Coro dos Maus Alunos | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
63818 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> “Um pé de biblioteca” estimula imaginação e ajuda a criar novas bibliotecas pelo Brasil
>>> Diálogos na Web FAAP: Na pauta, festivais de cinema e crítica cinematográfica
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Morando sozinha II
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> A Piauí tergiversando sobre o fim dos jornais
>>> Mário Sérgio Cortella #EuMaior
>>> O Gabinete do Dr. Caligari
>>> Ser intelectual dói
>>> Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge
>>> É Julio mesmo, sem acento
Mais Recentes
>>> Curso Básico de Yoga de Gerson D'Addio da Silva pela Grecco e Mello (2007)
>>> O Outono do Patriarca de Gabriel García Márquez pela Record (1975)
>>> Filosofias da Índia de Heinrich Zimmer , compilado por Joseph Campbell pela Palas Athena (2008)
>>> Historias do Tio Marciano de Antonio Gregorio Goidanich pela Nova Prova (2001)
>>> O Caminho da Tranquilidade de Sua Santidade O Dalai-Lama pela Sextante (2000)
>>> A Senda Do Yoga de Maria Laura Garcia Packer pela Nova Letra (2011)
>>> Oráculo Manual e Arte da Prudência de Baltasar Gracian pela Ediouro (1979)
>>> A Solução: Viagra, a cura da impotência de Dr. Steven Lamm pela Record (1998)
>>> O primo Basílio de Eça de Queiros pela Globo (2000)
>>> Mojo 318 May 2020 de Foo Fighters pela Mojo (2020)
>>> The Penguin Business Dictionary de Michael Greener pela Penguin Books (1987)
>>> Mojo 317 April 2020 de Jimi Hendrix pela Mojo (2020)
>>> Dentro da Noite Veloz & Poema Sujo de Ferreira Gullar pela Círculo do Livro
>>> Mojo 316 March 2020 de Joy Division pela Mojo (2020)
>>> Longa Jornada Noite Adentro de Eugene O'Neill pela Abril (1977)
>>> Mojo 315 February 2020 de Johnny Cash pela Mojo (2020)
>>> Mojo 314 January 2020 de Leonard Cohen pela Mojo (2020)
>>> Prog Magazine 88 de Pink Floyd pela Future (2020)
>>> Conversa Franca Sobre Desânimo de Joyce Meyer pela Min. Joyce Meyer (2005)
>>> O Leitor de Bernhard Schlink pela Record (2009)
>>> Downbeat Magazine June 2020 de Norah Jones pela Db (2020)
>>> Yoga, Imortalidade e Liberdade de Mircea Eliade pela Palas Athena (2009)
>>> The Bell - Her wise, witty and compulsive novel de Iris Murdock pela Penguin Books (1962)
>>> Os robôs e o império de Isaac Asimov pela Record (1985)
>>> Wallpaper Magazine May 2020 de Design Directory pela TI Media (2020)
>>> Contato de Carl Sagan pela Guanabara (1986)
>>> Os Três Reos e o Quarto Rei, Lendas Natalinas de Jakob Streit pela Edições Waldorf (1991)
>>> Neuromancer de William Gibson pela Aleph (1991)
>>> O Gênio do Crime de J.C. Marinho Silva pela Edijovem (1999)
>>> O incrível congresso de futurologia de Stanislaw Lem pela Nova Fronteira (1977)
>>> O cair da noite de Isaac Asimov pela Hemus (1981)
>>> Solaris de Stanislaw Lem pela Círculo do livro (1987)
>>> O Livro da Filosofia de Diversos pela Globo (2016)
>>> O homem bicentenário de Isaac Asimov pela Hemus (1976)
>>> Os robôs do amanhecer de Isaac Asimov pela Record (1983)
>>> Cartas de Um Executivo a Seu Filho de G. Kingsley Ward pela Record (1985)
>>> Desenho de Perspectiva (Português) Capa dura , Livro Novo de David Sanmiguel pela Ambientes (2020)
>>> Os anéis de Saturno de Isaac Asimov pela Hemus
>>> Inimigo Rumor 17 de Carlito Azevedo e Outros Editores pela Naify (1993)
>>> Anjos e Demônios de Dan Brown pela Sextante (2004)
>>> Fundação de Isaac Asimov pela Hemus (1982)
>>> Pureza de Jonathan Franzen pela Companhia das Letras (2016)
>>> Os Anos 40 de Rachel Jardim pela José Olympio (1973)
>>> A maçã no escuro de Clarice Lispector pela Círculo do livro
>>> Prontuário de Yoga Antigo (SVÁSTHYA YOGA de Professor de Rose pela Ground (1986)
>>> De corpo inteiro de Clarice Lispector pela Artenova (1975)
>>> A cidade sitiada de Clarice Lispector pela José Olympio (1975)
>>> A paixão segundo GH de Clarice Lispector pela José Olympio (1977)
>>> A Queda para o Alto de Herzer pela Círculo do Livro (1982)
>>> Química e física de Daniel Cruz pela Ática (2002)
COLUNAS

