Da indústria do sabor e do desgosto | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
51542 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
>>> PAULUS Editora promove a 6º edição do Simpósio de Catequese
>>> Victor Arruda, Marcus Lontra, Daniela Bousso e Francisco Hurtz em conversa na BELIZARIO Galeria
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> teu filho, teu brilho
>>> O Medium e o retorno do conteúdo
>>> A Poli... - 10 anos (e algumas reflexões) depois
>>> Web-based Finance Application
>>> Pensando sozinho
>>> Aventuras pelo discurso de Foucault
>>> Chega de Escola
>>> Hipermediocridade
>>> A luta mais vã
>>> História da leitura (I): as tábuas da lei e o rolo
Mais Recentes
>>> 12 Meses para Enriquecer - o Plano da Virada de Marcos Silvestre pela Lua de Papel (2010)
>>> A Filha do Restaurador de Ossos de Amy Tan pela Rocco (2002)
>>> Outsiders: Vidas sem Rumo de Susan E. Hinton pela Brasiliense (1985)
>>> Repensando uma Cultura de Paz e Liberdade de Carlos Góes / Acácio Alvarenga / Átila da Veiga pela Unb (2010)
>>> Míni Aurélio de Marina Baird Ferreira pela Positivo (2006)
>>> Vaticano de Edizioni Musei Vatican pela Portoghese
>>> Konig de Ana Rita Petraroli pela Scortecci (2012)
>>> Comentários ao Código Tributário Nacional, Vol. II de Hugo de Brito Machado pela Atlas (2004)
>>> Chic Homen: Manual de Moda e Estilo de Gloria Kalil pela Senac (2004)
>>> O Ciclo das Aguas de Moacyr Scliar pela L&pm (2010)
>>> Contos de Lugares Distantes de Shaun Tan pela Cosac Naify (2008)
>>> B is For Burglar: Intermediate (macmillan Readers) de Sue Grafton pela Macmillan Education (2005)
>>> Sucessão: Charges no Jornal do Brasil de Barcímio Amaral e Outros pela Jornal do Brasil (1983)
>>> Os cientistas e seus experimento de arromba de Dr. Mike Goldsmith pela Seguinte (2007)
>>> Ninguém Pode Saber de Karin Slaughter pela Harper Collins (2019)
>>> Aqui e Agora de Saul Bellow pela Bloch (1967)
>>> Innovation - the Attackers Advantage de Richard Foster pela vSummit Books (1986)
>>> Tudo o Que Você Precisa Saber Sobre Filosofia de Paul Kleinman pela Gente (2014)
>>> Ana Terra de Erico Verissimo pela Globo (1979)
>>> Quando é Preciso Ser Forte Autobriografia de De Rose pela Egrégora (2012)
>>> The Bat Scientists de Mary Kay Carson pela Desconhecida
>>> Poesia Completa de Alberto Caeiro (de Bolso) de Fernando Pessoa pela Companhia das Letras (2005)
>>> Estrelas Fritas com Açúcar de Leticia Wierzchowski pela Planeta (2020)
>>> Derivatives in Financial Markets With Stochastic Volatility de Jean-pierre Fouque; George Papanicolaou pela Cambridge University Press (2000)
>>> Contos de Voltaire pela Abril (1972)
COLUNAS

Quinta-feira, 2/10/2008
Da indústria do sabor e do desgosto
Elisa Andrade Buzzo

+ de 6100 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Você já reparou que as bolachas industrializadas não têm mais gosto? Como se um dia elas tivessem tido, ok. Mas havia um sabor, ainda que o da pior estirpe, que é o aroma artificial ou o aroma imitativo.

A gente se acostuma com alguns sabores e, quando menos espera, a indústria muda a receita e lá se vai o cereal matinal favorito. Às vezes até se encontra em outro canto do mundo o mesmo cereal, intocada a proporção de sua fórmula. Mas sinto que uma ou outra sintonia não é suficiente, há um paladar, ou sabores sorrateiros, menos artificiais, diretamente colhidos de um reino apartado de nós. Não foi como uma dádiva dos deuses aquele almoço no acampamento do MST, em Perus? Ou os legumes, sempre frescos, do simpático bistrô Palais des Saveurs?

Queria saber o gosto do primordial, aquele da mandioca mais pura colhida pelos índios, da primeira feijoada fervida na senzala. E comer do ovo da galinha mais caipira trazida pelos portugueses, tomar da água da primeira nascente brasileira, encontrada na violência e no assombro dos primeiros exploradores.

