Rock de raiz | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
82722 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Conto outubro - Sesc Carmo - literatura infantojuvenil
>>> Projeto seleciona as melhores imagens de natureza produzida por fotógrafos de Norte a Sul do país
>>> Infantil com a Companhia de Danças de Diadema tem sessão presencial em Ilhabela e Caraguatatuba
>>> Teatro do Incêndio realiza roda de conversa na Rua 13 de Maio sobre carnaval e identidade do Bixiga
>>> Mauro Mendes Dias lança Entre Baratas e Rinocerontes no encerramento da Semana da Estupidez
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Escrevo deus com letra minúscula
>>> O Anvil e o amor à música
>>> Devendra Banhart
>>> Reflexões praianas
>>> 2006 e os meus CDs
>>> Executivos
>>> Gripe Suína por Nani
>>> O filme é uma merda, mas o diretor é genial
>>> Christiane F., 13 anos, drogada, prostituída...
>>> O que é ser jornalista?
Mais Recentes
>>> O Romantismo - Coleção Stylus/ST. 03 de J. Guinsburg (Organização) pela Perspectiva (2013)
>>> Os Cangaceiros de Carlos D. Fernandes pela Fundação Ernani Sátyro (1997)
>>> Lampião As Mulheres E O Cangaço de Antonio A.C. Araujo pela Traço (2012)
>>> Lampião Contra o Mata Sete de Archimedes Marques pela Info Graphiqs (2012)
>>> Lampião e Zé Saturnino16 Anos de Luta de José Alves Sobrinho pela Bagaço (2006)
>>> Assim Morreu Lampião de Antonio Amaury Correa de Araujo pela Traço (2013)
>>> Geografia do Cangaço: Nomenclatura de Paulo Medeiros Gastão pela Sebo Vermelho (2016)
>>> Lampião o Rei dos Cangaceiros de Billy James Chandler pela Paz e Terra (1980)
>>> Medo de Voar de Erica Jong pela Nova Cultural (1986)
>>> Pecadores de Jackie Collins pela Nova Cultural (1986)
>>> Cérebro de Robin Cook pela Abril Cultural (1985)
>>> Os Insaciáveis de Harold Robbins pela Rio Gráfica (1985)
>>> Sempre um Colegial de John Le Carré pela Rio Gráfica (1985)
>>> O Cemitério de Stephen King pela Rio Gráfica (1986)
>>> Lembranças de Um Dia de Verão de Irwin Shaw pela Nova Cultural (1986)
>>> Amante Indócil de Janet Dailey pela Nova Cultural (1986)
>>> Máquinas Mortais de Philip Reeve pela Harper Collins (2018)
>>> O Chalé de Moorland de Elizabeth Gaskell pela Pedrazul (2019)
>>> Maria Madalena de Margaret George pela Geracao Editorial (2002)
>>> Stonehenge de Bernand Cornell pela Record (2008)
>>> Aves De Rapina de wILLBUR sMITH pela Record (2005)
>>> Cruzada: No Reino do Paraíso de H.Rider Haggard pela Geracao Editorial (2005)
>>> A Missao - A pergunta e a Resposta - Livro 2 de Patrick Ness pela PandorgA (2012)
>>> Traição em Veneza de Steve Berry pela Record (2010)
>>> Autografado - Noite Americana Doris Day By Night de Ronaldo Werneck pela Ibis Libris (2006)
COLUNAS

Quinta-feira, 7/2/2008
Rock de raiz
Luiz Rebinski Junior

+ de 4200 Acessos
+ 1 Comentário(s)

A onda folk que tomou conta da música pop nos últimos anos, trazendo para os holofotes artistas como Devendra Banhart, parece ter encontrado eco na cena brasileira. Com uma mistura inusitada de música caipira de raiz e rock inglês dos anos 80, o quarteto curitibano Charme Chulo tem sido uma voz dissonante no cenário musical independente atual.

Banalizado no meio musical, o termo folk não raro é usado para rotular qualquer tipo de música que tenha entre seus elementos violão e harmônica (gaita de boca). Baseado na música popular de raiz norte-americana, o folk teve em Woody Guthrie seu grande herói, até que Bob Dylan subverteu a ordem colocando guitarras nas puras e calmas baladas do gênero. Mas, diferentemente do que se vê por aí, a alcunha folk parece se encaixar bem à banda dos primos Igor Filus (vocal) e Lenadro Delmonico (guitarra/ viola) ― o grupo é composto ainda por Rony Jimenez (bateria) e Peterson Rosário (baixo).

A inspiração para o som pouco usual a banda encontrou no próprio quintal. Foi a partir de modas de viola, muito comuns no interior do Paraná (em Curitiba existe um teatro que reúne tocadores de viola nos fins de semana), da chamada música gauchesca (feita no vizinho Rio Grande do Sul e também bastante presente no PR), e de alguns elementos do imaginário caipira, como o ícone Mazzaropi, que o Charme Chulo baseou seu som. A esses elementos, o grupo adicionou pitadas do que de melhor o rock inglês produziu nos anos 80, como The Smiths e Echo and the Bunnymen.

O nome do grupo representa bem o conceito que a banda desfila em seu repertório, já que tenta reunir no mesmo balaio o charme, representado por guitarras estilizadas à moda Johnny Marr, e o ― supostamente ― chulo, presente em letras que realçam figuras como o Jeca Tatu e o modo de vida intimista, bem ao estilo da capital do Paraná.

