Magia além do Photoshop | Isabel Furini | Digestivo Cultural

busca | avançada
56467 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> 7ª edição do Fest Rio Judaico acontece no domingo (16 de junho)
>>> Instituto SYN realiza 4ª edição da campanha de arrecadação de agasalhos no RJ
>>> O futuro da inteligência artificial: romance do escritor paranaense Roger Dörl, radicado em Brasília
>>> Cursos de férias: São Paulo Escola De Dança abre inscrições para extensão cultural
>>> Doc 'Sin Embargo, uma Utopia' maestro Kleber Mazziero em Cuba
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A LPB e o thriller verde-amarelo
>>> O Google em crise de meia-idade
>>> Meu cinema em 2010 ― 1/2
>>> Paulo Francis não morreu
>>> Levy Fidelix sobre o LGBT
>>> Adaptação: direito ou dever da criança?
>>> Bienal 2006: fracasso da anti-arte engajada
>>> Monteiro Lobato, a eugenia e o preconceito
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> Xingando semáforos inocentes
Mais Recentes
>>> Vista Da Janela de Rosali Michelsohn pela Reflexão
>>> Sem Medo De Ser Feliz de Isabel Losada pela Alaúde (2013)
>>> Socorro, Meu Filho Nao Quer Comer! - Um Guia Pratico Para As Maes de Branca Sister pela Alegro (2004)
>>> Dona Beija Feiticeira do Araxá de Thomas leonardos pela Record (1986)
>>> Cura Pelas Mãos, Ou, A Prática Da Polaridade de Richard Gordon pela Pensamento (1978)
>>> Onde Esta Tereza ? de Zíbia Gasparetto / Lucius pela Vida E Consciencia (2007)
>>> Assombrassustos de Stella Carr pela Pioneia (1973)
>>> Uma Viagem ao Mundo Maravilhoso do Vinho de José Wilson Ciotti / Regina Lúcia Ciotti pela Barbacena (2003)
>>> A. Criança em Desenvolvimento de Helen Bee pela Harbra (1977)
>>> A Vida é Sonho de Pedro Calderón De Lá Barca pela Scritta (1992)
>>> O Saci de Monteiro Lobato pela Brasiliense (2009)
>>> Mercadão Municipal - O Mundo e seus Sabores de Vários Autores pela Map (2004)
>>> Revista da Biblioteca Mário de Andrade de Boris Schnaiderman pela Imprensa Oficial (2012)
>>> Minidicionário Saraiva Informatica de Maria Cristina Gennari pela Saraiva (2001)
>>> Baia Da Esperanca de Jojo Moyes pela Bertrand (2015)
>>> Manual de Organização do Lactário de Maria Antônia Ribeiro Gobbo / Janete Maculevicius pela Atheneu (1985)
>>> Brinquedos da Noite: manual do primeiro livro 12ª edição. de Ieda Dias da Silva pela Vigília (1990)
>>> Pró-Posições de Vários Autores Unicamp pela Unicamp (2008)
>>> De Crianças e Juvenis Ensinando a Verdade de Modo Criativi de Márcia Silva pela Videira (2012)
>>> O Cinema Vai Mesa de Rubens Ewald Filho / Nilu Lebert pela Melhoramentos (2007)
>>> Guia das Bibliotecas Públicas do Brasil de Vários Autores pela Fundação Biblioteca Nacional 1994/95 (1994)
>>> Puxa, Que Bruxa! - O Sumiço - Livro 2 de Sibéal Pounder pela Ciranda Cultural (2019)
>>> IV 4D Artes Computacional Interativa de Centro Cultural Banco do Brasil pela Centro Cultural Banco do Brasil (2004)
>>> Psicologia da Educação - Revista do Programa de Estudos pós-graduados PUC-Sp de Vários Autores pela Puc-sp (2006)
>>> Cavalgando o Arco-Iris de Pedro Bandeira pela Moderna (1999)
COLUNAS >>> Especial Digestivo 10 Anos

Terça-feira, 5/10/2010
Magia além do Photoshop
Isabel Furini
+ de 4400 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Conta-se que os homens antigos desejosos de conhecer o universo observavam o céu e uniam conjuntos de estrelas com fios invisíveis projetando formas conhecidas. Assim nasceu, por exemplo, a constelação de Escorpião. Nessa constelação eles imaginavam a forma desse artrópode. O homem primitivo imaginava, sonhava, poetizava o mundo. Talvez por isso o refrão: "De poeta e de louco, todo mundo tem um pouco".

