Cidade de Deus, um fenômeno comercial | Lucas Rodrigues Pires | Digestivo Cultural

busca | avançada
74889 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Festival Halleluya em São Paulo realizará ação solidária para auxiliar as famílias no RS
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Vida Virtual? Quase 10 anos de Digestivo
>>> Florbela Espanca, poeta
>>> Mamãe falhei
>>> À procura de barranco
>>> As armas e os barões
>>> 11 de Setembro e a Era do Terror
>>> Sobre as ilusões perdidas
>>> Mistérios Literários
>>> Vendem-se explicações do Planeta dos Macacos
>>> Caminho para a Saúde
Mais Recentes
>>> O Herói Perdido de Rick Riordan pela IntrÍnseca (2011)
>>> Sem Folego de Brian Selznick pela Sm (2012)
>>> Manual De Metodos E Tecnicas De Pesquisa Cientifica de Izequias Estevam Dos Santos pela Impetus (2016)
>>> A Droga Da Obediência de Pedro Bandeira pela Moderna (2014)
>>> Compliance: Como Implementar de Marcos Assi pela Trevisan (2018)
>>> Nate Está Na Área de Lincoln Peirce pela Sextante (2014)
>>> Nós de Mauricio Negro pela Companhia Das Letrinhas (2019)
>>> Análise Técnica Clássica de Flávio Lemos, Celso Cardoso pela Saraiva (2010)
>>> Zumbizito: Descubra Seu Segredo de Kevin Bolger pela Novo Século (2012)
>>> Entrevista de Clarice Lispector pela Rocco (2007)
>>> Drogas: sua Liberdade Por um Fio de Denise Ortega pela Nova (2008)
>>> A Droga Do Amor de Pedro Bandeira pela Moderna (2014)
>>> O pulo da Carpa! de André Gravatá pela Sm (2022)
>>> Desmontando A Arara de Renata Bueno pela Ftd (2010)
>>> É Possível Superar A Violência Na Escola? de Luciene Regina Paulino Tognetta pela Do Brasil (2012)
>>> Sentidos De Milicia: Entre A Lei E O Crime de Greciely Cristina Da Costa pela Unicamp (2014)
>>> Odisseia Em Quadrinhos de Silvana Salerno pela Ftd (2022)
>>> Passaro Amarelo de Olga de Dios pela Boitatá (2016)
>>> Implantação De Inovações Curriculares Na Escola: A Perspectiva Da Gestão de Esther Carvalho pela Cla (2019)
>>> Metodologia OPEE: 20 Anos Inspirando Projetos de Vida de Leo Fraiman pela Ftd (2023)
>>> A Mala Maluca de Donaldo Buchweitz pela Ciranda Cultural (2021)
>>> O Sangue Do Olimpo: Os Herois Do Olimpo de Rick Riordan pela Intrínseca (2014)
>>> O Sonho Transdisciplinar E As Razões Da Filosofia de Hilton Japiassu pela Imago (2006)
>>> A Importância De Ser Prudente, Um Marido Ideal E Outras Peças de Oscar Wilde pela Veríssimo (2024)
>>> O Sucesso Jamais Será Perdoado - A Autobiografia Do Barão De Mauá de Irineu Evangelista De Souza pela Avis Rara (2024)
COLUNAS

Quinta-feira, 7/11/2002
Cidade de Deus, um fenômeno comercial
Lucas Rodrigues Pires
+ de 7500 Acessos

Cidade de Deus vai concorrer a uma indicação a filme estrangeiro no Oscar. Ele foi escolhido unanimemente por uma comissão para representar o Brasil na briga. O que esperar e, principalmente, como explicar tamanho sucesso para um filme brasileiro que trata de violência e drogas e tem praticamente apenas atores negros recrutados nas favelas cariocas?

