A internet e os blogs | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
32426 visitas/dia
955 mil/mês
Mais Recentes
>>> MANU LAFER APRESENTA SHOW NOBODY BUT YOU - TRIBUTO A KIKA SAMPAIO
>>> Sesc Belenzinho recebe a banda E a Terra Nunca me Pareceu Tão Distante
>>> Sesc Belenzinho recebe a atriz e cantora Zezé Motta
>>> Psicólogo lança livro de preparação para concurseiros usando a Terapia Cognitiva-Comportamental
>>> O Sertão na Canção: Guimarães Rosa
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
>>> A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto
>>> Lançamentos de literatura fantástica (1)
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
Colunistas
Últimos Posts
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
Últimos Posts
>>> Kleber Mendonça volta a Cannes com 'Bacurau'
>>> Nem só de ilusão vive o Cinema
>>> As Expectativas de um Recrutador e um Desempregado
>>> A Independência Angolana além de Pepetela
>>> Porque dizer adeus?
>>> Direções da véspera IV
>>> Direções da véspera IV
>>> A pílula da felicidade
>>> Dispendioso
>>> O mês do Cinemão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O físico que era médico
>>> O historiador das idéias
>>> Maria Antonieta, a última rainha da França
>>> Gentili sobre o 7 a 1
>>> Convivendo com a Gazeta e o Fim de Semana
>>> Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo!
>>> O petista relutante
>>> Discurso de Isaac B. Singer
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
>>> A Vida e o Veneno de Wilson Simonal, por Ricardo Alexandre
Mais Recentes
>>> Inelegibilidades no Direito Brasileiro de Joel J. Cândido pela Edipro (2003)
>>> Recursos em matéria eleitoral de Tito Costa pela Revista dos Tribunais (2004)
>>> Direito Eleitoral & Questões Controvertidas de Antônio Carlos Martins Soares pela Lumen Juris (2008)
>>> Langage et pouvoir symbolique de Pierre Bourdieu pela Editions Fayard (2001)
>>> Les Règles de l'art de Pierre Bourdieu pela Editions du Seuil (1998)
>>> Princípios Estruturantes das Agências Reguladoras e os Mecanismos de Controle de Alexandra da Silva Amaral pela Lumen Juris (2008)
>>> Homo Academicus de Pierre Bourdieu pela Les Editions de Minuit (2005)
>>> A criança e a mídia: imagem, educação, participação de Cecilia Von Feilitzen; Ulla Carlsson pela Cortez (2002)
>>> Circulação internacional e formação intelectual das elites brasileiras de Ana Maria Almeida; Letícia Canêdo, Afrânio Garcia; Agueda Bittencourt pela Unicamp (2019)
>>> Crimes eleitorais de Suzana de Camargo Gomes pela Revista dos Tribunais (2008)
>>> Delegação e Avocação Administrativas de Regis Fernandes de Oliveira pela Revista dos Tribunais (2005)
>>> Probidade administrativa. Comentários à Lei 8.429/92 e legislação complementar de Marcelo Figueiredo pela Malheiros (2004)
>>> Inquérito Policial & Competências e Nulidades de Atos de Polícia Judiciária de Anderson Souza Daura pela Juruá (2008)
>>> Agora e Para Sempre Lara Jean de Jenny Han pela Intrínseca (2017)
>>> Michael Kohlhaas de Heinrich Von Kleist pela Grua (2014)
>>> Perícias judiciais de engenharia. Doutrina. Prática. Jurisprudência de Francisco Maia Neto pela Del Rey (1999)
>>> A Lição do Mestre de Henry James pela Grua (2014)
>>> Chega de Plástico de Varios Autores pela Sextante (2019)
>>> Os Doze Mandamentos de Sidney Sheldon pela Record (2011)
>>> O Outro de Bernhard Schlink pela Record (2009)
>>> Até Eu Te Encontrar de Graciela Mayrink pela Novas Páginas (2013)
>>> Abaixo de Zero de Bret Easton Ellis pela Rocco (1987)
>>> Suítes imperiais de Bret Easton Ellis pela Rocco (2011)
>>> Porto Seguro de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2013)
>>> Ação de Impugnação de Mandato Eletivo de José Rubens Costa pela Del Rey (2004)
>>> O Milagre de Nicholas Sparks pela Agir (2010)
>>> Zona de Perigo de Shirley Palmer pela Best Seller (2003)
>>> Da anulação ex officio do ato administrativo de João Antunes dos Santos Neto pela Fórum (2004)
>>> O Misterioso Caso de Styles de Agatha Christie pela Abril Cultural (1983)
>>> Conexões de Varios Autores pela Abril (2016)
>>> A Quarta Vítima de Théo Iemma pela Scortecci (2005)
>>> Crianças da Noite de Juliano Sasseron pela Novo Século (2011)
>>> Macunaíma de Mário de Andrade pela Ciranda Cultural (2016)
>>> Noite na Taverna de Álvares de Azevedo pela Avenida (2005)
>>> Financiamento de campanhas eleitorais de Denise Goulart Schlickmann pela Juruá (2007)
>>> Terra de Sombras de Alyson Noel pela Intrínseca (2013)
>>> Os Degraus do Pentágono de Norman Mailer pela Expressão e Cultura (1968)
>>> Infinito de Alyson Noel pela Intrínseca (2013)
>>> Serena de Ian McEwan pela Cia das Letras (2012)
>>> Comentáros à Lei de Responsabilidade Fiscal de Ives Gandra da Silva Martins & Carlos Valder do Nascimento & Organizadores pela Saraiva (2009)
>>> Estrela da Noite de Alyson Noel pela Intrínseca (2013)
>>> Reflexo de Antonio José pela Grafica da Bahia (1979)
>>> O Sol da Liberdade de Giselda L. Nicolelis pela Atual (1988)
>>> Procedimento Administrativo nos Tribunais de Contas e Câmaras Municipais de Rodrigo Valgas dos Santos pela Del Rey (2006)
>>> Vito Grandam de Ziraldo pela Melhoramentos (2005)
>>> Lei Eleitoral Comentada (lei 9. 504, de 30 de Setembro de 1997) de Renato Ventura Ribeiro pela Quartier Latin (2006)
>>> Manual de Direito Civil - Vol 3 Contratos e Declarações Unilaterais de Roberto Senise Lisboa pela Revista dos Tribunais (2005)
>>> Processo Civil. Técnicas e Procedimentos de Misael Montenegro Filho pela Atlas (2006)
>>> Código Civil Comentado IX Artigos 818 a 886. Direito das Obrigações de Carlos Fernando Mathias pela Atlas (2004)
>>> Direito Civil. Parte Geral de Guilherme Calmon Nogueira da Gama pela Atlas (2006)
COLUNAS >>> Especial Internet

