Os Doze Trabalhos de Mónika. 11. A Quatro Braçadas | Heloisa Pait | Digestivo Cultural

busca | avançada
37883 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Impressões sobre São Paulo
>>> Lobato e os amigos do Brasil
>>> A Promessa da Política, de Hannah Arendt
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Luciano do Valle (1947-2014)
>>> Por que as velhas redações se tornaram insustentáveis on-line
>>> Ação Social
>>> Dá-lhe, Villa!
>>> forças infernais
>>> 20 de Abril #digestivo10anos
Mais Recentes
>>> Fantasma Equilibrista de Tânia Alexandre Martinelli pela Positivo (2009)
>>> A História de Cada Um de Juciara Rodrigues pela Scipione (2010)
>>> Exercícios de Admiração de E. M. Cioran pela Rocco (2011)
>>> A Baleia de Cláudio Feldman pela FTD (2006)
>>> Teoria do Drone de Grégoire Chamayou pela Cosac Naify (2015)
>>> Uma Temporada no Inferno & Iluminações de Arthur Rimbaud pela Francisco Alves (1982)
>>> Viagem a Portugal de José Saramago pela Companhia das Letras (2011)
>>> Para Uma Revolução Democrática da Justiça de Boaventura de Sousa Santos pela Cortez (2011)
>>> Dicionário de termos ambientais de Antonio Leal pela Letras & Magia (2007)
>>> Casa de Praia com Piscina de Herman Koch pela Intrínseca (2015)
>>> Natureza Humana, Justiça vs. Poder de Michel Foucault e Noam Chomsky pela Martins Fontes (2014)
>>> A Arvore dos Anjos de Lucinda Riley pela Arqueiro (2017)
>>> A Herdeira da Morte de Melinda Salisbury pela Fantastica Rocco (2016)
>>> Uma Gentileza por Dia de Orly Wahba pela Benvira (2017)
>>> Eu sou as Escolhas que Faço de Elle Luna pela Sextante (2016)
>>> Coroa Cruel - Série a Rainha Vermelha de Victoria Aveyard pela Seguinte (2016)
>>> Sade em Sodoma de Flávio Braga pela BestSeller (2008)
>>> Curso de Filosofia em Seis Horas e Quinze Minutos de Witold Gombrowicz pela José Olympio (2011)
>>> O pequeno Principe de Antoine de Saint Exupery pela Agir (2009)
>>> Zoloé e Suas Duas Amantes de Marquês de Sade pela Record (1968)
>>> Expressões Diante do Trono de Ministério de Louvor Diante do Trono pela Diante do Trono (2003)
>>> A separação dos amantes - uma fenomenologia da morte de Igor Caruso pela Cortez (1989)
>>> Os Titãs / A Saga da Família Kent (Volume V) de John Jakes pela Record/ RJ.
>>> A Universidade em Ritmo de Barbárie de José Arthur Giannotti pela Brasiliense (1986)
>>> A Mulher Só de Harold Robbins/ (Tradução) Nelson Rodrigues pela Record/ RJ.
>>> Dependência e desenvolvimento na América Latina - ensaio de interpretação sociológica de Fernando Henrique Cardoso e Enzo Faletto pela Zahar (1970)
>>> Tubarão de Peter Benchley pela Nova Cultural (1987)
>>> O Titã de Fred Mustard Stewart pela Record
>>> O Beijo da Mulher Aranha de Manuel Puig pela Codecri/ RJ. (1981)
>>> A Traição de Rita Hayworth/ Capa Dura de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1993)
>>> Boquitas Pintadas/ Capa Dura de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1988)
>>> Kit De Estudo Para Concursos: Só concursos (3 CDs + Folheto) + Guia do Concurseiro + Redação para Concursos de Equipe Mundial Editorial pela DCL - difusão cultural do livro (2016)
>>> Numa Terra Estranha de James Baldwin pela Rio Gráfica (1986)
>>> 1934 de Alberto Moravia pela Rio Gráfica (1986)
>>> Mil Platôs Vol. 1 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2011)
>>> A Menina que Roubava Livros de Markus Zusak pela Intrínseca/RJ. (2007)
>>> Mil Platôs Vol. 2 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2011)
>>> Mil Platôs Vol. 3 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2012)
>>> Ajin - Demi-Human #01 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Ajin - Demi-Human #02 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Ajin - Demi-Human #03 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Incendio de Troia (capa dura couro) de Marion ZimmerBradley pela Circulo do Livro/ SP. (1994)
>>> Ajin - Demi-Human #04 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #05 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #06 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #07 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #08 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #09 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Nova Cultural (1987)
>>> Ajin - Demi-Human #10 de Gamon Sakurai pela Panini (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 1/2/2018
Os Doze Trabalhos de Mónika. 11. A Quatro Braçadas
Heloisa Pait

+ de 1600 Acessos

Leia a primeira aventura de Mónika, À Beira do Abismo.

