Bienal 2006: fracasso da anti-arte engajada | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> De Kombi na Praça - Pateo do Collegio
>>> Primeiras edições de Machado de Assis são objeto de exposição e catálogos lançados pela USP
>>> Projeto lança minidocumentário sobre a cultura do Gambá na Amazônia
>>> Cinema itinerante leva sessões gratuitas a cidades do Sudeste e do Sul
>>> Artistas abrem campanha de financiamento para publicação de graphic novel
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hasta la vista, baby
>>> O amor é importante, porra
>>> Por uma arquitetura de verdade
>>> O criador do algoritmo do YouTube
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
>>> Filosofia teen
>>> Extraordinary Times
>>> O melhor programa cultural
>>> As estrelas e os mitos
>>> Open Culture
Mais Recentes
>>> Maria a Vida Toda de Paulo Castelo Branco pela Dom Quixote (2004)
>>> Sociedades tribais de Marshall D. Sahlins pela Zahar (1983)
>>> União soviética: Há socialismo nisto? de Vladimir Palmeira pela Marco zero (1982)
>>> Nacionalismo, Retórica "socialista" e Marxismo na América Latina de Juan Dal Maso pela Iskra (2013)
>>> Gringo de Airton Ortiz pela Record (2012)
>>> Veronika decide morrer de Paulo Coelho pela Klick (1998)
>>> O outro davos de François Houtart e François Polet pela Cortez (2002)
>>> Brasília Ideologia e Realidade Espaço Urbano Em Questão de Aldo Paviani pela Cnpq (1985)
>>> Brasil: Radiografia de um modelo de Nelson Werneck Sodré pela Vozes (1975)
>>> Trabalhadores pobres e cidadania de Nair Heloisa Bicalho de Sousa pela EDUFU (2007)
>>> País brilhantes, professores fascinantes de Augusto Cury pela Sextante (2003)
>>> I Fratelli Karamàzov Vol Primo de Fedor M Dostoevskij pela Club Degli
>>> A semana II - Obras completas de Machado de Assis pela Globo
>>> Um reformismo quase sem reformas de Valério Arcary pela Sundermann (2011)
>>> A esquerda e o movimento operário 1964-1984 volume 3 de Celso Frederico pela Oficina de livros (1991)
>>> Casório?! de Marian Keyes pela Bertrand Brasil (2005)
>>> As esquinas perigosas da história de Valério Arcary pela Xamã (2004)
>>> O Zahir de Paulo Coelho pela Rocco (2005)
>>> Marxismo Soviético - uma Análise Crítica de Herbert Marcuse pela Saga (1969)
>>> A Fortaleza de Sharpe de Bernard Cornwell pela Record (2005)
>>> O demônio e a srta. Prym de Paulo Coelho pela Rocco (2003)
>>> A carga de Mary Westmacott pela Nova fronteira (1956)
>>> A energia do dinheiro de Glória Maria Garcia Pereira pela Gente (2001)
>>> O Combate Sexual da Juventude Comentado de Gilson Dantas pela Iskra/centelha Cultural (2011)
>>> As armas da crítica de Emir Sader e Ivana Jinkings pela Boitempo (2012)
COLUNAS

Sexta-feira, 24/11/2006
Bienal 2006: fracasso da anti-arte engajada
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 9000 Acessos
+ 7 Comentário(s)


Jardel Dias Cavalcanti intervindo na 27ª Bienal

Rumando em direção à Bienal de São Paulo paro frente a um sinal de trânsito fechado quando aparece, do nada, um rapaz que se dirige rapidamente à janela do meu carro. Começo a tremer um pouco: ele vai me mostrar um revólver, um estilete ou uma faca para me assaltar? Nada disso. Apenas coloca sobre o retrovisor um pacote de balas, contendo dentro do saquinho um bilhete onde aparece escrito o seguinte: "não sou ladrão, gosto de trabalhar honestamente, vendo doces para ajudar minha família, por isso conto com sua ajuda, um real ou um passe. Jesus abençoe".