Há indícios de Zé Rodrix, Legião Urbana, Neil Young e Blindagem ― banda pioneira do rock curitibano que tinha em Paulo Leminski seu principal parceiro ― nas músicas do Charme Chulo. É possível perceber também influências que vão além dos limites da música pop, como a literatura de Cristovão Tezza e Dalton Trevisan. Mas há acima de tudo um grupo com originalidade e ótimo repertório.

O primeiro e homônimo disco traz verdadeiras odes a paisagens bucólicas tocadas em ritmo ligeiro, como a excelente faixa de abertura "Mazzaropi incriminado", óbvia homenagem ao anti-herói brasileiro, em que Igor canta: "É, você se sente o Mazzaropi incriminado/ um brasileiro que perdeu mais uma chance/ é enganado tanto quanto ele só". A capa do disco, com uma foto do Passeio Público de Curitiba com uma carroça à frente, não deixa dúvidas de quanto o cotidiano da capital do Paraná influencia o som do grupo. E aqui se estabelece outro êxito do quarteto curitibano, que não resvala no simples bairrismo, nem deixa brecha para que seu som ganhe a pecha de "regionalista". Ao cunhar um rock com pegada caipira, a banda se aproxima do rock gaúcho, que desde sempre soube mesclar com bastante precisão e habilidade a tradição do cancioneiro local com a música jovem.

"Polaca azeda" é outra faixa dominada pela viola rápida de Delmonico em que fica evidente a influência da ex-banda de Morrissey, com direito, inclusive, aos mesmos gritinhos de Mozz ao final de "Ask". Mas as explícitas influências do Charme Chulo não soam como cópia ou simulacro. As sonoridades são digeridas e se fundem a elementos próprios, dando ao som da banda singularidade. Porém o grande barato do Charme Chulo não está nas guitarras surrupiadas dos grupos ingleses, mas sim no resgate da cultura popular do Paraná, tal como a tradição oral, a recriação do cotidiano e, principalmente, do sotaque curitibano, incrustado em expressões peculiares como o famigerado "leite quente" e em outras menos famosas como "dolé" (picolé), "piá" (menino) e "polaca azeda" (moça muito branca com raízes no leste europeu, não necessariamente vinda da Polônia). Tudo isso embalado em um verniz pop, que dá às músicas um toque cool, como na ótima "Piada cruel", em que Delmonico destila sua gaita de boca entre um solo e outro. Mas a vocação da banda para transformar elementos da tradição local em bons rocks é percebida com mais intensidade em "Amor de boteco", um roquinho de levada dançante, cantada ao melhor estilo rádio AM por Igor. A quinta-essência do rock caipira do Charme Chulo é "Solito a reinar", em que a viola de Delmonico dá origem a uma deliciosa canção pop.

Para ilustrar o som singular da banda, há ainda o visual caipira, que inclui camisa xadrez e chapéu de palha ― o contraste fica por conta do baterista Rony, com seu chapéu de caubói e jeitão de punk. Igor é responsável por um desempenho bastante peculiar à frente do palco, com trejeitos exagerados que misturam Ian Curtis e Renato Russo.

Com uma musicalidade dinâmica e cheia de boas influências, o Charme Chulo fez de elementos desprezados pelo universo pop sua matéria-prima. Um grupo que deixa o efervescente, porém pouco conhecido, cenário de música independente de Curitiba ainda mais interessante.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 7/2/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Melhor que muito casamento de Ana Elisa Ribeiro
02. Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes de Jardel Dias Cavalcanti
03. O Abismo e a Riqueza da Coadjuvância de Duanne Ribeiro
04. Lola de Elisa Andrade Buzzo
05. A Imagem do Som de Fabio Gomes


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2008
01. O jornalismo cultural no Brasil - 2/1/2008
02. Bukowski e as boas histórias - 15/10/2008
03. Despindo o Sargento Pimenta - 16/7/2008
04. O óbvio ululante da crônica esportiva - 27/8/2008
05. Dobradinha pernambucana - 23/1/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/2/2008
12h34min
realmente, Charme Chulo é uma banda surpreendente e interessante, ela é diferente sem se tornar enjoativa e forçada!
[Leia outros Comentários de Orlando Junior]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Curso de Direito do Serviço Social - 7ª Edição Biblioteca Básica
Carlos Simões
Cortez
(2014)



Transformando Suor Em Ouro
Bernardinho
Sextante
(2006)



Rio de Janeiro - Coleção 7 Dias
Bibloteca Viaje Mais
Bibloteca Viaje Mais
(2010)



40: um Romance Feminino
Martha Mendonça
Record
(2012)



Til
José de Alencar
Saraiva de Bolso
(2012)



Menino Que Sonhava Transformar o Mundo
Rogério Andrade Barbosa
Pallas
(2009)



Os Cientistase Seus Experimentos de Arromba
Mike Goldsmith
Seguinte
(2010)



A Noite Escura e Mais Eu
Lygia Fagundes Telles
Nova Fronteira
(1995)



O Ato de Amor do Povo
James Meek
Record
(2006)



Arraes um Ano de Governo Popular
Jocelyn Brasil
Opção
(1980)





busca | avançada
82722 visitas/dia
1,8 milhão/mês