Os Doze Trabalhos de Mónika. 11. A Quatro Braçadas | Heloisa Pait | Digestivo Cultural

busca | avançada
41820 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> TV Brasil pré-estreia Atos com Antonio Pitanga nesta segunda (19/11)
>>> TV Brasil apresenta programação temática na Semana da Consciência Negra
>>> Baterias Brasileiras do Sesc Belenzinho apresenta shows com Pupillo e Curumin
>>> Refúgios Musicais do Sesc Belenzinho apresenta banda de haitianos Surprise
>>> Avesso - O Musical aborda conflito de gerações em musical jovem de fortes emoções
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Goeldi, o Brasil sombrio
>>> Do canto ao silêncio das sereias
>>> Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela
>>> A barata na cozinha
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> O artífice do sertão
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Um lance de escadas
>>> No tinir dos metais
>>> De(correntes)
>>> Prata matutina
>>> Brazil - An Existing Alien Country on Planet Earth
>>> Casa de couro IV
>>> 232 Celcius, ou Fahrenheit 451
>>> Mãe
>>> Auto contraste
>>> Os intelectuais e a gastronomia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O naufrágio é do escritor
>>> Os X-men e o fim da infância
>>> O tigre de papel que ruge
>>> Emagrecer sem sofrer? Isso é papo de revista
>>> Dez obras da literatura latino-americana
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> Negrinha e os donos do sentido
>>> AC/DC com Bon Scott
>>> Filosofia de boteco
>>> Mar de Gente, de Ivaldo Bertazzo
Mais Recentes
>>> O Que É Revolução de Florestan Fernandes pela Expressão Popular (2018)
>>> De Que Amanhã...Diálogo de Jacques Derrida e Elisabeth Roudinesco pela Zahar (2004)
>>> Toda Poesia de Paulo Leminski pela Companhia das Letras (2013)
>>> Amor Líquido de Zygmunt Bauman pela Zahar (2004)
>>> Festa Sob as Bombas / Os Anos Ingleses de Elias Canetti pela Estação Liberdade (2009)
>>> A Cidade Perversa / Liberalismo e Pornografia de Dany-Robert Dufour pela Civilização Brasileira (2013)
>>> Réquiem para o Sonho Americano de Noam Chomsky pela Bertrand Brasil (2017)
>>> Fundamentos doutrinários de umbanda de Rubens Saraceni pela Madras (2013)
>>> O Capitalismo Como Religião de Walter Benjamin pela Boitempo (2013)
>>> Umbanda de todos nós de W.W. da Matta e Silva pela Ícone Ed. (2014)
>>> O Que É uma Revolução de Álvaro García Linera pela Expressão Popular (2018)
>>> A canção no tempo v. 1 de Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello pela Ed. 34 (2006)
>>> A Viúva Cliquot de Tilar J. Mazzeo pela Rocco (2018)
>>> Sobre o Islã de Ali Kamel pela Nova Fronteira (2007)
>>> O poder do silêncio de Eckhart Tolle pela Sextante (2010)
>>> O Vínculo do Prazer de William H. Masters, Virginia E. Johnson pela Círculo do Livro (1975)
