Nem tudo o que é neo é clássico | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
68983 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Chamada Vale recebe cadastro de cerca de 3 mil projetos
>>> Lançamento do Mini Doc Tempo dell'Anima
>>> Cinema in Concert com João Carlos Martins une o cinema à música sinfônica em espetáculo audiovisual
>>> Editora Unesp lança 20 livros para download gratuito
>>> Bruno Zolotar ensina como fortalecer a marca e ampliar vendas no mundo editorial
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
Colunistas
Últimos Posts
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A soberba de Beauvoir
>>> Somos todos consumidores
>>> Genealogia da Moral, de Nietzsche
>>> Virtual cai na real
>>> Literatura universal do Sul
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> André Bazin e a crítica como militância
>>> Em Cena: Um Casal Admirável
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> O elogio da narrativa
Mais Recentes
>>> Nintendo world--43--super mario world de Conrad pela Conrad
>>> Nintendo world--46--the legend of zelda de Conrad pela Conrad
>>> A Jangada de Pedra de José Saramago pela Record/Altaya
>>> Nintendo world--18--mario party 2 de Conrad pela Conrad
>>> Nintendo world--42--bem-vindo! sonic de Conrad pela Conrad
>>> Nintendo world--55--zelda--the wind waker de Conrad pela Conrad
>>> Nintendo world--17--as melhores 2000 dicas,truques e codigos de Conrad pela Conrad
>>> Traficante de Nieve de Arthur Maling pela Emece (1973)
>>> A Garota Que Eu Quero de Markus Zusak pela Intrínseca (2013)
>>> Febre de Megan Abbott pela Intrínseca (2015)
>>> Aluna do telhado de Clotilde do carmo dias pela Everest (1977)
>>> Dicionario biografico de ruas de atibaia--volume 1. de Pea pela Pea
>>> As viagens da nuvem mixirica de Angella lemos pela St5
>>> Na Rota do Perigo de Marcos Rey pela Ática (1991)
>>> Salada russa--salada tropical e mais 100 receitas de saladas de Ediouro pela Ediouro
>>> Ética e Cidadania de Carla Rodrigues e Herbert de Souza pela Moderna (1994)
>>> Pode Servir o Vinho de Cynthia Freeman pela Record (1980)
>>> Céu, inferno e além: o pós-morte na história das religiões de Deuzair José da Silva e Eduardo Gusmão de Quadros pela Brazil Publishing (2020)
>>> Pompa e circunstância de Gerson Donato pela Brazil Publishing (2020)
>>> A ressignificação do Direito a partir da pandemia do novo Coronavírus de Denilson Mascarenhas Gusmão, Luciano Souto Dias, Mírian Célia Gonçalves de Almeida e Teodolina Batista da Silva Cândido Vitório pela Brazil Publishing (2020)
>>> Testes de raciocinio de Horacio de paula pela Discubra (1971)
>>> Planejamento Participativo nas aulas de Educação Física Escolar: significados existentes nesta proposta de Peterson Amaro da Silva e Neide de Aquino Noffs pela Brazil Publishing (2020)
>>> Os segredos da boa culinaria rural de Senar pela Senar
>>> O polvo & outras historias de Varios pela Ases
>>> Menino de engenho de Jose lins do rego pela Jose olympio (1993)
>>> Nintendo world--25--2 anos--fomos ao japao e trouxemos todas as informaçoes sobre os dois novos consoles de Conrad pela Conrad
>>> Nintendo world--12--shadow man de Conrad pela Conrad
>>> Xbox--87--xbox one de Europa pela Europa
>>> Xbox--113--call of duty de Europa pela Europa
>>> Xbox--103--the witcher rild hunt 3 de Europa pela Europa
>>> Xbox--109--74 jogos matadores de Europa pela Europa
>>> Xbox--104--tomb raider de Europa pela Europa
>>> Xbox--107--star wars--battlefront de Europa pela Europa
>>> Xbox 360--80--assassins creed iv:black flag de Europa pela Europa
>>> Xbox 360--76--devil may cry de Europa pela Europa
>>> Xbox--96--battlefield hardline de Europa pela Europa
>>> Xbox 360--82--titanfall de Europa pela Europa
>>> Playstation--21--tudo sobre a loirinha sensual de Europa pela Europa
>>> Playstation--194--assassi creed:unity de Europa pela Europa (2014)
>>> Xbox--106--mortal kombat x de Europa pela Europa
>>> Xbox--111--quantum break de Europa pela Europa
>>> A quinta raça de Trigueirinho pela Pensamento
>>> A sabedoria interior de Irving oyle/susan jean pela Cultrix/pensamento
>>> Os sonhos de Quevedo pela Escala
>>> Tempo de retiro e tempo de vigilia de Trigueirinho pela Pensamento
>>> Erich von daniken em julgamento--polemica e discussao em todo o mundo--os deuses habtitaram a terra? de Melhoramentos pela Melhoramentos
>>> Projeçoes da consciencia de Waldo vieira pela Ak (1981)
>>> Ide e evangelizai os batizados de Jose h. prado flores pela Loyola
>>> Voce e aquilo que pensa de Jose sometti pela Cidade nova
>>> Guia pratico do zodiaco chines de Melanie claire pela Pensamento
COLUNAS