Mónika virou-se e viu o rosto de um homem um pouco acima de si. Imaginou que pudesse ser o fantasma do patriarca Leó, ou mesmo seu avô. Pensou em Lajos Venczel, no piloto da Varig, no Dr. Frederico. Pensou no Senador Caiado, no chefe de manutenção da faculdade, todos os rostos se confundiam diante de si. O homem sorriu. Tinha os cabelos aloirados, o rosto fino, a boca larga. Mónika estava cansada, mas o sorriso lhe fez bem. Abraçou o desconhecido. Ele retribuiu o abraço. Era mais alto que ela. Ele disse:

– Você é bem alta.

Ela não entendeu. Era húngaro, e a língua materna a pegou de surpresa. Abraçou-o mais forte, como se quisesse agarrar qualquer sentido.

– Você é bem alta, gosto disso – ele repetiu.

Desta vez ela entendeu. Pensou que queria aquele tronco alto, magro, com um rosto na cabeça que lembrava o de seu avô, pelo resto da vida. Sorriu de volta e o beijou, fazendo carinho na sua nuca, como uma antiga namorada.

– Sou o diretor do documentário, você lembra de mim, não?

Mónika riu de si mesma. Claro, o documentarista do seminário da faculdade, como não tinha reconhecido? Falou rindo:

– Desculpa, não tinha juntado as coisas.

Os dois riram. O documentário era sobre a direita.

Mónika tinha achado o documentário espetacular. Mas não estava certa que seus colegas tinham aquilo em mente quando o convidaram. Entrevistas com cientistas, com médicos, com políticos e com jogadores de futebol. O que era a direita? Que relação tinha com a esquerda? Astrônomos, amantes, arquitetos. Relojoeiros. Linguistas. Motoristas de caminhão. O documentário era muito bom. Saíram todos fazendo gestos com as mãos, forçando os olhos em direções pouco usuais, reordenando algo em suas cabeças.

Mónika tinha o hábito de levar os visitantes num bistrot nos arredores da cidade. Tinha certeza que o documentarista ia gostar. O húngaro aceitou. Móveis de fazenda, velas na mesa, não havia como não gostar. Comida franco-caipira. Quiabo, salsichas artesanais, polenta com ervas, vinho do Sul, tudo gostoso. Era engraçado, se sentia gente à mesa. Com o diretor, se sentia gente. Mulher, até. Sorria, ouvia, falava. Não precisava seduzi-lo, por conta do beijo inicial. Era só comer, beber, escolher alguma língua pra falar que ele compreendesse.

– Mónika, por que me chamaram para apresentar o documentário em Ambaíba, você sabe?

Mónika não sabia. Ou sabia, mas seria difícil explicar. Não importava. Gostava do vinho, do rosto do homem à sua frente, do fato de ele lhe perguntar coisas. Disse isso para ele desse jeito mesmo, pois não sabia inventar coisas:

– Não sei bem. Ou sei, mas seria difícil explicar. Não importa. Gosto de estar aqui tomando vinho, de ter seu rosto à minha frente, que me lembra do rosto de meu avô e do fundador de Ambaíba. Gosto também que você me pergunte coisas, como se eu as pudesse responder.

Algo a tocou profundamente. O sorriso sumiu de seu rosto, os olhos umedeceram. Ele aproximou a cadeira e resolveu colocar pedaços de carne na boca dela. Assim ela precisava mastigar e parava de chorar. Era engraçado. Era engraçado ser assim cuidada, não precisar pensar, questionar, entender. Pediram ao dono do restaurante um quarto, pois queriam passar a noite juntos.

Ele tirou a roupa e disse que precisava de um banho. Ela deitou na cama e esperou muito tranquila. Estava em paz. O lugar todo era um grande silêncio. Depois levantou-se apreensiva, fuçou nas roupas dele e encontrou seu crachá do seminário, com o nome impresso em letras garrafais. Péter. Retornou as roupas ao seu lugar e deitou-se novamente. Não podia esquecer. Péter.

– Péter, – ela disse quando ele apareceu enrolado na toalha, num esforço de memorização – Péter.

