Amor e relacionamentos em tempos de transição | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
92061 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
>>> Zé Guilherme canta Orlando Silva em show no YouTube no dia 26 de setembro
>>> Setembro Amarelo é tema de EntreMeios especial com Zé Guilherme e Leliane Moreira
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
>>> Rodrigo Gurgel entrevista Yuri Vieira
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Das Kunstwerk der Zukunft
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> O paraíso de Henry Miller
>>> Band On The Run
>>> Linguagem, Espaço, Máquina
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> A arte como destino do ser
>>> A indigência do rock e a volta dos dinossauros
>>> 16 de Maio #digestivo10anos
Mais Recentes
>>> A sombra do poder: Martinho de Melo e Castro e a administração da Capitania De Minas Gerais (1770-1795) de Virgínia Maria Trindade Valadares pela Hucitec
>>> A Revolta da Vacina de Sevcenko, Nicolau pela UNESP
>>> A quebra da mola real das sociedades: A crise política do antigo regime Português na província do Grão-Pará (1821-1825) de André Roberto Arruda Machado pela Hucitec
>>> A paz das senzalas: Famílias Escravas e Tráfico Atlântico C.1790- C.1850 de Florentino, Manolo pela UNESP
>>> A outra Independência: O Federalismo Pernambucano de 1817 a 1824 de Mello, Evaldo Cabral de pela 34
>>> A História do Brazil de Frei Vicente do Salvador. História e Política no Império Português do Século XVII de Maria Lêda Oliveira pela Versal
>>> A experiência do tempo: Conceitos e narrativas na formação nacional brasileira (1831-1845) de Araújo, Valdei Lopes de pela Hucitec
>>> A Educação Pela Noite de Antônio Candido pela Ouro sobre Azul
>>> A Diplomacia na Construção do Brasil. 1750-2016 de Rubens Ricupero pela Versal
>>> A Corte na Aldeia de Vários Autores pela Verbo
>>> A Companhia de Jesus na América por Seus Colégios e Fazendas de Márcia Amantino and Carlos Engemann pela Garamond Universitaria
>>> A carne e o sangue: A Imperatriz D. Leopoldina, D. Pedro I e Domitila, a Marquesa de Santos de Priore, Mary de pela Rocco
>>> 1889: Como um imperador cansado, um marechal vaidoso e um professor injustiçado contribuíram para o fim da Monarquia e a de Laurentino Gomes pela Globo Livros
>>> 1822: Como um homem sábio, uma princesa triste e um escocês louco por dinheiro ajudaram dom Pedro a criar o Brasil - um de Laurentino Gomes pela Globo Livros
>>> 1808: Como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a História de Portugal de Laurentino Gomes pela Globo Livros
>>> 130 Anos: Em Busca Da República de Lessa, Renato; Wehling, Arno; Franco, Gustavo; Tavares Guerreiro, José Alexa pela Editora Intrínseca
>>> Arte de Gramática da Língua Mais Usada na Costa do Brasil de José de Anchieta pela EdUFBA (2014)
>>> Inglorious Revolution de William R. Summerhill pela Yale University Press (2015)
>>> O governo das conquistas do Norte de Fabiano Vilaça dos Santos pela Annablume (2011)
>>> O sol e a sombra de Laura de Mello e Souza pela Companhia das Letras (2006)
>>> Amazon Frontier - the defeat of the Brazilian Indians de John Hemming pela Papermac (1995)
>>> International Law de Malcolm Evans (edited by) pela Oxford University Press (2014)
>>> Complete International Law: Text, Cases, and Materials de Ademola Abass pela Oxford University Press (2014)
>>> Salvador de Sá and the struggle for Brazil and Angola, 1602 - 1686 de C. R. Boxer pela University of London (1952)
>>> Instituições Políticas Brasileiras de Oliveira Vianna pela Senado Federal (2019)
>>> O populismo e sua história - debate e crítica de Jorge Ferreira (Org.) pela Civilização Brasileira (2001)
>>> Marxismo e Judaísmo - história de uma relação difícil de Arlene Clemesha pela Boitempo (1998)
>>> Trópico dos pecados de Ronaldo Vainfas pela Civilização Brasileira (2014)
>>> Brasil: formação do Estado e da Nação de István Jancsó (Org.) pela Hucitec (2011)
>>> História da Vida Privada em Portugal - 4º Volume (Os nossos dias) de José Mattoso pela Temas e Debates (2011)
>>> História de Angola - da Pré-História ao Início do Século XXI de Alberto Oliveira Pinto pela Mercado de Letras (2016)
>>> Visconde do Uruguai de José Murilo de Carvalho (Org.) pela 34 (2002)
>>> A ilusão americana de Eduardo Prado pela Alfa Omega (2001)
>>> Postmodernism or, the cultural logic of late capitalism de Fredric Jameson pela Duke University Press (1992)
>>> The Established and the Outsiders de Norbert Elias and John L. Scotson pela Sage Publications (2017)
>>> The Satanic Verses de Salman Rushdie pela Randon House (2019)
>>> Los detectives salvajes de Roberto Bolaño pela Vintage Español (2010)
>>> Voices from Chernobyl de Svetlana Alexievich pela Dalkey Archive Press (2005)
>>> O Norte Agrário e o Império, 1871 - 1889 de Evaldo Cabral de Mello pela Topbooks (2008)
>>> Worlds of Labour - further studies in the history of labour de Eric J. Hobsbawm pela Weidenfeld and Nicolson (1984)
>>> Formação da Literatura Brasileira - Momentos Decisivos de Antonio Candido pela Ouro sobre Azul (2014)
>>> História do Brasil: uma interpretação de Carlos Guilherme Mota e Adriana Lopez pela 34 (2015)
>>> História Concisa da Literatura Brasileira de Alfredo Bosi pela Cultrix (2015)
>>> A literatura portuguesa de Massaud Moisés pela Cultrix (2010)
>>> História da Literatura Brasileira Vol. I - Das origens ao Romantismo de Massaud Moisés pela Cultrix (2012)
>>> História da Literatura Brasileira Vol. II - Do Realismo à Belle Époque de Massaud Moisés pela Cultrix (2016)
>>> Bundas 12 Fernandona uma lição de cidadania de Diversos Autores pela Perere (1999)
>>> História da Literatura Brasileira Vol. III - Desvairismo e Tendências Contemporâneas de Massaud Moisés pela Cultrix (2019)
>>> Independência e Morte - Política e Emancipação do Brasil, 1821 - 1823 de Helio Franchini Neto pela Topbooks (2019)
>>> Das cores do silêncio de Hebe Mattos pela Unicamp (2015)
COLUNAS