Quinta-feira, 18/9/2008
Nem tudo o que é neo é clássico
Elisa Andrade Buzzo

+ de 3800 Acessos
+ 3 Comentário(s)

"Demoliram tudo", me dissera um morador do bairro. Não podia acreditar, teria que voltar ao terreno, vislumbrar o que havia sido e averiguar o que haveria de ser. Resolvo descer a rua paralela mais calma em vez da avenida movimentada e, chegando ao quarteirão universitário, reparo na grandiosidade de um estande de vendas imobiliário. Daqueles que agora se constroem pra impressionar, e depois são desmontados na mesma rapidez em que foram erguidos. "Place Royale". Arcos, croquis ilustrativos, pedregulho estendido como tapete de cerimônia.

"100% vendido", avisa adiante a faixa, orgulhosa. Mas então pra que tudo aquilo ― poderia se perguntar quem se detém por alguns segundos ―, também em estilo neoclássico e pronto para ser derrubado daqui a alguns meses de construção. O sucesso foi total antes mesmo do início das obras. Cem por cento se vendeu. Ou se rendeu ao gosto duvidoso. As casas geminadas, as padarias, tudo o que ainda resta, foi cruel ver sendo demolido, transformado em estacionamento. Mas o próprio colégio centenário era demais. Como destruir um prédio do tamanho de um museu, imponente, praticamente indestrutível!

A parte histórica do colégio por sorte ainda estava lá, embora o pátio e as construções anexas tenham sido demolidos. E assim o pátio escolar foi o lado mais fraco que se rompeu, agora projetado para ser um pátio romano do século XXI, repaginado em apartamentos residenciais. A cópia da cópia da cópia, adaptada aos costumes luxuosos como em nenhuma outra parte do globo.

Administração incompetente, desamor ao patrimônio e quase lá se vai a escola inteira. Em cinco anos de estudos o diretor nunca entrara em minha sala para dizer um bom dia, dar umas palavrinhas de encorajamento, se tivesse sido necessário. Mas os alunos teimavam e continuavam. Amavam a grande casa que, de tão grande, um quarteirão imenso, tinha três portarias.

A lanchonete, o barracão com os aparelhos de ginástica olímpica, os banheiros, os bebedouros, o pátio de lajotas vermelhas, o pátio de bolinhas pretas. Desvios que ao longo de anos escolares aprendemos a decorar, se esconder, sentar e conversar. Tudo abaixo, afundado na memória, invisível para subir outras construções mais ou menos edificantes. E, se a comunidade não se manifestasse contra, iria abaixo também o prédio centenário. As lembranças, empilhadas como tijolos, umas em cima das outras.

Este empreendimento de alto padrão será mais um daqueles que não param em pé sozinhos; ele é assim, um parasita dos escombros. Pudera, são 4 suítes, depósito e não sei quantas vagas na garagem, segurança, lazer completo, sala gourmet etc. Fora as empregadas, os porteiros, os seguranças que garantem a... segurança. Pois hoje não se faz nada sozinho. Estranho seria abrir seu próprio portão, estranho seria limpar o próprio chão, bater os tapetes, subir as escadas. Dá-lhe mais uma vez o conforto artificial, a eterna dependência, mas que ao menos emprega. Ah, sim! A ilha irreprochável.

E o resultado destas grandes obras imobiliárias é a morte lenta dos bairros. Saem as poucas cadeiras que ainda restam nas calçadas, diminui o convívio de igual para igual, o aconchego. O sentimento é de insegurança, afinal, são prédios "visados". O horizonte é pausterizado, creme baunilha pincelado por sacadas envidraçadas.

O morador que havia me contado sobre a demolição da escola tinha tamanho orgulho de ter passado a vida no bairro, que me estranhou a atitude já passiva ao relembrar o caso. Foi lá que morou a vida toda, estudou, fez faculdade, conheceu a mulher, casou, teve os filhos, que por sua vez estudaram na referida escola agora sem pátio, metade arrancada do mapa. E, para ele, a notícia fria agora só tinha um ar de buchicho, talvez uma resignação adulta, como a dos velhinhos que tiveram seus sobrados demolidos na mesma rua e hoje vivem pacificamente nos prédios da década de 1970. Crescer, resignar-se, acostumar-se às mudanças de endereço.

Continuo a descer o morro já não mais tão alegre. O novo cenário é árido, mambembe, passadista e degenerado. A importância das coisas resta incoerente ― o momento é oportuno para se vender algumas dezenas de apartamentos de alto padrão, não importa se os tratores vão passar por cima de gatos ou casas. O mercado imobiliário está superaquecido, ostentam as revistas de informação para a classe média. O momento, o calor que o passado não mais exala. Bonito é o que é novo, cheira a concreto. Nem tudo o que é novo me atrai.