Sexta-feira, 4/10/2002
A internet e os blogs
Julio Daio Borges

+ de 18600 Acessos
+ 33 Comentário(s)

Depois de muita rasgação de seda em cima dos blogs e dos "blogueiros", está na hora de alguém atirar algumas pedras (ainda que seja dentro da internet, onde os telhados costumam ser de vidro blindex). A "comunidade blogueira" tem se mostrado refratária às críticas e cultiva o péssimo hábito de responder com virulência e intolerância, mas é quase um dever cívico peitar o senso comum. Apesar da turba; apesar da grita. Ainda vai chegar o sujeito que, do cume de uma montanha, proclamará em alto e bom som: "Os blogs não estão com nada! 'Blogueiros', go home!". Enquanto isso não ocorre, fica adiado o acontecimento de particular vibração; resta preparar o terreno - e, pacientemente, esperar.

Primeira lição: o que vem a ser um blog? As definições estão aí para quem quiser pesquisar e não existe um único maldito artigo a respeito que não abra o primeiro parágrafo evocando os web logs ou os "diários virtuais". Web (que, em inglês, quer dizer "teia") se refere à internet; e log (que, traduzindo, significa "registro") pode ser entendido como uma "marcação" ou como um "cartão de ponto". Resultado para web logs: "anotações na WWW". (Graças a uma corruptela providencial, passou-se de "web logs" para simplesmente "blogs"). Já os "diários" são aquilo mesmo; e "virtuais" apenas porque escritos dentro do universo cibernético [abuso de linguagem? Que venha Pierre Lévy].

Agora, alguém precisa explicar como se pode escrever um diário que seja acessível a todo mundo. É, no mínimo, curioso. [Ah, então não é um diário de verdade...] Não, claro que não, com mamãe, papai e todos os irmãos pequenos olhando... [Ah, então o "blogueiro", na verdade, quer atenção...] "Aparecer" seria o termo mais exato, mas - para suavizar um pouco a coisa - digamos que, na sociedade de espetáculo, o "blogueiro" nada mais é que um performer. Assim como Nietzsche acusou (com Wagner) a ascensão do ator na música, não seria errado apontar o blog como o avesso do reality show: muita gente querendo aparecer, pouca gente querendo olhar... [Ah, você está simplificando...] Pode ser.

Mas pior do que entretenimento para as massas, é levar a brincadeira a sério. E muitos estão levando; ou se levando (o que é ainda pior). Erro grave: fazer do blog um meio de comunicação. Uma analogia para ilustrar: num dia qualquer, todo mundo acorda, pega seu banquinho e senta-se na porta de casa para falar sobre qualquer coisa; de repente, uma pessoa passando pela rua, pára para escutar; se for interessante, ela faz um comentário ou leva o caso adiante; se for muito interessante, os amigos de tal pessoa, escutando o caso de novo, levam-no ainda mais adiante; se for muito interessante mesmo, chega até o rádio, o jornal, a televisão. Tal fenômeno, contudo, não faz do banquinho um "meio de comunicação".

A analogia está furada, vão dizer. [No blog, a mensagem não se transmite de pessoa a pessoa; ela é irradiada para dezenas, centenas, milhares de indivíduos ao mesmo tempo.] Será? Pode até ser. Mas, tirando os "blogs da moda", a "lista do dez mais" e acontecimentos onde a demanda por informação atinge picos assustadores (como o "11 de setembro"), quem é que já viu seu contador registrar as tais "centenas" e os tais "milhares"? Quem, na calada da noite, não se pegou perguntando "será que alguém realmente se importa?", passou dias sem atualizar o bendito do blog, e percebeu que - realmente - ninguém se importava? [Outro furo da sua teoria: se o blog fosse assim desse jeito, por que então os mais importantes jornais dos Estados Unidos e da Europa estariam aderindo à novidade?] Simples: quem vai querer ler o blog do Zezinho, quando pode consultar as opiniões dos mesmos jornalistas renomados aos quais já está acostumado? Os blogs dos veículos estabelecidos funcionam apenas como ferramenta, como adendo, nunca substituindo os periódicos de fato.

A internet, sim, pode ser considerada uma mídia (ainda que haja controvérsias). Nem por isso, no entanto, qualquer site ou portal pode se afirmar como meio de comunicação; e, muito menos, qualquer blog. Os "blogueiros" não atentam para o fato de que o conceito de "pilha" (um dos mais antigos da computação) inviabiliza qualquer ação mais substanciosa, qualquer discurso mais articulado. A maioria dos blogs funciona como um amontoado da produção de determinado autor, onde os gêneros se misturam e a leitura requer uma paciência extra do visitante (tão acostumado ao primado do user-friendly). A pesquisa, nesse ambiente, revela-se improvável, pois nem o próprio realizador sabe hierarquizar suas sinapses e seus espasmos de criatividade. Quando o mesmo artista não se apega à organização e o aperfeiçoamento de sua arte, como esperar que ela floresça e cresça frondosa?

