Quais são os verdadeiros valores? | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
44704 visitas/dia
2,9 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Espetáculo inspirado na vida cotidiana do Bixiga volta ao cartaz comemorando 28 anos do Teatro do In
>>> Semana Gastronômica do Granja
>>> Mulheres em meio ao conflito:sobre inclusão, acolhimento e sororidade incondicional
>>> Arsenal da Esperança faz ensaios de teatro com moradores em situação de rua
>>> Vem pra Feira do Pimp Estoque: Economia Circular com catadoras, catadores e artistas!
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
>>> Minha história com o Starbucks Brasil
>>> O tipógrafo-artista Flávio Vignoli: entrevista
>>> Deixe-me ir, preciso andar, vou por aí a procurar
>>> Olimpíada de Matemática com a Catarina
>>> Mas sem só trapaças: sobre Sequências
>>> Insônia e lantanas na estreia de Rafael Martins
Colunistas
Últimos Posts
>>> Inteligência artificial e o fim da programação
>>> Temer fala... (2023)
>>> George Prochnik sobre Stefan Zweig (2014)
>>> Hoffmann e Khosla sobre inteligência artificial
>>> Tucker Carlson no All-In
>>> Keleti: de engenheiro a gestor
>>> LeCun, Bubeck, Harris e a inteligência artificial
>>> Joe Satriani tocando Van Halen (2023)
>>> Linger by IMY2
>>> How Soon Is Now by Johnny Marr (2021)
Últimos Posts
>>> Toda luz que não podemos ver: política e encenação
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Culpa não tem rima
>>> As duas faces de Janus
>>> Universos paralelos
>>> A caixa de Pandora do século XX
>>> Adão não pediu desculpas
>>> No meu tempo
>>> Caixa da Invisibilidade ou Pasme (depois do Enem)
>>> CHUVA
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sites que mudaram o mundo
>>> Textos, contextos e pretextos
>>> Dicas da Semana
>>> 19 de Abril #digestivo10anos
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> O perfeito cozinheiro das almas deste mundo
>>> O sol na cabeça
>>> Ozzy e Justin Bieber
>>> André Esteves e Felipe Miranda
>>> Ave Caesar, morituri te salutant
Mais Recentes
>>> Ressonância - apresente histórias visuais que encantam o público de Nancy Duarte pela Alta Books (2012)
>>> Influencie! de Michael Pantalon pela Lua De Papel (2012)
>>> Feedback para resultados na gestão por competências pela avaliação 360º de Rogerio Leme pela Qualitymark (2012)
>>> Guia Completo da Bíblia de Seleções do Reader's Digest pela Reader's Digest (2003)
>>> Cartas Dos Campos De Batalha Do Paraguai de Richard Francis Burton pela Fisicalbook (1997)
>>> O Soldado e o Estado - teoria e política das relações entre civis e militares de Samuel P. Huntington pela Biblioteca do Exército (1996)
>>> Formação Do Oficial Do Exército de Jehovah Motta pela Biblioteca Do Exército (1998)
>>> O Sal Da Terra de Joseph Ratzinger pela Imago (1997)
>>> História Política de Sergipe 3º volume de Ariosvaldo Figueiredo pela Do Autor (1989)
>>> Fundamentos de matemática Elementar 10 - geometria Espacial posição e métrica de Gelson Iezzi pela Atual (1978)
>>> Dá pra Consertar? Empresas que iam muito bem de repente passaram a ir mal de Julio Ribeiro pela Dash (2014)
>>> Fundamentos de matemática Elementar 5 - Combinatória, Probabilidade de Gelson Iezzi pela Atual (1977)
>>> Fundamentos de matemática Elementar 4 - Sequências, Matrizes, Determinantes, Sistemas de Gelson Iezzi pela Atual (1977)
>>> Fundamentos de matemática Elementar 3 (Trigonometria) de Gelson Iezzi pela Atual (1978)
>>> Feitas para o Cliente de Roberto Meir - Daniel Domeneghetti pela Padrão Editorial (2012)
>>> O Cerne Da Discordia: A Guerra Do Paraguai E O Nucleo Profissional Do Exercito Brasileiro de Vitor Izecksohn pela Biblioteca Do Exercito (1997)
>>> Execução - A Disciplina para Atingir Resultados de Larry Bossidy - Ram Charan pela Campus (2005)
>>> Os Visitantes da Noite de James Herbert pela Best Seller (1986)
>>> Vultos do Ensino Militar de Arivaldo Fontes pela Não Indicado (1991)
>>> História de Uma Alma - manuscritos autobiográficos de Santa Teresa do menino Jesus e da Sagrada Face pela Paulinas (1975)
>>> A Revolucão Fintech - O Manual das Startups Financeiras de Susanne Chishti - Janos Barberis pela Alta Books (2017)
>>> História Militar Do Brasil. -- ( Biblioteca Do Exército. Coleção General Benício ; 366 ) de Gustavo Barroso pela Biblioteca Do Exército. Bibliex (2000)
>>> Retalhos do Passado de J. Procópio Filho pela Do Autor (1966)
>>> A Vida de Santa Filomena dd de Cônego João Carneiro pela Não Indicada (1957)
>>> Plano de negócios com o modelo Canvas - Guia Prático de avaliação de ideias de negócio a partir de exemplos de Jose Dornelas e outros pela Gen - Ltc
COLUNAS