A contemporaneidade deu um passo à frente e hoje podemos dizer que: "de blogueiro, de poeta e de louco, todo mundo tem um pouco". Vejamos o caso do Digestivo Cultural, conhecido como DC. O colunista ou colaborador decide escrever uma crônica, ele pode começar com uma notícia de jornal, com a análise de uma frase ou de um livro, mas, para se transformar em crônica, para dar forma determinada ao texto, o escritor precisa unir fios invisíveis das estrelas imaginárias, como os de uma constelação.

O cronista mostrará aspectos diferentes da notícia, poderá argumentar, comentar, ironizar, enfim, estender um fio entre o acontecimento e o modo de vida da sociedade, ou entre o acontecimento e a natureza humana. Esse também é um dos principais objetivos do Digestivo Cultural, tentar colocar ordem no caos dos acontecimentos, nas galáxias culturais. Observar a cultura do ângulo de quem escreve pelo prazer de escrever. Dos apaixonados pelas letras.

Já são dez anos de forte paixão. De lutas, estratégias, caminhos... alguns socos no nariz, não duvido, e reconhecimento também. Como bem falava Platão, a vida é uma mistura do um e do outro.

Por exemplo, eu "curto" as crônicas de Gian Danton. Achei corajoso ele defender Paulo Coelho ("O mago"), o escritor mais esculhambado do Brasil; corajoso também revelar aquilo que a maioria conhece, mas raramente confessa: "O ódio on-line"; aplaudi, também, a coluna "Glauco: culpado ou inocente?", onde Gian, como um novo Quixote, arremete contra os gigantes e corajosamente dá um chute (falei chute, mas para ser honesta estou pensando em pé-na-bunda) ― contra a novelinha cor de rosa que a imprensa inventou com referência a um assassino, o Cadu, jogando a culpa no chá do Santo Daime, como se todos os que tomam esse chá saíssem por aí matando pessoas. E isso nos faz refletir sobre o fato de que a imprensa pode criar heróis falsos, cultuar falsos ídolos, ou seja, muitas vezes, a imprensa entorta o caminho da informação. E de repente um cara decide falar uma verdade e o DC publica, assim, sem cortes...

Isso ajuda a também refletir sobre a condição do homem, que, como já disse Nietzsche, balança sobre uma corda tendida no abismo, ou, como afirmou Hume, está sempre entre a saúde e a doença, entre a alegria e a tristeza, entre o amor e o ódio, entre a vida e a morte. Seres humanos balançando sobre uma corda podem ter uma vida sem tropeços, sem assuntos irresolvidos, sem traumas? É nesse momento que o homem, ser social, participante de uma sociedade que pune os membros mais fracos (ninguém gosta de obesos, velhos caducos, nem pessoas com problemas, a maioria é gentil com eles, mas zombam deles quando os holofotes são desligados), expõe o lado escuro.

E isso revela muito do homem atual, que é um desconhecido mascarado. São muitas máscaras e uma das mais convincentes é a máscara "pessoa bem resolvida ou completamente resolvida", quase inumana, digamos. Um ser humano para ser "completamente resolvido" deveria estar morto, brinca um cronista. Porque a cada passo surgem novos problemas (desculpem, sejamos mais otimistas: surgem novos desafios). Esse é o modelo positivo do início do século XXI, chamado "o homem bem resolvido". Uma espécie de homem passado pelo Photoshop. Quase uma estrela de novela, que só existe na cabeça dos telespectadores e do roteirista. Sabemos que o verdadeiro homem é aquele exposto no texto "Freud e a mente humana", do editor do Digestivo, Julio Borges.

Hoje "o sujeito bem resolvido" pode estar forte, com sua máscara fortalecida, mas, tarde ou cedo, terá um momento de mau humor, de fraqueza, uma noite mal dormida, uma dor de dente, um pouco de depressão, sei lá... alguma coisa que mostre que ele também é humano.