A vastidão dos blogs acaba se atendo à superficialidade, ao chamariz, ao dito "furo de reportagem". [Ah, mas e aquele caso do blog que furou a impressa toda, etc. e tal?]. Furou como furaria alguém com um cartaz no Viaduto do Chá ou na Praça da Sé. [Ah, mas e a agilidade da Grande Rede? E o reconhecimento por parte dos grandes profissionais tarimbados?] A suposta agilidade talvez não deva ser atribuída apenas à Grande Rede, mas também aos velhos meios de comunicação (telex, telefone, fax). Quanto aos tais "profissionais", o melhor seria chamá-los de deslumbrados: sempre procurando abocanhar um novo público, pródigos em croniquetas bajulatórias e programas moderninhos de televisão. [Ah, mas com esse ceticismo todo não dá para conversar; os blogs são a verdadeira democracia em curso, o milagre da autopublicação, a impossibilidade de qualquer censura!]

Claro, para pequenas comunidades pode funcionar; para fins terapêuticos, também pode funcionar; para exercícios de escrita, práticas amadoras de jornalismo, certamente que pode funcionar (!). Mas que nunca se esqueça dos limites do blog, do alcance de um pequeno site, das deficiências de um grande portal. A mania científica condicionou o homem a se sentir diante da Pedra Filosofal (ou do Elixir da Eterna Juventude), por mais mísero que seja o avanço, por mais imatura que seja ainda a tecnologia. José Saramago disse uma coisa bastante arguta em Janela da Alma: "Para que vou querer 500 canais de tevê a cabo? Por acaso eu consigo ler 500 diários, se vier a assiná-los?". Ainda assim, tem gente achando que vai ler 500 blogs e apostando pesado na expansão descontrolada. (Quando se fareja, porém, os caciques da blogagem, sente-se - não se sabe por quê - o familiar cheio das Capitanias Hereditárias...)


Julio Daio Borges
São Paulo, 4/10/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon de Jardel Dias Cavalcanti
02. Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco de Jardel Dias Cavalcanti
03. O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro de Jardel Dias Cavalcanti
04. Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia de Renato Alessandro dos Santos
05. 40 anos sem Carpeaux de Celso A. Uequed Pitol


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2002
01. A internet e o amor virtual - 5/7/2002
02. Minha pátria é a língua portuguesa - 8/11/2002
03. A internet e os blogs - 4/10/2002
04. Lula: sem condições nenhuma* - 25/10/2002
05. Do Manhattan Connection ao Saia Justa - 17/5/2002


Mais Especial Internet
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/10/2002
01h54min
Gostei muito deste texto, sinceramente. Tanto, que fiz questão de comentá-lo no meu blog, o qual gostaria até mesmo de citar aqui, para que perceba que pontos de vistas diferentes podem ser complementados. Pode perceber que escrevi levando em consideração o aspecto cético do texto. E realmente foi bonito pensar por este lado, é interessante. Pode parecer bobagem, porém, não tenho nada a perder. Não tenho o intuito de seguir carreira literária (mentira). =o) Abraços.
[Leia outros Comentários de Fabiana]
5/10/2002
18h34min
Sabe que você até pode ter alguma razão. Mas, a virulência da tua critica sugere algum problema. Não seria o caso de perguntar, quantas pessoas você acha que vão ler o teu texto neste site? Confia muito no teu banquinho, não? (8{>
[Leia outros Comentários de Matusalém Matusca]
5/10/2002
18h36min
O autor claramente faz confusão entre "weblog" e "página pessoal". Um weblog não necessariamente tem as limitações descritas no texto, e prova disso é a apropriação desse formato por diversas organizações na rede. O principal problema apontado, a visibilidade e acesibilidade das informações emitidas, é proprio de páginas pessoais em geral, e não de blogs. Vejo os blogs como um novo formato de emissão de informações que agilizou, dinamizou e facilitou a entrada de opiniões explicitamente individuais (bom lembrar que tudo é ponto de vista e desconfiar de verdades absolutas de jornais e revistas) na Internet. O erro infantil de português logo no início do texto apenas lhe tira credibiliadde.
[Leia outros Comentários de Andre]
5/10/2002
19h18min
Preconceituoso e com ar de superioridade são marcas de seu texto, mas sendo apenas o seu ponto de vista, não levo a sério, mas comparar algo novo com o que já existe é muita babaquice. Se é novo, então não há comparação. Veja por outro lado, tantos internautas que não tem um site e que pode usufruir doWeb blog, de fácil uso e agilidade.
[Leia outros Comentários de Alexandro]
6/10/2002
13h01min
A ceda, no início do teu texto, realmente assusta, Julio. Mas você acerta no alvo já no primeiro parágrafo: os blogueiros estão te respondendo com virulência. Em vez disso deviam parar, refletir, analisar o que estão fazendo. Tenho visto blogs absurdos, sem qualquer consistência e sem entender os seus próprios e estreitos limites. Parabéns pela coragem: você, um apaixonado pela Net, está exercitando o saudável hábito de pensar o que está acontecendo, pensar para que servem os blogs, pensar se eles são úteis ou se poderão vir a ser.
[Leia outros Comentários de Alice]
6/10/2002
14h18min
Tá bom, tá bom: eu errei, seda é com "s". Já consertei! Calma... Quanto à "rasgação", confesso que tive dúvidas e mandei a expressão toda em itálico. Enfim, vocês entenderam.

Vamos às respostas: Fabiana (#1), obrigado pelo aviso do "s". Ainda não visitei seu blog, mas imagino que seja despretensioso, portanto, minhas críticas não se dirigem a ele. Sim, o ceticismo é importante sempre.

Obrigado, Matusalém (#2), meu banquinho completou dois anos no ar, registrando 3 mil visitas por dia. Obrigado por acreditar que eu "até posso ter alguma razão".