>>> Criança Inquieta - Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade? de Esméria Rovai, Carlos Brunini pela Livro on Demand (2018)
>>> O Divã a Passeio de Fabio Herrmann pela Brasiliense (1992)
>>> Psicoterapia Psicodramática de Dalmiro Manuel Bustos pela Brasiliense (1979)
>>> Que Barulho é Esse, Ratinho? de Stephanie Stansbie, Polona Lovsin pela Zastras (2010)
>>> Aritmética - Novas Perspectivas - Implicações da Teoria de Piaget de Constance Kamii e Linda Leslie Joseph pela Papirus (1993)
>>> Teoria e Política do Desenvolvimento Econômico de Celso Furtado pela Nova Cultural (1986)
>>> A Volta ao Mundo Em 80 Dias de Júlio Verne pela Codil (1970)
>>> O Universo e Eu de Mara Muniz pela D&z (1999)
>>> O Menino Maluquinho de Ziraldo Alves Pinto pela Melhoramentos (2000)
>>> Clarindo Silva - o Dom Quixote do Pelourinho de Vander Prata pela Alba (2012)
>>> Café Em São Paulo de Élcio Nogueira pela Litteris (1999)
>>> Chapéu de Mágico de Anna Maria Lavezzini pela Editado pela Autora (1993)
>>> Pais Inteligentes Formam Sucessores, Não Herdeiros de Augusto Cury pela Saraiva (2014)
>>> Desmatamento e Modos de Vida na Amazônia de Antonio Carlos Diegues (org.) pela Nupaub (1999)
>>> Tratado de Economia Política de Jean Baptiste Say pela Nova Cultural (1986)
>>> Gomorra de Roberto Saviano pela Bertrand Brasil (2009)
>>> Os Cem Melhores Contos Brasileiros do Século de Italo Moriconi (org.) pela Objetiva (2001)
>>> Os Irmãos Karamázov - 2 Vols. de Fiódor Dostoiévski pela 34 (2008)
>>> Lolita de Vladimir Nabokov pela Círculo do Livro (1981)
>>> Como Se Faz uma Tese de Umberto Eco pela Perspectiva (1989)
>>> Mitos e Lendas da Roma Antiga de John Gilbert pela Melhoramentos (1976)
>>> Nunca Desista de Seus Sonhos de Augusto Cury pela Sextante (2007)
>>> A Erva do Diabo de Carlos Castaneda pela Nova Era (2002)
>>> Código Penal Comentado - Legislação Complementar de Celso Delmanto e Outros pela Renovar (2002)
>>> O Boto do Reno - as Histórias de um Repórter de Fórmula 1 pelo Mundo de Flavio Gomes pela Letradelta (2005)
>>> Conheça-se a Si Mesmo de Karen Horney pela Civilização Brasileira (1964)
>>> Dois Cigarros de Flavio Gomes pela Gulliver (2018)
>>> Perdidos e Achados - Entre a Escuta Poética e a Psicoterapia de Fátima Santa Rosa pela Solisluna (2018)
>>> Fotogramas do Imaginário: Manoel de Barros - Ensaios de Igor Rossoni pela Vento Leste (2007)
>>> Insetos no Folclore de Karol Lenko e Nelson Papavero pela Plêiade (1996)
>>> Double Page Numéro 7 - Cavaliers des Stepppes de Roland Michaud, Sabrina Michaud pela Éditions Snep (1981)
>>> Catálogo Raisonné Tarsila do Amaral - Box Com 3 Volumes de Maria Eugênia Saturni, Regina Teixeira de Barros pela Base 7 Projetos Culturais (2008)
>>> O Brasil de Marc Ferrez de Sergio Burgi e Equipe do Instituto Moreira Salles pela Ims (2005)
>>> Amor Vale a Pena - Reflexões, Contos e Poemas de Fábio Salgueiro pela Bb (2016)
COLUNAS

