Do Manhattan Connection ao Saia Justa | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
61479 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Ambulantes faz show de seu novo disco na Casa de Cultura Chico Science
>>> SESI São José dos Campos apresenta a exposição J. BORGES - O Mestre da Xilogravura
>>> Festival gratuito, diurno, 8o.Festival BB Seguros de Blues e Jazz traz grandes nomes internacionais
>>> Bruno Portella ' Héstia: A Deusa do Fogo ' na Galeria Alma da Rua I
>>> Pia Fraus comemora 40 anos com estreia de espetáculo sobre a vida dos Dinossauros do Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
>>> Felipe Miranda e Luiz Parreiras (2024)
>>> Caminhos para a sabedoria
>>> Smoke On the Water (2024)
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
Últimos Posts
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Rita de Cássia Oliveira
>>> Bel Ami, da obra de Maupassant
>>> Os filmes de Frederico Füllgraf
>>> Cinema em Atibaia (III)
>>> Jornalismo de todos para todos
>>> Das boas notícias
>>> Sociologia de um gênio
>>> A arqueologia secreta das coisas
>>> Mahalo
>>> O iPad não é coisa do nosso século
Mais Recentes
>>> The Secret Passage Stage 4 - A2 de Paloma Bellini pela Hub (2011)
>>> Pluralidade como corolário da liberdade sindical de Cláudio Cesar Grizi Oliva pela Ltr (2011)
>>> Pela Moldura da Janela de Lourdinha Leite Barbosa pela Topbooks (2011)
>>> Administração Financeira de A. a Groppelli e Ehsan Nikbakht pela Saraiva (2010)
>>> Client/server Architecture de Alex Berson pela Mc Graw Hill (1992)
>>> Caso Em Família de Rex Stout pela Francisco Alves (1977)
>>> Farewell de Carlos Drummond de Andrade pela Record (1996)
>>> Sessenta Anos Passados: Estórias de um Médico Não Especialista de Affonso Renato Meira pela Scortecci (2016)
>>> The New Direct Marketing: How to Implement a Profit-driven... de David Shepard Association pela Irwin Professional Pub (1998)
>>> A Graça da Coisa- 25ªedição de Martha Medeiros pela L&pm Editores (2013)
>>> Metapesquisa Em Comunicação - o Interacional e Seu Capital Teórico.. de Maria Ângela Mattos pela Sulina (2018)
>>> Linguagem e Persuasão - 8ªrevista e Atualizada de Adilson Citelli pela Atica (2004)
>>> O Melhor da Super de Alexandre Versignassi pela Abril (2013)
>>> Psicologia Educacional de Nelson Piletti pela Ática (2008)
>>> O que é Pesquisa em Educação? de Potiguara Ácacio pereira pela Paulus (2005)
>>> Quando a graça de Deus nos toca de PR. Marcio Valadão pela Igreja batista da alagoinha (2009)
>>> Os Grandes Mitos da Feminilidade de Iwonka Blasi pela Record Rosa dos Tempos (1996)
>>> Andanças de Oroncio Vaz de Arruda Filho pela Nobel (1987)
>>> Curso de Direito do Trabalho de Amauri Mascaro Nascimento pela Manole (2010)
>>> Novo Codigo de Processo Civil ao Alcance de Todos de Marcelo Fonseca Guerreiro; Larissa Moreira Zottis pela Ltr (2016)
>>> Comentário ao Regime Processual Experimental de Luis Filipe Brites Lameiras pela Almedina (2007)
>>> Manual de Direito Processual do Trabalho. de Acordo Com o Novo Pcp de Mauro Schiavi pela Ltr (2016)
>>> Bate-papos Educacionais na Internet de Erisana Célia pela Appris (2019)
>>> Motivación 360 de David Fischman / Lennia Matos pela Gestion 2000 (2014)
>>> O Saber e Seus Embates de Cesar Augusto Battisti; Joao Antonio pela Sulina (2016)
COLUNAS

Sexta-feira, 17/5/2002
Do Manhattan Connection ao Saia Justa
Julio Daio Borges
+ de 17900 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Qualquer que seja o caminho para uma programação televisiva inteligente, ele necessariamente passa pelos canais a cabo. Para quem faz crítica de tevê, é muito mais confortável apedrejar as atrações transmitidas em sinal aberto do que encarar filmes, documentários e séries de uma GNT, de um Telecine ou mesmo de um People+Arts. Nossos críticos preferem partir para o ataque intelectualmente desproporcional (perseguindo o ibope desse ou daquele mascate eletrônico) a enfrentar uma peleja de idéias que pode se revelar interessante, como a que antes norteava o Manhattan Connection e que hoje norteia o Saia Justa.