Andre (#3), não faço nenhuma confusão. Até porque os blogs tomaram o lugar das homepages de antes. Ninguém mais monta homepage hoje, monta blog. Quanto às "organizações" que usam o formato, está respondido no quarto parágrafo: "Os blogs dos veículos estabelecidos funcionam apenas como ferramenta, como adendo, nunca substituindo os periódicos de fato."

Alexandro (#4), a comparação do "velho" com o "novo" é válida, sim: até para saber se o "novo" é novo mesmo, ou se não passa do "velho" em nova embalagem. Quanto a poder estar na internet através de um blog, claro, é válido - mas isso não faz do blog uma "mídia".

Alice (#5), valeu pela rasgação de seda, agora corrigida. Um beijo e muito obrigado pelo apoio!
[Leia outros Comentários de Julio]
8/10/2002
00h45min
Li seu texto, gostei muito... Concordo em partes com ele... Para variar também sou blogueira... (dá para notar pelas ...) Tenho uma home page também... uso a linguagem HTML desde 97 e gosto disso... Concordo com você quando fala que as pessoas estão sendo pretenciosas... muitas das visitas que fiz a blogs percebi essa característica, entre outras... Confesso que meu blog não é dos mais originais... mas eu gosto dele... Posso lhe dizer com toda segurança que não quero fazer mídia, nem ser famosa, muito menos estar no top 10... meu blog é uma forma de comunicar a todos os meus amigos diariamente como estou, e fazer novos amigos (como a Fabiana) através dele... Nunca fiz diários na vida, não via sentido em escrever para ninguém ler, se o fato ocorreu comigo, eu vou lembrar, se eu não lembrar é porque não era interessante... Mas o blog permite que eu ao invés de contar para 15 pessoas as mesmas coisas, eu vou lá escrevo e quem estiver preocupado comigo escreve... Já passei uns dias sem blogar (uma semana e meia), quando voltei tinha um monte de recados perguntando quando eu ia voltar... me senti muito querida... Podemos dizer até que blogar é uma terapia para mim... depois que comecei meu blog (há exatamente um ano atrás) não me senti mais tão solitária, nem incompreendida... Para quer ir ao terapeuta? eu tenho "amigos"! (sejam reais, virtuais ou temporários)
[Leia outros Comentários de Suzana]
8/10/2002
21h23min
Citando a Alice: "(...) Mas você acerta no alvo já no primeiro parágrafo: os blogueiros estão te respondendo com virulência. Em vez disso deviam parar, refletir, analisar o que estão fazendo. Tenho visto blogs absurdos, sem qualquer consistência e sem entender os seus próprios e estreitos limites. (...)" Virulência? Está generalizando tanto quanto o Julio quando lança esta crítica ao universo blogger, mesmo se utilizando de tal ferramenta. É óbvio que em todo saco de arroz existem muitos carunchos. Mas depois de selecionarmos calmamente, podemos desfrutar do melhor do produto. Aqui, é a mesma coisa. Blog ou não-blog, a internet possui coisas boas e coisas ruins (muitas). Apesar de ter gostado muito da crítica em si, ter analisado todos estes aspectos citados e concordar de certo modo com o Julio, ainda insisto na complementação deste ponto de vista com o lado prático e útil desta ferramenta. Se fosse tão dispensável e absurdo o uso de tal item, por que o Digestivo Cultural possuiria um blog? Se generalizando dete modo, o Julio diz que os bloggers são tendenciosos, pretenciosos e escrevem lixos para seus amiguinhos acéfalos, de certo modo está dizendo para si próprio. Não que eu concorde com isso. Claro que mesmo entre os "top 10" do mundinho blogger há muita porcaria, que acaba levando a mais e mais lixo. Porém, há excessões. E nelas me baseio para vir aqui e me dar ao luxo de discordar com certos pontos. Não fosse por pessoas inteligentes escrevendo seus pensamentos idem, não teria conhecido este site, tampouco estaria expondo minhas idéias e opiniões. Assim, seria uma "vítima" a menos para ver o que tem no seu banquinho. E comigo, muitos outros também não viriam aqui hoje. Faço questão de divulgar o que acho interessante. Portanto, eis aqui o sentido de ter retornado. E o sistema de comentários utilizado aqui no site, no blog que o complementa (e que está sim sendo usado como mídia, embora você possa refutar esta idéia), é feito pelo Fábio, do blog Falou e Disse. Interessante, não?! =o) Beijos.
[Leia outros Comentários de Fabiana]
9/10/2002
18h34min
Tudo bem, Julio? Não conhecia o seu trabalho, caí aqui justamente em função do assunto, pois também escrevo um blog. Quero dizer que eu não me senti ofendido, tampouco ferido com alguma pedrada: não sou "blogueiro de profissão". O que faço, assim como resumiu a Suzana, é manter um cantinho dentro do cyberespaço. Ou melhor: um banquinho, como você bem definiu. Concordo com você: quem deseja fazer sucesso ou aparecer, é mais fácil pendurar uma melancia no pescoço e sair nu na Paulista. O meu negócio se resume ao que você desdenha no começo do seu último parágrafo. E funciona, viu? Garanto que, se você começar a "brincar de blog" sem levar a sério, corre o sério risco de gostar... Um grande abraço, e parabéns pelo ótimo texto!
[Leia outros Comentários de Andre]
10/10/2002
08h25min
Suzana (#7), visitei o seu blog e a sua homepage. Parabéns pelos dois. Você é um exemplo da minha conclusão no último parágrafo: para pequenas comunidades, para fins terapêuticos e até para a prática do jornalismo amador, o blog pode e deve funcionar. Obrigado pelo Comentário.

