American Horror Story: Asylum | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
37883 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Impressões sobre São Paulo
>>> Lobato e os amigos do Brasil
>>> A Promessa da Política, de Hannah Arendt
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Luciano do Valle (1947-2014)
>>> Por que as velhas redações se tornaram insustentáveis on-line
>>> Ação Social
>>> Dá-lhe, Villa!
>>> forças infernais
>>> 20 de Abril #digestivo10anos
Mais Recentes
>>> Dicionário de termos ambientais de Antonio Leal pela Letras & Magia (2007)
>>> Casa de Praia com Piscina de Herman Koch pela Intrínseca (2015)
>>> Natureza Humana, Justiça vs. Poder de Michel Foucault e Noam Chomsky pela Martins Fontes (2014)
>>> A Arvore dos Anjos de Lucinda Riley pela Arqueiro (2017)
>>> A Herdeira da Morte de Melinda Salisbury pela Fantastica Rocco (2016)
>>> Uma Gentileza por Dia de Orly Wahba pela Benvira (2017)
>>> Eu sou as Escolhas que Faço de Elle Luna pela Sextante (2016)
>>> Coroa Cruel - Série a Rainha Vermelha de Victoria Aveyard pela Seguinte (2016)
>>> Sade em Sodoma de Flávio Braga pela BestSeller (2008)
>>> Curso de Filosofia em Seis Horas e Quinze Minutos de Witold Gombrowicz pela José Olympio (2011)
>>> O pequeno Principe de Antoine de Saint Exupery pela Agir (2009)
>>> Zoloé e Suas Duas Amantes de Marquês de Sade pela Record (1968)
>>> Expressões Diante do Trono de Ministério de Louvor Diante do Trono pela Diante do Trono (2003)
>>> A separação dos amantes - uma fenomenologia da morte de Igor Caruso pela Cortez (1989)
>>> Os Titãs / A Saga da Família Kent (Volume V) de John Jakes pela Record/ RJ.
>>> A Universidade em Ritmo de Barbárie de José Arthur Giannotti pela Brasiliense (1986)
>>> A Mulher Só de Harold Robbins/ (Tradução) Nelson Rodrigues pela Record/ RJ.
>>> Dependência e desenvolvimento na América Latina - ensaio de interpretação sociológica de Fernando Henrique Cardoso e Enzo Faletto pela Zahar (1970)
>>> Tubarão de Peter Benchley pela Nova Cultural (1987)
>>> O Titã de Fred Mustard Stewart pela Record
>>> O Beijo da Mulher Aranha de Manuel Puig pela Codecri/ RJ. (1981)
>>> A Traição de Rita Hayworth/ Capa Dura de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1993)
>>> Boquitas Pintadas/ Capa Dura de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1988)
>>> Kit De Estudo Para Concursos: Só concursos (3 CDs + Folheto) + Guia do Concurseiro + Redação para Concursos de Equipe Mundial Editorial pela DCL - difusão cultural do livro (2016)
>>> Numa Terra Estranha de James Baldwin pela Rio Gráfica (1986)
>>> 1934 de Alberto Moravia pela Rio Gráfica (1986)
>>> Mil Platôs Vol. 1 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2011)
>>> A Menina que Roubava Livros de Markus Zusak pela Intrínseca/RJ. (2007)
>>> Mil Platôs Vol. 2 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2011)
>>> Mil Platôs Vol. 3 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2012)
>>> Ajin - Demi-Human #01 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Ajin - Demi-Human #02 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Ajin - Demi-Human #03 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Incendio de Troia (capa dura couro) de Marion ZimmerBradley pela Circulo do Livro/ SP. (1994)
>>> Ajin - Demi-Human #04 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #05 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #06 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #07 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #08 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #09 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Nova Cultural (1987)
>>> Ajin - Demi-Human #10 de Gamon Sakurai pela Panini (2018)
>>> Ajin - Demi-Human #11 de Gamon Sakurai pela Panini (2018)
>>> Estratégia da Decepção de Paul Virilio pela Estação Liberdade (2000)
>>> Ajin - Demi-Human #12 de Gamon Sakurai pela Panini (2019)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1989)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Codecri (1981)
>>> Fort of Apocalypse #10 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Codecri (1981)
>>> Fort of Apocalypse #09 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
COLUNAS

Terça-feira, 13/8/2013
American Horror Story: Asylum
Duanne Ribeiro

+ de 4200 Acessos

A segunda temporada de American Horror Story (subintitulada Asylum), série competente de terror exibida pelo canal a cabo FX, traz duas ideias interessantes, ou melhor, seu roteiro é fundamentado em duas noções. Primeira, a de que o saber é uma forma de poder: o conhecimento sobre como as coisas "são" ou "devem ser" permite dispor veredictos sobre as pessoas, incluir, excluir, destruir, isolar. O ambiente da história é um manicômio na primeira metade do século XX - exemplo sempre mais do que intenso de como palavras que ostentam técnica e trabalho podem esconder cegueiras: medicina, psiquiatria, segurança pública. Segunda, a de que o "mal" é constituído também por uma fragilidade, isto é, atrás da brutalidade, há carência, frustração, descompasso. De certa ótica, ambas são a mesma: a força esconde a fraqueza, a fraqueza gera a força.

A série é uma miscelânea de enredos que o cinema empregou no horror: um assassino serial (o "Bloody Face", que usa uma máscara e tem sua obsessão materna, como Jason em Sexta-Feira 13; suas cenas são as partes do seriado que seguem o gênero slasher); copycats desse serial killer, isto é, gente que "admira o seu trabalho" e o repete; possessão demoníaca (as manipulações psicológicas e blasfêmias típicas desde O Exorcista); nazistas e experimentos desumanos; mutantes antropófagos; alienígenas e abdução. American Horror Story parece estar atirando para todo lado, e provavelmente está, mas é divertido, e se consegue amarrar bem essa multidão de premissas. (Por outro lado podemos ver aí uma confissão da indústria - nenhum desses plots, sozinho, tem hoje em dia poder de chamar a atenção. O terror é um gênero cansado, não?). Todas essas complicações confluem no asilo Briarcliff, no qual nós assistimos aos membros da Igreja Católica que administram o local e seus "pacientes".

Embora não seja por conta dessa mistura, o roteiro tem seus problemas, sim. De buracos na história (em certo ponto, três internos conseguem fugir do manicômio, mas são perseguidos pelos mutantes e tem de retornar; sem saber disso, guardas vão procurá-los (na verdade, por outros três que sumiram por outras razões), mas não sabemos de ataque mutante algum...) a trechos forçados (uma das protagonistas escapa do Bloody Face e entra no primeiro carro que vê na estrada; é justamente o veículo de um sujeito que odeia mulheres e estava prestes a dar um tiro na boca...), isso pode incomodar alguns espectadores. Mas são passáveis, não é uma deficiência crônica. Acima disso, a série consegue desenvolver dramaticamente seus personagens (e transformar nossos sentimentos por eles), assim como abordar temas sociais e políticos contemporâneos, como veremos.

Asfixia do Conhecimento
Uma sensação frequente em American Horror Story: Asylum é de que os personagens estão mergulhados em um saber do qual não podem escapar, e que pode manipulá-los conforme queira, e sempre justificadamente. Assim, banhos de banheira forçados, com água ou muito quente ou muito fria; espancamento; eletrochoque - todos são executados sob a aparência da razão; e a negação do "paciente" só poderá significar que a doença está muito arraigada. Assim, para "curar a homossexualidade" (talvez por ato falho dos escritores da série, não se usa o nome de fato dado pelos psiquiatras quando se era permitido tratar sexualidade como doença: "homossexualismo") a "terapia de aversão" exibe a uma mulher cenas de nudez feminina, ao passo que se ministra a ela substâncias que incitam o vômito; depois, trazem um homem nu e a fazem segurar seu pênis enquanto se masturba. Isso a regularizará. Então não há a quem apelar e a submissão é a única atitude aceita: essas são pessoas fora do campo da razão. A impunidade, a arbitrariedade e o autoritarismo têm aí folga para agir.

