American Horror Story: Asylum | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
9786 visitas/dia
890 mil/mês
Mais Recentes
>>> Palavraria Conversa e Versa
>>> Supercombo no Templo Music: Tour “Adeus, Aurora'
>>> Barracão Cultural estreia montagem de rua a partir de livro de Eva Furnari
>>> Marina Peralta lança novo EP, 'Leve'
>>> Dan Stulbach faz ensaio aberto de Morte Acidental de um Anarquista para alunos da Escola Wolf Maya
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
>>> Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição
>>> Paris branca de neve
>>> A cidade e o que se espera dela
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
Últimos Posts
>>> Efervescências
>>> Justoresoluto
>>> Em segundo plano
>>> A ver navios
>>> As esquinas dos amores
>>> Pelagem de flor I: VERMELHO
>>> Idade Mídia
>>> Quando a alma é visível
>>> A MECÂNICA CELESTE
>>> Diagnóstico falho
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Google: utopia ou distopia?
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> A Casa do Saber no Rio de Janeiro
>>> Marcel Proust e o tempo reencontrado
>>> Pedro Paulo de Sena Madureira
>>> Glenn Gould: caso de amor com o microfone
>>> Glenn Gould: caso de amor com o microfone
>>> Nos escuros dos caminhos noturnos
>>> Dez Anos que Encolheram o Mundo, de Daniel Piza
>>> Entrevista com Guilherme Fiuza
Mais Recentes
>>> Livro De Ouro Da Mitologia de Bulfinch,Thomas; David Jardim Júnior pela Ediouro (2013)
>>> Economia Solidária de Neusa Maria Dal Ri pela Arte&Ciência (1999)
>>> Três Semanas em Paris de Barbara Taylor Bradford pela Record (2003)
>>> Dias Perfeitos de Raphael Montes pela Companhia das Letras (2014)
>>> Quadribol através dos séculos de J. K. Rowling pela Rocco (2001)
>>> A casa dos espíritos de Isabel Allende pela Bertrand Brasil (2009)
>>> Tratado Político de Spinoza pela Bolsil
>>> Feliz por nada de Martha Medeiros pela L&PM Editores (2011)
>>> Bergson O método intuitivo uma abordagem positiva do espirito de Astrid Sayegh pela Humanitas (2008)
>>> A cidade do sol de Khaled Hosseini pela Nova fronteira (2007)
>>> Introdução ao pensar de Arcângelo R. Buzzi pela Vozes (2001)
>>> Cecília de bolso - Uma antologia poética de Cecília Meireles pela L&PM Pocket (2009)
>>> O céu começa em você de Anselm Grun pela Vozes (2002)
>>> Poemas completos de Alberto Caeiro de Fernando Pessoa pela DCL - Difusão cultural do livro (2006)
>>> Vidas provisórias de Edney Silvestre pela Intrinseca (2013)
>>> Competência Profissional Manual de conceitos, métodos e aplicações no Setor de Saúde de Maria Etiennette Irigoin barrenne, Fernando Vargas Zuniga pela Senac (2004)
>>> Família, santuário da vida de Prof. Felipe Aquino pela Cléofas (2013)
>>> Minha querida assombração de Reginaldo Prandi pela Companhia das letrinhas (2014)
>>> Manual das Ações Ex Delicto : Responsabilidade Civil - Doutrina... de Osmar da Rocha Campos/ Pref.: Desembargador Cesar pela Del Rey/ Belo Horizonte (2008)
>>> Kirael A grande mudança de Fred Sterling pela Madras (2007)
>>> Famílias Restauradas de Padre Léo pela Canção Nova (2007)
>>> Pars Vite et Reviens Tard de Fred Vargas pela J'Ai Lu (2005)
>>> Responsabilidade do Estado: Erro Judicial Praticado em Ação Cívil de Marcelo Sampaio Siqueira pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2001)
>>> Ero-Guro de Suehiro Maruo pela Conrad (2005)
>>> Paraíso - O Sorriso do Vampiro de Suehiro Maruo pela Conrad (2006)
>>> Métodos Extrajudiciais de Solução de Controvérsias de Marcelo Dias Gonçalves Vilela (Autografado) pela Quartier Latin/ SP. (2007)
>>> O vampiro que ri de Suehiro Maruo pela Conrad (2004)
>>> Mulheres de aço e de flores de Fábio de Melo pela Gente (2008)
>>> Viva Com Esperança de Mark Finley e Peter Landless pela Casa Publicadora Brasileira (2014)
>>> A cabra vadia de Nelson Rodrigues pela Agir (2007)
>>> Bel- Ami/ Encadernado de Guy de Mupassant pela Vecchi (1947)
>>> A Sensitiva de Hannah Howell pela Lua de Papel (2012)
>>> O código Da Vinci de Dan Brown pela Sextante (2004)
>>> A Vidente de Hannah Howell pela Lua de Papel (2012)
>>> Caixa De Pássaros de Josh Malerman pela Intrínseca (2015)
>>> A novela do curioso impertinente de Miguel de Cervantes pela Relume Dumará (2005)
>>> Fenomenologia do espirito de Georg Wilhelm Friedrich Hegel pela Vozes (2014)
>>> Bruxaria, Oráculos e Magia entre os Azande de E.E. Evans-Pritchard pela Jorge Zahar (2005)
>>> Iniciação ao Islã e Sufismo (Sem uso) de Mateus Soares de Azevedo pela Record: Nova Era (2001)
>>> A Intuitiva de Hannah Howell pela Lua de Papel (2012)
>>> Em Busca da Vida (Sem uso) de Jane Hollister Wheelwright pela Siciliano/ SP. (1994)
>>> Noite Feliz de Mary Higgins Clark pela Literatura Brasileira (2003)
>>> Prevenção de Acidentes Nas Indústrias: Organização das Cipas de W. R. Peixoto pela Ediouro/ RJ. (1980)
>>> Você pode falar com Deus - Princípios para uma oração eficaz de Pedro Siqueira pela Sextante (2014)
>>> O Demonologista de Andrew Pyper pela Darkside (2015)
>>> Treinamento e Seleção na Empresa Moderna de Floriano Serra pela Ediouro/ RJ. (1979)
>>> Exorcismo de Thomas B. Allen pela Darkside (2016)
>>> Cartas entre amigos de Fábio de Melo, Gabriel Chalita pela Ediouro (2009)
>>> Gerente por Intuição: a Maneira Mais Eficiente de Administrar Empresas de Roy Rowan pela Record/ RJ.
>>> Por que o Brasil é um país atrasado? de Luiz Philipe de Orleans e Bragança pela Novo conceito (2017)
COLUNAS