Terça-feira, 8/10/2013
Coro dos Maus Alunos
Duanne Ribeiro

+ de 4100 Acessos

Coro dos Maus Alunos, peça que esteve em cartaz no Centro Cultural São Paulo neste outubro, narra os conflitos deflagrados em uma escola com a vinda de um professor com métodos inovadores - sua temática é a das dificuldades de ensino e aprendizado, das distâncias entre educadores e alunos, da apatia e violência dentro das escolas. No fim das contas, a montagem faz um bom tratamento de ideias sem novidade; o roteiro consegue renovar os clichês de que faz uso, mas é principalmente graças à atuação e aos recursos cenográficos utilizados que o conjunto ganha cor. Luzes e sombras, projeções, usos do som - cenograficamente, consegue-se evidenciar o problema central do tema: as visibilidades de um estado de crise.

Com dramaturgia do português Tiago Rodrigues (data de 2008) e direção de Tuna Serdezello, a comédia dramática foi montada pela Cia Arthur-Arnaldo, em seu projeto teatral para atores jovens. Em resumo, trata-se de um conflito entre a diretoria da escola - o pólo conservador, digamos - e um professor de filosofia que retorna à docência após ter ficado um tempo fora de atividade - o pólo revolucionário. Enquanto as aulas cativam os alunos e enriquecem sua vivência de modos inesperados, a ação da burocracia perscruta cada ato, armando o bote. Mais: sabemos que esse conflito nem tão tácito terminou em catástrofe. É assim que a peça começa: os adolescentes vêm e nos contam que quebraram os móveis, pixaram as paredes, agrediram os professores, e havia uma arma, havia alguém com uma arma, e uma pessoa foi morta.

Esses adolescentes são representados pelos atores Carú Lima, Fábio Rhoden, Júlia Novaes, Luísa Taborda, Taiguara Chagas e Vagner Valério. Além de atuarem, cada um, como um desses alunos, com suas personalidades, encenam alternadamente os personagens da administração do colégio e o do professor de filosofia. Eles nos avisam das imprecisões potenciais na história que contam, da falta de concordância que possam ter entre si. Não obstante, sentem necessidade de contar.

Estereótipo, Fábula e Política
Os três tipos de personagem são caricaturas e clichês, o que, embora sirva ao humor da peça, lhe enfraquece o conteúdo. O diretor e a diretora adjunta são praticamente vilões de desenho: rígidos, empolados, exigidores de formalidades. Sem a ressifignicação final (como veremos), só redundariam em um maniqueísmo vazio. (Dentre os atores que interpretam a diretora adjunta se destaca Luísa Taborda, pelo uso do corpo: enquanto aluna, ela tem os pés agéis, senta-se na cadeira inquieta; enquanto diretora, é toda tensa, os braços esticados alongando os dedos.)

Os estudantes são, da mesma forma, figuras reconhecíveis e previsíveis, e funcionam mais ou menos como alegorias. A garota pixadora que é reprimida e assim indica o quanto não veem seu potencial artístico. O garoto que não quer saber de competência de professor, só passa o tempo, fica nos joguinhos de celular. O casal que transa, quase por brincadeira, descobrindo uma felicidade delicada, e põe o vídeo no Youtube. Todas essas, experiências que precisariam ser conformadas de outro modo; a crítica implicíta é evidente: a escola é deletéria por matar a criatividade, por não supor que os alunos tenham vontade própria e justificada? A escola, essa instituição envelhecida, está rendida frente ao novo mundo midiático com que se defronta?