Pela sua forma, pelas definições de seu gênero e sua mídia, American Horror Story retira um pouco da brutalidade de todos esses atos; acompanhados de anjos da morte, demônios e papais-noel assassinos, é como se fossem menos reais, ou pelo menos tão fantasiosos. Não são: a história da psiquiatria tem tantos exemplos de barbárie quanto a série e outros ainda mais vívidos. Briarcliff é um filhote do Bethlehem Royal Hospital; o nazista Artur Arden é tanto obviamente um eugenista como o foram Francis Galton, Alfred Ploetz e Ernst Rüdin quanto lembra Henry Cotton, que medicava problemas mentais com remoções de partes do corpo; e o flagelamento impingido pela irmã Jude remete à cura de Samuel Cartwright para a drapetomania - isto é, o desejo "patológico" que os escravos tinham de fugir. Diferente do que concluímos para A Serbian Film, aqui temos a apresentação dos temas, mas é vago o choque, se há qualquer choque. É "terror", é "assim mesmo".

Apesar de tendencioso, sensacionalista e por vezes impreciso, o documentário Psiquiatria: Uma Indústria da Morte (assista aqui) fornece um inventário desse tipo de barbárie com as vestes da racionalidade. Um interesse a mais no caso específico desta crítica: o filme é uma produção da Citizens Commission on Human Rights (CCHR), órgão ligado à cientologia. Os roteiristas de American Horror Story, Brad Falchuk e Ryan Murphy, em outra criação sua, Nip/Tuk (a partir da quarta temporada), retrataram esse corrente religiosa - Ryan se disse "curioso" sobre ela. Não conheço registro de que sejam adeptos dessa religião, porém Asylum pode ser outro passo dessa curiosidade, e ilustração daquela bandeira cientóloga.

Mais Política
Se é, isso se dá de maneira muito fraca e subliminar. Mais evidente é o ativismo da série no que se refere às questões de gênero. Como contamos, há a encenação de uma antiga forma de "cura gay", que, pelo distanciamento de época e da ficção, aparece claramente como um modo de tortura. A tentativa de forçar o comportamento é ressaltada como barbárie. Outra produção dos escritores retrata a homossexualidade (e sua dificuldade de aceitação) - Glee - e Ryan Murphy escreveu uma carta pública em que chamava um boicote contra a revista Newsweek, que publicou um artigo defendendo que atores gays não deviam representar personagens heterosssexuais. Ainda mais forte é o feminismo de American Horror Story.

Foi descrita acima a fuga de uma protagonista, sua entrada no carro do futuro suicida. Pois bem: ela está de camisola, suja, descalça, teve os tornozelos presos por correntes por dias. A primeira coisa que o homem pergunta é: "O que você fez?". Ela diz: "O que te faz pensar que eu fiz alguma coisa?". O absurdo do pensamento automático aparece claramente como um efeito ideológico. Outros exemplos feministas: uma personagem diz, à beira da morte, a uma menina pequena: "Nunca deixe nenhum homem lhe dizer o que você é". A mesma personagem ouve noutra vez: "Você é uma mulher forte, os homens nunca te deixariam ir longe". Uma interna de Briarcliff diagnosticada como ninfomaníaca, prestes a ser estuprada (e isso posto como: ora, não é do que você gosta?), reafirma que "mas sou eu que escolho".

Um último exemplo: a questão do aborto. O assassino engravida a protagonista citada. Ela foi sequestrada, mantida em cativeiro e estuprada. Não quer manter a criança. É obrigada pela instituição. Quando pode escolher, decide que "não haverá mais mortes". Mas a falta de afeto real e presença leva a repetição dos mesmos erros do pai: o filho cresce para ser o novo Bloody Face. Ingênuo, certo? Mas na medida contra argumentos antiaborto que façam referência à vida que esses fetos possam ter. Ora, diz a série. Eles podem muito bem tornarem-se monstros.

Uma Fresta de Luz
Não há nunca bondade, pelo menos nunca bondade completa, em American Horror Story. Todos têm sua cota de egoísmo, algo que prefeririam esconder do passado, uma condição presente que força a agir de uma forma perniciosa. De mesma maneira, jamais maldade íntegra. Embrenhada na obscuridade do indivíduo, estará um ponto dissonante.

Há três casos fundamentais nesse sentido. Bloody Face, como dito, é marcado pela carência que nutre desde a infância. Por debaixo da sua crueldade, a busca é pelo toque materno. O doentio nascido de uma falta de afeto não o torna melhor, mas... certamente lhe colore de um jeito diferente. O nazista Artur Arden é, para além do seu puritanismo, fascinado pela pureza, pela bonomia intacta, e quando lhe retiram isso - assim como a sua ambição - o resultado é que ele não tem mais vontade de viver. Por fim, a irmã Jude, cruel na posição de gestora de Briarcliff, é confrontada com seus próprios erros, colocada na situação de quem oprimia. Como detenta no manicômio, ela dirá, Jude atinge a clareza. E sua purgação segue até o ponto em que ela se reconstrói inteiramente nova.

Um trecho da série em quadrinhos Casa dos Mistérios nos serve de ilustração: "Quando você está despedaçado por dentro... quando está magoado, desmoralizado, ou simplesmente nasceu assim... essa rachadura cria uma fenda. E é por essa mesma fenda que brilha a luz. Uma luz forte, um holofote, que faz queimar toda falsidade, fingimento e fanfarra... até que reste somente a verdade". Em American Horror Story, isso quase sempre não ocorre totalmente, mas é notório em Jude, protagonista verdadeira da série, que cumpre essa saga do herói invertida, do poder à simplicidade.


Duanne Ribeiro
São Paulo, 13/8/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Outros cantos, de Maria Valéria Rezende de Ana Elisa Ribeiro
02. A barata na cozinha de Luís Fernando Amâncio
03. Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte I) de Jardel Dias Cavalcanti
04. A pérola do cinema sul-americano de Guilherme Carvalhal
05. Nós, os afogados, de Carsten Jensen de Ricardo de Mattos


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro em 2013
01. As Aventuras de Pi - 19/2/2013
02. Discutir, debater, dialogar - 29/1/2013
03. Margarita Paksa: Percepção e Política - 12/3/2013
04. Passe Livre, FdE e Black Blocs - enquanto Mídia - 10/9/2013
05. American Horror Story: Asylum - 13/8/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ANTES DO BAILE VERDE
LYGIA FAGUNDES TELLES
ROCCO
(1999)
R$ 13,00



CINCO LIÇÕES DE PSICANÁLISE OS PENSADORES SIGMUN FREUD
IVAN PAVLOV
ABRIL
(1974)
R$ 29,00



COMO A WEB TRANSFORMA O MUNDO
FRANCIS PISANI; DOMINIQUE PIOTET
SENAC SP
(2010)
R$ 14,00



OBRAS COMPLETAS - 2° VOLUME
GIL VICENTE
CULTURA
(1946)
R$ 20,00



VAGABOND 23
TAKEHIKO INOUE
CONRAD
(2002)
R$ 4,99



PRISÃO E MEDIDAS CAUTELARES
LUIZ FLÁVIO GOMES E OUTROS
REVISTA DOS TRIBUNAIS
(2012)
R$ 30,00



MULTIPROFISSIONALISMO E INTERVENÇÃO EDUCATIVA: AS ESCOLAS
MARIA ADELINA DE ABREU GARCIA
EDIÇÕES ASA
(1994)
R$ 26,68



FOCUS ON GRAMMAR - A HIGH-INTERMEDIATE - 2 EDIÇÃO
MARJORE FUCHS E MARGARET BONNER
LOGMAN
(1980)
R$ 20,00



SOUVIENS TOI; ROMAN
MARY HIGGINS CLARK
ALBIN MICHEL
(1994)
R$ 22,82



A CIDADE DOS MORTOS
HERBERT LIEBERMAN
CÍRCULO DO LIVRO
(2018)
R$ 12,00





busca | avançada
37883 visitas/dia
1,3 milhão/mês