Sexta-feira, 20/6/2008
Amor e relacionamentos em tempos de transição
Luis Eduardo Matta

+ de 19000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Provavelmente não existe tema tão universal, perene, fecundo e inquietante quanto o amor. Refiro-me aqui, naturalmente, ao amor na sua acepção consagrada, isto é, o amor romântico, entre duas pessoas apaixonadas. O impulso amoroso é parte indissociável da existência e, por conta de seu poder ilimitado e, via de regra, superior ao da razão humana, nos transforma, a todos, em reféns dos seus caprichos e urgências, ao mesmo tempo em que nos veta o direito de assumir plenamente as rédeas de nossas vidas, descartando, desde sempre, a opção de qualquer pessoa por um cotidiano regido por uma estabilidade ditada pela razão e pela sensatez permanente e absoluta. Amar ou apaixonar-se nem sempre é agradável. Torna as pessoas cegas, deixa o coração sôfrego e descompassado e pode, inclusive, levar algumas almas mais sensíveis à destruição. Ainda assim, a emoção é o que há de mais legítimo na existência humana e não consigo conceber uma vida em que ela não esteja fortemente presente. A vida sem emoção é o vácuo, é não se maravilhar com as coisas, é perder, também, a capacidade de transmitir ao próximo o melhor de si. Enfim, é o nada. Existe perspectiva pior do que essa? Quando penso nisso, sempre recordo Faulkner e sua célebre frase, que é uma das que vêm, há muitos anos, norteando a minha vida: "entre a dor e o nada, escolho a dor".

Nos meses que correm ― estamos em meados de 2008 ― tem-se falado muito no ideário e no legado da década de 1960, simbolizada pelo mítico ano de 1968 e, particularmente, não vejo como discutir as mudanças originadas naquela época, sem mencionar as operadas nas relações afetivas. Os anos 60 deram início ao ocaso de sucessivos séculos de rigidez social e hipocrisia, sobretudo em relação às mulheres e libertaram a sociedade de uma série de grilhões que a aprisionavam e asfixiavam em regras ferozmente repressivas, tão inúteis quanto danosas. Tudo em nome de uma noção débil de moral e de virtude, que podia premiar com todas as honrarias sociais um canalha desprezível, desde que este se apresentasse como um paradigmático pai de família, com bom emprego, aliança no dedo e presença certa nas missas dominicais, ao mesmo tempo em que era capaz de arruinar a reputação de uma mulher de caráter, apenas porque ela cometeu a ousadia de abandonar um cônjuge violento, promíscuo ou explorador, em nome da própria dignidade. Fico quase sempre pasmado quando ouço pessoas suspirarem com emocionada nostalgia por este passado de falsas boas maneiras, como se a vida de então fosse a versão terrena do paraíso e nela não houvesse problemas graves na ordem social, sobretudo num país injusto e culturalmente enfermo como o Brasil.

Por outro lado, é com um espanto ainda maior, um espanto que beira o pânico, que contemplo a sociedade atual ― vulgarizada e destituída de quase todos os valores elevados ― e constato no que as lutas libertárias deflagradas na década de 1960 resultaram. O que me consola e dá esperanças é saber que estamos apenas no começo deste processo de mudanças iniciadas há meio século ― afinal, o que representam míseros cinqüenta anos em todo o conjunto da história humana? ―, e que todas as revoluções que o período simbolizado por 1968 nos legaram encontram-se em curso. Ou seja: é temerário falar na revolução sexual e comportamental e nos movimentos de afirmação feminina ou racial como se estes já houvessem acontecido ou, ao menos, atingido o seu ápice e a sociedade estivesse, agora, colhendo os frutos de algo já consolidado. A verdade é que estamos em plena revolução, vivendo um conturbado período de transição, cientes de que toda mudança social, para ser concreta e durável, ocorre gradualmente, ao longo de décadas, muitas vezes de séculos, ainda que ela tenha se originado da mais ruidosa e arrebatadora manifestação popular.

A evidência mais perceptível desta transição é, a meu juízo, a crise que se instalou de alguns anos para cá (não saberia precisar quantos, ao certo), nos relacionamentos amorosos entre homens e mulheres. Uma crise que, por tudo que tenho observado, vem aumentando com o passar do tempo, gerando um turbilhão incessante de angústias e inseguranças em ambos os lados, sobretudo no feminino, onde a sensibilidade é mais florescente, melhor trabalhada e menos reprimida. Uma breve visita a qualquer banca de jornais nas nossas grandes cidades é suficiente para nos comprovar isso. É impressionante a quantidade de revistas à venda todos os meses, todas elas repletas de reportagens, artigos, entrevistas, textos confessionais, testes de personalidade etc., onde a infalível trinca amor-sexo-relacionamentos é exaustivamente abordada, sem que o tema sequer chegue perto de se esgotar. Essas publicações, é lógico, são dirigidas, em sua maioria, às mulheres, já que nós, homens, preferimos, como de hábito, lacrar nossas emoções e fingir para o mundo que nada está acontecendo conosco, evitando, assim, externar sinais de fragilidade e acabar comprometendo a nossa imagem perante a sociedade ― que ainda nos cobra uma postura de força, liderança e firmeza inabalável ― e, por conseqüência, nossa própria auto-estima. Se essas revistas vendem o que vendem ― e elas vendem cada vez mais, pelo que me informam os jornaleiros com os quais costumo conversar ― é porque as dúvidas referentes a relacionamentos amorosos encontram-se incomodamente em alta, mesmo com toda a abertura propiciada pelos dias atuais. Era de se esperar que, com o considerável abrandamento da rigidez de costumes verificado nas décadas recentes, mulheres e homens estivessem mais seguros, felizes e realizados afetivamente. Era, aliás, o que previam os visionários dos anos 60. Mas não é isso o que está acontecendo, pelo menos não na escala desejada, e a pergunta é: por quê?

