American Horror Story: Asylum | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
63818 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> “Um pé de biblioteca” estimula imaginação e ajuda a criar novas bibliotecas pelo Brasil
>>> Diálogos na Web FAAP: Na pauta, festivais de cinema e crítica cinematográfica
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Morando sozinha II
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> A Piauí tergiversando sobre o fim dos jornais
>>> Mário Sérgio Cortella #EuMaior
>>> O Gabinete do Dr. Caligari
>>> Ser intelectual dói
>>> Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge
>>> É Julio mesmo, sem acento
Mais Recentes
>>> O caminho dos tormentos Vol. 3 - Manhã sombria de Alexei Tolstoi pela Civilização Brasileira (1966)
>>> O caminho dos tormentos Vol. 2 - O ano dezoito de Alexei Tolstoi pela Civilização Brasileira (1966)
>>> O caminho dos tormentos Vol. 1 - Duas irmãs de Alexei Tolstoi pela Civilização Brasileira (1966)
>>> A Ordem Negra de James Rollins pela Ediouro (2007)
>>> As mentiras que os homens contam de Luiz Fernando Veríssimo pela Objetiva (2002)
>>> Dieta Low Carb de Eliana Rinaldi e Daniela Mesquita pela Ediouro/Duetto (2019)
>>> Estatística fácil de Antônio Arnot Crespo pela Saraiva (1994)
>>> Simpatias de Antonio Carlos pela Pallas (1997)
>>> A idade da Razão de Sartre pela Cia das letras (2020)
>>> O pai minuto de Spencer Johnson pela Record (1996)
>>> A mãe minuto de Spencer Johnson pela Record (1995)
>>> Dieta Detox de Jeanne Margareth pela Ediouro/Duetto (2019)
>>> Preservação e conservação de recursos hídricos de Suetônio Mota pela Abes (1995)
>>> A magia dos anjos cabalísticos de Monica Buonfiglio pela Oficina cultural esotérica (1996)
>>> Marmita Saudável de Jeanne Margareth pela Ediouro/Duetto (2019)
>>> Administração : introdução ao estudo de José Carlos Faria pela Pioneira (1997)
>>> As Seis Pontas da Estrela de Zevi Ghivelder pela Arx (2003)
>>> O Evangelho segundo Jesus Cristo de Romance José Samarago pela Companhia das letras (1991)
>>> Livre-se do Peso de Iasmin Jacobino pela Ediouro/Duetto (2019)
>>> Biologia 3: genética, evolução, ecologia, embriologia de Cesar da Silva Junior e Sezar Sasson pela Atual (1990)
>>> Segredo Compartilhado de L. Marie Adeline pela Globo Livros (2013)
>>> Kadish por uma criança não nascida de Imre Kertész pela Imago (1995)
>>> Américas . uma introdução histórica de Luiz Koshiba e Denise Manzi Frayze Pereira pela Atual (1992)
>>> Receitas Com Chocolate de Eliana Rinaldi e Jefferson Peres pela Ediouro/Duetto (2019)
>>> Introducao A Ciencia Da Informacao - 6B de Gustavo De Henrique Araujo Freire pela N/d (2010)
>>> Todos os Sabores do Café de Eliana Rinaldi/ Daniela Mesquita pela Ediouro/Duetto (2019)
>>> Emilio Odebrecht ( 1835-1912), um prussiano no Brasil de Moacyr Werneck de Castro pela Ac & M (2020)
>>> Complexidade & Caos de H. Moysés Nussenzveig pela Ufrj / Copea (1999)
>>> Arquivo: Teoria e Prática - 6B de Marilena Leite Paes pela Fgv (2008)
>>> Educação ambiental : as grandes orientações da Conferência de Tbilisi de Organizado pela UNESCO pela Ibama (1998)
>>> Eram Seis As Petalas Da Rosa - 6B de Maurilio Augusto De Almeida pela Ideia (1998)
>>> Cinema pirata - 6B de Cory Doctorow pela Galera (2013)
>>> Histórias que ouvi, histórias que vivi O lado inusitado e pitoresco da Justiça Mineira de Rosana de Mont´Alverne Neto e Pedro Jorge Fonseca pela Tjmg (2005)
>>> Teologia do novo testamento de Leonhard Goppelt pela Sinodal / Vozes (1976)
>>> A Última Tentação De Marx - 6B de Armando Avena pela Ediouro (1999)
>>> As vidas de Chico Xavier de Marcel Souto Maior pela Planeta (2010)
>>> Mengele - A verdade veio à tona - autografado de Ben Abraham pela Sherit Hapleita (1994)
>>> Autópsia de um crime de Marshall Goldberg pela Nova época (1974)
>>> Mentes inquietas : entendendo melhor o mundo das pessoas distraídas impulsivas e hiperativas de Ana Beatriz B. Silva pela Gente (2003)
>>> Um Lugar Incerto de Fred Vargas pela Companhia das Letras (2011)
>>> Profecia Celestina - Uma aventura da Nova Era de James Redfield pela Objetiva (1994)
>>> Supersexo de Tracey Cox; Gisele Porto pela Ediouo (2004)
>>> Da Revolução à Democracia de Miguel Reale pela Convívio (1977)
>>> Como ter suas preces atendidas de Irwin Katsof pela Larousse (2011)
>>> Brasil - Passadp e Presente. Estudos de Problemas Brasileiros. de Osmar Salles de Figueiredo pela Ediora Pedagógica e Universitária (1979)
>>> Os Judeus do Vaticano de Avraham Milgram pela Imago (1994)
>>> Direito do Trabalho de Délio Maranhão pela Fundação Getúlio Vargas (1988)
>>> Bahia Cidade Feitiço de Carlos Torres pela Mensageiro da Fé (1973)
>>> São Marcelino Champagnat: O vencedor de desafios, nosso padroeiro de Nadir Borini Rodrigues pela Colégio Marista Champagnat (2006)
>>> O Brasil Pós- "Milagre" de Celso Furtado pela Paz e Terra (1981)
COLUNAS