Que pão seria aquele de centenas de anos atrás? Acaso meu paladar industrializado e infantil reconheceria a cana bruta ou o açúcar recém-refinado pelos holandeses? Se desejo um gosto quase ungüento e perfeito, de tempos longínquos, como poderei me acostumar a estas bruscas mudanças, em uma década apenas?

Na ânsia destes paladares retirados da essência da terra, desejo experimentar da bolacha dos náufragos suicidas em Limite (1931), de Mário Peixoto. A obra-prima desconhecida do cinema nacional segue arrastada e melancólica nos acordes das Gymnopédies. Até que a lassidão dos quatro personagens é quebrada pela presença do último alimento disponível: a lata de bolachas aberta, oferecida e indiferentemente degustada na calmaria das águas. Já não me importa tanto o enredo do filme, ou os belos Poemas de permeio com o mar de Mário, mas que eu encontre estas mesmas bolachas à venda, ao final da sessão, na lanchonete da Cinemateca.

Outro dia fui achar que a redenção das bolachas estaria em algumas opções de receitas tradicionais no mercado. Recorri à de coco, influenciada pela memória infantil da paisagem da cabana com coqueiros. Primeiro indício da desilusão: a antiga embalagem de plástico firme se transformara em fina película "abre fácil". A primeira mordida causou tamanho estranhamento na língua, que a segunda serviu para confirmar que algo estranho acontecera com os ingredientes ― pura gordura vegetal hidrogenada!

Antes desse episódio já constatara que o mercado brasileiro de bolachas estava saturado para mim. Também não é fácil encontrar em outros lugares produtos industrializados "com gosto", ainda que as embalagens possam avisar que não há conservantes ou que os aromas são naturais.

Os produtos clássicos, que sobreviveram a uma reprogramação visual, se tornam aguados (caso dos sorvetes), ou disfarçadamente menores. A falta de criatividade impera nesta indústria, que não se cansa de fabricar todo tipo de biscoitos felizes e recheados, transformar os tipos de sorvetes em biscoitos e os tipos de biscoitos em sorvetes, colorizar ao extremo; ou então seguir na linha do light e saudável, banhando as embalagens em prata, propagandeando qualidade de vida em novos molhos em lata (estes, sim, mais naturais), tirando o açúcar e mantendo a cafeína. Depois, ainda bem que vai dar pra escovar os dentes com a pasta do mesmo fabricante, limpar os restos amarelecidos do que antes era uma massa chamada bolacha.

Assim, ainda dá pra engolir o sorvete de chocolate branco, mas é visível a tal maquiagem do formato, agora reduzido. A bolacha luxuosa com gorda cobertura de cho-co-la-te, numa embalagem tão bonita que era como um embrulho para presente, recebe em sua fina casca um gostinho achocolatado. Os palitinhos cobertos de chocolate voltam com tudo, e até que estão gostosos, mas dá pra ver que não se compara o produto atual à requintada embalagem com papel-manteiga... se fosse pra ser ecológica, tudo bem.

Se a indústria alimentícia nos viciou para depois nos abandonar, é chegada a hora de recorrermos aos deliciosos biscoitos caseiros da titia ou aos fabricantes em menor escala, antes que estes sejam picados por um desejo megalomaníaco de crescimento e lucro.

Não boto fé nas bolachas importadas em lata que encontro nos supermercados, muito menos nos produtos franceses de segunda linha que grandes redes desovam em terras brasileiras. E o que fazer, então, com o sentimento de vazio, das coisas queridas e gostosas que mudam da água para o vinho?

Os biscoitos Fofy de chocolate sumiram das prateleiras como o marido que sai pra comprar cigarros e não volta mais. Era um gosto que não enjoava, sempre que se tinha vontade de comer um doce, a salvação estava nos saquinhos vermelhos. Anos depois achei um genérico, como o dos remédios. Em vez dos ursinhos esportistas, uns bichinhos em geral, agora sabor brigadeiro. Talvez, um dia, o original volte. Ainda assim pode ser por tempo limitado.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 2/10/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O mundo é pequeno demais para nós dois de Renato Alessandro dos Santos
02. Os olhos de Ingrid Bergman de Renato Alessandro dos Santos
03. O pródigo e o consumo de Eugenia Zerbini
04. Memória de Elefante de Carina Destempero
05. Os desajustados de Elisa Andrade Buzzo