Terça-feira, 29/1/2008
Quais são os verdadeiros valores?
Luis Eduardo Matta
+ de 10500 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Sou um entusiasta da internet. O seu papel no mundo de hoje, como ferramenta de comunicação e de difusão de conhecimento e informação é inestimável e muitos de nós já não podemos conceber viver sem ela. Não faço parte das primeiras gerações de internautas. Foi só em 1998, quando a internet no Brasil já contava três ou quatro anos de idade, que, aproveitando uma oportuna atualização no meu computador ― até então um 486 com Windows 3.1, adquirido em 1994 ―, decidi aderir à rede, por meio do antigo provedor Openlink. Confesso que minha adaptação às facilidades da internet se deu aos poucos, mesmo porque, dez anos atrás, o mundo virtual era ainda modesto e não oferecia as incontáveis possibilidades verificadas nos dias atuais.

Com o passar do tempo, fui descobrindo um fascinante novo canal de contato com o mundo, que fez com que os meus horizontes se alargassem de uma forma impressionante. Graças à internet, conheci pessoas que dificilmente conheceria de outra maneira e encontrei uma intensa vida intelectual fora do circuito tradicional da imprensa e da mídia, sem contar o fato de que as pesquisas que faço regularmente por conta da redação dos meus romances foram bastante facilitadas. No entanto, um dos maiores impactos que a internet me proporcionou talvez tenha sido a defrontação dura e definitiva com a realidade e, conseqüentemente, a perda de todos os resquícios de ilusão e romantismo que ainda lutavam para sobreviver dentro de mim. Pode parecer uma afirmação paradoxal, uma vez que o senso comum habituou-se a associar a internet ao isolamento social e à fuga da incômoda exposição exigida pelos rigores do cotidiano, por meio do confortável anonimato propiciado pelo mundo virtual. Mas, como sempre afirmei, a internet é apenas uma ferramenta e, como tal, não tem moral. Quem a torna boa ou má, se é que podemos estabelecer essa definição simplista, somos nós. No meu caso, em nenhum momento busquei nela um pretexto para escapar da realidade. O mundo virtual desde o início foi, para mim, não mais do que uma mera extensão do mundo real, um reflexo de tudo o que há de mais nobre e de mais abjeto na humanidade. E foi justamente essa convicção que me conduziu ao tal choque de realidade.

Explico: uma das premissas fundamentais para se viver em sociedade é a de reprimir certos impulsos e atitudes, estabelecendo limites e fazendo concessões. A vida social é, via de regra, um imenso teatro coletivo. Gastamos boa parte do nosso tempo representando. É preciso que seja assim, pois, do contrário, caso déssemos vazão a todos os nossos desejos e emoções, mergulharíamos num estado selvagem de barbárie e a humanidade desapareceria em questão de horas. As pessoas, no seu dia-a-dia, sabem que não devem sair por aí dizendo tudo o que lhes vêm à cabeça, pois, dependendo do teor das palavras, as conseqüências podem ser dramáticas. No entanto, a terra de ninguém da internet vem, aos poucos, alterando essa lógica. Salvaguardadas pelo anonimato virtual ou, tão somente, pela segurança do distanciamento físico garantido pelo monitor, muitas pessoas liberam toda uma retórica reprimida que, em muitos casos, se manifesta na forma de ofensas, injúrias, calúnias e desaforos os mais torpes e baixos. Fazem acusações e insinuações pesadas, que jamais fariam cara a cara, sob pena de levar uma surra ou, mesmo de ser presas e, por meio de depoimentos inacreditavelmente bizarros, põem a nu uma visão estreita e simplória do mundo e da condição humana. É como se a internet fosse a Caixa de Pandora dos nossos tempos, o lugar no qual um respeitável e simpático Dr. Jekyll se transforma num Mr. Hyde desgovernado, que se dedica a alimentar sites, blogs e suas seções de comentários com toda sorte de frases violentas, carregadas de um ódio e um ressentimento, que chegam a assustar.