Passado o susto e já dentro da 27ª. Bienal de Arte de São Paulo entro em uma sala onde aparece exposta uma obra que consta do seguinte: quatro paredes absolutamente brancas, um grande pacote aberto repleto de folhas de cartolina e um enorme fio de luz no chão com várias lâmpadas acesas. Olhei um pouco, não pensei muito. Depois me veio a idéia de usar as folhas para deixar uma mensagem por escrito. Mas não havia canetas no local. Creio que as folhas foram deixadas para as pessoas construírem aqueles pequenos barquinhos ou sei lá o quê. Só sei que os visitantes que ali estiveram antes de mim só fizeram barquinhos com os papéis. Por sorte, minha amiga estava com um batom e o ofereceu a mim imediatamente. Sem pensar muito, me lembro do nome da Bienal e do susto com o menino no sinal me oferecendo seu "trabalho honesto". Escrevo na folha com batom: "Não sou artista, trabalho honestamente, vendendo bala no sinal, um dia ainda me vingo... atirando". Algumas pessoas que estavam me observando escrever saem de perto de mim um pouco horrorizadas. Deixo o cartaz no chão para outras pessoas lerem. E a pergunta ressoa na minha mente: "Como viver junto?"

Este é o tema da 27ª. Bienal de São Paulo, cujo caráter é eminentemente político. A arte mais uma vez escravizada a um a priori conceitual que a leva ao fracasso. Não que isso sempre seja um problema, afinal temos adoração por grandes obras de forte teor político como a Guernica, de Picasso, o Marat, de David, ou A liberdade guiando o povo, de Delacroix, para ficarmos com apenas três nobres exemplos. Mas... tratava-se do caso de gênios e a própria idéia de genialidade foi jogada no brejo com a anti-arte pós-duchampiana, da qual a Bienal é bisneta. Hoje qualquer imbecil pode fazer arte, ou vocês acham que existe traço de genialidade em colocar um carrinho velho de carregador de papelão (note-se, sem papelão dentro) numa sala da Bienal? Com este tipo de arte, o melhor mesmo é viver separado (desta arte, claro!).

As obras da Bienal são um conjunto de instalações, vídeo-arte, fotografias, objetos e pouquíssimas e irrelevantes pinturas. Chega a ser não apenas decepcionante, mas horrorizante, o baixo nível de qualidade das obras. Ah! sei, diria cinicamente um crítico moderninho: "mas qualidade artística é coisa do passado, o que importa é a idéia por trás da obra, o conceito da obra". Sei, eu digo, vocês querem, como queria Joseph Beyus, ensinar arte a mim, já que para vocês não passo de uma lebre morta (eu e todos que desgostarem das obras). Mas, então, que idéia grandiosa trazem estas obras? Uma foto jornalística razoavelmente realizada é uma grande idéia artística? Não para um público que quer ver arte. Sim para o noticiário de um bom jornal. Livrinhos de poesia sendo mal e porcamente editados em papel catados pelas ruas da cidade? Ora, isso numa ONG até que é louvável. Agora o cínico serei eu: que idéia genial! Vamos salvar os miseráveis analfabetos catadores de lixo com poesia sofisticada editada nos seus fedorentos papéis catados na rua. Amém!

Um bando de guarda-chuvas pendurados. Quer que eu pense o quê, cara-pálida? Sei, tinha me esquecido, o próprio conceito da Bienal dá a resposta em um a priori totalitário pensando por mim. Afinal, para que pensar por si mesmo? Uma arte que fazia pensar a partir de seus próprios meios é coisa do passado, esqueça isso. A receita do bolo está pronta, se o bolo é uma merda, não importa, a receita é brilhante e isso é que faz a diferença (risos sem fim).

Arte politicamente correta? Mas, Deus meu, que artista de vanguarda se submeteria e submeteria sua arte a isso? Como disse Alfons Hug, não se deve confundir reportagem com arte. É até óbvio que a arte se alimenta do mundo real, mas não o analisa com métodos científicos, como o documental, mas cria um mundo paralelo, ou até antagônico, ao mundo real. Neste momento utópico residiria, portanto, a função política da arte. A verdadeira arte de vanguarda é a que torna crítico o próprio material em que trabalha como opção de criação, mas dispensa as alusões referentes e simbólicas. Esse tipo de arte não pode ser vista nesta Bienal. Uma arte que não quer ser, antes de tudo, arte, será apenas um álibi para ser outra coisa que não ela mesma.

