Da indústria do sabor e do desgosto | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
22991 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Mostra Primeiros Passos
>>> José Patrício inaugura exposição inédita em Brasília
>>> Livro mostra a ambiguidade entre amor e desamor
>>> Red Bull Station estreia exposições de letrista e de coletivo feminino em julho
>>> Alaíde Costa e Toninho Horta mostram CD em parceria na CAIXA Cultural São Paulo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> A luz da alma - Haifa Israel
>>> Tempo & Espaço
>>> Mão única
>>> A passos de peregrinos ll
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES IV
>>> Shomin-Geki, vidas comuns no cinema japonês
>>> Con(fusões)
>>> A passos de peregrinos l
>>> Ocaso
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES I
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A música clássica ensurdece a democracia caótica
>>> Dê-me liberdade e dê-me morte
>>> Telemarketing, o anti-marketing dos idiotas
>>> Memórias da revista Senhor
>>> É o Fim Do Caminho.
>>> Ao Abrigo, poemas de Ronald Polito
>>> O massacre da primavera
>>> Raio-X do imperialismo
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> O Brasil que eu quero
Mais Recentes
>>> A aventura é sua - Labirinto de jogos
>>> The Mysteries of Isis - Her Worship and Magick
>>> Araquém Alcântara - Fotografias
>>> O Observador in Natura
>>> Cómo Mirar un Cuadro
>>> Dicas Para um Primeiro Encontro com Final Feliz
>>> A Essência da Maturidade
>>> Biomusica
>>> Liberte-se do Passado
>>> Benjamim
>>> Diário
>>> La Hechicería - Técnica de los maleficios
>>> Maiden, Mother, Crone - The Myth & Reality of the Triple Goddess
>>> Técnicas de Alta Magia - Manual de Autoiniciación - Em Espanhol
>>> Curso de Filosofia Grega + Do século VI a.C. ao século III d.C.
>>> Manual do candidato às eleições & Carta do bom administrador público + Pensamentos políticos selecionados
>>> Platão
>>> Guia Prático da Wicca - A Magia do bem explicada passo a passo
>>> História & Religião VIII Encontro Regional de História RJ
>>> Magia Cigana - Encantamentos, Ervas Mágicas e Adivinhação
>>> Para conhecer o pensamento de Hegel
>>> Ética para executivos
>>> Coffee break produtivo
>>> O Secular Livro da Bruxa
>>> Direito Médico
>>> Audiovisual Español estructural
>>> Tomás de Aquino
>>> Minha limpeza corporal - Le grand Ménage
>>> Max Weber e a política alemã
>>> Isaiah Berlin
>>> La Magia en Acción
>>> Introdução à epistemologia
>>> As causas da grandeza do romanos e da sua decadência
>>> Hannah Arendt
>>> Paixão por vencer. A bíblia do sucesso
>>> O Livro Completo de Bruxaria do Buckland
>>> O Escaravelho do Diabo
>>> Llora Herraiz
>>> Festa no Covil
>>> O Fazedor de Velhos
>>> Mentes Tranquilas, Almas Felizes
>>> Contabilidade Pública: da Teoria à Prática
>>> Estudo de Movimentos e Tempos
>>> Cartas Comerciais em Espanhol
>>> Organização , Sistemas e Métodos e As Tecnologias de Gestão Organizacional
>>> Perdas & Ganhos
>>> Dom Casmurro
>>> História da Arte
>>> O sentido da realidade. Estudos das ideias e de sua história
>>> Práticas de Linguagem - Leitura & Produção de Textos
COLUNAS

Quinta-feira, 2/10/2008
Da indústria do sabor e do desgosto
Elisa Andrade Buzzo

+ de 4700 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Você já reparou que as bolachas industrializadas não têm mais gosto? Como se um dia elas tivessem tido, ok. Mas havia um sabor, ainda que o da pior estirpe, que é o aroma artificial ou o aroma imitativo.

A gente se acostuma com alguns sabores e, quando menos espera, a indústria muda a receita e lá se vai o cereal matinal favorito. Às vezes até se encontra em outro canto do mundo o mesmo cereal, intocada a proporção de sua fórmula. Mas sinto que uma ou outra sintonia não é suficiente, há um paladar, ou sabores sorrateiros, menos artificiais, diretamente colhidos de um reino apartado de nós. Não foi como uma dádiva dos deuses aquele almoço no acampamento do MST, em Perus? Ou os legumes, sempre frescos, do simpático bistrô Palais des Saveurs?

Queria saber o gosto do primordial, aquele da mandioca mais pura colhida pelos índios, da primeira feijoada fervida na senzala. E comer do ovo da galinha mais caipira trazida pelos portugueses, tomar da água da primeira nascente brasileira, encontrada na violência e no assombro dos primeiros exploradores.