Quinta-feira, 1/2/2018
Os Doze Trabalhos de Mónika. 11. A Quatro Braçadas
Heloisa Pait

+ de 1400 Acessos

Leia a primeira aventura de Mónika, À Beira do Abismo.

Mónika virou-se e viu o rosto de um homem um pouco acima de si. Imaginou que pudesse ser o fantasma do patriarca Leó, ou mesmo seu avô. Pensou em Lajos Venczel, no piloto da Varig, no Dr. Frederico. Pensou no Senador Caiado, no chefe de manutenção da faculdade, todos os rostos se confundiam diante de si. O homem sorriu. Tinha os cabelos aloirados, o rosto fino, a boca larga. Mónika estava cansada, mas o sorriso lhe fez bem. Abraçou o desconhecido. Ele retribuiu o abraço. Era mais alto que ela. Ele disse:

– Você é bem alta.

Ela não entendeu. Era húngaro, e a língua materna a pegou de surpresa. Abraçou-o mais forte, como se quisesse agarrar qualquer sentido.

– Você é bem alta, gosto disso – ele repetiu.

Desta vez ela entendeu. Pensou que queria aquele tronco alto, magro, com um rosto na cabeça que lembrava o de seu avô, pelo resto da vida. Sorriu de volta e o beijou, fazendo carinho na sua nuca, como uma antiga namorada.

– Sou o diretor do documentário, você lembra de mim, não?

Mónika riu de si mesma. Claro, o documentarista do seminário da faculdade, como não tinha reconhecido? Falou rindo:

– Desculpa, não tinha juntado as coisas.

Os dois riram. O documentário era sobre a direita.

Mónika tinha achado o documentário espetacular. Mas não estava certa que seus colegas tinham aquilo em mente quando o convidaram. Entrevistas com cientistas, com médicos, com políticos e com jogadores de futebol. O que era a direita? Que relação tinha com a esquerda? Astrônomos, amantes, arquitetos. Relojoeiros. Linguistas. Motoristas de caminhão. O documentário era muito bom. Saíram todos fazendo gestos com as mãos, forçando os olhos em direções pouco usuais, reordenando algo em suas cabeças.

Mónika tinha o hábito de levar os visitantes num bistrot nos arredores da cidade. Tinha certeza que o documentarista ia gostar. O húngaro aceitou. Móveis de fazenda, velas na mesa, não havia como não gostar. Comida franco-caipira. Quiabo, salsichas artesanais, polenta com ervas, vinho do Sul, tudo gostoso. Era engraçado, se sentia gente à mesa. Com o diretor, se sentia gente. Mulher, até. Sorria, ouvia, falava. Não precisava seduzi-lo, por conta do beijo inicial. Era só comer, beber, escolher alguma língua pra falar que ele compreendesse.

– Mónika, por que me chamaram para apresentar o documentário em Ambaíba, você sabe?

Mónika não sabia. Ou sabia, mas seria difícil explicar. Não importava. Gostava do vinho, do rosto do homem à sua frente, do fato de ele lhe perguntar coisas. Disse isso para ele desse jeito mesmo, pois não sabia inventar coisas:

– Não sei bem. Ou sei, mas seria difícil explicar. Não importa. Gosto de estar aqui tomando vinho, de ter seu rosto à minha frente, que me lembra do rosto de meu avô e do fundador de Ambaíba. Gosto também que você me pergunte coisas, como se eu as pudesse responder.

Algo a tocou profundamente. O sorriso sumiu de seu rosto, os olhos umedeceram. Ele aproximou a cadeira e resolveu colocar pedaços de carne na boca dela. Assim ela precisava mastigar e parava de chorar. Era engraçado. Era engraçado ser assim cuidada, não precisar pensar, questionar, entender. Pediram ao dono do restaurante um quarto, pois queriam passar a noite juntos.

Ele tirou a roupa e disse que precisava de um banho. Ela deitou na cama e esperou muito tranquila. Estava em paz. O lugar todo era um grande silêncio. Depois levantou-se apreensiva, fuçou nas roupas dele e encontrou seu crachá do seminário, com o nome impresso em letras garrafais. Péter. Retornou as roupas ao seu lugar e deitou-se novamente. Não podia esquecer. Péter.

– Péter, – ela disse quando ele apareceu enrolado na toalha, num esforço de memorização – Péter.

A transa correu bem. Ela estava entregue. Ele tinha vontade. Então tudo transcorreu bem. Depois seria depois, mas na hora tudo correu bem, seu corpo sobre o dela, os ombros fazendo ondas, a pele lisa, um cheiro familiar, os braços firmes. Tudo certo. Antes de dormir, pensou: “Péter, não posso esquecer.”

Acordaram no meio da noite, ele perguntou se ela queria de novo. Ela disse que não, mas queria conversar, se ele não se importasse. Ele assentiu. Já estava no lucro, não havia de que reclamar.

– Claro! – e tirou a franja dos olhos dela. Diga.

– Você esteve nos Jogos Magiares de 1977? Você nadou a prova de 200 borboleta e ficou em 2º lugar, Péter?

Péter olhou para o teto, ficou em silêncio. 1977. 200 borboleta. Não quis perguntar como ela sabia. Google? Lembrança?

– Sim, segundo lugar.

– Para nós, foi muito importante vê-los, Péter, vindos de todos os cantos. Nós nos sentimos gente, nós não éramos mais, sei lá, prisioneiros. Havia todo um mundo além da Hungria, e era nosso mundo também. Você nadou pelo Canadá, não?

Péter estava incomodado. Não queria lições de história.

– Mas como você sabe que eu nadei os 200 borboleta?

– Eu estava lá também. Esgrima. Acho que sou uns anos mais nova que você.

– Como você sabe que eu nadei os 200 borboleta? – ele acentuou o “eu”, um pouco irritado. Queria saber como ela o tinha reconhecido.

– Ah, perdão. O jeito como você mexe os ombros, bem borboleta. E também o cloro. – Ela falou amorosa, lhe fazendo carinho, mas teve medo de ser mal interpretada.

Adormeceram de volta. Ela, com as lembranças dos jogos de 1977. Ele, com as lembranças dos jogos de 1977. Os dois no quarto de hóspedes do restaurante campestre de Ambaíba. Mónika ainda tinha um trabalho. Depois, ela sentia, estaria livre. Apenas um trabalho mais.

– Ainda tenho um trabalho, Péter. Um trabalho só.

– Vou escrever para você, Mónika.

E se despediram no café da manhã.

Está no ar a décima segunda aventura de Mónika, Rumo ao Planalto.

Esta é uma obra de ficção; qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações da vida real terá sido mera coincidência


Heloisa Pait
São Paulo, 1/2/2018



Quem leu este, também leu esse(s):
01. O papel aceita tudo de Jardel Dias Cavalcanti
02. Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba de Renato Alessandro dos Santos
03. Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia de Renato Alessandro dos Santos
04. Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração de Celso A. Uequed Pitol
05. Sabemos pensar o diferente? de Guilherme Carvalhal


Mais Heloisa Pait
Mais Acessadas de Heloisa Pait em 2018
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba - 16/2/2018
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 7. Um Senador - 4/1/2018
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. 8.Heroes of the World - 11/1/2018
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 11. A Quatro Braçadas - 1/2/2018
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 10. O Gerador de Luz - 25/1/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O OPOSTO DO DESTINO
AMY TAN
ROCCO
(2006)
R$ 19,20



O BISPO - A HISTÓRIA REVELADA DE EDIR MACEDO
DOUGLAS TAVOLARO
LAROUSSE
(2007)
R$ 7,90



STALINGRADO O PRINCIPIO DO FIM
GEOFFREY JUKES
RENES
(1974)
R$ 10,00



POEMAS
JACQUES PRÉVERT
NOVA FRONTEIRA
(2000)
R$ 20,00



AMANHECER
STEPHENIE MEYER
INTRÍNSECA
(2009)
R$ 15,00



QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO?
SPENCER JOHNSON
RECORD
(2007)
R$ 9,90



PACTO RE-VELADO: PSICANÁLISE E CLANDESTINIDADE POLÍTICA
MARIA AUXILIADORA DE ALMEIDA CUNHA ARANTES
ESCUTA
(1999)
R$ 50,00



O RESTO É SILÊNCIO
ÉRICO VERÍSSIMO
GLOBO
(1980)
R$ 35,00
+ frete grátis



A IMAGINAÇÃO SIMBÓLICA
VERA LÚCIA G. FELÍCIO
EDUSP/FAPESP
(1994)
R$ 25,00



AUTO-ENGANO
EDUARDO GIANNETTI
COMPANHIA DE BOLSO
(2011)
R$ 21,51





busca | avançada
41820 visitas/dia
922 mil/mês