Os programas em formato de debate não são novos na tevê, mas sua receita não parece fácil de ser encontrada. Aqueles em que os debatedores variam a cada semana, como o Roda-Vida da TV Cultura, parecem depender de alguma conjuração astral que não se repete a cada edição. Pode ser que o esquema de perguntas e respostas incite a troca de idéias, pode ser que não. Pode ser que o entrevistado sinta um ambiente favorável para falar, pode ser que não. Pode ser que surjam mal-entendidos e rusgas, e pode ser que não. É impossível dispor de qualquer garantia que permita ao programa repetir o sucesso desta semana na próxima - ou mesmo impedi-lo que caia na monotonia ou na vala comum de um "jornal da tosse".

A saída, às vezes, parece estar no número fixo e reduzido de debatedores, todos com personalidades mais ou menos definidas, permitindo ao telespectador identificar-se com esse ou aquele ao longo do programa. Assim era, por exemplo, o Manhattan Connection. Uma mistura de sadismo e de curiosidade, por parte do público, aguardava o instante em que Caio Blinder defenderia suas teses e que Paulo Francis partiria celerado para o ataque, reduzindo normalmente a pó seu contumaz adversário. Mas, para a surpresa geral, nem sempre 100% da audiência torcia pelo último (em detrimento do primeiro); muitos endossavam as teses do inventor do "Instituto Paulo Francis" (com seus números tirados da cartola), dando a Blinder força para continuar como "advogado do diabo" e assegurando que o mesmo pugilato verbal se repetiria na próxima edição.

Com a morte de Francis, porém, a anarquia e a descompostura do intelectual desencantado se perderam, fazendo do Manhattan Connection um programa morno, em que todos os discursos estavam mais ou menos de acordo. Aquele princípio de instabilidade, que chacoalhava as noites de domingo e que destoava do tom oficialesco da programação no mesmo horário, de repente, cedeu lugar à alternância de convidados que, por isso mesmo, não tinham como pôr fogo na discussão. É provável também que o processo de 100 milhões de dólares contra Paulo Francis, a partir de suas declarações lá, tivesse esfriado o ânimo da direção do programa por polêmicas mais acaloradas. O fato é que a fórmula não se repetiu mais.

A formação atual do Manhattan Connection não conta nem com Paulo Francis nem com Nélson Motta, que se transferiu definitivamente para o Rio de Janeiro. No lugar deles, entraram Arnaldo Jabor e Lúcia Guimarães. O primeiro encarnou os anseios do País inteiro por um intelectual suficientemente iconoclasta mas que, ao mesmo tempo, se encaixasse no sistema. Jabor representa, paradoxalmente, a voz da independência e a voz dos donos do poder. Mais ou menos como José Simão, na Folha. Mais ou menos como Diogo Mainardi, em Veja. Já Lúcia Guimarães é a presença feminina que faltava ao programa. Jornalista competente, demonstrou muita desenvoltura diante dos colegas homens e preparou, indiretamente, o caminho para as estrelas do Saia Justa.

O Saia Justa não é, portanto, a versão feminina do Manhattan Connection. Embora a feminilidade esteja presente quase o todo tempo, ela não é usada em contraposição aos temas sisudos e sérios, discutidos em Nova York por aqueles senhores de terno. O foco está mais em como a "mulher de hoje" (esse ente indefinível) encara as transformações e os acontecimentos à sua volta, no Brasil e no mundo. E nada melhor do que mulheres representativas, cada uma no seu segmento, para enquadrar cada tema, discorrer e - quem sabe - debater sobre ele.

Assim, mantendo o paralelo com o Manhattan Connection, Mônica Waldvogel faz exatamente o papel de Lucas Mendes: apresenta, sugere as pautas, conduz a conversa e segura os ânimos (quando esses se exaltam). Aquariana da liberdade, da igualdade e da fraternidade não mostra sinais de que vá defender alguma posição com unhas e dentes (ainda que o seu testemunho seja invocado pelas companheiras, de tempos em tempos). Rita Lee, seguindo na ascendente da menor para a maior participação, insinua-se como um híbrido entre Paulo Francis e Nélson Motta. Do primeiro carrega as convicções de que não arreda o pé (como aquela acerca de estupradores e pedófilos) e do segundo, o bom humor e a disposição para o deboche (principalmente quando a temperatura começa a se elevar).

