Nem tudo o que é neo é clássico | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
73422 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Minute Media anuncia lançamento da plataforma The Players’ Tribune no Brasil
>>> Leonardo Brant ministra curso gratuito de documentários
>>> ESG como parâmetro do investimento responsável será debatido em evento da Amec em parceria com a CFA
>>> Jornalista e escritor Pedro Doria participa do Dilemas Éticos da CIP
>>> Em espetáculo de Fernando Lyra Jr. cadeira de rodas não é limite para a imaginação na hora do recrei
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> Publicar em papel? Pra quê?
>>> Impressões
>>> A escrita boxeur de Marcelo Mirisola
>>> Desorientação vocacional
>>> Flip 2006: um balanço tardio
>>> Flip 2006: um balanço tardio
>>> Flip 2006: um balanço tardio
>>> Montezano, do BNDES, sobre o marco do saneamento
>>> Leitor bebum começou com um gole
Mais Recentes
>>> Golem e o Gênio: uma Fábula Eterna de Helene Wecker pela DarkSide (2015)
>>> Os Chakras: e os Campos de Energia Humanos de Shafica Karagulla, M.D. e Dora Van Gelder Kunz pela Pensamento (1991)
>>> O Caminho da Tranquilidade de Dalai Lama pela Sextante (2000)
>>> Perdas & Ganhos de Lya Luft pela Record (2003)
>>> Minecraft Fortaleza Medieval de Mojang pela Abril (1500)
>>> Minecraft Guia de Criação de Mohang pela Abril (2017)
>>> Minecraft Guia de Exploração de Mohang pela Abril (2021)
>>> Salomé de Oscar Wilde pela Principis (2021)
>>> O Mercador de Veneza de William Shakespeare pela Principis (2021)
>>> Do Contrato Social de Jean - Jacques Rousseau pela Principis (2021)
>>> Kilmeny do Pomar de Lucy Maud Montgomery pela Principis (2021)
>>> A Mamãe é Rock de Ana Cardoso pela Principis (2019)
>>> Nos Bastidores Trinta Anos Escrava, Quatro Anos na Casa Branca de Elizabeth Keckley pela Principis (2021)
>>> O Conde de Monte Cristo de Alexandre Dumas pela Principis (2021)
>>> Romeu e Julieta de William Shakespeare pela Principis (2021)
>>> O Condenado de Camilo Castelo Branco pela Principis (2021)
>>> The secret Agent de Joseph Conrad pela Collins Classics (2012)
>>> Vandrad, o Viking a Contenda e o Feitiço de Joseph Storer Clouston pela Principis (2021)
>>> Helena de Machado de Assis pela Principis (2021)
>>> Utopia de Thomas More pela Principis (2021)
>>> Poliana de Eleanor H. Porter pela Tricaju (2021)
>>> Cause of death de Patricia Cornwell pela Warner Books (1997)
>>> Um Inimigo do Povo de Henrik Ibsen pela Principis (2021)
>>> The Da Vinci Code de Dan Brown pela Corgi Books (2004)
>>> Little Woman de Luisa May Alcott pela Signet Classics (2012)
COLUNAS

Quinta-feira, 18/9/2008
Nem tudo o que é neo é clássico
Elisa Andrade Buzzo

+ de 4000 Acessos
+ 3 Comentário(s)

"Demoliram tudo", me dissera um morador do bairro. Não podia acreditar, teria que voltar ao terreno, vislumbrar o que havia sido e averiguar o que haveria de ser. Resolvo descer a rua paralela mais calma em vez da avenida movimentada e, chegando ao quarteirão universitário, reparo na grandiosidade de um estande de vendas imobiliário. Daqueles que agora se constroem pra impressionar, e depois são desmontados na mesma rapidez em que foram erguidos. "Place Royale". Arcos, croquis ilustrativos, pedregulho estendido como tapete de cerimônia.

