O mago | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Livro beneficente ensina concurseiros a superar desafios e conquistar sonhos
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Tom Wolfe
>>> Queen na pandemia
>>> A história do Olist
>>> Kubrick, o iluminado
>>> Mr. Sandman
>>> Unchained by Sophie Burrell
>>> Reflexões na fila
>>> Papo com Alessandro Martins
>>> Epitáfio do que não partiu
Mais Recentes
>>> A Inquisicção de Sonia A Siqueira pela FTD (1998)
>>> Cartas Portuguesas de Nuno Júdice (edição e prefácio) pela Sibila (2019)
>>> O Amor todas as horas de Luiz Torlei Aragão pela Andre Quice (1996)
>>> Legado de Amor de Paulo Afonso Silva pela Cefak (2018)
>>> Parasitologia Humana e Seus Fundamentos Gerais de Sérgio Cimerman; Benjamin Cimerman pela Atheneu (1999)
>>> Proteção Internacional dos Direito Humanos de Emerson Garcia pela Lumen (2009)
>>> historia abreviada da UFC de antonio martins filho pela Unb (1996)
>>> A Ronda da Noite de Agustina Bessa-Luís pela Relógio D´Água (2019)
>>> Homens Que Não Conseguem Amar de Steven Carter & Julia Sokol pela Sextante (2009)
>>> O Café de Lenine de Nuno Júdice pela D. Quixote (2019)
>>> Terras de Sombras de Alyson Noel pela Intrínseca (2009)
>>> Regência de Ossos de Marcelo Paschoalin pela Letra Impressa (2013)
>>> Pensamentos sem Fronteiras de Paulo Webber Gil pela Autografia (2017)
>>> O ano sabático de João Tordo pela Companhia das Letras (2018)
>>> Fábulas italianos de Italo Calvino pela Companhia de Bolso (1990)
>>> Golpe de Vista de V J Palaoro pela Atual (2010)
>>> Trilhas para o Rio de André Urani pela Campus (2008)
>>> Hotel Memória de João Tordo pela Companhia das Letras (2021)
>>> Ler, Viver e Amar de Jennifer Kaufman pela Casa da Palvra (2011)
>>> Mil Lugares para Conhecer Antes de Morrer de Patricia Schultz pela Sextante (2006)
>>> Pesquisa de Marketing de Carl Mcdaniel pela Cengage (2002)
>>> A Arte dos Relacionamentos Saudáveis e Duradouros de José Augusto Lima Goldoni pela Textos & Livros
>>> Lá Fora de Pedro Mexia pela Tinta-da-China (2020)
>>> O Nosso Jeito de Wiliam V. K. de Matos Silva pela Holy Acts
>>> A Conquista da Matemática 8 : Caderno de Atividades - Bncc de Giovanni pela Didáticos
COLUNAS

Segunda-feira, 19/4/2010
O mago
Gian Danton

+ de 6100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Paulo Coelho é um dos escritores mais lidos do mundo. Já vendeu mais de 100 milhões de livros. É o escritor vivo mais traduzido do planeta. Já foi homenageado por reis, rainhas, xeiques e presidentes, sendo tratado como popstar. No entanto, é linchado pela crítica literária brasileira. Uma figura tão contraditória acaba se tornando um personagem tão ou mais interessante que seus personagens. Assim, não é surpresa que Fernando Morais tenha tido a ideia de escrever sua biografia.

Seguindo uma fórmula já consagrada por Fernando Morais, O mago (Planeta, 2008, 632 págs.) começa de maneira não cronológica: Paulo Coelho, já famoso, desce no aeroporto de Budapeste e não encontra ninguém. Nessas primeiras páginas o leitor já percebe que não se trata de uma biografia chapa-branca (feita para engrandecer o biografado). Enfezado, ele liga para um assistente e rosna: "Não há ninguém à minha espera em Budapeste! Sim! Foi isso mesmo que você ouviu". E repete cada palavra, lentamente, martelando-as na cabeça do interlocutor. Depois desliga sem se despedir. Então ouve um barulho e, ao se virar, abre um sorriso de felicidade: uma multidão de repórteres e fãs se aproxima.

Algumas das facetas de Paulo Coelho já estão ali, nesse capítulo: a arrogância (que fez com que ele perdesse um emprego, na década de 1970) e o fascínio pelo sucesso, a ganância pelo dinheiro.