Sobram Fernanda Young e Marisa Orth. É justamente nelas que o telespectador deve depositar todas as suas esperanças, se quiser ver um debate acalorado e um pugilato de idéias. Fernanda Young é a mais jovem e, por isso mesmo, a mais agitada e irrequieta das quatro. Apesar da cabeça raspada, das tatuagens e da indumentária punk, é escritora, roteirista e defensora de instituições seculares como a família e o casamento. Por essas e por outras, já bateu de frente com Marisa Orth: atriz, cantora e entusiasta dos relacionamentos modernos (entre homens e mulheres), os mesmos que não carregam o peso da eternidade e a obrigação de dar certo. Ambas, por lidar com a palavra escrita, revelaram-se articuladas e energicamente dispostas a fazer valer seus pontos de vista. Não têm a mesma responsabilidade de uma Waldvogel (de dirigir a orquestra) e nem a serenidade de uma Rita Lee Jones (assentada e desinteressada nas querelas).

De domingo passamos então à quarta-feira. Dos engravatados, às quatro descontraídas do GNT.

Nem tudo são flores, no entanto. A ausência de regras, a falta de quadros fixos e a excessiva liberdade do Saia Justa podem estar com os seus dias contados. As atrações ao vivo andam mais monitoradas do que nunca; um escorregão que fira a ética de indivíduos ou grupos pode baixar uma portaria - e novamente se dará o "empastelamento" que fez ruir reputações, atrações e artistas em décadas de Organizações Globo. Um ranço dos anos de chumbo não permite que a subversão fique muito tempo no ar, obrigando ou a uma adequação esterilizante ou a uma morte súbita. Enquanto o Saia Justa não cai em becos sem saída ou não sofre pressões desse tipo, a televisão brasileira conta com mais uma alternativa à burrice imperante.


Julio Daio Borges
São Paulo, 17/5/2002

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Mínimos, Múltiplos, Comuns, de João Gilberto Noll de Ricardo de Mattos


