Rita Lee Jones (1947-2023) | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
58588 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Espetáculo teatral Odila chega ao interior de Caxias do Sul
>>> Empresário caxiense que instalou complexo de energia em aldeia indígena no Acre lança documentário
>>> Fernanda Porto lança música e videoclipe em homenagem a Gal Costa
>>> 75% dos líderes de marketing veem a IA generativa como ferramenta criativa essencial
>>> Printed Editions Online Print Fair
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Olimpíada de Matemática com a Catarina
>>> Mas sem só trapaças: sobre Sequências
>>> Insônia e lantanas na estreia de Rafael Martins
>>> Poesia sem oficina, O Guru, de André Luiz Pinto
>>> Ultratumba
>>> The Player at Paramount Pictures
>>> Do chão não passa
>>> Nasce uma grande pintora: Glória Nogueira
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
>>> Charges e bastidores do Roda Viva
Colunistas
Últimos Posts
>>> Como enriquecer, segundo @naval (2019)
>>> Walter Isaacson sobre Elon Musk (2023)
>>> Uma história da Salon, da Slate e da Wired (2014)
>>> Uma história do Stratechery (2022)
>>> Uma história da Nvidia (2023)
>>> Daniel Mazini, country manager da Amazon no Brasil
>>> Paulo Guedes fala pela primeira vez (2023)
>>> Eric Santos sobre Lean Startup (2011)
>>> Ira! no Perdidos na Noite (1988)
>>> Legião Urbana no Perdidos na Noite (1988)
Últimos Posts
>>> CHUVA
>>> DECISÃO
>>> AMULETO
>>> Oppenheimer: política, dever e culpa
>>> Geraldo Boi
>>> Dê tempo ao tempo
>>> Olá, professor Lúcio Flávio Pinto
>>> Jazz: 10 músicas para começar II
>>> Não esqueci de nada
>>> Júlia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Acho que entendi o Roberto Setubal
>>> Flip 2005
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> Arte sem limites
>>> BBB, 1984 e FEBEAPÁ
>>> Costume Bárbaro
>>> Infinitely Fascinating People
>>> Era uma vez um inverno
>>> A Auto-desajuda de Nietzsche
Mais Recentes
>>> Chatô: o rei do Brasil de Fernando Morais pela Companhia das Letras (1994)
>>> A Inclusão de Trabalhadores Com Deficiência na Construção Pesada de Caroline Melloni Moraes do Nascimento Cliver pela Rg (2018)
>>> The New Race Question: How the Census Counts Multiracial Individuals de Joel Perlmann pela Russell Sage Foundation (2002)
>>> 102 Minutos. A História Inédita Da Luta Pela Vida Nas Torres Gêmeas de Jim Dwyer pela Zahar (2005)
>>> Literatura Da Cultura De Massa de Waldenyr Caldas pela Musa (2000)
>>> Changing Lives: Gustavo Dudamel, El Sistema, and the Transformative Power of Music de Tricia Tunstall pela W. W. Norton & Company (2012)
>>> Os contos de Beedle, o Bardo de J.K. Rowling pela Rocco (2008)
>>> S.O.S Ong de José Alberto Tozzi pela Gente (2015)
>>> Histórias do Grande Mestre de Ellen G. White pela Cpb (2014)
>>> Trajetorias De Grandes Lideres - Carreira De Pessoas Que Fizeram A Dif de Lucinda Watson pela Negócio (2001)
>>> Everest - escalando a face norte de Matt Dickison pela Gaia (2007)
>>> A Vida do Bebê de Rinaldo de Lamare pela Agir (2014)
>>> A hora da vingança de George Jonas pela Record (2006)
>>> Google Adwords - A Arte Da Guerra de Ricardo Vaz Monteiro pela Brasport (2007)
>>> Manicômios, Prisões E Conventos de Goffman, Erving pela Perspectiva (1987)
>>> Jornada Nas Estrelas - Memorias de William Shatner pela Nova Fronteira (1993)
>>> Sete casos do detetive Xulé de Ulisses Tavares pela Saraiva (2010)
>>> Mudando o seu destino: novos instrumentos dinâmicos de astrologia e de visualização para formar o seu futuro de Richard Zarro pela Summus (1991)
>>> Como Deus cura a dor de Gabriel García Márquez pela Record (1996)
>>> Como Deus cura a dor de Mark Baker pela Sextante (2008)
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis pela Martin Claret (2008)
>>> The Landmark Dictionary - para estudantes brasileiros de inglês de Richmond pela Richmond (2008)
>>> Sherlock Holmes: Um Estudo em Vermelho de Sir Arthur Conan Doyle pela Melhoramentos (2011)
>>> Sherlock Holmes: O Signo dos Quatro de Sir Arthur Conan Doyle pela Melhoramentos (2011)
>>> Bíblia Sagrada - Ed. de Promessas de Vários pela King's Cross
COLUNAS