A verdadeira arte não é um comentário, mas a coisa em si; não uma reflexão, mas uma compreensão; não uma interpretação, mas a coisa a ser interpretada. A sociedade aparece de modo tão mais manifesto na arte quão menos representada nela estiver. Nesse sentido, talvez Beckett estivesse mais perto de nós do que Roland Barthes - não é mesmo?

Dois brasileiros homenageados na Bienal, dois santos do pau oco, Helio Oiticica e Lygia Clarck, que de concretos a neo-concretos se transformaram um em arte-ambientalista e outro em arte-psicóloga (urg!). É de rir o brinquedinho construído para homenagear Lygia, inferior a qualquer diversão inventada por uma criança. Pequenas figuras geométricas de papelão cobertos por papel brilhante, prata e vermelho, se bem me lembro das cores, que o espectador poderia jogar numa mesa formando aleatoriamente novas figuras. Só que havia a obrigação de usar um número específico, tentei usar mais, pois a coisa estava patética, mas a funcionária me impediu. Conclusão: esta Bienal, em termos de diversão, é bem inferior a qualquer parque de diversão infantil. Ou vocês puderam andar naquelas bicicletas colocadas em alguns cantos da Bienal por algum artista? Quem tentou foi duramente repreendido por um guarda. Saudades dos tempos da anti-arte brincalhona Dadá.

Na revista Bien´art número 25, Cauê Alves disse com propriedade que o papel do público nesta Bienal tende a ser o de um receptor que aprende a mensagem de modo unívoco e incontestável. Ou seja, conclui o crítico, o dado político é tão claro e objetivo que as indeterminações e ambigüidades próprias da arte se enfraquecem. O mesmo declarou Jorge Coli, no "Mais!" de 19/11, da Folha de São Paulo, ao dizer que a mostra elimina o debate e a contradição pelo seu afirmar-se impositivo: nem um pingo de reflexão ou de sutileza. Ao contrário, um martelar autoritário do bom pensar e do bem pensante. Na atual mostra, os artistas não vivem juntos; vivem debaixo: da idéia, do conceito, das determinações imperiosas.

Como dizia meu amigo Haroldo de Campos, em entrevista a mim concedida anos atrás, ter idéias solidárias é humanamente louvável, mas transformar isso em obras de arte de quinta categoria é imperdoável. É melhor que se escreva um panfleto em nobre causa.

Nesta Bienal há muita panfletagem e nem como anti-arte funciona. Sinal evidente de que a anti-arte já se esgotou e está apenas dando seu último grito de desespero?

Para ir além
Leia também "Arte empacada".


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 24/11/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Poética e política no Pântano de Dolhnikoff de Jardel Dias Cavalcanti
02. Na translucidez à nossa frente de Elisa Andrade Buzzo
03. Cuba E O Direito de Amar (2) de Marilia Mota Silva
04. Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes de Jardel Dias Cavalcanti
05. Championship Vinyl - a pequena loja de discos de Renato Alessandro dos Santos


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2006
01. Guimarães Rosa: linguagem como invenção - 12/4/2006
02. Orkut, ame-o ou deixe-o - 27/1/2006
03. Bienal 2006: fracasso da anti-arte engajada - 24/11/2006
04. Renato Russo: arte e vida - 26/7/2006
05. Eleições: democracia como um falso slogan - 25/9/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/11/2006
17h09min
Cada um é abençoado, nesta vida, de uma forma... Minha benção foi ter recebido uma filha que se interessa por artes plásticas, e adora ir a todas as exposições. Por insistência, dela fomos à 27ª Bienal. Ela tem 12 anos e essa foi a sua segunda Bienal. Seu comentário: "Mãe, quanta coisa feia". Respondi que quem gosta de coisa bonitinha compra bibelô na esquina... Mas você tem razão em sua crítica: Quanta coisa mal apresentada e sem propósito. Quanta banalidade e quanto lugar-comum... E, finalmente, quanto recurso ($) foi gasto em tanta bobagem?
[Leia outros Comentários de eugenia zerbini]
26/11/2006
18h38min
Pelas ultimas edições da bienal, percebe-se que a pintura está mesmo morrendo, só que morrendo de rir... de ver o suicídio da arte conceitualista. Será mesmo que a inteligentíssima Lisete Lagnado está tão preocupada em que todos vivam juntos? Será que ela come com seus empregados na mesma mesa, ou luta para que todos desçam pelo mesmo elevador de seu prédio? Será que em sua casa ela usa como decoração um carrinho de catador de lixo? Se a arte como política não serve para mudar o ser humano, deveria ao menos ser algo que ficasse para as próximas gerações, que é o fazemos quando queremos alimentar nossa alma com arte, buscar a arte do passado (coitada da nossa geração...).
[Leia outros Comentários de Marcos da Silva]
27/11/2006
13h37min
Olá, Jardel! Também fiquei muito decepcionada com essa Bienal... não tem interação com o público que sai de lá com uma sensação ruim, decepcionado. A arte precisa e deve trabalhar com a contestação, mas é possível fazer isso sem se afastar tanto e sem banalizar tanto a arte. Se pretendem seguir essa linha, seria mais honesto com o público mudar o nome do evento de Bienal de Artes para Bienal de Conceitos e Idéias, mas se querem continuar chamando o evento de Bienal de Artes, precisam seguir novos caminhos... e, principalmente, se aproximar da arte.
[Leia outros Comentários de liztrindade]
29/11/2006
21h55min
Nossos olhos estão cansados de ver lixo pela frente. A anti-arte está realmente dando os últimos suspiros. Você tem razão, Jardel... acho também que o público cansou desse pobre conceito de arte. Ao ler o seu texto lembrei de um trecho da música "Bienal" do Zeca Baleiro: "Pra entender um trabalho tão moderno/ É preciso ler o segundo caderno,/ Calcular o produto bruto interno,/ Multiplicar pelo valor das contas de água, luz e telefone,/ Rodopiando na fúria do ciclone,/ Reinvento o céu e o inferno".
[Leia outros Comentários de Rose Peixer]
30/11/2006
09h42min
Pelos comentários dos leitores, que agradeço, vejo que existe realmente um descontentamento com tanta improvisação na arte atual. arte que tem construído tantos nomes e carreiras endinheiradas.
[Leia outros Comentários de jardel]
9/12/2006
17h26min
Alguém ainda se lembra da frase do Vinícius, sobre mulheres: "as muito feias que me perdoem, mas beleza é fundamental"...? Nunca gostei muito dessa frase, mas ela se aplica à arte melhor do que a qualquer outra coisa. Beleza é fundamental, é quase a própria e única razão de existir arte. Idéias e conceitos são lixo; a quantidade de boas idéias na maré de imbecilidade produzida pela mente humana é mínima. Quem não sabe disso? Outra coisa: artistas não pensam muito (escritores estão fora, e mesmo assim...) e quando o fazem são, geralmente, catastróficos. Normalmente é um desastre total. Agora, só perdem mesmo para os críticos de arte, aqueles que escrevem nos segundos cadernos dos jornais.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
14/12/2006
09h25min
saiu um artigo do Arnaldo Jabor esta semana, creio que no Estadão, e no Correio Popular de Campinas, que se soma às críticas à arte praticada nessa fracassada, e pior, feia, Bienal de 2006.
[Leia outros Comentários de jardel]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Teorias e Políticas de Gênero na Contemporaneidade
Marlene Tamanini
Ufpr
(2017)



Start a craft - Decoupage
Lesley Player
Apple
(1996)



A ladeira da saudade
Ganymédes José
Moderna
(1983)



Os cadernos de don Rigoberto
Mario Vargas Llosa
Companhia das Letras
(1997)



A Qualificação da Escola
F. Javier Murillo
Artmed
(2007)



The Puppy Place - Maggie and Max
Ellen Miles
Scholastic
(2007)



Clássicos da Democracia 12 - a Democracia Em Ação
Francis Hankin
Ibrasa
(1963)



Fora de Série
Morris West
Círculo do Livro



O Que é Capital Internacional - Coleção Primeiros Passos
Rabah Benakouche
Brasiliense
(1982)



7 Orações Que Vão Mudar Sua Vida
Stormie Omartian
Thomas Nelson Brasil
(2007)





busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês