios, os carrilhões, a vidraria, os inúmeros bibelôs de porcelana repousados de forma displicente em caixas, as revistas seriadas com desenhos de mulheres em vestidos longos de babados... Que encanto objetos de antiguidade exercem nestes passantes, que observam, mas não compram? É o que diz em voz alta um dos antiquários: só há quem passeie pelos estandes, nada de clientes. Talvez a beleza da (aparente) inutilidade destes objetos sele encontros inusitados para muitos. O charme dos sobreviventes rejeitados traga sentimentos nobres, como a compaixão. Testemunhas silenciosas, eles resistiram ao tempo. Ao menos até aquele momento.

Essa memória renitente das coisas que passaram já se torna risível para mim, sendo que nem mesmo posso recitar com fidedigna clareza um único diálogo de minha infância, qual o último sabor de sorvete que comi. Qual foi o último plano de Hiroshima, meu amor, e onde exatamente me sentei para assisti-lo no teatro? Mesmo que haja um vigor momentâneo nos objetos e nos acontecimentos, eles estão condenados a essa inexatidão que o tempo se encarrega de recobri-los? E assim sua natureza está fadada a ser diversa daquela que a originou. Assim como a cadeira que um segundo dono irá lixar será outra, o som do carrilhão em outra sala entoará de outra forma, ainda que a matéria inicial esteja lá, concreta, até o momento em que for estilhaçada em pequenos pedaços aleatórios de entulho.

Aliás, é nas caçambas que se vê o desapego pelo que era estima, necessidade premente, puro consumismo, talvez. Basta uma estacionada na calçada para se deparar no decorrer dos dias com as quinquilharias relegadas. Transbordando. E dos objetos pessoais que ainda mantemos, por vontade ou sem refletir, que será deles quando não estivermos mais aqui? Algo vai resistir, que significado eles terão ou deixarão de ter?

Imersa em um pó acinzentado, os dedos sujos, tenho vontade de jogar tudo para o alto. Não importa mais que algo relevante se vá, o que quero é me livrar deste mofo, desta desorganização e falta de espaço para o novo que se avizinha. As lembranças adormecidas aguardam o dia do despejo sem reclamar, até que um desejo brutal aparece, e surge a vontade de arrumá-las. O desespero dura pouco. Volto à estaca zero. Cuidadosamente vou avaliando cada caixa e seu conteúdo de papéis, averiguo a usabilidade de cada objeto. É um dia em que estou resoluta a encher os tonéis de reciclagem do Pão de Açúcar.

Dúvidas perpassam este tipo de arrumação em que são devassadas estantes e gavetas fechadas há anos. Se eu não joguei fora isso até hoje, por que fazê-lo agora? Eu posso precisar disso amanhã e irei me lamentar muito por ter jogado fora. São lembranças que se eu não guardar, quem mais irá fazê-lo, exceto eu mesma? Não vai adiantar nada guardar estas coisas, se eu nem lembrava delas é porque não fazem falta, não servem para nada. Portanto, caso eu as tivesse guardado e precisasse delas, de nada adiantaria, porque ou elas sequer existiriam para procurá-las, ou, se lembrasse delas, eu não me lembraria onde elas estariam.

À medida em que vou encontrando raridades como lápis de cor antigos, cadernos de desenhos, brincos autocolantes, papéis de carta etc., vou me regozijando por ter guardado estas coisas, e também me envergonhando sem saber o porquê. Quem sabe, por que eu fazia/tinha estas coisas? Se eu não tivesse feito certas coisas, eu seria assim? Que porcentagem do que sou há nestas peças esparsas? O que em mim há disto? O sentimento vai se invertendo ao passo em que avisto manchas amareladas, cheiro de há muito guardado que não haverá modo de sair. São as marcas inalienáveis do tempo. Irritada com a quantidade de miudezas que se acumula, para as quais tento colocar uma ordem, me coloco diante de mais alternativas. Jogar fora resolverá? Não será passar o problema adiante? Desfazer-me? Refazer-me?

Digo que daqui pra frente só quero ter o essencial, como um monge numa montanha, dizer o que vou me lembrar, que mais nenhuma palavra seja inútil e mal pronunciada... Quero mudar de casa, trocar de pele e de camisa, ser esquecida, mas estes objetos fazem o favor de submergir esporadicamente. Lembranças do que foi, rastros que não se apagam, juras malsucedidas. Não os vendo, dou e jogo ao vento. Até me esquecer e fazer novas promessas, eleger outros relicários.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 4/2/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Domingão, domingueira de Ana Elisa Ribeiro
02. O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite de Jardel Dias Cavalcanti
03. O Voto de Meu Pai de Heloisa Pait
04. As pedras de Estevão Azevedo de Wellington Machado
05. Cidades do Algarve de Elisa Andrade Buzzo


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2010
01. Tempo vida poesia 2/5 - 19/8/2010
02. A arqueologia secreta das coisas - 4/2/2010
03. Como se enfim flutuasse - 3/6/2010
04. Sobre jabutis, o amor, a entrega - 2/12/2010
05. A natureza se reveste de ti - 25/2/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/2/2010
22h41min
Tenho mania de guardar coisas simples, lembranças de escola, cartão postal, uma foto ou outra. Mas a melhor lembrança são coisas sentimentais, pensamentos, beijos, abraços, que ainda permanecem no calor do meu corpo, na distância de um tempo em que brinquei de amor, e senti que fui feliz...
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




HEIDEGGERS POLEMOS - FROM BEING TO POLITICS
GREGORY FRIED
YALE
(2000)
R$ 53,50



DA GUERRA FRIA À DETENTE
DEMÉTRIO MAGNOLI
PAPIRUS
(1988)
R$ 23,82



TECNICA EN EL QUIROFANO MANUAL PARA PERSONAL DE SALA DE OPERACIONES
MARY ELLEN YEAGER
INTERAMERICANA
(1971)
R$ 118,45



REVISTA BRASILEIRA DE OFTALMOLOGIA VOL 25 N° 4
ADERBAL DE ALBUQUERQUE ALVES
NÃO INFORMADO
(1966)
R$ 16,75



O BRASIL E A HARMONIZAÇÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL
ELIONOR FARAH JREIGE WEFFORT
ATLAS
(2005)
R$ 17,28



REALLY LEARN 100 PHRASAL VERBS
DILYS PARKINSON
OXFOR
(2007)
R$ 7,00



A ROTA SANGRENTA
SVEN HASSEL
RECORD
(1977)
R$ 47,00



MEDIÇÃO E SERVIÇO SOCIAL - 8ª EDIÇÃO - OBRA REVISTA E AMPLIADA
REINALDO NOBRE PONTES
CORTEZ
(2016)
R$ 46,95



O ANEL DE AMETISTE
ANATOLE FRANCE
CIVILIZAÇAO BR
(1978)
R$ 5,00



FLOWER CROSS STITCH DESIGNS FOR TOWELS
SAM HAWKINS
AMERICAN SCHOOL N
(1991)
R$ 46,00





busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês