O melhor nacional do ano | Lucas Rodrigues Pires | Digestivo Cultural

busca | avançada
56027 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Indígenas é tema de exposição de Dani Sandrini no SESI Itapetininga
>>> SESI A.E. Carvalho recebe As Conchambranças de Quaderna, de Suassuna, em sessões gratuitas
>>> Sesc Belenzinho recebe cantora brasiliense Janine Mathias
>>> Natália Carreira faz show de lançamento de 'Mar Calmo' no Sesc Belenzinho
>>> Miltinho Edilberto e Mariana Aydar trazem Forró, Flor & Cultura ao Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
Colunistas
Últimos Posts
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
>>> Como declarar ações no IR
Últimos Posts
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
>>> Sexta-feira santa de Jesus Cristo.
>>> Fé e dúvida
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Como ler mais livros
>>> Debate Democrata na CNN
>>> A esquerda nunca foi popular no Brasil
>>> Narcos
>>> Dez Anos que Encolheram o Mundo, de Daniel Piza
>>> A minha Flip
>>> O Casulo vai à escola
>>> Cinema Independente (5.1)
>>> Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B
>>> O silêncio dos intelectuais
Mais Recentes
>>> Luana Carranca; uma História do Fim do Mundo. de Tadeu Pereira pela Saraiva (2009)
>>> Um Estranho no Espelho de Sidney Sheldon pela Circulo do Livro (1976)
>>> Serviço Social e Sociedade 12 os 50 Anos de Varios Autores pela Cortez (1984)
>>> O Divergente Positivo de Sara Parkin pela Peirópolis (2014)
>>> O Maior Espetáculo da Terra de Luiz Carlos Prestes Filho pela Lacre (2015)
>>> Contando a Arte de Di Cavalcanti de Angela Braga-torres pela Noovha América (2010)
>>> Our Way - 2 de Vários pela Richmond Publishing (2000)
>>> Tempos de Escola de Vários Autores pela Companhia das Letras (2015)
>>> The Face on the Screen and Other Short Stories de Paul Victor pela Longman (1989)
>>> Formaturas Infernais de Meg Cabot; Kim Harrison; Michele Jaffe pela Galera Record (2009)
>>> Manual Recreio Língua Portuguesa Vul. 2 de Abril pela Abril (2012)
>>> Literatura Comentada - Gil Vicente de Álvaro Cardoso Gomes pela Abril Educação (1981)
>>> A Floresta e o Estrangeiro de Alberto Martins pela Companhia Das Letras (2006)
>>> Zé Carioca Nº 1535 de Walt Disney pela Abril (1981)
>>> Zé Carioca Nº 1862 de Walt Disney pela Abril (1989)
>>> Sinatra o Homem e a Música de Renzo Mora pela Lemos (2001)
>>> Histórias para Aquecer o Coração das Mães de Jack Canfield pela Sextante (2002)
>>> Zé Carioca Nº 1883 - com Ficha Colecionável de Walt Disney pela Abril (1990)
>>> Manual de Astrologia - um Clássico da Literatura Astrológica de Seplarial Tradução Orlando Lemos pela Nova Fronteira (1988)
>>> Zé Carioca Nº 1882 - com Ficha Colecionável de Walt Disney pela Abril (1990)
>>> Demostracao do Valor Adicionado de Marcia Martins Mendes de Luca pela Atlas (1998)
>>> Para Sempre de Krickitt Carpenter; Kim Carpenter pela Novo Conceito (2012)
>>> Assassinatos na Academia Brasileira de Letras de Jô Soares pela Companhia das Letras (2005)
>>> Com Licença, Eu Vou à Luta de Eliane Maciel pela Circulo do Livro (1984)
>>> A Vida, o Universo e Tudo Mais de Douglas Adams pela Arqueiro (2009)
COLUNAS

Quinta-feira, 17/10/2002
O melhor nacional do ano
Lucas Rodrigues Pires

+ de 7500 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Nem Cidade de Deus, nem Abril Despedaçado. O melhor filme brasileiro do ano se chama O Invasor, e foi assinado por Beto Brant, talvez a maior revelação do cinema local nos últimos anos.

Cidade de Deus deverá ser o escolhido nacional a uma indicação ao Oscar. Pode até ser indicado, mas não ganhará, como muitos outros excelentes filmes que morreram na praia. Abril Despedaçado foi cogitado no ano passado, mas um filme poético e repleto de metáforas como o de Walter Salles deve ser demais para os americanos industriais. Provavelmente não captaram a essência da obra, ou acharam chato demais, parado demais e o ignoraram. Ao lado de O Invasor, são os melhores de 2002 do cinema brasileiro.

