O Brasil é carioca | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
75847 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> 10º FRAPA divulga primeiras atrações
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
>>> Seminário Trajetórias do Ambientalismo Brasileiro, parceria entre Sesc e Unifesp, no Sesc Belenzinho
>>> Laura Dalmás lança Show 'Minha Essência' no YouTube
>>> A Mãe Morta
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
>>> A dor
>>> Parei de fumar
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Boates
>>> A alegria de não ensaiar
>>> Tempo vida poesia 4/5
>>> The flow state
>>> O batom
>>> Como num filme
>>> Only time will tell
>>> Política - da filosofia à neurociência.
>>> Ideologia: você quer uma pra viver? Eu, não
>>> The Flickrization of Yahoo!
Mais Recentes
>>> Opinion Publique 1984 de Sofres pela Gallimard (1984)
>>> Valores Humanos e Gestão: Novas Perspectivas de Maria Luisa Mendes Teixeira pela Senac Sp (2008)
>>> Armadilha para Mkamba de Ivan Sant Anna pela Rocco
>>> Tudo Tem um Porque de Marcelo Cezar pela Vida e Consciencia (2016)
>>> Pontos & Contrapontos do Pensar ao Agir Em Avaliação de Jussara Hoffmann pela Mediação (2002)
>>> A Senhora das Sombras de Ely Vieitez Lisboa pela Funpec (2014)
>>> Der Zaubergarten de Sharon Maas pela Taschenbuch (2000)
>>> Vidas do Carandiru de Humberto Rodrigues pela Geração Editorial (2002)
>>> Para Fugir dos Vivos de Eltânia André pela Patuá (2015)
>>> Chama Negra de Alyson Noël pela Intrinseca (2011)
>>> Cupido de Jilliane Hoffman pela Rowohlt Taschenbuch Verlag (2005)
>>> Casamento um Salto de Qualidade de Pe. Augusto C. Pereira pela Recado
>>> Botânica - Morfologia Interna das Plantas de Mario Guimarães Ferri pela Nobel
>>> Feitas para Durar de Jerry I. Porras; James Charles Collins pela Rocco (2000)
>>> Ensino Fundamental II Sistema Etapa 7 o. Ano livro 5, 6, 7, 8 e espanhol de Diversos pela Moderna (2020)
>>> As Mulheres Francesas Não Engordam de Mireille Guiliano pela Campus (2005)
>>> Lá na Praia de Roberto Alzas pela Quartica
>>> Xeque-mate da Rainha de Elizabeth Fremantle; Maria Alice Stock pela Paralela (2016)
>>> Pequenos Milagres Coincidencias Extraordinarias do Dia-a-dia de Yitta Halberstam; Judith Leventhal pela Sextante (1998)
>>> Mantendo Clientes de John J. Sviokla e Benson P. Shapiro pela Makron Books (1994)
>>> O Cálice de Sangue de M. K. Hume; Heloisa Mourao pela Record (2015)
>>> Os Lusíadas de Luis de Camões pela Cultrix
>>> Por um Fio de Drauzio Varella pela Companhia das Letras (2004)
>>> Sombras de Reis Barbudos de José Veiga pela Bertrand Brasil
>>> The Davinci Project de Seeking the Truth pela Italiano
COLUNAS

Quarta-feira, 12/11/2008
O Brasil é carioca
Luiz Rebinski Junior

+ de 2700 Acessos

Os cinqüenta anos da Bossa Nova não serviram apenas para celebrar o movimento que colocou a música brasileira no mapa da cultura internacional. A efeméride foi também um exercício de exaltação, praticado por diferentes mídias, das belezas naturais do Rio de Janeiro. A Cidade Maravilhosa, durante as comemorações, foi amplamente citada como a grande fonte de inspiração para a turma do banquinho e violão. Daí a aparição de seus conhecidíssimos cartões-postais em toda e qualquer publicação que tivesse a Bossa Nova como tema. Nada mais natural, afinal, as garotas cheias de graça, gaivotas e barquinhos foram vistos ou imaginados ali, nas belíssimas praias de Ipanema e Copacabana.

Foi mais uma oportunidade para conhecer as belezas de uma cidade que influenciou tantos artistas, não só da Bossa Nova. Mas nem precisava. O brasileiro já está tão acostumado com o charme irresistível da orla carioca que nem mesmo é preciso se deslocar até o Rio para saber quão gostosas e macias são as areias de Ipanema; não é necessário nem mesmo se interessar por cultura para ouvir as irresistíveis histórias acontecidas no Posto 9; nem conhecer a localização exata da Barra da Tijuca para saber que ali é o ponto de encontro de artistas de qualidade duvidosa, sempre em busca de um paparazzo que possa lhes saciar a vontade de ser fotografado.

Assim como não é preciso ir a Paris, lógico, para conferir a elegância intelectual de seus cafés, o Rio de Janeiro se conhece por inteiro apenas ligando a televisão. Ele está lá a todo o momento, da abertura da novela à propaganda da Embratur. A cidade está sempre com os braços abertos a mostrar-se por inteira, exatamente como o seu maior cartão-postal, o Cristo Redentor. E se você desliga a televisão e vai ao cinema, lá está ela novamente, na abertura do filme nacional patrocinado pela Ancine (todos, né?!), com o Cristo sendo filmado em uma tomada panorâmica, que é para não deixar dúvidas de sua esplendorosa beleza. No Brasil, é praticamente impossível não se sentir parte do Rio de Janeiro, ainda que a região em que você more não tenha absolutamente nada a ver com a cidade de Machado de Assis. E o jeito do carioca viver, virou o jeito do brasileiro. Não importam as diferenças geográficas, climáticas e culturais, é no carioca que se encontra a essência do brasileiro: a alegria, a espontaneidade, o carisma e aquele jeito especial de deixar a vida correr solta, exatamente como canta o grande poeta Zeca Pagodinho em um de seus clássicos. Ou seja, somos todos um pouquinho cariocas. E não adianta lutar contra. O estereótipo ideal do brasileiro vem sendo burilado há décadas, no mínimo desde as bananas de Carmen Miranda. E vem dando certo, muito certo.

Mas serviria de alento, pelo menos, se essa idéia forjada fosse apenas mais um golpe de marketing (burro, é claro) para vender nossa "tropicalidade" aos gringos, sempre sedentos pelo exotismo de nossa terra. Mas o pior de tudo é que isso não é apenas um conceito tipo exportação. Não, é algo disseminado como regra em todo país. Não há escapatória, more onde morar, viva como viver, faça o que fizer. Somos todos um só, bem moreninhos e alegres.

E as explicações para esse fenômeno são tão despropositadas quanto o fato em si. A mais comum delas é a que diz ter o Rio de Janeiro "o melhor e o pior do Brasil", ou seja, a síntese ideal. A frase é de uma imbecilidade de doer. Como se os problemas do Brasil se resumissem às favelas cariocas e, nossas qualidades, às belezas naturais da cidade. É um pensamento, no mínimo, preguiçoso, reducionista e pobre. Foi-se o tempo em que o Rio era a casa do rei. Os tempos mudaram e, de lá para cá, muitos Brasis se formaram, com peculiaridades tão fortes e marcantes quanto os traços que definem a Cidade Maravilhosa e seus habitantes. Não se trata, é claro, de negar os atributos da cidade e sua importância histórica e social, nem de construir um panfleto preconceituoso contra seus habitantes. Isso seria burrice.

O fato é que, apesar da inegável importância de Rio de Janeiro e São Paulo, que polarizam as atenções, o Brasil não pode ser definido por um samba de uma nota só. Isso seria o mesmo que transformar o país em uma massa homogênea com o Corcovado e o Maracanã fincados em cima. É um estereótipo que ninguém faz questão de questionar e, muito menos, mudar. Pelo contrário, só o alimentam. E essa imagem, conseqüentemente, é cada vez mais difundida no exterior ― nossos cineastas, por exemplo, adoram reforçá-la. O que só faz perpetuar, lá fora, um lugar-comum, nunca contestado, sobre o nosso país. Como podemos reclamar de o Brasil ser eternamente visto como um grande campo de futebol, com mulatas e sambistas bebendo caipirinha na arquibancada, se a propaganda oficial faz questão de ratificar essa imagem, não só fora do país, mas, o que é pior, dentro também?

E o mais engraçado é que não se trata de uma questão econômica. Porque se assim fosse, São Paulo, com seu PIB monstruoso, sua produção e agenda de cultura, certamente seria o nosso símbolo nacional, mesmo com sua feiúra cinzenta. Hoje, é difícil imaginar que uma cidade, por mais bela e fascinante que seja, defina tudo que se faz, se vive e se produz em um país com as dimensões do Brasil.

É o mesmo erro que até pouco tempo se cometia com a literatura de Jorge Amado, colocado sempre como o "escritor do Brasil", aquele que, por meio de seus romances, trazia a alma nacional a público. Durante muitos anos, e para muitos ainda hoje, o baiano era o escritor essencialmente brasileiro. Mas será que, agora, a literatura de Jorge Amado dá conta de explicar o país? De certo modo, sim. Mas não por inteiro. Jorge Amado escreveu sobre um Brasil, e, por méritos próprios, foi justamente o Brasil que "pegou", aqui e lá fora. Mas será que é um Brasil inteiramente verdadeiro? Penso que não, é apenas uma parte, importante, é verdade, mas que não consegue explicar o que somos de maneira mais ampla. E é isso que acontece quando o Rio de Janeiro aparece como o retrato do Brasil ideal, aquele que revela nossas raízes mais originais. É uma situação que se perpetua há tempos e que, para desgosto de quem está longe demais das capitais, não dá sinais de esgotamento. Uma pena, pois até que isso mude, seremos todos "cariocas".


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 12/11/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Man in the Arena 100 (e uma história do Gemp) de Julio Daio Borges
02. Desejo do momento é o caramba de Marta Barcellos


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2008
01. O jornalismo cultural no Brasil - 2/1/2008
02. Bukowski e as boas histórias - 15/10/2008
03. Despindo o Sargento Pimenta - 16/7/2008
04. Dobradinha pernambucana - 23/1/2008
05. O óbvio ululante da crônica esportiva - 27/8/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Tragédias Vol 12 Col. Folha Grandes Nomes do Pensamento - Confira!
Sêneca
Folha de S Paulo
(2015)



Mundo Jovem - os Premiados do 1º Concurso Literário Infanto-juvenil
Vários Autores
Círculo do Livro



Revista Asas nº107 - Vive la France, os Warbirds da Aéronavale
Claudio Lucchesi Cavalca - editor
C&r
(2010)



Sistema de Ensino Poliedro; Redação Livro Único
Esther Pereira Silveira Rosado
Poliedro
(2011)



Gestos para Salvar El Planeta
Joaquín Araújo
Lunwerg
(2016)



Revista Marco 3
Instituto de Ciências São Marcos
Instituto de Ciências São Marc



Pesquisa e planejamento econômico vol3
Varios
Ipea
(1973)



Sociedade Civil e Democratização
Leonardo Avritzer Coordenador
Del Rey



Ferrugem
Marcelo Moutinho
Record1
(2017)



Assim se escreve gramática Assim escreveram literatura Brasil - Portugual
Leme Serra Pinho
Epu
(1981)





busca | avançada
75847 visitas/dia
1,8 milhão/mês