Sobre jabutis, o amor, a entrega | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
70192 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> “Um pé de biblioteca” estimula imaginação e ajuda a criar novas bibliotecas pelo Brasil
>>> Diálogos na Web FAAP: Na pauta, festivais de cinema e crítica cinematográfica
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Relationships Matter
>>> Apesar da democracia
>>> Onze pontos sobre literatura
>>> A maçã de Isaac Newton
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Lucas vs. Spielberg
>>> Morando sozinha II
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> O Tigrão vai te ensinar
Mais Recentes
>>> Pequot de Vitor Ramil pela Artes e Ofícios (1995)
>>> Quando o espiritual domina de Simone de Beauvoir pela Record (1979)
>>> O resto é silêncio de Érico Veríssimo pela Globo (1998)
>>> Angústia de Graciliano Ramos pela Globo (2013)
>>> O Recurso de John Grisham pela Rocco (2015)
>>> Os doze mandamentos de Sidney Sheldon pela Record (2020)
>>> Direito Ambiental Positivo de Fabrício Gaspar Rodrigues pela Campus (2012)
>>> Mandado de Segurança de Luiz Fux pela Dir (2011)
>>> Lula: A opção mais que o voto de Cândido Mendes pela Garamond (2006)
>>> Latinomérica de Marcus Accioly pela Topbooks (2015)
>>> Levando a vida leve de Laura Medioli pela Justo Junior (2005)
>>> Les Filles du Feu / Les Chimères de Gérard de Nerval pela Garnier-Flammarion (1965)
>>> Revolucione sua qualidade de vida - Navegando nas ondas da emoção de Augusto Cury pela Sextante (2002)
>>> Mulheres certas que amam homens errados de Kristina Grish pela Gente (2007)
>>> Pequenos Poemas em Prosa de Charles Baudelaire pela Nova Fronteira (1981)
>>> E de Evidência de Sue Grafton pela Ediouro (1999)
>>> M - O Homem Sensual de Record pela Record (1997)
>>> Verdura? Não! de Claire Llewellyn; Mike Gordon pela Scipione (2011)
>>> @s [email protected] de [email protected] York - as Senhoritas de Nova York de Daniel Piza pela Ftd (1999)
>>> 1 Real de Federico Delicado pela Pulo do Gato (2014)
>>> 1 Real de Federico Delicado pela Pulo do Gato (2014)
>>> 10 Anos Brasil MTV de MTV pela Mtv
>>> 10 Contos de Natal de Gilberto de Nichile pela Scortecci (2015)
>>> 100 Jogos para Grupos de Ronaldo Yudi K. Yozo pela Agora (1996)
>>> 100 Magias para Aumentar Sua Autoconfiança - os Livros Secretos Witch de Disney pela Edelbra (2004)
>>> 100 Magias para Ter um Supergrupo - os Livros Secretos Witch de Disney pela Edelbra (2002)
>>> 100 Magias para Ter um Supergrupo - os Livros Secretos Witch de Disney pela Edelbra (2002)
>>> 100 Segredos das Pessoas de Sucesso de David Niven pela Sextante (2002)
>>> 1000 Formas de Interpretar o Seu Horoscopo de Girassol Edicoes pela Girassol (2006)
>>> 1000 Lugares para Conhecer Antes de Morrer de Patricia Schultz pela Sextante (2006)
>>> 1000 Lugares para Conhecer Antes de Morrer de Patricia Schultz pela Sextante (2006)
>>> 1000 Melhores Segredos Rapidos e Faceis para Voce de Jamie Novak pela Arx (2007)
>>> 1001 E-mails de Cynthia Dornelles pela Record (2003)
>>> 1001 Fantasmas de Heloisa Prieto pela Companhia das Letras (2002)
>>> 1001 Fantasmas de Heloisa Prieto pela Companhia das Letras (2002)
>>> 1001 Fantasmas de Heloisa Prieto pela Companhia das Letras (2002)
>>> 1001 Maneiras de Enriquecer (livro Muito Raro!) de Joseph Murphy pela Record (1966)
>>> 1001 Maneiras de Enriquecer (livro Muito Raro!) de Joseph Murphy pela Record (1966)
>>> 101 Brasileiros Que Fizeram História de Jorge Caldeira pela Estação Brasil (2016)
>>> 101 Experiências de Filosofia Cotidiana de Roger Pol Droit pela Sextante (2002)
>>> 101 Livros Que Mudaram a Humanidade - Coleção Super Essencial de Superinteressante pela Superinteressante (2005)
>>> 101 Lugares para Fazer Sexo Antes de Morrer de Marsha Normandy; Joseph St. James; Alexandre Rosas pela Best Seller (2010)
>>> 102 Minutos: a História Inédita da Luta de Outros; Jim Dwyer pela Jorge Zahar (2005)
>>> 111 Poemas para Crianças de Sérgio Capparelli pela L&pm (2009)
>>> 117 Maneiras de Enlouquecer um Homem na Cama de Margot Saint-loup pela Ediouro (2005)
>>> 12 Anos de Escravidão de Solomon Northup pela Lafonte (2019)
>>> 12 Fábulas de Esopo de Fernanda Lopes de Almeida; Hans Gartner; pela Atica (2000)
>>> 12 Horas de Terror de Marcos Rey pela Global (2012)
>>> 12 Lições para Ser o Pai Ideal de Kevin Leman pela Portico (2015)
>>> 120 Minutos para Blindar Seu Casamento de Renato Cardoso; Cristiane Cardoso pela Thomas Nelson Brasil (2013)
COLUNAS