Venho refletindo muito sobre esse assunto ao longo dos últimos anos e, embora não tenha, ainda, chegado a uma posição conclusiva ― o que, convenhamos, é uma tarefa difícil, dada a complexidade da alma humana ―, consegui levantar algumas modestas teorias. A principal delas refere-se à própria revolução feminina na sociedade e aos seus desdobramentos. Antes que alguém me interprete mal, afirmo que sou feminista desde que me entendo por gente, defensor número um das mulheres e entusiasta declarado da sua presença ativa e valorização no meio social e no mercado de trabalho, a ponto de, por exemplo, sempre ter preferido trabalhar com mulheres. Ocorre que o movimento feminista, ao alterar o perfil da mulher ― sobretudo o da mulher urbana ―, dando-lhe voz fora do ambiente doméstico, um papel cada vez mais decisório nos rumos da sociedade e autonomia financeira, distanciou-a do antigo paradigma de comportamento, no qual ela esteve confinada por séculos, sem que semelhante processo de distensão e mudanças psicossociais tenha ocorrido com o homem, que permanece atado a um modelo desgastado e imbuído de conceitos bastante semelhantes aos de mais de meio-século atrás, de uma época na qual o feminismo ainda não havia ganhado o seu grande impulso. O resultado disso é que, generalizando um pouco, temos, hoje, mulheres do século XXI relacionando-se com homens da década de 1950.

A partir do momento em que um padrão social consagrado secularmente é posto em xeque e outro começa a ser construído em seu lugar, é natural que se crie uma espécie de limbo. É como se habitássemos uma casa que se tornou inviável para moradia e precisássemos erguer outra no mesmo terreno, adaptada às nossas novas demandas. É mais ou menos isso o que está ocorrendo nos relacionamentos humanos. Enquanto algumas pessoas se iludem ao supor que a nova casa já está erguida, o que eu percebo é que a velha nem acabou de ser demolida, embora os novos alicerces já estejam visíveis. Isso explica muita coisa. Explica, por exemplo, a realidade contemporânea, com sociedades inteiras alijadas dos mais básicos códigos de civilidade, reféns da violência, da falta de respeito e do culto insensato ao superficial e ao banal. Se vivemos esta situação, é porque os valores antigos foram questionados, sem que outros tenham se sedimentado inteiramente. E explica, sobretudo, por que homens e mulheres se encontram em conflito, separados, muitas vezes, por um abismo de intolerância e de incompreensão mútuas. O homem médio contemporâneo, por não haver acompanhado a evolução da mulher, não consegue dialogar com ela de forma satisfatória, não é capaz de compreender e admirar essa nova mulher. As mulheres, por sua parte, tornaram-se mais exigentes. Muitas se recusam, acertadamente, a permanecer em relacionamentos vazios e frustrantes, com maridos ou namorados que, gradualmente, vão se acomodando a uma rotina insossa e egoísta, privando suas companheiras, do carinho, da atenção, da cumplicidade e do diálogo, que elas tanto valorizam. Outras, por medo da solidão e da perspectiva de abandonar a segurança de uma relação e encontrar alguém ainda pior pela frente, acabam se resignando e passam a viver uma vida pela metade. Uma frase que resume bem essa segunda opção, que é mais comum do que muita gente imagina, é o título, engraçadíssimo e bastante espirituoso, de um livro da argentina Viviana Gómez Thorpe, que deu origem a uma peça de grande sucesso, chamado Não sou feliz, mas tenho marido.

A crise, contudo, tem mão dupla. Afinal, se, pela ótica feminina, o sexo masculino tem deixado a desejar, as mulheres, a juízo dos homens, também possuem sua parcela de responsabilidade pelo atual panorama de desencontros, por, muitas vezes, idealizarem além da conta um pretendente ideal que, dificilmente, irão encontrar na dura vida real. Isso sem contar a postura de algumas delas, muitas das quais independentes financeiramente e com uma carreira estabelecida, que insistem em exigir de seus parceiros um comportamento antigo, que remonta aos tempos em que o homem era o provedor absoluto da família e competia à mulher cuidar da casa e da educação dos filhos (é bem verdade que, proporcionalmente, as mulheres continuam ganhando menos do que os homens e são mais profissionalmente desvalorizadas, embora este quadro, felizmente, esteja mudando). Por outro lado, são igualmente numerosos os homens casados que se recusam a assumir tarefas domésticas, tendo a mulher que se desdobrar em várias para dar conta da trinca casa-trabalho-filhos. Há, ainda, os casos de homens que se sentem diminuídos porque ganham menos do que suas namoradas ou esposas, e, também, o de mulheres que passam a desvalorizar os seus namorados ou maridos porque eles, de repente, passaram a ganhar menos do que elas. Enfim, a lista é interminável e retrata bem o atual conflito de valores, no qual as pessoas são socialmente cobradas muito além do tolerável e parecem desnorteadas, ora aferrando-se às conquistas da modernidade, ora mirando saudosamente o passado. Trata-se de uma equação intrincada que o tempo, creio, se encarregará de decifrar na medida do possível, uma vez que as relações humanas não têm uma lógica matemática e, muitas vezes, apresentam as mais gritantes contradições.