"100% vendido", avisa adiante a faixa, orgulhosa. Mas então pra que tudo aquilo ― poderia se perguntar quem se detém por alguns segundos ―, também em estilo neoclássico e pronto para ser derrubado daqui a alguns meses de construção. O sucesso foi total antes mesmo do início das obras. Cem por cento se vendeu. Ou se rendeu ao gosto duvidoso. As casas geminadas, as padarias, tudo o que ainda resta, foi cruel ver sendo demolido, transformado em estacionamento. Mas o próprio colégio centenário era demais. Como destruir um prédio do tamanho de um museu, imponente, praticamente indestrutível!

A parte histórica do colégio por sorte ainda estava lá, embora o pátio e as construções anexas tenham sido demolidos. E assim o pátio escolar foi o lado mais fraco que se rompeu, agora projetado para ser um pátio romano do século XXI, repaginado em apartamentos residenciais. A cópia da cópia da cópia, adaptada aos costumes luxuosos como em nenhuma outra parte do globo.

Administração incompetente, desamor ao patrimônio e quase lá se vai a escola inteira. Em cinco anos de estudos o diretor nunca entrara em minha sala para dizer um bom dia, dar umas palavrinhas de encorajamento, se tivesse sido necessário. Mas os alunos teimavam e continuavam. Amavam a grande casa que, de tão grande, um quarteirão imenso, tinha três portarias.

A lanchonete, o barracão com os aparelhos de ginástica olímpica, os banheiros, os bebedouros, o pátio de lajotas vermelhas, o pátio de bolinhas pretas. Desvios que ao longo de anos escolares aprendemos a decorar, se esconder, sentar e conversar. Tudo abaixo, afundado na memória, invisível para subir outras construções mais ou menos edificantes. E, se a comunidade não se manifestasse contra, iria abaixo também o prédio centenário. As lembranças, empilhadas como tijolos, umas em cima das outras.

Este empreendimento de alto padrão será mais um daqueles que não param em pé sozinhos; ele é assim, um parasita dos escombros. Pudera, são 4 suítes, depósito e não sei quantas vagas na garagem, segurança, lazer completo, sala gourmet etc. Fora as empregadas, os porteiros, os seguranças que garantem a... segurança. Pois hoje não se faz nada sozinho. Estranho seria abrir seu próprio portão, estranho seria limpar o próprio chão, bater os tapetes, subir as escadas. Dá-lhe mais uma vez o conforto artificial, a eterna dependência, mas que ao menos emprega. Ah, sim! A ilha irreprochável.

E o resultado destas grandes obras imobiliárias é a morte lenta dos bairros. Saem as poucas cadeiras que ainda restam nas calçadas, diminui o convívio de igual para igual, o aconchego. O sentimento é de insegurança, afinal, são prédios "visados". O horizonte é pausterizado, creme baunilha pincelado por sacadas envidraçadas.

O morador que havia me contado sobre a demolição da escola tinha tamanho orgulho de ter passado a vida no bairro, que me estranhou a atitude já passiva ao relembrar o caso. Foi lá que morou a vida toda, estudou, fez faculdade, conheceu a mulher, casou, teve os filhos, que por sua vez estudaram na referida escola agora sem pátio, metade arrancada do mapa. E, para ele, a notícia fria agora só tinha um ar de buchicho, talvez uma resignação adulta, como a dos velhinhos que tiveram seus sobrados demolidos na mesma rua e hoje vivem pacificamente nos prédios da década de 1970. Crescer, resignar-se, acostumar-se às mudanças de endereço.

Continuo a descer o morro já não mais tão alegre. O novo cenário é árido, mambembe, passadista e degenerado. A importância das coisas resta incoerente ― o momento é oportuno para se vender algumas dezenas de apartamentos de alto padrão, não importa se os tratores vão passar por cima de gatos ou casas. O mercado imobiliário está superaquecido, ostentam as revistas de informação para a classe média. O momento, o calor que o passado não mais exala. Bonito é o que é novo, cheira a concreto. Nem tudo o que é novo me atrai.