O filme de Meirelles já foi discutido ao extremo na imprensa especializada e tanto ou mais pelos colunistas e leitores deste Digestivo. Portanto, quase tudo já foi dito e aqui ponderarei sobre sua força de mercado – por que Cidade de Deus estabeleceu a marca de maior bilheteria da retomada dos anos 90 do cinema brasileiro, superando os 2,65 milhões de espectadores do ex-campeão Xuxa e os Duendes (eca!).



Divulgação e marketing agressivos

A distribuidora do filme – a Lumière – programou um lançamento para algo em torno de 100 cópias em todo o Brasil. Apostava que Cidade de Deus tivesse cacife para chegar a 600 ou até 700 mil espectadores, nunca aos mais de 2,5 milhões que atingiu em menos de dois meses. A estréia nacional – 30 de agosto – foi precedida de muita publicidade na televisão, com programas da Rede Globo indicando e citando o filme como uma obrigação para a população. Essa prática – maior veiculação de inserções comerciais na televisão para a divulgação dos filmes – é defendida pelo veterano produtor Luiz Carlos Barreto. Sem isso, segundo ele, seria difícil atingir as massas. Quem trabalha com cinema sabe da importância de uma publicidade e marketing agressivos. Simplesmente para que as pessoas saibam que existe determinado filme brasileiro sendo exibido nos cinemas. Os de lançamento minúsculo (de uma a quatro salas) não têm, definitivamente, verba para tanto, mas os distribuídos pelas majors – como chamamos as distribuidoras que aqui representam os estúdios americanos (Warner, Fox, Columbia, Disney, Universal e Paramount) – recebem algum investimento para divulgação. Cidade de Deus, mesmo nas mãos de uma empresa independente, é o mais forte argumento a favor de Barreto. Ter a Globo Filmes como co-produtora facilitou essa ponte com o público em potencial – aquelas pessoas que ficam em casa de frente para a televisão.

A ótima repercussão em Cannes, quando exibido fora de concurso, além da expectativa mítica criada em torno da fita, por se tratar de tema atualíssimo – a violência nas favelas cariocas –, ajudou em muito Cidade de Deus a ocupar semana a semana mais salas e a conquistar público crescente. Em sua nona semana em exibição, permanecia em 178 salas (estreou em 103) e com público semanal próximo a 250 mil pessoas. Nem Sinais, nem Scooby-Doo foram capazes de tirar-lhe espaço. Em São Paulo, o filme mantinha regular exibição nos principais centros exibidores por dois meses, coisa quase impossível para qualquer filme de qualquer país.

Talvez a explicação seja mais simples do que pode parecer. Quando se tem em mãos um produto de qualidade indiscutível, com apuro técnico e uma história bem contada, o normal seria haver sucesso. Mas Cidade de Deus não é só isso, sua sorte maior foi ter se aliado a jogadores de peso do mercado cinematográfico (Lumière, Globo Filmes e Videofilmes), que lhe deram distribuição calculada e planejada, casada com a divulgação eficiente. Essa união, de produto de qualidade com marketing bem dosado, é infalível em qualquer mercado mundial e aqui não foi diferente. É o que buscam todos produtores e distribuidores. Mas, ainda, não foi “apenas” isso que ocorreu com Cidade de Deus. As críticas e resenhas jornalísticas lhe deram espaço em abundância, discutindo-o à exaustão e, melhor e primordial, elogiaram-no como há muito não se via acontecer com um filme brasileiro. Entre as revistas semanais e jornais diários foi praticamente unanimidade. A revista VEJA, inclusive, em menos de um mês, dedicou-lhe quatro páginas, distribuídas em duas matérias.

Em busca do Oscar

Reflexo direto desse trabalho do filme nas telas, Cidade de Deus também foi o escolhido para representar o Brasil na briga por uma indicação ao Oscar de filme estrangeiro. As chances são boas, pois conta com a poderosa Miramax na distribuição em território americano, apesar desta ter levado uma ducha de água fria com a derrota neste ano de O Fabuloso Destino de Amélie Poulain. A estratégia de lançamento nos Estados Unidos já foi traçada: estréia em cerca de 300 salas de mais de 50 cidades em 11 de janeiro. Os cinco indicados saem em 11 de fevereiro. Antecipadamente, já podemos definir os principais concorrentes da obra de Fernando Meirelles. A França já definiu seu candidato – Oito Mulheres, de Françoise Ozon, um musical que mistura assassinato e comédia em que o grande homenageado é o cinema como um todo. Já foi exibido em cinema no Brasil e sai em vídeo em breve. A Espanha aponta o seu concorrente só dia 11, mas deverá ser mesmo a bela obra de Pedro Almodóvar, Fale com Ela, em exibição no país. Almodóvar já ganhou um Oscar de melhor filme estrangeiro com Tudo Sobre Minha Mãe. Tem tudo para repetir a dose, sendo a aposta mesmo do diretor Fernando Meirelles.

Outro concorrente de peso vem do México: é O Crime do Padre Amaro, baseado na obra homônima de Eça de Queiroz, que escandalizou a cúpula católica daquele país e se tornou o maior recordista mexicano de bilheteria em seu território. A Itália deve indicar mesmo Pinóquio, de Roberto Benigni, o ganhador do Oscar por A Vida É Bela. A contar pelo trailer, Pinóquio deve ser uma bomba de mão cheia, apesar dos ótimos números iniciais de público quando de sua estréia, mês passado, em solo italiano. Independente de qual seja o final dessa história de Oscar, Cidade de Deus e toda sua equipe já são vitoriosos. Além de estabelecer a marca de maior bilheteria da retomada do cinema brasileiro, O2 Filmes e Rede Globo produziram a série Cidade dos Homens que, exibida em meados de outubro pela emissora, alcançou ótimos resultados de audiência. Foram quatro episódios – A Coroa do Imperador, O Cunhado do Cara, Correio e Uólace e João Victor – que focam os personagens Acerola e Laranjinha (o Dadinho e o Filé com Fritas do filme, interpretados por Douglas Silva e Darlan Cunha), que protagonizaram o curta-metragem Palace II, realizado como preparação para Cidade de Deus. Eles vivem na favela, e a abordagem é mais humanitária, abrangendo não apenas o lado violento, mas também os dramas e dilemas que a população que nela moram vivenciam.

Goste-se ou não de Cidade de Deus, não há como negar seu tremendo sucesso. Mais de 2,6 milhões de pessoas pagaram ingresso para vê-lo. Isso equivale ao sexto maior público do ano. Um feito e tanto para o cinema brasileiro.


Lucas Rodrigues Pires
São Paulo, 7/11/2002

Mais Lucas Rodrigues Pires
Mais Acessadas de Lucas Rodrigues Pires em 2002
01. Santa Xuxa contra a hipocrisia atual - 12/12/2002
02. O limite de um artista - 4/6/2002
03. O melhor nacional do ano - 17/10/2002
04. Cidade de Deus, um fenômeno comercial - 7/11/2002
05. O que eles têm que nós não temos? - 5/12/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A terapia do bem cristais radionicos
Dr. wu tou kwang
Raul breves
(2010)



A Gnose em sua atual manifestação
J. Van Rijckenborgh
RosaCruz
(2007)



Reversíveis
Nick Farewell
Devir
(2013)



O Cetico
José Bento
Lachatre
(2015)



Comunicação Escolar uma Metodologia de Ensino
Heloisa Dupas
Salesiana
(2002)



Novas estratégias de pensamento
Edward de Bono
Nobel
(2000)



Montanha-russa
Fernando Bonassi
Cosac & Naify
(2009)



Livro Literatura Brasileira A Pedra e a Flor
Não Específicado
Sintrajufe



O Livro do Pênis
Maggie Paley
Conrad
(2001)



Fundamentos de Gestão de Pessoas
Stephen Robbins, David DeCenzo, Robert Wolter
Saraiva
(2013)





busca | avançada
74889 visitas/dia
2,4 milhões/mês