O melhor filme de 2011 | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
44867 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 6/1/2012
O melhor filme de 2011
Marta Barcellos

+ de 3700 Acessos

O cinema em 2011 foi marcado por um debate com cara de Fla X Flu: você gostou mais de A árvore da vida ou de Melancolia? Veja bem, apreciar igualmente ambos é como torcer por um empate no Maracanã, revela total falta de personalidade. Mas não basta gostar e vestir a camisa. Para quem é chegado a discussões filosóficas (quase todo cinéfilo é), a questão ia além: qual dos dois filmes cumpre a promessa de desvelar artisticamente o sentido da vida, ou a inexistência dele?

Ligeiramente pretensioso? Pois é... Chegaremos já já neste ponto.

Primeiro, retornemos à polêmica da época do lançamento - quase simultâneo no Brasil - dos dois filmes. O parentesco entre as duas obras é evidente, e não faltou assunto em mesa de bar para quem teve a chance de assisti-los nos primeiros dias. Mas vale lembrar que a expectativa era alimentada também pela excentricidade dos cineastas em questão: Lars Von Trier havia elogiado Hitler - provavelmente de forma irônica, mas com elogio ao nazismo não se brinca - na coletiva de imprensa do lançamento de seu filme no Festival de Cannes. Como se diz, perdeu a chance de ficar calado. Um risco de Terrence Malick não corre: o cineasta queridinho dos atores-cabeça de Hollywood não é dado a piadinhas porque, além de anti-social, jamais concede entrevistas. Aliás, ia passar maus bocados se tentasse explicar os próprios filmes.

Antes que eu passe por torcedor de empate em jogo clássico, vou deixar claro: gostei mais de Melancolia. E não duvido que a crítica tenha se deixado influenciar pelas declarações de mau gosto de von Trier para considerá-lo inferior ao filme de Malick. Mas a questão que me interessa é outra. Enquanto nós, apreciadores do bom cinema, éramos atraídos por essa discussão, grandiosa no tema existencial, na trilha sonora e nas imagens espaciais, corria por fora um outro filme - este sim - sensacional. E sobre o sentido da vida.

Para discorrer sobre algo assim, nos ensinam os grandes artistas, é preciso abandonar a pretensão e a grandiloqüência, para abraçar a poesia. Se for possível fazer isso com uma boa dose de bom humor... bingo! Eis aí um grande filme.

Refiro-me aqui a Um conto chinês, o melhor filme de 2011. Chinês no título, mas argentiníssimo, no bom sentido cinematográfico. Aliás, mais argentino impossível, já que tem como protagonista ninguém menos do que Ricardo Darín, um ator que nesta época de rankings e retrospectivas deveria estar na lista de melhores da atualidade. Se você ficou confuso porque já começaram a surgir pretendentes ao Globo de Ouro ou Oscar, tire a prova pegando na locadora outros dois filmes recentes estrelados por ele: Abutres e O segredo dos seus olhos. Depois desse pacote triplo, não sobra chance para nenhum ator de Hollywood.

Dirigido por Sebastián Borensztein, Um conto chinês tem como protagonista um personagem rabugento e impenetrável. À medida que compreendemos Roberto, sua humanidade e a natureza das manias que o ajudam a sobreviver, descobrimos também a questão filosófica que o paralisou, desde que foi enviado para o combate na mais absurda das guerras, a das Malvinas, se é que dá para hierarquizar guerras como mais ou menos absurdas - todas o são. "A vida não faz sentido; ela é um grande absurdo", diz Roberto. Para provar a sua tese, Roberto não invoca o fim do mundo, como aqueles que apontam para a conclusão do calendário maia em 2012, ou para uma melancólica colisão com outro planeta. Nem se consola tentando achar um sentido na transcendência ou na graça, como em A árvore da vida. Roberto coleciona notícias. Absurdas.

Mas o absurdo da vida o desafia. Porque, a despeito da falta de sentido (ou talvez por causa dela), a vida não é preenchida apenas por existências e mortes absurdas (que por sinal povoaram 2011). Quando tudo já estava planejado, um chinês pode ser arremessado bem na sua frente, uma vaca pode cair do céu. Pergunte a um ficcionista a principal diferença entre a ficção e a realidade, e ele responderá: a ficção precisa parecer verossímil. A vida real não.