O filme de Brant acabou de chegar às lojas em DVD. É uma aquisição obrigatória para quem gosta de cinema nacional e para quem busca uma história bem contada, com linguagem e forma diferentes daquelas encontradas no cinemão americano. Brant fez um filme violento, mas sem mostrar uma cena sequer de sangue ou tiro. O que é violento em O Invasor é sua linguagem, a montagem composta basicamente de planos-sequência e a câmera no ombro, sempre em movimento.

O Invasor começa com a encomenda de um crime por parte de dois homens, Giba (Alexandre Borges) e Ivan (Marco Ricca). Em seguida, descobrimos que eles são sócios numa construtora e que o morto seria o terceiro parceiro no negócio, que estava emperrando um contrato irregular com o governo. Giba e Ivan contratam Anísio (Paulo Miklos), o matador vindo da periferia, que não titubeia em acabar com o alvo planejado e com a esposa deste. Giba é seguro de si, sabe o que quer e no decorrer da trama se mostra um homem de sangue-frio, que mantém negócios paralelos ilegais e tem envolvimentos com pessoas ligadas a lobbies e corrupção. Ivan é seu oposto. A ambigüidade e insegurança em pessoa, manipulado e levado àquilo por Giba. Sua presença psicológica está constantemente aberta ao espectador, seu pensamento parece ser o único cabível de alguma justiça e consciência. É nele que o público se encontra, não pela decisão de matar, mas pela culpa, dúvida, ressentimento e medo que uma atitude equivocada o traz.

Num artigo recente em O Estado de S. Paulo, Luis Zanin Oricchio reconhece essa função no personagem Ivan. Lembro-me que, quando do lançamento nos cinemas de O Invasor, o mesmo jornalista escreveu sua crítica fundamentada na ausência de alternativa no emaranhado armado por Brant e pelo roteirista Marçal Aquino. Dizia que Brant era melhor quando se posicionava - o que constatou nos dois trabalhos anteriores, Os Matadores e Ação Entre Amigos. Segundo ele na época, O Invasor pecava por ser cético e não dar alternativa ao espectador, por não dar aquele personagem na qual poderíamos nos apoiar e nos identificar. No artigo mais recente, Zanin assume mudar de postura frente ao filme e invoca Ivan como essa saída, a ponta na qual nos veríamos nas telas. Foi esse artigo que me fez escrever este, pois ele se aproximou da minha interpretação de O Invasor.

A oposição de personalidades entre Giba e Ivan é mediada pela presença ameaçadora de Anísio, que surge nas telas mas não conseguimos de imediato dissociá-lo da figura do grupo Titãs. Quando isso acontece, lá pelo meio da narrativa, sua interpretação cresce e o filme ganha em impacto e originalidade, já que Miklos nunca trabalhara como ator. Ele esteve em estado puro - virginal, digamos -, sem nenhuma forma de cacoete ou truque para (re)criar um personagem. Anísio é o anti-matador por excelência, nenhum Charles Bronson ou Clint Eastwood acostumados ao ato de matar. Mesmo não sendo o protótipo de beleza, outra característica do anti-herói, ele seduz a jovem órfã Marina, filha de sua própria vítima. É essa relação que fará com que tudo mude na vida dos três cúmplices.

Aos poucos, o filme se volta a outra questão, a dicotomia centro/periferia. Com o crime, e a decorrente possibilidade de ascensão aos custos dos dois sócios, Anísio faz a peregrinação inversa. Parte da periferia para o centro. Ascende socialmente ao chantagear os engenheiros e ao namorar a garota rica herdeira da construtora. O final é a essência dessa mudança. De roupão de seda, ele abre as portas da mansão para Giba, como se fosse o proprietário absoluto, um rei em seus domínios. E, mais significativo ainda, deixa de ser o executor para ser o mandante. Ele agora pertence a outro patamar, daqueles que não sujam as mãos com mortes.

O inverso ocorre com Ivan. A culpa e o medo consomem-no de tal maneira que acabam por levá-lo a uma neurose real. E nessa onda ele acaba por sair de seu ambiente habitual para cair na periferia. Pelas ruas desertas da madrugada paulistana, Ivan dirige como um louco e colide num outro automóvel. As figuras que do carro saltam são representantes da periferia, o que comprova sua localização. Transtornado, alucinado, perdido, Ivan protagoniza a cena mais representativa de O Invasor - o caminhar solitário, expressão facial próxima da loucura plena, com arma em punho, no meio da avenida vazia de São Paulo. Close em seu pisar, cada passo como um adentrar no inferno. Sem volta, seu destino, a partir daí, estaria com a polícia, para quem conta todo o acontecido do crime. Seu pouso no desconhecido acaba sendo fatal, pois o policial do plantão na delegacia pertence ao esquema de Giba. No fim das contas, ninguém pareceu digno de confiança. Todos o traíram ou o deixaram - sua esposa, Giba, a amante... Todos estão corrompidos, de uma forma ou de outra. É a inviabilidade da nação através de seu povo. Enquanto Anísio deixa a periferia para não mais ser matador, Ivan vai até ela para encontrar o fim. Caminhos com a mesma direção, mas em sentidos opostos.