Terça-feira, 9/5/2023
Rita Lee Jones (1947-2023)
Julio Daio Borges
+ de 1700 Acessos

Quando Kurt Cobain veio ao Brasil, em 1993, fez questão de reconhecer a importância dos Mutantes numa entrevista à MTV.

E quando Technicolor, o álbum perdido dos Mutantes, enfim teve seu lançamento, em 1999, quem ilustrou o encarte foi Sean Lennon (sim, o herdeiro de John & Yoko).

Só por ter feito parte desse trio, junto aos irmãos Arnaldo Baptista e Sérgio Dias, Rita Lee já teria um lugar na música brasileira.

Mas não ficou nisso. O rock era pouco e os Mutantes não só participaram do antológico Tropicália, de 1968, como lhe deram um subtítulo: Panis et Circenses (o mesmo da canção homônima).

A importância do Tropicalismo é menos teórica - que a do Modernismo e dos modernistas - mas, inspirando-se na Antropofagia, tentou conciliar, em música, o rock e o pop, que vinham de fora, com a nossa tradição de bossa-nova, samba-canção, samba tout court - e uma infinidade de outros ritmos.

E Rita Lee - tanto quanto Caetano Veloso, Gilberto Gil e Gal Costa - foi a encarnação disso. Se os baianos descendiam assumidamente de João Gilberto, Tom Jobim e Dorival Caymmi, Rita e os Mutantes foram contemporâneos dos Beatles, Arnaldo Baptista poderia ser o nosso Syd Barrett e Sérgio Dias, o nosso primeiro guitar hero.

Que essa turma pra lá de heterogênea tenha se trombado no Brasil foi, para nós, uma benção dos deuses da música. Se não fosse por isso, jamais teríamos performances como a de Domingo no Parque, com os Mutantes, e discos como o Transa, de Caetano, e o Gilberto Gil de 1971 (seu clássico em inglês).

Sem contar o dueto entre Rita Lee e o mestre dos baianos, João Gilberto, em 1980: Seja em Paris/ ou nos Brasis// Mesmo distantes/ Somos constantes// Tudo nos une/ Que coisa rara/ No amor, nada nos separa. Uma marchinha da Era de Ouro, dos anos 30 - mas cuja letra prenuncia a relação da roqueira com o cancioneiro de seu país.

Não por acaso, ensaiando Desculpe o auê, antes de executá-la no Parque do Ibirapuera, João Gilberto queria saber se era bossa-nova ou o que era... A compositora não soube responder.

Do mesmo jeito que não soube responder a Mick Jagger - quando abriu para os Rolling Stones, no Brasil - sobre o uso de uma imagem de Nossa Senhora. O autor de Sympathy for the devil não entendia o sincretismo religioso da ovelha-negra-da-família...

