Cidade de Deus, um fenômeno comercial | Lucas Rodrigues Pires | Digestivo Cultural

busca | avançada
87759 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Projeto 8x Hilda reúne obra teatral de Hilda Hilst em ciclo de leituras online
>>> Afrofuturismo: Lideranças de de Angola, Cabo Verde e Moçambique debatem ecossistemas de inovação
>>> Ibraíma Dafonte Tavares desvenda preparação e revisão de texto
>>> O legado de Roberto Burle Marx é tema de encontro online
>>> Sala MAS/Metrô Tiradentes - Qual é a sua Cruz?
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Kate Dias vive Campesina em “Elise
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Palavrões
>>> Pequena poética do miniconto
>>> Memórias de um caçador, de Ivan Turguêniev
>>> O número um
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
>>> Rumo certo
>>> Homenagem a Fred Leal, do podcast É Batata
>>> A melhor companhia para o Natal
>>> A proposta libertária
>>> Semana da Canção Brasileira
Mais Recentes
>>> Introdução ao estudo do novo testamento de Broadus David Hale pela Juerp (1985)
>>> Aquinas - Selected Philosophical Writings de Tomás De Aquino pela Oxford University Press (1993)
>>> Histórias Com Gente Dentro de Guaracy Pinto pela do Autor (2011)
>>> A Morte da Socialite de Guaracy Pinto pela do Autor (2014)
>>> Fort of Apocalypse - Vol. 10 de Yu Kuraishi e Kazu Inabe pela Jbc (2017)
>>> Fort of Apocalypse - Vol. 1 de Yu Kuraishi e Kazu Inabe pela Jbc (2017)
>>> Fort of Apocalypse 2 de Yu Kuraishi e Kazu Inabe pela Jbc (2017)
>>> O Fazedor de Nuvens de Guaracy Pinto pela do Autor (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 13 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 12 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 11 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 6 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 5 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 4 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 8 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Noções Básicas de Citologia, Histologia e Embriologia de L.C. Junqueira; J. Carneiro pela Nobel (1988)
>>> Fairy Tail Zero de Hiro Mashima pela Jbc (2017)
>>> Um Time Muito Especial de Jane Tutikian pela Atual (2009)
>>> Magi: O labirinto da magia - Vol. 28 de Shinobu Ohtaka pela Jbc (2017)
>>> Magi: O labirinto da magia - Vol. 15 de Shinobu Ohtaka pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho Especial - Vol. 14 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2015)
>>> Fairy Tail - Vol. 54 de Hiro Mashima pela Jbc (2016)
>>> Fairy Tail Gaiden - Vol. 1 de Kyouta Shibano e Hiro Mashina pela Jbc (2017)
>>> O Corpo Fala - A Linguagem Silenciosa da Comunicação Não-Verbal de Perre Weil; Roland Tompakow pela Vozes (2005)