Que pão seria aquele de centenas de anos atrás? Acaso meu paladar industrializado e infantil reconheceria a cana bruta ou o açúcar recém-refinado pelos holandeses? Se desejo um gosto quase ungüento e perfeito, de tempos longínquos, como poderei me acostumar a estas bruscas mudanças, em uma década apenas?

Na ânsia destes paladares retirados da essência da terra, desejo experimentar da bolacha dos náufragos suicidas em Limite (1931), de Mário Peixoto. A obra-prima desconhecida do cinema nacional segue arrastada e melancólica nos acordes das Gymnopédies. Até que a lassidão dos quatro personagens é quebrada pela presença do último alimento disponível: a lata de bolachas aberta, oferecida e indiferentemente degustada na calmaria das águas. Já não me importa tanto o enredo do filme, ou os belos Poemas de permeio com o mar de Mário, mas que eu encontre estas mesmas bolachas à venda, ao final da sessão, na lanchonete da Cinemateca.

Outro dia fui achar que a redenção das bolachas estaria em algumas opções de receitas tradicionais no mercado. Recorri à de coco, influenciada pela memória infantil da paisagem da cabana com coqueiros. Primeiro indício da desilusão: a antiga embalagem de plástico firme se transformara em fina película "abre fácil". A primeira mordida causou tamanho estranhamento na língua, que a segunda serviu para confirmar que algo estranho acontecera com os ingredientes ― pura gordura vegetal hidrogenada!

Antes desse episódio já constatara que o mercado brasileiro de bolachas estava saturado para mim. Também não é fácil encontrar em outros lugares produtos industrializados "com gosto", ainda que as embalagens possam avisar que não há conservantes ou que os aromas são naturais.

Os produtos clássicos, que sobreviveram a uma reprogramação visual, se tornam aguados (caso dos sorvetes), ou disfarçadamente menores. A falta de criatividade impera nesta indústria, que não se cansa de fabricar todo tipo de biscoitos felizes e recheados, transformar os tipos de sorvetes em biscoitos e os tipos de biscoitos em sorvetes, colorizar ao extremo; ou então seguir na linha do light e saudável, banhando as embalagens em prata, propagandeando qualidade de vida em novos molhos em lata (estes, sim, mais naturais), tirando o açúcar e mantendo a cafeína. Depois, ainda bem que vai dar pra escovar os dentes com a pasta do mesmo fabricante, limpar os restos amarelecidos do que antes era uma massa chamada bolacha.

Assim, ainda dá pra engolir o sorvete de chocolate branco, mas é visível a tal maquiagem do formato, agora reduzido. A bolacha luxuosa com gorda cobertura de cho-co-la-te, numa embalagem tão bonita que era como um embrulho para presente, recebe em sua fina casca um gostinho achocolatado. Os palitinhos cobertos de chocolate voltam com tudo, e até que estão gostosos, mas dá pra ver que não se compara o produto atual à requintada embalagem com papel-manteiga... se fosse pra ser ecológica, tudo bem.

Se a indústria alimentícia nos viciou para depois nos abandonar, é chegada a hora de recorrermos aos deliciosos biscoitos caseiros da titia ou aos fabricantes em menor escala, antes que estes sejam picados por um desejo megalomaníaco de crescimento e lucro.

Não boto fé nas bolachas importadas em lata que encontro nos supermercados, muito menos nos produtos franceses de segunda linha que grandes redes desovam em terras brasileiras. E o que fazer, então, com o sentimento de vazio, das coisas queridas e gostosas que mudam da água para o vinho?

Os biscoitos Fofy de chocolate sumiram das prateleiras como o marido que sai pra comprar cigarros e não volta mais. Era um gosto que não enjoava, sempre que se tinha vontade de comer um doce, a salvação estava nos saquinhos vermelhos. Anos depois achei um genérico, como o dos remédios. Em vez dos ursinhos esportistas, uns bichinhos em geral, agora sabor brigadeiro. Talvez, um dia, o original volte. Ainda assim pode ser por tempo limitado.