E por falar em bossanroll, mereceu um dueto com a maior cantora do Brasil - sim, Gal Costa, que elevou Mania de Você às alturas. Como, aliás, fez Elis Regina, em 1980 - pois pra variar, estamos em guerra...

Você não imagina a loucura...

Como se não bastasse, ainda gravou Mania de Você com Milton Nascimento - cuja versão ele santificou - e um ao vivo inteiro com o Gilberto Gil da fase Re: Refestança(1977).

Isso tudo e nem falamos de sua parceria com Roberto de Carvalho, originalmente um roqueiro, que, a partir dos anos 80, transformou Rita Lee num ícone da cultura pop, conquistando as paradas de sucesso e as trilhas sonoras das novelas.

E quase chegou a se reunir com os irmãos Dias Baptista, para um bis, num show seu - mas ressentimentos, mágoas e traumas não permitiram uma ressurreição dos Mutantes originais, antes de Kurt Cobain, e de Sean Lennon.

Ainda poderíamos falar da feminista, no bom sentido e avant la lettre. Também da escritora best-seller. Da debatedora, em Saia Justa, com Mônica Waldvogel. Sem contar a mãe, de Beto Lee, e a avó...

Rita Lee foi muita coisa para muitas pessoas.

Por ter, mais ou menos, a idade dos meus pais, Rita Lee foi, na minha infância, como uma tia festiva, barulhenta e extravagante. Na juventude, uma artista sensível de quem ouvi a discografia, relançada em CD. E, na idade adulta, uma personalidade que se deu ao trabalho de responder a um texto meu, sobre um disco seu.

Anos depois, tivemos a oportunidade de publicar um texto seu no Digestivo. E, quando eu disse à estagiária que ela poderia colocar no ar, meio descrente ainda me perguntou: Mas como assim? É a Rita Lee? Rita Lee???.

Como se tivesse outra...

À Lovely Rita que um dia me chamou de James Dean (por causa das minhas inciais), desejo que rest in peace - ou, então, que festeje ad aeternum na companhia de Raul Seixas, Cazuza e Renato Russo (entre tantos outros)!

Nota do Editor
Leia também "Orra, meu" e "A Mina de Sampa".


Julio Daio Borges
São Paulo, 9/5/2023

Quem leu este, tambm leu esse(s):
01. Um inverno sem censura aos fatos de Vicente Escudero
02. Baco está vivo e faz 4000 anos de Rafael Lima


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges
01. Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges - 29/1/1974
02. Freud e a mente humana - 21/11/2003
03. A internet e o amor virtual - 5/7/2002
04. É Julio mesmo, sem acento - 1/4/2005
05. Frida Kahlo e Diego Rivera nas telas - 25/4/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




/Zé Carioca N 2309
Walt Disney
Abril
(2007)



Episódio da Vida de Tibério
J. W. Rochester psicografado por Vera Kryzhanovskaia
Lake
(1999)



Política Educacional Brasileira - Volume 1
João Cardoso Palma Filho
Cte
(2005)



A Mortalha de Ferro Ou a Vingança Italiana - Raridades do Conto Gótico
William Mudford / Carlos Primati - Tradução
Sebo Clepsidra
(2021)



Casais Trocados
John Updike
Abril
(1982)



O Universo dos Números - 4ª Ed (Raro Exemplar)
Charles Vega Parucker
Amorc
(1988)



Livro Psicologia Desenvolvimento Matemático na Criança Explorando Notações
Barbara M Brizuela
Artmed
(2006)



Livro Infanto Juvenis Meu Irmão Corre Atrás dos Dinossauros Minha história e de Giovanni, que tem um cromossomo a mais
Giacomo Mazzariol
Paulinas
(2019)



Os Segredos da Alimentacao Saudavel
Barry Glassner
Larousse
(2007)



Ler, Viver e Amar
Jennifer Kaufman
Casa da Palavra
(2011)





busca | avançada
58588 visitas/dia
1,7 milhão/mês