A evolução da nova democracia brasileira | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
66543 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Filó Machado encerra circulação do concerto 60 Anos de Música com apresentação no MIS
>>> Mundo Suassuna, no Sesc Bom Retiro, apresenta o universo da cultura popular na obra do autor paraiba
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha”: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
>>> Tião Carvalho participa de Terreiros Nômades Encontro com a Comunidade que reúne escola, família e c
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Waldstein por Andsnes
>>> Festival de Inverno Ouro Preto
>>> Para gostar de ler
>>> Dos livros que li
>>> O legado de Graciliano Ramos
>>> Mané, Mané
>>> Ele é o Rei
>>> Corpos
>>> Dialogando com o público leitor
>>> O fim do futebol-arte?
Mais Recentes
>>> Codependencia Nunca Mais de Melody Beattie pela Best Seller (2024)
>>> Manual de Proteçao Respiratoria de Maurício Torlon/ Antonio Vladimir Vieira pela Abho (2003)
>>> 21 Lições Para O Século 21 de Yuval Noah Harari pela Companhia Das Letras (2020)
>>> O Reino De Moruk de Dimára Guastapaglia pela Do autor (2020)
>>> Como Alimentar Seu Bebê de Sara Lewis pela Marco Zero (1996)
>>> Introduçao A Engenharia Ambiental de Benedito Braga, Ivanildo Hespanhol, João G. Lotufo Conejo, Mário Thadeu L. De Barros, Milton Spencer Veras Junior, Monica F. Do Amaral Porto, Nelson L. R. Nucci, Neusa Monteiro De A. Juliano, Sergio Eiger pela Prentice Hall (2003)
>>> Os Remedios Florais Do Dr. Bach de Dr Edward Bach pela Pensamento (1995)
>>> Poemas Escolhidos De Gregório De Matos de Gregorio De Matos pela Companhia Das Letras - Grupo Cia Das Letras (2024)
>>> A Bruxa Nao Vai Para A Fogueira Neste Livro de Amanda Lovelace pela Leya (2018)
>>> Gandhi - Sua Vida E Mensagem Para O Mundo de Louis Fischer pela Martin Claret (1992)
>>> Tuik - O Amigo Imaginário de Marina Pechlivanis - Mateus Rios pela Formato (2014)
>>> O Hobbit de John Ronald Reuel Tolkien pela Wmf Martins Fontes (2009)
>>> Uyra - O Defensor Do Planeta de Carraro Fernando pela Ftd (2010)
>>> Gestão de Resíduos Sólidos - o Que Diz a Lei de Carlos Roberto Vieira da Silva Filho pela Trevisan (2015)
>>> Química Geral e Reações Químicas - Volume 1 de John C. Kotz - Paul M. Treichel pela Ltc (2002)
>>> Sétimo de Andre Vianco pela Novo Seculo (2009)
>>> O Clube Do Trico de Kate Jacobs - Carolina Mesquita pela Amarilys (2010)
>>> Filhos Do Imperador de Claire Messud pela Nova Fronteira (2008)
>>> Os Acidentes Do Trabalho Na Nova Nr-12 de Valmir Inácio Vieira pela Ltr (2013)
>>> A Batalha Do Labirinto - Percy Jackson E Os Olimpianos Livro 4 de Rick Riordan pela Intrinseca (2010)
>>> Um Buldogue Frances de Ana Paula De Abreu pela Pequeno Viajante (2020)
>>> Avaliação Em Educação Infantil 3 de Mara Krechevsky pela Artmed (2001)
>>> O Trem Contra O Tubarão de Chris Barton pela Paz E Terra (2013)
>>> A Rainha Do Norte de Joana Estrela pela Sesi-sp Editora (2018)
>>> Vygotsky Em Foco de Harry Daniels pela Papirus (1994)
COLUNAS >>> Especial Eleições 2008