Terça-feira, 13/8/2013
American Horror Story: Asylum
Duanne Ribeiro

+ de 4000 Acessos

A segunda temporada de American Horror Story (subintitulada Asylum), série competente de terror exibida pelo canal a cabo FX, traz duas ideias interessantes, ou melhor, seu roteiro é fundamentado em duas noções. Primeira, a de que o saber é uma forma de poder: o conhecimento sobre como as coisas "são" ou "devem ser" permite dispor veredictos sobre as pessoas, incluir, excluir, destruir, isolar. O ambiente da história é um manicômio na primeira metade do século XX - exemplo sempre mais do que intenso de como palavras que ostentam técnica e trabalho podem esconder cegueiras: medicina, psiquiatria, segurança pública. Segunda, a de que o "mal" é constituído também por uma fragilidade, isto é, atrás da brutalidade, há carência, frustração, descompasso. De certa ótica, ambas são a mesma: a força esconde a fraqueza, a fraqueza gera a força.

A série é uma miscelânea de enredos que o cinema empregou no horror: um assassino serial (o "Bloody Face", que usa uma máscara e tem sua obsessão materna, como Jason em Sexta-Feira 13; suas cenas são as partes do seriado que seguem o gênero slasher); copycats desse serial killer, isto é, gente que "admira o seu trabalho" e o repete; possessão demoníaca (as manipulações psicológicas e blasfêmias típicas desde O Exorcista); nazistas e experimentos desumanos; mutantes antropófagos; alienígenas e abdução. American Horror Story parece estar atirando para todo lado, e provavelmente está, mas é divertido, e se consegue amarrar bem essa multidão de premissas. (Por outro lado podemos ver aí uma confissão da indústria - nenhum desses plots, sozinho, tem hoje em dia poder de chamar a atenção. O terror é um gênero cansado, não?). Todas essas complicações confluem no asilo Briarcliff, no qual nós assistimos aos membros da Igreja Católica que administram o local e seus "pacientes".

Embora não seja por conta dessa mistura, o roteiro tem seus problemas, sim. De buracos na história (em certo ponto, três internos conseguem fugir do manicômio, mas são perseguidos pelos mutantes e tem de retornar; sem saber disso, guardas vão procurá-los (na verdade, por outros três que sumiram por outras razões), mas não sabemos de ataque mutante algum...) a trechos forçados (uma das protagonistas escapa do Bloody Face e entra no primeiro carro que vê na estrada; é justamente o veículo de um sujeito que odeia mulheres e estava prestes a dar um tiro na boca...), isso pode incomodar alguns espectadores. Mas são passáveis, não é uma deficiência crônica. Acima disso, a série consegue desenvolver dramaticamente seus personagens (e transformar nossos sentimentos por eles), assim como abordar temas sociais e políticos contemporâneos, como veremos.