Talvez por isso sejamos apaixonados por super-heróis, mas Superman e o senhor Spock, nasceram em outros planetas, seus genes são outros ― que não humanos. Podem ser super poderosos ou incapazes de emoções. O senhor Spock nunca teve conflitos entre razão e emoção. Um ser humano incapaz de emoções tem grandes chances de ser um psicopata.

Essa fascinação que exerce a ideia de um sujeito guiar-se só pela lógica, sem reações instintivas, nem emocionais encantava a plateia da época do seriado Star Trek, e o ator Leonard Nimoy, o Dr. Spock, disse em entrevista que recebia cartas de amor de muitas telespectadoras.

Longe do Dr. Spock, o homem de Nietzsche caminhando numa corda tendida no abismo não pode ter uma vida tão simples, nem o homem de Freud, com seu id pulsando para expressar-se e o superego tentando reprimir os impulsos. O ser humano é difícil de entender porque é uma amálgama de emoção e razão. E o Digestivo Cultural muitas vezes é difícil de digerir porque mostra o homem sem máscaras, a vida sem Photoshop como, por exemplo, o chocante "Confissões de um escritor", de Charles Kiefer, onde o autor parece querer acordar os novos autores, esclarecendo que escrever não é só glamour, não!

Mas a vida tem risos e lágrimas. O mundo continua a ser um grande teatro. Pessoalmente, tive um momento de alegria ao ver "Instantes: a história do poema que não é de Borges", de minha autoria, publicado no Digestivo. E até fiquei ansiosa como uma adolescente para ver quantos acessos teria. Ao final, ter muitos leitores não é só um sonho de Paulo Coelho, é um sonho de quase todos os escritores. Ninguém quer falar no deserto, nem ser um Robinson Crusoé. Queremos falar, ou escrever, para seres vivos que pensam, sentem, e podem emocionar-se com nossas ideias. E, em última instância, o sentido do DC é esse mesmo, aproximar o escritor do leitor, para que ambos possam compartilhar da magia de pensar e sentir. A magia de ser humano.


Isabel Furini
Curitiba, 5/10/2010

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Fatal: o livro e o filme de Marcelo Spalding


Mais Isabel Furini
Mais Especial Digestivo 10 Anos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/10/2010
13h09min
Ser Humano! Ou serzinho completo de imperfeições, incertezas e dúvidas. Somos um eterno produto inacabado, uma obra sem fim...
[Leia outros Comentários de Luciano]
6/10/2010
04h40min
Como é reconfortante ler e saber que não somos os únicos que num mundo de "perfeitos" sentimo-nos muitas vezes diminuídos e solitários. E acho que é só através da escrita é que nos sentimos mais próximos, quando identificamos em uma crônica de outro um sentimento que também é nosso. Parabéns, lindo!
[Leia outros Comentários de Alessandra Magalhães]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Maçons Livres e Aceitos - Pensando e Trabalhando por um Mundo Melhor
Síntese Maçônica
Desconhecido



Coleção Sapeca 3 Livros O Manto Mágico + O Servo Fiel + Os Brinquedos Animados
Darly Nicolanna Sconaienchi
Oesp



Bandeira do Brasil: Educação e Civismo
Antonio Calandriello
São Jose



Caminhos de libertação
Valentim Lorenzetti
Aliança



Manual de Pronto-Atendimento - Pediatra 24 Horas
Emanuel Sávio Sarinho
Lemos
(2002)



Compêndio de Lectio Divina 2022 - A Responsabilidade - Ninguem me tira a vida, eu a dou livremente
Georges Henri Bonneval
Sementes do verbo
(2022)



Filósofo em 5 Minutos
Gerald Benedict
Best Seller
(2014)



Mente corpo e destino
Katsumi Tokuhisa
Seicho NO IE
(1994)



Qualidade Em Redes de Suprimentos
João Gilberto Mendes dos Reis, Mário Mollo Neto
Atlas
(2015)



Marco Altberg: Muitos Cinemas
Roberta Canuto
Imprensa Oficial do Estado ...
(2010)





busca | avançada
56467 visitas/dia
2,3 milhões/mês