Sexta-feira, 12/9/2008
A evolução da nova democracia brasileira
Luis Eduardo Matta
+ de 15200 Acessos
+ 11 Comentário(s)

Há vinte e seis anos, na reta final do regime militar e ao cabo de quase duas décadas de anseios pela redemocratização, o Brasil, enfim, ia às urnas nas primeiras eleições diretas pluripartidárias desde 1965. Seriam escolhidos os governadores dos estados, senadores, deputados federais e estaduais e, em muitas cidades, prefeitos e vereadores. Corria o ano de 1982 e a euforia na sociedade era generalizada. Pairava uma esperança coletiva e um tanto romântica de que, com o retorno do país à democracia, todos os problemas seriam solucionados. Teria início um período de liberdades, progresso, justiça social, moralidade e controle da Economia. Era a Nova República que se anunciava. O Brasil encontrava-se em contagem regressiva para a grande mudança.

Embora eu tivesse apenas 7 anos de idade, lembro-me perfeitamente daquela época. No Rio, cinco candidatos concorreriam ao governo do Estado, nascido da polêmica fusão de 1975: Leonel Brizola, pelo PDT, que acabou vitorioso; Moreira Franco, pelo PDS (herdeiro da antiga ARENA ― Aliança Renovadora Nacional, partido de sustentação do regime militar); Sandra Cavalcanti, pelo PTB (uma ironia uma vez que Sandra, um dos ícones do lacerdismo, concorria pela legenda consagrada por Getúlio Vargas, adversário histórico de Carlos Lacerda); Miro Teixeira, pelo PMDB (que congregava os membros do antigo MDB ― Movimento Democrático Brasileiro, de oposição à ARENA) e Lysâneas Maciel, pelo PT. No dia 15 de novembro de 1982, acordei cedo, fui até a varanda e olhei para a rua lá embaixo, forrada de panfletos de propaganda partidária. Eram tantos os papéis, que mal se via os mosaicos de pedras portuguesas das calçadas de Copacabana. Carreatas ruidosas, com extravagantes bandeiras e cartazes dos candidatos congestionavam as ruas. Nas esquinas, correligionários adversários se enfrentavam em brigas quase cinematográficas. As pessoas comemoravam em toda parte, confraternizavam, cantavam os jingles de seus partidos, desfilavam orgulhosas vestindo camisas e bonés com as imagens dos candidatos ou das legendas, assediavam ostensivamente e, por vezes, de forma agressiva os eleitores que ainda não tinham votado. Parecia sábado de carnaval.

Durante toda a década de 80, até a eleição presidencial de 1989, passando pela campanha das "Diretas Já", foi assim. Dia de eleição, pelo menos no Rio de Janeiro, era dia de festa. Com o passar dos anos, a realidade política brasileira, que não conhece ideologia, agremiação partidária ou sistema de governo, se impôs e o entusiasmo dos anos de abertura foi arrefecendo até chegarmos aos agonizantes dias atuais. Hoje, campanha eleitoral é motivo de chacota, o desalento e a revolta dão o tom da maior parte das conversas sobre política, as pessoas vão votar contrafeitas, achando uma arbitrariedade "fascista" serem obrigadas legalmente a comparecer a uma seção eleitoral, como se fazer isso uma ou duas vezes a cada dois anos fosse um grande sacrifício, e esquecendo-se de que, numa democracia, as pessoas têm não apenas direitos, mas também deveres. Desde meados dos anos 90, quando saio para votar, o que vejo nas ruas são raros e minguados grupos fazendo desanimadas panfletagens. A lei eleitoral, mais rígida do que em 1982, pune (acertadamente, aliás) a propaganda que emporcalha as calçadas e a paisagem urbana. As pedras portuguesas de Copacabana não são mais inundadas por panfletos. Não há mais carreatas, nem brigas nas esquinas. O clima é de um dia normal de descanso. A tranqüilidade impera.

