Rita Lee Jones (1947-2023) | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
67107 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Filó Machado encerra circulação do concerto 60 Anos de Música com apresentação no MIS
>>> Mundo Suassuna, no Sesc Bom Retiro, apresenta o universo da cultura popular na obra do autor paraiba
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha”: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
>>> Tião Carvalho participa de Terreiros Nômades Encontro com a Comunidade que reúne escola, família e c
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entrevista com Ruy Castro
>>> Diga: trinta e três
>>> O Casal 2000 da literatura brasileira
>>> Lucas vs. Spielberg
>>> Do desprezo e da admiração
>>> A pulsão Oblómov
>>> Arte Brasileira Hoje: um arquipélago
>>> Sobre o som e a fúria
>>> O fim do livro, não do mundo
>>> Jornal: o cadáver impresso
Mais Recentes
>>> Que Es El Tiempo ? de Damm Antje pela Iamique (2011)
>>> A Colonização Alemã no Rio Grande do Sul de Aldair Marli Lando; Eliane Cruxên Barros pela Movimento (1982)
>>> Encontro Poesia Brasília de Arisnaldo dos Santos Januário pela Da Autore (1984)
>>> Onde Moras? Moradia e Fraternidade de Campanha da Fraternidade pela Aec (1993)
>>> Festa na Floresta Itaúna de Márcia Regina Morais pela Vile (2008)
>>> Anime Do Especial Número 9 Dragon Ball de Lisa Matsuzaka pela Escala
>>> Revista Anime Do Número 5 de Lilian Maruyama pela Escala
>>> Defensores de Tóquio Número 3 de Eduardo Leão pela Trama
>>> O Castelo De Otranto de Horace Walpole pela Nova Alexandria (1996)
>>> O Ânus Solar de Georges Bataille pela Hiena (1985)
>>> O Perigo das Radiações de Jack Schubert; Ralph E. Lapp pela Ibrasa (1960)
>>> Apometria: Um instrumento para a harmonia e para a felicidade a nova ciencia da alma de J S Godinho pela Holus (2012)
>>> The Little Prince de Antoine de Saint-Exupéry pela Harbrace (1971)
>>> Livro MILAGRES de Vera Nappi pela A Vida é Bela (2003)
>>> Você Pode Curar Sua Vida 126ª edição. de Louise L Hay pela Best Seller (2021)
>>> Livro CANTO ALGUM de Flávia Reis pela Reformátório (2020)
>>> Apologia de Sócrates - clássicos de bolso ediouro de Platão ( tradução de Maria Lacerda de Moura) pela Ediouro (2002)
>>> Mediunidade e Apometria: Terapêutica e Apometria edição. revista e atualizada de J S Godinho pela Holus (2012)
>>> Livro Mulher V Moderna, à moda antiga de Cristiane Cardoso pela Thomas Nelson (2013)
>>> Der Kleine Prinz de Antoine de Saint-Exupéry pela Harbrace (1971)
>>> Der Kleine Prinz de Antoine de Saint-Exupéry pela Karl Rauch
>>> Brief an Den Vater de Franz Kafka pela Fischer (1989)
>>> Sonhos de Bunker Hill de John Fante pela L&pm (2003)
>>> I Ching - O Livro das Mutações de Desconhecido pela Trevo (2004)
>>> O Mistério dos Temperamentos de Rudolf Steiner pela Antroposofica (1994)
COLUNAS

Terça-feira, 9/5/2023
Rita Lee Jones (1947-2023)
Julio Daio Borges
+ de 2100 Acessos

Quando Kurt Cobain veio ao Brasil, em 1993, fez questão de reconhecer a importância dos Mutantes numa entrevista à MTV.

E quando “Technicolor”, o álbum perdido dos Mutantes, enfim teve seu lançamento, em 1999, quem ilustrou o encarte foi Sean Lennon (sim, o herdeiro de John & Yoko).

Só por ter feito parte desse trio, junto aos irmãos Arnaldo Baptista e Sérgio Dias, Rita Lee já teria um lugar na música brasileira.

Mas não ficou nisso. O rock era pouco e os Mutantes não só participaram do antológico “Tropicália”, de 1968, como lhe deram um subtítulo: “Panis et Circenses” (o mesmo da canção homônima).

A importância do Tropicalismo é menos teórica - que a do Modernismo e dos modernistas - mas, inspirando-se na Antropofagia, tentou conciliar, em música, o rock e o pop, que vinham de fora, com a nossa tradição de bossa-nova, samba-canção, samba “tout court” - e uma infinidade de outros ritmos.

E Rita Lee - tanto quanto Caetano Veloso, Gilberto Gil e Gal Costa - foi a encarnação disso. Se os baianos descendiam assumidamente de João Gilberto, Tom Jobim e Dorival Caymmi, Rita e os Mutantes foram contemporâneos dos Beatles, Arnaldo Baptista poderia ser o nosso Syd Barrett e Sérgio Dias, o nosso primeiro “guitar hero”.

Que essa turma pra lá de heterogênea tenha se trombado no Brasil foi, para nós, uma benção dos deuses da música. Se não fosse por isso, jamais teríamos performances como a de “Domingo no Parque”, com os Mutantes, e discos como o “Transa”, de Caetano, e o “Gilberto Gil” de 1971 (seu clássico em inglês).