André (#9), parabéns também pelo Marmota. Você pesquisou bastante a meu respeito e escreveu um dos melhores resumos biográficos que li até agora. Obrigado! Sobre o que você disse aqui, ótimo que tenha entendido a mensagem e não se ofendido (como dúzias de blogueiros por aí que - surpreendentemente - não se manifestaram; preferiram vociferar em listas de discussão e grupos). Só uma correção: eu não desdenho, apenas imponho limites. Até porque mantenho também um blog, junto com os Colunistas do Digestivo Cultural.

Por último, minha antogonista mais empedernida: Fabiana, brava Fabiana (#8)! É muito provável que eu não consiga te convencer mas, enfim, vou tentar... Em primeiro lugar: você é virulenta, sim; tanto que a carapuça da Alice serviu. Em segundo lugar, repito em alto e bom som: não tenho nada contra a
ferramenta blog em si; apenas provo que ela não é perfeita e que ela não é essa maravilha que muitos estão pregando. Em terceiro lugar, eu nunca disse que um blog é "dispensável e absurdo", nem que os blogueiros são "tendenciosos e escrevem lixos para seus amiguinhos acéfalos" - isso tudo quem disse foi você. Em quarto lugar, não abro mão dos seguintes pontos: os blogs são - em geral (veja bem: em geral) - rasos e imediatistas; os blogs não têm o mesmo alcance de sites ou portais (bons sites e bons portais, fique claro); e, para terminar, a maioria dos blogs e dos "blogueiros" precisa ainda amadurecer muito para sair da atual fase do "tititi" e da "modinha".
[Leia outros Comentários de Julio]
10/10/2002
08h42min
Também tenho meu blog e acho que o último parágrafo de seu texto diz tudo com muita clareza, existem os "caciques da blogagem", aqueles que fazem de tudo para chamar a atenção, girar seus contadores e ver seus blogs citados entre os Top 10. Mas, a maioria dos blogueiros é despretenciosa, não espera alcançar fama ou formar opiniões, é como no seu exemplo do banquinho, escrevemos e deixamos lá para quem quiser ler e se, por acaso, acharem interessante absorvam algo do que foi lido. Quero apenas acrescentar , como já escrevi em meu blog, independentemente da finalidade do blog ou da velocidade com que gira seu contador de visitas, acho que quem se dispõe a escrever num veículo público, deve ter consciência da responsabilidade de suas palavras, sejam elas quais forem, e ser cuidadoso antes de publicar algo.
[Leia outros Comentários de Tchela]
10/10/2002
10h59min
Caro Julio, Sem perceber você acabou flexibilizando o seu ponto de vista(sinal de que você é maduro o suficiente para mudar de opinião) e parou com o tom "generalizado" do texto original. Acabou portanto concordando com a "Virulenta Fabiana". Na minha opinião alguns Blogueiros (eu por exemplo) tem projetos diferentes em relação a seus blogs, não busco escrever "modinhas ou tititis"e sim expressar a minha opinião sobre assuntos que são tratados de forma unilateral na mídia. Desprezar o poder de blogs como meio de comunicação é classificar como verdade absoluto apenas a opinião da grande midia que quase nunca é imparcial ou independente. Como pretendo passar meu ponto de vista para o maior número de pessoas possível não vejo nada ruim em divulgar meu blog. Com a vantagem que poderemos iniciar uma discussão interessante e mudar de opinião sobre determinados assuntos. Isto é crescimento! E parafraseando a nossa "Virulenta Fabiana": - Em todo saco de arroz existem muitos carunchos. E como você mesmo descobriu existem muitos blogs ruins para cada Marmota que você encontrar. E aproveitando a deixa....meu blog é: O Conto Verde. O Escritor Verde
[Leia outros Comentários de O Escritor Verde]
10/10/2002
11h07min
Concordo que a comunidade blogueira não é afeita à autocrítica e sinto às vezes que existe uma cultura de máfia, vários grupos que se protegem e se divulgam e nos quais é difícil a entrada de uma pessoa nova. A fogueira das vaidades arde pesado e chega a sufocar p/ quem se importa. Mas nem sempre é isso que acontece. Todo mundo sabe que tem blog pra tudo, é uma feira. Tem os descerebrados e os "profissionais". E daí? O importante é as pessoas poderem escrever o que bem quiserem. Mesmo para que meia dúzia leiam. Eu também leio muitas besteiras na grande imprensa, resenhistas sérios de livros que só lêem as orelhas p/ escrever as suas críticas, por exemplo. O resto é lenha para acender a fogueira. Parabéns, você conseguiu. grande abraço
[Leia outros Comentários de Maira Parula]
10/10/2002
12h08min
Há poucos sites escritos em português que dedicam algum espaço à reflexão sobre a internet e, entre eles, em menor número ainda os que o fazem com a atenção e isenção do Digestivo. Portanto meus aplausos, e de pé! Having said that... não tendo a tratar a mídia tradicional com a mesma reverência do nosso articulista, Júlio, como a deduzo a partir da crônica "A internet e os blogs". Por outro lado, vejo o fenômeno dos blogs com mais admiração do que a que se depreende da leitura da mesma crônica. Não tenho bola de cristal, mas acho que no futuro os jornais terão "menos" importância relativa, e a disseminação da informação (e sua interpretação) através da internet "mais" importância relativa. Nos Estados Unidos, que inventaram a internet, já há blogs que competem em audiência e credibilidade com muitos jornais, como o site do Matt Drudge, para ficar no principal exemplo dessa tendência. Parabéns pelo texto e, mais uma vez, por abrir espaço para esta oportuna discussão! Um abraço.
[Leia outros Comentários de Toni]
11/10/2002
02h30min
Gostaria de fazer uma análise realmente útil do blogs e das pessoas que os mantém. Mas vou me conter a trazer resultados de uma pesquisa: 80% das pessoas pra quem você conta seus problemas não estão te dando a menor atenção, e os 20% restantes ficam felizes por você ter problemas. Isso deve ser suficiente pra acabar com 99% desses blogs terapêuticos -, e com o papo chato daqueles que sempre te vem falar de problemas insolucionáveis. Ao menos pra mim foi suficiente! =] vai dizer!
[Leia outros Comentários de Helllls]
11/10/2002
19h12min
Tchela (#11), obrigado pelo lúcido Comentário. De fato, os caciques da blogagem estão aí, não adianta negar. E, como você mesma disse, não é contra os blogs desprestensiosos que me bato. Aliás, parabéns pela foto.