Paulo Coelho é do tipo que faria qualquer coisa pela popularidade (até mesmo vender sua alma ao Diabo, como de fato fez, na década de 1970). Seu sonho, desde os mais tenros anos, era se tornar um escritor mundialmente famoso. Ainda adolescente ele fazia planos sobre como realizar seu sonho. Em seu diário, ele anotava providências, como descobrir quem eram os editores de cultura dos grandes jornais e mandar-lhes textos, comparecer a noites de autógrafo e estreias de teatro travando conhecimento com os autores famosos e tentando conseguir um padrinho.

Apesar de todas as tentativas de fazer sucesso como escritor, Paulo Coelho só se tornaria famoso mesmo ao conhecer o músico Raul Seixas. Muitos dos detratores do escritor dizem que ele se aproveitou de Raul, mas, na verdade, o que parece ter acontecido foi uma simbiose poucas vezes vista na história da música brasileira.

Na época, Paulo Coelho fazia parte de um grupo satanista e era editor da revista A pomba, que misturava misticismo com mulheres peladas. Era um hippie, que andava de sandálias e com cabelos desgrenhados, vivia com duas mulheres e transava todo tipo de droga. Raul Seixas era careta, andava bem penteado, barba feita, terno e gravata, pasta 007 e nunca experimentara nenhum tipo de droga e não tinha qualquer contato com sociedades místicas. Ou seja: um era o oposto do outro.

Raul queria publicar um texto sobre discos voadores e pretendia convencer Paulo a escrever músicas para ele, pois já pensava em abandonar a vida de executivo para se tornar músico em tempo integral. Paulo só aceitou jantar na casa do futuro parceiro porque pretendia arrancar dele um anúncio da CBS para sua revista. Ao entrar no apartamento, Paulo percebeu que estava em um programa de índio: "É tudo caretinha, tudo bem-comportado", escreveu em seu diário. "Serviram umas cumbuquinhas com salgadinhos... há anos que eu não janto na casa de ninguém que tivesse cumbuquinhas com salgadinhos". Quando Raul pediu para ele ouvir algumas músicas, Paulo pensou: "Puta merda, ainda vamos ter que ouvir música?". Mas, no final, ele gostou muito do que ouviu. Acabaram virando parceiros e Paulo foi, aos poucos, mudando Raul: apresentou a ele as drogas, o satanismo, todo o pacote. Enquanto Raul ia virando o maluco beleza, Paulo ia encaretando: abandou o satanismo depois de um encontro com o diabo, largou a cocaína e depois a maconha. Como numa imagem de yin-yang, os dois eram opostos que se complementavam e, quando um mudou, o outro mudou também, voltando a se tornarem opostos.

Entre os que não são leitores frequentes de Paulo Coelho, essa parte da parceria deve ser o ponto mais interessante do livro. Mas para quem chegou até ali, é impossível largar. Com incomparável maestria, Fernando Morais sequestra o leitor, que só larga o livro na última página. O grande interesse dali em diante é saber como, apesar de todas as dificuldades iniciais, Paulo se tornou um dos escritores mais populares do mundo.

A narrativa nesse ponto lembra o filme Ed Wood, de Tim Burton: uma fábula sobre alguém que acredita em um sonho e consegue realizá-lo indo contra todas as expectativas.

Na busca pela fama, Paulo comete dois pecados capitais: o plágio e o uso de ghost writer. Ainda na década de 1960, em Aracaju, pedem a ele que escreva um artigo contra a ditadura para publicar num jornal local. Sem tempo ou inspiração, ele simplesmente chupa um texto de Carlos Heitor Cony. Quando, já na década de 1980, lança seu primeiro livro, Arquivos do Inferno, um dos capítulos era uma suposta piscografia do inquisidor espanhol Tomás Torquemada defendendo a tortura. Mas, na verdade, era um plágio do livro A verdade sobre a inquisição, de Henrique Hello.

O segundo livro de Paulo Coelho também revela uma situação grave. Como havia feito cursos sobre vampiros na Inglaterra (onde viveu uma relação a quatro com sua esposa, uma japonesa e o compositor Peninha), ele foi convidado a escrever um livro sobre o assunto para a editora Eco. Paulo aceitou dividir a autoria com o jornalista Nelson Liano Jr., que dera a ideia do livro, mas não conseguiu escrever seus capítulos. Recorreu, então, a um amigo, Toninho Buda, com a promessa de que o nome dele seria creditado. Toninho Buda não recebeu nada pelo trabalho e seu nome não apareceu em lugar nenhum da publicação.

