Nem tudo o que é neo é clássico | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
44867 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 18/9/2008
Nem tudo o que é neo é clássico
Elisa Andrade Buzzo

+ de 3700 Acessos
+ 3 Comentário(s)

"Demoliram tudo", me dissera um morador do bairro. Não podia acreditar, teria que voltar ao terreno, vislumbrar o que havia sido e averiguar o que haveria de ser. Resolvo descer a rua paralela mais calma em vez da avenida movimentada e, chegando ao quarteirão universitário, reparo na grandiosidade de um estande de vendas imobiliário. Daqueles que agora se constroem pra impressionar, e depois são desmontados na mesma rapidez em que foram erguidos. "Place Royale". Arcos, croquis ilustrativos, pedregulho estendido como tapete de cerimônia.

"100% vendido", avisa adiante a faixa, orgulhosa. Mas então pra que tudo aquilo ― poderia se perguntar quem se detém por alguns segundos ―, também em estilo neoclássico e pronto para ser derrubado daqui a alguns meses de construção. O sucesso foi total antes mesmo do início das obras. Cem por cento se vendeu. Ou se rendeu ao gosto duvidoso. As casas geminadas, as padarias, tudo o que ainda resta, foi cruel ver sendo demolido, transformado em estacionamento. Mas o próprio colégio centenário era demais. Como destruir um prédio do tamanho de um museu, imponente, praticamente indestrutível!

A parte histórica do colégio por sorte ainda estava lá, embora o pátio e as construções anexas tenham sido demolidos. E assim o pátio escolar foi o lado mais fraco que se rompeu, agora projetado para ser um pátio romano do século XXI, repaginado em apartamentos residenciais. A cópia da cópia da cópia, adaptada aos costumes luxuosos como em nenhuma outra parte do globo.

Administração incompetente, desamor ao patrimônio e quase lá se vai a escola inteira. Em cinco anos de estudos o diretor nunca entrara em minha sala para dizer um bom dia, dar umas palavrinhas de encorajamento, se tivesse sido necessário. Mas os alunos teimavam e continuavam. Amavam a grande casa que, de tão grande, um quarteirão imenso, tinha três portarias.

A lanchonete, o barracão com os aparelhos de ginástica olímpica, os banheiros, os bebedouros, o pátio de lajotas vermelhas, o pátio de bolinhas pretas. Desvios que ao longo de anos escolares aprendemos a decorar, se esconder, sentar e conversar. Tudo abaixo, afundado na memória, invisível para subir outras construções mais ou menos edificantes. E, se a comunidade não se manifestasse contra, iria abaixo também o prédio centenário. As lembranças, empilhadas como tijolos, umas em cima das outras.

Este empreendimento de alto padrão será mais um daqueles que não param em pé sozinhos; ele é assim, um parasita dos escombros. Pudera, são 4 suítes, depósito e não sei quantas vagas na garagem, segurança, lazer completo, sala gourmet etc. Fora as empregadas, os porteiros, os seguranças que garantem a... segurança. Pois hoje não se faz nada sozinho. Estranho seria abrir seu próprio portão, estranho seria limpar o próprio chão, bater os tapetes, subir as escadas. Dá-lhe mais uma vez o conforto artificial, a eterna dependência, mas que ao menos emprega. Ah, sim! A ilha irreprochável.

E o resultado destas grandes obras imobiliárias é a morte lenta dos bairros. Saem as poucas cadeiras que ainda restam nas calçadas, diminui o convívio de igual para igual, o aconchego. O sentimento é de insegurança, afinal, são prédios "visados". O horizonte é pausterizado, creme baunilha pincelado por sacadas envidraçadas.

O morador que havia me contado sobre a demolição da escola tinha tamanho orgulho de ter passado a vida no bairro, que me estranhou a atitude já passiva ao relembrar o caso. Foi lá que morou a vida toda, estudou, fez faculdade, conheceu a mulher, casou, teve os filhos, que por sua vez estudaram na referida escola agora sem pátio, metade arrancada do mapa. E, para ele, a notícia fria agora só tinha um ar de buchicho, talvez uma resignação adulta, como a dos velhinhos que tiveram seus sobrados demolidos na mesma rua e hoje vivem pacificamente nos prédios da década de 1970. Crescer, resignar-se, acostumar-se às mudanças de endereço.

Continuo a descer o morro já não mais tão alegre. O novo cenário é árido, mambembe, passadista e degenerado. A importância das coisas resta incoerente ― o momento é oportuno para se vender algumas dezenas de apartamentos de alto padrão, não importa se os tratores vão passar por cima de gatos ou casas. O mercado imobiliário está superaquecido, ostentam as revistas de informação para a classe média. O momento, o calor que o passado não mais exala. Bonito é o que é novo, cheira a concreto. Nem tudo o que é novo me atrai.