Elisa Andrade Buzzo
Bordeaux, 2/10/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nobel, novo romance de Jacques Fux de Jardel Dias Cavalcanti
02. Noel Rosa de Fabio Gomes
03. Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry
04. Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá? de Renato Alessandro dos Santos
05. Brasil, o buraco é mais embaixo de Luís Fernando Amâncio


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2008
01. Como era gostoso assistir à Sex and the City - 26/6/2008
02. Oiti - 20/11/2008
03. Chicas de Bolsillo e o fetiche editorial - 13/3/2008
04. Da indústria do sabor e do desgosto - 2/10/2008
05. Olimpíadas sentimentais - 28/8/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
2/10/2008
18h38min
Ainda me lembro da "maria mole"... que delícia! Mas está no passado, não se encontra com facilidade. Tens razão, aos poucos foram adicionando sabores e texturas aos nossos biscoitos e docinhos, tirando deles aquele gostinho dos biscoitos da vovó. De vez em quando ainda compro quitandas do tempo da vovó em alguma "bodega" esquecida no tempo. E dá uma saudade...
[Leia outros Comentários de Solange Boy ]
3/10/2008
18h26min
Mais uma vez encontrei aqui algo bom pra ler. Na verdade, encontro sempre que entro nesta site. O problema está em achar tempo pra ler as coisas gostosas daqui. Coisas que não perderam o sabor, como as bolachas mencionadas por Elisa. E falando em biscoitos e tal, está sendo descoberto que a farinha de trigo, essa que a gente gosta e come em quase tudo, não tem o valor nutritivo que herdou. Além de não ter valor alimentício alto, usamos uma quantidade grande de enzimas pra podermos digerir. Hoje os cientistas do ramo estudam os produtos de uma forma mais Deoxyribonucleic acid, e aprendemos os valores que cada alimento tem para a nossa saúde. Claro, neste meio tempo aparecem doenças que nunca existiram antes. Acho que as bolachas que gostamos somente poderão ser feitas em casa. As indústrias, por fazerem pra uma grande população, estão sendo escrutinadas em tudo. Assim, quando se decide que o açúcar faz mal, ele desaparece ou é substituído - e assim vamos levando. Adorei o seu texto.
[Leia outros Comentários de Milton Laene Araujo]
4/10/2008
18h15min
Querida Elisa, eu acrescento, citando: adeus, "bolinhos pequenos e cheios chamados madalenas e que parecem moldados na valva estriada de uma concha de São Tiago." Adeus saborosa "colherada de chá". Adeus, Marcel Proust. Adeus, "Em Busca do Tempo Perdido". Adeus, Literatura! abraços do Sílvio Medeiros. Campinas, é primavera de 2008.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
13/10/2008
11h05min
Os tempos são outros e a vida mudou. O certo, porém, é que ninguém gosta de ser pequeno. A taberna se transformou em supermercado e a fábrica de sequilho da titia foi engolida pela multinacional. Outro dia, procurei por macaxeira em um supermercado de minha cidade, e não a encontrei no local de costume, mas, sim, em um balcão frigorífico, em um saco plástico e já devidamente descascada. Assustei-me, mas tive de comprá-la. Quer dizer, por conta dos tais avanços tecnológicos, acabei perdendo o prazer de descascá-la. Esse é apenas um dos preços que pagamos pelo conforto dos tempos modernos, onde tudo já vem pronto para consumo. Qualquer dia vão vendê-la já cozida. Mas, enfim, um grande texto o teu, Elisa. Parabéns.
[Leia outros Comentários de Américo Leal Viana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MINERVINO FRANCISCO SILVA (LITERATURA DE CORDEL)
MINERVINO FRANCISCO SILVA
HEDRA
(1999)
R$ 14,00



UM POMBO E UM MENINO
MEIR SHALEV
BERTRAND BRASIL
(2010)
R$ 10,00



BEIJING - CHINA
JD BY BOOK
JD BY BOOK
(2002)
R$ 20,92



ANJOS E DEMÔNIOS - CAPA DO FILME
DAN BROWN
SEXTANTE
(2004)
R$ 13,55



A MENINA QUE BRINCAVA COM FOGO
STIEG LARSSON
COMPANHIA DAS LETRAS
(2009)
R$ 6,00



VIAGEM PELAS PROVINCIAS DO RIO DE JANEIRO E MINAS GERAIS
AUGUSTE DE SAINT HILARE
ITATIAIA
(2018)
R$ 30,00



PAES SEM SEGREDO
SARA LEWIS
MARCO ZERO
(2010)
R$ 30,00



CARTAS DE ANIVERSÁRIO - EDIÇÃO BILÍNGUE
TED HUGHES
RECORD
(1999)
R$ 15,00
+ frete grátis



LAÇOS ETERNOS
ZIBIA GASPARETTO
VIDA E CONSCIÊNCIA
(2003)
R$ 19,90



COURS SUPÉRIEUR DORTHOGRAPHE
E. BLED / O. BLED
CLASSIQUES HACHETTE
(1954)
R$ 28,84





busca | avançada
22991 visitas/dia
1,1 milhão/mês