Asfixia do Conhecimento
Uma sensação frequente em American Horror Story: Asylum é de que os personagens estão mergulhados em um saber do qual não podem escapar, e que pode manipulá-los conforme queira, e sempre justificadamente. Assim, banhos de banheira forçados, com água ou muito quente ou muito fria; espancamento; eletrochoque - todos são executados sob a aparência da razão; e a negação do "paciente" só poderá significar que a doença está muito arraigada. Assim, para "curar a homossexualidade" (talvez por ato falho dos escritores da série, não se usa o nome de fato dado pelos psiquiatras quando se era permitido tratar sexualidade como doença: "homossexualismo") a "terapia de aversão" exibe a uma mulher cenas de nudez feminina, ao passo que se ministra a ela substâncias que incitam o vômito; depois, trazem um homem nu e a fazem segurar seu pênis enquanto se masturba. Isso a regularizará. Então não há a quem apelar e a submissão é a única atitude aceita: essas são pessoas fora do campo da razão. A impunidade, a arbitrariedade e o autoritarismo têm aí folga para agir.

Pela sua forma, pelas definições de seu gênero e sua mídia, American Horror Story retira um pouco da brutalidade de todos esses atos; acompanhados de anjos da morte, demônios e papais-noel assassinos, é como se fossem menos reais, ou pelo menos tão fantasiosos. Não são: a história da psiquiatria tem tantos exemplos de barbárie quanto a série e outros ainda mais vívidos. Briarcliff é um filhote do Bethlehem Royal Hospital; o nazista Artur Arden é tanto obviamente um eugenista como o foram Francis Galton, Alfred Ploetz e Ernst Rüdin quanto lembra Henry Cotton, que medicava problemas mentais com remoções de partes do corpo; e o flagelamento impingido pela irmã Jude remete à cura de Samuel Cartwright para a drapetomania - isto é, o desejo "patológico" que os escravos tinham de fugir. Diferente do que concluímos para A Serbian Film, aqui temos a apresentação dos temas, mas é vago o choque, se há qualquer choque. É "terror", é "assim mesmo".

Apesar de tendencioso, sensacionalista e por vezes impreciso, o documentário Psiquiatria: Uma Indústria da Morte (assista aqui) fornece um inventário desse tipo de barbárie com as vestes da racionalidade. Um interesse a mais no caso específico desta crítica: o filme é uma produção da Citizens Commission on Human Rights (CCHR), órgão ligado à cientologia. Os roteiristas de American Horror Story, Brad Falchuk e Ryan Murphy, em outra criação sua, Nip/Tuk (a partir da quarta temporada), retrataram esse corrente religiosa - Ryan se disse "curioso" sobre ela. Não conheço registro de que sejam adeptos dessa religião, porém Asylum pode ser outro passo dessa curiosidade, e ilustração daquela bandeira cientóloga.

Mais Política
Se é, isso se dá de maneira muito fraca e subliminar. Mais evidente é o ativismo da série no que se refere às questões de gênero. Como contamos, há a encenação de uma antiga forma de "cura gay", que, pelo distanciamento de época e da ficção, aparece claramente como um modo de tortura. A tentativa de forçar o comportamento é ressaltada como barbárie. Outra produção dos escritores retrata a homossexualidade (e sua dificuldade de aceitação) - Glee - e Ryan Murphy escreveu uma carta pública em que chamava um boicote contra a revista Newsweek, que publicou um artigo defendendo que atores gays não deviam representar personagens heterosssexuais. Ainda mais forte é o feminismo de American Horror Story.

Foi descrita acima a fuga de uma protagonista, sua entrada no carro do futuro suicida. Pois bem: ela está de camisola, suja, descalça, teve os tornozelos presos por correntes por dias. A primeira coisa que o homem pergunta é: "O que você fez?". Ela diz: "O que te faz pensar que eu fiz alguma coisa?". O absurdo do pensamento automático aparece claramente como um efeito ideológico. Outros exemplos feministas: uma personagem diz, à beira da morte, a uma menina pequena: "Nunca deixe nenhum homem lhe dizer o que você é". A mesma personagem ouve noutra vez: "Você é uma mulher forte, os homens nunca te deixariam ir longe". Uma interna de Briarcliff diagnosticada como ninfomaníaca, prestes a ser estuprada (e isso posto como: ora, não é do que você gosta?), reafirma que "mas sou eu que escolho".