Terça-feira, 13/8/2013
American Horror Story: Asylum
Duanne Ribeiro

+ de 4800 Acessos

A segunda temporada de American Horror Story (subintitulada Asylum), série competente de terror exibida pelo canal a cabo FX, traz duas ideias interessantes, ou melhor, seu roteiro é fundamentado em duas noções. Primeira, a de que o saber é uma forma de poder: o conhecimento sobre como as coisas "são" ou "devem ser" permite dispor veredictos sobre as pessoas, incluir, excluir, destruir, isolar. O ambiente da história é um manicômio na primeira metade do século XX - exemplo sempre mais do que intenso de como palavras que ostentam técnica e trabalho podem esconder cegueiras: medicina, psiquiatria, segurança pública. Segunda, a de que o "mal" é constituído também por uma fragilidade, isto é, atrás da brutalidade, há carência, frustração, descompasso. De certa ótica, ambas são a mesma: a força esconde a fraqueza, a fraqueza gera a força.

A série é uma miscelânea de enredos que o cinema empregou no horror: um assassino serial (o "Bloody Face", que usa uma máscara e tem sua obsessão materna, como Jason em Sexta-Feira 13; suas cenas são as partes do seriado que seguem o gênero slasher); copycats desse serial killer, isto é, gente que "admira o seu trabalho" e o repete; possessão demoníaca (as manipulações psicológicas e blasfêmias típicas desde O Exorcista); nazistas e experimentos desumanos; mutantes antropófagos; alienígenas e abdução. American Horror Story parece estar atirando para todo lado, e provavelmente está, mas é divertido, e se consegue amarrar bem essa multidão de premissas. (Por outro lado podemos ver aí uma confissão da indústria - nenhum desses plots, sozinho, tem hoje em dia poder de chamar a atenção. O terror é um gênero cansado, não?). Todas essas complicações confluem no asilo Briarcliff, no qual nós assistimos aos membros da Igreja Católica que administram o local e seus "pacientes".

Embora não seja por conta dessa mistura, o roteiro tem seus problemas, sim. De buracos na história (em certo ponto, três internos conseguem fugir do manicômio, mas são perseguidos pelos mutantes e tem de retornar; sem saber disso, guardas vão procurá-los (na verdade, por outros três que sumiram por outras razões), mas não sabemos de ataque mutante algum...) a trechos forçados (uma das protagonistas escapa do Bloody Face e entra no primeiro carro que vê na estrada; é justamente o veículo de um sujeito que odeia mulheres e estava prestes a dar um tiro na boca...), isso pode incomodar alguns espectadores. Mas são passáveis, não é uma deficiência crônica. Acima disso, a série consegue desenvolver dramaticamente seus personagens (e transformar nossos sentimentos por eles), assim como abordar temas sociais e políticos contemporâneos, como veremos.