Nesse sentido, ainda um outro personagem típico. O garoto que filma tudo (o mesmo do vídeo citado) expressa em dado momento que a câmera lhe permite um recuo da experiência; como se não vivesse, estivesse distanciado. Em essência, o personagem é similar ao protagonista de Benny's Video, filme de Michael Haneke (porém a película segue por desenvolvimentos muito mais intensos). Os adolescentes estão mais "distantes da vida", recobertos por essa camada de tecnologia? Talvez baste notar, para exibir a insuficiência de um tal pensamento, que Benny's Video é de 1992 e o diagnóstico continua o mesmo. Para uma crítica mais aprofundada, leia o artigo "Louis C.K. Is Wrong About Smartphones", de Daniel Engber.

Por fim, o clichê do professor sui generis - ainda com menos surpresa se trata de um docente de filosofia. O cinema nos dá alguns exemplos: o drama A Sociedade dos Poetas Mortos, as comédias Mudando de Hábito e Escola do Rock, etc; todos com esse alguém fora das normas, que consegue ensinar e emocionar como ninguém mais na instituição, e que é punido por isso de alguma forma. Quanto à filosofia, a imagem que se cria é a do "sábio", do sujeito algo maluco, algo outsider, dizendo "mas o que significa isso?" sobre tudo. Faz-se jus à caricatura mais difundida de filósofo; de imediato todos sabem o que esperar. Além do mais, corresponde a um ideal de vários professores que veem sua profissão como via de "transformação", e retiram daí reconforto e estímulo.

Essa representação prejudica o caráter político da montagem. Pois nas costas de um professor-messias recai o peso de modificar a educação; e é apenas a gestão míope, enrijecida, a causar os problemas pedagógicos. No entanto, isso esquece de muito: as condições socioculturais dos alunos e dos pais dos alunos, a infraestrutura, o salário dos trabalhadores, a descontinuidade das políticas públicas na área. Em Coro dos Maus Alunos, e esse é possivelmente seu defeito maior, essa problemática é resolvida como fábula, o que torna a peça incapaz de renovar o debate.

Lições do Professor
"Quem aqui pode me insultar?", diz o professor no primeiro dia de aula. Imagine: te colocam numa sala e você tem de virar ao educador e dizer: Cuzão. Você tem de dizer: Filho da puta. É algo inverossímil que os personagens da peça tenham tanta dificuldade pra isso - só consigo pensar na presteza com que se poderia fazê-lo em qualquer escola pública - mas, enfim, eles são livres para serem agressivos, e isso lhes é muito inaudito. Abre-se o espaço para que se discuta: somos livres para o quê? Como é que se configura, de tempos em tempos, nossas liberdades? Os modos de governo, democracia incluída, são especialmente modos de coerção?

Como diz Pascal nos Pensamentos: "Três graus de elevação do pólo derrubam a jurisprudência. Um meridiano decide a verdade; em poucos anos de posse, as leis fundamentais mudam; o direito tem suas épocas. (...) Divertida justiça que um rio limita! Verdade aquém dos Pireneus, erro além". Essa a referência do professor? Sua primeira aula já causa burburinho. A diretoria passa a acompanhar seus passos. O ritmo do espetáculo é o ritmo deste inquérito. Quando um adolescente comparece à sala do diretor, o conteúdo das aulas é informado indiretamente (e sem rodeios, por pedido do próprio educador-filósofo).

De um lado, a administração; doutro, o estudante. O elenco move projetores, as sombras de cada um se destacam no concreto, imensas. Em outro momento, quando ouvimos contar dos grafites feitos na escola, dos conselhos de estética que a menina recebeu do filósofo, vemos os desenhos que ela fez dançarem no teto e nas paredes. Ou ainda, o depoente fala apenas com uma lanterna contra o rosto. "Um a um fomos sendo chamados", nos confessam, pessoalmente, olhos nos olhos.

