Eleições: democracia como um falso slogan | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
55740 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projeto “Equilibrando” oferece oficinas e apresentações gratuitas de circo
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Assim criamos os nossos dois filhos
>>> Compreender para entender
>>> Para meditar
>>> O que há de errado
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Surf Hype, o maior blogueiro de São Paulo
>>> Sexta feira, 13
>>> Que seja eterno enquanto dure
>>> The Early Years
>>> Ruy Proença: poesia em zona de confronto
>>> E a Turma da Mônica cresceu
>>> FLIP 2006 III
>>> Franz Kafka, por Louis Begley
>>> Solidariedade é ação social
>>> ¿Cómo sobrevivo?
Mais Recentes
>>> Livro - Piaget-vygotsky - Novas Contribuições para o Debate de José Castorina e Outros pela Atica (1995)
>>> Pro-posições Revista QUadrimestral da faculdade unicamp - nº 3 1990 de Vários Autores pela Cortez (1990)
>>> O caminho quádruplo (como novo) de Angeles Arrien pela Agora (1997)
>>> Doce Cuentos Peregrinos de Gabriel Garcia Marquez pela Editorial Oveja Negra (1992)
>>> Livro - A Poesia Épica de Camões de Rosemeire da Silva pela Policarpo (1996)
>>> Contradições no ensino de português de Rosa Virgínia Mattos e Silva pela Contexto (2002)
>>> Livro - Festa no Mar - Festa no Céu / Livro Vira-vira 2 Em 1 de Lúcia Hiratsuka pela Dcl (2007)
>>> Livro - Robinson Crusoé - Coleção Reencontro de Daniel Defoe pela Scipione (2001)
>>> Ética a Nicômaco de Aristóteles pela Martin Claret (2009)
>>> Pro-posições Revista QUadrimestral da faculdade unicamp - nº 4 1991 de Vários Autorez pela Cortez (1991)
>>> Livro - O Estranho Caso do Cachorro Morto de Mark Haddon pela Record (2013)
>>> Heróis da Fé de Orlando Boyer pela Cpad (2009)
>>> Livro - Alguns Medos e Seus Segredos de Ana Maria Machado pela Global (2023)
>>> Livro - Matemática Mortífera - Saber Horrível de Kjartan Poskitt pela Melhoramentos (2010)
>>> Damas de Honra de Jane Costello pela Record (2012)
>>> Livro de Neemias de Elinaldo Revovato de Lima pela Cpad (2015)
>>> Leilão das Galerias Organização Canvas e E-arte - 2008 de Vários Autores pela Canvas Galeria e-Arte (2008)
>>> Repertório das essências florais - 4ª Ed (raro exemplar) de Patricia Kaminski e Richard Katz pela Aquariana (1992)
>>> Livro - Egito - Arte na Idade Antiga de Sueli Lemos; Edna Ande pela Callis (2011)
>>> O Passe: Seu Estudo, suas Técnicas, sua Prática de Jacob Melo pela Feb (1999)
>>> Livro - A Extraordinária Jornada de Edward Tulane de Kate Dicamillo pela Martins Fontes (2011)
>>> Livro - As Politicas De Igualdade Racial: Reflexões e Perspectivas de Matilde Ribeiro (org.) pela Fundação Perseu Abramo (2012)
>>> Os médicos do espaço de Luiz da Rocha Lima e o Lar de Frei Luiz pela Mauad (2006)
>>> Iniciação à Administração de Recursos Humanos de Idalberto Chiavenato pela Manole
>>> Livro - Caçadas de Pedrinho de Monteiro Lobato pela Globo (2008)
COLUNAS >>> Especial Eleições 2006

Segunda-feira, 25/9/2006
Eleições: democracia como um falso slogan
Jardel Dias Cavalcanti
+ de 7200 Acessos
+ 1 Comentário(s)

"Democracia é o direito que temos de escolher quem vai nos enganar"
Elias Canetti em Massa e Poder

Afinal de contas, será que ao elegermos um entre os vários candidatos que estão aí, estaremos realmente elegendo quem vai nos representar ou, ao menos, quem verdadeiramente desejamos que nos represente? Não.

Os candidatos que se apresentam como nossos futuros representantes foram escolhidos por nós para serem nossos candidatos a nos representar? Não.

Se mesmo não sendo candidatos escolhidos por nós para nos representar decidimos escolher um deles como nosso representante, será que ele poderá representar nossos interesses num quadro social onde quem manda é o poder econômico e não mais o poder político? Não.

Nós acreditamos em fantasmas. E apesar de todas as informações sobre a jogatina do poder que temos tido, desde O Príncipe, de Maquiavel, até Como iludir o povo com falsos slogans de liberdade e igualdade, de Lênin, dentre tantas obras políticas, caminhamos como cegos, assoviando no escuro para não ficarmos com medo de assombração. Mas, como ensinou Freud, assoviar no escuro afasta o medo, mas não acende a luz. Explico no próximo parágrafo, para não soar tão esotérico.

As eleições nos dão uma falsa sensação de controle da situação social na qual estamos metidos. É como assoviar no escuro. Essa sensação é como uma droga produzida nos laboratórios do sistema republicano em que vivemos e que nos é vendida a baixo preço como uma idéia de que estamos com as rédeas nas mãos, realmente escolhendo nosso presente e nosso futuro. Precisamos dessa ilusão para não nos metermos em ações desesperadas e perigosas. Votar, então, é preservar a nossa vida e o atual sistema de dominação, dentro de uma fantasia meio gasta, mas ainda assim necessária(?) da crença na ação política. É como a religião, nos protegendo do medo do absurdo da existência, nos dando respostas para o que não tem resposta. Não acendemos a luz, mas o som doce e musical de nosso assovio nos dá uma paz anestesiante no escuro. Paz de cemitério?