As protagonistas de Sex and the city

Num texto publicado em 2006, afirmei que é possível viver feliz sozinho, desde que esta seja uma decisão espontânea e movida por um desejo genuíno. Isto porque a solidão compulsória, imposta à revelia pelas contingências do destino, é uma catástrofe existencial, já que, neste caso, uma pessoa empenhada na saudável e necessária busca pelo amor não consegue encontrar alguém para partilhar satisfatoriamente sua vida com a intimidade que somente um relacionamento amoroso pode proporcionar. Ou consegue, depois de passar por muitos barrancos. Uma das razões para o enorme sucesso do seriado norte-americano Sex and the city, recentemente lançado em versão cinematográfica, é a imediata identificação que muitas mulheres, em inúmeros países, estabeleceram com as personagens, o que demonstra que a crise nos relacionamentos não está circunscrita ao Brasil ou à cidade de Nova York, onde a série é ambientada. Em Sex and the city os dilemas, conflitos e desejos da mulher contemporânea, representada com maestria pelas protagonistas ― a jornalista Carrie Bradshaw, a marchande Charlotte York, a relações-públicas Samantha Jones e a advogada Miranda Hobbes ―, são expostos de forma glamourosa, inteligente e espirituosa, e sempre com um lastro na realidade. Como escritor, fico surpreso ao ver como a série foi bem estruturada e como as quatro personagens principais foram minuciosamente construídas para representar, cada qual a seu modo, alguns arquétipos da mulher urbana contemporânea. Moderna, independente, inteligente, versátil, cheia de atitude e personalidade, por vezes mordaz, e ao mesmo tempo, meiga, sensível, insegura, às voltas com mil dúvidas e, acima de tudo, em busca da realização amorosa e profissional. Por meio das aventuras e desventuras de Carrie, Charlotte, Samantha, e Miranda, é possível desvendar um pouco os meandros da alma e do imaginário femininos (muito embora, é bom frisar, a série seja pequena para comportar a complexidade da mulher real) e constatar que, a despeito de todas as notáveis mudanças ocorridas nos últimos tempos, quase toda mulher conserva dentro de si uma porção romântica incurável; e que foi essa porção romântica que evitou a extinção prematura da raça humana. Compreender a mente feminina, múltipla e fascinante, não é uma epopéia tão espinhosa para nós, homens, como se convencionou acreditar.

"Compreender". Essa é, a meu juízo, a palavra-chave, capaz de solucionar muitos dos conflitos inquietantes desta modernidade desgovernada. Compreender o outro, aceitando-o como ele é, e não sendo tão implacáveis num julgamento precipitado e permeado pelas nossas referências pessoais. Compreender esse mundo em que vivemos, e o momento histórico que estamos atravessando, olhando para trás e vendo de onde estamos vindo a fim de ter uma idéia de para onde estamos caminhando. Compreender que todos temos limites, que as pessoas estão muito longe de ser perfeitas, que todos passamos por momentos de fraqueza e desvario, que experimentamos revezes, que nem sempre somos sublimes e tampouco estamos permanentemente prontos para corresponder a tudo o que as pessoas esperam de nós. Para que um relacionamento frutifique, há que ter tolerância, maturidade, não jogar tudo para o alto no primeiro desentendimento, ter consciência que mesmo os casamentos mais duradouros passaram por momentos de crise e, nem por isso, naufragaram. E é necessário, acima de tudo, compreender a nós mesmos. Ter ciência dos nossos defeitos e qualidades, conhecer as nossas limitações e respeitar a nossa forma de ser e de pensar. Quem não se compreende, não está apto a compreender os demais. Uma vez que estamos desbravando um período de transição que não deverá acabar tão cedo, seria saudável operarmos, também, uma transição dentro de nós. Contestando algumas certezas, deixando de olhar tanto para o nosso umbigo e lançando um olhar atento e generoso para a sociedade ao nosso redor, fazendo algumas concessões, nos esforçando para não deixar apodrecer aquilo que a vida tem de mais precioso, que são as relações afetivas; e incluo aí as amizades e as relações familiares. Mas, acima de tudo, usufruindo da liberdade que a modernidade generosamente oferece e que muita gente não sabe aproveitar; uma liberdade que permite que nos preservemos daquilo que não nos agrada e que nos dá a chance de escolher o nosso próprio caminho. A transição pode ser muito boa, desde que a encaremos da forma adequada.


Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 20/6/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Rubem Fonseca (1925-2020) de Julio Daio Borges
02. Mino Carta e a 'imbecilização do Brasil' de Humberto Pereira da Silva
03. Ascensão e queda do cinema iraniano de Wellington Machado
04. As minas de ouro (ou Os sebos) de Ivan Bilheiro
05. Parodiando a autoajuda de Carla Ceres


Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2008
01. Amor e relacionamentos em tempos de transição - 20/6/2008
02. A evolução da nova democracia brasileira - 12/9/2008
03. A arte contemporânea refém da insensatez - 16/5/2008
04. Quais são os verdadeiros valores? - 29/1/2008
05. Contramão, de Henrique Schneider - 26/2/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/6/2008
20h51min
"o amor é como uma bela flor na beira do abismo... é preciso coragem para colhê-la." (Sthendal - "Do amor")
[Leia outros Comentários de jardel dias]
29/7/2008
15h11min
Bastante interessante sua reflexão sobre as complexas mudanças que vêm ocorrendo nos relacionamentos afetivos entre homens e mulheres. Através da minha própria experiência, já que presenciei essa transição, observo que a partir da explosão do "feminismo", as mulheres, em geral, sentiram-se quase na obrigação de acompanhar o ritmo e os modismos da nova era. Ser "apenas" dona de casa ou do lar, tornou-se meio humilhante. É como se a nobre tarefa de cuidar do lar e dos filhos fosse algo menor... E a mulher, querendo ou não, tendo ou não vocação, lança-se no mercado de trabalho em busca de auto-afirmação. Se o homem não se adaptou bem aos novos tempos, acredito que as mulheres também tentam encontrar o ponto de equilíbrio que, de certa forma, perderam. Com todo o respeito que merece a luta da mulher por seu espaço no mundo, penso que é de suma importância lembrar que homens são diferentes de mulheres, não só fisicamente, mas emocionalmente também. E "vive la difference!"
[Leia outros Comentários de regina mas]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O LIVRO QUE NINGUÉM VAI LER
SYLVIA ORTHOF
EDIOURO
(2003)
R$ 6,50



O PSIQUIATRA NO TRIBUNAL
DR. MICHEL LANDRY
NOVOS UMBRAIS
(1981)
R$ 25,00



PRINCIPAIS TEMAS EM DOENÇAS INFECCIOSAS PARA RESIDÊNCIA MÉDICA
RODRIGO ANTÔNIO BRANDÃO NETO E OUTROS
MEDCEL
(2008)
R$ 39,00



O CARDEAL
WALACE FERNANDO NEVES
LACHÃTRE
(2014)
R$ 27,00



ENGENHARIA ECONÔMICA
GERALDO HESS E OUTROS
DIFEL
(1975)
R$ 8,00



O PODER INFINITO DA SUA MENTE
LAURO TREVISAN
DA MENTE
(1980)
R$ 36,00



OS MILITARES NO PODER 1
CARLOS CASTELO BRANCO
NOVA FRONTEIRA
(1977)
R$ 15,00



TRIGONOMETRIA PLANA
EDGARD DE ALENCAR FILHO
NOBEL
(1964)
R$ 25,00



MANUAL COMPACTO DE GEOGRAFIA ENSINO FUNDAMENTAL
EDITORA RIDEEL
RIDEEL
(2010)
R$ 23,00



MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO - VOLUME ÚNICO
MARCONDES - GENTIL - SÉRGIO
ÁTICA
(1998)
R$ 9,80





busca | avançada
92061 visitas/dia
2,2 milhões/mês