O Brasil é carioca | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
44089 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 12/11/2008
O Brasil é carioca
Luiz Rebinski Junior

+ de 2300 Acessos

Os cinqüenta anos da Bossa Nova não serviram apenas para celebrar o movimento que colocou a música brasileira no mapa da cultura internacional. A efeméride foi também um exercício de exaltação, praticado por diferentes mídias, das belezas naturais do Rio de Janeiro. A Cidade Maravilhosa, durante as comemorações, foi amplamente citada como a grande fonte de inspiração para a turma do banquinho e violão. Daí a aparição de seus conhecidíssimos cartões-postais em toda e qualquer publicação que tivesse a Bossa Nova como tema. Nada mais natural, afinal, as garotas cheias de graça, gaivotas e barquinhos foram vistos ou imaginados ali, nas belíssimas praias de Ipanema e Copacabana.

Foi mais uma oportunidade para conhecer as belezas de uma cidade que influenciou tantos artistas, não só da Bossa Nova. Mas nem precisava. O brasileiro já está tão acostumado com o charme irresistível da orla carioca que nem mesmo é preciso se deslocar até o Rio para saber quão gostosas e macias são as areias de Ipanema; não é necessário nem mesmo se interessar por cultura para ouvir as irresistíveis histórias acontecidas no Posto 9; nem conhecer a localização exata da Barra da Tijuca para saber que ali é o ponto de encontro de artistas de qualidade duvidosa, sempre em busca de um paparazzo que possa lhes saciar a vontade de ser fotografado.

Assim como não é preciso ir a Paris, lógico, para conferir a elegância intelectual de seus cafés, o Rio de Janeiro se conhece por inteiro apenas ligando a televisão. Ele está lá a todo o momento, da abertura da novela à propaganda da Embratur. A cidade está sempre com os braços abertos a mostrar-se por inteira, exatamente como o seu maior cartão-postal, o Cristo Redentor. E se você desliga a televisão e vai ao cinema, lá está ela novamente, na abertura do filme nacional patrocinado pela Ancine (todos, né?!), com o Cristo sendo filmado em uma tomada panorâmica, que é para não deixar dúvidas de sua esplendorosa beleza. No Brasil, é praticamente impossível não se sentir parte do Rio de Janeiro, ainda que a região em que você more não tenha absolutamente nada a ver com a cidade de Machado de Assis. E o jeito do carioca viver, virou o jeito do brasileiro. Não importam as diferenças geográficas, climáticas e culturais, é no carioca que se encontra a essência do brasileiro: a alegria, a espontaneidade, o carisma e aquele jeito especial de deixar a vida correr solta, exatamente como canta o grande poeta Zeca Pagodinho em um de seus clássicos. Ou seja, somos todos um pouquinho cariocas. E não adianta lutar contra. O estereótipo ideal do brasileiro vem sendo burilado há décadas, no mínimo desde as bananas de Carmen Miranda. E vem dando certo, muito certo.

Mas serviria de alento, pelo menos, se essa idéia forjada fosse apenas mais um golpe de marketing (burro, é claro) para vender nossa "tropicalidade" aos gringos, sempre sedentos pelo exotismo de nossa terra. Mas o pior de tudo é que isso não é apenas um conceito tipo exportação. Não, é algo disseminado como regra em todo país. Não há escapatória, more onde morar, viva como viver, faça o que fizer. Somos todos um só, bem moreninhos e alegres.

E as explicações para esse fenômeno são tão despropositadas quanto o fato em si. A mais comum delas é a que diz ter o Rio de Janeiro "o melhor e o pior do Brasil", ou seja, a síntese ideal. A frase é de uma imbecilidade de doer. Como se os problemas do Brasil se resumissem às favelas cariocas e, nossas qualidades, às belezas naturais da cidade. É um pensamento, no mínimo, preguiçoso, reducionista e pobre. Foi-se o tempo em que o Rio era a casa do rei. Os tempos mudaram e, de lá para cá, muitos Brasis se formaram, com peculiaridades tão fortes e marcantes quanto os traços que definem a Cidade Maravilhosa e seus habitantes. Não se trata, é claro, de negar os atributos da cidade e sua importância histórica e social, nem de construir um panfleto preconceituoso contra seus habitantes. Isso seria burrice.

O fato é que, apesar da inegável importância de Rio de Janeiro e São Paulo, que polarizam as atenções, o Brasil não pode ser definido por um samba de uma nota só. Isso seria o mesmo que transformar o país em uma massa homogênea com o Corcovado e o Maracanã fincados em cima. É um estereótipo que ninguém faz questão de questionar e, muito menos, mudar. Pelo contrário, só o alimentam. E essa imagem, conseqüentemente, é cada vez mais difundida no exterior ― nossos cineastas, por exemplo, adoram reforçá-la. O que só faz perpetuar, lá fora, um lugar-comum, nunca contestado, sobre o nosso país. Como podemos reclamar de o Brasil ser eternamente visto como um grande campo de futebol, com mulatas e sambistas bebendo caipirinha na arquibancada, se a propaganda oficial faz questão de ratificar essa imagem, não só fora do país, mas, o que é pior, dentro também?

E o mais engraçado é que não se trata de uma questão econômica. Porque se assim fosse, São Paulo, com seu PIB monstruoso, sua produção e agenda de cultura, certamente seria o nosso símbolo nacional, mesmo com sua feiúra cinzenta. Hoje, é difícil imaginar que uma cidade, por mais bela e fascinante que seja, defina tudo que se faz, se vive e se produz em um país com as dimensões do Brasil.

É o mesmo erro que até pouco tempo se cometia com a literatura de Jorge Amado, colocado sempre como o "escritor do Brasil", aquele que, por meio de seus romances, trazia a alma nacional a público. Durante muitos anos, e para muitos ainda hoje, o baiano era o escritor essencialmente brasileiro. Mas será que, agora, a literatura de Jorge Amado dá conta de explicar o país? De certo modo, sim. Mas não por inteiro. Jorge Amado escreveu sobre um Brasil, e, por méritos próprios, foi justamente o Brasil que "pegou", aqui e lá fora. Mas será que é um Brasil inteiramente verdadeiro? Penso que não, é apenas uma parte, importante, é verdade, mas que não consegue explicar o que somos de maneira mais ampla. E é isso que acontece quando o Rio de Janeiro aparece como o retrato do Brasil ideal, aquele que revela nossas raízes mais originais. É uma situação que se perpetua há tempos e que, para desgosto de quem está longe demais das capitais, não dá sinais de esgotamento. Uma pena, pois até que isso mude, seremos todos "cariocas".


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 12/11/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras de Elisa Andrade Buzzo
02. A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel de Renato Alessandro dos Santos
03. Um Cântico para Rimbaud, de Lúcia Bettencourt de Jardel Dias Cavalcanti
04. Oswald de Andrade e o homem cordial de Celso A. Uequed Pitol
05. Aqui sempre alguém morou de Elisa Andrade Buzzo


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2008
01. O jornalismo cultural no Brasil - 2/1/2008
02. Bukowski e as boas histórias - 15/10/2008
03. Despindo o Sargento Pimenta - 16/7/2008
04. O óbvio ululante da crônica esportiva - 27/8/2008
05. Dobradinha pernambucana - 23/1/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BRINQUEMOS COM O CORPO E A IMAGINAÇÃO
LIDIA VAZQUEZ
PAULUS
(2000)
R$ 8,28



LEIS 8.112/90 E 8.666/93 COLEÇÃO CONCURSOS PÚBLICOS O PASSO DECISIVO PARA SUA APROVAÇÃO
ISABEL MORAES (COORD)
GOLD
(2008)
R$ 10,00



A FERA NA SELVA
HENRY JAMES
ROCCO
(1985)
R$ 18,00



REALISTIC ILLUSTRATIONS IN JAPAN 2
G. SHA
BOOKS NIPPAN
(1987)
R$ 85,00



UM CASAMENTO SEM AMOR
DORIS LESSING
RECORD
(1964)
R$ 7,00
+ frete grátis



DA RECONVENÇÃO NO DIREITO DO TRABALHO
OSÍRIS ROCHA
REVISTA DOS TRIBUNAIS (SP)
(1965)
R$ 19,28



OS DOZE MANDAMENTOS
SIDNEY SHELDON
RECORD
(2011)
R$ 3,00



ISRAEL DO SONHO À REALIDADE
CHAIM WEIZMANN
IBRASA
(1969)
R$ 5,00



THE ADVENTURES OF HUCKLEBERRY FINN - COM CD
MARK TWAIN
PEARSON
R$ 25,00



SEXO E DESTINO
FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER & WALDO VIEIRA
FEB
(1972)
R$ 20,00





busca | avançada
44089 visitas/dia
1,2 milhão/mês