Maria Parula (#13), obrigado pelo "parabéns" e pelo "você conseguiu". Agradeço a generosidade com que apreciou o meu texto e conte comigo na luta contra as tais
máfias.

Toni (#14), seu reconhecimento também foi dos mais importantes neste momento. É verdade: eu entrei numa cruzada particular, procurando discutir a internet de maneira adulta e séria, enquanto a grande imprensa faz vista grossa ou mesmo finge que a Web não existe. E, por favor, lembre-se: eu não sou um entusiasta da mídia que está aí (off-line); se fosse, não teria criado o Digestivo. Obrigado, mais uma vez.

Hells (#15), não tenho nada contra os blogs terapêuticos: quem quiser que leia; quem não quiser que não leia. Muito piores do que esses são os pretensamente jornalísticos, que não acabam sendo nem uma coisa, nem outra.

Menino do Dedo Verde (#12): acho que não fui eu quem mudou de opinião; foi você que, finalmente, começou a entender o meu texto. Desejo-lhe boa sorte com o seu blog e só o tempo vai mostrar quem tem realmente razão.
[Leia outros Comentários de Julio]
12/10/2002
03h58min
Eu não entendo porquê os blogs tenham diminuido o número de suícidios. Esses caras se matam pelo mesmos motivos que vocês: ficam procurando razão pras coisas. Os blogs não causam nenhum problema, só a comunização de experiências em forma de estupidez. Tem também essas aspirações jornalísticas, mas não vejo problema nelas; não há razões para não existirem. Concordo com uma das críticas feita a minha última mensagem que o cara diz que só ver ler o blog quem quiser. Uma empresa crio essa facilidade de publicação e as pessoas aderiram ao serviço, que gera capital, empregos, terapias... Enfim, há também quem defenda teses de que os blogs foram criados pras pessoas se acostumarem a perder a privacidade, só que voluntariamente - algo como Reality Show ao inverso, como sugeriu ou autor do artigo. Isso faria parte de um plano maior - ou não -, que permitisse as empresas obter informações mais precisas sobre clientes para elaboração de melhores estratégias de marketing, ou mesmo de criação ou de alteração de seus produtos, e.. ah, vocês entenderam né! Então! Existe muita estupidez nas pessoas. Se elas tiverem uma forma descomprometida de a exteriorizarem, elas a farão até por achar interessante. Então, leia quem quiser.
[Leia outros Comentários de Hellls]
15/10/2002
21h55min
Tudo bem, Julio, fique à vontade para criticar os blogs. Nada deve ser intocável. Uma oxigenação eventual só traz benefícios. E para me(nos) ajudar na luta contra as máfias, só divulgando os blogs. O meu é o Prosa Caótica. Abração.
[Leia outros Comentários de Maira Parula]
16/10/2002
19. BLOG'S
11h14min
Blogs são absolutamente inúteis! E JDB, cá entre nós... Esse seu artigo também é inútil, já que trata de um assunto inútil tentando esmiuçar e/ou espinafrar o nada ao invés de falar do único conteúdo do tema que é a inutilidade em si. Aí ,ironicamente,seu artigo se igualou aos blogs! Todos abraçados em inutilezas. E é das inutilezas que é feita a vida! 3 urras p/ manuel de barros!!! [ ]'s oo00oo
[Leia outros Comentários de oo00oo]
16/10/2002
14h02min
Será que algum blogueiro tem pretensão de reconhecimento literário ou jornalístico? Acho que não!... O ser humano é narcisista por natureza e o blog permite ao seu redator a fantasia de ser lido e admirado por alguém além dele próprio. Quem escreve um diário - daqueles tradicionais - escreve para si mesmo, mas reservadamente adora mostrá-lo a outras pessoas... há vaidades explícitas e embutidas no exercício da escrita - qualquer escrita e não me furto à auto-crítica. Mas ainda prefiro continuar escrevendo meu blogs e seguir o conselho do fariseu Gamaliel, o que tem valor permanece e se for apenas um modismo vai passar como tantas coisas já passaram... Quanto à crítica, em si, o jornalista apenas parece estar à cata de assunto... também a opinião dele passará - ou será que decretará o fim dos blogs?! O tempo dirá!
[Leia outros Comentários de Luiz Tarciso Souza]
17/10/2002
22h21min
julio, discordo do seu ponto de vista. Blog é blog, diário é diário e um texto de um grande jornal é um texto de um grande jornal. São GÊNEROS TEXTUAIS diferentes, com motivações, público-alvo e suportes técnicos diferentes. Não faz o mínimo sentido compará-los. A não ser que você também compare o time do Grêmio com um time amador ou com uns garotos que se reúnem pra jogar uma pelada. Se de uma hora pra outra o mundo começou a blogar é porque de uma hora pra outra isso se tornou possível. As pessoas adoram falar, contar coisas, criticar e elogiar. Nada mais natural que façam isso na internet, que é cada vez mais um prolongamento de suas vida (dos sortudos que têm acesso a ela). Pouco importa se apenas o blogueiro e sua mãe visitam o blog, ou se todos os amigos, ou se ninguém. Qdo falamos somos acostumados a públicos pequenos. No blog como na vida, alguns têm a pretensão de atingir grandes massas e isso é válido, pois os força a aumentar a qualidade da informação e põe pedras nos sapatos atados da grande mídia. Um jornalista profissional enfrenta várias restrições ao escrever, um blogueiro (pelo menos por enquanto) é livre. A seleção natural dirá quais continuarão escrevendo e sendo lidos e quais desistirão. Além disso, nessa internet atual em que cada vez MAIS pessoas acessam cada vez MENOS saites (geralmente uol, terra, globo e igs da vida) o ato de TER e LER blogs é uma atitude de resistência e sabedoria. Por isso é tão importante lincar blogs amigos e blogs lidos. Caso contrário, corremos o risco do cabresto das grandes mídias. Corremos o risco de, num futuro próximo, um sujeito facista chegar e "do cume de uma montanha", proclamar "em alto e bom som" que ele está certo e os outros estão censurados, desconectados e devem voltar pra casa. Abraço aos bloqueiros(as) Rôcki http://obrigadoluacheia.cjb.net
[Leia outros Comentários de Rôcki]
20/10/2002
10h26min
Meu comentário foi estranhamente editado, então mando de novo.

