A grama do vizinho | Adriane Pasa | Digestivo Cultural

busca | avançada
64351 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
>>> Seminário Trajetórias do Ambientalismo Brasileiro, parceria entre Sesc e Unifesp, no Sesc Belenzinho
>>> Laura Dalmás lança Show 'Minha Essência' no YouTube
>>> A Mãe Morta
>>> BATA ANTES DE ENTRAR
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
>>> A dor
>>> Parei de fumar
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O humor é como as marés, ora sobe ora desce
>>> Guimarães Rosa em Buenos Aires
>>> Festival de Curitiba 2010
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
>>> O INVISÍVEL
>>> Meu reino por uma webcam
>>> De louco todos temos um pouco
>>> Doces Cariocas
>>> A imaginação educada, de Northrop Frye
>>> Weezer & Tears for Fears
Mais Recentes
>>> O Profissional Competitivo de Carlos Roberto Faccina pela Elsevier (2006)
>>> Gerenciamento de Riscos Em Projetos de Carlos Alberto Corrêa Salles Jr. e Outros pela Fgv (2009)
>>> A Barcarola de Pablo Neruda pela L&pm (1983)
>>> A História da Educação Através dos Textos de Maria da Glória de Rosa pela Cultrix (1980)
>>> Maria de Cada Porto de Moacir C. Lopes pela Quartet (2002)
>>> Despertar de Amanda Hocking pela Planeta (2012)
>>> Minidicionário Italiano de Michaelis pela Melhoramento (2004)
>>> O Cosmos das Cores de Gunter Kollert pela Goethe
>>> Diário de um Cucaracha o Edição Especial para Mulheres de Henfil pela Record
>>> Os Tempos do Coração de Willy Pasini pela Rocco (2003)
>>> Auto da Barca do Inferno de Gil Vicente pela Atelie (1996)
>>> O Brasil Que da Certo: o Novo Ciclo de Crescimento, 1994-2005 de Stephen C Kanitz pela Makron Books (1994)
>>> As Minhas Ilhas de Felipe Daiello pela Age (2006)
>>> O Cidadão De Papel de Gilberto Dimenstein pela Ática (1997)
>>> Casamento Aberto as Novas Relações Conjugais de O Neill Nena e George pela Artenova
>>> Home Remedies What Works de Gale Maleskey; Brian Kaufman pela Rodale
>>> Dragon En El Tazon, Un de Roser Rius; Maria Isabel San Martin pela Bruno Arg (2006)
>>> Manual de Direito Penal V. 3 de Julio Fabbrini Mirabete; Renato N. Fabbrini pela Atlas (2007)
>>> Acupuntura de Terapia Alternativa a Especialidade Médica de Dr. Hongg Jin Pai pela Ceimec (2005)
>>> Os Pensadores - Maquiavel de Nova Cultural pela Nova Cultural (1999)
>>> Como Falar Corretamente e sem Inibições de Reinaldo Polito pela Saraiva
>>> Les Songes Superbes de Théodore Sturgeon pela Presses Pocket (1978)
>>> A História dos Bancos no Brasil de Alexis Cavicchini pela Cop (2007)
>>> A Alma de uma Cidade de Renato Sérgio pela Ediouro (2000)
>>> The Theory of Incentives: the Principal Agent Model de Jean Jacques Laffont; David Martimort pela Princeton University (2002)
COLUNAS

Segunda-feira, 23/12/2013
A grama do vizinho
Adriane Pasa

+ de 4200 Acessos

Todo dia eu olhava pra ela. Todo dia. Pela janela da minha cozinha. E era linda. E a cor era muito viva, principalmente em dias de sol. Até que um dia peguei uma lupa e fui até lá. O lance é conferir de perto, porque de longe todo mundo é normal. Dei uma disfarçada e fui em direção à caixa de cartas, depois abri o portão, fingi estar esperando algo, dei alguns passos para o lado e abaixei. E vi. Com a lupa. Vi a minhoca e a larva da minhoca e depois um tatuzinho-bola. E pior. Achei o máximo. Tinha vida e era engraçada, surpreendente como os vídeos em close-up da Discovery Channel. Dei uma analisada na cor, que disso eu entendo. Era de um verde-bandeira brilhante, saturado, nenhuma cor da escala Pantone se parecia com ele e tinha um efeito de glitter. Parecia uma mistura dos verdes das telas de Tarsila. Que raiva. Algumas folhas estavam meio amareladas, ok, mas faziam uma boa composição. Em tempos de copa do mundo, fica até bacana. E estava toda aparadinha, simétrica, um mini Maracanã. Aí resolvi cheirar e cheguei mais perto, a pontinha da folha me fez cócegas por dentro do nariz. Dei um espirro, desses que saem em partes e a gente fica com cara de idiota. Tinha um cheiro de chuva, mas chuva engarrafada, tipo essas colônias pós-banho. Quando passei a mão, uma aguinha ficou entre meus dedos. Uma coisa fresca, geladinha. De fato, era o máximo. Não havia dúvidas.