Asfixia do Conhecimento
Uma sensação frequente em American Horror Story: Asylum é de que os personagens estão mergulhados em um saber do qual não podem escapar, e que pode manipulá-los conforme queira, e sempre justificadamente. Assim, banhos de banheira forçados, com água ou muito quente ou muito fria; espancamento; eletrochoque - todos são executados sob a aparência da razão; e a negação do "paciente" só poderá significar que a doença está muito arraigada. Assim, para "curar a homossexualidade" (talvez por ato falho dos escritores da série, não se usa o nome de fato dado pelos psiquiatras quando se era permitido tratar sexualidade como doença: "homossexualismo") a "terapia de aversão" exibe a uma mulher cenas de nudez feminina, ao passo que se ministra a ela substâncias que incitam o vômito; depois, trazem um homem nu e a fazem segurar seu pênis enquanto se masturba. Isso a regularizará. Então não há a quem apelar e a submissão é a única atitude aceita: essas são pessoas fora do campo da razão. A impunidade, a arbitrariedade e o autoritarismo têm aí folga para agir.

Pela sua forma, pelas definições de seu gênero e sua mídia, American Horror Story retira um pouco da brutalidade de todos esses atos; acompanhados de anjos da morte, demônios e papais-noel assassinos, é como se fossem menos reais, ou pelo menos tão fantasiosos. Não são: a história da psiquiatria tem tantos exemplos de barbárie quanto a série e outros ainda mais vívidos. Briarcliff é um filhote do Bethlehem Royal Hospital; o nazista Artur Arden é tanto obviamente um eugenista como o foram Francis Galton, Alfred Ploetz e Ernst Rüdin quanto lembra Henry Cotton, que medicava problemas mentais com remoções de partes do corpo; e o flagelamento impingido pela irmã Jude remete à cura de Samuel Cartwright para a drapetomania - isto é, o desejo "patológico" que os escravos tinham de fugir. Diferente do que concluímos para A Serbian Film, aqui temos a apresentação dos temas, mas é vago o choque, se há qualquer choque. É "terror", é "assim mesmo".

Apesar de tendencioso, sensacionalista e por vezes impreciso, o documentário Psiquiatria: Uma Indústria da Morte (assista aqui) fornece um inventário desse tipo de barbárie com as vestes da racionalidade. Um interesse a mais no caso específico desta crítica: o filme é uma produção da Citizens Commission on Human Rights (CCHR), órgão ligado à cientologia. Os roteiristas de American Horror Story, Brad Falchuk e Ryan Murphy, em outra criação sua, Nip/Tuk (a partir da quarta temporada), retrataram esse corrente religiosa - Ryan se disse "curioso" sobre ela. Não conheço registro de que sejam adeptos dessa religião, porém Asylum pode ser outro passo dessa curiosidade, e ilustração daquela bandeira cientóloga.

Mais Política
Se é, isso se dá de maneira muito fraca e subliminar. Mais evidente é o ativismo da série no que se refere às questões de gênero. Como contamos, há a encenação de uma antiga forma de "cura gay", que, pelo distanciamento de época e da ficção, aparece claramente como um modo de tortura. A tentativa de forçar o comportamento é ressaltada como barbárie. Outra produção dos escritores retrata a homossexualidade (e sua dificuldade de aceitação) - Glee - e Ryan Murphy escreveu uma carta pública em que chamava um boicote contra a revista Newsweek, que publicou um artigo defendendo que atores gays não deviam representar personagens heterosssexuais. Ainda mais forte é o feminismo de American Horror Story.

Foi descrita acima a fuga de uma protagonista, sua entrada no carro do futuro suicida. Pois bem: ela está de camisola, suja, descalça, teve os tornozelos presos por correntes por dias. A primeira coisa que o homem pergunta é: "O que você fez?". Ela diz: "O que te faz pensar que eu fiz alguma coisa?". O absurdo do pensamento automático aparece claramente como um efeito ideológico. Outros exemplos feministas: uma personagem diz, à beira da morte, a uma menina pequena: "Nunca deixe nenhum homem lhe dizer o que você é". A mesma personagem ouve noutra vez: "Você é uma mulher forte, os homens nunca te deixariam ir longe". Uma interna de Briarcliff diagnosticada como ninfomaníaca, prestes a ser estuprada (e isso posto como: ora, não é do que você gosta?), reafirma que "mas sou eu que escolho".

Um último exemplo: a questão do aborto. O assassino engravida a protagonista citada. Ela foi sequestrada, mantida em cativeiro e estuprada. Não quer manter a criança. É obrigada pela instituição. Quando pode escolher, decide que "não haverá mais mortes". Mas a falta de afeto real e presença leva a repetição dos mesmos erros do pai: o filho cresce para ser o novo Bloody Face. Ingênuo, certo? Mas na medida contra argumentos antiaborto que façam referência à vida que esses fetos possam ter. Ora, diz a série. Eles podem muito bem tornarem-se monstros.

Uma Fresta de Luz
Não há nunca bondade, pelo menos nunca bondade completa, em American Horror Story. Todos têm sua cota de egoísmo, algo que prefeririam esconder do passado, uma condição presente que força a agir de uma forma perniciosa. De mesma maneira, jamais maldade íntegra. Embrenhada na obscuridade do indivíduo, estará um ponto dissonante.

Há três casos fundamentais nesse sentido. Bloody Face, como dito, é marcado pela carência que nutre desde a infância. Por debaixo da sua crueldade, a busca é pelo toque materno. O doentio nascido de uma falta de afeto não o torna melhor, mas... certamente lhe colore de um jeito diferente. O nazista Artur Arden é, para além do seu puritanismo, fascinado pela pureza, pela bonomia intacta, e quando lhe retiram isso - assim como a sua ambição - o resultado é que ele não tem mais vontade de viver. Por fim, a irmã Jude, cruel na posição de gestora de Briarcliff, é confrontada com seus próprios erros, colocada na situação de quem oprimia. Como detenta no manicômio, ela dirá, Jude atinge a clareza. E sua purgação segue até o ponto em que ela se reconstrói inteiramente nova.

Um trecho da série em quadrinhos Casa dos Mistérios nos serve de ilustração: "Quando você está despedaçado por dentro... quando está magoado, desmoralizado, ou simplesmente nasceu assim... essa rachadura cria uma fenda. E é por essa mesma fenda que brilha a luz. Uma luz forte, um holofote, que faz queimar toda falsidade, fingimento e fanfarra... até que reste somente a verdade". Em American Horror Story, isso quase sempre não ocorre totalmente, mas é notório em Jude, protagonista verdadeira da série, que cumpre essa saga do herói invertida, do poder à simplicidade.


Duanne Ribeiro
São Paulo, 13/8/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Famílias terríveis - um texto talvez indigesto de Ana Elisa Ribeiro
02. Sejamos multiplicadores de Fabio Gomes
03. Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico de Jardel Dias Cavalcanti
04. Por uma arquitetura de verdade de Eduardo Carvalho
05. Caso Richthofen: uma história de amor de Marcelo Miranda


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro em 2013
01. As Aventuras de Pi - 19/2/2013
02. Discutir, debater, dialogar - 29/1/2013
03. Margarita Paksa: Percepção e Política - 12/3/2013
04. American Horror Story: Asylum - 13/8/2013
05. Passe Livre, FdE e Black Blocs - enquanto Mídia - 10/9/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MEMÓRIAS DE GUERRA: A VITÓRIA VOL 3
GENERAL DE GAULLE
BIBLIEX
(1979)
R$ 24,28



CLOVIS DARDENTOR
JULIO VERNE
JACOMO
R$ 6,90



JORGE AMADO UM BAIANO ROMANTICO E SENSUAL
ZÉLIA GATTAI
RECORD
(2002)
R$ 8,00



PORTUGUES BURITI 2 CADERNO DO ESCRITOR
EDITORA MODERNA
MODERNA
(2017)
R$ 9,90



MODERNA GRAMÁTICA PORTUGUESA - CURSOS DE 1º E 2º GRAU
EVANILDO BECHARA
NACIONAL
(1975)
R$ 39,00



O DIPLOMATA E O AGENTE FUNERÁRIO
JACINTO REGO DE ALMEIDA
GERAÇÃO
(2003)
R$ 10,00



ESTÓRIAS PARA CANTAR...
WILLIAM NETTO CANDIDO
VIDA & CONSCIÊNCIA
R$ 17,66



MONOCLE MARCH 2019 - FRANCE SPECIAL
DIVERSOS
MONOCLE
(2019)
R$ 45,00



OURO PRETO: UMA VIAGEM EM PEDRA E OURO
MÁRCIO CARVALHO
UNIVERSO CULTURAL
(2013)
R$ 98,00



TAYNIKMA 4 - AS CATACUMBAS PERDIDAS
JAN KJAER E MERLIN P. MANN
FUNDAMENTO
(2014)
R$ 10,90





busca | avançada
63818 visitas/dia
2,2 milhões/mês