Minha namorada veio me dizer que sou um preconceituoso. Que não sei o que falo, que esses web-diários são super legais, quote. Mesmo tendo o meu (sub-notas.blogger.com.br), pedi que ouvisse o que acho desse troço "super legal", e ela, que tanto aponta nossa falta de diálogo, interrompeu-me a boca com um beijo.

Posso dizer agora: não é de hoje a necessidade de comunicar, e mais, de espalhar o que é comunicado. O problema começa quando achamos que o mundo perde se não ouvir o que temos a dizer - mas o anonimato é sempre atraente quando há dúvidas sobre a utilidade do que é dito.

Ora, por que o ICQ faz tanto sucesso? Por que o PalTalk é o queridinho dos neo-radioamadores? Tecemos redes de relações incógnitas, superficiais, e isso não é mau. Precisamos mesmo de alguma dose diária de fugacidade.

Mas estamos vivendo quase que exclusivamente disso. Da coisa rápida, mastigada e até digerida antes mesmo de servir. Viva a banalidade, que eu não tenho tempo para mais nada. Estamos na era das manchetes, em que já vamos tirando as conclusões logo pelos títulos, olha o tempo, olha o tempo! Não duvido nada estejam para lançar um jornal só de headlines. Será um sucesso.

E o mundo vai caminhando assim nos confessionários online. Lula é barbudo demais para ser presidente. Tudo é muito ameno, as pessoas com certa atração pela unidade, brindando-nos sempre com muito do mesmo.

* Blogs são brega
[Leia outros Comentários de Pedro Henrique]
13/11/2002
19h31min
O blog também pode ser uma descoberta. A descoberta da escrita, de repente vc se pega conseguindo se expressar até melhor do que em palavras. Uma terapia? Não, sou mais como, um conhecimento de si mesmo. Abraço
[Leia outros Comentários de Quel]
14/11/2002
21h28min
Eu realmente cheguei um pouco tarde nesta discussão , mas pude percebe que quem acabou aparecendo foi vc né julio , ficou famos hein ?? Parabens , deve ser este o artigo mais comentado , quanto ao Seda , tanto faz !!!Pq pra bom entendedor meia palavra basta e errar é bem normal , mas você generalizou os blogs tão virulentamente como foi criticado. Concordo , tem muita merda na net , mas isso naum é só com os blogs naum , assim como tem muito livro ruim , novela ruim , nada é perfeito , deixe os blogueiros serem felizes , se vc naum gosta naum lê ... falouuuuuuuu!. Mas você acerta no alvo já no primeiro parágrafo: os blogueiros estão te respondendo com virulência. Em vez disso deviam parar, refletir, analisar o que estão fazendo. Pare vcs também !!!!
[Leia outros Comentários de Jenny]
8/1/2003
15h04min
Mantenho um blog, aos trancos e barrancos, desde novembro de 2001. Não é nada pretensioso, muito pelo contrário: feioso e sem atrativos. Uso-o mais como um experimento. Um grande repositório de idéias, comentários, relatos e outras bobagens, algumas levadas a sério. Partilho de suas críticas à grande imprensa. E me interessei muito por sua crítica aos "blogues".
[Leia outros Comentários de Marcos]
22/5/2003
21h57min
De verdade, nunca tive saco para ler estes tais blogs, embora para todo lado você se depare com comentários - reais ou virtuais - sobre eles. Para mim, são um tipo de doença típica da realidade, aí sim, bem semelhante aos reality shows. Todo mundo quer aparecer, todo mundo quer ser elogiado, visto, comentado. A Sabrina quer mostrar o peito na Playboy, a Fernanda Young se esfalfela para se mostrar diferente e culta/cult no Saia Justa, a Malu Mader faz um esforço danado para reunir jornalistas e dizer: a mídia me persegue, quero sossego... Os blogueiros não tem bunda para mostrar, nem cacife para bancar uma boa assessoria de imprensa, então escrevem tudo o que podem - nem sempre o que devem - nestas porcarias virtuais. É o jornalzinho da classe, mimiografado, finalmente revisitado e colocado a disposição de todos (que tiverem tempo e paciência...)
[Leia outros Comentários de Gelli]
15/10/2003
11h56min
Deu no Estadão:

"[O blog] iria revolucionar a rede, mudar a essência do jornalismo e do próprio marketing. Nada disso aconteceu. Faltou gás e um modelo de negócio capaz de sustentar o formato. E [para completar] os leitores não deram a mínima.

"79% dos usuários ativos da internet sequer ouviram falar na existência dos blogs. E apenas 2% navegaram [ultimamente] em um desses endereços.

"A maioria da comunidade blog está concentrada em torno de si própria, numa sucessão interminável de referências a outros blogs, como uma porta giratória da qual não se consegue sair.

"[Os] blogs são hoje um serviço típico da chamada nanoaudiência e nada indica que será diferente no futuro."