Quinta-feira, 2/12/2010
Sobre jabutis, o amor, a entrega
Elisa Andrade Buzzo

+ de 3900 Acessos
+ 3 Comentário(s)


foto: Sissy Eiko

Como diria o livro de Eclesiastes, tudo é vaidade. Então, neste final de ano, em que o corpo anda quebrantado de amores e dissabores, a vista já se perde em mil letrinhas revistas e convertidas em vida preparada para ser lida, perdi um pouco a disposição de falar de prêmios e quelônios. No entanto, tenho vontade de falar da literatura cotidiana de fato, daquela que lemos, que dentre milhares de opções se acaba elegendo, seja pela capa, uma indicação, o texto desafiador de uma peça teatral, um autor consagrado que há tempos se procura uma brecha para ler. Especialmente nos últimos meses deste ano: Carola Saavedra, Richard Yates, Primo Levi, Luigi Pirandello, Eugenio Montale... José Lins do Rego!

Em vez de dizer que não tenho tempo para ler, o movimento é contrário, na falta de tempo abrigo-me nos romances, na vida em si que pulsa no abrir das páginas. Comecei com Doidinho, ainda aquela edição de capa amarela, não à altura do mestre José Lins do Rego, mas simpática ao toque, à dobradura que se forma na medida em que a leitura avança. Depois, empolgada com o estilo simples e poético do autor, passo para sua fase mais erótica, com Pureza, uma beleza de romance nas ambiguidades sentimentais de seu Lola, que da metade para o fim se contorna num ritmo alucinado que comove, espanta e nos transforma naquele homem regrado e atormentado, nos faz ver a "carne maravilhosa" despontando branca e quente e necessária. Menino de engenho veio depois, para atestar o início promissor do autor. Agora, uma pequena pausa para a obra-prima, Fogo morto, cuja capa avermelhada do grande Victor Burton já me mete sofreguidão, na nova edição da José Olympio. E que venham os próximos.

Por algumas semanas me via colada em A chave estrela, do Primo Levi. Fazia um tempo, depois de passar o dia todo lendo profissionalmente ou no ônibus como prazer, que não me via indo para a cama com um livro, na ânsia de lê-lo. Foi assim espantosamente com este livro sobre grandes construções, como pontes, torres de transmissões elétricas, numa ótima tradução do Maurício Santana Dias. O personagem Faussone era um grande contador de histórias, que permeava suas falas com reflexões sobre o trabalho. Foi triste terminá-lo. Há tempos não chorava em uma leitura, e chorei em um trabalho para o A questão humana, do belga François Emmanuel. Não foram necessárias grandes palavras nem grandes gestos heroicos, mas uma mistura de pequenas e grandes catástrofes humanas.

A literatura às vezes nos pega desprevenidos. Esta parte narrada aconteceu com você de alguma forma, esta outra te faz observar a vida por um outro ângulo insuspeito, esta parte ainda não aconteceu, mas daqui a alguns anos você verá; em diversos momentos haverá uma frase ou outra que te leva à uma profunda admiração pelo autor, pela língua portuguesa, pelo prazer de entender uma língua e seus labirintos, seus jogos de linguagem. E a melhor forma de ler um livro tem sido assim. De repente ele fisga, surpreende, você se enamora dos personagens asquerosos, feios, reais como a vida, se apega àquela paisagem rural ou urbana, se transporta mesmo para o mundo recriado em palavras. A literatura é, cada vez mais, sobretudo um encontro extremamente particular e individual, por mais que se tente grandes catarses em leituras, saraus, festas literárias, cerimônias de entrega de prêmios literários, o afã de receber o troféu, o cheque magro ou polpudo. Talvez por isso muitos escritores se sintam tímidos em falar das obras e de si. Afinal, as obras não falam por elas mesmas e isso não deveria ser o suficiente?

E que privilegiada começo a achar que é a posição em que se encontra um leitor desavisado e voraz, que se entrega ao prazer estético e às sensações que um bom romance pode despertar. Nada de preocupações críticas ou julgamentos obrigatórios, mas aquela viagem, seja a sociedades distantes, ao reconhecimento sentimental que a boa literatura proporciona e, sobretudo, a despreocupação em não se atrelar aos imbróglios políticos e acadêmicos da literatura. Longe de mim achar que não se deva ter opinião, que não se deva editar com responsabilidade, nem fazer crítica séria, mas talvez falte um pouco do debruçar-se ingenuamente na literatura, embora com os olhos bem abertos para a sua qualidade, para o seu fazer consciente e vigoroso, para então voltar com a resposta tão almejada.

Mas parece que os prêmios literários no Brasil, de tão raros, necessitam ser disputados aos tapas. Aos vencedores, a extrema felicidade, aos perdedores, a inveja, a necessidade de comprovação de que o meu é melhor. Ainda assim, é importante que agora tenha se aberto a fresta do repensar. Não poderia deixar de ser diferente, embora o selo de livro premiado entre na capa do livro, o livro amado pelo leitor não precisa disso. O mercado editorial precisa sobreviver, crescer. Mas em literatura, como mensurar a qualidade em si, o merecedor da mais alta honraria? Quais critérios podem discernir o bom do mau, o melhor de todos dos medianos? Se o que há são conjunções de fatores, de gostos literários, convergências de interesses das quais muitas vezes não se pode desvencilhar, a não ser pela escolha da zebra, qual encadeamento de letras é perfeito para convergir na unanimidade total, de leitores, livreiros, professores, críticos e editores?

Só mesmo o tempo. Este também pode ser um pouco cruel e deixar de lado este ou aquele livro deveras tocante, surpreendente. Futuramente pegamos catálogos e algumas obras parecem que simplesmente se perderam no tempo, deixaram-se levar pelas manobras do mundo e assim não encontraram mais ressonância. Ou então, o merxandaizim ficou no meio do caminho. Está certo, é isso mesmo, o prêmio deveria ser a realização final, tudo o que foi feito o foi da melhor forma, deu certo, não poderia deixar de alcançar a excelência. Eu quero pensar, no entanto também quero ler, desmerecer a fama, me apaixonar e continuar matutando enquanto a lembrança daquele sentimento resistir. E assim, humanos, vamos caminhando a passos lentos.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 2/12/2010


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2010
01. Tempo vida poesia 2/5 - 19/8/2010
02. A arqueologia secreta das coisas - 4/2/2010
03. Como se enfim flutuasse - 3/6/2010
04. Sobre jabutis, o amor, a entrega - 2/12/2010
05. A natureza se reveste de ti - 25/2/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/12/2010
16h31min
Gostei! "Debruçar-se ingenuamente sobre a literatura", deixar o tempo falar... a mim também parecem lições sensatas... e que delícia deixar-se seduzir por um livro, não? Parabéns pelo texto!
[Leia outros Comentários de Roberta Resende]
8/12/2010
17h29min
Belo texto, querida Elisa. Para quem acompanha de fora o universo das editoras e prêmios, o quiprocó envolvendo o Jabuti pegou bem mal. Parecia um bando de meninos de escola disputando se o gol valeu ou não... Seu texto retoma a sanidade do tema. Grandes beijos!
[Leia outros Comentários de Júlia Tavares]
19/12/2010
13h54min
Prezada Elisa, entendo que o Prêmio Jabuti e suas nefastas e incongruentes decisões é o principal culpado de todas as mazelas, atrasos e inconveniências que, desde há quase 60 anos, conduzem a nossa literatura à descaraterização, o marasmo e pasmaceira disso que está aí. É o único troféu de literatura da terra que em vez de premiar o Melhor Escritor do Ano premia o Melhor Livro do Ano, centralizando a atenção do mérito de "Melhor" sobre a editora que só fez sua gráfica, sem explicar até hoje tal aberrante sobreposição de como um livro se escreve "Melhor" a si próprio. Vê-se, pois, assim, a necessidade da implantação definitiva do nosso Prêmio Nacional de Literatura assumida pelo Ministério da Cultura (seu concessor), ou por uma entidade cultural de respeito capacitada e representativa de todos os setores da sociedade, para que todo o mundo veja (ao começar por nós mesmos) que o Brasil pode e deve ter UM ÚNICO MELHOR ESCRITOR NACIONAL anualmente.
[Leia outros Comentários de Marco Ferrari]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PEQUIM
ANTHONY GRAY
RECORD
(1988)
R$ 10,00



O QUE É FÍSICA - COLEÇÃO PRIMEIROS PASSOS
ERNEST W. HAMBURGER
BRASILIENSE
(2001)
R$ 17,87



A CURA ESTÁ NA NATUREZA MEDICINA NATURAL
CLARA TWATA/JOÃO ANTÔNIO/RUTH CORDEIRO
TRÊS
R$ 28,00



DOSSIÊ GÊNIOS DA CIÊNCIA - GALILEU GALILEI & ALBERT EINSTEIN
DANIEL AURÉLIO
UNIVERSO DOS LIVROS
(2009)
R$ 5,00



RÉQUIEM PARA UM BUROCRATA
ARNALDO CAMPOS
MERCARDO ABERTO
(1983)
R$ 8,88



REVISTA DE LINGUA PORTUGUESA N°2
LAUDELINO FREIRE
EDIÇÃO DO AUTOR
(1919)
R$ 58,33



GANGORRAS DO AMOR 8805
MARIA HELENA MATARAZZO
RECORD
(2003)
R$ 8,00



PARA FILOSOFAR - VOLUME ÚNICO
ANA MARIA LAPORTE
SCIPIONE
(2010)
R$ 29,90



LES ORIGINES COSMIQUES DE LA VIE: UNE HISTOIRE DE LUNIVERS DU
ARMAND DELSEMME
FLAMMARION
(1994)
R$ 68,28



O CAMAFEU
WILSON FRUNGILO JR.
IDE
(2005)
R$ 19,90





busca | avançada
70192 visitas/dia
2,2 milhões/mês