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2008
01. Como era gostoso assistir à Sex and the City - 26/6/2008
02. Oiti - 20/11/2008
03. Chicas de Bolsillo e o fetiche editorial - 13/3/2008
04. Da indústria do sabor e do desgosto - 2/10/2008
05. No chão em que você pisa com seu salto agulha - 28/2/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
2/10/2008
18h38min
Ainda me lembro da "maria mole"... que delícia! Mas está no passado, não se encontra com facilidade. Tens razão, aos poucos foram adicionando sabores e texturas aos nossos biscoitos e docinhos, tirando deles aquele gostinho dos biscoitos da vovó. De vez em quando ainda compro quitandas do tempo da vovó em alguma "bodega" esquecida no tempo. E dá uma saudade...
[Leia outros Comentários de Solange Boy ]
3/10/2008
18h26min
Mais uma vez encontrei aqui algo bom pra ler. Na verdade, encontro sempre que entro nesta site. O problema está em achar tempo pra ler as coisas gostosas daqui. Coisas que não perderam o sabor, como as bolachas mencionadas por Elisa. E falando em biscoitos e tal, está sendo descoberto que a farinha de trigo, essa que a gente gosta e come em quase tudo, não tem o valor nutritivo que herdou. Além de não ter valor alimentício alto, usamos uma quantidade grande de enzimas pra podermos digerir. Hoje os cientistas do ramo estudam os produtos de uma forma mais Deoxyribonucleic acid, e aprendemos os valores que cada alimento tem para a nossa saúde. Claro, neste meio tempo aparecem doenças que nunca existiram antes. Acho que as bolachas que gostamos somente poderão ser feitas em casa. As indústrias, por fazerem pra uma grande população, estão sendo escrutinadas em tudo. Assim, quando se decide que o açúcar faz mal, ele desaparece ou é substituído - e assim vamos levando. Adorei o seu texto.
[Leia outros Comentários de Milton Laene Araujo]
4/10/2008
18h15min
Querida Elisa, eu acrescento, citando: adeus, "bolinhos pequenos e cheios chamados madalenas e que parecem moldados na valva estriada de uma concha de São Tiago." Adeus saborosa "colherada de chá". Adeus, Marcel Proust. Adeus, "Em Busca do Tempo Perdido". Adeus, Literatura! abraços do Sílvio Medeiros. Campinas, é primavera de 2008.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
13/10/2008
11h05min
Os tempos são outros e a vida mudou. O certo, porém, é que ninguém gosta de ser pequeno. A taberna se transformou em supermercado e a fábrica de sequilho da titia foi engolida pela multinacional. Outro dia, procurei por macaxeira em um supermercado de minha cidade, e não a encontrei no local de costume, mas, sim, em um balcão frigorífico, em um saco plástico e já devidamente descascada. Assustei-me, mas tive de comprá-la. Quer dizer, por conta dos tais avanços tecnológicos, acabei perdendo o prazer de descascá-la. Esse é apenas um dos preços que pagamos pelo conforto dos tempos modernos, onde tudo já vem pronto para consumo. Qualquer dia vão vendê-la já cozida. Mas, enfim, um grande texto o teu, Elisa. Parabéns.
[Leia outros Comentários de Américo Leal Viana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Escravidão no Brasil: Trabalho e Resistência
Júlio Quevedo
Ftd
(1996)



Estude e Viva
Chico Xavier
Federação Espírita Brasileira
(2008)



Tudo Pode Dar Certo
Paulo Henrique Durci
Intelítera
(2013)



L'arte Des Origines A Nos Jours Tomo 1 - Leon Deshairs
Leon Deshairs
Larousse
(1932)



Seu Horóscopo Chines para 2014
Neil Somerville
Best Seller
(2013)



The Last Sherlock Holmes Story
Michael Dibdin
Oxford BookWorms
(2003)



Marcel and the White Star
Stephen Rabley
Penguin Readers
(1999)



À Prova de Fogo
Consuelo de Castro
Hucitec
(1977)



7 de Setembro Independência Até Onde Se Chegou?
Alfredo Boulos Júnior
Ftd
(1997)



Ria da Minha Vida Antes Que Eu Ria da Sua
Evandro Augusto Daolio
Arx
(2006)





busca | avançada
51542 visitas/dia
1,8 milhão/mês