Finalmente, com a publicação de O Alquimista, veio o sucesso estrondoso e começou uma nova situação: a relação com a crítica. Enquanto lá fora Paulo Coelho recebe elogios até de Umberto Eco e tem textos ilustrados por Moebius, aqui ele é uma unanimidade ao contrário: absolutamente todos os críticos literários odeiam sua obra. Quando se pensou em adotar suas obras em escolas públicas, o Jornal do Brasil publicou uma charge em que um estudante vê crescer orelhas de burro ao ler O diário de um mago. A Folha de São Paulo chegou a dizer que seus escritos não eram nem mesmo subliteratura. Quando foi entrevistado pelo programa do Jô, a produção se apropriou de um texto de Arthur da Távola, no qual o cronista encontrava vários erros de revisão em O diário de um mago. Uma atitude antiética que beirava o sensacionalismo puro (afinal, falar mal de Paulo Coelho dá ibope).

Quando uma professora de literatura resolveu fazer uma tese sobre O Alquimista, foi hostilizada pelos colegas. A banca a acusou de ter escrito um trabalho simpático ao escritor (como se isso fosse crime): "Diziam que Paulo Coelho me pagara para escrever a tese, que eu era amante dele!".

Um linchamento público tão unânime lembra mais preconceito do que opinião literária. Paulo Coelho parece estar sendo vítima do sucesso, que torna os intelectuais incapazes de avaliar sua obra. Isso já aconteceu com Monteiro Lobato, Roberto Carlos e Mauricio de Sousa. É possível que daqui a alguns anos seu trabalho seja redescoberto. Ou não. De certo, apenas uma coisa: a biografia do escritor é um livro delicioso e intrigante, com um personagem tridimensional, cheio de qualidades e defeitos, que viveu os anos loucos da geração hippie, foi torturado pela ditadura, internado em um asilo para loucos e sobreviveu para ser o escritor brasileiro mais lido do mundo e o mais odiado pela intelectualidade. Leitura obrigatória para quem gosta de boas biografias.

Para ir além






Gian Danton
Goiânia, 19/4/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Numa casa na rua das Frigideiras de Elisa Andrade Buzzo
02. 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis de Ana Elisa Ribeiro
03. Cidades do Algarve de Elisa Andrade Buzzo
04. Caindo as fichas do machismo de Marta Barcellos
05. Notas sobre a Escola de Dança de São Paulo - II de Elisa Andrade Buzzo


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2010
01. Os dilemas da globalização - 8/11/2010
02. Glauco: culpado ou inocente? - 29/3/2010
03. 2009: intolerância e arte - 4/1/2010
04. Maria Erótica e o clamor do sexo - 25/10/2010
05. As fronteiras da ficção científica - 3/5/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/4/2010
10h31min
Abomino Paulo Coelho por minha própria opinião e gosto (li-o em si, não a crítica). A biografia, entretanto, comprei-a e é fantástica, ótima leitura, parece ficção em suas internações em hospício e degolação de cabrito.
[Leia outros Comentários de Antoine]
22/2/2015
23h52min
Belo Texto! Informativo, instigante. Agora não tem jeito tenho que achar essa biografia pra ler!
[Leia outros Comentários de João Marreiro]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os Presidentes
Rodrigo Vizeu
Harper Collins
(2019)



A Poluição - Biblioteca Salvat de Grandes Temas - 1
Juan Senent
Salvat
(1979)



Tecnologia da Informação
Alberto Luiz Albertin / Rosa Maria de Moura
Atlas
(2004)



Juntos Nessa 2 - Portugues
Daniela Passos
Leya
(2014)



Do B - Crônicas Críticas para o Caderno B do Jornal do Brasil
Eugênio Bucci
Record
(2003)



O Piano e a Orquestra: Romance
Carlos Heitor Cony
Companhia das Letras
(1996)



Introdução ao Estudo da Filosofia
Antônio Xavier Teles
Ática
(1982)



Assistente de Administração 2 - Colégio Pedro II - nível médio
Emanuela Amaral de Souza
Nova Concursos
(2017)



Revista Bohemia 27 de Octubre 1989 Ano 81 No 43
Não Informado
Não Informado



Indomada
P. C. Cast e Kristin Cast
Intrínseca
(2010)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês