Maria Antonieta, a última rainha da França | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
74581 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Sesc 24 de Maio apresenta novos episódios do projeto Música Fora da Curva
>>> Quarador de imagens partilha experiências em música, teatro e cinema
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Temporada Alfa Criança estreia Zazou, um amor de bruxa dia 24 de abril
>>> Operilda na Orquestra Amazônica Online tem temporada grátis pela Lei Aldir Blanc
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
>>> Exposição curiosa aborda sobrevivência na Amazônia
>>> Coral de Piracicaba apresenta produção virtual
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Di-Glauber
>>> Corpos
>>> The safest room in the house
>>> Como escrever bem — parte 2
>>> Vestibular, Dois Irmãos e Milton Hatoum
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> A morte da Gazeta Mercantil
>>> A hora certa para ser mãe
>>> Blogging+Video=Vlogging
>>> In London
Mais Recentes
>>> Feliz por Nada de Martha Medeiros pela L&PM Editores (2012)
>>> Graciliano ramos- relatórios de Mario helio gomes- org pela Record /fundação cultura recife (1994)
>>> Xógum 2 vols. de James Clavell pela Nova Cultural (1986)
>>> Luiz Gonzaga o Matuto que conquistou o mundo de Gildson oliveira pela Assembleia legislativa de PE (2012)
>>> A Estrada da Noite de Joe Hill pela Sextante (2007)
>>> Lubião de Tarcisio rodrigues pela Babecco (2010)
>>> Os Contos de Beedle, o Bardo de J.K. Rowling pela Rocco (2008)
>>> O santo e a porca de Ariano Suassuna pela José olimpyo (2021)
>>> Marx - sociologia de Octavio ianni / florestan fernandes - org pela Atica (1988)
>>> A invenção do brasil de Jorge furtado e guel arraes pela Objetiva (2000)
>>> Conselhos e lembranças de Teresa De Lisieux. Santa Teresinha pela Paulus (2014)
>>> Revista Planeta 13 - Setembro 1973 - Não tenha medo dos vampiros de Ignácio de Loyola Brandão pela Três (1973)
>>> Instrução geral sobre o missal romano de Congregação do Culto Divino. Frei Aberto Beckhauser pela Vozes (2005)
>>> As aventuras de Tibicuera - que são também as do Brasil de Érico Veríssimo pela Globo (1985)
>>> Annuario Pontificio - Anno 1988 de Citta del vaticano. Giovanni P II.Autores Diversos pela Citta del vaticano (1988)
>>> O Hobbit de J.R.R. Tolkien pela Martins Fontes (2003)
>>> A Saga do Marrano de Marcos Aguinis pela Scritta (1996)
>>> Explicando Arte de Jô Oliveira e Lucília Garcez pela Ediouro (2006)
>>> Vitalino o menino que virou mestre de Silvanildo Sill pela Gráfica JB (2012)
>>> Espumas Flutuantes de Castro Alves pela FTD (1997)
>>> Monitorização Respiratória: Fundamentos de João Claudio Emmerich pela Revinter (1996)
>>> Manual de Assistência Domiciliar de Valeria Maria Augusto pela Ac Farmaceutica (2013)
>>> Hipertensão Arterial - Miniatlas de Luis Raúl Lépori pela Sankyo (2004)
>>> Educação Universitária: Práxis Coletiva Em Busca de Veraz Qualidade de Pedro Bergamo pela Eduepb (2010)
>>> Aprendiz de Cozinheiro de Bob Spitz; Roberto Franco Valente pela Zahar (2010)
COLUNAS

Quinta-feira, 16/9/2004
Maria Antonieta, a última rainha da França
Adriana Baggio

+ de 75000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

A lembrança mais forte acerca de Maria Antonieta, rainha da França, é que teria sugerido ao povo faminto que comesse brioches, já que não havia pão. E que por conta de desatinos como esse, teve a cabeça decepada pela guilhotina da Revolução Francesa.

Para quem se interessar em conhecer mais a fundo a história da esposa de Luís XVI, vale a pena conferir Maria Antonieta: a última rainha da França. O livro, lançado este ano pela Editora Objetiva, é fruto de uma exaustiva pesquisa feita pela historiadora Evelyne Lever. Para compor um retrato não apenas da rainha, mas também das questões políticas da Europa no século XVIII, a autora baseou-se em documentos oficiais e cartas de pessoas que compartilharam da intimidade de Maria Antonieta e de sua família, tanto na corte de Viena, onde ela nasceu, quanto na corte francesa.

De tão detalhado, o relato chega a ser um pouco cansativo. O livro conta a história da rainha desde o seu nascimento até a morte. Primeiro, os dias felizes em Viena, com a família, em um estilo de vida muito mais simples do que as inumeráveis exigências de protocolo e etiqueta que precisaria seguir na França. A autora deteve-se em detalhes como as roupas usadas por Maria Antonieta, os pratos que compunham suas refeições e até os diálogos entabulados com as pessoas que lhe eram próximas. Alguns desses detalhes poderiam ter sido suprimidos, bem como uma certa forma de narrativa muito descritiva. Percebe-se, é claro, uma intenção em comprovar os fatos relatados, o que diferencia essa biografia de outras obras mais fantasiosas.

Apesar de não focar exatamente nos aspectos políticos da França e da Europa do século XVIII, é impossível falar de Maria Antonieta sem contextualizar a época em que viveu. A abordagem política fica mais presente quando as atitudes da rainha começam a servir de motivo para as revoltas populares que há muito já se previam. A mistura de egoísmo, arrogância, ingenuidade e futilidade ajudaram a formar uma imagem dela para o povo e seus desafetos que refletia o comportamento da nobreza francesa em geral. Privilégios às pessoas de seu interesse, preocupações com as intrigas da corte, um modo de vida luxuoso e dispendioso e uma completa alienação dos problemas do povo e também das implicações políticas de seus atos, contribuiram para levar a rainha à guilhotina.

Mas o livro não se atém apenas aos defeitos: mostra uma mulher corajosa, de personalidade, prejudicada pela pressão e pela chantagem emocional exercida pela mãe, a rainha da Áustria, mesmo à distância. As atitudes tomadas por Maria Antonieta na corte muitas vezes foram vistas - e apresentadas - como traição. Por conta de sua alienação e do desejo de levar a vida da maneira que lhe interessava e agradava, a rainha não percebia as implicações negativas de seus atos junto ao Rei e aos ministros, quando tentava, em vão, obter posições privilegiadas para as intenções políticas do império austríaco.

Apesar da dificuldade inicial do casamento com Luís XVI, eles tornaram-se um casal unido, inclusive na alienação e na ingenuidade. Enquanto ela se preocupava com os divertimentos e com uma tentativa de viver uma outra vida através da encenação de peças teatrais, na qual era um dos personagens, o rei esquecia-se da vida e dos problemas do país nas caçadas e nas suas oficinas de trabalhos manuais com madeira e ferro. Nenhum dos dois quis ver o quer acontecia a sua volta.

Na verdade, eles não podem ser culpados. Reclusos na vida da corte, tanto Luís quanto Maria Antonieta não foram incentivados a conhecer mais sobre o que acontecia no mundo iluminista, sobre a realidade, sobre os problemas do país. Apesar do esclarecimento da época, a monarquia ainda era vista como algo divino, independente da vontade dos súditos. Por isso a recusa do rei, até o final, em aceitar uma constituição e uma posição menos poderosa nessa nova forma de governo. Por conta dessa teimosia, tanto ele quanto a rainha acabaram sendo acusados e executados como traidores da França.

A imagem de Maria Antonieta, denegrida durante a Revolução Francesa, foi reabilitada após sua morte. Em outro extremo, foi considerada a Rainha Mártir, por seu sofrimento na prisão e na execução. Atualmente, o que a autora de sua biografia propõe é que se veja a rainha nem como uma coisa, nem como outra. Apesar de fútil, egoísta e alienada, ela foi mais o bode expiatório de uma situação da qual apenas fazia parte, mas não poderia ser considerada responsável. Por outro lado, sua coragem e sua lealdade à família fazem dela uma personalidade a ser admirada.

De todas as "lendas" sobre Maria Antonieta, uma parece ser verdadeira: ela teria tido um relacionamento com um nobre sueco, devido à dificuldade em manter uma vida sexual e amorosa normal com o rei. Por outro lado, a história dos brioches não é verdadeira. Teria sido contada por Rousseau, mas referia-se a outra pessoa. Segundo o livro, por mais alienada que fosse, nem Maria Antonieta teria falado uma asneira tão grande.

Para ir além






Adriana Baggio
Curitiba, 16/9/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Marcel Proust e o tempo reencontrado de Jardel Dias Cavalcanti
02. Meio-dia no Rio de Janeiro de Marta Barcellos


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2004
01. Maria Antonieta, a última rainha da França - 16/9/2004
02. Do que as mulheres não gostam - 14/10/2004
03. O pagode das cervejas - 18/3/2004
04. ¡Qué mala es la gente! - 27/5/2004
05. Publicidade gay: razão ou sensibilidade? - 19/8/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/3/2008
12h59min
a autoria da frase "que comam brioches" pode ser encontrada na biografia sobre Maria Antonieta que foi citada. realmente, ela nunca disse tal.
[Leia outros Comentários de antonio carlos meira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




La Rose du Peuple - La poésie de Carlos Drummond de Andrade
Dionysio Toledo- Wander Melo de Miranda- Celso Libânio (orgs.)
Margens - UFRJ
(2005)



História da II Guerra Mundial 1939-1945 - V Ano de Operações
Edgar Mc Innis
Globo
(1956)



Film Posters of the 60s
Tony Nourmand e Graham Marsh
Evergreen
(2005)



O Verão Sem Homens
Siri Hustvedt
Companhia das Letras
(2013)



O maior vendedor do mundo
OG Mandino
Record
(1968)



Cura das Feridas Interiores
Irmã Maria Eunice
Canção Nova
(2007)



Oito Relatos Sobre Viver - Antes, Durante e Depois do Holocausto
Sofia Débora Levy
Relume Dumará
(2006)



Fastos da ditadura militar no Brasil
Frederico de S. (Eduardo Prado)
Senado
(2014)



O que esperar quando você está esperando
Heidi Murkoff+Arlene Eisenberg e Sandee Hathaway
Record
(2011)



Vigiai e Orai
Carlos A. Baccelli
Didier
(2003)





busca | avançada
74581 visitas/dia
2,6 milhões/mês