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2002
01. A internet e o amor virtual - 5/7/2002
02. Minha pátria é a língua portuguesa - 8/11/2002
03. A internet e os blogs - 4/10/2002
04. Lula: sem condições nenhuma* - 25/10/2002
05. Do Manhattan Connection ao Saia Justa - 17/5/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/5/2002
12h35min
Caro Júlio, Abstraindo-se da discussão sobre qual seja o papel do Estado na criação - e manutenção de uma televisão de qualidade, não podemos nos esquecer que o nível da programação é meramente o reflexo do VERDADEIRO nível cultural dos telespectadores, por mais lugar que seja essa afirmação. Quero acreditar que a inexistência de bons programas de debates é o resultado do puro desinteresse das "massas" por esse tipo de programa, porque, se for por absoluta falta de profissionais capazes de engendrar boas discussões, estamos mais mal do que pensamos. Abs, Bernardo
[Leia outros Comentários de Bernardo]
21/5/2002
13h35min
É aquela velha história, não existem maus alunos e sim maus professores. A veiculação de maus programas, se deve muito provavelmente ao criador dos quadros, dos assuntos e organizadores(?) (não sei o nome deste profissional). Um programa considerado 'chato' pelos telespectadores como no caso do Big Brother que várias pessoas reclamaram, e inclusive sugeriram um Big Brother pensante, segundo Mario Senise do O Globo, com este grupo “teríamos diálogos inteligentes e papos de alto nível, com participação de: Lígia Fagundes Telles, A Fernanda Montenegro, A Marina Colasanti, a Adélia Prado e a Lúcia Guimarães, e O Jaguar, o Jabor, O millôr, O Hermeto Pascoal, o Nei Lopes, o Manuel de Barros, o Chico Caruso, o Zuenir e Veríssimo. Interessante saber que a audiência cresceu absurdamente, quando um humilde rapaz que não sabia se expressar direito, chorou por causa de uma boneca de sucata. O povo gostaria também de emoção e não só razão? E o que devo falar sobre o possível fim do 'saia justa'? Nada, quem sou eu? Não sou dona da razão. Estou no trabalho no horário em que é veiculado o programa. Difícil dar opiniões, hão de se espelhar em programas que estão conseguindo se manter, como no caso do programa Gabi.
[Leia outros Comentários de Suely Coelho]
23/5/2002
15h34min
A respeito da crítica ao programa Saia Justa: Primeiro tem Rita Lee, que é tudo de bom: inteligente, irreverente, irônica e "palhaça". Já é um motivo mais do que básico para que eu assista ao programa. A Mônica Valdvogel é um contraponto interessante às "3 doidas". embora esteja sempre meio tensa e aparentemente "presa", dando a entender que deve preservar a imagem de apresentadora de telejornais. Fernanda Young se coloca de forma engraçada, e embora seja de Niterói, parece mais uma paulista. Marisa Orth é para mim a mais fraquinha das quatro. Engraçadinha. O programa tem um que de anárquico, sem aquela coisa certinha do Manhattan Conection. Eu gosto assim, embora às vezes, errem na mão. O programa de hoje (22.05.02), achei ótimo, o da semana passada, péssimo. Tem altos e baixos, mas acho que ainda tem muita coisa a ser explorada. O único fato que detestei até agora, foi a Young, egoisticamente dizer que pra ela, o FHC é 'tudibom', e as outras não retrucarem. Achei estranho isso... Medo? Concordância? Da Rita? hummmmm detestei isso.
[Leia outros Comentários de Luciana Schiller]
26/5/2002
01h13min
O programa saia justa não é tão futil como parece, é cheio de idéias e pontos de referência para velhos e novos assuntos. Rita, Monica, Fernanda e Marisa e se equilibram de manira ideal para suprir as necessidades do programa. Resta perguntar ao crítico: seria essa uma crítica fundada ou a visão de quem não entende o universo feminino, e pq não masculino? Faltam programas de tal classe na tv brasileira, e a ética que pode ser ferida é exatamente a que deve ser discutida.
[Leia outros Comentários de graziella]
6/6/2002
17h51min
Oie, Julio Achei o seu texto perfeito, você consegui expor de maneira muita clara as diferenças entre os dois programas. Acho que o Saia Justa possui altos e baixos, mas talvez isto seja resolvido com o tempo. Espero que este ainda exista tempo hábil para estes ajustes, pois sabemos que se algum programa começa a "derrapar" as emissoras e patrocinadores logo desistem de investir. Parabéns pelo texto.
[Leia outros Comentários de Yara Romero]
6/12/2002
10h54min
Bernardo (#1), a desculpa é sempre essa. Precisamos formar um público, nivelando-o por cima. Não o contrário. Suely (#2), é verdade que intelectual não sabe aparecer em televisão. Mas precisa aprender. Luciana (#3), concordo com você e vou além: os homens, no vídeo, precisam se soltar, como as mulheres. Graziella (#4), a saída para a tevê é um misto de leveza e seriedade - a fórmula do Saia Justa. Yara (#5), infelizmente a televisão é efêmera e podemos estar discutindo sobre um programa que já acabou. Abraços gerais e obrigado pelo elogios, Julio
[Leia outros Comentários de Julio Daio Borges]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Cenas da vida brasileira/ Marafa/ Vejo a lua no céu - 3 livros de bolso
Marques Rebelo
Edições de ouro



Domingos Vera Cruz
Glauco Ortolano
Altana
(2000)



Mano Descobre o @mor
Heloisa Prieto, Gilberto Dimenstein
Senac sao paulo
(2001)



O Livro dos Espíritos
Allan Kardec
Federação Espírita Brasileira
(2006)



Os pequenos cavalos de Tarquínia
Marguerite Duras
Guanabara
(1986)



Budismo - Uma Introdução Concisa
Huston Smith; Philip Novak
Cultrix
(2015)



O Adeus a Mulher Selvagem
Henri Coulonges
Abril Cultural
(1983)



Divaldo, Medium Ou Genio?
Fernando Pinto
Brasil
(1976)



Televisión y Educación
Joan Ferrés
Paidós
(1994)



Bang-Bang na Italiana
Ganymédes José; Tereza Noronha
Atual
(1988)





busca | avançada
61479 visitas/dia
2,0 milhão/mês