Vamos descer mais baixo. E os candidatos, afinal os fatos falam por si. Se usarmos nosso bom senso de observação das patéticas aparições desses seres o que temos como expectativa? Uma sensação de circo dos horrores! Não vou perder tempo falando de nenhum deles, eles falam por si mesmos e a imprensa tem falado diariamente e exaustivamente deles e eles ainda se exibem para nós com suas risíveis palhaçadas em nobre horário político televisivo. Basta!

A opção única que temos: escolher dos males o menos pior? Se esse é o princípio que norteia nossas decisões políticas, porque não temos culhões para rejeitarmos as alternativas imundas, que controle realmente temos sobre nossa existência social? Nenhum.

O que nos resta? O direito de dizer não a todos eles? Mas, ainda assim, não estaremos participando do circo montado por eles? E, afinal, que circo é esse? O da falsa idéia de que a representação política ainda tem sentido hoje em dia. A idéia mórbida de que votando em alguém estaremos garantindo um direito democrático de participação no jogo social.

No fundo gostaríamos de ter outros candidatos, melhores do que estes que temos agora, pois, ingênuos que somos, acreditamos que o problema é o dos candidatos e não o da situação histórica contemporânea: do fim da política como instância representativa do cidadão. Não foi só o sindicato que sofreu abalos nos últimos anos, perdendo sua força social e seu poder de representatividade, foi a própria noção de política que mudou face ao novo modo de organização econômica capitalista. Mas parece que ninguém percebeu.

Será que não estamos cientes de que estamos sendo enganados com mais uma velha história que mais parece um cadáver que não acaba de morrer nunca? Maquiavelicamente, o poder econômico financia a política como quem, para não perder o braço, oferece um pedaço do dedo.

Não é hora de começarmos a pensar em outras formas de se fazer política? Ou ao menos questionar essa que aí está.

Nunca tanta sujeira foi exibida em tão pouco tempo. Não se assuste, portanto, a nossa burguesia se daqui a alguns poucos anos candidatos do PCC se imporem à cena política e se tornarem a melhor opção de voto para o povo brasileiro. É melhor que percam logo o braço e alguma perna para não perderem a cabeça. Os subúrbios ainda vão gritar, e bem mais alto do que se imagina, sobre os muros de seu isolamento social.

Parece que na atual conjuntura eleitoral talvez a única questão realmente interessante é se perguntar se a foto do Enéas na cabine de votação virá com a sua barba ou sem ela. Rir não é o melhor remédio?

Temos que nos perguntar ainda mais uma coisa: afinal, se o cheiro que estamos sentindo é o da podridão e a forma que enxergamos é a do grotesco, que país está sendo espelhado em nossa realidade política?


Jardel Dias Cavalcanti
Campinas, 25/9/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. 80 anos do Paul McCartney de Julio Daio Borges
02. Jackie O., editora de Eugenia Zerbini
03. Mini-cartografia do prazer gastronômico paulistano de Adriana Baggio
04. Séries? Que papo é esse? de Fernando Lago
05. Entrevista da Camille Paglia de Vitor Diel


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2006
01. Guimarães Rosa: linguagem como invenção - 12/4/2006
02. Orkut, ame-o ou deixe-o - 27/1/2006
03. Bienal 2006: fracasso da anti-arte engajada - 24/11/2006
04. Renato Russo: arte e vida - 26/7/2006
05. Eleições: democracia como um falso slogan - 25/9/2006


Mais Especial Eleições 2006
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/9/2006
20h17min
Seguindo o raciocínio do artigo, a filosofia política atual é ensinada pelo cancioneiro popular: "esmola para um homem se não mata de vergonha, vícia o cidadão". Assim, uma cesta básica garante 10 votos; ruim com ele, pior sem ele. A única saída é aceitar quem supostamente nos dará um pouco mais de esmola. Mudança para melhor ficará apenas em nossos sonhos, afinal, o povo está muito domesticado pela mídia para se pensar em revolução.
[Leia outros Comentários de Marcos da Silva]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Asp: o Guia Essencial - Segunda Edição
A. Keyton Weissinger
Campus
(2000)



Brincando Com Colagens, Recortes e Dobraduras
Rosangela P. Nascimento
Global
(2002)



O Cálculo Em Prática Trabalhista (1996)
Antônio Gomes das Neves
Ltr
(1996)



Ser Protagonista Geografia - Livro Aluno Completo
Fernando dos Santos Sampaio
Sm Didático
(2014)



Britain Today
Richard Musman
Prentice Hall Press
(1977)



Livro - Revista de Microbiologia - Vol. 20 Nº4 - Confira!
Sociedade Brasileira de Microbiologia
São Paulo
(1988)



Conecte Biologia - Volume 1 (2011)
Editora Saraiva
Saraiva
(2011)



Segredos Revelados
Fern Michaels, Anderson Alexandre da Silva
Novo Conceito
(2012)



O Livro das Magicas, Truques e Codigos Secretos (1960)
Stella Leonardos
Ediouro
(1960)



Nos Caminhos da Vida
Guiomar de Oliveira Albanesi
Moderna
(2012)





busca | avançada
55740 visitas/dia
1,4 milhão/mês