Que memorialismo é esse? Tento colocar na cabeça que a gravidade da situação não é tanta, afinal, restou o prédio histórico. Ainda assim, fala alto a simples tentativa de colocá-lo abaixo. O sinal toca. Me vejo correndo sobre as bolinhas pretas, o início da vida social, as brigas entre reservas e titulares nas quadras poliesportivas. O sinal volta a tocar, desta vez pra me acordar, tudo passou, as histórias são flashes entrecortados por cimento e esfirras de carne. E se eu pensar que o prédio em que estou já foi uma única residência alternada em dilemas e glórias? Não deixa de ser estranha a sensação de contar e fazer parte de uma história de destruídos.

Nota do Editor
Leia também "Qual a história para a nossa cidade?", de Daniela Sandler.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 18/9/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O espírito de 1967 de Celso A. Uequed Pitol
02. Literatura, quatro de julho e pertencimento de Guilherme Carvalhal
03. Mais espetáculo que arte de Guilherme Carvalhal
04. Notas confessionais de um angustiado (IV) de Cassionei Niches Petry
05. Antonia, de Morena Nascimento de Elisa Andrade Buzzo


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2008
01. Como era gostoso assistir à Sex and the City - 26/6/2008
02. Oiti - 20/11/2008
03. Chicas de Bolsillo e o fetiche editorial - 13/3/2008
04. Da indústria do sabor e do desgosto - 2/10/2008
05. No chão em que você pisa com seu salto agulha - 28/2/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/9/2008
07h48min
Querida Elisa, que belas e verdadeiras palavras! Nasci e vivo numa cidade que passa pelo mesmo desrespeito ao passado. Suas palavras me fazem lembrar o Anjo da História, de Walter Benjamin: ao olhar para o passado, avista apenas montes de escombros. Ou ainda, do mesmo autor, "Rua de Mão Única": anotações de um pensador que, aos 41 anos de idade, procura registrar paisagens de Berlim, pois sabia de antemão que tudo aquilo seria destruído. Desafortunadamente, o Brasil optou por um tipo de progresso destrutivo, assassino de memórias...
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
19/9/2008
00h59min
Nao e' de se estranhar que isso aconteca num pais onde nao ha' nenhum planejamento, e onde com dinheiro ainda pode-se passar por cima das leis. Uma ironia tambem e' que contratam porteiros, empregadas e segurancas por uns trocados e depois se queixam da violencia e de que carro blindado e' caro.
[Leia outros Comentários de Marcio Souza]
26/9/2008
18h13min
O páteo preto, o páteo vermelho... O portão principal, as quadras gêmeas... Elisa, você estudou lá? Meus filhos também, por três anos, e lamentamos muito o estado em que se encontra o Colégio, centenário. Com esse ocaso perdemos todos nós, é um colégio sério a menos em nossa cidade. Hoje eles estão em outro Colégio, que para ter qualidade custa muito (que saudades dos Colégios do Estado, que eram para todos!), e sentimos falta daquelas aulas de música, que privilegiavam a música clássica, na melhor tradição dos protestantes históricos... É muito triste a desconsideração pelo patrimônio arquitetônico da cidade, não saber dar valor ao antigo, ao que o tempo construiu... parabéns por ter escrito sobre isso!
[Leia outros Comentários de Roberta Resende]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FREUD
RNÉ MAJOR E CHANTAL TALAGRAND
L&PM
(2007)
R$ 10,00



OS MISTÉRIOS DA LEMÚRIA E ATLÂNTIDA: PROJETO TERRA VOLUME 2
NÃO INFORMADO
LAÉRCIO B. FONSECA
(1991)
R$ 25,00



A ARTE DE SER INSENSATO
ELI BROAD
ALTA BOOKS
(2013)
R$ 45,00



METAMORFOSES DAS LINGUAGENS
VÁRIOS AUTORES; MARCOS SILVA
LCTE
(2009)
R$ 7,00



TITEUF 1 - DEUS, O SEXO E OS SUSPENSÓRIOS...
ZEP
VIDA & CONSCIÊNCIA
(2012)
R$ 32,00
+ frete grátis



FISIOLOGIA HUMANA
WINTON E BAYLISS
CULTURA MÉDICA
(1970)
R$ 40,48



SABEDORIA & FELICIDADE
JOSÉ DA SILVA MARTINS
MARTIN CLARET
R$ 30,00



HISTÓRIA DA FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA
IVAN LUIZ MONTEIRO
INTERSABERES
(2015)
R$ 40,00



RESPONSABILIDADE DOS SÓCIOS NA SOCIEDADE LIMITADA
ITAMAR GAINO (3ª EDIÇÃO)
SARAIVA
(2012)
R$ 85,28



ABANDONAR-SE A DEUS PARA SER IGREJA
ANTHONY DE MELLO
LOYOLA
(2002)
R$ 12,07





busca | avançada
44867 visitas/dia
1,2 milhão/mês