>>> To Love Ru - Vol. 1 de Kentaro Yabuki e Saki Hasemi pela Jbc (2015)
>>> Orange - Vol. 6 EAN: 9788545706908 de Ichigo Takano pela Jbc (2018)
>>> Blasfêmia - do Sensorial ao Extra-sensorial de A. Furtado de Melo pela Prellus (2003)
>>> Recados da Lua : Amor e Romantismo de Helena Jobim pela Record (2001)
>>> Contos tradicionais do Brasil (Literatura Popular) de Luís da Câmara Cascudo pela Global (2004)
>>> A verdadeira história de vida e morte de Raimundo Jacó - Missa do Vaqueiro de Pedro Bandeira pela Juazeiro do Norte
>>> A Escola da Anarquia (Pedagogia/Educação Anarquista) de Josefa Martín Luengo pela Achiamé (2007)
>>> Piaget, Vygotsky, Wallon: Teorias Psicogenéticas em Discussão de Yves de la Taille/Marta Kohl de Oliveira/Heloysa Dantas pela Summus (1992)
>>> Por uma outra Globalização: Do pensamento único à consciência universal de Milton Santos pela Record (2011)
>>> Educação Libertária: Textos de um Seminário (Pedagogia/Educação Anarquista) de José Maria Carvalho Ferreira (Org.) pela Achiamé (1996)
>>> Pensamento e Linguagem (Pedagogia/Educação) de Lev Vigotski pela Martins Fontes (2005)
>>> A formação social da mente (Pedagogia/Educação) de Lev Vigotski pela Martins Fontes (2007)
>>> Cultura Insubmissa (Estudos e reportagens) de Rosemberg Cariri/Oswald Barroso pela Nação Cariri (1982)
>>> Globalização, democracia e terrorismo de Eric Hobsbawn pela Cia. das Letras (2007)
>>> A Produção Cultural para a Criança de Regina Zilberman (Org.) pela Mercado Aberto (1982)
>>> Desenvolvimento e Educação da Criança - Aplicação de Piaget na sala de aula (Pedagogia/Educação) de David Elkind pela Zahar (1978)
>>> Pedagogia do Risco - Experiências anarquistas em Educação (Pedagogia/Educação) de Sílvio Gallo pela Papirus (1995)
>>> Recordando Paulo Freire: Experiências de Educação Libertadora na Escola (Pedagogia/Educação) de Maria Oly Pey (Org.) pela Achiamé (2007)
>>> O Anarquismo Hoje - Uma reflexão sobre as alternativas libertárias de Jorge E. Silva pela Achiamé (2007)
>>> História da Língua Portuguesa – II. Século XV e Meados do Século XVI de Dulce de Faria Paiva pela Ática (1988)
>>> Discurso sobre o Filho-da-Puta (Sociologia/Antropologia) de Alberto Pimenta pela Achiamé (1997)
>>> Propaganda Ideológica e Controle do Juízo Público de Noam Chomsky pela Achiamé (2003)
>>> A Pedagogia Libertária na História da Educação Brasileira (Pedagogia/Educação) de Neiva Beron Kassick/Clovis Nicanor Kassick pela Achiamé (2004)
>>> Vygotsky, quem diria?! Em minha sala de aula (Pedagogia/Educação) de Celso Antunes pela Vozes (2002)
>>> Educação: Projetos e valores (Pedagogia/Educação) de Nilson José Machado pela Escrituras (2021)
>>> Guia Prático do Português Correto – Volume 2 Morfologia de Cláudio Moreno pela L&PM Pocket (2003)
COLUNAS

Quinta-feira, 7/11/2002
Cidade de Deus, um fenômeno comercial
Lucas Rodrigues Pires

+ de 6600 Acessos

Cidade de Deus vai concorrer a uma indicação a filme estrangeiro no Oscar. Ele foi escolhido unanimemente por uma comissão para representar o Brasil na briga. O que esperar e, principalmente, como explicar tamanho sucesso para um filme brasileiro que trata de violência e drogas e tem praticamente apenas atores negros recrutados nas favelas cariocas?

O filme de Meirelles já foi discutido ao extremo na imprensa especializada e tanto ou mais pelos colunistas e leitores deste Digestivo. Portanto, quase tudo já foi dito e aqui ponderarei sobre sua força de mercado – por que Cidade de Deus estabeleceu a marca de maior bilheteria da retomada dos anos 90 do cinema brasileiro, superando os 2,65 milhões de espectadores do ex-campeão Xuxa e os Duendes (eca!).



Divulgação e marketing agressivos

A distribuidora do filme – a Lumière – programou um lançamento para algo em torno de 100 cópias em todo o Brasil. Apostava que Cidade de Deus tivesse cacife para chegar a 600 ou até 700 mil espectadores, nunca aos mais de 2,5 milhões que atingiu em menos de dois meses. A estréia nacional – 30 de agosto – foi precedida de muita publicidade na televisão, com programas da Rede Globo indicando e citando o filme como uma obrigação para a população. Essa prática – maior veiculação de inserções comerciais na televisão para a divulgação dos filmes – é defendida pelo veterano produtor Luiz Carlos Barreto. Sem isso, segundo ele, seria difícil atingir as massas. Quem trabalha com cinema sabe da importância de uma publicidade e marketing agressivos. Simplesmente para que as pessoas saibam que existe determinado filme brasileiro sendo exibido nos cinemas. Os de lançamento minúsculo (de uma a quatro salas) não têm, definitivamente, verba para tanto, mas os distribuídos pelas majors – como chamamos as distribuidoras que aqui representam os estúdios americanos (Warner, Fox, Columbia, Disney, Universal e Paramount) – recebem algum investimento para divulgação. Cidade de Deus, mesmo nas mãos de uma empresa independente, é o mais forte argumento a favor de Barreto. Ter a Globo Filmes como co-produtora facilitou essa ponte com o público em potencial – aquelas pessoas que ficam em casa de frente para a televisão.

A ótima repercussão em Cannes, quando exibido fora de concurso, além da expectativa mítica criada em torno da fita, por se tratar de tema atualíssimo – a violência nas favelas cariocas –, ajudou em muito Cidade de Deus a ocupar semana a semana mais salas e a conquistar público crescente. Em sua nona semana em exibição, permanecia em 178 salas (estreou em 103) e com público semanal próximo a 250 mil pessoas. Nem Sinais, nem Scooby-Doo foram capazes de tirar-lhe espaço. Em São Paulo, o filme mantinha regular exibição nos principais centros exibidores por dois meses, coisa quase impossível para qualquer filme de qualquer país.

Talvez a explicação seja mais simples do que pode parecer. Quando se tem em mãos um produto de qualidade indiscutível, com apuro técnico e uma história bem contada, o normal seria haver sucesso. Mas Cidade de Deus não é só isso, sua sorte maior foi ter se aliado a jogadores de peso do mercado cinematográfico (Lumière, Globo Filmes e Videofilmes), que lhe deram distribuição calculada e planejada, casada com a divulgação eficiente. Essa união, de produto de qualidade com marketing bem dosado, é infalível em qualquer mercado mundial e aqui não foi diferente. É o que buscam todos produtores e distribuidores. Mas, ainda, não foi “apenas” isso que ocorreu com Cidade de Deus. As críticas e resenhas jornalísticas lhe deram espaço em abundância, discutindo-o à exaustão e, melhor e primordial, elogiaram-no como há muito não se via acontecer com um filme brasileiro. Entre as revistas semanais e jornais diários foi praticamente unanimidade. A revista VEJA, inclusive, em menos de um mês, dedicou-lhe quatro páginas, distribuídas em duas matérias.

Em busca do Oscar

Reflexo direto desse trabalho do filme nas telas, Cidade de Deus também foi o escolhido para representar o Brasil na briga por uma indicação ao Oscar de filme estrangeiro. As chances são boas, pois conta com a poderosa Miramax na distribuição em território americano, apesar desta ter levado uma ducha de água fria com a derrota neste ano de O Fabuloso Destino de Amélie Poulain. A estratégia de lançamento nos Estados Unidos já foi traçada: estréia em cerca de 300 salas de mais de 50 cidades em 11 de janeiro. Os cinco indicados saem em 11 de fevereiro. Antecipadamente, já podemos definir os principais concorrentes da obra de Fernando Meirelles. A França já definiu seu candidato – Oito Mulheres, de Françoise Ozon, um musical que mistura assassinato e comédia em que o grande homenageado é o cinema como um todo. Já foi exibido em cinema no Brasil e sai em vídeo em breve. A Espanha aponta o seu concorrente só dia 11, mas deverá ser mesmo a bela obra de Pedro Almodóvar, Fale com Ela, em exibição no país. Almodóvar já ganhou um Oscar de melhor filme estrangeiro com Tudo Sobre Minha Mãe. Tem tudo para repetir a dose, sendo a aposta mesmo do diretor Fernando Meirelles.