Que memorialismo é esse? Tento colocar na cabeça que a gravidade da situação não é tanta, afinal, restou o prédio histórico. Ainda assim, fala alto a simples tentativa de colocá-lo abaixo. O sinal toca. Me vejo correndo sobre as bolinhas pretas, o início da vida social, as brigas entre reservas e titulares nas quadras poliesportivas. O sinal volta a tocar, desta vez pra me acordar, tudo passou, as histórias são flashes entrecortados por cimento e esfirras de carne. E se eu pensar que o prédio em que estou já foi uma única residência alternada em dilemas e glórias? Não deixa de ser estranha a sensação de contar e fazer parte de uma história de destruídos.

Nota do Editor
Leia também "Qual a história para a nossa cidade?", de Daniela Sandler.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 18/9/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Crônica do Judiciário: O Processo do Sapo de Ricardo de Mattos


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2008
01. Como era gostoso assistir à Sex and the City - 26/6/2008
02. Oiti - 20/11/2008
03. Chicas de Bolsillo e o fetiche editorial - 13/3/2008
04. Da indústria do sabor e do desgosto - 2/10/2008
05. No chão em que você pisa com seu salto agulha - 28/2/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/9/2008
07h48min
Querida Elisa, que belas e verdadeiras palavras! Nasci e vivo numa cidade que passa pelo mesmo desrespeito ao passado. Suas palavras me fazem lembrar o Anjo da História, de Walter Benjamin: ao olhar para o passado, avista apenas montes de escombros. Ou ainda, do mesmo autor, "Rua de Mão Única": anotações de um pensador que, aos 41 anos de idade, procura registrar paisagens de Berlim, pois sabia de antemão que tudo aquilo seria destruído. Desafortunadamente, o Brasil optou por um tipo de progresso destrutivo, assassino de memórias...
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
19/9/2008
00h59min
Nao e' de se estranhar que isso aconteca num pais onde nao ha' nenhum planejamento, e onde com dinheiro ainda pode-se passar por cima das leis. Uma ironia tambem e' que contratam porteiros, empregadas e segurancas por uns trocados e depois se queixam da violencia e de que carro blindado e' caro.
[Leia outros Comentários de Marcio Souza]
26/9/2008
18h13min
O páteo preto, o páteo vermelho... O portão principal, as quadras gêmeas... Elisa, você estudou lá? Meus filhos também, por três anos, e lamentamos muito o estado em que se encontra o Colégio, centenário. Com esse ocaso perdemos todos nós, é um colégio sério a menos em nossa cidade. Hoje eles estão em outro Colégio, que para ter qualidade custa muito (que saudades dos Colégios do Estado, que eram para todos!), e sentimos falta daquelas aulas de música, que privilegiavam a música clássica, na melhor tradição dos protestantes históricos... É muito triste a desconsideração pelo patrimônio arquitetônico da cidade, não saber dar valor ao antigo, ao que o tempo construiu... parabéns por ter escrito sobre isso!
[Leia outros Comentários de Roberta Resende]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




El Conflicto Social y los Gobiernos del Maximato
Lorenzo Meyer
El Colegio de Mexico
(1978)



Passatempo Direito Administrativo
João Antônio da Costa Lagranha
Rideel
(2016)



O Livro da Terra e dos Povos
Childcrafts
World Book
(1997)



O Sentido e a Máscara - Teatro - Coleção Debates
Gerd A. Bornheim
Perspectiva
(1975)



A Arte de Ouvir o Coração
Jan Philipp Sendker
Paralela
(2013)



A Ideologia
Ari Herculano de Souza
Do Brasil
(1989)



O Guarani - Ed. Paulus
José de Alencar
Paulus
(2005)



O Pensamento Vivo de Chaplin
José Geraldo Simões
Martin Claret
(1984)



Jesus e Jesus na Arte 4 Volumes
Vários Autores
Jbig
(1983)



Amor e Amizade
Jane Austen Whit Stillman
Gutenberg
(2016)





busca | avançada
73422 visitas/dia
2,5 milhões/mês