A transa correu bem. Ela estava entregue. Ele tinha vontade. Então tudo transcorreu bem. Depois seria depois, mas na hora tudo correu bem, seu corpo sobre o dela, os ombros fazendo ondas, a pele lisa, um cheiro familiar, os braços firmes. Tudo certo. Antes de dormir, pensou: “Péter, não posso esquecer.”

Acordaram no meio da noite, ele perguntou se ela queria de novo. Ela disse que não, mas queria conversar, se ele não se importasse. Ele assentiu. Já estava no lucro, não havia de que reclamar.

– Claro! – e tirou a franja dos olhos dela. Diga.

– Você esteve nos Jogos Magiares de 1977? Você nadou a prova de 200 borboleta e ficou em 2º lugar, Péter?

Péter olhou para o teto, ficou em silêncio. 1977. 200 borboleta. Não quis perguntar como ela sabia. Google? Lembrança?

– Sim, segundo lugar.

– Para nós, foi muito importante vê-los, Péter, vindos de todos os cantos. Nós nos sentimos gente, nós não éramos mais, sei lá, prisioneiros. Havia todo um mundo além da Hungria, e era nosso mundo também. Você nadou pelo Canadá, não?

Péter estava incomodado. Não queria lições de história.

– Mas como você sabe que eu nadei os 200 borboleta?

– Eu estava lá também. Esgrima. Acho que sou uns anos mais nova que você.

– Como você sabe que eu nadei os 200 borboleta? – ele acentuou o “eu”, um pouco irritado. Queria saber como ela o tinha reconhecido.

– Ah, perdão. O jeito como você mexe os ombros, bem borboleta. E também o cloro. – Ela falou amorosa, lhe fazendo carinho, mas teve medo de ser mal interpretada.

Adormeceram de volta. Ela, com as lembranças dos jogos de 1977. Ele, com as lembranças dos jogos de 1977. Os dois no quarto de hóspedes do restaurante campestre de Ambaíba. Mónika ainda tinha um trabalho. Depois, ela sentia, estaria livre. Apenas um trabalho mais.

– Ainda tenho um trabalho, Péter. Um trabalho só.

– Vou escrever para você, Mónika.

E se despediram no café da manhã.

Está no ar a décima segunda aventura de Mónika, Rumo ao Planalto.

Esta é uma obra de ficção; qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações da vida real terá sido mera coincidência


Heloisa Pait
São Paulo, 1/2/2018



Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Copa, o Mundo, é das mulheres de Luís Fernando Amâncio
02. Paris branca de neve de Renato Alessandro dos Santos
03. Um olhar sobre Múcio Teixeira de Celso A. Uequed Pitol
04. Nos escuros dos caminhos noturnos de Elisa Andrade Buzzo
05. As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Heloisa Pait
Mais Acessadas de Heloisa Pait em 2018
01. Uma Receita de Bolo de Mel - 25/10/2018
02. O Voto de Meu Pai - 18/10/2018
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba - 16/2/2018
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 7. Um Senador - 4/1/2018
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 8.Heroes of the World - 11/1/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PÉROLA
MAURO RASI
RECORD
(1998)
R$ 19,90
+ frete grátis



MATEMÁTICA FINANCEIRA E ANÁLISE DE INVESTIMENTOS
SILVIO TEIXEIRA COELHO
CIA EDIT NACIONAL
(1979)
R$ 4,99



MEMÓRIAS DO MARECHAL DE CAMPO VISCONDE MONTGOMERY DE ALAMEIN
MONTGOMERY OF ALAMEIN, K. G
IBRASA
(1960)
R$ 14,00



PROVA DE FOGO (2ª ED.)
PEDRO BANDEIRA
ÁTICA
(1997)
R$ 11,90



PIXOTE INFÂNCIA DA MORTE
JOSÉ LOUZEIRO
EDIOURO
(2000)
R$ 4,00



FALCÃO - MULHERES E O TRÁFICO
CELSO ATHAYDE E MV BILL
OBJETIVA
(2007)
R$ 23,00



AMENDOIM A TARTARUGUINHA ENCANTADA
PALMIRA HEINE
GARCIA
(2015)
R$ 16,90



LES POLITIQUES INDUSTRIELLES: LIBÉRALISME OU INTERVENTION DE LÉTA
A. DAVIE
HATIER (PARIS)
(1989)
R$ 19,28



DIÁRIO DE UM BANANA: SEGURANDO VELA
JEFF KINNEY
V&R
(2013)
R$ 14,00



MARKETING PARTICIPATIVO
ROBSON PANIAGO
PLÊIADE
(2010)
R$ 25,00





busca | avançada
37883 visitas/dia
1,3 milhão/mês