(Mais um da série "Você leu aqui primeiro"...)
[Leia outros Comentários de Julio Daio Borges]
19/11/2003
09h50min
Blogs, or Web logs, are all the rage in some quarters. We're told that blogs will evolve into a unique source of information and are sure to become the future of journalism. Well, hardly. Two things are happening to prevent such a future: The first is wholesale abandonment of blog sites, and the second is the casual co-opting of the blog universe by Big Media.

Co-opting the Future, John C. Dvorak
[Leia outros Comentários de Julio Daio Borges]
7/1/2005
12h11min
Julio, Voce achou rapido a mencao la' no meu blog. Eu gostei sim do seu artigo... imaginei mesmo que fosse gerar alguma polemica. Eu, como alguem disse, mantenho um blog sem nenhuma pretensao de fazer parte de listas de mais lidos ou coisas do genero. Talvez seja mesmo meio terapeutico ou pelas dificuldades em publicar neste pais. Mas eu gostei sim do seu artigo, gostei muito, sou uma pessoa critica e auto-critica... Acho que tudo vale ser analisado. Abracos e obrigada pelo seu comentario.
[Leia outros Comentários de Leila Silva]
12/2/2005
22h06min
Cara, cabamba, carao. Você deixou pirada a minha cabeça. Sabe, Julio, eu nunca tinha pensado sobre isso antes. É muita informação para minha cuca, cara. Caramba. Estou blogando desesperadamente e as vezes acho que me perdi em tantos caminhos. São tantas as emoções. Mas cada blog deve ter um sentido. Sinto isso. Sabe, cada um diz sobre alguma coisa específica: poemas, musicas, vampiros, etc. Vou continuar pensando sobre tudo isso que você colocou para se pensar. Clovis Ribeiro
[Leia outros Comentários de Clovis Ribeiro]
23/10/2005
18h17min
Pôxa, carinha, decepção pura, justo agora que eu ia parabenizá-lo por ter, assim como eu, um dos cem blogs mais visitados no Brasil? Mas... não faz mal! Parabéns mesmo assim, posso até concordar com vc, mas não no todo: existe a satisfação de ser dono mesmo que de "um pedacinho". Posso dizer isso, já estive a ponto de não encontrar meu blog e, confesso, chorei... Isso não é amor? Bom quero mesmo convidá-lo pra participar ativamente do nosso fórum, 'inda mais que vc aparenta ser polêmico, o que acho bom, cultiva a diversidade de opiniões, anota que eu tô te esperando, tá? Sou do blog beijos, muitos pra você.
[Leia outros Comentários de Míriam]
25/10/2005
22h59min
Antes de mais nada, você não imagina quantas vezes voltei no início do seu texto pra ver a que erro de português todo mundo estava se referindo... tem certeza que isso não é golpe seu pra gente ficar voltando e voltando e voltando no texto? Mas então, só entrei aqui pra dizer que amei o seu texto, bem escrito pra caraaaaaalho, adorei os argumentos e essa tática de refutá-los pra poder continuar a defendê-los, achei d-u-c-a-r-a-l-h-o. Bom mesmo. Meus filhos te chamaram de autista, faz sentido, faz sentido... mesmo assim, adorei (nada contra os autistas, ôôôô politicamente corretos de plantão !). Eu tenho um blog, e é isso mesmo que você falou aí, principalmente no que diz respeito ao reality show ao contrário. Ótimo! E o desenho do cara com a luneta virada pra ele no link assim blogava Zaratustra? Muuuito bom. P.S – gostaria de ter ido na festa... bem que vcs podiam fazer uma aqui no RJ
[Leia outros Comentários de Ana Claudia ]
10/10/2007
11h39min
Bem, gostei muito desse texto, achei bem interessante. É difícil ver pessoas que tenham coragem de expressa sua opinião sem medo do que os outros falem. Comecei meu blog a pouquíssimo tempo, e nem sei muito que fazer nele. Ler esse texto foi produtivo.^^
[Leia outros Comentários de Roberta]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PENSANDO O BRASIL
PAULO NOGUEIRA BATISTA
FUNDAÇÃO ALEXANDRE GUSMÃO
(2009)
R$ 10,00



O MOVIMENTO ASSOCIATIVO DE PAIS E A CONSTRUÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA
FERNANDO MELO LIMA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 412,00



CADERNOS DE CIÊNCIAS PENAIS - REFLEXÕES SOBRE AS TEORIAS DO TIPO
ALEXIS COUTO DE BRITO, HUMBERTO B. FABRETTI UND GIANPAOLO P. SMANIO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 272,00



PEQUENO PRÍNCIPE - LIVRO DE ADESIVOS
ANTOINE DE SAINT-EXUPÉRY
ONLINE
(2014)
R$ 11,90



ATUAÇÃO MULTIDISCIPLINAR E FISIOTERAPÊUTICA EM MULHERES CLIMATÉRICAS
RAQUEL PRISCILA UND DANIELE SERVA SPRESSÃO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



OBRAS POÉTICAS COMPLETAS - RAMON DE CAMPOAMOR
RAMON DE CAMPOAMOR
AGUILLAR
(1951)
R$ 35,00



QUERO COLO!
STELA BARBIERI; FERNANDO VILELA
SM
(2016)
R$ 10,00



FAMÍLIA DO DOENTE COM CÂNCER
JULIANA STOPPA MENEZES RODRIGUES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



O HOMEM-PLURAL.
MARIO GRACIOTTI
NOVA EPOCA
R$ 12,00



MENDEL: O PAI DA BIOLOGIA GENÉTICA
REVISTA DE CULTURA VOZES Nº 7 SETEMBRO
VOZES (PETRÓPOLIS RJ)
(1984)
R$ 32,82





busca | avançada
32426 visitas/dia
955 mil/mês