Antes que eu pudesse disfarçar e sair de fininho, a família chegou. As crianças saíram do carro correndo e com suas galochas de chuva pisaram grosseiramente na grama. Aquelas galochas cujas solas têm um desenho geométrico parecido com marcas de pneu. Faziam carimbos. A mãe, meio azeda, dizia aos berros, "vão pela calçada!". Havia alguma coisa estranha nelas, uma agressividade exacerbada, mesmo sorrindo e pulando se empurravam com força. O pai, com uma cara de cansado e com a testa cheia de rugas de final de dia pegava as compras no porta-malas. Deixou cair uma sacola que tinha não sei o que e quebrou e o líquido escorreu pelo verde-bandeira. Acho que era refrigerante, porque fez uma espuminha. A mãe reclamou. E aí veio o cachorro e cagou bem no lugar onde estavam as minhocas e o tatu-bola. Depois que todos entraram, as folhinhas pareciam meio amassadas e um pouco de terra havia se soltado, espalhando alguns torrões por cima de tudo. Como anoitecia, a cor tinha outro tom. As vozes foram ficando longe e eu ouvi a porta bater, com força. Pareceu-me um recado. A essas alturas eu já estava em frente ao meu portão, fingindo chegar da rua. Acho que ninguém reparou que eu estive ali observando e cobiçando, com uma solidão própria dos quadros de Hopper. Olhei em volta. Todos os jardins estavam com um aspecto estranho e perturbador, como na cena de Veludo Azul em que o rapaz encontra uma orelha cortada no meio de um matinho em um terreno baldio. Bizarro. O que antes era Walt Disney, de repente virou David Lynch.

Entrei em casa e o silêncio chegava a incomodar. Lembrei do Daniel. Um amigo escritor muito talentoso e que tinha uma risada divertida com gosto de infância. Daniel nunca estava em silêncio. Era muito generoso para isso. Há alguns dias ele havia me enviado uns textos lindos, que despertaram em mim um sentimento meio confuso. Aquelas coisas que a gente admira, acha genial, mas gostaria mesmo é que fossem nossas. Fui para o computador. Escrevi um troço estranho, totalmente diferente do que eu costumava escrever. Quis imitar o jardim perfeito dos textos de Daniel. Aí me deu uma sede e lembrei que só tinha água da torneira. Fui até a cozinha. Uns dias atrás tinha lido uma matéria sobre o cloro na água, dizia que ele mata em torno de 75% das bactérias. Mas será que também mata a gente, aos poucos? Lembrei que na casa ao lado, como tem crianças, nunca devia faltar água mineral. E refrigerante. Bebi um copo d'água da torneira num golão. Voltei para o computador e fiquei olhando para a tela um pouco. Corrigi alguns errinhos, mudei algumas palavras, pra parecer mais elaborado e inteligente. Em seguida mandei meu texto por e-mail para o Daniel. E disse a ele, na cara dura: "Hoje tentei fazer um texto parecido com os teus, veja aí". Senti um pouco de vergonha, mas aí a mensagem já tinha ido. Depois pensei que quando somos íntimos de alguém amigo jamais devemos ter vergonha de nada. A gente não precisa fingir que não está admirando e tentando imitar. Num terreno de liberdade, a cobiça nunca é anônima. É sempre declarada, explícita. Depois de alguns minutos ele respondeu dizendo "mas não tem nada a ver com o que você escreve!". A inveja é assim.


Adriane Pasa
Vancouver, 23/12/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cuba E O Direito de Amar (2) de Marilia Mota Silva
02. Crônica em sustenido de Ana Elisa Ribeiro
03. Não quero ser Capitu de Cassionei Niches Petry
04. O Brasil que eu quero de Luís Fernando Amâncio
05. Piada pronta de Luís Fernando Amâncio


Mais Adriane Pasa
Mais Acessadas de Adriane Pasa em 2013
01. Um Lugar para Fugir Antes de Morrer - 15/5/2013
02. Cego, surdo e engraçado - 19/4/2013
03. A grama do vizinho - 23/12/2013
04. Dooois ou um? - 28/10/2013
05. A verdade somente a verdade? - 26/8/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os Fidalgos da Casa Mourisca
Júlio Dinis
Europa América
(1972)



O Toró: Col. Bum - Bum - Que - Te - Bum - Bum - Bum / 2ª Ed
Ivan Zigg; Regina Siguemoto
Do Brasil
(2008)



Isso ninguém me tira
Ana Maria Machado
Ática
(1996)



O Maior Segredo do Mundo
Og Mandino
Record
(1979)



Box Teologia do Corpo + Livreto: o Papa das Multidões e a Loja do Ouri
São João Paulo II
Minha Biblioteca Católica
(2021)



Nova Guiné - As Regiões Selvagens do Mundo
Time Life
Time Life
(1975)



TOC: transtorno obsessivo-compulsivo
Dan J. Stein / Maomi A. Fineberg
Med
(2009)



Coleção de Olho no Mundo Meios de Transporte (2000)
Abril
Abril
(2000)



Marketing no Setor Público
Philip Kotler - Nancy Lee
Bookman
(2008)



A Mulher Muçulmana Segundo o Alcorão
Paulo Eduardo Oliveira
Palavras & Imagem
(2001)





busca | avançada
64351 visitas/dia
1,8 milhão/mês