Que memorialismo é esse? Tento colocar na cabeça que a gravidade da situação não é tanta, afinal, restou o prédio histórico. Ainda assim, fala alto a simples tentativa de colocá-lo abaixo. O sinal toca. Me vejo correndo sobre as bolinhas pretas, o início da vida social, as brigas entre reservas e titulares nas quadras poliesportivas. O sinal volta a tocar, desta vez pra me acordar, tudo passou, as histórias são flashes entrecortados por cimento e esfirras de carne. E se eu pensar que o prédio em que estou já foi uma única residência alternada em dilemas e glórias? Não deixa de ser estranha a sensação de contar e fazer parte de uma história de destruídos.

Nota do Editor
Leia também "Qual a história para a nossa cidade?", de Daniela Sandler.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 18/9/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos de Jardel Dias Cavalcanti
02. O massacre da primavera de Renato Alessandro dos Santos
03. Rubem Fonseca (1925-2020) de Julio Daio Borges
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 1. À Beira do Abismo de Heloisa Pait
05. Seis meses em 1945 de Celso A. Uequed Pitol


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2008
01. Como era gostoso assistir à Sex and the City - 26/6/2008
02. Oiti - 20/11/2008
03. Chicas de Bolsillo e o fetiche editorial - 13/3/2008
04. Da indústria do sabor e do desgosto - 2/10/2008
05. No chão em que você pisa com seu salto agulha - 28/2/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/9/2008
07h48min
Querida Elisa, que belas e verdadeiras palavras! Nasci e vivo numa cidade que passa pelo mesmo desrespeito ao passado. Suas palavras me fazem lembrar o Anjo da História, de Walter Benjamin: ao olhar para o passado, avista apenas montes de escombros. Ou ainda, do mesmo autor, "Rua de Mão Única": anotações de um pensador que, aos 41 anos de idade, procura registrar paisagens de Berlim, pois sabia de antemão que tudo aquilo seria destruído. Desafortunadamente, o Brasil optou por um tipo de progresso destrutivo, assassino de memórias...
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
19/9/2008
00h59min
Nao e' de se estranhar que isso aconteca num pais onde nao ha' nenhum planejamento, e onde com dinheiro ainda pode-se passar por cima das leis. Uma ironia tambem e' que contratam porteiros, empregadas e segurancas por uns trocados e depois se queixam da violencia e de que carro blindado e' caro.
[Leia outros Comentários de Marcio Souza]
26/9/2008
18h13min
O páteo preto, o páteo vermelho... O portão principal, as quadras gêmeas... Elisa, você estudou lá? Meus filhos também, por três anos, e lamentamos muito o estado em que se encontra o Colégio, centenário. Com esse ocaso perdemos todos nós, é um colégio sério a menos em nossa cidade. Hoje eles estão em outro Colégio, que para ter qualidade custa muito (que saudades dos Colégios do Estado, que eram para todos!), e sentimos falta daquelas aulas de música, que privilegiavam a música clássica, na melhor tradição dos protestantes históricos... É muito triste a desconsideração pelo patrimônio arquitetônico da cidade, não saber dar valor ao antigo, ao que o tempo construiu... parabéns por ter escrito sobre isso!
[Leia outros Comentários de Roberta Resende]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A CRISE DAS IDÉIAS / O CORPO / INTERPRETAÇÃO DO ANALISTA
ANGÉLICA -PSICANÁLISE & CIA
TAURUS
R$ 9,00



IRMANDADE DA ADAGA NEGRA, VOL. 10 - AMANTE RENASCIDO - 1ª EDIÇÃO
J. R. WARD
DIGERATI
(2012)
R$ 40,95



UM AMOR TÃO RARO
KATHLEEN E. WOODIWISS
RECORD
(1994)
R$ 160,00



OFELIA E AS DELICIAS DA COZINHA LIGHT
OFÉLIA RAMOS ANUNCIATO
MELHORAMENTOS
(1992)
R$ 6,90



O PROFESSOR DE ZURIQUE
M. B. TAMASSÍA
LAKE
(1991)
R$ 10,86



SUBSOLO INFINITO
NELSON DE OLIVERIRA
COMPANHIA DA LETRAS
(2000)
R$ 15,83



PROGRAMMING MICROSOFT® ASP.NET 2.0 CORE REFERENCE DEVELOPER
DINO ESPOSITO
MICROSOFT PRESS
(2005)
R$ 97,00



AS ÚLTIMAS NOTÍCIAS DO MUNDO
ANTHONY BURGESS
RECORD
(1982)
R$ 12,00



SELETA EM PROSA E VERSO
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE
RECORD
(1987)
R$ 6,90



TERRA DA MORTE
JACK ADRIAN
NOVA CULTURAL
(1988)
R$ 5,00





busca | avançada
68983 visitas/dia
2,1 milhões/mês