O inquérito descobre sobre aulas em que se assiste a jogos e se faz apostas. Em que se propõe a todos jejuarem por dias, de modo a compreender como se sente quem tem fome. Em que se ensina todas as matérias errado, e a lição de casa é encontrar os enganos. A tensão se eleva até que o professor é convocado para depor frente à gestão e aos pais. Em uma espécie de apologia de Sócrates, ele não se desculpa, mas reafirma suas propostas. Os alunos, impedidos de entrar, se enfurecem lá fora. Até que explodem. Todas as luzes são apagadas. Ouvimos os gritos. Alguém que corre. Alguém que grita "não!". Um tiro. Vimos isso encenado antes na montagem, de modos diferentes; reinventamos a cena derradeira, no entanto, com dramaticidade própria. No final, por acaso, estavam lado a lado os dois arquétipos opostos: professor e diretor. A arma atira e qual dos dois é o que cai?

Ver a Crise
As narrativas assumidamente parciais e defeituosas, a necessidade de expressão de si, o fato de que só o escândalo reúne a comunidade na escola e essa conclusão, em que o tiro junta o "herói" e o "vilão" em um alvo indecidido - tudo isso me parece rascunhar a crise pelos seus vários níveis de visibilidade: o que está sendo suprimido, quem suprime, quem não suprime, mas canaliza segundo critérios próprios. A melhor característica de Coro dos Maus Alunos é ter me aberto a essa dificuldade de interpretação.

Compartilhe dessa dificuldade: como compreender, dados tantos fatores, a crise da educação, que não é brasileira, mas mundial? Um primeiro passo para buscar uma resposta quiçá sejam as referências explícitas, pelo programa, do espetáculo de que tratamos: o artigo do El País "La era del profesor desorientado", o livro O Que Será de Nós, os Maus Alunos, de Álvaro Marchesi ("um dos pais da reforma educacional da Espanha", foi entrevistado pela Nova Escola) e a fala de Teixeira Coelho no Seminário Internacional Educação e Cultura, do Itaú Cultural, "A Invasão pelos Outros e Como Contê-la". Caso tenha outras referências, deixe nos comentários.

Nota do Editor:
Leia também "O Que Mata o Prazer de Ler?", deste colunista.


Duanne Ribeiro
São Paulo, 8/10/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Bitcoin, smart contracts, blockchain, cryptoassets de Julio Daio Borges
02. O fim do (meu) automóvel de Marta Barcellos
03. Retrato I: Seu Cabatosta, Corretor de Imóveis de Ricardo de Mattos
04. A guerra contra o Iraque e a desobediência civil de Rodrigo Gurgel
05. A tirania do isolamento de Vicente Tardin


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro em 2013
01. As Aventuras de Pi - 19/2/2013
02. Discutir, debater, dialogar - 29/1/2013
03. Margarita Paksa: Percepção e Política - 12/3/2013
04. American Horror Story: Asylum - 13/8/2013
05. Passe Livre, FdE e Black Blocs - enquanto Mídia - 10/9/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ESCOLHA O CAMINHO MAIS FÁCIL
JULIA ROGERS HAMRICK
BEST SELLER
(2017)
R$ 35,00



PRÉCIS DE PATHOLOGIE MÉDICALE TOME 3 MALADIES DE L APPAREIL
FERNAND BEZANÇON
MASSON ET CIE EDITEURS
(1931)
R$ 61,41



VERSÃO BRASILEIRA
IRENE HIRSCH
ALAMEDA
(2006)
R$ 40,00



EL EFECTO GUGGENHEIM BIBAO
ASUN BALZOLA
EDICIONES SM
(2003)
R$ 15,94



UMA INTRODUÇÃO AS CIENCIAS DAS FINANÇAS
ALIOMAR BALEEIRO
FORENSE
(1968)
R$ 7,00



À MESA COM A FAMÍLIA
LETICIA CASOTTI
MAUAD
(2002)
R$ 6,90



O CORUJA
ALUÍSIO AZEVEDO
GLOBAL
(2008)
R$ 7,00



O PRESIDENTE MACHADO DE ASSIS
JOSUÉ MONTELLO
LIVRARIA MARTINS
R$ 30,00



ÁGAPE
PADRE MARCELO ROSSI
GLOBO
(2010)
R$ 7,00



VINHO - SÉRIE PARA DUMMIES - O JEITO DIVERTIDO DE APRENDER
ED MCCARTHY E MARY EWING MULLIGAN
CAMPUS
(1999)
R$ 24,61





busca | avançada
63818 visitas/dia
2,2 milhões/mês