Pessoas mais politizadas de todas as ideologias, sobretudo as que viveram a efervescência das décadas de 1960 a 1980, constituem uma minoria que lamenta e se ressente dessa situação. Cobram mais engajamento da população. Clamam por mais interesse pelas questões políticas. Algumas insistem em apregoar discursos ideológicos fossilizados, como se ainda vivêssemos nos anos de bipolaridade da Guerra Fria e da dicotomia entre capital e trabalho ou entre os valores da família e a "ameaça vermelha". Mas como despertar entusiasmo pela política no Brasil, se a nossa imprensa vive entupida de escândalos e onde todos os problemas continuam esperando solução? Como querer que a população reviva a esperança da época da redemocratização se continuamos a pagar impostos de padrões escandinavos para recebermos em troca serviços públicos de país em guerra? Como exigir qualquer coisa quando o assunto é política, se o horário eleitoral gratuito é um circo dos horrores, quando não acaba funcionando como o mais cômico programa de humor na televisão, com os mesmos discursos de sempre se repetindo? (Sou o(a) candidato(a) fulano(a) de tal. Você me conhece! Meu objetivo é educação, saúde, segurança, emprego, transporte, moradia, e assistência para a criança e para o idoso. Vou batalhar pelo fim da taxa referente ao dilúvio do Velho Testamento, pois o nosso povo não pode continuar sofrendo com as perdas do Plano Noé. Lutei pela colocação da rebimboca da parafuseta na comunidade XYZ e adjacências. Fiz e farei muito mais. Conto com o seu voto para, juntos (sic!), continuarmos esse trabalho.) É claro que o fato de vivermos numa democracia, ainda que não seja a dos nossos sonhos, já é um progresso, pois regimes de exceção ― sejam eles capitalistas ou socialistas, laicos ou religiosos ― já se provaram um retrocesso em todo o mundo e, além de reprimirem a liberdade e instaurarem um clima de violência e medo, semeiam uma discórdia política que só serve para retardar o debate sobre o que é realmente necessário para a redenção e o progresso da sociedade. O fato de podermos votar, ainda que obrigados, é uma conquista que não deve ser menosprezada, apesar de toda a bandalheira escancarada e desavergonhada dessa política verde-amarela praticada com "p" minúsculo.

De todo modo, a apatia do eleitor atual não é surpreendente. O Brasil é uma democracia antiga para os padrões ocidentais. Foi uma das primeiras nações modernas a ter parlamento, já em 1823 ― quando se reuniu a primeira Assembléia Constituinte ― e durante o período monárquico contou com eleições e liberdade de imprensa ― dentro, é lógico, do que permitiam os padrões do século XIX. No entanto, esse ciclo democrático iniciado no período entre a Anistia, em 1979, e as eleições de 1989, é recente. Muito recente. E o povo (ou seja: nós) ainda está se habituando a ele. O ceticismo atual é uma ressaca da cegueira gerada pela euforia ingênua dos 80. A podridão na política sempre existiu e já existia naquele tempo e antes dele. Apenas saiu do armário, tornou-se visível a quem tiver olhos para ver. As pessoas, simplesmente, foram trazidas para o amargo chão da realidade. Para mim, como brasileiro atento, isso é extremamente positivo. É um sintoma de amadurecimento. De que estamos progredindo enquanto democracia. Que o Brasil está caminhando para frente. Que as pessoas tornaram-se mais pragmáticas, mais exigentes com relação à política. Elas não se deixam mais enganar tão facilmente. Não, ao menos, aquelas que têm acesso à informação e capacidade para interpretá-la. Podem até votar num candidato notoriamente corrupto e infame. Mas o fazem conscientemente, certas de que, a despeito da sua falta de ética e da sua pouca cerimônia com o erário, ele fará alguma coisa concreta que beneficiará certa parcela da sociedade. Se, acaso ele não cumprir a promessa, o eleitor o abandona. Essa objetividade e certa frieza no ato de votar e de julgar de maneira implacável o desempenho de um governante ou parlamentar é, a meu juízo, imprescindível para o saudável jogo democrático. Além disso, a sociedade está mais organizada e consciente, vide as associações de moradores e os movimentos em defesa das mulheres, dos negros, dos deficientes, dos homossexuais etc., que, hoje, têm uma atuação infinitamente mais ativa do que vinte e cinco anos atrás. O eleitor apaixonado e meio insano do passado está dando lugar a um eleitor de perfil mais técnico.