Um último exemplo: a questão do aborto. O assassino engravida a protagonista citada. Ela foi sequestrada, mantida em cativeiro e estuprada. Não quer manter a criança. É obrigada pela instituição. Quando pode escolher, decide que "não haverá mais mortes". Mas a falta de afeto real e presença leva a repetição dos mesmos erros do pai: o filho cresce para ser o novo Bloody Face. Ingênuo, certo? Mas na medida contra argumentos antiaborto que façam referência à vida que esses fetos possam ter. Ora, diz a série. Eles podem muito bem tornarem-se monstros.

Uma Fresta de Luz
Não há nunca bondade, pelo menos nunca bondade completa, em American Horror Story. Todos têm sua cota de egoísmo, algo que prefeririam esconder do passado, uma condição presente que força a agir de uma forma perniciosa. De mesma maneira, jamais maldade íntegra. Embrenhada na obscuridade do indivíduo, estará um ponto dissonante.

Há três casos fundamentais nesse sentido. Bloody Face, como dito, é marcado pela carência que nutre desde a infância. Por debaixo da sua crueldade, a busca é pelo toque materno. O doentio nascido de uma falta de afeto não o torna melhor, mas... certamente lhe colore de um jeito diferente. O nazista Artur Arden é, para além do seu puritanismo, fascinado pela pureza, pela bonomia intacta, e quando lhe retiram isso - assim como a sua ambição - o resultado é que ele não tem mais vontade de viver. Por fim, a irmã Jude, cruel na posição de gestora de Briarcliff, é confrontada com seus próprios erros, colocada na situação de quem oprimia. Como detenta no manicômio, ela dirá, Jude atinge a clareza. E sua purgação segue até o ponto em que ela se reconstrói inteiramente nova.

Um trecho da série em quadrinhos Casa dos Mistérios nos serve de ilustração: "Quando você está despedaçado por dentro... quando está magoado, desmoralizado, ou simplesmente nasceu assim... essa rachadura cria uma fenda. E é por essa mesma fenda que brilha a luz. Uma luz forte, um holofote, que faz queimar toda falsidade, fingimento e fanfarra... até que reste somente a verdade". Em American Horror Story, isso quase sempre não ocorre totalmente, mas é notório em Jude, protagonista verdadeira da série, que cumpre essa saga do herói invertida, do poder à simplicidade.


Duanne Ribeiro
São Paulo, 13/8/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Carnaval que passava embaixo da minha janela de Elisa Andrade Buzzo
02. A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto de Jardel Dias Cavalcanti
03. Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela de Renato Alessandro dos Santos
04. Defensores da Amazônia de Marilia Mota Silva
05. Barba ensopada de sangue: a ilusão é humana de Isabella Ypiranga Monteiro


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro em 2013
01. As Aventuras de Pi - 19/2/2013
02. Discutir, debater, dialogar - 29/1/2013
03. Margarita Paksa: Percepção e Política - 12/3/2013
04. Passe Livre, FdE e Black Blocs - enquanto Mídia - 10/9/2013
05. Pesquisando (e lendo) o jornalismo - 23/4/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




AS RELAÇÕES DE PODER NA IDADE MÉDIA TARDIA
JOSÉ ANTÔNIO DE SOUZA
EST EDIÇÕES
(2010)
R$ 35,00



SERMÕES 24 VOLUMES
PADRE ANTONIO VIEIRA
DAS AMÉRICAS
(1957)
R$ 450,00



SISTEMA DE CRÍTICA UTILIZANDO RACIOCÍNIO BASEADO EM CASOS
MARIA HELENA BARRIVIERA E SILVA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 454,00



O MOVIMENTO ACADEMICISTA NO BRASIL VOL III TOMO 3
JOSÉ ADERALDO CASTELO
CONSELHO ESTADUAL DE CULTURA
(1969)
R$ 40,00



NÃO CONTA A NINGUÉM
HARLAN COBEN
ARQUEIRO
(2009)
R$ 20,00



DINÂMICA DE UM SENTIR
ODI ALEXANDER ROCHA DA SILVA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 258,00



HISTÓRIA NAS TRILHAS DE MINAS 4º OU 5º ANO
CLÁUDIA DILMA SORAIA
FTD
(2011)
R$ 20,00



CORAÇÕES FERIDOS
LOUISA REID
NOVO CONCEITO
(2013)
R$ 25,00



UM PARCEIRO DESCONHECIDO
JERZY KOSINSKI
NOVA FRONTEIRA
(1983)
R$ 12,00



A MORTE DE VISHNU
MANIL SURI
COMPANHIA DAS LETRAS SÃO PAULO
(2001)
R$ 13,00





busca | avançada
9786 visitas/dia
890 mil/mês