Transformar os absurdos da vida em arte é o nosso desafio em 2012, o ano em que o mundo de novo não vai acabar.

Se a vida não basta, como dizem o poeta e o filósofo, vamos reinventá-la, cada um a seu modo, na literatura, no cinema, na música. Em nossas instalações pessoais. Você não é um artista? Sem problemas. Aprenda a rir e se enternecer por Roberto, e não espere que um chinês lhe seja arremessado para enfim afirmar a vida e descobrir a arte. Principalmente, não se deixe embotar pelo ritmo frenético do trabalho, do consumo e da tecnologia que nos torna distraídos para a vida, ou para a falta de sentido dela.

Outro dia ouvi uma pessoa defender o entretenimento fácil, aquele "que apenas distrai". "Depois de trabalhar tanto, não quero ter que pensar. Só quero me distrair um pouco", defendeu. Lembrei-me de pessoas mais velhas que tenho tido a oportunidade de entrevistar lamentando o excesso de distração em vidas que agora prenunciam seu fim. "Passou muito rápido", dizem uns. "Não vi meus filhos crescerem", se entristecem outros.

Por isso, o meu voto para 2012 é que não sejamos distraídos. Estejamos atentos e intensos. Pensando, sim, no sentido da vida, e sobretudo buscando transformar toda essa confusão em narrativas maravilhosas como Um conto chinês.



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 6/1/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Carles Camps Mundó e a poética da desolação de Jardel Dias Cavalcanti
02. Armando Freitas Filho, dossiê na Palavra de Jardel Dias Cavalcanti
03. O momento do cinema latino-americano de Humberto Pereira da Silva
04. Lina Chamie e sua cartografia sentimental de SP de Elisa Andrade Buzzo
05. Pesquisando (e lendo) o jornalismo de Duanne Ribeiro


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2012
01. A Paris de Chico Buarque - 19/10/2012
02. O fim do livro, não do mundo - 20/4/2012
03. O Facebook e a Alta Cultura - 17/8/2012
04. Esquecendo de mim - 25/5/2012
05. O direito autoral vai sobreviver à internet? - 27/1/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TEATRO INFANTIL
RUBEM ROCHA FILHO
LIDADOR
(1970)
R$ 12,00



O DESMONTE DE VÊNUS - CONTOS E CRÔNICAS
ALEXANDRU SOLOMON
TOTALIDADE
(2009)
R$ 15,17



A ROTA SANGRENTA
SVEN HASSEL
RECORD
(1977)
R$ 20,00



ANÁLISE DA INTELIGÊNCIA DE CRISTO: O MESTRE DA SENSIBILIDADE-LIVR
AUGUSTO JORGE CURY
ACADEMIA DE INTELIGENCIA
(2000)
R$ 10,00



MAIS FORTE EM MENOS TEMPO, EXERCÍCIOS DIÁRIOS PARA GANHAR O MÁXIM
BRIAN PAUL KAUFMAN E SID KIRCHHEIMER
LYON
(2001)
R$ 67,98



CATEGORIAS CONCEITUAIS DA SUBJETIVIDADE
FABIO THÁ
ANNABLUME
(2007)
R$ 18,00



CONTOS E CAUSOS DO RIO ARAGUAIA
FERNANDO ANTÔNIO SGRECCIA
EDIÇÃO DO AUTOR
R$ 8,00



SERVIÇO SOCIAL - DOCUMENTO HISTÓRICO
MARIA ESOLINA PINHEIRO
CORTEZ
(1985)
R$ 34,90



A QUESTÃO AMBIENTAL
LUIZ EDMUNDO DE MAGALHÃES COORDENADOR
TERRAGRAPH
(1994)
R$ 50,00



ARQUITETURA CIVIL III MOBILIÁRIO E ALFAIAS
VÁRIOS AUTORES
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
(1975)
R$ 45,00





busca | avançada
44867 visitas/dia
1,2 milhão/mês