Considerando o que eu afirmei acima ― que a internet é, ao menos para mim, uma extensão do mundo real ―, não é difícil para o leitor deste texto descobrir o porquê do meu choque de realidade e imagino que muitos compartilhem dele. Na internet encontramos as pessoas como elas realmente são, sem a diplomacia exigida pelo cotidiano. Na internet, temos a real dimensão da baixaria, da ignorância, da mediocridade, da frivolidade, da intolerância e da violência que permeiam o mundo contemporâneo. Percebemos como ideologias infames e assassinas que muitos de nós, contagiados pelo otimismo que marcou a década de 1990, imaginávamos sepultadas, continuam espantosamente vivas. Eu, particularmente, fico sempre horrorizado ao constatar como são numerosas as pessoas de nível sócio-econômico alto e formação acadêmica que escrevem e se expressam pessimamente, desconhecendo, muitas vezes, as normas mais elementares da língua portuguesa. E mais horrorizado ainda ao ver reforçada uma impressão que sempre tive de que os valores na sociedade estão totalmente invertidos e gravemente mutilados. A internet encarregou-se de tornar públicos os monstros existentes dentro das pessoas e mostrou, assim, que a humanidade está muito, mas muito longe de um grau elevado de evolução.

Uma das coisas que sempre me pasmaram é a capacidade humana de julgar os outros de maneira implacável com base em impressões superficiais. Essa não é uma característica exclusiva dos dias de hoje. O mundo sempre foi marcado, com as devidas exceções, pela intolerância. Era de se esperar, contudo, que os notáveis avanços impulsionados pelos movimentos civis do século XX, conjugados com o surgimento de um pensamento moderno, mais libertário e gregário, sob a égide do Direito e da valorização do homem, houvessem mudado esse quadro. Mas, pelo visto, não foi o que aconteceu ― ou não, ao menos, como deveria. A intolerância sobrevive vigorosa na mente das pessoas e, se não é exteriorizada ostensivamente no dia-a-dia, é porque existe, hoje, um código social que as impede de fazer isso, o que, no Brasil, se manifesta por meio do nosso velho espírito de cordialidade.

Desde a infância, procuro ter uma conduta correta com todos à minha volta. Quem me conhece e conviveu comigo ao longo da minha vida, sabe muito bem que sempre respeitei as pessoas como elas são e nunca esperei delas uma mudança de comportamento que se afinasse com a minha maneira de ser. As pessoas são o que são, esse é um dos meus lemas. Graças a essa postura, tive e tenho amigos de todos os tipos: esquerdistas radicais, direitistas ferrenhos, ateus, praticantes de diferentes religiões, pessoas de etnias as mais diversas, de todas as idades, e por aí vai. Muitas vezes as afinidades ― item, a meu ver, indispensável para se construir uma amizade ― são menores do que as diferenças. Sempre admirei a diversidade, e muitos dos meus amigos, sei disso, pensam como eu. Para mim, essencial num amigo não é se ele professa tal religião, ideologia política, se gosta de samba ou de ópera, se usa roupa deste ou daquele tipo, e sim o seu caráter, a sua lealdade, a sua honestidade, o respeito para consigo mesmo e para com os outros e uma sólida conduta ética e moral (não confundir, por favor, com moralismo). Esses são os verdadeiros valores. Valores que, infelizmente, estão cada vez mais fora de moda.

Digo isso porque, não raro, ao navegar pela internet, deparo com depoimentos, muitos dos quais escritos por gente culta e bem articulada, contendo diagnósticos demolidores sobre pessoas, apenas porque estas se vestem de determinada maneira ou porque defendem um ponto de vista diferente sobre determinado tema, em geral, um tema banal. Julgam a pessoa pela aparência, sem se preocupar em saber como ela é realmente, sem pensar que aquela pessoa que, à primeira vista, parece tão deplorável, poderia se tornar um grande amigo. A internet está repleta de comentários raivosos e arrogantes que desqualificam gratuitamente fulano ou beltrano porque ele é um "mauricinho" (?), ou tem um gosto literário duvidoso, ou votou no candidato tal ou porque "gosta de aparecer", e por aí vai. A lista de impropérios é infinita. Não entendo o que motiva esses ataques. Inveja? Ressentimento por saber que suas opiniões não serão acolhidas de forma unânime e que sempre haverá a possibilidade de vozes consistentes virem contestá-las? Uma ânsia de impor a própria maneira de ser e de pensar, disfarçando, assim, uma íntima e incômoda sensação de insegurança e menos-valia? Um apego demasiadamente romântico e irracional a certos ideais, estilos de vida ou preferências estéticas e culturais, a ponto de enxergar em alguém que pense ou aja de outra maneira, um inimigo? Já ouvi de pessoas que adoram se definir como modernas e despidas de preconceitos, declarações pretensamente libertárias que, no fundo, revelavam uma altíssima voltagem de intolerância, quase beirando o ódio. Da mesma maneira, tive a satisfação de presenciar inúmeras vezes a aproximação de pessoas que, a princípio se estranhavam e que acabaram se tornando grandes amigos. Nesse ponto, eu rezo pela cartilha de Jorge Amado, que foi, durante décadas, grande amigo de Adonias Filho, embora ambos os escritores tivessem sérias divergências ideológicas. Homem de esquerda, Jorge Amado afirmava, com orgulho, que Adonias Filho, que fora integralista e apoiara o golpe militar de 1964, não era seu inimigo e, sim, um adversário no campo das idéias políticas. Um depoimento desses é uma verdadeira lição de vida, que nunca se esquece. É desse grau de amadurecimento que as pessoas andam precisando. Seja na vida real ou na virtual, uma vez que ambas se complementam.

Entretanto, apesar da minha crescente decepção com o ser humano, reforçada por todos esses anos de convívio com a internet, tenho esperanças de que as coisas podem sempre melhorar. Ainda porque existem no mundo ilhas de civilidade, sabedoria, caráter e inteligência e graças a elas o mundo terá sempre um lastro que ajudará a atenuar a acelerada rota de decadência na qual nos encontramos. Já aos intolerantes de carteirinha, vai uma dica amiga: procurem conhecer melhor as pessoas antes de fazer mau juízo delas. Comunistas e capitalistas, mauricinhos e descolados, apreciadores de funk e de ópera, ateus e religiosos, conservadores e libertários, leitores de Harry Potter e de Ulisses, todos podem se tornar amigos ou, ao menos, conviver de forma agradável e civilizada, desde que entendam que uma das poucas certezas do mundo é a sua diversidade. A multiplicidade é uma das maiores riquezas da humanidade e o convívio com pessoas diferentes é uma chance preciosa de alargar a nossa percepção sobre a realidade e descobrir que, no fim das contas, as coisas realmente importantes são poucas e triviais. E que é perda total de tempo e de energia alimentar animosidades e preconceitos inúteis, enquanto a vida pode ser muito generosa e, sobretudo, simples.


Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 29/1/2008

Quem leu este, também leu esse(s):
01. O tigre de papel que ruge de Celso A. Uequed Pitol
02. On the Road, 60 anos de Luís Fernando Amâncio
03. Mulher-Flamingo de Marilia Mota Silva
04. Da separação e dos desalinhamentos de Ana Elisa Ribeiro
05. A casa de Robinson de Guilherme Pontes Coelho


Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2008
01. Amor e relacionamentos em tempos de transição - 20/6/2008
02. A evolução da nova democracia brasileira - 12/9/2008
03. A arte contemporânea refém da insensatez - 16/5/2008
04. Quais são os verdadeiros valores? - 29/1/2008
05. Contramão, de Henrique Schneider - 26/2/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/1/2008
10h03min
Luis, seu texto é muito sábio. Inesperadamente incômodo para mim, que vesti e tirei a carapuça algumas vezes. A internet é, como você bem colocou, um campo aberto para um sem número de manifestações da intolerância. O maior elogio que eu posso fazer, no momento, é que seu texto dá o que pensar. Eu, pelo menos, navegador não muito hábil da internet, estou pensando a respeito, ainda que os ventos soprados por você não sejam muito favoráveis pra minha jangada que, às vezes, tem a pretensão de ser navio de guerra. Excelente a lição do seu texto, é algo pra se guardar. Grande abraço.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
22/1/2008
11h47min
Sim, a diversidade é algo inerente à humanidade. Porém, não podemos deixar de emitir opiniões sobre determinados temas. É isso que nos faz interagir e crescer de alguma maneira. Também tenho amigos de várias tendências políticas, culturais, etárias, de cor, etc, etc. Às vezes pego pesado, sim. No mais "trivial" possível. Por exemplo, não consigo ser amiga de uma pessoa que maltrate animal. Qualquer um que seja. Se eu sei disso, me afasto, quase inconscientemente dessa pessoa. Não consigo ser amiga ou condescendente de uma pessoa que torture outra, ou que maltrate crianças, por exemplo. Não é questão de discriminação, mas de valores. Mas, voltando a seu texto, você soube pontuar bem a questão da internet como um retrato fiel da sociedade. Parabéns pelo texto. Excelente.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy ]
23/1/2008
10h40min
Olá Matta! Já tive a oportunidade de comentar, ou pelo menos tentei fazê-lo, talvez não tão brilhante como em seus artigos, mas tenho concordado com o que você escreve. Novamente concordo que a Internet é um meio bom para nos comunicarmos, para aprendermos, para viajarmos, mas estou de pleno acordo que é também um escape para medíocres, para covardes que se acobertam sob seus endereços falsos e descarregam os efeitos de suas idiossincrasias falhas sobre os comentados. Por isso tenho receio, um pouco de "pé atrás", com blogueiros, alguns viciados em despejar suas frustrações e incapacidades sobre tudo e todos, alguns chegam a ser totalmente inversos aos bons tons de moral e da ética que regula essa moral. São idiotas! ...Opa! Estou falando sobre despejar xingamentos sobre os outros e aqui estou eu despejando os meus! Por isso a evolução humana é precária, aliás, estamos involuindo; até escrevi um romance falando nisso: "Involução, um alerta". Não publicado, ainda. Fala sobre isso.
[Leia outros Comentários de I. Boris Vinha]
29/1/2008
10h29min
Quando selecionei este texto para ler, não tinha a menor idéia do que encontraria, até porque esta questão de valores é tão ampla quanto a diversidade humana. No entanto pude perceber que ainda, apesar de tanta vulgarização da raça humana, existem pessoas que buscam levar uma vida ética, fundamentada em princípios e valores. É claro que é cedo para dizer que concordo em gênero, número e grau com as idéias do Sr. Luis, até porque este é meu primeiro contato com este site, mas posso afirmar que, apesar das dificuldades de se conviver com pessoas "diferentes", acredito ser este um excelente caminho para nosso enriquecimento e que o uso da internet é hoje um processo irreversível, para terror dos conservadores. Quanto ao comentário da Adriana Godoy em não conseguir ter amizade com determinados grupos, acredito que não é essa a idéia do Sr. Luis, e sim a possibilidade de conviver pacificamente com todos.
[Leia outros Comentários de Claudia Antunes]
29/1/2008
22h31min
LEM, seu texto é um excelente contraponto para "Preconceitos", do Diogo Salles, mas a humanidade em seu estado natural, portanto selvagem, oculta ou sufoca seus estímulos primários. Criou-se o ambiente das premissas fundamentais, mas o humano traz em si porões e sótãos onde suas essências são preservadas. Criamos, então, talvez por contrato, um oásis de civilidade, uma educação elizabetana(?) e vivemos isto como um modelo. Abdicamos da liberdade no seu contexto radical e cultuamos a transgressão nas artes e nos símbolos da nossa herança estética. O ser humano é o grande predador, um lobo entre lobos e não reage diferente diante das disputas territoriais em qualquer dimensão. É possível construir uma analogia sobre poder e celebridade nos tempos atuais, então veremos uma pequena mostra dos valores de parcela expressiva do senso comum se vendendo de todos os modos, como nos matrimônios antigos, por um pouco mais de civilidade. A disputa é um ritual de reconhecimento.
[Leia outros Comentários de Carlos E. F. Oliveir]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Histórias Que a Umbanda nos Conta
Marco Boeing
Coração Brasil
(2008)



/Mônica Nº 179
Mauricio de Souza
Globo
(2001)



Livro Literatura Estrangeira An Abundance of Katherines
John Green
Speak
(2006)



Toda Mulher Tem 7 Homens autógrafo da autora
Vera Lucas
Vermelho marinho
(2012)



D. Pedro I e o Brasil - Revisão da História
Avertano Cruz
Pallas
(1981)



Amar de Novo
Danielle Steel
Record
(1987)



O Fabuloso Patrocínio Filho 311
R. Magalhães Júnior
Lisa



A Vida dos Invertebrados
F.Harvey Pough / Christiane M. Janis/ John B. Heiser
Atheneu
(2008)



Memória, História e Imaginação
Teócrito Abritta
Oficina do Livro



Golpe de Vista
Palaoro
Atual
(2010)





busca | avançada
44704 visitas/dia
2,9 milhões/mês