O Brasil é carioca | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
37883 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entrevista com Antonio Henrique Amaral
>>> Entrevista com Antonio Henrique Amaral
>>> Entrevista com Antonio Henrique Amaral
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> Espírito de porco
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nine Eleven
>>> E a bomba caiu!
>>> Arte é entropia
>>> Impressões sobre São Paulo
Mais Recentes
>>> Zollinger - Atlas de Cirurgia de E. Christopher Ellison, Robert M. Zollinger pela Guanabara Koogan; (2017)
>>> O Hobbit: A batalha dos cinco exercítos : guia ilustrado de Jude Fisher pela WMF Martins Fontes (2014)
>>> Radiografia da Alma de Pe. Hewaldo Trevisan pela Planeta (2010)
>>> Convênios e outros instrumentos de "Administração Consensual"na Gestão Pública do século XXI - Restrições em Ano Eleitoral de Jessé Torres Pereira Junior e Marinês Restelatto Dotti pela Fórum (2010)
>>> Estalos e Rabiscos - Mãos à Obra Literária de Walter Galvani pela Novaprova (2011)
>>> Distrito Federal Paisagem, População e Poder de Marília Peluso e Washington Candido pela Harbra (2006)
>>> Parto de Mim de Vera Pinheiro pela Pallotti (2005)
>>> Deuses americanos de Neil Gaiman pela Intrínseca (2016)
>>> A Ilha dos Prazeres de André Rangel Rios pela Uapê (1996)
>>> A pequena pianista de Jane Hawking pela Única (2017)
>>> Tradição e Novidade na Ciência da Linguagem de Eugenio Coseriu pela Presença- Usp (1980)
>>> Jovens Sem-Terra - Identidade em movimento de Maria Teresa Castelo Branco pela Ufpr (2003)
>>> Os Segredos das Mulheres Inteligentes de Julia Sokol e Steven Carter pela Sextante (2010)
>>> Lettres et Maximes de Épicure pela Librio (2015)
>>> Um Mundo a Construir de Marta Harnecker pela Expressão Popular (2018)
>>> Da RegenciaÀ Queda de Rozas (Rosas)/ Encadernado de Pandiá Calógeras pela Cia. Ed. Nacional (1940)
>>> Psicoterapia y Relaciones Humanas de Carl Rogers e G. Marian Kinget pela Alfaguarra (1971)
>>> O Vinho no Gerúndio de Júlio Anselmo de Sousa Neto pela Gutenberg (2004)
>>> Michel Foucault, Filosofia e Biopolítica de Guilherme Castelo Branco pela Autêntica (2015)
>>> Vidas Provisórias de Edney Silvestre pela Intrínseca (2013)
>>> Introdução À Arqueologia Brasileira: Etnografia e História de Angyone Costa pela Cia. Ed. Nacional (1938)
>>> A Glória de Euclides da Cunha ; Edição Ilustrada/ Brasiliana de Francisco Venancio Filho pela Cia. Ed. Nacional (1940)
>>> A Glória de Euclides da Cunha ; Edição Ilustrada/ Brasiliana de Francisco Venancio Filho pela Cia. Ed. Nacional (1940)
>>> Viñas, Bodegas & Vinos de Argentina de Austral Spectator pela Austral Spectator (2007)
>>> Alexandre, o Conquistador de Airton de Farias pela Prazer de Ler (2013)
>>> A Fiandeira de Ouro de Sonia Junqueira pela Positivo (2008)
>>> Feudalismo de Airton de Farias pela Prazer de Ler (2013)
>>> Alfabeto de Histórias de Gilles Eduar pela Ática (2008)
>>> As Obsessões de um Executivo Extraordinário: as Quatro Disciplinas... de Patrick Lencioni pela Record/ RJ. (2002)
>>> As Obsessões de um Executivo Extraordinário: as Quatro Disciplinas... de Patrick Lencioni pela Record/ RJ. (2002)
>>> As Obsessões de um Executivo Extraordinário: as Quatro Disciplinas... de Patrick Lencioni pela Record/ RJ. (2002)
>>> Marketing Nas Empresas Brasileiras: Organização de Vendas de Joaquim Carlos da Silva pela Record/ RJ.
>>> Dicionário da Língua Portuguesa de Malthus Oliveira de Queiroz pela Sucesso (2014)
>>> Salgueiro 50 Anos de Glória de Haroldo Costa pela Record (2003)
>>> Mitologia Grega de Pierre Grimal pela L&PM (2009)
>>> Além do Bem e do Mal de F. Nietzsche pela Escala (2005)
>>> La Muerte de la Familia de David Cooper pela Paidos (1974)
>>> La Tentation d'Exiter de E. M. Cioran pela Gallimard (1988)
>>> Os Pioneiros - a Saga da Família Kent- Vol. III de John Jakes pela Record/ RJ.
>>> O Conto da Ilha Desconhecida de José Saramago pela Companhia das Letras (2015)
>>> A Vinda da Família Real para o Brasil de Airton de Farias pela Prazer de Ler (2013)
>>> O Quarto Pato de Índigo pela Positivo (2008)
>>> Sociedade do Cansaço de Byung-Chul Han pela Vozes (2015)
>>> O Tempo Escapou do Relógio de Marcos Bagno pela Positivo (2011)
>>> A Sujeição das Mulheres de Stuart Mill pela Escala (2006)
>>> Admirável Ovo Novo de Paulo Venturelli pela Positivo (2011)
>>> Pequenas Confissões de Georgina Martins pela Positivo (2008)
>>> Fantasma Equilibrista de Tânia Alexandre Martinelli pela Positivo (2009)
>>> A História de Cada Um de Juciara Rodrigues pela Scipione (2010)
>>> Exercícios de Admiração de E. M. Cioran pela Rocco (2011)
COLUNAS

Quarta-feira, 12/11/2008
O Brasil é carioca
Luiz Rebinski Junior

+ de 2300 Acessos

Os cinqüenta anos da Bossa Nova não serviram apenas para celebrar o movimento que colocou a música brasileira no mapa da cultura internacional. A efeméride foi também um exercício de exaltação, praticado por diferentes mídias, das belezas naturais do Rio de Janeiro. A Cidade Maravilhosa, durante as comemorações, foi amplamente citada como a grande fonte de inspiração para a turma do banquinho e violão. Daí a aparição de seus conhecidíssimos cartões-postais em toda e qualquer publicação que tivesse a Bossa Nova como tema. Nada mais natural, afinal, as garotas cheias de graça, gaivotas e barquinhos foram vistos ou imaginados ali, nas belíssimas praias de Ipanema e Copacabana.

Foi mais uma oportunidade para conhecer as belezas de uma cidade que influenciou tantos artistas, não só da Bossa Nova. Mas nem precisava. O brasileiro já está tão acostumado com o charme irresistível da orla carioca que nem mesmo é preciso se deslocar até o Rio para saber quão gostosas e macias são as areias de Ipanema; não é necessário nem mesmo se interessar por cultura para ouvir as irresistíveis histórias acontecidas no Posto 9; nem conhecer a localização exata da Barra da Tijuca para saber que ali é o ponto de encontro de artistas de qualidade duvidosa, sempre em busca de um paparazzo que possa lhes saciar a vontade de ser fotografado.

Assim como não é preciso ir a Paris, lógico, para conferir a elegância intelectual de seus cafés, o Rio de Janeiro se conhece por inteiro apenas ligando a televisão. Ele está lá a todo o momento, da abertura da novela à propaganda da Embratur. A cidade está sempre com os braços abertos a mostrar-se por inteira, exatamente como o seu maior cartão-postal, o Cristo Redentor. E se você desliga a televisão e vai ao cinema, lá está ela novamente, na abertura do filme nacional patrocinado pela Ancine (todos, né?!), com o Cristo sendo filmado em uma tomada panorâmica, que é para não deixar dúvidas de sua esplendorosa beleza. No Brasil, é praticamente impossível não se sentir parte do Rio de Janeiro, ainda que a região em que você more não tenha absolutamente nada a ver com a cidade de Machado de Assis. E o jeito do carioca viver, virou o jeito do brasileiro. Não importam as diferenças geográficas, climáticas e culturais, é no carioca que se encontra a essência do brasileiro: a alegria, a espontaneidade, o carisma e aquele jeito especial de deixar a vida correr solta, exatamente como canta o grande poeta Zeca Pagodinho em um de seus clássicos. Ou seja, somos todos um pouquinho cariocas. E não adianta lutar contra. O estereótipo ideal do brasileiro vem sendo burilado há décadas, no mínimo desde as bananas de Carmen Miranda. E vem dando certo, muito certo.

Mas serviria de alento, pelo menos, se essa idéia forjada fosse apenas mais um golpe de marketing (burro, é claro) para vender nossa "tropicalidade" aos gringos, sempre sedentos pelo exotismo de nossa terra. Mas o pior de tudo é que isso não é apenas um conceito tipo exportação. Não, é algo disseminado como regra em todo país. Não há escapatória, more onde morar, viva como viver, faça o que fizer. Somos todos um só, bem moreninhos e alegres.

E as explicações para esse fenômeno são tão despropositadas quanto o fato em si. A mais comum delas é a que diz ter o Rio de Janeiro "o melhor e o pior do Brasil", ou seja, a síntese ideal. A frase é de uma imbecilidade de doer. Como se os problemas do Brasil se resumissem às favelas cariocas e, nossas qualidades, às belezas naturais da cidade. É um pensamento, no mínimo, preguiçoso, reducionista e pobre. Foi-se o tempo em que o Rio era a casa do rei. Os tempos mudaram e, de lá para cá, muitos Brasis se formaram, com peculiaridades tão fortes e marcantes quanto os traços que definem a Cidade Maravilhosa e seus habitantes. Não se trata, é claro, de negar os atributos da cidade e sua importância histórica e social, nem de construir um panfleto preconceituoso contra seus habitantes. Isso seria burrice.

O fato é que, apesar da inegável importância de Rio de Janeiro e São Paulo, que polarizam as atenções, o Brasil não pode ser definido por um samba de uma nota só. Isso seria o mesmo que transformar o país em uma massa homogênea com o Corcovado e o Maracanã fincados em cima. É um estereótipo que ninguém faz questão de questionar e, muito menos, mudar. Pelo contrário, só o alimentam. E essa imagem, conseqüentemente, é cada vez mais difundida no exterior ― nossos cineastas, por exemplo, adoram reforçá-la. O que só faz perpetuar, lá fora, um lugar-comum, nunca contestado, sobre o nosso país. Como podemos reclamar de o Brasil ser eternamente visto como um grande campo de futebol, com mulatas e sambistas bebendo caipirinha na arquibancada, se a propaganda oficial faz questão de ratificar essa imagem, não só fora do país, mas, o que é pior, dentro também?

E o mais engraçado é que não se trata de uma questão econômica. Porque se assim fosse, São Paulo, com seu PIB monstruoso, sua produção e agenda de cultura, certamente seria o nosso símbolo nacional, mesmo com sua feiúra cinzenta. Hoje, é difícil imaginar que uma cidade, por mais bela e fascinante que seja, defina tudo que se faz, se vive e se produz em um país com as dimensões do Brasil.

É o mesmo erro que até pouco tempo se cometia com a literatura de Jorge Amado, colocado sempre como o "escritor do Brasil", aquele que, por meio de seus romances, trazia a alma nacional a público. Durante muitos anos, e para muitos ainda hoje, o baiano era o escritor essencialmente brasileiro. Mas será que, agora, a literatura de Jorge Amado dá conta de explicar o país? De certo modo, sim. Mas não por inteiro. Jorge Amado escreveu sobre um Brasil, e, por méritos próprios, foi justamente o Brasil que "pegou", aqui e lá fora. Mas será que é um Brasil inteiramente verdadeiro? Penso que não, é apenas uma parte, importante, é verdade, mas que não consegue explicar o que somos de maneira mais ampla. E é isso que acontece quando o Rio de Janeiro aparece como o retrato do Brasil ideal, aquele que revela nossas raízes mais originais. É uma situação que se perpetua há tempos e que, para desgosto de quem está longe demais das capitais, não dá sinais de esgotamento. Uma pena, pois até que isso mude, seremos todos "cariocas".


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 12/11/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Gleiser, o cientista pop de Tais Laporta


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2008
01. O jornalismo cultural no Brasil - 2/1/2008
02. Bukowski e as boas histórias - 15/10/2008
03. Despindo o Sargento Pimenta - 16/7/2008
04. O óbvio ululante da crônica esportiva - 27/8/2008
05. Dobradinha pernambucana - 23/1/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BRINCANDO COM FOGO
GORDON RANSAY
BEST SELLER
(2010)
R$ 30,00



METODOLOGIA PARTICIPATIVA: UMA INTRODUÇÃO A 29 INSTRUMENTOS
MARKUS BROSE
TOMO EDITORIAL
(2010)
R$ 47,00



DICIONÁRIO BÁSICO ESCOLAR DE FILOSOFIA - 1ª ED. - MAIS DE 360 VERBETES
MARLY N. PERES
GLOBAL
(2013)
R$ 49,95



DOUBLE TAKE: AN FBI THRILLER FIRST TIME IN PAPERBACK
CATHERINE COULTER
BERKLEY
(2008)
R$ 31,28



CONSTRUÇÃO DA INTELIGÊNCIA PELA CRIANÇA
MARIA DA GLÓRIA SEBER
SCIPIONE
(1995)
R$ 10,00



PROCESSO PENAL - PERGUNTAS E RESPOSTAS
CAPEZ FERNANDO
SARAIVA
(2008)
R$ 26,28



FESTA NO CEU
MATEUS RIOS; MARIA VIANA
POSITIVO LIVROS
(2013)
R$ 25,00



DIREITO CONSTITUCIONAL DESCOMPLICADO
VICENTE PAULO . MARCELO ALEXANDRINO
METODO
(2009)
R$ 50,00



CASA DE BONECAS
HENRIK IBSEN
NOVA CULTURAL
(2003)
R$ 26,91
+ frete grátis



A ESCOLA EM CUBA - IMPRESSÕES DE UMA EDUCADORA BRASILEIRA
TANIA ZAGURY
BRASILIENSE
(1988)
R$ 11,49





busca | avançada
37883 visitas/dia
1,3 milhão/mês