A viagem de um pólo a outro se mostra mais marcante com a ida de Anísio e Marina para a periferia. Eles fazem um tour pela região, ele mostra sua vizinhança como se ela fosse uma estrangeira. Tão pertos e tão distantes...Imagens de barracos, ruas esburacadas e mal iluminadas, um rap com caráter crítico social de fundo, servem para mostrar a degradação da área, a exclusão social envolvente a todos. Enquanto uns se divertem em bares e restaurantes em que cada prato não sai por menos de 50 reais, outros estão a passar fome e a sofrer nos bairros que cercam aqueles. A renda mensal de uma família não paga o jantar de um único representante do poder econômico da cidade. A disparidade envolve e Brant coloca o dedo nisso. Até que ponto a periferia, e Anísio é sua metáfora em O Invasor, não está invadindo a classe abastada, penetrando em seus domínios silenciosamente e deixando sua marca? Até que ponto a segregação imposta pelo lado mais forte é eficaz nessa selva de pedra? Haveria, assim, como sair ileso e correto desse buraco? Para Ivan, que se consome em culpa e medo, não houve salvação... O único representante palpável de consciência em O Invasor acaba mal. Nesse sentido, não é que a primeira crítica de Luis Zanin Oricchio estava certa? O mundo é mais para os Anísios e Gibas, encontrados aos montes por aí... Os Ivans estão fadados à morte se não cederem. Pagou por ter se arrependido de seu erro.

Para ir além





Lucas Rodrigues Pires
São Paulo, 17/10/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Por um 2015 sem carteiradas de Marta Barcellos
02. Hiperbóreo nos trópicos: a poesia de Oleg Almeida de Jardel Dias Cavalcanti
03. Uma chave para o longe de Elisa Andrade Buzzo
04. A Lógica do Cisne Negro, de Nassim Nicholas Taleb de Julio Daio Borges
05. Diário de uma desempregada de Débora Costa e Silva


Mais Lucas Rodrigues Pires
Mais Acessadas de Lucas Rodrigues Pires em 2002
01. Santa Xuxa contra a hipocrisia atual - 12/12/2002
02. O limite de um artista - 4/6/2002
03. O melhor nacional do ano - 17/10/2002
04. Cidade de Deus, um fenômeno comercial - 7/11/2002
05. O que eles têm que nós não temos? - 5/12/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/10/2002
15h40min
Oi Lucas, acabei de ler o seu texto, o primeiro de muitos, acredito. Achei sua análise bem estruturada, bem articulada, porém, em alguns momentos, um pouco descritiva demais, como se você quisesse trasnportar o leitor para a realidade que está abordadno muito mais pelo relato analítico de quem dá conta das cores que pintam o quadro do que sobre a maneira que elas o impactam e influenciam. Acho o distanciamneto uma ferramenta vital à análises que se pretendem construtivas, porém gostei mais das breves passagens em que voc~e se deixa levar pela histeria conceitual do filme e fala dele de maneira sanguínea, pulsante. "Passos adentrando o inferno, "estrangeiros" tão longe e tão perto". Não tenha receio de dar vazão a sua própria opinião. Continuarei na espreita, ansiosa pela próxima... Beijos Mônica (Casper)
[Leia outros Comentários de Mônica Charoux]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os maias 2 volumes
Eça de Queiroz
Livraria Lello
(1935)



Preleções de Direito Eleitoral - Direito Material Tomo II
Thales Tácito Pontes Luz de Pádua Cerqueira
Lumen Juris
(2007)



Código Tributário Nacional 34º Edição
Nd
Saraiva
(2005)



Eldest - Trilogia a Herança Ii
Christopher Paolini
Rocco
(2006)



Gotas de Glória
Ismaelino de Castro
Imprensa Militar
(1950)



Geografia - Vereda Digital - Volume único
Nelson Bacic Olic / Silva / Lozano
Moderna
(2012)



Passatempos Divertidos
Girassol
Girassol
(2014)



Zé Carioca Nº 979
Walt Disney
Abril
(1970)



Criação de Valor Compartilhado
Mauricio Fernandes Pereira
Atlas
(2014)



Antologia de Autores Catarinenses
Celestino Sachet (org.)
Vozes
(1980)





busca | avançada
56027 visitas/dia
1,8 milhão/mês