Sem contar o dueto entre Rita Lee e o mestre dos baianos, João Gilberto, em 1980: “Seja em Paris/ ou nos Brasis// Mesmo distantes/ Somos constantes// Tudo nos une/ Que coisa rara/ No amor, nada nos separa”. Uma marchinha da Era de Ouro, dos anos 30 - mas cuja letra prenuncia a relação da “roqueira” com o cancioneiro de seu país.

Não por acaso, ensaiando “Desculpe o auê”, antes de executá-la no Parque do Ibirapuera, João Gilberto queria saber se era bossa-nova ou o que era... A compositora não soube responder.

Do mesmo jeito que não soube responder a Mick Jagger - quando abriu para os Rolling Stones, no Brasil - sobre o uso de uma imagem de Nossa Senhora. O autor de “Sympathy for the devil” não entendia o sincretismo religioso da ovelha-negra-da-família...

E por falar em bossa’n’roll, mereceu um dueto com “a maior cantora do Brasil” - sim, Gal Costa, que elevou “Mania de Você” às alturas. Como, aliás, fez Elis Regina, em 1980 - pois “pra variar, estamos em guerra”...

“Você não imagina a loucura”...

Como se não bastasse, ainda gravou “Mania de Você” com Milton Nascimento - cuja versão ele santificou - e um “ao vivo” inteiro com o Gilberto Gil da fase “Re”: “Refestança”(1977).

Isso tudo e nem falamos de sua parceria com Roberto de Carvalho, originalmente um roqueiro, que, a partir dos anos 80, transformou Rita Lee num ícone da cultura pop, conquistando as paradas de sucesso e as trilhas sonoras das novelas.

E quase chegou a se reunir com os irmãos Dias Baptista, para um “bis”, num show seu - mas ressentimentos, mágoas e traumas não permitiram uma ressurreição dos Mutantes originais, antes de Kurt Cobain, e de Sean Lennon.

Ainda poderíamos falar da feminista, no bom sentido e “avant la lettre”. Também da escritora best-seller. Da debatedora, em “Saia Justa”, com Mônica Waldvogel. Sem contar a mãe, de Beto Lee, e a avó...

Rita Lee foi muita coisa para muitas pessoas.

Por ter, mais ou menos, a idade dos meus pais, Rita Lee foi, na minha infância, como uma tia festiva, barulhenta e extravagante. Na juventude, uma artista sensível de quem ouvi a discografia, relançada em CD. E, na idade adulta, uma personalidade que se deu ao trabalho de responder a um texto meu, sobre um disco seu.

Anos depois, tivemos a oportunidade de publicar um texto seu no Digestivo. E, quando eu disse à estagiária que ela poderia colocar no ar, meio descrente ainda me perguntou: “Mas como assim? É a Rita Lee? Rita Lee???”.

Como se tivesse outra...

À Lovely Rita que um dia me chamou de “James Dean” (por causa das minhas inciais), desejo que “rest in peace” - ou, então, que festeje “ad aeternum” na companhia de Raul Seixas, Cazuza e Renato Russo (entre tantos outros)!

Nota do Editor
Leia também "Orra, meu" e "A Mina de Sampa".


Julio Daio Borges
São Paulo, 9/5/2023

Quem leu este, também leu esse(s):
01. O tipógrafo-artista Flávio Vignoli: entrevista de Ronald Polito
02. Ultratumba de Renato Alessandro dos Santos
03. Rabhia: 1 romance policial moçambicano de Renato Alessandro dos Santos
04. As fitas cassete do falecido tio Nelson de Elisa Andrade Buzzo
05. Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros de Elisa Andrade Buzzo


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2023
01. Minha história com o Starbucks Brasil - 5/11/2023
02. Pelé (1940-2022) - 30/1/2023
03. Olimpíada de Matemática com a Catarina - 2/9/2023
04. Diogo Salles no Roda Viva - 30/5/2023
05. Rita Lee Jones (1947-2023) - 9/5/2023


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Obesidade Doença da Civilização - Mitos e Verdades
Mário Negreiros dos Anjos
Cultura Médica
(1983)



Manual do Contador Sobre o Imposto de Renda - Pessoa Jurídica
Fernández Jinzenji
Atlas
(1981)



Os Pingos Alegria Alegria
Mary Franca
Global
(2012)



Competing on the Edge: Strategy as Structured Chaos
Kathlemm M. Eisenhardt
Hbs Press
(1998)



Direito Civil Família e Sucessões
Fernando Frederico
Manole
(2012)



Portais Corporativos a Revolução na Gestão do Conhecimento
José Cláudio Cyrineu Terra
Negócio
(2002)



Será
Ivan Hegenberg
Ragnarok
(2007)



Em busca do príncipe encantado
Bradley Trevor Greive
Sextante
(2002)



Evair o Matador
Evair Paulino; Renato de Sá
Zinnerama
(2017)



Bibliolycée - Bérénice, Racine
Marie-Henriette BRU
Hachette
(2003)





busca | avançada
67107 visitas/dia
2,1 milhões/mês