Outro concorrente de peso vem do México: é O Crime do Padre Amaro, baseado na obra homônima de Eça de Queiroz, que escandalizou a cúpula católica daquele país e se tornou o maior recordista mexicano de bilheteria em seu território. A Itália deve indicar mesmo Pinóquio, de Roberto Benigni, o ganhador do Oscar por A Vida É Bela. A contar pelo trailer, Pinóquio deve ser uma bomba de mão cheia, apesar dos ótimos números iniciais de público quando de sua estréia, mês passado, em solo italiano. Independente de qual seja o final dessa história de Oscar, Cidade de Deus e toda sua equipe já são vitoriosos. Além de estabelecer a marca de maior bilheteria da retomada do cinema brasileiro, O2 Filmes e Rede Globo produziram a série Cidade dos Homens que, exibida em meados de outubro pela emissora, alcançou ótimos resultados de audiência. Foram quatro episódios – A Coroa do Imperador, O Cunhado do Cara, Correio e Uólace e João Victor – que focam os personagens Acerola e Laranjinha (o Dadinho e o Filé com Fritas do filme, interpretados por Douglas Silva e Darlan Cunha), que protagonizaram o curta-metragem Palace II, realizado como preparação para Cidade de Deus. Eles vivem na favela, e a abordagem é mais humanitária, abrangendo não apenas o lado violento, mas também os dramas e dilemas que a população que nela moram vivenciam.

Goste-se ou não de Cidade de Deus, não há como negar seu tremendo sucesso. Mais de 2,6 milhões de pessoas pagaram ingresso para vê-lo. Isso equivale ao sexto maior público do ano. Um feito e tanto para o cinema brasileiro.


Lucas Rodrigues Pires
São Paulo, 7/11/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Uma fábula anticatólica de Daniel Lopes
02. Uma encantadora imbecilidade de Eduardo Carvalho


Mais Lucas Rodrigues Pires
Mais Acessadas de Lucas Rodrigues Pires em 2002
01. Santa Xuxa contra a hipocrisia atual - 12/12/2002
02. O limite de um artista - 4/6/2002
03. O melhor nacional do ano - 17/10/2002
04. Cidade de Deus, um fenômeno comercial - 7/11/2002
05. O que eles têm que nós não temos? - 5/12/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Kant Em Coma
André Rangel Rios
7 Letras
(2006)
R$ 9,80



Minidicionário Rideel Espanhol Português Espanhol
Ed Rideel
Rideel
(2003)
R$ 5,00



Sherlock Holmes/ Aventuras de Sherlock Holmes
Conan Doyle
Melhorametos
(1988)
R$ 6,90



Renúncia de Lucy Novo
Cleide Muniz
Lake
(1990)
R$ 17,85



Manual de Padronização de Textos. Normas Básicas de Editoração para elaboração de originais, composição e revisão
Senado Federal. Secretaria Especial de Editoração e Publicações
Gráfica Senado
(2006)
R$ 15,00



A Herança
Louisa May Alcott
Nova Cultural
(2004)
R$ 29,25



Direito Internacional Público
J. F. Rezek
Saraiva
(2002)
R$ 19,95



Picasso et les Maitres: Album de L Exposition
Anne Baldassari e Marie Laure Bernadac
Rmn
(2008)
R$ 18,00



Guia Visual Folha de São Paulo França
Dorling Kindersley
Publifolha
(1996)
R$ 15,00



Cicatrizes
Anamelia Bueno Buoro / Beth Kok / Eliana Atihe
Nacional
(2007)
R$ 6,00





busca | avançada
87759 visitas/dia
2,4 milhões/mês