O que falta para que esse amadurecimento seja completo é aquilo que todos já estamos fartos de saber: uma população mais instruída, com franco acesso à cultura e ao conhecimento e a capacidade de dialogar com ele. Um povo cuja familiaridade com a palavra escrita lhe permita acompanhar os jornais diariamente e formar sua própria opinião, sem permitir que sua cabeça se transforme numa mera caixa de ressonância de discursos viciados. Um povo que consiga ler a Constituição e os códigos de leis que expõem os seus direitos e obrigações. Sem uma educação universal e de excelência e uma valorização da cultura como item indispensável na cesta básica de todo brasileiro, a imoralidade continuará a vicejar com vigor pelos campos da política nacional. Mas enquanto a grande virada não acontece, o povo evolui e, aos poucos, vai fazendo sua revolução silenciosa e assumindo uma postura mais ativa na defesa dos seus interesses e os da coletividade.


Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 12/9/2008

Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2008
01. Amor e relacionamentos em tempos de transição - 20/6/2008
02. A evolução da nova democracia brasileira - 12/9/2008
03. A arte contemporânea refém da insensatez - 16/5/2008
04. Quais são os verdadeiros valores? - 29/1/2008
05. Contramão, de Henrique Schneider - 26/2/2008


Mais Especial Eleições 2008
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
12/9/2008
09h29min
Se for, então, estamos no caminho errado. A lei eleitoral, "rigorosíssima", acabou por tirar aquele certo brilho de eleições passadas. Acabou com o brilho, não com as falcaturas de alguns candidatos, que ainda insistem em transformar a votação em um balcão de negócios, e quem acaba pagando o pato é sempre o eleitor, culpado pelos descalabros. Interessante, que, quem julga e condena o eleitor, são os "céticos", pessoas que se dizem politizadas o bastante para rejeitar o processo eleitoral brasileiro (parece que têm saudade dos áureos tempos da ditatura militar), tentando convencer os menos politizados a desisitir de votar, com o discurso de que a política é coisa "de" e "para" bandidos. Se não sei em quem votar, por que não assistir ao horário gratuito eleitoral, apesar da quantidade enorme de bobagens? Sim, preciso assisti-lo para comparar "quem é quem" no jogo eleitoral. Não há nenhum demérito nisso. O país mudou, porque a nossa democria mudou - e para melhor.
[Leia outros Comentários de Américo Leal Viana]
12/9/2008
17h01min
Caro Luis Eduardo, você situa 1982 como o ano do retorno à democracia no Brasil. Ressalta o prodígio da formação do Parlamento brasileiro em 1823. Contudo, por meio de um breve repasse pela nossa história, fica tão claro que o Brasil é um país tão pouco voltado às práticas democráticas. O Brasil-Império ainda é uma nação voltada aos interesses da Corte portuguesa! Em seguida, nossa República nada mais foi que um acordo firmado entre generais, coronéis e fazendeiros; culminando na Ditadura Vargas! Finda a II Guerra Mundial e após as acomodações das nações no cenário mundial, o Brasil mergulha numa longa ditadura militar. Nesse sentido, como falar de retorno da democracia no Brasil? Desafortunadamente, a nossa história não permite tal assertiva!
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
14/9/2008
18h25min
Para se ter um olhar político, é preciso ter um olhar histórico. Para tanto, nada como a vista de um carioca. Antes de ir à sacada para ver o mar, encaminha-se à lavanderia e se enxerga o enrugar dos morros, onde se acompanha a lenta, mas constante, evolução de seus habitantes. Só então volta-se à sacada, pela cozinha, sentando-se em cadeira confortável, de modesto espaldar, de onde mira a bela paisagem marítima com expectativas menores.
[Leia outros Comentários de mauro judice]
24/9/2008
15h15min
Luis, esse seu título é irônico. Como precisamos ser ao falar da nossa política. Eu lembro desse dia claramente, da festa nas ruas, de vestirmos a camisa, literalmente, dos candidatos. E bandeirinhas e bonés. Era uma torcida. Estávamos mesmo esperançosos da seriedade política. Hoje, preciso lhe dizer, nem sei onde está meu título. Alienada? Prefiro. Não tenho a disposição necessária para sair de casa e votar em alguém em que não confio. Não tem um sequer em que eu confie, nem para vereador. E lutamos tanto por esse título de eleitor! Prevejo tempos piores e um longo caminho de trevas pela frente.
[Leia outros Comentários de Andréa Trompczynski]
2/10/2008
11h43min
Luis, ainda que eu discorde da obrigação do voto como um dever social, quero ressaltar aqui a excelência do seu texto. Bom saber que você não é um político porque, na minha expectativa meio anarquista, políticos devem se manter na mediocridade intelectual de sempre (a exceção seria o Gabeira?). Muito bom, meu! Bom mesmo! Abraços!
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
5/10/2008
12h11min
Excelente o texto. Parabens, Luis. So discordo um pouco do contexto em que ele e' delineado. Ha' um pano de fundo basicamente otimista, equalizando "evolucao" (de fato entre aspas - palavra do titulo) com amadurecimento politico medido por interesse e tipo de interesse no processo eleitoral. Eu resido em uma pequena cidade do sul das Minas Gerais, e posso lhe dizer que a politica de rua que voce descreve como coisa do passado esta' bem viva aqui, do mesmo jeitinho... sao dois os problemas: um e' a falta de um contexto historico da evolucao da cultura brasileira, como bem comentou o Silvio Medeiros ai' acima; e o outro e' que evolucao real, tanto para politicos como para eleitores, nao pode prescindir de progresso real na area de educacao, e isso infelizmente esta' pela hora da morte neste nosso Brasil, "jogada pras cobras", principalmente nos ultimos 6 anos. Mas guarde o texto, Luis, quem sabe voce o publica de novo quando estiver havendo um progresso real na educacao. Um dia... que bom seria
[Leia outros Comentários de Claudio Spiguel]
6/10/2008
17h52min
Festa da democracia? Não, caro Luis, isso é o grande engodo. A cada dois anos pode parecer besteira cumprir o "dever cívico", mas não é, não. Exigir cidania ativa a cada dois anos é a grande banalidade que marca o pensamento político brasileiro. A obrigatoriedade do voto não é uma ausência de arrogância, posto que nessa lógica só os pretensos politizados é que votariam; na verdade, acreditar que funcionem instituições como a educação neste país é a garantia que "o povo" será todo ele politizado; e, daí, livres serão os indivíduos que o compõem para votar ou não, seja por descrédito na arena política, seja por mera adesão intelectual a outras formas de participação. Acho difícil ter saudades do mar de cartazes dos anos 80. Embora a fé na política fosse mais popular, os resultados de hoje são filhos do mesmo processo de lá: cidadania vivida a cada dois anos, a manada partindo para o voto, se engalfinhando para eleger esse e aquele.
[Leia outros Comentários de Felipe Eugênio]
12/10/2008
09h00min
Excelente texto! Concordo com a necessidade de que um povo culto e com maior acesso à leitura fará um melhor exercício de seu direito ao voto. Infelizmente, ao contrário das Diretas já, não há uma mobilização visando "cultura já". Quem está interessado em "cultura já", tem que se conformar com a "cultura desde já", e continuar fazendo seu trabalho de "revolucionário silencioso", sem cara-pintada, mas com um livro embrulhado pra presente para seus sobrinhos. Em vez do palanque, a palestra pra meia duzia de gatos pingados (quené justamente quem não precisa ouvir), em vez do panfleto, artigos em blogs e revistas eletrônicas. A cultura não vem de imediato, e não podemos dá-la apenas promulgando uma lei. O trabalho é longo e árduo. Cultura desde já! E para sempre.
[Leia outros Comentários de Alvaro Domingues]
12/10/2008
14h17min
As pessoas reclamam dos evangélicos. Tá, eles são chatos. Mas aonde o povão vai achar ética, diretrizes ou valores bem delineados? Os religiosos são maniqueístas? São. Mas o pensamento do povo não é maniqueísta? O povo consegue entender toda essa miríade de óticas, de perspectivas da realidade multifacetada da filosofia moderna? Consegue, mas não antes de passar pela visão dual. As classes cultas largaram o povo na mão dos religiosos e, agora, reclamam de quê? Tornar seus pensamentos mais sucintos, não quiseram. Ah, a verdade é complexa demais, argüiram. Então, como conseguiram ensinar seus filhos na fase da infância? Não tiveram que ser, como dizem, "reducionistas" por algum tempo, até que as crianças tivessem compreensão mais avançada. E por que não agir assim com o povo? Ou, para o povo, a verdade não é passiva de síntese? Então, não reclamem se alguém está se dando o trabalho de sintetizar as idéias, a fim de ensiná-las aos simples...
[Leia outros Comentários de mauro judice]
12/10/2008
14h24min
E nem reclamem se um indivíduo de pensamento "reduzido" ensina a um homem do povo, já que este não recebeu orientação melhor, ou uma qualquer. Agora, se desejam impedir a hegemonia do pensamento religioso ou de qualquer princípio totalitário ou alienante, simplifiquem suas idéias, e darão ao povo alternativa, doutores. Um exemplo? Não torçam tanto o nariz às obras de entretenimento. Ao contrário, usem sua inteligência superior para falar com o povo com mais eficácia, através de obras de entretenimento - ponte para as obras de cultura. Cultura, passagem para a emancipação política...
[Leia outros Comentários de mauro judice]
2/5/2009
22h09min
A venezuela é - a contar com a mídia - governada por um ditador eleito. Lá, o voto é livre. Aqui - dizem - é democracia plena, e o voto é obrigatório. Mudei eu ou mudaram as definições de democracia, democradura e ditadura?
[Leia outros Comentários de irado]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Kriterion - Revista de filosofia - 97
Varios Autores
Faculdade de Filosofia e Ciencias Humanas Ufmg
(1998)



Os Dez Mais do Botafogo
Paulo Marcelo Sampaio
Maquinária
(2009)



As Aventuras de Benjamim - o Muiraquitã
Camila Franco - Marcela Catunja - Blandina Franco
Companhia das Letras
(2004)



Um Novo Olhar Para As Teorias Juridicas - Ano 2013 - Direito
Prof. Dr. Olney Queiroz Assis E Outros
Rg
(2013)



É Fácil Construir um Jardim
Janet Macunovich
Nobel
(1996)



O Melhor do Romance, Contos e Crônicas
Nelson Rodrigues
Folha
(1993)



Livro Sociologia O Estado e a Revolução- A Revolução Proletária e o Renegado Kautsky
Lenin
Instituto José Luis
(2005)



The Razors Edge - a Novel
W. Somerset Maugham
The Blakiston
(1945)



Direitos Universais das Crianças
Suzete Armani
Komedi



Livro Filosofia A Questão do Método na Filosofia Um Estudo do Modelo Heideggeriano
Ernildo Stein
Livraria Duas Cidades
(1973)





busca | avançada
66543 visitas/dia
2,1 milhões/mês